Meu adorável vagabundo - Capitulo 4.


|Capitulo Quatro|

- OMG você é mulher dele. – ela afirmou em desespero, mais a mulher se apressou a negar.

- Não, não irmã.

- Irmã?

- Sim, Edward é meu irmão. Então você poderia me dizer aonde ele mora? – Bella mordeu o lábio não sabendo o que dizer.

Podia dizer que ele morava com ela, mais isso não é totalmente verdade, sendo que só se reencontraram ontem. Decidiu dizer a única coisa que sabia dele.

- Nas ruas.

- Como?


- É onde ele mora. Bem não sei se na rua literalmente. Mais eu o conheci como um vagabundo de rua. Todo desleixado.

- Mais ele estava bem arrumado? – ela perguntou desconfiada, e Bella suspirou.

- Eu dei aquelas roupas para ele.

- Oh... – antes que elas falassem mais Angela apareceu no corredor, e sorriu para ambas.

- Já se conheceram?

- Quem Angela?

- A sócia que você veio encontrar, Alice Cullen.

- Você é uma das sócias da C&C?

- Sim, e você.

- Ela é Isabella Swan. – falou Angela e Alice sorriu.

- Oh, desculpe meu comportamento, é que Edward esta desaparecido a 3 anos.

- Oh eu sinto, quer dizer... – ela não sabia o que pensar.

- Não se preocupe. Podemos deixar a reunião para outra hora, preciso fazer algumas ligações.

- Claro, ligaremos outro dia para remarcar.

- Obrigada.

Assim que ela sumiu pelo elevador, Angela olhou Bella confusa.

- O que houve?

- Parece que meu vagabundo, não é um simples vagabundo de rua.

- O que?

- Esqueça Angela. Vou voltar para casa. Se alguém ligar transfira para meu celular.

Bella pegou o carro e dirigiu até sua casa. Mil perguntas invadindo sua mente. Quem era Edward Cullen? E por que ele estava dado como desaparecido.

Até agora nunca tinha questionado nada sobre a vida dele. E ele também nunca quis revelar seus problemas para ela. Não se importava na verdade. Mais talvez o perdesse de novo.

E não sabia se agüentaria ficar mais um mês sem vê-lo, ou talvez mais. Estacionou em frente a casa e se assustou quando a porta dela abriu e ele a puxou para um abraço.

- Edward. – ele enterrou o rosto nos cabelos dela. – Achei que tinha te perdido. – ela falou chorosa o apertando de encontro ao peito.

- Eu tentei, juro que tentei. Mais não pude ir, não de novo.

- Você iria partir? – ele levantou o rosto e ela viu a dor nos olhos dele.

- Eu pretendia, mais eu não quero mais fugir.

- Não fuja, fique comigo.

- Eu não sou quem pensa Bella.

- Eu não me importo com quem seja. Só quero que fique comigo.

- Eu te amo. – ele sussurrou e ela sorriu o beijando.

- Também te amo. – murmurou contra os lábios dele e se abraçaram apertado.

Ele a pegou no colo e a levou para dentro ainda a beijando, e subiu direto para o quarto dela. Quarto deles, onde se tornavam um só, onde percebera na primeira vez em que se amaram, como estava amando Bella.

Ele a deitou na cama e deitou sobre ela a beijando, as mãos deslizando sobre o corpo, sentindo a pele quente que se arrepiava a cada toque seu.

- Eu te amo Bella. – ele murmurou abaixando o rosto e a beijando com ardor, ela correspondeu sentindo as mãos dele se livrarem de suas roupas e fez o mesmo com as dele.

Ele se levantou ficando sentado e a puxou de encontro ao peito, as pernas dela entrelaçadas em seu quadril.

- Nunca mais me deixe Edward. – ela pediu entre beijos, enquanto sentia o sexo dele roçando suas dobras e ele agarrou seu quadril começando a encaixa-la nele.

- Não poderia.

- Oh Edward. – ela gemeu quando sentiu ele todo dentro dela, ele apertou a cintura dela, enquanto a fazia subir e descer por seu cumprimento.

- Isso Bella, fique comigo. – ela gemeu.

- Sempre, e sempre. – sussurrou a cada investida dele, os braços agarrados contra seu pescoço, enquanto se moviam juntos.

