Despertando Para O Prazer - Capitulo 24

Talvez fosse a minha maior burrada, no dia anterior a peço em namoro no outro saio com minha ex - amante, dane-se quem mandou me trocar pelo Jasperzinho Cara de Fuinha Whitlock. Quanto mais tempo passava maior minha ansiedade o que Bella fez durante todo o dia, será que ela passou com o Fuinha? E aonde será que eles iriam? Quando a noite chegou e eu já estava preparado para festa peguei meu carro e fui até a casa de Tanya. Não preciso dizer que ela ficou em êxtase quando liguei para ela, como se ela tivesse alguma chance comigo ainda. Meu coração agora tem dona e não a trocaria por nada, mesmo que tenha ligado para ela. Só liguei para ela por raiva de Jasper não por raiva de Bella.



Quando chegamos à festa Alice me fuzilou com o olhar, cutucou minha mãe que virou fuzilando. Eu estou à beira da morte aqui.



– E –D –W-A –R – D! – disse cada letrinha. – O que aconteceu para você trazer essa penosa, das catacumbas de sei lá de onde! – Nossa essa baixinha brava é pior que qualquer coisa.



– Bella, saiu com um amigo – ela ergueu a sobrancelha, não era adorável como Bella fazia. – e eu a trouxe, só por hoje.



– Ah é? mamãe está furiosa com você, não te salvarei não. Querido irmão!




E saiu andando com aqueles cabelos espetados do inferno! Porque senhor? Eu amo minha irmã, mas quando quer, ela me irrita. A festa estava divina como manda o figurino, toda a sociedade estava lá incluindo meu "rival" Jasper Hale, o que aquele viado estava fazendo aqui. Jasper cumprimentava meu pai e eu o fitava de longe, eu realmente o odiava sem um motivo aparente, mas... Se Jasper estava aqui e Bella sairia com ele... Jasper deu espaço e meu pai abraçou Bella alegremente como se fosse uma filha dele, riam e conversavam. Talvez estivesse rindo de mim, o bobão ciumento chamado Edward Cullen. Eu fitava os dois com fúria, ciúmes. Tanya me puxou pelo braço.



– Eddie, vamos falar com seu pai – ela me perguntou com aquele tom de vadia que só Tanya tinha, onde eu me enfiei? Sexo era mais ou menos, ela era bonita, mais não se comparava a Bella, ah Bella, não poderia nunca chegar perto dela com Tanya a tira colo. Ela me iria me odiar e iria tirar conclusões desnecessárias. Como eu fiz uma vez e... Isso não importa, no momento.



– Não! Vamos nos sentar, ele logo vira até nós. – cortei antes que Bella me visse com ela.



Apesar de que meu pai já deveria ter dado com a língua nos dentes. E pior com a ajuda de Emmett que se aproximava... Com Ana? Esse filho de uma boa mãe deu um plantão de emergência no meu consultório, com toda certeza, agora eu sei por que ela inventou um dia que tinha perdido todas as minhas fichas de pacientes, e que iria resolver isso com hora extra e que eu não deveria me preocupar em pagar. O erro havia sido dela. Sei bem o erro que cometeu. Ficamos sentados na mesa principal designada ao meu pai de onde eu tinha uma visão privilegiada da mesa onde Bella estava sentada com Jasper. Porque ele? Por quê? Era eu que deveria estar ali com ela, não ele. Esse pensamento me fez entortar o talher em minhas mãos trazendo a atenção de Alice minha irmã mais nova.



– Edward, o que foi? Você esta estranho! – não lhe dei atenção continuei a olhar a mesa, Alice sabia de minha rixa com Jasper e ainda pior ela era apaixonada por ele.



– Ah Jasper está aqui! – ela exultou a presença dele no evento, mais logo perdeu o brilho ao notar Bella com ele. – O que ela está fazendo com ele? – disse visivelmente chateada. – Edward, você brigou com a Bella de novo?



