Kiss me - Capitulo 12


Fiquei uns segundos sem reação, vendo ele se afastar com Megan e Nikki. Ele tinha uma mão nas costas da vadia, guiando-a por entre as pessoas.

- Senti uma tensão no ar? - Jensen chegou perto de mim. - Ou é pura impressão minha?
- Não é nada demais... São só... uns problemas mal resolvidos.

Ele balançou a cabeça em sinal positivo e notei seu corpo se mexendo devagar.

- O que é isso?

Ele abriu um sorriso como se fosse óbvio o que estava fazendo.

- Dançando, o que mais seria?

Ah sim, dançando. Mas parecia um pedaço de carne se pendurando no açougue, porque um bando de mulheres chegou perto, lançando olhares sensuais para ele e mortais para mim. Cheguei até a me arrepiar.

- Eu acho melhor... não ficar muito perto de você.
- Por que? - ele franziu a testa perguntando.
- Porque não quero morrer pisoteada ou espancada... - olhei para a direção delas e ele olhou também, rindo.
- Já estou acostumado, isso é normal.

Só eu que não me acostumava. Será que eu poderia conhecer um cara anônimo que não arraste um quarteirão de calcinhas por onde vai? Jensen segurou na minha cintura e me virou de frente para ele.

- Posso?

Quem pergunta depois de ter feito? Eu hein. Sorri apenas, me movendo devagar por causa da vergonha. Ele dobrou um pouco os joelhos, abaixando um pouco mais e ficando quase da minha altura. Eu disse quase, porque ainda assim ele ficava mais alto que eu.

- Esse seu vestido... é bem... instigante. - o loiro passou a ponta da língua pelo lábio inferior, olhando para meu corpo.
- Gosta dele?

Ele se aproximou e encostou o rosto no meu, chegando a boca até meu ouvido.

- Na verdade, gosto mais do que tem por baixo dele.

Música (Akon - Don't Matter):

http://www.youtube.com/watch?v=HiBcQeIax4g

Ele sorriu, iniciando uma risada, provavelmente pela cara que eu fiz. Meu queixo acho que caiu e eu não conseguia desviar os olhos do rosto dele agora.

- Ficou sem resposta?
- Eu... - fiquei, né? Não achei nada para falar.

Ele trouxe a mão até meu pescoço, tocando minha pele e tirando uns fios de cabelo grudados ali.

- Está com calor? Está suando...
- Um pouco.

O lugar já estava cheio, e naquele clima ali, era óbvio que eu estava com calor. Meu instinto feminino estava ali, pronta para atacar, mas meu coração, estava longe. Ele passou a mão pela minha nuca e encostou a garrafa gelada da cerveja no meu braço, me fazendo arrepiar até os pêlos da periquita.

- Posso perguntar uma coisa?
- Pode.
- Qual seu nome mesmo?

OMG. Tinha esquecido desse detalhe! Sorri sem-graça para ele.

- Kristen. Desculpe não ter me apresentado que nem uma pessoa normal.
- Sem problemas, linda. Kris-ten. Bonito nome!

Agradeci com um sorriso. Ele deu um gole na cerveja e colocou a garrafa vazia em cima de uma bandeja que passava.

- Outra pergunta?
- Claro.
- Está solteira aqui, né?
- Sim.

Achei melhor não falar sobre o papo do namoro recém-terminado. Jensen abaixou-se um pouco mais, ficando com o rosto grudado no meu, narizes se tocando e me deu um selinho.

- Se quiser me retribuir... - ele sorriu esperando.
Música (Rihanna - Don't Stop The Music):http://www.youtube.com/watch?v=xsRWpK4pf90

Ele ficou esperando minha reação, com a boca carnuda entreaberta. Senti que parecia um tipo de imã que me atraía naquela direção. Eu sorri, olhando para baixo, envergonhada e movi a cabeça na sua direção, tocando de leve nos seus lábios, pronta para colocar logo minha língua à procura da dele. Então de repente um corpo chocou-se ao meu e fui ferozmente beijada. Foi tão rápido que não vi na hora, mas agora eu sabia que era Robert, que me puxou na hora que eu beijei Jensen. Ele segurava meu rosto com as duas mãos, percorrendo o interior da minha boca com sua língua que eu conhecia muito bem. Quando ele me soltou, eu fechei a cara.

