Show de Vizinha - Capitulo 1

Capitulo Um

Cara que tédio, sabadão e eu sem nada pra fazer, podia ligar para o Emmett mais ele saiu pra acampar com seus pais. Bem que meus pais podiam me levar pra acampar, mais eles odeiam mato.

Se bem que eu também odeio foi por isso que pulei fora quando Emmett me convidou.
Suspirei pesadamente tamborilando os dedos em meu abdômen, e olhei pro teto, eu podia ligar pro Jazz, ah ele tinha uma reunião de família, ele até tinha me convidado.

Mais seus primos eram um pé no saco, e fiquei feliz por ele não insistir. Levantei da cama indo à direção a janela e observei o caminhão que estacionava em frente à antiga casa dos Wilson. Era uma casa legal, a única com piscina do bairro.


Sempre que tava calor a Sra. Wilson me deixava nadar lá, Emmett dizia que ela só queria me ver de sunga.

Eu parei de nadar lá depois disso. Serio a Sra. Wilson era feia que dói. Pobre do Sr. Wilson...

Meus pensamentos foram desviados quando um carro parou ao lado do caminhão e uma mulher saiu de dentro, eu praticamente babei ao olhar pra ela.

Não dava pra ver seu rosto, mais seu corpo, PQP ela era gostosa, estava usando um short curto e colado a sua bunda empinada, um tope branco que deixava sua barriga lizinha de fora, e acentuava seus seios.

Vi a mulher, abrir a porta da casa, enquanto alguns homens saiam com caixas do caminhão e colocavam no jardim em frente à casa, ela entrou na casa e um dos homens a seguiu.

Suspirei voltando pra minha cama, e pensando na minha mais nova vizinha. Ela era lindo fato, e bem melhor que a Sra. Wilson e se ela me secasse na piscina eu não ia me importar.

Ri dos meus pensamentos, mais parei quando minha mãe me encarava da porta.

–Você anda usando drogas?

–Mãe! – ela suspirou.

–Não quer mesmo ir ao clube comigo e com seu pai.

–Não obrigado.

–Vamos Edward vai ser divertido. – ela sorriu tentando me animar.

–E ficar de vela, nem pensar. – meu pai que passava pelo corredor deu uma risadinha e rolei os olhos.

Cara era vergonhoso ter pais que ainda eram ativos no sexo. Pior era saber que eles tinham mais vida sexual que você.

Na verdade eu não tinha nenhuma, mais ninguém precisa saber disso. Pisquei quando minha mãe estalou os dedos em frente ao meu rosto.

–O que?

–Tem certeza sobre as drogas. Podemos te tirar dessa vida.

–Pai! – meu pai entrou sorrindo e puxou minha mãe para fora de casa.

Fala serio desde que ela viu aquele documentário sobre drogas na adolescência e como a família é importante nesses casos.

Lógico que ela cismou que eu usava drogas, e que ela estaria ali pra mim. Suspirei pesadamente. É nisso que da não ter vida social, sua mãe cisma que você é maconheiro.

Levantei da cama e voltei a olhar pela janela, agora havia muitas caixas no jardim e mais nenhum homem, fiquei olhando uma abelha zunindo ali no galho da arvore, serio a vida da abelha era difícil, todo mundo dizendo que ela era inútil mais mesmo assim ela conseguia voar.

Ao contrario de mim, me dizem que eu sou virgem e eu não consigo mudar esse fato, rolei os olhos, até meus pensamentos eram idiotas. Affe.

Voltei a olhar em direção da casa da vizinha gostosa, e vi um dos homens saírem da casa, e a minha nova vizinha logo atrás.

Ela gesticulava com os braços e parecia brava, o homem correu para o caminhão e ela mostrou o dedo do meio, enquanto ainda falava, e pelo que deu pra ver ela xingava, e ela tinha uma boca suja.

Cara aquele palavrão eu não conhecia.

Ela se sentou sobre uma das caixas e enterrou o rosto entre as mãos, e sorri internamente, que hora perfeita para bancar o vizinho prestativo. Peguei uma regata em cima da minha cama e desci as escadas correndo.

Eu pulei os degraus de dois em dois, mais como eu sou a sorte em pessoa, é lógico que eu caio justo no ultimo degrau.