– Ela é amiga dele, e não estou brigado com ela. Para falar a verdade estou louco de ciúmes, esse é o motivo por carregar isso comigo hoje. – levantei o queixo apontando para Tanya. – ela assentiu olhando para a mesa de Jasper de meio em meio minuto, sentido o mesmo que eu, o ciúme corroendo-a.



O Jantar ia transcorrendo perfeitamente bem, e meus olhos jamais saiam da mesa de Jasper. Eu estava ficando cada vez mais enciumado com seus olhares para Bella até que a pista de dança foi liberada e eu vi Jasper se inclinando para ela sussurrando em seu ouvido, ela riu então foram até a pista de dança quando um tango começou a tocar.



E então nossos olhos se encontraram pela primeira vez naquela noite, meu corpo foi tomado pelo fogo do ciúme, raiva e do ódio que eu estava sentindo. Eu queria matar Jasper e tira-la de seus braços. Bella olhou-me e eu vi o brilho em seus olhos. Ate seus olhos caírem em Tanya, ela fuzilou com o olhar e em meio segundo se agarrou fortemente a Jasper.



– Alice! – ela pulou de sua cadeira – vamos dançar? – minha irmã captou na hora o que eu queria e acenou com a cabeça.



– Mais e eu Eddiezinho – Tânia era uma mala sem alça. Minha vontade era de falar. "Dance com quem quiser, eu não me importo!" – curto e grosso, mas se eu fizesse isso, por mais que minha mãe não gostasse de Tanya, me mataria pela falta de educação. Não foi assim que ela havia me educado.



– Tudo bem Tanya, vamos dançar. – Alice me olhou com fúria, eu não poderia ser indelicado a esse ponto.



– Carlisle! Vamos dançar querido, há muito tempo não fazemos isso. E eu adoro tango.– minha mãe olhou para Alice de um jeito divertido. O que dona Esme estaria aprontando?



Meu pai como bom cavalheiro jamais negaria nada a mulher que ama, sentiram de onde eu tenho toda essa devoção por Bella, é de familia. Está no sangue, até Emmett ofereceu para uma dança com Ana. Fiquei com dó de Alice que ficou sozinha na mesa. Só não entendi a piscadinha marota de Dona Esme para ela.



Trilha: Moulin RougeEl Tango de Roxanne

www.youtube.com/watch?v=7aro4uBPBC4


Me dirigi a pista com Tanya era como se só existimos nós naquela pista, já que ninguém mais além de meus pais e Emmett com suas parceiras no Tango. Também com os movimentos lascivos de Bella. Qualquer mulher se sentiria intimidada. Peguei Tanya e comecei a girá-la chegando cada vez mais perto do casalzinho. Dançávamos como se estivéssemos em um concurso, além de sermos conhecidos como uma familia feliz de médicos e por sermos Belos. Porque convenhamos eu, meu pai, Emmett somos o que se pode dizer, modelos de cueca. (N/A:Humildade é o segundo nome do Edward hein) Até meu Pai cinqüentão está muito bem, e as meninas então Alice encanta e minha mãe e a mulher que faz todos os homens desejarem ser meu pai. E Bella fará parte deste time.



Estava girando Tanya grudando-a ao meu corpo como Bella estava fazendo com Jasper, ela estava me provocando mal sabia do perigo de tudo isso. Nossos olhares sempre estavam se cruzando ela me olhava com fúria, e para Tanya com ódio e percorria o corpo dela, como se fosse arrancar sua pele ali mesmo. Quando girava e chegava perto de minha mãe sorria como um anjo. Seria cômico se não fosse trágico, enquanto isso Alice nos olhava sorrindo apreciando a dança. Quando a música mudou novamente de ritmo e Bella agora subia sua perna pela de Jasper.



Girei Tanya perto de meus pais, soltando-a quando meu pai fez o mesmo com minha mãe fazendo a olhar exatamente seu alvo. enfiou o salto no vestido de Tanya, rasgando impiedosamente.



