Show de Vizinha-Capitulo 8


Capitulo Oito



– Nem que eu fosse louco. – falei sorrindo e ela riu enquanto colava seu corpo no meu já começando a afastar minhas calças, segurei suas mãos a impedindo de continuar,


– O que? – perguntou confusa e pedi um minuto, enquanto olhava para a casa do Sr. Black, Bella seguiu meu olhar e riu baixinho.


Dei uma olhada e parecia que eles tinham ido mesmo. Confirmado que estávamos sozinhos soltei as mãos de Bella que sorria e terminou de tirar minhas calças e agarrou meu membro.


Minhas pernas ficaram bambas, mais ela não parou de me tocar. Massageou a cabeça do meu pau, depois deslizou a mão por todo meu cumprimento.


– PQP! – gemi e senti os lábios dela em meu peito, sua boca descendo por meu corpo, até ela ficar de joelhos e abocanhar meu pau. Eu juro vi estrelas, a boca quente e molhada babava em todo meu pau, o engolindo quase todo.


Seus dentes rasparam e tremi ansiando por mais. Ela se afastou e deu um pequeno beijo na ponta e ficou de pé com um sorrisão. Meu pau estava inchado e pulsando, sem me conter a puxei para mim, e a beijei com desejo, minhas mãos afoitas entraram pela camisa e agarrei seus seios perfeitos, ela gemeu quando belisquei os mamilos, e se afastou para puxar a camisa pela cabeça, e voltamos a nos atracar.


Meu corpo estava fervendo, não ardendo para estar dentro dela, Bella gemeu quando agarrei sua bunda e a puxei para cima, suas pernas entrelaçaram em meu quadril e meu pau ficou entre suas coxas. Ambos gememos com o contato, mais não paramos de nos beijar, não até o fôlego faltar.




Nos afastamos ofegantes mais as bocas ainda na pele um do outro. Provando e experimentando. Chupando, lambendo, Bella desceu a mão entre nossos corpos e agarrou meu pau, o guiando para sua entrada encharcada, deslizei fácil para dentro dela, sentindo seu calor agasalhar meu pau.


– Porra...


– Oh... Edward.... – ambos gememos, quando estávamos unidos, voltei a apertar sua bunda e a puxei mais para mim, e entrei mais nela, estávamos tão grudados que parecíamos um.


– Piscina. – falou ofegante e sem nos desconectar fui até a piscina, na parte rasa, entrei e comecei a caminhar para a parte funda, a água gelada me fez ofegar, quando tocou em nossos corpos absurdamente quentes.


– Oh...


– PQP!


Assim que estávamos quase cobertos pela água a levei até a borda a prensado contra a parede e sai de dentro dela com calma, para voltar novamente com força.


– Edward....


Ela gemeu alto agarrando meus cabelos, e repeti o movimento, era muito bom, seu núcleo pulsava e meu pau era esmagado por seu interior. Gememos quando continuei investindo lento e forte.


– Isso... Não pare.... Não.......


Bella gozou em meu pau, mais eu ainda estava duro. Sai de dentro dela e a virei de costas. Seus seios pressionados contra a borda da piscina e a bundinha empinada para mim. Voltei a deslizar para dentro de sua boceta encharcada, que me apertou assim que entrei, e ela gozou novamente.


– Edward....


Gemi sentindo seu gozo molhar meu pau e comecei a investir rápido e forte.

Ela gemeu empinando mais a bundinha e meti mais forte, fazendo a água criar ondas a nossa volta. Meu pau já se contorcia e mais uma vez seu núcleo pulsou e apertou meu pau, o esmagando, vim rápido e forte sendo logo seguido por ela.


Abracei seu corpo, sentindo ela tremula


– Deus... Você está definitivamente acabando comigo. – eu ri contra suas costas e sai de dentro dela a virando de frente para mim, ela enlaçou meu pescoço e ficamos nos beijando.


– Bella... – arregalei os olhos ao ouvir a voz de minha mãe e de repente a mão de Bella estava me empurrando para baixo.


Fechei os olhos embaixo da água, prendendo a respiração. Podia ouvir ao fundo as vozes das duas, mais não conseguia entender o que elas falavam.


Serio eu era muito azarado mesmo. Justo quando estamos na piscina.


Deus me odeia.


Já estava começando a sentir a água entrar pelo nariz e boca, me desesperei me debatendo, e tentei subir, mais Bella ainda empurrava minha cabeça para baixo.


Merda! Elas tão trocando receitas?


Senti as mãos de Bella sair da minha cabeça e subi respirando com dificuldade. Ofeguei por ar, estava vermelho e nem conseguia falar.


– Edward, você está bem? – ela segurou meu rosto com as mãos e assenti freneticamente. Ainda não conseguia falar direito.


– Bella... – arregalei os olhos ouvindo a voz da minha mãe e olhei Bella implorando para ela não fazer de novo, mais ela fez, de novo estava embaixo da água.


Entrava água pelo nariz, boca, ouvidos, eu tava quase morrendo afogado aqui. E Bella continuava empurrando minha cabeça para baixo. Depois do que pareceu uma eternidade ela me puxou de volta e cuspi um monte de água. Senti as mãos dela em meu rosto novamente me encarando preocupada.


