Kiss Me - Capitulo 14


Música (Beyoncé feat. Bun B and Slim Thug - Check On It):http://www.youtube.com/watch?v=T9IotSjibp4

Pulei da cama com uma música tocando alto no meu ouvido! Ah não, não era no meu ouvido... Era no quarto todo! As loucas das meninas dançavam em cima das camas... Imitando a Beyoncé? Ok, abstrai Kristen.

- Hey Kiki!
- Já está íntima dela assim, é?
- Ué, eu dormir no quarto com ela, já posso chamá-la de Kiki também!
- Bom dia gente...

Como elas conseguiam ser tão animadas às... Putz! Já passavam das 11hs! Levantei da cama e fui para o banheiro tomar um bom e demorado banho. O banheiro que me trazia boas lembranças de ontem. E me trazia um baita peso na consciência também! Depois que saí de lá, encontrei-as sentadas na cama fazendo as unhas.

- Gente, eu falei com o Rob ontem no telefone.
- Que horas? De noite?
- De madrugada... Vocês estavam dormindo.
- Nossa, nem ouvi!
- Nem eu. Mas também, meu sono é pesado! Pode acabar o mundo que eu não acordo por nada.

Eu conto ou não conto? Achei melhor contar, já que poderia ser importante para nossa estadia ali.

- Nós... fizemos sexo por telefone...
- OMG!

As duas gritaram juntas e passaram rádio para as outras.

- Venham agora! Kristen e Rob fizeram sexo telefônico!

Er... ok... Não era para espalharem.
Estava escovando os dentes quando um batalhão entrou no quarto. Elas falavam todas juntas comigo quando eu dei um grito. Ok, eu devia estar querendo morrer, gritando com a MCF. Sorri educada e me sentei na cama.

- Vocês me deixam tonta...
- O que foi isso?
- Jura que ela gritou com a gente?
- Eu escutei isso mesmo?

Uma delas tirou seus óculos e colocou-os em mim, sorrindo.

- Agora sim você virou uma verdadeira MCF. Mostrou quem tem coragem e colocou moral na situação.
- Eu... virei uma MCF?

Estava até tremendo de emoção. Elas me olharam e sorriram balançando a cabeça. Uau! Isso era melhor do que fazer sexo por telefone!

- Ok, agora cospe!
- Oi?
- Cospe as novidades, Kristen. Não é para cuspir em nós, por favor.
- Ah sim... Por onde eu começo?
- De preferência, pelo começo...

Me sentia uma imbecil perto delas. Ou eu era muito lenta, ou o raciocínio das garotas é que eram rápido demais.

- Bem, o telefone tocou e eu acordei.
- Pelo amor de Deus, Kristen! Vai contar também sobre Adão e Eva?
- A parte de você ter atendido o telefone, você pode pular, Kristen.
- Isso, vai logo para a parte do sexo.

As pessoas me deixavam com medo, isso sim.
- Então, ele estava com saudades de mim e nós acabamos fazendo sexo.
- Cara, por que eu não encontro um exemplar desses?
- Meu celular eu comp...
- Que celular, Kristen? Que celular? Estou falando do homem!

Ok, me encolhi no cantinho da cama. Uma das minhas companheiras de quarto estava no banheiro fazendo chapinha no cabelo e nos gritou lá de dentro, nos fazendo lembrar de um problemão.

- Gente, e o Tom?
- Verdade, o que Tom está fazendo aqui, alguém me explica?

Eu também gostaria muito de saber... Mas não ousaria ir lá perguntar para ele. Se nós não nos esbarrássemos, estaria ótimo para todo mundo. Bem, para mim pelo menos. Combinamos de sair depois do almoço e quando as encontrei lá embaixo, coloquei meus óculos também.

- Vamos para o mesmo lugar?
- Claro!

Lá fomos nós para o mesmo lugar. No caminho comprei um capuccino e quando chegamos lá, me escondi atrás delas para Robert não me ver, lógico. As fãs (duas) de Taylor estavam lá gritando "lindinho e lobinho" para ele, o que me deu vontade de rir. Carinha feio...

- Já volto, gente... Vou jogar isso aqui fora.
- Ok.

Fui procurar uma lata de lixo e atravessei a rua. Quando estava voltando, vi um carro buzinar para mim e uma mão me puxar para a calçada.

- Deus!
- Você quase morreu atropelada!
- Obrigada...

Olhei para meu herói e...

- KRISTEN?
- TOM?
Eu assobiei e tentei dar meia-volta, mas ele me puxou pelo braço, me olhando de cara feia.

- O que você está fazendo aqui?
- Eu pergunto o mesmo!

Tom olhou rápido em volta e resmungou, me puxando para a lanchonete que tinha ali na mesma calçada. Nós entramos e ele me fez sentar numa mesa.

- Posso avisar minhas amigas que estou aqui dentro?
- Com quem você veio?
- Com umas amigas...
- Mas que porra você está fazendo aqui, Kristen?

Ai senhor... O que eu faço? Conto ou não conto? Merda! Contei.

- Vim vigiar Robert.
- Vigiar?

Ele arqueou uma sobrancelha e chamou a garçonete com o dedo, que veio prontamente. Mulher é um bicho fácil, não? Ela olhou-o como se fosse um pedaço de carne pendurado em açougue.

