O Pianista - Capitulo 33


Caminhei pelo refeitório ao lado de Alice, que falava animada enquanto falava do concerto. Sorri para ela, estava ansiosa, eu finalmente iria falar com meus pais.
Se estivesse viva depois, ai poderia fica com Edward, sem mais segredos.
Faltavam poucos dias para o concerto, uma semana mais ou menos, peguei meu lanche e Alice o seu e seguimos para a mesa.
Vi Jake me encarando, e evitei seu olhar ele estava estranho. Comi, e Jake continuava me olhando, suspirei e me levantei para ir ao banheiro.
Quando já estava saindo do banheiro vi Jake encostado nos armários de frente para o banheiro, ele sorriu e se aproximou de mim.
–Hei Jake, esqueceu o caminho do banheiro masculino? – debochei e ele riu, mais ficou serio de repente.
–Podemos falar Bells? – assenti e começamos a caminhar para a minha classe, devagar.
–Fale Jake.
–E sobre o Masen. – suspirei.
–Olha aqui Jake, Edward e eu nos amamos... – ele me cortou.
–Eu sei.
–O que?
–Bem eu falei com ele mais cedo. – ele falou envergonhado, e parei de andar.
–Como é?
–Bella, tente entender, ele é mais velho que você, e com certeza eu pensaria que ele só quer te levar pra cama e depois te deixar. – respirei fundo.
–Jacob, isso não é da sua conta. – ele suspirou e assentiu.
–Eu sei, mais você sabe que te adoro Bells, e sinto que tenho que cuidar de você. – sorri agradecendo.
–Jake isso é muito gentil, mais Edward realmente gosta de mim. – para minha surpresa ele assentiu.
–Eu sei. Ele me disse, ele também disse que esse segredo todo é culpa sua. Quando vai contar aos seus pais? – eu corei e olhei para meus pés.
–Jake não é simples assim. Minha mãe vai ter um treco, e meu pai provavelmente vai me expulsar de casa e matar Edward. – ele riu e jogou o braço envolta do meu ombro.
–Não é pra tanto Bella, seu pai nunca a expulsaria de casa. – falou sorrindo e rolei os olhos.
–Mais e se ele matar Edward?
–Já isso eu não posso afirmar nem negar. Só quando você dizer que vai saber. – eu bufei.
–Isso é que me preocupa.
–O que você espera?
–Quero fazer 18 anos.
–Por quê?
–Assim, se eles surtarem eu sou de maior e não tenho que me preocupar com Edward. – ele sorriu.
–Você gosta mesmo dele não é? – eu assenti.
–Jake ele disse que quer se casar comigo. – Jake parou de andar e me encarou serio.
–Verdade? – assenti e puxei o cordão que Edward me deu mostrando a aliança para Jake. Ele sorriu.
–Puxa Bells, isso é serio.
–Eu sei. E eu disse sim. Sabe amo muito Edward. – Jake suspirou e parou vi que estávamos em frente a minha sala.
–Bells sabe que eu te amo. Mais devia contar a Charlie, ele ficara triste sabendo que você escondeu dele.
–Eu vou contar, assim que acabar o concerto. Vou apresentar Edward como meu namorado.
–Ele sabe disso? – eu neguei com um sorriso.
–Será uma surpresa. – ele riu.
–Bem, espero que de tudo certo no final. – agradeci e o sinal tocou, corri para a minha aula dando um aceno a Jake.
Sentei ao lado de Alice que me perguntou o que Jake queria e contei tudo a ela.
–Sabe, ele finalmente esta agindo como seu irmão. – eu sorri.
–Já era hora. – ela riu e voltamos a prestar a atenção na aula.
Na saída eu sorri enquanto caminhava até meu carro, e meu namorado lindo estava encostado displicente nele. Me aproximei dele com um sorriso nos lábios.
–Olá gatinho. – ele riu e me puxou pela cintura.
–To mais para tigrão amor. – eu ri, e envolvi meus braços em seu pescoço.
–Acho que não gatinho. – ele me encarou serio e encostou sua boca no meu ouvido.
–Ah minha menina, eu vou te mostrar que de gatinho eu não tenho nada. – ele mordiscou o lóbulo da minha orelha e suspirei agarrando seus cabelos e puxando sua boca para minha.
Ele gemeu contra meus lábios e me apertou contra seu corpo e já o sentia excitado, ele lambeu meu lábio e mordicou meu lábio inferior. Nos separamos, e ele abriu a porta do carro para mim.
–Para onde vamos? – perguntei assim que ele sentou no banco do motorista.