- Que droga é essa, Rob?
- Pensa que vou deixar você se agarrar com outro, Kiki?
- Nós não somos mais namorados, lembra? Você me chutou!

Ele passou a mão pelos cabelos e tinha uma cara de irritado com o que eu acabara de falar. Jensen parecia estar puto com o fato de eu ter sido agarrada na minha frente e agora cutucava o ombro de Robert.

- Só... um minuto, Jense.
- Está tudo bem? - ele me perguntou.

Robert respondeu antes de mim, sem virar para trás para olhá-lo.

- Está tudo ótimo, Jens. Me amarro na tua, mas se você encostar de novo na MINHA namorada, vou ser obrigado a te meter a porrada.
- Sua namorada? - ele me olhou surpreso e fechu a cara. Estou saindo! - Jensen levantou as mãos em sinal de paz e foi embora.

Quando ele se afastou o suficiente, eu dei um tapa no rosto de Robert, que me olhou sorrindo depois.

- Tapa de amor, Kiki?
- O que você acha que está fazendo? Acabou de me fazer passar vergonha! Ele deve estar pensando que eu sou uma vagabunda!

Rob franziu a testa.

- Eu posso quebrar a cara dele por ele estar pensando mal de você, quer?

Ugh!!!! Raiva!
Música (Rihanna - Unfaithful):http://www.youtube.com/watch?v=v_4-zRVFLnY

Longos segundos se passaram enquanto nós apenas nos olhávamos. Me senti no faroeste, encarando o inimigo e me preparando para sacar a arma antes dele. Eu podia ouvir meu coração batendo acelerado. Eu via a gota da minha saliva no canto dos lábios dele. Seus olhos estavam parados nos meus. As pessoas em volta, viraram simples borrões, pois no momento, eu só via Robert Pattinson. Ele passou devagar a língua pelo lábio superior e depois desceu para o inferior, enfiando os dedos devagar pelos cabelos. Pirei. Não tinha jeito, ele era o meu combustível.

- Eu te odeio, Pattinson!
- Eu te amo, Kristen.

Ele falou me encostando na parede atrás de nós e me alisando as laterias do meu corpo, levantando levemente meu vestido. Eu segurei sua cabeça e agarrei seus cabelos com uma das mãos, puxando levemente e inclinando a cabeça dele para trás.

- Ai ai ai!
- Sente dor? Não é nem de perto o que me fez sentir!

Ele sorriu e puxou a cabeça de volta, me encarando.

- Não farei sentir mais. Prometo.

Ele então me beijou devagar, abrindo minha boca com a sua. Brincamos com nossos lábios e então nos beijamos de língua. Abrcei-o e puxei seu corpo para o meu, enfiando meu rosto do vão do seu pescoço. Eu senti que ele fez o mesmo e me molhou.

- Rob? Está... chorando?
- Não.

Eu levantei a cabeça e encostei de novo na parede, olhando-o e vendo ele enxugar os olhos. Não pude deixar de rir.

- Olha só quem está chorando...
- Não estou. Foi uma merda... de um cisco.
- Sei.

Ele me olhou sério e beijou a ponta do meu nariz, entrelaçando seus dedos nos meus.

- Me perdoa?

Eu perdoei no momento em que ele me tirou de Jensen. Mas apenas consenti com a cabeça, voltando a abraçá-lo.
Música (Jordin Sparks feat. Chris Brown - No Air):http://www.youtube.com/watch?v=b-KT-uID_88

Nós saímos correndo de lá antes que Tom nos visse juntos de novo. Entramos no carro dele, que saiu cantando pneu.

- Não temos nenhum incêndio para apagar, Robert. Quero chegar viva...
- Quem disse que não temos?

Ele me olhou com aquele sorriso torto e cínico que só ele sabia dar. Perdi o ar, lembrando como era olhar de tão perto para ele, como se eu tivesse ficado meses longe.

- Onde estamos indo?

Perguntei e o fiz dar uma risadinha baixa. Ele acelerou e me olhou de canto de olho, trazendo uma mão até minha coxa.

