Bônus - One-Shot - No Way!

No Way! – Bônus

POV Edward

Sai do banheiro enrolado em uma toalha. Passei a mão por meus cabelos molhados ao ver Bella deitada na cama, encolhida.

Ela passava grande parte do dia ali desde o ocorrido.

- Amor, não vai se arrumar?

Me sentei na cama, inclinando-me sobre ela e beijando seu ombro.

- Precisamos mesmo ir?

Toquei sua testa, jogando sua franja para trás.

- É sempre bom irmos minha linda. Está sentindo algo?

Bella se virou para me olhar, enxugando as lágrimas que escorria por sua bochecha.

- Eu estou péssima para ir a um evento. – Suspirou alisando meu braço – Olha meus cabelos...

- Não diga isso meu amor, você está muito linda.

Ela me deu um meio sorriso tristonho.

- Posso até estar por fora, mas por dentro... Ainda não superei.

Encostei minha testa na sua, descendo minha mão até sua barriga.

- Já se passaram três meses princesa, não pode ficar assim para sempre. – Beijei a ponta de seu nariz – Perdemos um bebê, mas você ainda precisa cuidar de mais três.

- Três?

- Sim. Gabriel, Anthony e eu.

Ela sorriu, mas ainda não era o sorriso que eu gostava de ver.

- Sei disso, mas... – Sua mão pousou sobre a minha – Eu sinto falta dele se mexendo aqui.

- Também sinto amor, mas se Deus quis assim não podemos fazer nada. Não é minha culpa, sua, ou de alguma outra pessoa. Você estava se cuidando, mas aconteceu princesa.

- Me sinto tão... Impotente.

- Não diga bobeiras, vem cá. – Me deitei, puxando-a para cima do meu peito e apertando seu corpo contra mim. – Não é porque você perdeu esse bebê que não teremos mais, pelo contrario, essa casa tem espaço para muitas crianças ainda.

Seus lábios grudaram nos meus.

- Amo você.

- Eu também te amo meu amor, agora que tal ir tomar um banho e ficar mais linda do que já é?

- Tudo bem, prometo não demorar.

- Como se isso fosse possível. – Brinquei, jogando-a para o lado e colocando-me sobre ela. – Não fique triste, não gosto de te ver assim. Ainda somos jovens, temos muito tempo pela frente.

- Ok.

Beijei seus lábios e suspirei sentindo seus dedos agarrarem meus cabelos. Eu estava com muitas saudades dela, do seu corpo, já que desde que Bella perdeu nosso bebê que estava esperando se afastou de mim e isso já fazia 3 meses.

Sai de cima dela, dando espaço para que saísse da cama.

Quase uma hora depois saímos de casa deixando as crianças com minha mãe. Chegamos ao salão onde aconteceria uma premiação do empresário do ano.

Beijei os lábios de Bella, sai do carro e dei a volta, abrindo sua porta.

- Obrigada. – Agradeceu aceitando minha mão.

Deixei a chave com o manobrista e enlacei a cintura de minha mulher, parando para tirar algumas fotos.

- Até melhor? – Alisei suas costas.

- Sim.

Adentramos no local e fomos cumprimentados por alguns conhecidos.

- Vem amor, sente-se aqui. – Puxei uma cadeira de uma mesa desocupada.

Sentei-me ao seu lado logo em seguida, passando meu braço ao redor de seu ombro.

- Aposto que você vai ganhar...

- Não sei princesa, já ganhei ano passado.

Bella rolou os olhos rindo. Seus lábios deslizaram por meu pescoço.

- Deixe de ser modesto.

Virei meu rosto, capturando seus lábios.

- Podemos nos sentar aqui?

Bella e eu nos afastamos, olhando para o casal a nossa frente.

- Fiquem a vontade. – Respondi travando o maxilar e apertando Bella contra meu corpo, sentindo-a estremecer.

Olhei para Charlie e Renée, ambos encaravam Bella. Já não era a primeira vez que nos encontrávamos em eventos, mas eu não gostava de quando isso acontecia... Bella estava mal, não precisava ouvir palavras acidas dos pais.

- Vou retocar minha maquiagem Edward.

- Ok amor, vou pegar algo para bebermos.

POV Isabella

Guardei meu pequeno estojo de volta em minha bolsa e já estava prestes a sair quando vi Renée entrar.

