O Pianista - Capitulo 38



Suspirei enquanto minha mãe me mostrava mais uma revista de vestido de noiva. Já fazia duas semanas que Edward e eu acertamos tudo para o casamento.
Deixamos minha mãe e Alice, mandarem em tudo. Lógico que eu e Edward tínhamos que aprovar os detalhes. Ele realmente estava empolgado com o casamento o que era divertido de ver.
Menos quando ele me deu bronca, quando eu disse que tanto fazia rosas ou orquídeas para o casamento. Teve o desplante de me chamar de noiva relapsa.
Fiquei tão brava que disse que pra provar que não era noiva relapsa, sexo até o casamento estava cancelado.

Tadinho quase enfartou.
Mais eu estava firme. Levantei-me e coloquei as revistas que estavam em meu colo no sofá.
– Mãe, não gostei de nenhum desses. – ela suspirou.
– Bella o casamento é daqui duas semanas. Você tem que escolher logo.
– Mãe eu vou saber quando eu o vir. – ela bufou.
– Se Edward não tivesse adiantado a data do casamento, daria tempo. Afinal por que ele adiantou o casamento, seu pai não gostou.
Eu ri lembrando quando eu disse que o sexo estava cancelado até o casamento, Edward ficou tão doido que adiantou o casamento para o mais rápido possivel.
Ninguém entendeu, e ele nem explicou o motivo.
– Não faço idéia mãe.
– Tudo bem, vou comprar mais revistas. E amanha vamos ao estilista que eu te falei.
– Esta bem. Vou à casa do Edward. – falei já pegando a chave do volvo.
Ela assentiu e peguei a chave, já saindo de casa. A casa de Edward não ficava longe da minha, e cheguei lá em dez minutos. Estacionei na garagem e entrei direto com minha chave.
– Edward. – chamei e ouvi barulho na sala do piano.
– Edward. – chamei de novo já entrando na sala. – Oi amo... – parei no meio da frase não acreditando no que estava vendo.
– Oi amor. – mordi o lábio e evitei olhar seu corpo que estava completamente nu.
Caramba esse homem quer me matar.
– O que é isso Edward? – ele sorriu travesso e veio até mim.
– O que? – ele falou com voz de inocente.
– Por que esta nu? – ele deu de ombros e me abraçou. Assim que nossos corpos se tocaram ele pareceu acordar, seu membro duro me cutucou e gemi.
– E por que não?
– E se alguém te ver?
– Amor só você tem a chave de casa. E se alguém bater eu visto minha calça. – ele apontou a calça que estava sobre o banco onde ele estava tocando antes.
– Hummm, e você não vai vesti-la? – ele se afastou de mim, voltando para o piano e fiquei olhando sua bunda. Nossa que vontade de apertar.
– Não, to bem assim.
Merda!
– Edward amor, o que você pretende? – ele me olhou com falsa inocência.
– Não entendi Bella.
– Edward Masen, não se faça de inocente. – falei brava e ele riu.
– Bem você disse que nada de sexo até o casamento, mais não disse que eu não podia te fazer mudar de idéia. – abri a boca em choque.
– E você acha que ficando pelado vai me fazer mudar de idéia? – falei com sarcasmo e ele sorriu presunçoso.
– Bem, era a senhorita quem estava admirando minha bunda a pouco. – abri e fechei a boca varias vezes. Como ele sabia? Lê mentes agora? Ele se aproximou de mim sorrindo e me abraçou e deu um beijo atrás da minha orelha me fazendo estremecer.
– O que foi amor? Algo errado? – fiz bico e ele riu e deslizou os lábios desde minha orelha até meu ombro.
– Só o fato de você estar tentando me seduzir. – ele riu contra minha pele e mordiscou meu ombro.
– Você nunca se importou antes. – eu suspirei e passei minhas mãos por sua costa e acabei chegando a sua bunda e a apertei.
– Isso amor, libera seu lado selvagem. – eu ri e pulei em seu colo envolvendo seus quadris com minhas pernas.
– Você é terrível sabia. – ele sorriu travesso.
– Amor, eu estou viciado em você, e tenho que lutar como posso. – eu rolei os olhos.
– Eu também sou em você. Mais você começou a me chamar de noiva relapsa. – ele sorriu e beijou meus lábios com calma.
– A culpa não é minha se você é uma. – eu o encarei com raiva, e me afastei dele.
– Já que você ainda pensa assim, se divirta sozinho. – já ia sair de lá mais ele foi mais rápido e me agarrou me puxando de encontro ao seu corpo e esmagou seus lábios nos meus.
Lógico que eu correspondi mergulhando minha língua em sua boca, as mãos dele foram para minha cintura e começaram a subir por minha blusa, tocando minha barriga e chegando aos meus seios que ele apertou, me fazendo gemer em sua boca.
– Edward. – suspirei me separando dele para respirar e sua boca ávida começou a explorar meu pescoço. Joguei a cabeça para trás aproveitando suas caricias e gemi.
Senti seu sorriso contra minha pele, e já ia me afastar dele, mais ele afastou meu sutiã e beliscou meu seio, me fazendo ofegar.
– Edward. – suspirei.
– Diga minha menina. – ele mordeu meu lóbulo o sugando em seguida e meu corpo todo tremeu.