- Pois não, o que vai querer?
- Vão querer. É no plural, querida.

Sério, eu já estava entrando no espírito da MCF, ok? Não me provoca!

- Dois expressos.

Ele esperou ela se afastar e voltou a me olhar sério. Apoiou o cotovelo na mesa.

- O que quer dizer com vigiar o Robert?
- Vigiar. Nada demais. Só isso. Não que ele esteja aprontando.
- E me disse que estaria em NY... Que ótimo!
- Desculpa. Mas... não acho que você aceitaria numa boa se eu contasse a verdade, né?

A garçonete voltou com nossas bebidas e saiu. Tomamos o primeiro gole e eu comecei as perguntas também. Era só ele que tinha o direito de tirar satisfação ali?

- Tom, e você? Pode falar...
- Estou saindo com a Ashley.
- Ok... Isso é novidade...

E aí eu me toquei que ele estava de boné, óculos e cachecol. Se escondendo, talvez?

- Tom...?
- Estou vigiando-a. Satisfeita?
Tom fez cara de cínico, tomando seu café e eu quis bater nele. Só puxei seu gorro para baixo, tampando seus olhos e dei um tapa na sua cabeça.

- Quer dizer que você está espiando?
- É.
- Belo exemplo! E estava querendo me dar algum tipo de sermão?
- Esquece. Kristen, ela não pode saber que estou aqui. Aliás, ninguém pode saber.
- Eu digo o mesmo para você.

Tomei meu café e levantei da mesa. Ele me puxou de novo.

- Onde está hospedada?

Quando dei o nome do meu hotel para ele, Tom quase caiu da cadeira.

- Porra! Eu estou numa espelunca de merda e você num cinco estrelas? Como é isso? Vou ficar lá com você...
- Nos seus sonhos!
- O dinheiro é de quem?
- Seu é que não é. Ok, eu estou com um grupo de amigas, e é verdade a parada de uma delas ser dona de hotel.
- Então ela pode me arranjar um quarto lá.
- Não vou pedir nada para minhas amigas, Tom.

Até porque elas não iam muito com a cara dele depois que ele virou inimigo do Rob.
Eu tinha levantado de novo e estava vendo algumas das meninas andando perto de onde nós estávamos. Elas provavelmente já deviam estar desesperadas com o meu sumiço repentino.

- Tom, tenho que ir.
- Peraí.
- Não, Tom. Minhas amigas vão ficar preocupadas...
- Alguma gata?
- Você não está com a Ashley?
- Só para o caso de eu descobrir que ela está com outro...

Ele sorriu cínico e eu revirei os olhos. Homem é tudo igual mesmo. Soltei meu braço e deixei a conta para ele pagar.

- Kristen, vou ligar depois para você. E é melhor me atender hein!
- Ok. Fui.

Coloquei os óculos de novo e saí da cafeteria. Disfarcei e cheguei por trás delas, que quando me viram quase fizeram um escândalo. Me puxaram para longe dali e me imprensaram na parede.

- Onde a senhorita estava?
- OMG, Kristen, você estava pulando a cerca?
- OMG! Estava?
- Credo gente! Claro que não!

Elas não fizeram cara de quem acreditavam. Eu realmente não estava pulando a cerca, ok? E além do mais, que mulher seria louca de trair Robert Pattinson? Eu pelo menos não era.

- Então... Tenho uma coisinha para contar a vocês...
- Fala.
- Kristen, MCF's não possuem segredos!
- Então... Bem... Encontrei com Tom aqui!

Todas me olharam sérias, como se pensassem naquilo.

- Que Tom?
- OMG! Tom Cruise?
- Tom, meu irmão, gente.
-Oi?
- Tom?
- Esse Tom?
- Tom gostoso?
- Tom chato?

Pelo visto meu irmão tinha vários significados. Elas surtaram. Enquanto umas torciam a cara, outras estavam prestes a babar.

- Terra chamando!
- Ok. O que ele faz aqui? Ele disse? Ele te viu ontem?
- OMG! Ele viu a Kristen!
- Calma gente... Não, ele não me viu ontem. Foi hoje mesmo, quando eu quase fui atropelada.
- Quando foi isso?

Aparentemente, as coisas aconteciam comigo rápido demais que nem dava tempo para os outros ficarem sabendo. Mas isso nem vinha mais ao caso.

- Agora pouco. Enfim, eu posso contar o que ele veio fazer aqui?
- Vigiar o Rob?
- OMG. Ele tem um caso com Rob?
- Ew!

As outras olharam espantadas para a menina que disse isso. Ela era louca ou fumou maconha? A pobre garota levou um tapa na cabeça e ficou quieta.

- Ele está tendo um caso com a Ashley.
- Até eu teria um caso com ela...

Foi a mesma menina... Ela só soltava pérolas desse tipo, pelo visto. As outras a olharam de um jeito estranho e apontaram para ela.

- Nós vamos ter um papo sério quando chegarmos no hotel, cara...
- Que bizarro...
- Foi mal.
Depois de explicar toda a situação para as meninas, nós enfim voltamos ao hotel. Ainda era cedo, nem tinha dado o pôr-do-sol ainda, quando meu celular tocou. Adivinha quem era?