– Oh! – minha mãe ofegou, girando para o outro lado do salão. – lançando-nos um olhar que eu sabia que era falso. - Com meu pai, piscando para Alice e fazendo meu pai sorrir, conduzindo-a para longe.



– Edward, eu vou tentar consertar. – Tanya me falou e se retirou com metade do vestido rasgado. Coitada! Eu ria mentalmente. E eu não iria ficar sozinho no meio da pista de dança? Claro que não, precisava tirar Bella das mãos de Jasper já.



Caminhei até a mesa lançando todo o meu olhar sexy para minha irmã que se segurava para não rir de minha pose.



– Me concede está dança?



– Com toda certeza.



Alice agarrou minha mão e fomos fazendo graça dançando até chegar perto de meus pais, demos um beijo em cada lado da bochecha de minha mãe e sussurramos para ela um obrigado muito sincero. Ganhando um sorriso dela. E uma gargalhada alta do meu pai que se divertia com a maldade de sua esposa.



Peguei Alice e comecei a girá-la chegando cada vez mais perto do casalzinho exibicionista sussurrei para minha irmã.



– Pegue Jasper e suma com ele daqui!



– Com todo prazer irmãozinho. – é por isso que eu amo minha irmã.



Chegando cada vez mais perto quando Jasper soltou um pouco Bella de seu aperto ela notou nossa aproximação, e enrijeceu, o que ela estava com medo? Acho bom mesmo ela ter porque ela vai dançar o meu tango. Soltei Alice para que ela chegasse até Jasper, minha baixinha não me decepcionou puxou Jasper pelas costas passando a mão sensualmente pelo peito dele e disse algo que eu não consegui identificar. Não queria nem ver o que nossa mãe acharia desse comportamento nada recatado dela. Mas com toda certeza teria que agradecer a ela depois, Jasper soltou Bella rapidamente a deixando no meio da pista e se voltando para dançar com Alice eu rapidamente puxei Bella para mim ela relutou e eu a segurava forte para que ela não fugisse.



– Então viemos para a mesma festa?



– Edward me solta, eu não sei o que você quer. Você não estava com aquela biscate loira – ela parecia a ponto de chorar – Me solta!



Girávamos na pista e eu apertava-a ao meu corpo mais ainda. Já não eram só os Cullen's dando seu show. Outros casais resolveram se arriscar na dança e eu não via mais Jasper e minha irmã em canto algum.



– Não vou te soltar. Me deixa explicar, por favor. – ela abriu a boca e voltou a fechar – eu tenho como explicar porque estou com a biscate loira, como você mesma diz. – ela abriu a boca novamente – me deixe explicar, por favor.



– Eu não quero suas explicações, porque não guarda para a loira morango que estava com você – ela estava com ciúmes.



Girei seu corpo trazendo sua perna até minha cintura e grudei nossos corpos, roçando minha virilha contra a dela e deslizando minha mão pela fenda do vestido.



– Me solta Edward, eu não estou para brincadeiras.



– Não é brincadeira, eu vou explicar. Quer você queira ou não!



Soltei sua perna e sai arrastando-a por todo o salão a procura de um lugar onde poderíamos conversar, Bella foi de má vontade não me dando escolha a não ser me comportar com um homem das cavernas. Quando saímos do salão agarrei seu corpo jogando-a sobre meus ombros. Com todos os seguranças da festa nos olhando não me importa, sai à procura de um lugar calmo. Ela iria me ouvir. Acabei achando uma sala vazia, entrei soltando Bella do meu ombro.



– Me escuta, eu só a trouxe porque você saiu com aquela pamonha loira. – ela se debatia em meus braços, me dava socos que eu não sentia, francamente! – vamos conversar.



– Edward, me solta! Eu vou gritar tão alto. Mais tão alto que todo mundo vai ouvir. – ela queria gritar. Eu a faria gritar.



Desci do meu ombro encostando-a na porta. A encarei com fúria gostaria de saber o porquê de toda essa relutância em ficar comigo. Por causa de Tanya? Eu só a trouxe por culpa dela mesma. Agarrei seus pulsos, olhando no fundo de seus olhos eu não sabia o que tinha ali. Raiva, ciúmes.



