Domando Edward Cullen-Capitulo 6

POV Edward


A porta foi aberta com um estrondo, Emmett estava ofegante.Isabella e eu nos separamos como se tivéssemos levado um choque.Era hoje que eu mataria meu melhor amigo,quando penso que eu estava a centímetros de distância dos lábios vermelhos e suculentos de Bella e que ele me interrompeu me deu um surto de fúria.




–Merda Emmett o que você quer?.-indaguei frustrado.

–O que aconteceu?Bella o que você faz aqui?.-perguntou Emmett olhando de mim para Bella.


Bella parecia que estava em um transe,ela não proferiu nenhuma palavra,pela minha visão periférica vi que ela se apoiava na parede para manter-se de pé.Parece que eu deixei a minha cereja de pernas bambas.


–Nós estávamos conversando sobre um novo projeto que trabalharemos juntos.-menti pois estávamos fazendo outra coisa.

Emmett me olhou desconfiado.

–Eu ouvi seus gritos com os funcionários,vim ver o que estava acontecendo e eles me disseram que você apareceu arrastando a Bella até sua sala.

–Acontece que sua irmã não me obedece nesse merda de empresa.-olhei para Isabella que havia despertado do transe e passava as mãos no cabelo nervosamente.

–Bella, lembre-se que Edward é o chefe e você tem que obedecê-lo .Eu já estou indo,pensei que fosse algo mais grave.-disse e saiu batendo a porta atrás de si.


O clima não era mais o mesmo,e um silêncio constrangedor se instalou .Isabella saiu da minha sala sem dizer nada.


Respirei fundo e peguei minha pasta ,não estava com cabeça para trabalhar,o melhor seria ir para casa e descansar.


Ledo engano o meu, quando estava prestes a ir embora Tanya apareceu em minha sala,e me encheu de papéis,teria que ver alguns contratos um tanto triviais,mas não deixavam de ser importantes.


Quando finalmente eu pude sair,vi Isabella tentando se esquivar de uma conversa com Mike.Eu não estava mentindo quando disse que o mataria.Isabella entendeu o recado muito bem.


Fui me aproximando devagar,nenhum dos dois estava me vendo.Ouvi o que Mike estava dizendo a Isabella e isso só me encheu de raiva.

–Bella, eu não tenho medo do Cullen,ele tem aquele jeito mais não mata nem mosca.

Isabella o olhou incrédula, antes que ela pudesse responder eu me postei atrás dela e tive o prazer de ver os olhos de Mike se arregalando.

–Então quer dizer que eu não mato nenhuma mosca?-perguntei ao infeliz.

–Não foi isso que eu quis dizer,é que o Senhor é uma pessoa muito boa e não faria mal a ninguém.-tentou me enrolar.

–Não duvide,eu acabo com você num piscar de olhos,Agora vá e deixe Isabella em paz,ela é minha.-mandei olhando em seus olhos assustados.


Minha?


Eu estava louco.


O vi soltar a mão de Isabella e andar apressadamente para longe de nós.


Isabella me olhou por um tempo e disse:


–Não precisava assustá-lo Edward.

–E você não cumpriu o que prometeu .O que fazia conversando com ele?-exigi

–Justamente, estava falando que ele não me procurasse mais,lógico que eu não disse que você iria matá-lo.-respondeu.

–Vejo que você preza pela integridade física desse merdinha.-retruquei.

–Matar as pessoas não é certo,é uma vida Edward.Você disse que iria matar o Mike se eu não parasse de falar com ele,isso não é motivo para se matar ninguém.-defendeu o verme.

–Então, me diga um motivo para matá-lo?-pedi sinceramente.A ideia de matá-lo estava ficando divertida.

–Não existem motivos para se matar ninguém.-Isabella era uma daquelas pessoas chatas que só querem paz e amor.

–Claro que existem .Agora vamos.

–Vamos para onde?-me olhou confusa.