- Oi Kiki!
- Rob? Oi...

Dessa vez o quarto estava lotado, tipo clube da luluzinha mesmo, com várias comidas que nós pedimos no serviço de quarto. Elas pararam de comer e falar ao mesmo tempo, para me olhar. Oba, virei atração de circo!

- Está tudo bem?
- Po-por que não estaria?
- Porque sua voz está estranha... Vacilante.

Deus! Eu era tão fácil de se ler assim? As meninas reviraram os olhos e uma delas pegou um papel dentro da bolsa, e uma caneta.

Diga que vc acabou de se depilar, por isso está nervosa!

OMG... Quem cairia nessa? Eu fiz que não com a cabeça e elas me olharam feio.

- Eu... eu acabei de me depilar...
- Hum, então está explicado!

Mas homem é bicho burro mesmo, né?
- Estou louco de saudades...- Eu também!
- Então, eu estava vendo aqui... Você quer vir no final de semana?
- Oi? Peraí, Rob, já te ligo!

Desliguei o telefone na cara dele, para que ele não me ouvisse surtar.

- O que foi?
- Ele me quer aqui!
- Isso é ótimo!
- É mesmo? Mas eu já estou aqui...
- É só ele não ficar sabendo disso.
- Ok, vou voltar para casa... Para mim chega!

Eu sei que é loucura, mas eu estava me cagando de medo dele descobrir isso tudo. Pior agora com Tom na cidade... Eu não sabia até onde a língua de Tom ficaria quieta, sem se coçar. Meu celular voltou a tocar.

- Eu espero que você tenha uma ótima explicação para ter desligado na minha cara...

Ele não estava com a voz mais delicada do mundo agora.

- Desculpa, entrou uma barata aqui!
- Então, eu estava falando sobre você vir para cá...
- Rob, eu não acho que seja a hora... Sei lá, você precisa se concentrar, né? E além do mais, é tão distante...
- Kiki, deixa disso, né? Eu compro a sua passagem amanhã mesmo, ok?

Pronto. Era esse o meu maior medo!

- Amor... a barata voltou!

Desliguei de novo e elas jogaram um copo descartável em cima de mim.

- Sério, se você desligar o telefone na cara do RPatzz mais uma vez...
- Gente, eu preciso pensar!

Vesti um casaco e saí do quarto sem saber para onde ir. Eu só queria colocar os fatos em ordem e decidir o que fazer. Estava frio na rua, e eu me encolhi dentro do casaco enquanto discava o número de Tom.

- Kristen?
- Quer conversar?
- Está chovendo?

Eu ainda fui imbecil o bastante de olhar para o céu.

- Não. Por que?
- Bem, você me ligando e me chamando para fazer alguma coisa... É sinal de que vem chuva por aí...
- Que sem-graça, Tom! Se não estiver com vontade é só dizer.
- Ok. Vem aqui no meu hotel. Tem como anotar?
- Não. Peraí...

Chamei um táxi e entrei, pedindo o endereço para Tom e repassando para o motorista. Cheguei na porta do hotel e entendi a revolta do meu irmão. Era bem, mas bem inferior ao hotel no qual eu estava.

- Entra...
- Onde você achou essa espelunca, Tom?
- Quis ficar num lugar discreto, só isso.
- Bem... você conseguiu!

Ele revirou os olhos e me deixou sozinha na porta, enquanto voltava para o sofá.

- O que houve?
- Rob quer que eu venha para cá!
- E qual o problema nisso? Marca o dia com ele e aparece. Simples.
- Ele quer comprar a passagem de avião para mim.

Tom levantou do sofá e andou até um frigobar velho no canto do quarto.

- Melhor te dar uma bebida.
Eu não lembro qual tinha sido a última vez que eu e Tom ficamos assim, bebendo e conversando até altas horas enquanto ríamos dos programas bizarros que passavam na televisão. Era como se agora nós fôssemos cúmplices, já que os dois estavam fazendo merda.

- Eu tenho que ir embora!

Apesar de não saber onde meu hotel ficava. OMG! Eu estava bêbada! OMG!

- OMG!
- O que?
- Bené!
- Hein?
- Esqueci a Bené em casa! Tom, eu esqueci minha aranha em casa! OMG! Ela morreu a essa hora...

Ele estava tão bêbado quanto eu, então, riu da minha cara. Ei, quem disse que eu estava bêbada?

- Ok, Kristen, não quero saber das suas intimidades...
- Que intimidades, seu louco?
- Sua aranha...

OMG. Ele apontou para o meio de minhas pernas.

- Não é dessa aranha que eu estou falando, imbecil!
- E desde quando mulher tem 2 aranhas?
- Parei.

Entornei as últimas gotas de Heineken na boca e levantei. Quer dizer, eu tentei, pois caí sentada logo em seguida.

- Melhor ficar aqui, Kris.
- Concordo.
- Bem, já que você vai ficar...

Tom andou meio tonto até o frigobar e tirou duas garrafas de lá. Ele abriu a minha e me passou.

- Nós podemos beber mais um pouquinho...
- É!

Nós brindamos e eu arrotei. Ops. Aquela era a minha... 5ª garrafa? Ou 8ª? Perdi as contas.