- Então queridinha, como anda a vida?

- Bem Renée.

Ela arqueou uma sobrancelha.

- Mesmo? Li no jornal o que aconteceu, sinto muito pela criança.

Apertei meus olhos com força, me controlando.

- Isso não diz respeito a você!

- Ora, não se irrite, sei como é... – Riu olhando-me de cima a abaixo – Dois filhos acabam conosco, e Edward deve jogar isso em sua cara...

- O que está insinuando? – Cerrei os olhos.

Minha mãe pegou um batom, passando em seus lábios.

- Bella, você não é mais aquela jovem, e homens como seu marido... – Virou-se para me olhar de forma arrogante – Sabe, não é? Do tipo pobre que ficou rico e agora gosta dinheiro com outras mulheres, já que se enjoou da que tem em casa.

- Você não tem o direito de falar isso sobre o meu marido! – Me aproximei dela, apontando o dedo em sua cara – Edward não é igual a Charlie, ele não precisa buscar na rua o que tem em casa.

- Se você diz...

A observei sair do banheir e fiquei ali, tentando controlar minhas lágrimas que segurei em sua frente. Ela não precisava de mais motivos para rir da minha cara.

Mas no fundo Renée tinha razão... Edward sempre foi um homem insaciável, fogoso, e devia estar buscando na rua o que não tem em casa... O que não tem em casa a mais de 3 meses.

Limpei meu rosto e refiz minha maquiagem, apesar de ainda não ter parado de chorar, abri a porta do banheiro pronta para sair, mas estaquei ao ver Edward no balcão sorrindo para duas loiras que riam e tocavam em seus braços.

POV Edward

- Sinto muito meninas, mas eu sou casado.

- Do tipo fiel? – A loira mordeu os lábios, tentando me seduzir.

- Do tipo muito fiel e apaixonado.

- Ok, fica para a próxima gato.

- Espero que encontrem um parceiro que aceite suas propostas. – Ri, rolando os olhos.

De onde saia aquelas criaturas? Como duas mulheres lindas podiam ser ao mesmo tempo tão vulgares? Sim, vulgares. Mulher que se presa não se oferecia com a amiga para um homem em busca de prazer.

- Se mudar de idéia, estaremos por ai lindo. – A outra loira tocou meu braço rindo, eu retirei meu braço e olhei para a mesa onde Bella já deveria estar, mas não a encontrei. Olhei em direção ao banheiro e a vi na porta, olhando-me tristonha, logo depois entrou novamente.

- Não mudarei de idéia, vou para minha mulher. – Sai dali entrando no banheiro e vendo-a apoiada na pia de mármore, chorando. – Amor, o que aconteceu?

- Nada. – Limpou o rosto com um pedaço de papel.

- Bella, eu te conheço princesa. – A abracei por trás, beijando seu pescoço. – Me conte.

Ela mordeu os lábios, olhando-me pelo espelho.

- Quem eram aquelas mulheres?

- Não sei. – Torci o nariz e ri, mordendo seu ombro – Ciúmes Sra. Cullen? – Girei seu corpo, deixando-a de frente para mim. Segurei seu rosto, forçando-a a me fitar. – Eu sei que não é só isso, conte-me amor.

- Você já esteve na cama com outra mulher depois que nos casamos.

Neguei com a cabeça, beijando sua testa.

- Desde que te conheci, só tenho olhos para você... – Desci meus lábios para sua bochecha molhada. – Eu amo você, nunca te trocaria por outra mulher.

- Mesmo?

Sorri torto, pegando sua mão e colocando-a sobre meu peito.

- Esse coração bate apenas por você.

Ela enxugou as lágrimas sorrindo.

- Eu amo você.

- Eu também minha linda, demais. – Beijei sua boca, sentindo suas mãos escorregar por meus ombros – Não gosto de te ver chorando... – Mordi seu queixo, fazendo-a sorrir mais um pouquinho – Em eventos, todas as vezes que viemos para o banheiro era para fazer amor...

Suas bochechas coraram, o que me fez gargalhar.

- Amor...

- Lave esse rosto e vamos lá, receber nosso prêmio.

Bella fez o que pedi, depois de maquiada saímos do banheiro como se nada estivesse acontecido.

- Não quero voltar para aquela mesa. – Apontou para onde Charlie e Renée estavam.