– Gatinho, tudo bem? – assenti ainda respirando com dificuldade e ela me abraçou apertado, quase me sufocando, chacoalhei os braços para cima e ela me soltou sorrindo. – Desculpe. – começou a dar beijos em meu rosto.


– Podemos sair da piscina. – falei apressadamente, quando estava mais calmo e ela sorriu.


– Claro gatinho. Mais não acho que ela vai voltar.


– Não, não é por isso. É que estou traumatizado. – ela riu e sai apressadamente da piscina. – É serio, nunca mais entro em uma piscina. – peguei minha calça a vestindo rápido e ajudei Bella com a camisa e corremos para dentro da casa.


Assim que entramos subimos para o quarto e fomos direto para o chuveiro, entramos em baixo da água morna e ela me abraçou e ficamos nos olhando enquanto a água tirava o coloro do nossos corpos.


Abaixei o rosto roçando os lábios nos dela, e ela sorriu contra a minha boca, apertei seu corpo no meu, enquanto meus braços deslizavam por suas costas, até o seu bumbum, mais ela me parou.


– O que?


– Você, não está curioso, para saber o que sua mãe queria?


– Na verdade nem um pouco. – Bella riu e me afastou mais.


– Seus pais estão preocupados que não voltou.


– Mais, eu disse que ia sair com os rapazes.


– Mais, ela está desesperada atrás de você.


– Saco. – falei já saindo do banheiro e me secando rapidamente.


Bella ainda continuou lá, enquanto me vesti apressadamente. Minha roupa estava um lixo, molhada, meio suja de grama. Mais ou era ir assim, ou ir pelado


Minha mãe ia surtar, já o Sr. Black, ia adorar. Eca, senti uma arrepio e vesti a minha roupa apressadamente. A minha cueca ainda estava desaparecida.


Vesti a roupa sem ela mesmo. Já colocava o tênis, quando Bella saiu do banheiro enrolada na toalha. Ela deitou na cama ao meu lado. Terminei de me arrumar e dei um beijo rápido nela.


– Já vou.


– Ok. – fiquei parado sem saber o que fazer e ela riu me chamando com o dedo, fui até ela que agarrou minha camisa e colou a boca na minha me beijando com urgência, senti ela colocando algo em meu bolso traseiro, ou talvez só estivesse apertando minha bunda. Ela puxou meu lábio inferior entre os dentes e gemi baixinho.


– Agora vai, gatinho.


– Ok. Nos vemos depois.


Ela sorriu e suspirando sai apressado para fora de sua casa. Nosso dia juntos totalmente estragado. Sai da casa de Bella e olhei para os lados, não tinha ninguém na rua.


Como eu sou meio paranóico, me encostei na parede da casa, e ainda encostado caminhei para trás da casa, iria pelos fundos. Estava andando e já estava quase em casa e até agora ninguém me viu.


– O que você ta fazendo, gatinho?


– PQP! – resmunguei com a mão no peito e vi Bella me olhando confusa da janela do seu quarto.


Corei como o inferno, por ter sido pego em um dos meus momentos surtados e sorri sem graça, desencostando da parede coloquei as mãos nos bolsos dando uma olhada para os lados, conferindo que foi só ela que presenciou meu mico.


– Nada, só indo pra casa. – ela riu debruçada na janela.


– E por que ta indo pelos fundos? – dei de ombros.


– Sabe pra disfarçar. – ela riu e me mandou um beijo.


– Boa sorte com seu disfarce gatinho. – suspirei e vi ela sumindo para dentro do quarto.


Olhei em volta, ninguém a vista, voltei a me encostar na parede. E dei uma olhada para a minha casa e corri para lá. Abri a porta com cuidado pra não fazer barulho e corri para dentro. Comecei a subir as escadas quando ouvi a voz da minha mãe.


– Parado. – parei no segundo degrau e olhei para ela com um sorrisão.


– Oi mãe....


– Edward Anthony Cullen, onde estava?


– Com os rapazes. – ela estreitou os olhos para mim.


– Serio?


– É.


– Por quem eu falei com a Sra. Withlock e ela disse que você não esteve lá.


– Eu dormi nos MacCarty.


– Tem certeza?


– Tenho? – ela me deu aquele olhar de mãe, sabe aquele de “te peguei na mentira”.


– Bom, então você dormiu só com os pais de Emmett? Por que, Emmett estava nos Withlock.


– Oh.


– Então Sr. Edward Anthony Cullen, onde estava a noite toda? Sabe como fiquei preocupada. Achando que poderia estar nas ruas, drogado, tendo uma overdose. Liguei para seu celular e nada. – rolei os olhos.


– Mãe, desculpa. Eu estava com... – podia inventar uma mentira, ou contar uma meia verdade. Vi ela me olhando com expectativa, na certa esperava uma confissão de que me drogo.


– Com minha namorada. – serio eu quase pude ver o olhar de decepção dela.


– Namorada?


– É.


– Menina ou menino?