- Tom!
- Credo, Kris! Não grita!
- Foi mal. Mas e a Ashley? Ela está te dando uns galhos?
- Não. Eu espero que não... Até agora não vi nada suspeito.

Eu pulei e caí no chão quando meu celular tocou em cima da mesa. Fui atender e vi que era Robert. Respira fundo, Kristen.

- Oi amor!
- Está bêbada, é?
- Eu? Claro que não!

Maldito soluço bem na hora! Ele riu. Ele riu? Eu mato!

- Sei. Como você está? Fora o teor álcoolico?
- Ótima, e você?
- Com saudades. E tesão... Vamos fazer um sexo?

Tinha um irmão me olhando. Ew.

- Não!
- Ok, não precisa gritar. Kiki, você está em casa?
- Aham.
- Ah. Achei que estivesse zoando em alguma night.
- Claro que não, amor! Só tenho olhos para você!
- Vou vomitar...
- Quem falou aí?
- Tom.
- Ah.
Ficou um silêncio no telefone e eu sabia que Robert estava assim por causa de Tom. Crianças!

- Não dá para ir para o quarto, Kiki?
- Agora não Rob...

Olhei para Tom que estava concentrado num programa de luta-livre na televisão e fiz esforço para cochichar no celular.

- Não quero fazer sexo por telefone agora...
- OMG! Kristen! Eu ouvi!
- Manda ele calar a porra dessa boca!
- Foi mal...

Eu falei sem saber para quem eu me desculpava.

- Está vestida como?

A pessoa quando quer, consegue ser insistente, não é mesmo? Eu bufei, me olhando um pouco. Eu estava super sexy!

- De jeans e com uns 3 casacos!
- Para que isso, Kiki?
- Está um frio do cacete, ok?
- Em Los Angeles? frio para 3 casacos?

Ops. Tom me olhava agora, revirando os olhos. Fiz merda, né? Pensa rápido, Kristen! Olhei para Tom, que apontava para o ar-condicionado e fazia uma mímica.

- É que... tem o ar... o ar-condicionado. Está forte!
- Então desliga ele.
- Eu gosto de sentir frio, Rob.

Ele suspirou.

- Bem, vou desligar, ok? Quando não estiver perto do Tom e quiser se divertir um pouquinho, me liga. Ah e estou vendo já o lance da passagem.

Passagem? Ele falou passagem? Gelei.

- N-não precisa, Rob...
- Claro que precisa. Não vou deixar você comprar, né?
- O-ok. Depois falamos disso então...
- Beijos. Te amo.
- Eu também.

Desliguei o celular e Tom me olhou.

- Viu algum fantasma para estar dessa cor?
- Ele falou sobre a passagem...
- Minha opinião? Você está totalmente fudida.
- Essa sua opinião poderia ser guardada. Na sua boca.

Me arrastei para o sofá e afundei a cabeça no encosto. Eu não tinha a mínima idéia de como iria sair dessa enrascada. Eu não podia deixar Rob comprar a passagem e gastar dinheiro à toa. Ainda não estava tão louca para isso.

- Tom, o que eu faço?
- Minha opinião?
- Se for merda, guarde para você.
- Conte a ele logo.

Claro! Ele queria ver o circo pegar fogo, isso era óbvio! Mas ele não estava rindo.

- Ele vai terminar comigo.
- Kris, é a coisa mais lógica de se fazer! O que você pretende? Inventar mais uma mentira?
- Bem... O que você faria no meu lugar?

Tom parou e suspirou, dando um longo gole na cerveja. Ele ficou um tempo olhando para o gargalo e eu achei que ele tivesse ficado hipnotizado.

- Eu não contaria.
- Viu só?
- Mas eu também não sei o que faria. Não tenho idéia. Acho que só pensaria na hora...

Mas eu já tinha me decidido. Eu iria contar para Robert amanhã.
Eu resolvi voltar para o hotel, já que não adiantava ficar chorando no ombro de Tom, que estava na mesma desgraça que eu. Bem, não tanto já que ele pelo menos não tinha recebido o convite da Ashley de vir para cá. Me despedi do meu irmão e fui para a rua pegar um táxi. O motorista era um lerdo, e eu quase estava dormindo no banco traseiro enquanto via as luzinhas da cidade passando pela janela. Eu devia ter cochilado, pois ele estava me cutucando.

- Senhorita?

Abri os olhos e vi o velhinho virado para trás, piscando os olhos preocupado comigo.

- Oi.
- Eu não posso ir mais além. Houve um acidente eu acho ali na frente e a polícia fechou a rua toda!

Esfreguei os olhos um pouco e me ajeitei no banco para ver do que ele falava. Tinha muitas luzes de bombeiros e polícia ali e a rua realmente fechada.

- Não. Tudo bem... Sabe se o hotel é perto daqui?
- Uns dois quarteirões para frente.
- Ok.

Paguei a corrida e saltei do carro. Bêbada e tendo que fazer uma boa caminhada. Eu mereço! Quando cheguei no meio da muvuca, também quis saber do que se tratava e me acotovelei entre as pessoas curiosas que estavam ali. Era um acidente feio, envolvendo dois carros e tinha até duas pessoas deitadas no asfalto. Resolvi não ficar ali vendo aquilo e saí da multidão. Quando me afastei um pouco, andando pela calçada, meu corpo estremeceu ao ouvir uma voz familiar.