–Ai. – gemi enquanto massageava a bunda e caminhei devagar para fora da casa. Ela continuava sentada de costas pra mim e me aproximei até estar perto o suficiente para vê-la.

–Hey. – ela suspirou e me olhou, minha boca se abriu em espanto.

PQP ela além de gostosa é linda, seu rosto tinha formato de coração e seu nariz era pequeno e arrebitado, seus olhos cor de chocolate me olhavam com curiosidade e sua boca de lábios cheios e rosados sorria levemente.

E todo esse conjunto perfeito era emoldurado pelo lindo cabelo cor mogno que caia sobre seus ombros até sua cintura com cachos nas pontas.

–Você esta bem? – ela perguntou sorrindo, e corei e olhei para meus pés.

Ótima primeira impressão idiota. O que falta agora você babar. Só por precaução eu passei minha mão pelo canto da boca.

–Sim... – minha voz saiu rouca e pigarreei. – Sim, me chamo Edward, sou seu vizinho. – nossa eu falei tudo isso mesmo?

–Isabella.

Nossa até o nome dela era lindo muito sexy também, continuava a encarando e ela sorriu com certeza da minha cara de idiota.

–Bem o que você quer Edward? – o que eu queria?

Nossa eu podia fazer uma lista? E será que ela me atenderia? Sorri corando levemente.

–Bem, pensei em oferecer ajuda. – apontei para as caixas, e ela suspirou frustrada.

–Não sei se posso te pedir para me ajudar. Não quero estragar seu sábado.

–Não, eu estava de bobeira em casa mesmo. – falei sem me preocupar e ela sorriu.

–Ok então mãos a obra. – assenti e me aproximei mais dela, ela apontou uma caixa e eu me agachei para pegar.

–Você quer ajuda? Sabe são livros pesados.

–Não se preocupe Isabella eu posso agüentar. – disse sorrindo e ela pegou uma caixa pequena e começou a entrar na casa.

Peguei a caixa e PQP era pesado mesmo, me fiz de forte e entrei atrás dela, ela me indicou aonde queria que eu colocasse e a atendi.

Passamos a tarde toda assim, ela me indicando o caminho e eu carregando as caixas pesadas, estávamos em seu quarto eu trazendo – graças a Deus – a ultima caixa de livros.
Assim que coloquei no chão, retirei minha regata e sequei o suor da testa e vi Isabella me olhando, corei um pouco e olhei para meus pés.

–É... Hummm. Isabella eu posso fazer uma pergunta? – ela sorriu e sentou na cama batendo com a palma ao seu lado me convidando.

–Pode fazer. – eu assenti enquanto me sentava.

–É posso saber por que você mandou embora os carregadores? Não que eu esteja reclamando em te ajudar. É mais só por curiosidade. – ela riu mais se levantou.

–Você acredita que aquele velho horroroso deu em cima de mim. – cara eu entendia ele.

–Mesmo? – ela bufou irritada.

–É, ele disse que eu tinha uma bunda linda e queria me foder. – praticamente fiquei vermelho brilhante depois dessa, mais ainda sim concordava plenamente com o velho. Isabella riu do meu constrangimento e voltou a se sentar do meu lado.

–O que foi Edward? – ela perguntou sorrindo e corei mais olhando para meus pés.

–Nada. – senti seus dedos tocando meu peito que estava nu e ofeguei a encarando quando uma corrente elétrica passou por todo o meu corpo, seu rosto estava próximo ao meu, e engoli em seco.

–Não parece que foi nada? Eu disse algo errado? – a voz dela era inocente e doce, e arregalei os olhos quando ela se aproximou mais e cai em cima da cama, e ela se debruçou sobre mim.

–Eu... Er... – ela quase colou a boca na minha mais o barulho de alguém batendo na porta a fez sair de cima de mim, e soltei o ar que nem sabia que estava prendendo.

PQP, o que foi isso?

Bella saiu do quarto, e me levantei depois de respirar fundo e ter certeza que não passaria por nenhum momento constrangedor, é meu amiguinho dar sinal de vida.

Levantei a seguindo para o andar de baixo, e paralisei ao ver minha mãe na porta.

