Kiss Me II - Capitulo 6


Capítulo 6.


Fiquei cerca de 15 minutos esperando que as meninas surtassem ali na mesa. Elas ficaram loucas como se fossem parte da família e estivessem prestes a receber algum sobrinho. Precisei contar com todos os detalhes como foi a descoberta e tudo mais. Lógico que surgiram alguns comentários afinados sobre meu ginecologista e eu tratei de desconversar rapidamente. Só em lembrar de Rob morrendo de ciúmes, eu já me sentia mal.

- Kristen, como vocês vão fazer com o lance de madrinha?
- Eu ainda não sei...

Madrinha? Eu mal tinha descoberto que estava grávida! Elas me olharam todas com jeito de paranóicas e eu tremi. Se todas resolvessem ser madrinhas, não caberia gente na Igreja no dia do batizado, né?

- Kristen, vocês precisam resolver logo isso...
- Ok. Iremos...
- Eu estou livre, aceitaria o convite numa boa.
- Eu também.
- Se bem que eu te conheço um pouco melhor, acho que daria mais para o cargo.
- Pode contar comigo também.

OMG. Se eu ficasse mais 5 minutos ao lado delas, acabaria sendo internada em algum hospício! Sorri bastante sem graça e olhei o visor do telefone.
- Então meninas, eu preciso voltar para casa. Só queria mesmo contar a novidade, já que vocês foram muito importantes na minha vida.

Pensa num bando de garota chorando emocionada ao mesmo tempo. Pois é. A situação ficou bem crítica. Eu consegui me desvencilhar e sair de lá assim que tive oportunidade. Robert me deixou extremamente feliz quando passou uma mensagem de texto para meu celular, dizendo que quando eu chegasse em casa, nós iríamos marcar a data do casamento logo. Era algo que eu já não podia mais agüentar de tanta ansiedade. Quando eu estava pegando o elevador, um número desconhecido me ligou e eu atendi normalmente. Fui surpreendida pela voz do outro lado.

- Oi Kristen.- Mi-Michael?
- Reconhece minha voz ainda? Estou lisonjeado!
Minha mão que segurava o aparelho tremeu. Michael sempre foi super bobo, mesmo tendo cometido o assassinato de Megan Fox. Ele ainda era aquele cara lento, com olhar perdido, que ficava de boca aberta enquanto olhava os peixes nadarem por um aquário. Dessa vez no entanto, sua voz estava bem diferente. Eu podia dizer que havia uma pitada de malícia nela.

- O que você quer, Michael?
- Falar contigo! Fiquei sabendo que será mamãe em breve...
Assim que o elevador abriu, eu saí correndo para entrar em casa o mais rápido possível. Rob se assustou quando eu fechei a porta com força e levei um dedo até a boca, pedindo para ele ficar em silêncio.
- Kristen? Ainda está aí?- Sim. Você não deveria estar preso?

Quando Kiki pronunciou aquelas palavras, eu percebi que foi um aviso para mim. Ela desenhou com o dedo no ar, a letra M e eu entendi com quem ela estava ao telefone. Um frio percorreu minha espinha no instante que eu imaginei o louco do groupie falando com minha mulher grávida.

- Me dá o telefone...

Sussurrei e ela saiu de perto de mim. Se eu sentisse que Kiki estava se alterando eu arrancaria o aparelho de suas mãos.

- Sim, tudo bem. Obrigada então.

Kristen estava completamente assustada. Assim que ela desligou, eu puxei-a para um abraço e fiz com que parasse de tremer.

- Me conte o que aconteceu.
- Ele... ele me ligou. Para dar parabéns pela gravidez...
- Como Michael sabe disso?
- Eu não sei!

Seu rosto estava mais pálido do que o normal e ela começou a chorar nervosa. Meu sangue ferveu e eu jurava que se encontrasse Michael no meio da rua era capaz de matá-lo.