- Kiki?

Música (Every Time I Look At You - KISS):

http://www.youtube.com/watch?v=Da2ungKop58
.
Eu me virei bem devagar, tentando adiar o máximo possível o encontro. E então ele estava na minha frente, me olhando confuso, boquiaberto.
.
- R-Rob.
- O que é isso, Kiki?
- Hã?
.
OMG. O que eu digo? Me traz uma Heineken? Não é hora de piada, Kristen! Ele passou as mãos nos cabelos, abaixando a cabeça e me olhou de volta.
.
- Eu acabei de falar com você no telefone, não foi?
- F-foi.
- E o que você está fazendo aqui?
- O que o senhor está fazendo aqui na rua? Eu quem pergunto!
.
Ele estreitou os olhos e trincou o maxilar, apontando para o prédio do outro lado da rua.
.
- Meu apartamento é ali!
- Ah. Ok.
- Você estava aqui esse tempo todo, Kiki? E...
.
Ele se inclinou para cheirar meu rosto.
.
- E você está bêbada?
- Rob... eu posso...
.
Maldito soluço no meio da frase! Maldito!
.
- Explicar. Eu vim...
- Fala.
- Eu... ia te contar amanhã, sabe?
- Contar exatamente o que? Qual o motivo para você estar aqui, Kiki?
- Eu só... queria ficar perto.
- Em outras palavras, você veio me espiar! Tomar conta de mim, certo? Céus, Kristen! E eu achando que tudo tinha se resolvido!
.
Eu puxei a camisa dele, trazendo-o para mais perto de mim. Era tão bom finalmente estar olhando para ele, pertinho, falando e tocando nele... Mas Rob se soltou, com raiva.
.
- Vá logo para onde você estava indo, Kristen!
- Mas, Rob...
.
E ele atravessou a rua sem se despedir de mim. Eu fui atrás, mas ele ainda se virou, e eu vi que ele me olhava meio que frustrado.
.
- Não, Kristen! Eu não quero te ver mais hoje.
Parecia que o chão abaixo dos meus pés estava se abrindo e me engolindo. Vê-lo entrar no prédio sem olhar para trás, foi esmagador. Eu cheguei no quarto chorando e as meninas vieram descobrir o que tinha acontecido. Meus olhos estavam alagados e eu só lembro de ter sido guiada até a cama.

- Kristen, o que houve?
- Rob...
- O que tem ele?
- OMG. Ele ficou com a Megan?
- Ele está ferido?

Elas perguntavam mas nem me davam chance de responder. Eu posso com isso? Esperei as perguntas se esgotarem, para então começar.

- Eu... eu fui no Tom. E... e falei com o Rob por telefone...
- E Tom contou ao Rob que você estava lá?
- Ou o Tom brigou contigo de novo?
- Calem-se!

Ok, talvez não precisasse de tanto, mas pelo menos elas ficaram quietas. Uma delas começou até a chorar também.

- Eu... ele... me viu. Na rua. Agora.
- OMG.
- OMG.

Não estava ajudando a reação delas...

- E o que você disse?
- Eu nem tive... tempo de dizer muita coisa...
- Deus!
- Ele brigou contigo?

Balancei a cabeça enquanto assoava o nariz na blusa de uma delas, que me olhou torto. Eu nem sabia se ele tinha terminado comigo ou não!

Música (I Want To Hold Your Hand - T.V. Carpio):

http://www.youtube.com/watch?v=RBxAdoTOnuM
.
Eu ainda não estava querendo acreditar no que tinha acontecido. Os olhos de Rob com raiva ficavam vagando pela minha mente, enquanto as meninas tinham se afastado para conversar detalhes de uma possível reconciliação entre nós dois. Peguei meu celular e disquei o número dele, que chamou até cair a ligação. Eu tentei de novo, e tentei mais umas 5 vezes. Na última vez, caiu direto na caixa postal. Ele não queria me atender.
.
Eu estava num misto de raiva e decepção com Kristen. Me senti um otário enquanto fazia planos de trazê-la para cá, enquanto ela ria da minha cara do outro lado da linha. Eu simplesmente... não sabia o que fazer. Preferi desligar o telefone, já que ela estava insistindo. Não tinha nada que ela pudesse dizer agora que faria minha mágoa passar.
.
- Kristen? Tenta ligar para ele!
- Já tentei... Ele não atende.
- Você viu onde é que ele está morando, não viu? Por que não vamos até lá?
- Melhor não. Ele pode se irritar ainda mais com ela...
- Verdade. Se ele está de cabeça quente, é melhor esperar ele se acalmar.
.
Eu nem estava prestando muita atenção no que elas falavam. Me encolhi na cama e tentei fechar os olhos.
Eu não lembro que horas eu acabei pegando no sono, mas sei que acordei já de manhã, toda torta na cama, com as pernas para o lado de fora, parecendo uma maluca (N/A: créditos da posição para a May rs).

- Bom dia, Kristen!