- Tudo bem, vem, vamos pegar um refrigerante para você.

Fomos até um balcão onde se podia pedir drinks. Bella optou mesmo por um refrigerante por conta dos remédios que estava tomando e eu a acompanhei.

- As pessoas nos olharam meio estranho, você viu? – Ela riu, puxando-me pela mão até o canto vazio do lugar.

- Sim, somos o único casal que não está bebendo. – Beijei sua boca, sentindo o gosto gelado da coca ali – Mas estou dirigindo, não posso colocar a vida da minha mulher em risco.

Ficamos abraçadinhos ali, trocando alguns beijos e palavras carinhosas, até que se deu inicio a premiação.

-... E o empresário do ano, é... – O homem encima do palco abriu o envelope e sorriu – Edward Cullen.

Sorri sendo aplaudido. Beijei Bella e subi no palco, recebendo uma estatueta.

- Obrigado. – Agradeci, posicionando-me enfrente ao microfone. – Bom, acho que estou fazendo meu trabalho bem. – Sorri, piscando para Bells – Já é o segundo ano que ganho e sei que todos devem achar um porre ouvir discurso. – As pessoas riram. Obvio que riram. Eu era rico, influente. Se fosse o garoto de anos atrás, há essa hora os seguranças estariam me retirando do lugar só por ter dito “porre” – Então só quero dedicar esse prêmio novamente a quem mais amo... Aos meus filhos, meus pais e minha mulher, que estão sempre ao meu lado, me apoiando e me incentivando, infelizmente esse ano a premiação está sendo muito tarde e como Gabriel tem aula amanhã não os trouxemos. De novo, obrigado. Esse prêmio é muito importante para nós, sim, nós. Porque ele também de Isabella que se empenha muito ao meu lado. – Mordi os lábios, suspirando – Estamos passando por uma fase difícil, mas nada que possa ser superada, e será, assim como tantas outras que enfrentamos no inicio de nossa relação.

Desci do palco recebendo aplausos. Aproximei-me de Bella, abraçando-a pela cintura e beijando seus lábios.

- Amo você. – Sussurrou.

- Eu te amo muito, muito mais. – Afirmei.

- Quer começar uma discussão sobre quem ama mais? – Arqueou uma sobrancelha.

Eu ri.

[...]

- Obrigado mãe, pai. – Sorri para eles – As crianças fizeram muita bagunça?

- Gabriel não, mas Anthony... Vocês já viram ele fugindo do berço?

Rimos juntos.

- É um problema que estamos buscando resolver Esme. – Bella bocejou.

- Estamos indo, durmam bem queridos.

- Vocês também. – Nos despedimos dos meus pais que moravam praticamente do outro lado da rua. – Vou tomar um banho. – Beijei o ombro de Bella enquanto subíamos as escadas.

- Vou dar um beijo nas crianças e já vou para o quarto.

- Ok linda.

Tomei um banho rápido e fui ao quarto das crianças. Primeiro passei no de Anthony, beijei sua testa e sai deixando-o dormindo no berço. Logo depois fui ao de Gabriel e suspirei ao ver que Bella não estava ali.

Sai do quarto do meu filho mais velho e caminhei até o final do corredor, vendo a porta aberta do quarto onde nosso bebê dormiria se não estivesse morrido.

Bells estava sentada na cama próxima a o berço azul, segurando em mãos o primeiro conjunto que havíamos comprado ao descobrirmos sua gravidez.

Fui até ela, sentando-me ao seu lado. Bella me deu um sorriso tristonho antes de deitar a cabeça em meu ombro.

- Vamos para o quarto? – Sussurrou.

- Vamos amor.

Ela se levantou, colocando a roupinha de volta no armário e voltou até mim, abraçando-me. Beijei sua testa, levando-a para nosso quarto.

Deitei-me na cama enquanto Bells foi para o banheiro, ouvi o som do chuveiro e não demorou para que ela voltasse enrolada apenas em uma toalha, com os cabelos molhados e os olhos vermelhos.

Bella se livrou da toalha e se deitou ao meu lado nua. Deixei meus olhos descerem por seu perfeito corpo, fechando-os em seguida.

Droga, ela só podia estar querendo me maltratar.