- Eu tenho medo dele, Rob... Ele é louco!
- Está tudo bem, Michael está preso Kiki. E ele pode ser louco, mas não seria tanto a ponto de fazer algo contra nós...

Eu não quis dizer tudo que Michael falou, porque Rob já parecia estar bem irritado. A verdade é que ele não apenas desejou felicidades para o bebê. Ele disse algo que me assustou muito. Disse que em breve estaria fazendo uma visita à criança.

- Kiki, está me ouvindo? Michael não pode fazer nada...
- Ele está preso mesmo, certo?
- Claro. E vou fazer melhor. Irei até a prisão dar uma palavrinha com ele.
- Rob, não!

Imaginar Robert às voltas com o lunático não era muito bom. Eu tinha realmente medo de Michael. Antes ele até podia parecer um ser inofensivo, mas depois do que ele tinha sido capaz de fazer... Por mais que eu tivesse um pé atrás com Megan, eu não desejava a morte dela.

- Por favor, me prometa que não irá se aproximar de Michael.
- Eu vou falar com ele, Kiki. Nada demais.

Minha cabeça estava um pouco pesada, com uma pressão na nuca. Senti também vontade de vomitar e nem consegui tempo para chegar ao banheiro. Acabei vomitando ali mesmo na sala e Rob me levou para o quarto.

- Não vamos falar disso agora... Se não quiser, eu não vou mais, pronto. Apenas se acalme, ok?

Fechei um pouco os olhos e alisei minha barriga, descansando a mão ali e sentindo Rob fazer o mesmo.
No dia seguinte, Tom esteve lá em casa e eu o contei o que tinha acontecido, sobre a ligação de Michael. Ele surtou, preocupado com o que o louco psicopata poderia fazer comigo e já queria ir até o presídio para falar com Michael. Foi preciso eu e Robert acalmar a pessoa, até ele tirar a idéia da cabeça de uma vez por todas.

- É sério, Rob. O cara já matou uma pessoa. Ele é desequilibrado...
- Eu sei, Tom, mas ele está preso! Não vão soltá-lo só porque ele quer fazer uma visitinha para sua irmã.

Só em ouvir as palavras irônicas de Robert, eu já me arrepiei. É engraçado como uma gravidez pode mudar tanto uma pessoa. Instantaneamente eu passei a mão em minha barriga, como uma forma de proteção ao meu bebê.

- Podemos mudar de assunto? Não quero ficar pensando nisso... Me dá aflição.
- Claro, Kiki.

Rob beijou-me na testa e sentou ao meu lado, entregando uma cerveja para meu irmão. Eles estavam combinando uma saída, sobre alguma inauguração de boate por aí. Como se eu estivesse mesmo com cara e disposição para ficar pipocando no meio de uma pista de dança...
- Kris... Aquilo ali...

Tom apontou para algo atrás e acima de mim e eu olhei. Era Bené que estava enroscada numa teia e OMG! Ela estava enroscada em Astrogicildo também! Aquilo era sexo entre aranhas?

- Bené!

Eles pararam o coito ou sei lá como aquilo se chamava e me olharam surpresos. Tom tinha cuspido a cerveja longe quando começou a rir e Rob estava de cara feia.

Credo gente! Vão ficar aí olhando? Bando de voyer!
- Você ficou louca, Bené? Vai para longe daqui... Não precisamos presenciar essas coisas.
- Eu só estou amando, me deixa!
- Isso é amor? Parece apenas sexo selvagem mesmo...

Tudo bem que Rob não estava ajudando muito, né? A aranha ficou perplexa com ele e nos mostrou o dedo do meio. Em seguida ajeitou seu fio único de cabelo e saiu puxando Astrogicildo para fora da sala.

- Não dê ouvidos a eles, fofucho! E não tem problema algum você ser estéril...

Quando ela desapareceu, percebi que estávamos em silêncio, avaliando aquele momento inusitado. E constrangedor.

