Kiss Me - Capitulo 15

Eu o vi saindo e queria ir atrás dele, correndo, segurá-lo pelo braço e implorar para que ele me desculpasse. Quando eu me levantei, Tom segurou minha mão e balançou a cabeça, me reprovando.

- Melhor não, Kris.
- Mas...

Ashley interferiu, tirando a mão dele de cima da minha e sorriu para mim.

- Se eu bem conheço Robert, ele ainda está lá fora chutando o chão enquanto espera por um táxi. - Obrigada! 


Eu corri de lá e saí voada pela porta do bar, encontrando ele do jeito que ela tinha descrito. Rob estava de cabeça baixa na beira da calçada, colocando sua touca e enfiando as mãos no bolso. Ele fez sinal para um táxi que estava passando.

- Rob!

Minha voz quase não saiu, mas foi o suficiente para que ele me olhasse. O táxi parou e eu me aproximei, enquanto ele abria a porta do carro.

- Estou indo embora, Kristen.
- Rob, por favor...

Eu cheguei perto o bastante para tocar no seu braço. Ele apenas virou o rosto para me olhar. Sua boca abriu e eu esperei que ele falasse, mas ela se fechou de novo.

- Rob? - Vai entrar ou não?

O motorista perguntou e eu quase fiz sinal feio para ele. Robert voltou a abrir a boca.

- Eu combinei com Tom que iria te procurar. Hoje não foi o dia que combinamos.

Ele entrou no carro e fechou a porta.


Música (Ne-Yo - Do You):http://www.youtube.com/watch?v=y_59ttb5tug


Quando entrei no bar e vi Kiki, já sabia que tinha sido tudo armado. Fiquei com raiva de Ashley por ter me colocado nessa, mas depois passaria. Eu vi seus olhos parados em mim, lá no banco onde ela estava sentada, ao lado de Tom. Droga! Eu era fraco perto dela!

- Oi Tom, oi Kristen.

A última palavra saiu trazendo um nó na garganta. Achei que ela fosse querer puxar assunto ou me pedir desculpas mais uma vez na frente de todo mundo. Mas ao invés disso, ela baixou o olhar e falou com a voz travada. Eu podia imaginar que ela estivesse prestes a chorar.

- Eu acho que já vou mesmo.
- Não por mim, Kristen.

Não era a minha intenção fazê-la sofrer. Eu estava magoado, lógico, mas eu a amava. Só queria que ela me desse espaço para as coisas voltarem ao lugar. Era tudo o que eu pedia. Vê-la triste, só me fazia mal. Sentei do seu lado e pensei em puxar algum assunto, para tirá-la daquela situação. Mas então ela começou a querer a se explicar e suas palavras começaram a trazer a minha angústia à tona.

Ela teve a capacidade de me perguntar se eu ainda a amava! Como ela me perguntava isso? Como ela podia ter alguma dúvida? Não tinha sido eu quem tinha mentido na relação! Ela achava que eu era algum tipo de robô que possuía um botão de liga/desliga?

- O que eu sinto por você não mudou, ok?

Tentei não demonstrar meus sentimentos e me despedi de todo mundo. Saí do bar sentindo o vento frio da cidade bater no meu rosto e vesti a touca. Só queria ir logo embora dali e poder me afogar num copo de whisky, para depois dormir que nem um desgraçado e esquecer dos problemas.

- Rob!

Ela nem precisava ter me chamado. Eu teria sentido o cheiro do seu perfume segundos depois. Ok, nem uma fossa eu posso curtir, né? Tinha aberto já a porta do táxi, quando ela tocou em mim. Eu a olhei e senti aquela súbita vontade de abraçá-la, beijá-la e fingir que nada aconteceu. Mas eu não fui capaz de fazer isso.

- Vai entrar ou não?

Respirei fundo, para me controlar e não espancar o inconveniente do motorista. Ela precisava ao menos de uma resposta minha, eu não iria embora deixando-a no vácuo. Pensei na melhor coisa que podia dizer no momento.