–Vou levá-la em casa.-estava sentindo uma necessidade de ficar perto dela.

–Eu vim de carro.-falou.

–Eu sei disso,mas precisamos conversar sobre a campanha de perfumes.-lembrei-a.


O motivo não era esse,mas foi a desculpa mais plausível que eu encontrei no momento,


Ela não retrucou como eu pensei.Nos dirigimos em silêncio para minha BMW preta..Entrei do lado do motorista e Isabella não abriu a porta do carona,continuou do lado de fora.Baixei o vidro e perguntei:


–Não vai entrar?.

–Você poderia ao menos ser cavalheiro e abrir a porta para mim.-falou

–Entre logo Isabella,eu nunca fui homem de fazer essas merdas de cavalheirismo e não é agora que eu vou fazer.-disse irritado.


Por fim ela bufou e entrou,batendo a porta do carro com extrema força.Mulherzinha irritante.


–E o meu carro?-perguntou enquanto eu manobrava para fora do estacionamento.

–Estará seguro e amanhã eu passo em sua casa para buscá-la.

–Como será esse projeto?-mudou de assunto.

–Não sei bem,estou contando com você para as ideias.-falei desinteressado.Ela assentiu e ficou calada.


Enquanto eu dirigia, percebi que minha cereja estava desconfortável,ela se mexia inquieta no banco.Parei em um sinal vermelho e olhei para ela que fitava a janela com demasiado interesse.


Minha vontade era de estar sempre ao lado de Isabella,ela era uma mulher totalmente diferente das outras e, algo me puxava para ela,era como se fossemos dois imãs.


O seu jeito delicado,sem contar seu corpo pequeno e extremamente sedutor,seu cheiro inebriante de morangos selvagens,tudo isso me atraia nela.


Não sabia o que estava acontecendo comigo,era como se estivesse virando outra pessoa,um marica para ser mais preciso.


Ouvi uma buzina atrás do meu carro e constatei que o sinal estava verde.


–O que o faz pensar que amor não existe?-Isabella me perguntou de repente.Ela fitava-me com intensidade.

–O que a faz pensar que amor existe?-devolvi a pergunta enquanto fazia uma curva.

–O amor sempre existiu,só por que coisas ruins acontecem não significa que ele nunca esteve presente,quando você sentir o amor de verdade,você saberá do que eu estou falando.-disse-me.

–Bonitas palavras minha cereja,mais o amor é apenas uma projeção da mente humana para não se sentir vazio.-disse-lhe sem olhá-la.


No mesmo instante Isabella me olhou incrédula.


–Você nunca foi amado de verdade Edward, por isso diz essas coisas,se você deixar alguém te amar,com certeza você mudará seus pensamentos.-falou e me olhou com...ternura?-Você só é esse homem frio,irritado,pois é como se isso lhe protegesse do amor,deixe alguém amar você.-falou a última parte em um sussurro.

–Quem?-perguntei sussurrando também,temendo sua resposta.

–Uma mulher.

–Que mulher?elas são todas fúteis.-retruquei.

–Assim você me ofende.O tempo irá lhe dizer que mulher irá amar você.-Não percebi mais já tínhamos chegado em sua casa.Parei o carro na frente da garagem.

–Eu sei que um dia você será muito amado,seja por uma mulher,um filho,um amigo,não importa,apenas acredite no amor,ele baterá a sua porta,tenho certeza.-disse.

–Amor é para os fracos.-eu disse antes dela ir.

–Não,amor é para os fortes.


Não disse nada, apenas fiquei calado e a observei entrar em sua casa.


Será que um dia eu encontraria esse amor que Isabella tanto fala?


Não,eu não encontraria...bufei irritando,pois eu tive no fundo esperança de encontrar o amor,isso é coisa de marica.A convivência com Isabella estava me afetando muito,desde que a conheci,meus pensamentos estavam um tanto de...marica.


Merda.

0 comentários :

Postar um comentário