Senti sua boca contra a minha. Voltei a abrir os olhos gemendo ao sentir seu corpo pequeno e quente contra o meu. Enlacei sua cintura, puxando-a para mais perto de mim. Deixei minha língua se encontrar com a dela, em um beijo quente, repleto de desejo.

Me coloquei sobre ela, descendo minhas mãos por seu corpo macio.

- Vem Edward. – Sussurrou, com a voz tremula – Eu não posso arriscar... – Negou com a cabeça, voltando a me beijar.

- Arriscar o que? – Me afastei, friccionando meu corpo contra o dela.

- Arriscar que você me deixe por outra. – Sua boca cobriu a minha, mas eu a empurrei. – Não posso deixar que você busque em outra mulher o que não venho lhe dando...

Joguei-me para o lado, bufando.

- Não acredito nisso. – Grunhi, travando maxilar – Bella, você acha que eu sou o que? Um filho da puta que só pensa em sexo? Porra, claro que sinto saudades, olha como estou. – Apontei para o volume em minha boxer. – Só que não quero que faça isso apenas por medo, por um medo estúpido e improvável.

- Mas...

- Não. – Voltei a ficar de frente para ela, segurando seu rosto – Eu amo você, só você amor... – Deixei meu polegar roçar por sua bochecha – Só você.

- Mesmo?

- Juro por nossos filhos. – Beijei sua testa. – Poxa, sei como está sendo uma barra para você depois que perdemos nosso bebê... – Corri minha mão, pousando-a em sua barriga e sentindo meus olhos arderem – Sei que a dor que sinto não chega a um terço da sua, mas também era meu filho, eu já fazia planos para ensiná-lo a jogar bola e falar algumas palavras que você reprovaria, assim como fiz com Gabriel e Anthony. – Sua mão escorregou por meu rosto, limpando as lágrimas que caiam – Não faça mais isso, está bem? Vou esperar você pelo tempo que achar necessário.

- Me perdoe. – Seus braços me enlaçaram. Alisei suas costas nua, sentindo-a se arrepiar. – É que Renée... – Parou de falar, começando a chorar contra meu peito.

- O que aquela louca te disse?

Minha morena deu de ombros, abaixando os olhos.

- Insinuou que eu não devia estar fazendo meu papel de mulher, que estou acabada depois de ter dois filhos e que você deveria estar me traindo com outras mulheres.

- Desgraçada. – Rosnei, bufando. – Você sabe que não é verdade Bella... Só porque isso aconteceu no casamento dela com Charlie não significa que acontecerá no nosso. Somos felizes, apesar de estarmos passando por um momento difícil. Acha mesmo que eu vou jogar para o alto tudo que conquistei para te manter ao meu lado? Tudo o que conquistei foi por você. – Beijei seu nariz – Quando descobrimos a gravidez de Gabriel e fomos falar com seus pais eles te fizeram escolher em eles ou eu, dinheiro ou nada. Você escolheu a mim amor, o nada. – Dei de ombros, sorrindo torto – Isso me fez ver que você não era apenas uma patricinha que queria se divertir com um vagabundo para revoltar os pais, você realmente me amava e eu fiz por valer, tudo o que temos e conquistamos foi para mostrar que sou merecedor de você.

- Oh, eu te amo tanto.

Ela me abraçou com força, me beijando apaixonadamente. Depois que nos afastamos, puxei o edredom para cima de nós, nos cobrindo.

- Precisamos fazer uma viagem, que tal? – Propus – Para bem longe, aproveitamos as férias de Gabriel e vamos nós quatro.

- Para onde? – Indagou, mais risonha.

- Que tal... O Brasil? Você disse que foi para lá quando criança.

- Sim, morro até hoje de vontade de entrar naquele mar. – Riu, torcendo os lábios – Meus pais não deixaram Alice e eu sair do quarto do hotel.

- Por quê?

Deu de ombros.

- Não sei, eles ficavam o dia todo fora e a noite os dois saiam para jantar.

- Idiotas. – Rolei os olhos – Conosco será diferente. Quero ver meus pequenos correndo pela areia, gritando e pulando.

- Eles vão adorar.

- Ótimo, então vamos começar a planejar essa viagem. Vou apenas resolver algumas coisas na empresa e logo estaremos curtindo um samba, em uma praia do Brasil.

- Sempre fazendo coisas para me agradar Sr. Cullen. – Socou meu peito, beijando o lugar logo em seguida.