– Por que é tão mau? – murmurei, e ele riu e puxando para o sofá que tinha perto do piano e sentou me colocando em seu colo, minhas pernas uma de cada lado de seu quadril.
– Por que você me deixa tão doido? – respondeu a minha pergunta com outra e bufei.
Ele riu correndo suas mãos pela minha barriga e empurrou a minha camisa para fora, e acariciou meus seios. Arquei meu corpo soltando um gemido.
– Diga minha menina, o que fez comigo que só consigo olhar para você? – eu ri e ele desceu as mãos até minhas calças e começou a desabotoá-la, levantei e termine de tirá-las e ele me puxou de volta para seu colo.
Beijei seu peito, lambendo seu mamilo, e sugando, ele estremeceu e desci meus lábios por sua barriga.
Sai de cima dele e terminei de me despir e vi seu olhar cheio de luxuria por meu corpo. Voltei a subir em cima dele, pairado meu corpo sobre sua ereção.
Ele sorriu torto e agarrou meus quadris me puxando de encontro ao seu membro, me preenchendo em uma única investida.
Ficamos parados nos olhando, sentindo como nos completávamos, abaixei meu rosto e beijei seus lábios e comecei a me mover sobre ele.
– Ah minha menina... – ele sussurrou agarrando meus quadris e ditando nossos movimentos, afundei meu rosto em seu pescoço, e lambi sua pele quente e suada.
– Isso... Ah Bella... – ele gemia e eu ri mordiscando seu ombro.
– Oh Edward... – ele rosnou e apertou minha cintura aumentando a velocidade das investidas deixando todo meu corpo tremulo.
Senti os espasmos dominarem meu corpo, e o familiar calor que envolvia todo meu corpo, quando meu centro apertava com força o membro de Edward, e ele mordeu meu ombro quando um grito escapou de seus lábios.
Explodimos juntos com nosso prazer. E deixei meu corpo mole em cima do dele.
– Acabou a greve né? – olhei para ele com uma sobrancelha arqueada e ele sorriu safado. – Ótimo, pois a piscina esta esperando por nos.
Passamos a tarde toda sentindo o corpo um do outro até ficarmos exausto. Ou melhor, até eu pedir descanso, pois Edward parecia insaciável.
Estava deitada na nossa cama quando ele beijou minhas costas nuas e se deitou ao meu lado.
– O que esta pensando amor?
– Que você tem muita energia. – ele riu e escovou seus lábios nos meus.
– Você que é fraquinha. – eu ri e me apóie no cotovelo para olha-lo.
– Esta ansioso para o casamento? – ele deu seu lindo sorriso torto.
– Claro você não?
– Sim. Sabe eu estava pensando? – ele me olhou receoso e sorri.
– O que?
– Você... Bem nunca pensou em casar? – ele ficou serio.
– Não.
– Por que?
– Eu não pensava nisso Bella.
– Por que?
– Ah não sei. Eu achava que nunca teria um amor como os dos meus pais. Quando meu pai olhava minha mãe eu via como ele a amava, seu olhar brilhava e eu pensei que nunca mais veria nada assim.
– Que lindo. – falei voltando a deitar e ele subiu em cima de mim.
– É exatamente assim que me sinto com você. – eu sorri e segurei seus cabelos beijando sua boca linda.
– Mais você já teve muitas mulheres não é? – ele deu de ombros e voltou a deitar ao meu lado.
– Algumas.
– E nenhuma foi especial?
– Não. – arquei uma sobrancelha.
– Nem Tania. – não sei por que o nome daquela mulher veio a minha mente, só tinha visto uma vez.
– Tania foi somente um caso Bella. – assenti, mordendo o lábio. Ele passou as pontas dos dedos pela minha testa e suspirei. – O que esta pensando?
– Que eu nunca serei bonita como ela. – ele bufou e segurou meu rosto entre suas mãos.
– Isabella, se eu quisesse uma mulher como Tania por que eu estaria aqui agora? – dei de ombros e ele sorriu. – Sua boba, ela não chega aos seus pés. O amor que eu sinto por você não chega aos pés de nenhuma mulher que já esteve em minha cama.
– Ok. – falei corada e ele riu beijando minhas bochechas e depois minha boca.
– Eu amo, e sempre vou amar minha doce e inocente menina. A única que conseguiu alcançar o meu coração. – mordi o lábio.
– Sabe você podia usar isso nos seus votos de casamento. – ele riu e voltou a deitar na cama.
– Eu já escrevi meus votos.
– O que?
– Bella, você sabe que eu sou um homem muito profundo não é. Foi fácil.
– Sei. Deixa-me ver?
– Nem pensar. Você vai saber com todo mundo. – bufei e ele beijou atrás da minha orelha e levantou da cama, totalmente nu indo à direção ao banheiro. Fiquei olhando sua bunda e ele me pegou olhando e eu corei.
– Quer me acompanhar?
– Se você vier me buscar no colo. – falei jogada na cama e ri quando ele correu e me jogou sobre seus ombros e deu um tapa na minha bunda.
– Vamos logo futura Sra. Masen, seu marido quer usufruir de seus direitos.
– Ainda não somos casados. – o lembrei, e ele deu seu sorriso safado.
– Mais você precisa praticar. – rolei os olhos, mais acabei rindo.
Nos praticávamos tanto, que na lua de mel estaríamos craque já.

0 comentários :

Postar um comentário