Uma das meninas falou enquanto saía do banheiro enxugando o cabelo com uma toalha. Me sentei na cama sentindo minha cabeça rodar com uma baita enxaqueca.

- Que horas são?
- Quase 11hs. Você dormiu que nem uma pedra!
- Eu... preciso falar com Rob.

Levantei, ainda tonta por causa das malditas Heinekens de ontem e dei uma geral pelo quarto, procurando meus chinelos. Ela segurou meus ombros quando passei.

- Ei. O que pensa que está fazendo?
- Eu vou ver Rob.
- Não vai não. Não agora.

Ela me levou de volta até a cama e me fez sentar, com uma cara raivosa.

- Você vai sentar a bunda aí e esperar. Nós vamos almoçar e só depois, quando a sua cabeça estiver mais tranquila, você vai pensar no que vai fazer.
- Eu sou uma imbecil...
- Não, não é. E para de chorar.
- Ok.

Funguei mais uma vez, mas rapidinho engoli o choro quando ela cruzou os braços com uma cara bem feia. Tinha medo.
Elas fizeram eu tomar banho e me vestir para ir almoçar. Meu humor não estava dos melhores para sair na rua, mas eu fui quase que forçada a isso. Estava brincando com a minha comida no prato, quando dedos foram estalados na minha frente.

- Terra chamando Kristen!
- O que?

Levantei a cabeça e vi que todas me olhavam.

- Reaja, ok? Vai melhorar...
- Gente, eu só quero poder falar com ele.
- Kristen, não adianta ir com pressa. Você primeiro tem que estar 100% para poder ir procurá-lo.
- Isso. E sem a cara inchada de tanto chorar.

Eu imaginei mesmo que estivesse um trapo. Não que eu fosse a coisa mais linda do mundo, mas com certeza já estive em dias melhores. Mais cedo no banho en nem consegui desembaraçar meus cabelos direito.

- E quando vocês vão deixar eu falar com ele?
- Bem, primeiro, nós temos outra coisa a fazer.
- O que?

Elas me ignoraram e continuaram a comer. Nós já estávamos pedindo a conta quando Tom entrou no restaurante, de óculos escuros e veio até nossa mesa.

- Olá garotas!
- Oi...
- Tom...
- Lindo...
- Oi...

OMG. Era um derretimento para todos os lados. Ele me olhou e tirou os óculos.

- Precisando de ajuda?
Mas o que exatamente elas pretendiam chamando o Tom ali? Queriam que ele risse da minha cara? Tom sentou do meu lado e beijou meu rosto.

- Como você está?
- Mal.
- É... isso eu já esperava... Quer ir para meu hotel?
- Vamos lá, Kristen!
- Eu também não me importo de ir...

A conversa era paralela, né? Olhei para as meninas sorridentes ali nas mesas e percebi que o foco do assunto já não era mais eu... e sim Tom.

- Eu só quero falar com Rob.
- É aí que o Tom entra!
- Eu?
- Ele?

Só nós dois não tínhamos sido avisados, né? Ele coçou a cabeça e apoiou os braços na mesa, olhando para elas.

- O que eu tenho a ver com essa história?
- Você acha que a gente te chamou aqui por causa dos seus belos olhos por acaso?

Ui. Doeu até em mim.

- O que vocês querem?
- Que você ajude a Kristen. Afinal, é sua irmã, né?
- Mas eu não vejo em que posso ser útil. Caso vocês não saibam, eu me encontro na mesma situação que ela.
- Então. E se você simplesmente desembarcasse em Vancouver, para socorrer sua irmã que está de coração partido?

Gente, eu estou boba... Elas eram malignas.
No final das contas, Tom acabou admitindo que era uma boa idéia, a forma de aparecer em público e poder sair dando uma de bom moço na história toda. Mas a parte que eu não gostei muito, foi quando elas sugeriram que ele procurasse por Robert. Isso acabaria mal, com certeza. Nós estávamos voltando para nosso hotel, e Tom ia junto.

- Eu não acho legal você procurá-lo...
- Por que?
- Porque vocês ultimamente sempre brigam quando se olham.
- Eu sou adulto, Kristen. Não vou brigar... Até porque, dessa vez eu sei que ele está certo.

Ok, isso foi uma faca afiada entrando no meu peito. Menos, Kristen, menos. Eu queria Robert de volta sorrindo para mim e se isso implicasse em Tom ter que bater um papinho com ele, que seja. Quando chegamos no meu quarto, ele sentou na minha cama e pegou o celular, discando para Robert.

- Não dá para botar no viva-voz?
- Sério que vocês querem ouvir a conversa?

Elas olharam furiosas para ele. Esqueci de dizer a Tom que ele estava falando com as substitutas do James Bond. Ele suspirou e apertou o viva-voz. Deu um toque, dois toques, três toques...

- Não me diga que é realmente você me ligando?
Meu corpo tremeu ao ouvir a voz dele. Seu tom era amargo quando reconheceu o número de Tom.

- Sou eu, Robert. Podemos conversar?
- Eu não sei se você sabe muito bem o que é isso, mas eu estou tentando trabalhar, Tom.
- Eu sei, mas não pretendo demorar.

A ligação ficou em silêncio e eu já estava roendo as unhas, quase arrancando o telefone da mão do meu irmão.