- Sempre amor.

Algumas semanas depois...

- U.A.U – Rimos da carinha de Anthony e de Gabriel, enquanto admiravam o mar azul da sacada do hotel em que estávamos hospedados. – Tantão de água!

- Sim Thony. – Gabriel concordou – Podemos ir lá?

- Sim, nós vamos, mas só depois que vocês comerem alguma coisa leve, só comeram porcariadas no aeroporto e no avião.

- Aaaah. – Os dois resmungaram.

- Ouviram a mãe de vocês, agora tirem essa roupa e vão tomar um banho enquanto pedimos algo para comer. – Coloquei Anthony no chão, que saiu correndo atrás do irmão, os dois comentavam da enorme banheira no banheiro. – Cansada? – Indaguei quando Bella se aproximou, desabotoando minha camisa e retirando-a. – Porque não toma um banho também?

- Sim, vou fazer isso. – Respondeu beijando minha boca. – Peça algo para nós, também estou faminta.

- Tudo bem.

Liguei para a recepção, passaram a ligação para um cara que falava inglês, pedi o que Bella havia mandado eu pedi, sem nem mesmo saber o que era, mas ela conhecia meu gosto e os das crianças, devia ser algo que gostaríamos.

Antes mesmo que eles saíssem nossa comida já havia chegado. Destampei, vendo arroz, frango, salada, e mais algumas coisas que não conhecia, mas parecia delicioso.

- Hm, que cheiro bom. – Gabriel se aproximou e Anthony também. Sorri para meus filhos, o maior de 11 anos trajava apenas um calção, assim como meu menor de 4 anos.

- Que delicia.

- Vão se sentando, vou colocar na mesa.

- Ok papai.

POV Bella

Me olhei no espelho sorrindo. Há meses eu não me sentia tão bem como hoje e eu sabia que isso tudo era por causa de Edward... Ele realmente era o homem da minha vida, sempre se desdobrando para me deixar melhor.

Sai do quarto, encontrando-os ao redor da mesa, brigando pelo pedaço maior do filé de peito de frango.

- Eu sou o menor. – Anthony levantou o garfo – Tenho que comer bem, senão fico dodói.

- Eu jogo futebol, preciso de energia pra ser o melhor.

- Nada disso, eu sou o mais velho e preciso me nutrir, ou querem ficar órfãos?

- Edward! – Rolei os olhos me aproximando, puxando a bandeja com a mistura. Dei um pedaço para cada um – O maior é meu, sou a única mulher no meio de três homens. – Eles riram junto comigo, sabiam que eu estava brincando. Reparti o pedaço maior em quatro – Pronto, sem chorar bebês.

Me sentei ao lado de Edward, apertando sua bochecha.

- Amor. – Ele resmungou.

- Onde já se viu? 30 anos nas costas e brigando com os filhos por causa de carne.

Edward deu de ombros, torcendo os lábios.

- Não tive infância. – Se fez de inocente, rindo.

Inclinei-me roubando um beijo de seus lábios.

- Quer comida na boca? – Ri, provocando-o.

- Papai bebêzão! – Gabriel riu.

- Se continuarem vai todo mundo ficar de castigo, saco? – Passou a mão pelos cabelos, fingindo estar bravo – Geral vai ficar em casa enquanto o papai curtir a praia.

- Mãe... – Anthony fez bico, e eu belisquei Edward.

- Vai fazer nosso pequeno chorar amor. – Sorri, mordendo sua bochecha – Agora comam ou o que o papai disse realmente vai acontecer.

Almoçamos tranquilamente, depois nos instalamos nos sofás, assistindo um pouco de TV para que a comida descesse.

[...]

Deslizei minha mão pelas costas de Gabriel, enquanto Edward fazia o mesmo com Anthony, espalhando protetor solar.

- Por Deus, tomem cuidado, viemos para um lado calmo da praia, mas mesmo assim não entrem diretamente no mar. – Os alertei.

- Papai e mamãe jajá vão entrar com vocês, ok?

- Ta, vamos fazer castelos por enquanto. – Gabriel sorriu quando o virei, passando mais protetor em seu rosto.

Edward havia achado melhor que fossemos para o outro lado da praia, onde as ondas eram pequenas e fracas, além do mais alguns salva-vidas disseram que ali era onde havia menos buracos. Havia poucas pessoas, a maioria eram famílias, mas que estavam distantes.