- Para minha cama.

Era isso então que ele tinha em mente? Me comer? Fiquei magoada por ele me ver apenas como um pedaço de carne e virei a cara para olhar lá para fora. Sua mão apertou minha coxa e ele virou o rosto totalmente.

- Falei algo errado?
- Olhe para a estrada, Robert.
- O que foi?

O que foi... Ainda por cima fingia não saber...

- Nada. Só... Chegue logo no hotel para eu fazer meu trabalho.
- Seu trabalho?

Ele diminuiu a velocidade e parou no acostamento, virando o corpo para me olhar de frente.

- Vê isso como um trabalho, Kristen?
- Não. Não via até você me fazer perceber que eu só sirvo para isso.
- Quem disse?
- Você. Acabou de dizer.

Eu não queria olhá-lo. Ele encostou a cabeça no banco e riu.

- Mas de onde você tirou essa loucura?
- Da sua boca! Não sou eu que quero me levar para a cama!
- Ah! É por isso?

Ele tirou o cinto e inclinou-se na minha direção, aproximando-se do meu rosto.

- Só estou com saudades do seu corpo... Mas não precisamos fazer isso se você não quer.

Sua mão alisou meu cabelo e ele me beijou no rosto, voltando para o lugar e ligando o carro.
Música (JoJo - Too Little, Too Late):http://www.youtube.com/watch?v=xpPC-sEu060

O que? Agora ele seria o mártir da situação? Olhei discretamente para ele, que dirigia calado, ainda com a mão na minha coxa. Meus olhos desceram sem querer para seu pescoço e procuraram pelo seu peito. A camisa perfeitamente lisa delineava os poucos músculos dele. Que se dane! Eu era mesmo viciada em Robert Pattinson, a quem eu estava querendo enganar?

- Kiki?

É, ele se assustou quando eu soltei o meu cinto e subi no colo dele, tampando a visão da estrada. Eu senti o carro em zigue-zague quando afundei meu rosto no pescoço dele e beijei.

- Quer nos matar?

Ele se esforçava para olhar a rua, dirigindo todo torto enquanto eu sentia seu tesão crescendo embaixo de mim.

- Quero você. Aqui e agora, Robert.

Ouvi o barulho estridente da freada do carro e senti suas mãos subindo pelas minhas coxas e levantando junto o meu vestido.

- Você é maluca, né? Sem saber o que quer...
- Já disse o que quero!

Ele sorriu lindo e mordeu meu lábio inferior, chupando-o em seguida. Ele estava com dificuldades para subir direito o meu vestido, que era bem justo no corpo.

- Como abre essa droga?

Não precisei responder. Estava agarrando os seus cabelos quando ele encontrou o zíper nas minhas costas e abriu totalmente, puxando-o dos meus ombros e descendo o tecido pelo me corpo. Suas mãos me levantaram do seu colo e eu o ajudei toda atrapalhada, a puxar o vestido pelas minhas pernas. O pobre já estava suando.

- Espero que você nunca mais use uma roupa tão difícil!
- Prometido.

Calei a boca resmungona dele com um beijo, enrolando minha língua naquela outra ágil. Ele abriu sua calça e abaixou um pouco a cueca, colocando aquela coisa dura para fora.
Música (Janis Joplin-Try):http://www.youtube.com/watch?v=792tJkcNzY8

Ele pegou na minha cintura para me encaixar nele, mas eu dei um tapa nas suas mãos.

- Eu controlo hoje, Robert.
- Você... o que?

Ele parecia não estar acreditando, franzindo a testa para me olhar. Sorri sacana e segurei suas duas mãos, esticando-as ao lado do seu corpo.

- Eu c-o-n-t-r-o-l-o. Entendeu?
- Perfeitamente.

Ele respondeu, levantando um pouco o quadril para me pressionar com seu membro. Apoiei minhas mãos em seus ombros e sentei devagar, sentindo cada pedaço meu sendo preenchido por ele. Não me movi, fiquei parada por uns segundos, e grudei em seu peito, beijando seu pescoço bem lentamente, passando a ponta da minha língua pelo contorno do lóbulo de sua orelha.

- Está tentando... me torturar, Kiki?
- Não, amor, não estou tentando. Eu realmente estou fazendo.