Sentindo seus corpos vibrarem de prazer conforme alcançavam o pico do prazer. Ele a deitou na cama ficando por cima dela e afagou seu rosto corado.

- Eu pensei que nunca mais teria isso. – ela abriu os olhos e viu que ele sofria.

- O que houve amor? – passou os dedos por sua testa e ele se deitou ao lado dela.

- Você deve estar curiosa pra saber sobre mim. – falou olhando o teto, e ela se virou para ele.

- Conte só o que quiser. – falou, mesmo estando morrendo de curiosidade. Ele sorriu e a puxou para seu peito a abraçando apertado de encontro ao seu peito. Eles ficaram assim alguns minutos.

- Meu nome é Edward Anthony Cullen, - ele começou e ela levantou o rosto para olha-lo, ele deu um meio sorriso e continuou falando. – Morei em Chicago a minha vida toda, e foi lá que conheci Tania. – ele a sentiu ficar rígida e a olhou.

- Ela é sua esposa? – ele passou a ponta dos dedos pela bochecha rosada.

- Ela foi. Bem continuando. Tania era linda, e nos apaixonamos e casamos. Mais vivíamos brigando, ela era extremamente ciumenta, e eu não tinha ciúmes dela o que a deixava mais irritada. Para firmar nosso casamento resolvemos ter um filho.

- E foi nossa maior alegria. Nossa pequena Kate, tão linda, tão inocente... – ele sentiu a dor da perda, mais um calor bom envolveu seu rosto e sorriu ao ver a mão dela em seu rosto.

- Sua Kate deve ser linda. – ele sorriu mais só havia dor em seus olhos.

- Ela era. – ficaram alguns minutos em silencio, e ele continuou. – Mais nem a chegada de Kate mudou as coisas. Tania parece que ficou pior com a gravidez, dizendo que por estar gorda eu a traia. E mesmo depois de Kate nascer, ela só piorou. Sempre me acusando, nunca feliz. – Bella percebeu que lagrimas escorriam pelo rosto dele e o abraçou, ele envolvei os braços na cintura dela e chorou, quando se sentiu mais calmo continuou falando.

- Um dia ela foi até meu trabalho e minha secretaria estava sentada na beirada da minha mesa, enquanto eu ditava uma carta. Tania ficou enfurecida e gritava com a pobre moça, que nem entedia o que minha esposa tinha. Já que Jéssica era casada.

- Mais Tania não ligava, achava que ela estava ficando louca. A peguei pelo braço e a levei até seu carro. Qual meu choque ao ver Kate no banco de trás chorando. Peguei Tania e a joguei dentro do carro e parti para casa.

- Durante o caminho ela gritava e me xingava e Kate chorava cada vez mais. Quis parar o carro para vê-la, mais Tania estava fora de si, e tentou segurar o volante, e... – ele voltou a chorar e Bella já com lagrimas nos olhos o abraçou.

- Onde esta Kate?

- Enterrada ao lado de Tania em Chicago.

- Oh Deus. – falou Bella com a mão na boca. – Oh meu amor. – ela o abraçou apertado e o deixou chorar.

- Foi por minha culpa. – ele sussurrou e ela o abraçou apertado.

- Não diga isso. A culpa não é sua. – ele a abraçou enterrando o rosto em seu peito e a deixou afagar seus cabelos.

Ficaram abraçados o resto da noite, Bella afagou os cabelos dele, até ele adormecer e beijou sua testa. E ficou pensando em tudo que ele disse. Tudo pelo que ele passou.

Mais ele não iria sofrer mais, ela faria tudo por ele. Se ele deixasse ela nunca mais se afastaria dele.

Edward abriu os olhos e sorriu ao vê-la aconchegada contra seu peito. Fazia tempo que não pensava no que tinha acontecido.

Desde a morte de seu bebê, ele simplesmente partira deixando tudo para trás. Como viver se sua família o havia deixado. Era covarde demais para tirar a própria vida.

Então optou por deixar aquela vida para trás. Sua dor, sua culpa eram demais para ele. E ver seus familiares a sua volta o tratando como se ele fosse a vitima, e não o grande culpado pela morte da sua menininha.