–Edward o que faz aqui? – abri a boca e não saiu nada. Bella sorriu e olhou pra minha mãe.

–Ele me ajudou com a mudança. Seu filho é um doce. – minha mãe me deu aquele olhar, “moleque você nem lava a louça e ajuda à vizinha? O que você ta aprontando”, eu sorri amarelo e ela voltou a olhar para Isabella.

–Mais um motivo para você aceitar o almoço querida. – ela sorriu e olhou para mim que descia a escada.

–Eu vou adorar. – minha mãe sorriu.

–Que bom querida. Amanha a uma. Tchau querida vamos Edward.

–Tchau Isabella. – falei já saia seguindo minha mãe, quando senti os dedos dela em meu pulso e parei de andar.

Ela me olhou sorrindo e aproximou sua boca do meu ouvido, um arrepio percorreu todo meu corpo. Quieto Junior. (n/a: pra quem não entendeu, Junior é o membro do Ed rsrs)

–Pode me chamar de Bella. – ela sussurrou e mordeu de leve minha orelha, arregalei os olhos e a olhei quando ela se afastou e ela mordia o lábio inferior.

PQP, nem preciso dizer que o Junior acordou né?

Assim que entrei em casa, querendo correr para meu banheiro para tomar um banho frio, minha mãe segurou meu pulso,e quase chorei, o cheiro de Bella estava no meu pulso, agora só tinha o cheiro da minha mãe.

Não que minha mãe fosse fedida, ela era bem cheirosa considerando que era uma mãe. Mais ela não era a vizinha gostosa que quase me agarrara em sua casa.

PQP a fixa só caiu agora, se minha mãe não tivesse chegado talvez eu não fosse mais virgem.

Olhei feio para minha mãe que me olhava confusa, e suspirei a culpa não era dela, era minha que em vez de agarrar a vizinha gostosa fiquei em estado catatônico.

Edward você é patético.

–Edward, pode me falar se estiver usando drogas?

–Caralho mãe eu não uso drogas.

–Tem certeza, mamãe ta aqui pra você.

–Pai! – meu pai apareceu e sorriu pra mim, e colocou um braço em volta dos ombros dela. E a levou para sala.

Corri para meu quarto e tomei um banho gelado, e sai do banheiro nu, só enrolado na toalha. Pensei em ir pegar um pijama e olhei pra minha caminha me chamando.

O pijama ficou só no pensamento mesmo. Deitei-me pelado e joguei a toalha no chão me cobrindo com um lençol.

Lógico que como adolescente virgem que eu sou eu sonhei com minha vizinha gostosa, e não foram nada inocentes esses sonhos. Bella nua na minha cama, na piscina, até a Sra. Wilson tava no sonho.

O que a velha fazia no meu sonho?

Acordei ofegante e totalmente duro, praguejei baixinho, e olhei para meu estado 
lamentável. E como todo bom adolescente que se preze e não tem uma namorada, e nem pretensão de arrumar uma por enquanto.

Eu fiz o que qualquer cara na minha situação faria, eu bati uma penando na minha vizinha gostosa. Fechei os olhos e imaginei que era a pequena mãozinha de Bella que envolvia meu membro, e subia e descia.

Sua boquinha de lábios cheios e rosados envolvendo meu membro em sua boca e gemi.

–PQP Bella que boquinha. – eu gemi aumentando a velocidade quando ouvi um xingo.
Parei de me tocar e olhei em volta. Não tinha ninguém em meu quarto. Levantei ainda duro e já caminhava em direção ao banheiro quando notei minha janela aberta e a janela de frente para o meu quarto, era a mesma que a de Bella.

PQP. Fudeu, ela olhava para mim e depois para meu membro.

PQP será que ela ouviu?

Coloquei a mão na frente e corri para o banheiro, esperando e torcendo pára ela não ter ouvido nada.

Tomei um banho frio, Junior resmungou mais eu não tava mais no clima. Bem eu até tava, mais passou ao me lembrar que ela vinha almoçar aqui.

Hoje.

Eu teria que ficar frente a frente com ela.

Caralho eu era muito azarado. Sai do banho e vesti uma roupa que tinha no banheiro, e quando cheguei ao meu quarto dei uma espiadinha pela janela, e ela não estava mais lá.
Suspirei aliviado, e desci para tomar café, e pra completar meu dia fui proibido.