–Hummm, eu ia te levar para tomar um sorvete. Mais agora eu tenho que te provar que eu não sou um gatinho. – mordi o lábio e toquei a coxa dele, e ele olhou para minha mão.
–Como vai fazer isso gatinho. – ele me olhou bravo, e arrancou com o carro.
–Ah sua provocadora. – ele rosnou enquanto dirigia, e eu ri, roçando meus dedos por sua perna, quase chegando aonde ele queria, mais descia meus dedos.
Edward parou o carro de repente e olhei em volta e vendo que estávamos em uma estrada abandonada.
–Aonde estamos? – ele nem me respondeu e já estava esmagando seus lábios nos meus, gemi agarrando seus cabelos, e senti ele retirando meu cinto e me puxando para seu colo.
–Edward? – ele beijava minha garganta e suas mãos apertavam minha cintura e minha bunda.
–Hummm?
–O que esta fazendo? – ele sorriu contra minha pele e começou a distribuir beijos pelo meu busto, agarrei seus cabelos e gemi enquanto me esfregava nele e senti sua dura ereção.
–Estou te mostrando que não sou nenhum gatinho. – gemi e voltei a me esfregar nele, sentindo ele rosnar contra meu seio, e ele retirou minha blusa e mordeu o bico ainda sobre o sutiã, me fazendo gemer alto.
Ele riu e passou as mãos por minhas coxas subindo e descendo, eu já me sentia quente e úmida, ele moveu suas mãos mais para cima, e levantou minha saia até minha calçinha ser visível e sorriu a afastando e me tocando com seus dedos.
–Sempre tão pronta pra mim, minha menina.
–Oh sim. – gemi passando minhas mãos por seu peito por dentro da camisa, desci minhas mãos até sua barriga e sua calça abrindo o zíper, e coloquei seu membro pra fora, acariciando a cabeça, Edward rosnou e esmagou seus lábios nos meus em um beijo urgente.
Continuei acariciando seu membro, dando leves apertões e ele gemeu contra minha boca, ainda movendo dois dedos dentro de mim, separei minha boca da dele, ofegante e enterrei meu rosto em seu pescoço.
Meu corpo tremendo por conta do prazer que os dedos de Edward causavam em mim, gemi sentindo meu corpo começar a tremer, mais parei quando ele retirou seus dedos e já ia reclamar, mais gritei ao sentir ele entrando em mim em uma única investida.
–Oh Deus. – gritei agarrando os ombros dele, e ele sorriu.
–Ainda sou gatinho amor? – eu neguei e gemi quando ele agarrou minha bunda me fazendo subir e descer sobre seu membro pulsante.
–Oh Deus não... com certeza não... – ele sorriu e voltou a beijar minha boca aumentando as investidas.
E mordi seus ombro sentindo meu orgasmo me alcançar, ele gemeu e começou a investir mais rápido, me fazendo quicar sobre, enquanto meu centro apertava com força seu membro pulsante.
Nossos orgasmos vieram juntos e gememos juntos, enquanto sentia meu corpo cair mole sobre o dele. Senti seu sorriso sob minha pele, e rolei os olhos me levantando.
–Já provou seu ponto podemos ir agora? – ele sorriu mais e roçou seus lábios nos meus em uma caricia.
–Claro amor. – ele saiu de dentro de mim, e me vesti, enquanto ele se ajeitava e colocou o carro em movimento.
Depois de poucos minutos estávamos em frente a nossa casa, ele me ajudou a sair e segurou minha mão enquanto me puxava para dentro.
–Com fome? – ele me perguntou enquanto me abraça por trás e roçou seus lábios em meu pescoço, assenti, e ele me levou até a cozinha e beijou meu pescoço e se afastou para ver o que tinha para comer.
–Então o que você fez enquanto eu estava na escola. – ele parou de vasculhar a geladeira e me deu um sorriso animado.
–Fui ver o teatro onde me apresentarei.
–Oh, e como é?
–Lindo, esta tudo perfeito. – ele parecia muito animado e sorri indo até ele e o envolvendo pelo pescoço.
–Não vejo a hora de ver você tocar.
–Amor, eu sempre toco pra você. – eu ri.
–Sim, mais é diferente de te ver tocando em um concerto, estou ansiosa. – ele riu e me agarrou pela cintura me levando até a sala. E sentou no sofá me colo.
–Bella, quando pretende contar para seus pais?
–Logo Edward. – sorri internamente, eu iria apresenta-lo, assim que ele terminasse o concerto como meu namorado.
Edward pareceu chateado com minha resposta e suspirei apertei seus ombros e rocei meus lábios em seu queixo, subindo para sua garganta e subi para seu ouvido, mordicando o lóbulo e sugando.