– Grita, mais grita bem alto. Quero ver se você tem fôlego para gritar, como você costuma ter na cama.



Ela tomou fôlego e apertou seus olhos abrindo a boca para gritar. Antes que um piu saísse daquela boca eu a beijei com fúria empurrando seu corpo pela sala. Eu não fazia idéia de onde estávamos Bella tropeçava em seus saltos e eles não deveriam ficar no meu caminho. Abri meus olhos analisando o local quebrando o beijo para que ela respirasse. Totalmente ofegante, ela olhava com ódio. Ela não estava gostando e isso me deixava com mais tesão ainda.



– Edward, destranca a porta. A-G-O-R-A!



– Não, eu vou te explicar, tudo. Você vai me ouvir, você vai me sentir. E nós ainda temos a ultima posição para cumprir. E não me venha falando que não vai, eu sei que você quer, isso tanto quanto eu.



Ela não disse nada, me deu apenas um sorriso cínico vindo para cima de mim gritando. Aquilo conseguia ser mais excitante ainda, a relutância que não duraria muito, com minha visão periférica vi uma mesa que me ajudaria muito. Enquanto Bella vinha me atacar me preparei para pega-la, quando ela veio para me socar com seus soquinhos de incrível Hulk gay, peguei-a no colo e a levei para a mesa depositando-a na mesa e abrindo suas pernas me acomodando entre elas.



– Primeiro. – eu gritei. – Eu trouxe Tanya porque você não pode vir comigo. Porque me trocou pelo sabugo de milho com pernas. – ela me interrompeu.



– Tanya é o nome da biscate? E eu não te troquei, eu disse que não poderia vir, eu nem sabia do que a festa se tratava. Agora me solta eu vou embora e você pode voltar para a loira biscate. – ela fez a menção de sair e eu apertei ainda mais.



– Segundo. – apertei seus pulsos para que ela não tentasse fugir. – que esfregação era aquela lá fora, ele não era seu amigo. – afrouxei seus pulsos. – o que eu não esperava era ela se soltar e lançar um tapa em meu rosto.



– Ele é meu amigo. – outro tapa. – e aquela é o que? Sua amante?



– Já chega, terceiro Isabella, agora você vai dançar o meu tango, e só não rasgo seu vestido como minha mãe fez com o vestido de Tanya – ela riu e eu acompanhei. - Porque não quero exibir seu corpo a todos, ele é meu. Você é minha. Cachorra!



– Como é? Repete do que você me chamou. – Ela adorou tava na cara.



– Cachorra! Minha cachorra. – apertei sua bunda com força.



Desci Bella da mesa e sai à procura de algo que ela pudesse se apoiar. Um banquinho talvez, ela estava encostada na mesa. Olhando para minha cara como se eu fosse louco. Achei um banquinho e posicionei em frente a ela.



– Chão de Estrelas, meu amor, assim como o nome eu farei você ver estrelas, planetas, o universo. O que você quiser ver querida. – me postei em sua frente e ela mantinha a mesma fachada de que não estava nem aí, veremos se ela não estaria nem aí em 2 segundos.



Puxei seu rosto procurando seu lábios furiosamente, varrendo cada vestígio de calma da face dela, enfiei minha língua em sua boca passando por toda extensão, segurei sua cintura me colando junto a ela, roçando minha ereção evidente em suas coxas, aquele vestido maldito. Era uma pena não poder rasgá-lo, Bella começou a perder o controle agarrando meus cabelos me trazendo para ela enquanto ela se sentava na mesa. Dessa vez não comprovaria sua excitação com as mãos. Seria de outra forma.



Parei de beijá-la virando de costas para a mesa agarrando seu cabelo trazendo sua cabeça para trás, lambendo e assoprando de seu ouvindo até seus ombros, encostei-me mais ainda a ela pressionando minha ereção em sua bunda.