- Eu combinei com Tom que iria te procurar. Hoje não foi o dia que combinamos.

Entrei no carro e não a olhei, pois não queria ver seu rosto triste. Eu era um covarde.

Estava chegando no meu apartamento quando o celular tocou. Era Megan. Suspirei, contrariado e deixei que tocasse até cair a ligação. Tuod o que eu estava passando com Kiki, era por causa dela. O celular tocou de novo. E de novo.

- Fala, Megan!
- Rob? Onde você está?
- Chegando em casa.
- Não quer vir aqui?
- Não.
- É que preciso conversar com alguém... E pensei em aproveitar e passar o texto também.

Abri a minha porta e joguei a chave em cima da cômoda. Precisava tomar coragem de limpar aquela bagunça.

- Robert?

Ah, ela ainda estava na linha... Esqueci.

- Já saí hoje, Megan. Vou ficar em casa.
- Poxa... estou mal, ok? Precisava de companhia...- Contrata um acompanhante.
- Você está um saco desde que teve essa briguinha com a Kristen, sabia?- Hum. Obrigado pela opinião. Boa noite, Megan.

Encerrei a ligação na cara dela e desliguei o telefone. Sem interrupções por hoje. Só queria me afogar no copo de whisky.

Não tenho certeza se aquele era... hum... o 5º ou 8º copo. Perdi a conta. Ou os copos eram algum tipo de objeto alienígena que se multiplicavam. Algo assim. Parei antes de esvaziar a garrafa toda e fui deitar, mas o celular ficava me encarando. Talvez não me faça mal, ovir um pouco a voz dela, né? Disquei.

- Sim?

Estranho. Foi um homem que atendeu e não era o Tom. Engrossei a voz.

- Posso falar com a Kristen?
- Não tem ninguém aqui com esse nome.

Ah ótimo. Efeito da bebida, nada demais. Desliguei e disquei de novo, bem devagar.

- Rob?

Agora sim! Ia responder, mas preferi apenas ficar escutando a sua voz.

- Rob, você sabe que eu estou vendo seu número, né?- Sei.


OMG. Era ele mesmo! A voz rouca nos meus ouvidos me fizeram tremer. Mas por que ele estava me ligando exatamente? Arrisquei.

- Tudo bem? - Tudo. - Rob... o que foi? Achei que não quisesse falar comigo. - Estou bêbado.

Por essa eu não esperava mesmo.

- Entendi. Só me ligou por estar bêbado o suficiente para esquecer que me odeia. - Não te odeio, Kiki... 

Ele não me odiava. Bem, isso eram palavras de um bêbado, né? Até onde era verdade, eu não iria saber.

- Ok.
- Sua voz é linda! Melhor do que a do outro cara...
- Que outro cara?
- O do outro número.
- Hã?
- Nada não.

Mesmo ele sem ter noção do que fazia ou falava, eu me sentia melhor por estar ao telefone com ele. Como se nada tivesse acontecido. Escutei um barulho de algo caindo, um som abafado.

- Rob?
- Oi! Ai!
- O que foi isso? Está tudo bem?
- Eu caí.
- Caiu? Como assim? De onde?

Sério, quem diminuiu a cama? Eu tinha certeza de que ela era mais espaçosa!

- Caí da cama.
- OMG! Se machucou?
- Não. Acho que não.

Amanhã é que nós vamos saber a verdade... Espero que Edward não tenha nenhuma cena nu no filme... Minha bunda ficaria roxa.

- Rob... eu te amo...
- Ah! Obrigado!
OMG. Engoli seco com aquela resposta dele. Abstrai Kristen, abstrai... Ele está bêbado. Mas bem, muita gente sempre diz que bêbado costuma ser sincero, né? Pronto, eu não ia conseguir parar de pensar nisso.

- Rob, eu vou dormir...
- Também vou!
- Ok, boa noite.
- Ok. Beijo!