Pegar algum dinheiro e sumir no primeiro trem fora tão fácil. E assim que se viu nas ruas, não se preocupou com mais nada, só em sobreviver.

Sentiu ela se mover e sorriu ao vê-la o abraçando apertado. Sua vida amarga ia tão bem, até vê-la sendo agarrada pelo nojento do Black. E o modo como simplesmente de olha-la ele já se sentia atraído por ela o deixava doido.

Nem por Tania ele sentira esse amor tão forte. Só era comparado ao que ele sentia por sua menininha. Amor de verdade.

Beijou os cabelos com cheiro de morango, e a ouviu a suspirar. Colocou uma mexa atrás da orelha e sorriu, observando a beleza dela.

Deu mais um beijo em sua testa e conseguiu sair da cama sem acordá-la. Vestiu-se apressadamente, e com uma decisão tomada rumou para a rua.

Bella abriu os olhos e tateou a cama a procura de Edward. Mais ele não estava. Voltou a fechar os olhos, o medo de perdê-lo ainda presente nela.

Se levantou o procurando pelo quarto e suas roupas não estavam mais no chão, lagrimas escorriam por seu rosto, e foi até o banheiro.

Tomou um banho demorado e saiu vestida no roupão branco, deitou na cama, e decidiu ficar prostrada o resto do dia. Ainda não acreditava em tudo que ele havia contado.

Imaginava a dor dele, ao ver sua filha morta. Mais não sabia se ele a deixaria curar suas feridas.

Mesmo ela querendo mais que tudo curar seu coração, só o podia fazer se ele deixasse.

Fechou os olhos, tentando dormir novamente, ele havia dito que não podia mais fugir dela, ele disse que a amava. Então talvez ele fosse voltar. Ela só tinha que esperar. Estava quase adormecendo quando o telefone tocou e o pegou rápido.

- Alô.

- Bella?

- Angela. Ouve algo?

- Bem. Sim, lembra da empresa C&C?

- Sim?

- Bem. Eles voltaram, querem fazer negocio. – Bella suspirou.

-Agora?

- Sim. Eles disseram que teria que ser hoje. – Bella se levantou.

- Esta bem. Diga que estarei ai em meia hora. – desligou se despedindo de Angela e vestiu uma roupa simples, uma calça social e uma camisa azul, colocou um terninho e os sapatos alto e prendeu os cabelos em um rabo de cavalo.
Desceu as escadas e encontrou Amy organizando a sala.

- Bom dia Bella.

- Bom dia Amy. Você viu Edward? – ela negou e Bella suspirou. Amy tenho que ir a empresa, mais não demoro. Se Edward aparecer me ligue imediatamente.

- Sim.

- Não importa que eu esteja em reunião.
- Tudo Bem. – Bella agradeceu e foi para fora e pegou seu carro.

Chegou a empresa e entrou rapidamente. Espera resolver o assunto rapidamente, antes que Edward voltasse, isso se ele voltasse. Saiu do elevador e viu Angela, parada em frente sua sala.

- Bom dia Bella. Desculpe te incomodar, mais eles disseram
que tinha que ser hoje.

-Tudo bem Angela. Vamos resolver isso logo.

- Eles estão na sala de reunião. – ela assentiu pegando alguns documentos que Angela entregava para ela, e caminhou até a sala, com Angela em se encalço.

- Bom dia. – Bella falou já se dirigindo a cadeira na ponta da mesa e não reparou na mulher e no homem que a olhavam com atenção.

- Bom dia. – ambos falaram e Bella parou olhando pela primeira vez para as pessoas que permaneciam sentada.

- Edward? – ele estava lindo com um terno preto, os cabelos bagunçados estavam arrumados com gel, e ele sorria.

- Olá Srta. Swan. – ela viu ele se levantar e caminhar até ela.

- O que esta fazendo? – ela sussurrou e viu ele sorrir mais.

- Estamos aqui para fazer negocio com sua empresa. – ela olhou confusa, para a outra pessoa e viu a moça de cabelos curtos. Alice a irmã dele, e ela sorria.

- Edward... – ela estava confusa e ele sorriu segurando seu rosto entre as mãos.