–Por quê? – perguntei indignado, e minha mãe rolou os olhos.

–Edward esta quase na hora do almoço. Se você tomar café não vai conseguir almoçar.

–Mãe eu agüento. Você sabe que eu como bastante. – ela pensou por um minuto e me deu aquele olhar das drogas de novo.

–Sabia que quem se droga tem muito apetite?

–Pai!

–Esme deixe Edward em paz. Ele não é drogado.

Ela ainda meu deu o olhar que ainda te pego. E rolei os olhos saindo da cozinha. Cara só minha mãe pra querer que eu use drogas.

Há uma hora que faltava pra Bella chegar passou voando, e eu me mexi desconfortável quando a campainha tocou.

–Carl, abre a porta. – minha mãe gritou da cozinha.

–Edward abre a porta. – meu pai mandou, enquanto lia seu jornal.

–Ela mandou você. – resmunguei ainda sentado.

–Olha que não te ajudo mais quando ela começar o interrogatório sobre drogas. – eu rosnei o fazendo rir enquanto me levantava em direção a porta.

–Chantagista. – resmunguei e ele riu mais.

–Sou esperto.

Fui até a porta e quando a abri e ela me olhava sorrindo eu corei e olhei para meus pés.

–Boa tarde Isabella.

–Ola Edward. – ela roçou seus lábios na minha bochecha e beijou minha orelha. – Me chame de Bella. – ela pediu enquanto mordiscava meu lóbulo e eu mordi o lábio com força para conter um gemido.

–Ola querida. – nem percebi que Bella tinha se afastado de mim, e já cumprimentava meus pais. Fechei a porta com um suspiro.

O almoço transcorreu normal, fiquei sabendo que Bella era dançarina de um clube, e que ela tinha 25 anos, e que morava sozinha. Disso eu só tirei uma conclusão:

PQP, mulher mais velha é gostosa.

Assim que acabamos de comer eu corri para meu quarto. Despedindo-me de todos dizendo que tinha algo da escola a fazer.

Cheguei a meu quarto e me joguei na cama, colocando um travesseiro em meu rosto. Fechei meus olhos e fiquei respirando por alguns minutos quando senti algo na minha calça. Senti o zíper deslizando pra baixo e tirei o travesseiro do rosto.

–PQP! – falei em voz alta, e vi Bella rindo enquanto estava em cima de mim abrindo minha calça.

–Que boquinha suja Ed. – engoli em seco e ela sorriu maliciosa.

–Bella... Er... É... – ela sorriu.

–Sabe você estava mais falante de manha.

PQP joguei o travesseiro contra meu rosto, e senti sua mão tocando meu membro e tirei o travesseiro na hora. Ela passou um dedo por sobre meu comprimento ainda por cima da cueca e gemi mordendo o lábio.

–Sabe, da minha janela não deu pra ver o tamanho. E eu fiquei tãooo curiosa. – ela fez um biquinho sexy e eu gemi em resposta.

–Er Bella... – parei de falar quando senti a mão dela puxando minha cueca e colocando meu membro já ereto para fora.

–Hum Edward, você é maior do que eu pensava. – eu corei e engoli em seco.

–E - e isso é bom? – ela sorriu maliciosa e rodeou a ponta do meu membro com o dedo.

–Com certeza. – sem que eu pudesse esperar ela abaixou o rosto e beijou meu membro, dando uma sugada na pontinha e mordi o travesseiro para abafar o grito.

PQP que boca é essa.

Ela sorriu safada e enfiou ele todo na boca, mordi o travesseiro com mais força, enquanto sua boca envolvia meu amiguinho e sua mão cobria o que não cabia em sua boca.

Ela sugou e chupou até eu sentir meu corpo inteiro estremecer e meus olhos girarem nas órbitas.

PQP.

Eu gemi alto mordendo o travesseiro com força quando me libertei dentro da boca quente dela, e ela engoliu tudo e deu uma sugada forte antes de tirá-lo da boca, e o colocar de volta na minha calça.

Ainda sobre a calça ela deu um pequeno beijo, e depois subiu em cima de mim, e colou seus lábios nos meus.