Ia responder, mas ele desligou antes disso.
Maldita ressaca! Acordei com a cabeça estourando e quase tive um AVC quando o sol bateu nos meus olhos. Levantei tentando abrir direito os olhos e peguei a garrafa de whisky quase vazia. Ok, da próxima vez, vamos comprar uma marca decente. O barato sempre acaba saindo caro. Tomei um banho bem quente e me vesti rápido para ir ao local das gravações. Merda! Estava atrasado! Chris já estava me ligando, quando eu ainda estava na metade do caminho.

- Posso saber onde você está?
- Chegando.
- Chegando aqui, ou chegando numa rua próxima daqui?
Mas como ele conseguiu me conhecer tão rápido? Eu sorri.

- Chegando numa rua. Se é perto daí eu não sei.
- Robert, é sério! Traga sua bunda até aqui agora!- Só ela? Porque eu devo avisá-lo, que ela não sabe interpretar muito bem...

Ouvi o barulho de ligação encerrada. Ele era tão educado! Wow, realmente a rua não era próxima de onde eu já deveria estar. Era bem distante. Mas bem... eles esperam! Quando cheguei lá vi Ashley e Tom juntos, conversando. Eles estavam se pegando, namorando ou o que?

- Tom.
- Robert.
- Nossa, Rob, você está péssimo!
- Eu? Por que?

Ashley franziu a testa e me olhou entortando a boca.

- Está com cara de ressaca!
- Bem... eu estou de ressaca. Deve ser por isso...

Ashley foi chamada para fazer maquiagem e eu fiquei ali sozinho com Tom, que me olhava dos pés à cabeça.

- Posso saber o que você e Kristen conversaram ontem? Lá fora do bar?
- Não...
- Rob, ela não voltou lá para dentro muito feliz.

Eu tinha bebido mas lembrava perfeitamente do que tinha acontecido na noite anterior. Bem... Eu acho que lembrava, né? Talvez não das coisas comprometedoras, mas...

- Robert!

Meus pensamentos foram interrompidos por Chris, meu karma terrestre. Ele vinha lá de baixo com uma cara de quem tinha levado algum toco. Ou não. Vai ver essa era a cara normal dele mesmo. Nunca reparei.

- E aí, Chris?
- Você se acha engraçado ou está fazendo curso?

Sério, o que aconteceu com o humor dessas pessoas hoje? Todo mundo resolveu acordar azedo? Sorri para ele, ignorando sua chatice.

- Não estou fazendo curso não. Mas ei! Ainda bem que Twilight não é comédia, né?

Ele suspirou e me entregou um roteiro.

- Esteja na maquiagem em... - ele olhou o relógio. - Dez minutos atrás.
- Nossa! Estou pontual hoje, não?

Chris fechou a cara e foi embora, falando no seu rádio comunicador super possante de última geração.

- Acho que ainda estou sob efeito do álcool.

Falei sorrindo para Tom, que franziu a testa. Ok, mentira. Foi só para descontrair mesmo. Fui para meu trailer e me olhei no espelho. O que deu em mim? Eu sabia que não estava bêbado, lógico, mas me sentia mais leve agindo dessa maneira. Era como se eu pudesse esquecer dos meus problemas, mascarando-os com as piadas.

- Rob?

Ouvi a voz de Megan, que bateu na porta do trailer. Ela era um dos motivos para eu estar assim e sinceramente, só em pensar nisso, eu sentia vontade de tipo... socar a cara dela. Certo, eu sei que ela não tem culpa do ciúme meio que doentio de Kristen, mas mesmo assim.

- Oi.

Abri a porta e a encarei. Ela já estava caracterizada como Bella Swan. Lentes de contato castanhas, pele branca, cabelos um pouco armados, tirando o aspecto "alisamento" dela e roupas estranhas de Bella Swan.

- O que você tem, Rob? Chris me mandou vir aqui dar um jeito em você...
- Eu não tenho nada.
- Você sabe que está atrasando todo mundo, né?

Sorri e saí do trailer, fechando a porta atrás de mim.

- Estou indo para a maquiagem. Diga a Chris para não chorar... Eu já irei lá dar um abraço nele.