- Sabe se eu não fosse um idiota, e abandonado minha família, seria assim que nos conheceríamos. Eu teria te visto e seria amor a primeira vista. Eu te convidaria para sair, eu te amaria, e eu me casaria com você. – ela sorriu sentindo lagrimas escorrer por suas bochechas e os polegares dele as secavam.

- Edward... – falou rouca e ele escovou os lábios nos dela.

- Eu não aceitaria não como resposta. Eu iria te convencer de que sou o homem da sua vida. Por que você é a mulher da minha. – ela o abraçou apertado e o beijou.

- Você não precisa me convencer de nada. – falou chorosa e ele a abraçou apertada e a beijou com paixão. Ouviram a porta batendo e Alice não estava mais na sala.

Ele sorriu contra a boca dela e a colocou sentada na mesa, ela agarrou seus ombros o beijando e as mãos dele já corriam por seu corpo.

Ela separou os lábios em busca de ar, e a boca dele correu até sua garganta, lambendo sua pele. Ela gemeu e entrelaçou as pernas no quadril dele.

Ele gemeu quando ela roçou em sua dura ereção e começou a abrir a camisa dela, querendo tocar sua pele. Retirou o casaco dela, e a camisa sorrindo ao ver o sutiã a mostra e se apressou a tirar.

Ela ofegou quando a boca dele, tocou seus seios, lambendo e chupando. As mãos tentando afastar as roupas dele. Ele se afastou um pouco e tirou a camisa e abaixou as calças, ela suspirou ao vê-lo pronto e o puxou com as pernas.

Ele riu e a beijou com urgência, sentindo as unhas dela arranhar suas costas. Ele passeou as mãos pelas costas nuas, descendo até a calça e abriu o zíper.

- Esta pronta pra mim amor?

- Hummm... – ela gemeu e ele sorriu lambendo seu pescoço, e sugando sua pele. As mãos dele moveram para dentro da sua calça, afastando a calçinha e deslizou um dedo para dentro dela.

- Tão molhada amor.

- Oh... Edward...

- Você me quer Bella?

- Sim. – gemeu movendo seus quadris de encontro aos dedos dele, que deslizavam por suas dobras.

- O que me daria em troca. – ela olhou para ele confusa e ele parou de mover os dedos.

- O que quiser. – disse ofegante e ele retirou os dedos lambendo e levantou seu quadril descendo as calças dela, e posicionou seu membro na entrada quente e úmida.

- Qualquer coisa? – ele deslizou um pouco para dentro dela, e ambos gemeram.

- Qualquer coisa. – ela repetiu e o viu sorrir, e entrar mais nela.

- Casa comigo. – ela arregalou os olhos.

- O que?

- Me faça esquecer do meu passado. Deixe-me criar um novo futuro, uma família ao seu lado. – falou deslizando mais para dentro dela, e ela sorriu e apertou as pernas no quadril dele o puxando de uma vez de encontro a ela.

Ele afundou em seu calor e gemeu alto. Ela riu e o beijou com ardor, devorando a boca, enquanto ele começava a se mover dentro dela.

Entrando e saindo. Sentindo o calor dela envolver seu pau. Fazendo seu corpo todo reagir a ela.

- Eu te amo. – ela sussurrou contra os lábios dele e ele sorriu.

- Também te amo. E já não posso mais viver sem você.

- Então não viva. Pois sou sua. Agora e sempre.
Ele sorriu ainda se movendo dentro dela, sentindo o calor dela a sua volta, os braços dela ao seu redor, enquanto se tornavam um.

- Então casara comigo? – perguntou com um sorriso e ela sorriu mais.

- Sim meu vagabundo. – ele riu a beijando e sentindo seu corpo estremecer e o seu ápice explodir logo sendo acompanhada por ele.

Ficaram abraçados em silencio, sentindo seus corpos tremerem, e as respirações ofegantes. Sabendo que se amavam, e nada poderiam separa-los, pois eram um.

Metades de um todo que finalmente se encontraram, mesmo em uma situação onde parecia não haver amor, eles descobriram que amar era possivel.

Bella sorriu enquanto seu adorável vagabundo, se tornava seu príncipe encantado.

Fim!!

0 comentários :

Postar um comentário