- Deixe ver se eu estou realmente entendendo a situação. Essa aranha é real mesmo, né? Porque até hoje eu tenho esperanças que ela seja apenas fruto da nossa imaginação...
- Sim, Tom, Bené é real. Tão real quanto eu e você.
- Ótima influência que seu filho ou filha vai ter!
Depois que deixamos os assuntos “Michael” e “Bené” de lado, nos focamos na questão da gravidez e Tom até deu o seu conselho de que deveríamos contar ao público o quanto antes.

- Não esqueçam que se a barriga da Kristen começar a ficar mais saliente, os boatos vão iniciar. E é melhor que vocês contem antes disso.
- Eu sei. Eu também quero contar logo, acho que devemos isso aos fãs que sempre apoiaram nossa relação.

Respondi ao meu irmão e me aconcheguei nos braços de Rob. Eu realmente era muito grata aos fãs que torceram para eu ficar com Robert. Muita gente gostava de Megan e adorava dizer que eles estavam juntos, ou que rolava um clima entre eles. No entanto, eu fui bem aceita quando a notícia do nosso namoro vazou e fui muito bem recebida quando entrei para o elenco do filme.

- Rob, estava pensando aqui... Nós podíamos contar para a imprensa na premiere de Remember Me em Londres.
- Mas isso é tipo, amanhã.
- Não, Tom. Não é amanhã... É semana que vem.
- Estraga prazer... Eu sei. Foi só jeito de falar.

Por que Deus inventou os irmãos? Apenas para nos irritar, certo? Ele só estava se esquecendo que eu estava grávida, com enjôos e hormônios em ebulição. Para começar a chorar ali não custava.

- Rob?

Olhei para meu noivo e objeto de desejo eterno, que estava calado e pensativo. Rob tinha um meio sorriso no rosto e estava tão lindo... como sempre, claro.

- Eu topo. Acho uma boa idéia.
- Mesmo?
- Ué, se nós vamos fazer isso, então que façamos logo, né? Para que esperar mais tempo?

Meu estômago não gostou muito daquilo. Apesar de querer que todo mundo ficasse logo sabendo, eu também sentia um pouco de nervosismo. Já era pressão demais ser a noiva de Robert Pattinson. Carregar um filho dele então... Minha nossa!

- Preciso ir embora. Tome conta da minha irmã, seu mané. Eu que saiba que ela anda desprotegida por aí...

Tom se achava mesmo ameaçador, né? Porque estava mais para palhaço do que qualquer outra coisa. Ele levantou e tirou um pedaço de papel dobrado do bolso da calça, entregando-o para Robert.

- Que isso?
- Já ia me esquecendo, mas o seu fã nº 1 te mandou uma cartinha.
- Hein?

Rob me olhou, mas eu tive que dar de ombros, já que também estava por fora do assunto. Desde quando Tom recebia cartas de fãs de Robert? Meu noivo gostoso e suculento com bunda durinha desdobrou o papel e suspirou ao ler a carta.

- Por que simplesmente não queimou isso, Tom?
- Eu não... O fã é seu. Tenha respeito por ele.
- Hilário você! Vai! Sai daqui antes que te meta a porrada!

Meu irmão caiu na risada e me deu um beijo no rosto, alisando minha barriga rapidamente ates de ir embora.
Rob continuava olhando a carta. Lendo e relendo, esquecendo que eu ainda estava ali diante dele.

- Se você quiser me contar quem é seu fã...
- Você conhece.
- Conheço?

Ele revirou os olhos e me passou o papel todo escrito com a letra mais redondinha que já vi na vida. A caneta era rosa e a letra “i” não tinha pingos. Tinha corações. Desci meus olhos pela carta para achar a assinatura e descobrir logo quem era a vadia que ficava dando em cima de homem quase casado. Para meu espanto e comoção, a assinatura era...

Com carinho, enquanto me debulho em lágrimas amargas,
Seu eterno... Alfie.
- OMG.
- Exatamente.