Maquiado e penteado a tempo, estávamos eu e Megan agora em cena, esperando o pessoal atrás das câmeras se decidirem a respeito da iluminação.

- Você foi um grosso ontem comigo.
- Sério que nós vamos conversar agora?

Ela me olhou com raiva e virou a cara.

- Inacreditável, Rob!
- Inacreditável por que?
- Porque você está me tratando mal, provavelmente por causa da sua namoradinha.

Cara, não irrite um homem que já está irritado. Coisas boas podem acabar não acontecendo. Me aproximei dela e sussurrei no seu ouvido.

- A minha namoradinha, tem nome. E não lembro de ter avisado que daria satisfações da minha vida para você.
- Percebe só como está me tratando?
- Certo, gente! Vamos rodar!

Fomos interrompidos para começar a gravar a cena. Felizmente era uma cena no quarto de Bella, logo depois do incidente no aniversário dela, na casa dos Cullens. Nós não precisávamos conversar muito ali.

- Corta!

Outra pausa para ajeitar o próximo ângulo da iluminação. Mais Megan no meu ouvido.

- Você mudou muito comigo depois que começou a namorar a Kristen!
- Deve ser porque ela é minha namorada. Não você.
- Mas eu te conheci antes, ok? Nós estávamos sempre juntos.
- Na verdade, ela me conheceu bem antes de eu sonhar que você existia, Megan.

Ela travou o maxilar e abriu a boca para responder.

- Vamos lá, pessoal?

Nunca gostei tanto de ser interrompido para gravar.

Felizmente consegui acabar minhas cenas o mais cedo possível. Pude voltar para meu apartamento e no caminho, fui lembrando de toda a conversa que tive no telefone com Kiki. Me senti mal por algumas coisas que falei para ela. Por mais que estivesse magoado, não tinha o direito de me vingar ou algo do tipo. Dei alguns autógrafos na porta do prédio e subi, indo direto tomar um banho. Depois que terminei e troquei de roupa, sentei no sofá e fiquei olhando a garrafa de whisky assassina.

- Eu deveria te processar!

E lá estava eu falando com uma maldita garrafa. Um objeto! Peguei meu celular e disquei o número dela. Tocou até cair a ligação. Liguei de novo. A mesma coisa. Isso era estranho... Dei alguns minutos e tentei mais uma vez. Já estava quase desligando, quando ouvi sua voz.

Oi.

Fiquei calado, sem saber exatamente o que dizer.

- Rob?
- Oi Kiki.
Oi...
Havia tristeza em sua voz. Era visível.

- Achei que não quisesse me atender.
Bem... eu pensei nisso...
Ela pensou? Ok, por essa eu não esperava.

- Você está bêbado de novo?- Não. É por isso que estou ligando. Para me desculpar por ontem.

Ela ficou em silêncio. Eu não sabia se devia continuar falando ou perguntar se ela ainda estava ouvindo. Então ela falou.

- Ok. Está tudo bem.
- Estava pensando em antecipar nossa conversa. Para hoje.

Talvez ela dissesse que eu era um bêbado inveterado e não queria mais me ver. Talvez ela me mandasse caçar mosquito na esquina. Ou talvez ela dissesse que sim. Pena que ela não fez nada disso. Mais uma vez, o telefone ficou mudo.

- Kiki?
Oi.- Você ouviu o que eu disse?
- Aham.- Olha, se você quiser deixar para o dia marcado antes, tudo bem. Eu só achei que...
- Não. Está bom assim. Digo, hoje. Pode ser hoje.
Sua voz estava falhando conforme ela falava.

- Você está chorando?
- Não.
Ok. Podemos nos encontrar no mesmo lugar de ontem. Às 20h, está bom?
Está.

Enxuguei as lágrimas e parei de chorar para ele não perceber que menti.

- Nos vemos mais tarde então.
- Ok.

OMG! Até que enfim eu ia encontrá-lo! Acho que as rezas e simpatias funcionaram... Ou eu morreria esperando pelo final de semana maldito.
Enquanto me arrumava tive que escutar os diversos conselhos que a MCF me dava. Eu estava tão ansiosa em acertar as coisas com ele, que acho que nem estava prestando muita atenção no que acontecia em volta de mim.