Larguei o travesseiro e agarrei sua cintura a beijando com ardor, a minha língua invadiu sua boca que tinha meu gosto e caralho foi o beijo mais sexy que eu já dei na vida.

Ela separou seus lábios dos meus e me deu um selinho, e sorriu safada, e saiu de cima de mim.

–Aonde você vai? – perguntei com a voz rouca e ela riu enquanto já colocava a mão na maçaneta.

–Embora. – ela piscou pra mim e saiu do quarto.

PQP.

Eu acabei de ser chupado pela vizinha gostosa.

Ah vida é boa.

Coloquei as mãos atrás da cabeça, e sorri como bobo.

O resto da semana passou sem novidades, a escola tava chata, minha mãe continuava me perseguindo para saber se eu estava usando drogas.

E eu acho que ela revirou meu quarto na quinta-feira. Mais o mais chato da semana foi que eu não vi Bella. Ela trabalha de noite e durante o dia eu estudo então sem sinal dela.

E o que é pior chegou sabadão e eu estou mais uma vez sem nada para fazer. Jasper e Emmett tinham um encontro duplo com Alice e Rose, eles até me chamaram mais ficar de vela ninguém merece.

Alice disse que me arrumava uma amiga dela. E não obrigado ainda lembro da ultima disse a ela.

Mo baranga.

Estava jogado na minha cama, quando bateram na porta e minha mãe apareceu me olhando com aquele olhar desconfiado.

–O que? – ela já ia abrir a boca, mais meu pai colocou a mão no ombro dela e ela se calou.

–Edward a Bella, disse que se você quiser usar a piscina tudo bem.

–O que? Quando ela disse isso? – meu pai me olhou desconfiado.

–Agora a pouco. Ela ligou para nos convidar. Mais eu e sua mãe vamos ao clube.

É eu sei o que vocês tão pensando, o que eles fazem nesse clube?

Cara eu também queria saber, mais tenho medo de ir junto e descobrir.

–Tudo bem pai. Acho que passo lá mais tarde. – fiz cara de inocente e minha mãe me deu o olhar. Rolei os olhos e fiquei pensando no que esperava por mim na casa dela.

Assim que ouvi a porta batendo eu corri a olhar pela janela e o carro dos meus pais saindo da garagem e virando a esquina.

Corri pro banheiro e tomei um banho rápido, serio foi o banho mais rápido da minha vida, o mundo vai me agradecer pela economia de água.

Obrigada Edward.

Que isso mundo.

Voltando a normalidade.

Eu me apresei a vestir uma sunga e coloquei uma bermuda, e joguei uma camisa sobre o ombro e desci as escadas devagar.

Não queria levar outro tombo.

Sai de casa e respirei fundo varias vezes, antes de bater na porta dela.

–Oi Edward. – ela sorriu quando me viu e a lembrança da boca dela em mim me fez corar.

–Er... Oi. – ela riu e segurou minha mão me puxando para dentro da casa.

–Quer nadar.

–Sim... – parei de falar quando vi seu corpo, ela usava um biquíni muito pequeno, somente cobria o bico dos seus seios, e a parte de baixo, era fio dental.

PQP.

Ela riu quando viu que eu não tirava os olhos da bunda dela, e me empurrou para o sofá, cai sentado e ela subiu em cima de mim. Uma perna de cada lado do meu corpo e gemi ao a sentir esfregar sua intimidade em meu amiguinho.

–PQP. – falei em voz alta enquanto jogava a cabeça pra trás e ela riu, e beijou meu pescoço.

–Senti minha falta Edward? – ela perguntou e se esfregou com mais força em mim. Eu gemi e agarrei sua cintura a apertando conta mim e beijei sua boca.

Ela agarrou meus cabelos, colando mais minha boca na sua, nossas línguas se movendo juntas, e nossas mãos tocando aonde conseguia.

Desci meus lábios por seu pescoço, sugando e lambendo sua pele, minha boca era ávida para provar mais fiquei nervoso quando cheguei perto do seio. Eu praticamente travei encarando seus seios perfeitos.

Senti as mãos de Bella em meu rosto me puxando para olhá-la, e pisquei algumas vezes. 
Ela sorriu e beijou meus lábios com calma, mais eu continuei travado.

–O que foi?