–O que esta fazendo minha menina? – eu ri e rocei minha intimidade nele que já estava pronto.
–Sabe o que eu estava pensando? – continue dando beijos de boca aberta em seu pescoço, e senti suas mãos na minha bunda.
–O que amor?
–Você podia tocar para mim agora. – ele abriu os olhos que estavam fechados e me encarou arqueando uma sobrancelha, e eu sorri.
–No piano amor?
–Aonde você quiser tigrão. – ele sorriu torto e levantou com minhas pernas agarradas em seu quadril.
–Com certeza vai ser no piano. – eu ri enquanto ele me levava pra sala do piano e me sentava nas teclas e beijou minha boca com urgência e arrancou minha blusa e o meu sutiã e atacou meus seios, mordendo e lambendo, arquei meu corpo sentindo todo o meu corpo tremer de prazer.
As mãos dele agarravam minha cintura, e levantou minha saia, puxando minha calcinha para o lado e metendo dois dedos em mim. Gritei alto, e rebolei sem seus dedos.
–Oh... Edward... – ele sorriu safado e voltou a beijar meus seios, enquanto me fazia estremecer com seus dedos em mim, agarrei seus ombros, e comecei a passar minhas mãos pelo seu corpo. Senti meu corpo todo tremer quando meu ápice me atingiu e joguei minha cabeça para trás em um grito mudo.
Quando me recuperei um pouco olhei para Edward que sorria lambendo os dedos e gemi, e olhei para seu corpo.
–Oh Edward, você esta muito vestido. – ele sorriu torto.
–Vem tirar minha roupa vem. – eu ri e retirei sua camisa acariciando seus músculos e beijei seu peito, descendo minha boca para sua barriga, sua ereção era visível presa na calça e sorri e beijei sua ereção sob a calça vendo ele estremecer.
–Amor, vai logo. – eu ri e abri seu zíper puxando a calça para baixo junto com a cueca e seu membro duro e melado pulou para fora.
Não resisti e suguei a cabeçinha, fazendo ele gemer, adorava quando Edward gemia era tão sexy, sorri e o levei inteiro na boca, ele praticamente rosnou e me puxou para cima esmagando seus lábios nos meus e me sentou no piano e me penetrou em uma única investida.
–Edward... – gritei contra sua boca, e ele sorriu e começou a passar as mãos pelo meu corpo, enquanto investia em mim, forte e rápido.
–Oh Edward... – gritei o abraçando apertado, ele gemeu meu nome, me fazendo sentir todo meu corpo estremecer.
–Isso rebola Bella... – gemíamos juntos, meus seios apertados contra seu peito, nossos corpos tremendo, meu centro apertou com força o membro de Edward e meu corpo inteiro se contraia quando eu explodi seguida por Edward.
Deitei minha cabeça em seu ombro e senti ele me levantando. O abracei e vi ele subindo a escada.
–Banho? – perguntei levantando o rosto e ele sorriu e beijou minha bochecha.
–Banho. – falou já me levando para o banheiro. E sorri voltando a deitar a cabeça em seu ombro. Esse homem não tinha jeito, mais eu adorava isso nele.
O resto da semana passou bem rápido, e já era o dia do concerto. Minha mãe havia comprado um lindo vestido negro pra mim colado ao corpo.
Disse que eu já tinha idade para usar esse tipo de roupa, eu sorri ao ver minha imagem no espelho do meu quarto, eu realmente estava bonita.
Meus cabelos estavam lisos e com cachos nas pontas, meu vestido era agarrado ao corpo, com um decote em v e ia era longo, estava usando uma maquiagem leve. Sorri já imaginando quando Edward me visse.
–Bells já esta pronta? – ouvi meu pai gritando e sorri.
–Já vou pai.
Desci as escadas e pisquei quando um flash pipocou bem no meu rosto quase rolei a escada. Pisquei até meus olhos se acostumarem e vi minha mãe com uma maquina, e meu pai me olhado.
–Esta linda Bells. – sorri para ele e desci o resto da escada e minha mãe tirou outra foto me segando.
–Mãe! – ela riu.
–Desculpa filhinha, mais já é uma mulher ai que orgulho. – eu e meu pai me abraçou.
–Parabéns filha, você se tornou uma mulher linda. – sorri e abracei meu pai.
–Obrigada pai. – ele se afastou e me olhou sorrindo.
–Então minhas meninas estão prontas. – eu e minha mãe assentimos.
Sim eu estava pronta, e de braços dados com meu pai eu sai para o tão esperado concerto.
Só espero estar viva quando acabar.

0 comentários :

Postar um comentário