- Não se atire muito!
- Não demonstre mais ciúmes!
- Seja o mais delicada possível, Kristen...
- Gente... chega! Vocês acham mesmo que eu vou levar uma cartilha do que fazer e não fazer? Eu sei que mal vou conseguir formar muitas frases... eu estou nervosa, ok?

Elas calaram a boca e eu as agradecia antes de sair do hotel. Eu estava super atrasada, mais de 15 minutos de atraso. Resolvi ligar para ele de dentro do táxi e avisar que eu demoraria um pouco ainda. O telefone deu 3 toques e foi atendido.

Alô?

Opa. Voz de mulher. Aquele não era Rob.

- Ahn... o Robert está?
Quem está falando?
- Kristen. E quem é você?

Eu perguntei, mesmo já tendo uma suspeita. Coração não falha.

Ah, sim. A ex dele, né? Aqui é Megan.

Meu sangue ferveu e eu tive vontade de matar o motorista do táxi, fingindo que era ela.

- Ex? Nós não terminamos!
Não? Bem, estranho nós termos feito o que fizemos... e vocês ainda namorarem...
- Como assim? Olha Megan, passa o telefone para ele, ok?
Ele entrou no banho agora... Eu meio que dei uma canseira nele...

Desliguei o telefone na mesma hora. A ficha tinha caído.

- Volte para o hotel, por favor.

Pedi ao motorista
Não era bom encontrar com Kiki do jeito que eu estava. Porque eu estava puto! Tinha chegado mais cedo no bar, pois o pessoal decidiu ir para lá e Jackson praticamente me obrigou a ir também. Até aí nada demais, se não fosse a presença que agora estava me irritando, de Megan. Ela ficou mais de meia hora enchendo o meu saco, falando sobre nossa amizade, sobre meu namoro com Kristen, tudo mais. Quando eu não aguentei mais e dei um basta, ela resolveu ir embora. Eu quis ligar para Kiki e marcar em outro lugar com ela, já que o pessoal ainda estava por lá, mas então, não encontrei meu celular.

- Hey, Jack! Viu meu celular?
- Não.

Claro que não. Ele estava preocupado demais olhando para os peitos de Rachelle. Rodei pelas mesas do bar e nada de achar o maldito aparelho. Até no banheiro eu fui procurá-lo. Resolvi então pegar o celular de Jackson emprestado e ligar para meu número.

Jack?
- Não. Robert. Posso saber o que você está fazendo com meu telefone, Megan?
Ah Rob... desculpe! Acho que o peguei sem querer... Confundi com o meu.
- Pena que nossos aparelhos são bem diferentes, né? Inclusive a cor. Não me vejo andando de celular rosa por aí.
Eu sei... foi descuido meu mesmo.

Mas que merda! Tudo dá errado comigo! Desliguei na cara dela e disquei o celular de Kiki que eu tinha na memória, felizmente. Ela não atendeu na primeira, nem na segunda, nem na terceira. Eu tentei até a quinta vez e nada.

Imaginei que ela não estivesse atendendo por não conhecer aquele número, então minha única opção era esperar por ela. E assim eu fiz, por um longo tempo. Vi todo mundo ir embora e tive que inventar várias desculpas para ficar ali.

- Tem certeza, cara? Acho que ela nem vem...
- Vou esperar. Valeu, Jack.

Quando eram quase meia-noite, eu concluí que Kristen realmente não ia aparecer. Jackson tinha deixado o celular comigo para caso eu precisasse. Só sei que perdi a noção de quantas vezes eu liguei para ela. Eu voltei para o hotel, bêbado, na fossa e querendo esquecer tudo isso. Me joguei na cama com aquela roupa mesmo e apaguei. Dessa vez eu não queria ficar remoendo os problemas não. Seja lá qual fosse o motivo de Kiki não ter aparecido, ela me devia explicações. Acordei com o barulho infernal da campainha tocando na minha cabeça e me arrastei até a porta.