–Er... eu... er... – eu devia estar mais vermelho que um pimentão e Bella arqueou uma sobrancelha.

–O que? Você por acaso é virgem? – ela falou em tom de deboche e eu corei mais ainda e me levantei a derrubando no chão.

–Ai.

–Desculpa... é melhor eu ir.

Eu praticamente corri porta a fora, e voltei para minha casa.

Cara eu sou muito idiota, lógico que ela rir de mim, na minha idade e completamente virgem.

Fui pro banho pra ver se apagava meu fogo, que só o chuveiro gelado ia apagar mesmo, e larguei minhas roupas pelo quarto.

Entrei de baixo da água gelada. E fechei os olhos encostando a cabeça na parede.
Idiota, idiota. Resmunguei pra mim mesmo, quando senti alguém me abraçando e abri os olhos e minha boca se escancarou.

Tinha uma Isabella totalmente nua e totalmente molhada agarrada a mim.

–PQP. – ela riu e beijou minha boca, se esfregando em mim, agarrei sua cintura e a beijei com urgência. Nos separamos ofegantes e ela sorriu me olhando e eu devia estar com cara de bobo.

–O que faz aqui? – ela mordeu o lábio.

–Eu achei que devíamos mudar sua situação. – e tocou no meu membro o apertando, eu praticamente rosnei e ataquei ela.

Minhas mãos tocavam seu corpo nu, encantado com seus seios durinho e sua bunda.
Caralho e que bunda.

Desci minha boca até seu seio o sugando e Bella gemeu agarrando meus cabelos, sua mão continuava se movendo sobre meu amiguinho.

Eu gemia contra os seios dela, e voltei a beijar sua boca, Bella se separou de mim ofegante e pegou minha mão e chupou meu dedo, fiquei de boca aberta praticamente babando quando ela levou meu dedo até a sua intimidade e penetrou meu dedo lá.
Seu calor úmido, envolveu meu dedo, e ela começou a movê-lo dentro dela.

–Coloca outro. – ela gemeu contra meu ouvido, e eu obedeci, e dessa vez eu a masturbava com meus dedos, e as mãos dela voltaram a envolver meu membro.

Senti o corpo dela estremecer, e tirei os dedos, e segurei sua coxa a puxando para meu quadril e ela fez o mesmo com a outra.

A penetrei com uma única investida, e ela gemeu se agarrando aos meus ombros e arranhou minhas costas.

–PQP. – eu gemi e ela voltou a me beijar, subindo e descendo pelo meu corpo, segurei sua cintura aumentando as investidas.

–Isso Edward... Oh

Cara eu to a fazendo gemer meu nome.

Eu sou FODA.

Eu sorria como bobo a cada gemido dela, e também gemia seu nome. Ela pegou minha mão ainda se movendo sobre mim e levou para o meio de nossos corpos, e colocou meu dedo sobre seu clitóris e gemeu alto.

–Por favor, Edward... – ela gemeu e comecei a mover meu dedo em seu botãozinho.

–PQP Bella. – eu gemi quando nossos corpos tremeram, e o orgasmo chegou com força, minhas pernas tremeram ao sentir Bella me apertar, e gozei dentro dela.

–PQP. – ela gritou e eu ri com minha cabeça enterrada em seu pescoço e a respiração ofegante.

Bella desceu do meu colo e me abraçou enquanto a água caia por nossos corpos. Eu apóie meu queixo em sua cabeça, sentindo seu cheiro e nem acreditando.

PQP eu não sou mais virgem.

–Sim você não é. – ela falou rindo e corei.

–Eu disse em voz alta? – ela sorriu e beijou minha boca.

–Sim.

–Cara que vergonha. – ela sorriu e agarrou meu pescoço se pendurando em mim.

–Que tal eu te ensinar algumas coisas. – ela sussurrou em meu ouvido e eu gemi.

–PQP, eu sou um cara muito sortudo.

–Sim você é. – ela falou rindo e eu ri com a ela. E a levei para meu quarto a beijando. E sorrindo como bobo.

Cara com tantas casas esse show de vizinha veio morar ao lado da minha. Eu sou muito sortudo mesmo.

–Edward chegamos.

Ou talvez não.

0 comentários :

Postar um comentário