Tinha tanto tempo que eu não ia ao apartamento de Tom, que tinha até me esquecido da figura chamada Alfie. Preciso admitir que o cara era bizarro com toda sua paixão por Rob – e qualquer outro homem gostoso. Eu achava que o fato dele não ter mais contato cm Rob, nem vê-lo todos os dias, acabaria com essa obsessão, mas pelo visto, o amor vence barreiras!

- Rob, que lindo! Eu acho que você devia respondê-lo.
- Está me estranhando, Kiki?
Lógico que eu não queria realmente que ele respondesse ao lunático, até porque eu detestava Alfie com todas as minhas forças pelo que ele me fez passar na época que morava com Tom. O porteiro gay e fã de Robert sempre teve inveja de mim e tenho certeza que se ele pudesse, me jogaria do alto de uma escada.

- Tudo bem não responda, mas saiba que estará partindo o coração de um fã.

E cá entre nós, eu adoraria ver Alfie se afogando nas próprias lágrimas. Invejoso! Naquele mesmo dia, depois de Robert me prometer umas dez vezes que não faria nada em relação ao telefonema que recebi de Michael, nós resolvemos marcar uma pequena reunião com nossos agentes e o pessoal da produção de Breaking Dawn.

- Está nervosa?

Rob me perguntou já dentro do carro, enquanto íamos ao local marcado para a tal reunião. Eu não queria dar o braço a torcer, mas estava sim um pouco nervosa. Apesar de ter sido muito bem aceita por toda a equipe dos filmes, eu não sabia qual seria a reação do pessoal.

- Não muito, estou bem.

Menti e dei um sorriso tranqüilo para meu noivo, que alisou meus cabelos e ligou o som do carro. Eu também sabia que ele estava tenso com a conversa que teríamos e não queria piorar seu estado.
Devo dizer que a música ajudou bastante até chegarmos lá, já que logo começou a tocar algo que eu tinha como tema da nossa relação. “Kiss Me” era realmente a minha música preferida desde que fui morar em Los Angeles. E inevitavelmente, ela sempre me faria lembrar de Robert.

- Kiki, quando chegarmos lá, se você não quiser falar, deixe comigo, ok?
- Por que eu não ia querer falar?
- Por estar nervosa, não sei.

Eu precisava dizer que ele era o homem mais perfeito de todos? Agradeci internamente por Rob já estar querendo tomar as rédeas da situação. Quando estacionamos no subsolo do prédio da Summit, eu dei-lhe um beijo antes de sairmos do carro. Rocei meu nariz em seu queixo e aspirei seu perfume, querendo ficar longas horas somente ali com ele. Sem ruídos externos, pessoas, problemas, nada.

- Pronta?
- Não, mas faz alguma diferença?

Ele riu e me levou junto em sua gargalhada. Quando pegamos o elevador para o 8º andar já era capaz de me sentir mais leve. Logo chegamos no andar e entramos com nossos agentes que já estavam lá esperando. Nós mal tínhamos sentado direito e Rob já começou falando sobre o motivo daquela reunião. Conforme ele ia falando, as expressões do pessoal reunido ali iam mudando.

- Vocês estão certos disso? Fizeram exames?
- Bem, eu não fiz exame nenhum, quem fez foi Kristen.

E isso lá era hora dele querer treinar seu lado humorístico? Eu mataria meu noivo quando estivéssemos sozinhos. Meu agente nos olhou e depois encarou minha barriga coberta por uma bata.

- Já sabem o sexo?
- Não, ainda é cedo para isso...

Respondi um pouco desconfortável com os olhares diretos para mim e joguei a franja o máximo que pude na frente do rosto.

- E vocês já resolveram se vão...
- Contar à imprensa?
- Sim.

Rob me olhou e eu sorri para ele, que se dirigiu aos outros.

- Sim, vamos. Não temos motivos para esconder nossa felicidade.

0 comentários :

Postar um comentário