- Tom?

Meu cunhado estava parado ali, de cara feia, Quando eu pisquei, ele esticou o braço e eu levei um soco na cara, caindo no chão.

- Ow... ok! Não se bate em quem acabou de acordar... E de ressaca!
- Vai se fuder, Robert!

Eu fui agarrado pelos cabelos e forçado a ficar em pé, para apanhar mais um pouquinho. Quando ele me soltou, passei a mão no nariz e vi o sangue.

- Posso saber pelo menos por que estou apanhando?

Tom me puxou de novo do chão, com mais raiva ainda. Eu não lembro de tê-lo visto tão descontrolado como agora.

- Eu aceitei você não querer conversar com minha irmã, Rob. Eu aceitei você pedir seu tempo, eu aceitei ficar vendo ela chorar pelos cantos. Mas isso, foi jogo sujo demais!
- Isso o que?

Ele me soltou, me empurrando com força.

- Dormir com Megan! Não que eu nunca tenha desconfiado das suas canalhices, mas deixar Kristen ficar sabendo desse jeito... Eu tenho vontade de te quebrar todo!

Opa. Volta a fita. Eu dormi com Megan? Quando que não lembro? Sentei no sofá para pensar melhor. Pela atitude de Tom, ele estava mesmo bem irritado com isso, como se tivesse mesmo acontecido. Levantei minhas mãos em sinal de paz.

- Tom, eu não dormi com Megan, nem sei do que você está falando...
- Não? Ontem você só brincou de casinha com ela então?
- Ontem? Ontem eu fiquei a noite toda esperando a Kiki na merda do bar onde marquei com ela!
- Jura? Estranho, já que ela ligou para seu celular e aparentemente, você estava dentro do banheiro de Megan!

Por que será que aquilo não me surpreendia nem um pouco? Aos poucos a ficha foi caindo e a raiva por Megan só aumentava.

- Eu estava na casa da Megan? Bem, você pode ligar agora para a Ashley, para o Jackson, para qualquer pessoa daquela merda daquele elenco e confirmar que o idiota aqui ficou a noite toda esperando por sua irmã!

Por algum milagre divino, Tom parecia ter resolvido me ouvir e pegou o celular para fazer uma ligação.

- Ash? Oi querida... Me diz uma coisa, Rob por acaso esteve contigo ontem?

Eu cruzei os braços e levantei, olhando sério para a cara dele. Putz, aquele soco ainda estava latejando no meu nariz. Fui até a cozinha tentar estancar o sangue e então ele apareceu em pé na porta.

- Ok, Ashley me confirmou sua história. Então, Megan é realmente uma vadia desgraçada.
- Não diga, jura? Que bom que acredita em mim. Agora, liga para sua irmã e avisa a ela o que houve. Avisa também que eu fiquei até meia-noite ontem esperando por ela. Ah, e lembre de avisar também que eu agradeço por ela não ter atendido as milhares de ligações que eu fiz para o celular dela.

Ele fechou a cara.

- Ela não está mais aqui.
- Hein?
- Eu a mandei de volta para casa.
- Você o que?

Fiquei falando sozinho enquanto ele saiu dali e voltou para a sala.

- Eu a incentivei a voltar para casa, Rob! Ela estava péssima, ok?
- Ela já foi?
- Deve ter ido...

Deixei ele falando sozinho e troquei rápido de roupa. Antes de sair do apartamento, perguntei qual era o hotel que ela estava hospedada.