- Vem Thony.

Os dois saíram correndo pela areia. Retirei minha saída de praia que Edward havia comprado quando viu vários homens olhando para mim na outra praia.

- Passe em mim amor. – Joguei o protetor perto dele e me deitei, virando de costas.

Ele suspirou pesadamente, olhando minha bunda.

- Ok.

Sorri com o nervosismo dele ao deslizar a mão por minhas costas. Eu sabia que Edward estava se controlando nesse tempo todo e era difícil para dele me ver com tão pouca roupa.

Virei-me para olhar meus filhos, que estavam na parte molhada da areia, brincando e rindo.

- Você sente saudades de nossos momentos amor? – Indaguei.

- Que pergunta estúpida Bella. Claro que sinto.

Assenti, girando e ficando de frente para ele. Edward gemeu baixinho, passando a mão por minha barriga até chegar a minha coxa.

- Vamos fazer amor hoje. – Sorri, piscando a ele, que caiu sentado na areia.

- Sério? – Indagou incrédulo.

- Sim, vamos. – Sai da cadeira, indo me sentar com ele na areia. – E antes que você perguntei, não, não estou fazendo isso por medo, realmente estou com saudades, e quero muito sentir você.

Ele sorriu torto, agarrando minha cintura e me beijando.

- Finalmente vou parar de me masturbar. – Torceu os lábios.

- Edward! – Tampei sua boca, olhando para os lados e vendo se alguém havia ouvido o que ele disse.

- O que? É verdade, lembra, você me flagrou aquela vez. – Riu, me soltando e começando a passar protetor solar – Me ajude aqui, as crianças querem entrar no mar.

- Tudo bem.

Logo depois corremos até as crianças. Eu peguei Anthony, que se pendurou em minhas costas. Gabriel fez o mesmo no pai.

- Vamos ficar por perto para poder olhar nossas coisas.

Quando a água alcançou meu peito paramos. Passei Anthony para frente, onde ficaria mais fácil segura-lo.

- Então, gostou do mar filho? – Edward indagou, aproximando-se de nós com Gabriel.

- Sim. – Anthony riu, tentando jogar água no pai e no irmão. Uma pequena onda se aproximou, ergui Anthony para o alto, mas a água estourou em mim, indo no rosto dele. – Ewwwwwwww! É salgadaaaaa!

- Ai meu amor, desculpe. – Ri, abraçando-o e saindo da água. – Edward, vou pegar algo para ele beber.

- Ok.

Anthony estava com os olhinhos vermelhos e uma expressão de dor.

- Entrou no zóio mãe.

- O correto é “No olho”, filho, vem cá, deixe-me jogar água. – O sentei na cadeira, pegando uma das garrafas de água que havíamos levado, lavando minha mão e passando-a no olhinho azul dele. – Está melhor?

- Ta mãe. Posso beber guaraná?

- Sim querido.

- Mar mal e feio. – Choramingou baixinho. – Vou brincar de fazer castelo, num quero mais ir lá.

Sorri, pegando os brinquedos dele e colocando ali embaixo do guarda sol.

- Brinque aqui então.

Ele pegou uma lata de refrigerante e eu a abri, entregando-lhe em seguida. Me deitei na cadeira, enquanto acariciava os cabelos de Anthony que estava ao meu lado, concentrado em montar um castelo.

POV Edward

- Dormiram? – Perguntei, entrando no quarto com o vinho que havia pedido.

- Sim. – Bella sorriu, sentando-se na cama que antes era ocupada pelos nossos dois filhos.

- Porque não esperou por mim? Eu os levava para o colo Bella... – A repreendi, me aproximando da cama e abrindo o vinho.

- Deixa de resmungar e vem cá comigo.

- Vamos mesmo fazer amor? – Me deitei entre suas pernas, que rapidamente enlaçaram minha cintura.

- Oh sim, vamos.

Sorri retirando minha camisa e beijando-a. Subi minha mão por sua coxa, erguendo sua camisola.

- É hoje que o Brasil inteiro vai tremer.

- Edward!

- Ora amor, estou empolgado. – Mordi seu pescoço – Vou te amar a noite toda, amanhã não conseguirá nem andar.

- Nada disso, controle-se, as crianças estão no quarto ao lado.