– Essa posição me deixa te dominar, Isabella. Assim como você gosta de me dominar, vamos ver se você gosta de dominar ou ser dominada. – eu disse em seu ouvido.



Com a mão livre, já que ela estava presa entre meu corpo e a mesa deslizei o zíper do seu vestido fazendo-o cair no chão deixando Isabella apenas com sua calcinha fio dental. Ao ver aquilo eu fiquei doido.



– Há quanto tempo anda usando esse tipo de lingerie? – deslizei meu dedo até a o fio da calcinha. Ela estremeceu e me respondeu.



– É para não marcar no vestido. – Sei, ela não terá mais esse tipo de problema.



– Não precisará mais se preocupar com isso. – arranquei o pedaço minúsculo que cobria seu corpo. Bella gemeu alto e eu forcei seu corpo até estar deitado sobre a mesa. Empinando sua bunda.



Desci segurando seu quadril e separei suas pernas até elas me darem a visão que eu queria. Seu sexo molhado e pulsante, a minha espera. Sem hesitação alguma, me deliciei com seu sexo, sentindo todo seu sabor. Bella gemia alto, creio que qualquer um que passasse pela porta ouviria seus gemidos. A penetrava com a minha língua, ora com ela, o com meu dedo quando não estava trabalhando em seu clitóris, Bella rebolava em meu rosto e se empinava mais. Trabalhei por minutos até senti-la pulsando e me dando mais de seu mel. Levantei abrindo o zíper da minha calça, descendo e abaixando minha cueca.



– Isabella? Ela ainda estava deitada sobre a mesa, e eu a segurava pelo quadril. Suas pernas falhavam pelo prazer.



– Hum.. – ela gemia.



– Quero que vire-se, como eu disse esse tango você irá dançar ao meu modo.



Ela se ergueu da mesa, virando para me olhar, me olhou de cima a baixo. Me senti um pedaço de carne em exposição para um cachorro faminto. Ela passou a língua por seus lábios e eu a agarrei mais uma vez para beijá-la com fúria e faminto pelo gosto da sua boca, misturado ao gosto de seu sexo. Quebrei o beijo a fazendo girando-a para que ficasse de costas.



– Se apóie no banco, com os braços e empine sua bunda, agora! – Não havia sentido em ser doce, se ela estava adorando meu jeito bruto.



Ela me obedeceu prontamente sem chiar uma única vez, a fachada séria havia ido embora, só existia o tesão agora. Posicionei meu membro em sua entrada, passei por toda a extensão de seu sexo, e não a penetrei. Bella gruinhiu.



– Você se frustra fácil cachorra, se me quer dentro de você. Seja boazinha e peça.



– Edward, eu quero você dentro de mim. – muito baixo.



– Peça mais alto. – bati em sua nádega. – estou revidando o tapa que me deu meu amor.



– Edward! – dessa vez ela gritou. Mas logo abaixou seu tom. – me faça sua, eu quero você dentro de mim, eu não agüento mais. – baixo de novo, para mim não foi o suficiente.



– Peça mais uma vez. – agarrei seus quadris pronto para penetrá-la com fúria.



– Me fode logo, caralho! – ela gritou.



Penetrei com força segurando seus quadris, Bella gemeu pela surpresa e pelo tesão, me olhou por cima dos ombros e lambendo seus lábios e pedindo por mais. Eu dominava a situação e ela adorava isso, estocava ora forte e rápido. Ora lento e devagar, fazendo-a gruinhir e gemer sempre na expectativa por seu orgasmo. Eu me segurava ao máximo, querendo chegar ao ápice junto com ela, na mais perfeita sincronia. A visão privilegiada de seu corpo, a sensação de dominá-la acordava o leão que existia em minha alma, o leão faminto por ela. O homem que foi despertado por ela quando ela entrou em meu consultório. Ela ergueu sua cabeça e eu agarrei seus cabelos puxando-os com força, desfazendo todo o penteado, que ela usará.