– PQP! Mãe!!


– O que?


– Claro que é mulher. – ela deu um sorrisão.


– Estou tão feliz. Meu bebê namorando. – ela veio até mim apertando minhas bochechas.


– Mãe!


– Carl. Venha aqui.


– To indo. Que foi? – falou meu pai entrando no Hal de entrada. – Há ai está nosso fugitivo.


– Bem menos pai. – ele riu.


– Então onde passou a noite. Sua mãe quase chamou a policia.


– E por que não chamou?


– Ela teve medo da policia te achar, e você ser preso por porte de drogas.


– Mãe?


– O que? Poderia acontecer. Eu vi um caso assim semana passada, na TV. – rolei os olhos.


– Ok, ok. Então eu estava com minha namorada. Pronto satisfeitos?


– Namorada? – meu pai arqueou uma sobrancelha.


– É namorada.


– Menina ou menino.


– PQP! Vocês me odeiam, né? – meu pai riu e me abraçou pelos ombros.


– Estou brincando. Claro que é mulher, meu filhão é macho, como o pai dele. – vi minha mãe dando uma risadinha e “tigrão e tigresa” voltaram a minha mente, quase vomitei.


– É sou macho. Não me drogo. Agora posso subir?


– Não, não. – minha mãe veio apressada até mim. – E quando vai trazê-la em casa?


– Nunca.


– Edward?


– Só se eu fosse louco a traria aqui. Vocês na certa vão afugentar a menina. Deixa ela estar bem apaixonada por mim, que ai ela não vai se importar com suas loucuras. – ela bufou, mais deixou eu subir.


Assim que cheguei ao meu quarto suspirei. Serio minha família tem problemas, e nem anos de terapia vão me curar.


Tirei as roupas sujas e fui para o banheiro. Tomei um banho rápido, pois ainda estava com trauma de água.


Bem o mundo ia agradecer meu banhos rápidos hehe.


Voltei para o quarto, e enrolado na toalha mesmo me joguei na cama dormindo rapidamente.


Acordei no dia seguinte, meio grogue de sono. Já estava quase na hora do almoço. Fui para o banheiro, lavar o rosto e escovar os dentes, não sem antes dar uma mijada. Sai ainda nu do banheiro coçando a barriga...


– Oi gatinho.


– PQP!! – de onde essa mulher veio? Olhei atônito Bella, que mordia o lábio e olhava gulosa para mim e corei.


– E muito bom por sinal. – falou olhando para meu corpo nu.


– O que faz aqui?


– Sua mãe te mandou chamar para almoçar.


– E você não bateu antes?


– Estava aberta. – assenti e sai caçando algumas roupas, percebi que Bella olhava minha bunda e corei mais ainda.

Rapidamente vesti uma bermuda e uma regata. Tentei ajeitar o cabelo passando as mãos nos fios bagunçados e a ouvi rir baixinho, e vir até mim.


– Sabe o que mais gosto em você? – neguei e ela mordeu o lábio sensualmente e começou a passar as mãos nos meus cabelos.


– Esse cabelo sexy como o inferno. – eu corei e ela riu ficando nas pontas dos pés e agarrou meu pescoço, colando a boca na minha em seguida. Gemi a abraçando pela cintura, moldando seu corpo no meu, enquanto sua língua explorava toda a minha boca em um beijo urgente.


Nos afastamos ofegantes, ela deu um selinho em meus lábios e se afastou já indo para a porta. A segui como um cachorrinho, que eu era quando estava com Bella.



O almoço foi normal, Bella não me atacou o que foi bom. Infelizmente a minha mãe fez o favor de contar que estou namorando, e melhor ainda uma mulher.


Lógico que ela fez o favor de ressaltar mais de uma vez, que duvidava da minha masculinidade.


Bella simplesmente me olhava e mordia o seu lábio carnudo, ela sabia muito bem que eu era homem.


Assim que Bella saiu, eu fui para meu quarto. Pensei em fazer o meu dever atrasado, mais fui impedido por meu pai entrando no meu quarto.


– Filho, podemos conversar?


– Claro, pai. Entra ai. – ele sorriu e sentou

Ficou um tempo em silencio e esperei ele falar. Ele continuava calado e comecei a ficar impaciente, meu pé batendo no chão, e mordia meu lábio, e nada do homem falar.


– Fala pai. – ele piscou e suspirou.


– Desculpe. É que não sei como começar essa conversa.


– Que conversa? – perguntei já desconfiado.


– Bem, agora você é um homem e namora...


– Arg, pai. Precisamos mesmo?


– Bem, você não é virgem, então só o que eu preciso dizer é que, não magoei a menina, e use proteção. – assenti concordando para ver se ele ia embora logo, quando parei de mover a cabeça.


– Pro... Proteção? – ele riu.


– É você sabe. Camisinha. Ver se ela toma pílula. Cuidado nunca é pouco. – falou sorrindo e saiu do quarto fechando a porta.


Meu estomago deu uma cambalhota.


Proteção?


Camisinha?


Pílula?


PQP!


Continua

0 comentários :

Postar um comentário