Eu ri levando minha mão ao centro de suas pernas, notando que ela estava sem calcinha. Olhei para Bella em sinal de reprovação. Ela queria mesmo me matar. Minha mulher riu, gemendo baixinho em meu ouvido. Massageei seu clitóris, sentindo-a se contorcer sob meu corpo.

- Tão quente e molhada. – Coloquei dois dedos em sua boceta – Está muito apertada e pulsante amor, ela está gritando pelo meu pau.

- Então não enrole Edward!

Colei minha boca na dela, enquanto me livrava de minha boxer, me afastei apenas para retirar sua camisola e logo cai de boca em seus seios deliciosos.

- Papai sentiu tantas saudades de vocês... – Deixei minha língua correr pelos seus seios, sentindo-os enrijecer em minha boca.

As mãos de Bella apertaram minhas costas, enquanto gemidos saiam de seus lábios. Sentei-me na cama, massageando meu membro, admirando-a toda ofegante e esparramada na cama.

- Ed...

Sorri, voltando a ficar sobre ela.

- Te amo.

- Eu também te amo.

Nossos corpos se uniram. Não me movi por longos segundos, apreciando apenas a deliciosa sensação que era estar dentro dela como há meses não fazia.

Como sempre, foi tudo perfeito, tive que me controlar para que nossos gemidos não acordassem as crianças e interrompessem nossos planos.

Nos amamos a noite toda, fazendo algumas paradas para nos recuperarmos e nesse momento ficávamos conversando, trocando carinho e palavras carinhosas.

Eu era loucamente apaixonado por ela... Isso nunca mudaria.

Um Ano Depois...

- Podemos levar o rosa... – Apontei para o berço indeciso – Mas o amarelo também é lindo.

Bella riu ao meu lado.

- Edward...

- Nem vem amor, é minha primeira filha menina, eu vou comprar e gastar o tanto que for preciso. – Sorri, tocando sua barriga de 4 meses – Tenho uma ótima idéia, podemos levar os dois!

- É desnecessário dois berços amor...

- Um colocaremos no quarto dela e o outro no nosso, igual quando Anthony nasceu.

Abracei ela depois de conseguir convencê-la. Ri tirando-a do chão e beijando sua boca. No inicio ficamos preocupado, já que não fazia muito tempo que Bella havia sofrido o aborto e já estava grávida novamente, dessa vez estávamos tomando mais cuidado ainda... Nada aconteceria a nossa princesa.

- Podemos reaproveitar algumas coisas que compramos antes. – Ela se referiu ao bebê que perdemos – Tem alguns macacões brancos, laranja...

- Ih Bella, minha menina vai ter tudo novo, nem vem. Agora só falta o papel de parede do quarto, vem.

Andamos mais um pouco pelo shopping, depois fomos para nosso carro para ir buscar Gabriel na escola.

- Estou com fome. – Murmurou ela, me fazendo ir.

- Acabou de devorar um lanche.

- Sua filha é muito esfomeada. – Resmungou – Desse jeito vou ficar uma bola com só 31 anos.

Toquei sua barriga, sentindo minha princesa chutar.

- Vamos buscar Biel, iremos para casa e pediremos algo para comer, ok?

- Sim.

Dirigi devagar, até que o sinal se fechou e precisei parar o carro. Alisei a coxa de Bella e virei minha cabeça, olhando pela janela.

Na calçada, vi Renée e Charlie conversando com um policial, logo um guincho parou ali, rebocando o carro.

Ri baixinho, chamando a atenção de Bella que viu o mesmo que eu e se juntou a mim.

- EI CHARLIE, RENÉE. – Gritei, abaixando o vidro. Quando eles nos olharam eu sorri beijando a bochecha de Isabella – QUEREM CARONA? O CARRO DE VOCÊS FOI REBOCADO, FIQUEI SABENDO QUE ESTÃO POBRE... – Dei a língua, logo em seguida mostrando o dedo do meio – SE FUDERAM.

2 comentários :

HAHAHAHAHAHAAHAHAHHA , amei o final do bonus !

13 de setembro de 2012 21:42 comment-delete

Incrível!!!!! A história é perfeita e o bônus... DIVINOOOOOOO!!!!

Autora nota MILLL!!!!

Gabe*

Anônimo
7 de julho de 2014 23:52 comment-delete

Postar um comentário