– Goza Bella, e geme alto. Quero que os que estiverem passando por aquela porta, a escutem.



Seu corpo inteiro se enrijeceu e com a minha estocada final chegamos ao ápice juntos, em perfeita harmonia. Com Bella obedecendo e gemendo alto disputando com meus próprios gemidos. Suas pernas falharam e eu a sustentei agarrando-a pela cintura. Erguendo-a e trazendo suas costas para colar em meu peito, buscando seus lábios. Ofegantes e suados pelo esforço. Nunca nos esqueceríamos dessa loucura.



Levamos um tempo até nos recompormos e nos vestirmos para voltarmos à festa. Tanya quem era, Jasper então ela nem se lembrava mais dele. Quando estávamos arrumados e comportados novamente, como se nada tivesse acontecido naquela sala. Eu finalmente falei aquilo que antes doeria muito dizer.



– Chegamos ao fim de seu tratamento, Srta. Swan. – Sorri para ela.



– Uma pena não é mesmo? – Ela sorriu.- Eu tenho uma teoria, porque não sentia prazer.



– E qual é?



– Eu não amava ninguém, por isso eu não sentia prazer. O prazer o e amor andam juntos. Pelo menos para mim. – eu sorri para ela.



– Eu te amo Bella.



– Eu também te amo Edward, você despertou em mim o prazer. Mas suas obrigações como médico acabaram. Como namorado, ainda temos um livro inteiro a cumprir. – estávamos agora de mãos dadas saindo da sala, eu a puxei novamente.



– Eu tenho uma condição. - É mais um pedido.



– E qual seria essa condição?



– Seja minha para sempre, e eu cumprirei não só essa obrigação. Como todas as outras. - fiquei olhando em seus olhos esperando a resposta.



– Eu sou sua. – ela disse pensativa. – Eu sou sua namorada. – ela fitou o vazio. Deus! Será que eu teria que falar com todas as letras?



– Casa comigo Bella? E eu lhe darei tudo. Todas as posições, tudo! – eu agora segurava seu rosto. E olhava nos seus olhos esperando uma resposta, se eu tivesse que me ajoelhar. Eu me ajoelharia – construa uma familia comigo. Lembra-se o que eu te disse em Forks? – eu estava começando a me desesperar com a falta de respostas. Ela fitava o vazio.

– Mas nós acabamos de começar a namorar?



– Mas para mim, não me interessa nada, se não for com você. Ter você eternamente ao meu lado. Você quer que eu me ajoelhe, eu me ajoelho. – eu me ajoelhei perante a ela.



– Isabella Swan, casa comigo? – disse firmemente.



– Sim! – ela sorriu e se abaixou para me beijar. – Sim! Sim! Sim! – ela dizia entre os beijos.



(N/A: Diferente da Bella dos livros a minha não é besta de ficar fazendo doce)




A porta a nossa frente abriu e dela saíram minha irmã e Jasper. Fiquei chocado com Alice, ela me vendo ajoelhado e Bella olhando para os dois com a mesma expressão de choque, Alice gritou!



– OMG! Vocês vão se casar.



– Bella, você tinha um gosto melhor para namorados antigamente. – Jasper disse e eu fechei a cara imediatamente. E me levantei o indo em direção a ele quando Bella me parou.



– Acho bom, você fazer o mesmo com a minha irmã se não quiser ficar sem vida Whitlock. – eu praticamente cuspi as palavras e Bella me olhava horrorizada, assim como Jasper que parecia estar assimilando que ele acabará de transar com minha irmã – Explica para ele Alice, tenho ainda muitas coisas para discutir com a Bella sobre nosso matrimônio.



Fechei a porta na cara dos dois, e agarrei Bella novamente, agora que ela aceitou meu pedido eu poderia pular uma condição. E começar a cumprir agora, afinal o livro é enorme. E eu não tinha tempo a perder agora que ambos despertamos para o prazer, para o amor e para a felicidade.

Fim

0 comentários :

Postar um comentário