- O que você quer? Seja rápido.
- Bem, é sobre Kristen.
- Hm. Te aviso logo que ela está aqui em Vancouver.
- Sim, eu sei.

Outro silêncio.

- Sabe?
- Ela me ligou contando tudo, Rob. E eu estou a caminho.
- O que você vem fazer aqui? Me bater? Ou tentar, pelo menos?
- Não. Não tiro sua razão. Estou indo é pela minha irmã mesmo. Ok, eu sei que o que ela fez foi errado, mas ela está arrependida.
- Jura?

Tom me olhou, travando o maxilar. Eu sabia que ele estava se segurando para não responder as alfinetadas de Rob. Pedi com os olhos a ele, para que se controlasse e continuasse a conversa. Ele revirou os olhos e voltou a falar.

- Rob, ela está mal, ok? Se era isso que você queria, então conseguiu. Você sabe que ela não me ligaria se a situação estivesse sob controle.
- Veja bem, Tom. Ela não só fez algo sem eu saber, como ela mentiu esse tempo todo para mim, enquanto eu ficava que nem um idiota no telefone com ela, dizendo estar com saudades. Eu acho que quem tem que estar mal, sou eu, que descobri que namoro uma pessoa que realmente não confia nada em mim!
Meu coração bateu fraco quando ouvi aquelas palavras, sua voz ligeiramente abatida. Estiquei minha mão para pegar o celular, mas Tom não deixou.

- Eu só estou pedindo para você conversar com ela. Com a cabeça fria. Pode ser?
- Não hoje, Tom. Nem amanhã. Eu preciso realmente me concentrar no meu trabalho e esse problema com a Kristen já está me abalando muito. No final da semana eu procuro ela para conversar.

Tom me olhou e eu comecei a chorar. No final da semana? Faltavam 4 dias para chegar, eu não ia suportar tanto tempo assim sem falar com ele, sem saber o que ele estava pensando, sem saber se nosso namoro ainda existia.

- Tudo bem... eu falo com ela. Mas eu posso confirmar que você irá procurá-la, Rob? Eu não quero dar falsas esperanças a ela.
- Eu vou procurá-la. Ou você acha que só ela está sofrendo?
- Ok.
- Você vai chegar ainda hoje?
- Vou.
- Faça-a ficar bem... Eu não quero ela mal. Eu amo sua irmã.
- Ok.

Eles desligaram e eu deitei a cabeça no ombro do meu irmão. Ele me ama... Já é alguma coisa, né?
Cara, me pergunto por que eu atendi o telefone. Quando vi que era o número do celular de Tom, eu imaginei que ele quisesse briga por eu ter maltratado sua irmã. Foi só por isso que eu atendi, por adorar uma briga. Principalmente com Tom. Mas ao saber que ele estava vindo para cá, eu percebi que ela devia estar realmente mal para tê-lo chamado.

- Rob, vamos marcar a cena 12!
- Eu já vou...

Avisei à pessoa que bateu na porta do meu trailer. Minha mente estava em outro lugar, o que fazia eu me arrepender de ter atendido o maldito celular. Quando o assunto era Kristen, eu pirava. E aquilo tudo... ainda estava recente, me machucando. Eu me sentia um otário por ter confiado nela e achado que o ciúmes tinha realmente acabado.

- Rob??

Resolvi sair logo do maldito trailer antes que viessem me chamar de novo e eu mandasse a pessoa se fuder.
Encontrei com Kellan logo depois que saí do trailer. Ele notou que eu não estava muito bem.

- O que houve, Rob?
- Nada. Estou com problemas com a Kristen.
- Que tipo de problemas? Posso ajudar?
- Poblemas tipo ciúmes. O que você faria no meu lugar?
- O que ela fez?

Olhei para ele e percebi que nem devia estar falando sobre isso com ele, já que ele já pegou minha namorada. Suspirei e passei direto por ele.

- Depois nós conversamos, Kellan.
- Tudo bem, se precisar estou aqui.

Fingi não escutar o que ele disse e fui na direção dos estúdios. Infelizmente, minha mente só conseguia pensar numa coisa. Kristen.
Tom me perguntou se eu queria ir para o hotel de ele, mas para falar a verdade eu nem sabia muito bem o que eu queria. As meninas até insistiram para que eu ficasse por lá, mas eu acabei decidindo ir com ele.

- Se quiser pode passar o resto dos dias lá no meu hotel, mana.
- Não quero atrapalhar...
- E o que exatamente você acha que vai atrapalhar? Esqueceu que eu também estou aqui de tocaia?

Eu ri. Aquilo deveria ser mal de família, só pode.
Antes de irmos para o hotel, nós passamos no mercado do e compramos algumas coisas, como por exemplo bebidas para curar a fossa.

- Tem certeza que também vai continuar mentindo para a Ashley, Tom?

Ele me olhou pensativo e desviou o olhar para outro lado. Sabia que ele também tinha medo de passar pelo mesmo que eu estava passando.

- Eu ainda não sei o que vou fazer com ela. Estava pensando apenas em dizer o mesmo que o falei para Robert. Dizer que eu vim por sua causa.
- Por mim não tem problema nenhum me usar como desculpa.