Música (Hinder - Better Than Me):
.
http://www.youtube.com/watch?v=mr4VEbt4zSw
.
Cheguei no hotel dela e quando o recepcionista interfonou, avisou para mim que não autorizaram eu subir. Fiquei olhando pasmo para a cara dele. Ele sabia mesmo quem eu era?
.
- Como não posso?
- Ordem das hóspedes.
.
Tive vontade de matar uma por uma. Mas respirei fundo e pedi para ele ligar de novo e me passar o telefone. Nada que uma nota de U$20 dólares em cima do balcão não faça. Quando alguém atendeu, ele me entregou o fone.
.
- Alô?
- Aqui é Robert e acho bom não desligar.
- O que você quer, seu galinha?
- Quero que liguem para o Tom e confirmem com ele que não traí Kristen. Agora, se vocês gostam mesmo de ajudá-la, vocês irão fazer isso e eu enquanto isso ficarei esperando aqui embaixo.
.
Entreguei o fone para o funcionário e fui me sentar impaciente numa poltrona. Sabe aqueles tiques que te dá quando você fica com pressa, ansioso, tudo junto? Então, minha perna não parava quieta no lugar e enfim, eu vi uma garota de óculos escuros saindo do elevador e vindo na minha direção. Ela era metade do meu tamanho, mas me metia medo.
.
- Fale. Você tem... 10 segundos.
- Kristen já foi?
- Sim.
- Qual o horário do vôo?
- Eu não sei. Realmente não sei.
.
Saco! Fiquei esperando então para que?
.
- Certo. Tchau então.
- Onde você vai?
.
Me virei para olhar a garota petulante ali, de braços cruzados e batendo pé.
.
- Buscar meu celular e ir ao aeroporto.
- Seu celular ainda está com Megan?
- Sim.
- Eu vou junto.

Não entendi para que ela quis vir junto comigo, mas tudo bem. Eu sabia que elas eram meio doidinhas e preferi não contrariar. Toquei no prédio de Megan e ela muito a contra-gosto, me deixou subir.

- Eu espero que você só pegue essa droga de celular e pronto.
- Não, vou entrar para tomar um chá com ela.

Respondi amargo para o meio metro de gente assim que o elevador abriu no andar da vadia. Eu estava com tanta raiva de Megan que descontei na sua campainha, afundando o botão sem querer. Quando ela abriu a porta, sua expressão mudou ao me ver acompanhado.

- Oi Rob.
- Meu celular.
- Ah sim... Vai querer entrar?
- Não.

Ela entrou, pegou o aparelho em cima da mesa e me devolveu.

- Alguém me ligou, Megan?
- Bem, Kristen ligou ontem. Mas eu avisei que eu tinha pego seu celular por descuido.
- Você disse isso? Jura?
- Aham.

Me segurei ao máximo para não voar nela.

- Megan... A sua sorte, é que eu não posso bater em mulher.
- Ah, mas eu posso!

A meio metro tirou os óculos e jogou em cima de mim, voando dentro do apartamento de Megan e jogando-a no chão. OMG. Briga de mulher não! E eu ainda tinha que ir atrás de Kristen.

- Tchau Robert! Eu cuido da vadia!
- Hein?

Eu ia interferir, mas quando vi que a baixinha estava dando conta do recado, provavelmente melhor do que eu daria, resolvi ir embora mesmo. Megan teria sorte em permanecer viva.

Saí o mais rápido que pude de lá e fui para o aeroporto. Tive que entrar correndo no saguão e procurar pelo vôo para Los Angeles e o único que tinha já estava dado como decolado. Me senti fracassado por não ter chegado a tempo e me sentei numa das cadeiras pensando o que fazer. Atendi mal-humorado o celular que tocou.

- E aí? Conseguiu?
- Quem é?
- MCF.
- Como conseguiu meu número? E a propósito, Megan está viva?
- Sim, ela está. Vai ter que usar muita maquiagem, mas está viva. E seu número querido... nós temos nossos contatos.

Eu suspirei sem forças nem para discutir com aquele meio-metro de gente.

- O que você está fazendo?
- Nada. Ela já decolou...
- Deixa de ser frouxo, Robert! Levanta essa bunda e vai atrás dela ué!

Fui chamado de frouxo. Minha vida só estava melhorando pelo visto. A baixinha desligou na minha cara e eu fiquei ali pensando na idéia. Era lógico que eu iria atrás dela. Chris ia querer me matar, mas... who cares?

0 comentários :

Postar um comentário