Nós já estávamos no caixa quando ele riu e o olhei sem entender. Meu irmão passou a mão nos cabelos e me olhou sorrindo.

- Já reparou que nós tivemos que precisar de uma situação como essa para fazermos as pazes?

Então essa era a graça na história toda? Eu não pude deixar de rir, afinal, ele estava usando a minha desgraça como piada. Ok, era realmente uma piada.

- Mas você ainda não fez as pazes com seu melhor amigo.
- Eu não tenho um melhor amigo já há algumas semanas, Kristen.
- Essa briga entre vocês faz o que eu me sinta culpada, sabia?

Entramos no seu quarto quando o celular dele tocou. pela cara que ele fez eu imaginei que só pudesse ser uma pessoa.

- Oi querida!
Tom me olhou cínico e falou alegre no telefone.

- Você não vai acreditar onde eu estou! ... Chuta! ... Não... Aconteceu um problema entre minha irmã e Robert e eu acabei vindo encontrar com ela. Adivinha aonde ela está? ... É exatamente!

Mas é muito cara de pau da pessoa! e pelo visto ele se sair bem na história. Eu não quis ficar escutando conversa então aproveitei para tomar um banho. Encontrei a tampa do vaso levantada e lembrei como meu irmão era nojento. Ele sempre deixava a a droga da tampa do vaso levantada. Respire fundo, pois afinal de contas o quarto de hotel era dele e eu só estava ali de intrusa.

- Vai tomar banho?

Ele me perguntou batendo na porta do banheiro e eu gritei lá de dentro que sim. Tentei relaxar um pouco enquanto sentia água morna caindo sobre o corpo. Depois que sai do banho encontrei meu irmão na sala com uma cara de quem tinha aprontado.

- Vamos sair?
- Como assim?
- Sair, tipo colocar uma roupa e ir até um determinado lugar, sacou?
- Sim. Você por acaso lembra que eu estou na fossa?

Meu irmão levantou no sofá e segurou meu rosto entre as mãos.

- Meu amor, você acha que eu dou ponto sem nó? O seu namorado talvez esteja lá.
- Como você tem tanta certeza?
- Certeza eu não tenho. Mas eu contei para minha gata a história e ela vai tentar arrastar ele para lá.
Eu não estava acreditando que ele realmente queria que eu fosse. Depois de alguns minutos tentando sem sucesso tirar essa idéia da cabeça dele eu mesma acabei me convencendo. Coloquei uma roupa qualquer pois não estava com muita paciência para me arrumar, e saí com ele.

- Só me diz uma coisa... se ele não estiver lá, eu vou ter que ficar fazendo vela entre vocês dois?
- Ele vai estar, Kristen. A Ashley pode ser bem convincente quando quer. Mas se ele por algum acaso não estiver a gente volta, ok?
- Ok.

Nós fomos para o bar combinado e tivemos que ficar esperando por eles. Eu acabei pedindo um refrigerante, pois não queria estar bêbada quando ele chegasse. Tinham se passado uns dez minutos quando ele chegaram. Eu gelei com a latinha de refrigerante na mão quando o vi. Ele parecia estar bem surpreso da minha presença ali e fechou a cara assim que me viu.

- Eu vou embora, Tom.
- Ficou louca?
- Ele não quer me ver, não percebeu a reação dele?

Eu falei prendendo o choro na garganta enquanto evitava olhar nos olhos dele. Os dois se aproximaram e ela sorriu para mim.

- Oi cunhada! Eu posso te chamar assim, né?
- Eu acho que sim...
- Oi Tom, oi Kristen.

Rob falou secamente, sem me encarar. Ashley beijou meu irmão na boca e eu fiquei sem graça com aquilo.

- Eu acho que já vou mesmo.
- Não por mim, Kristen.

Robert falou me olhando dessa vez.
Robert sentou na cadeira ao meu lado e pediu uma bebida ao barman. E eu quis puxar assunto com ele, mas o medo de levar uma patada era maior. Eu apenas continuei bebendo o meu refrigerante e suspirei.

- Tudo bem?

Eu nem acreditei que ele realmente estava puxando papo comigo. Olhei para o lado e encarei seu rosto.

- Tu-tudo bem... e você?

Ele passou a a mão nos cabelos e olhou na direção do copo.

- Estou indo.
- Eu realmente não queria vir, ok? Foi meu irmão que praticamente insistiu.
- Kristen, Está tudo bem. Se você quer saber, não estou com raiva de você. Eu só estou... magoado com tudo isso.
- Não tiro a sua razão, mas queria que você soubesse quem eu realmente estou arrependida pelo que fiz. Eu confio em você... é só que a curiosidade foi maior.

Ele me olhou e vi um quase sorriso querendo aparecer no seu rosto, mas então ele desviou o olhar e o sorriso desapareceu.

- Posso só fazer uma pergunta?
- Claro.
- Você ainda me ama, ou isso mudou?

Fiquei esperando pela resposta enquanto ele balançava o copo olhando para o líquido dentro.

- O que eu sinto por você não mudou, ok?

Robert deu um último gole na sua bebida e levantou, tocando o ombro de Ashley.

- Já estou indo,ok? Boa noite para vocês.

0 comentários :

Postar um comentário