Ele me olhou com os olhos estreitos e pequenos, mordendo a boca e me dando uma estocada. Ok, não sou de ferro. Agarrei aquele pescoço que sustentava aquele rosto perfeito e levantei o quadril, para descer de novo, rápido. Ele gemeu alto e agarrou o volante, jogando a cabeça para trás.

- Assim você vai ter que gozar sozinha, já que eu vou estar morto.

- Não morra ainda...

Segurei seu rosto com as mãos e beijei sua boca. Percebi que Robert não mais segurava o volante. Ele agora segurava a minha bunda, afastando as nádegas a cada vez que eu voltava a sentar nele. Aquilo só me deixou mais excitada e eu falei sussurrando no seu ouvido.

- Agora... você pode me comer do seu jeito. Já brinquei.
Ele me olhou como um caçador olhava sua caça indefesa e machucada. Eu senti a luxúria transbordando naqueles olhos que brilhavam. Robert me deu um tapa leve na nádega direita e segurou com força meu quadril, me mexendo de um lado para o outro em cima dele. OMG. Aquilo era bom! Eu me vi sendo levantada e abaixada num ritmo mais rápido que o normal e sentia minhas pernas tremendo involuntariamente. Minha respiração falhava enquanto eu tentava gemer ou pronunciar algum outro som. Robert em nenhum momento cansou o diminuiu o ritmo, ele parecia um animal. Então quando eu achei que não conseguiria mais raciocinar direito, ele me afastou um pouco, me encostando no volante e continuando os movimentos, mais lentos dessa vez. Sua boca sugou meu seio, contornando o mamilo com a língua.

- Eu. Te. Amo. Sua tonta!

Gozei gritando e quase arrancando aqueles cabelos bagunçados.
Música (Scorpions - Still Loving You):http://www.youtube.com/watch?v=3uNyPefjS88

Esperei alguns minutos até Robert gemer baixo e me invadir com seu líquido morno, deitando a cabeça entre meus seios. Nós ficamos um pouco ali naquela posição, calados, com ele ainda dentro de mim. Só em tê-lo grudado em mim, já era mais do que eu poderia imaginar um dia.

- Vamos embora?

Ele falou tão baixo que o som do carro quase não me deixou escutar.

- Podemos ficar um pouco mais? Assim?

Perguntei enquanto fazia cafuné nele, que apoiou o queixo em mim para me olhar. Ele estava tão feliz quanto eu. Ganhei selinhos nos dois seios e então ele se ajeitou no banco e me puxou. Eu quase agradeci, já que minha coluna estava indo embora com aquela posição terrível que ele tinha arranjado. Passei meus braços em volta do seu pescoço e deitei minha cabeça no seu ombro. Eu poderia ficar para sempre ali, com aquela música ambiente e a pessoa que eu amava colada em mim. Robert traçava a linha da minha espinha com um dedo, me arrepiando.

- Nunca mais duvide de mim, Kiki. Eu sou homem de uma mulher só. Nunca fui cafajeste.

Por que raios ele estava falando aquilo? Eu já tinha perdoado ele há horas atrás! Afastei meu rosto para poder olhar o seu, que estava molhado.

- Chorando de novo, Rob?

Ele deu de ombros e desviou os olhos.

- E se for? Serei gay?
- Não! - passei um dedo pelo caminho da última lágrima que escorreu e beijei seu olho. - Homens também podem chorar. E se eu fico tão louca de ciúmes assim, é porque eu não consigo imaginar outra mulher encostando no homem mais perfeito do mundo. Que por sinal, é meu.
- Você já tem outro, Kiki?

Hahá. Muito engraçado. Ele tinha arregalado os olhos, mas depois sorriu, tirando meus cabelos dos meus ombros.
Estávamos no quarto dele, deitados, apenas abraçados. Ele fazia círculos com o dedo pela minha barriga enquanto eu mexia no seu cabelo. Eu amava mais aquele cabelo do que a mim mesma, eu acho.

- Está acordada ainda?
- Uhum...
- Viajo na sexta-feira, Kiki. - ele falou baixo. - As filmagens vão começar.
- Eu sei.

Não quis demonstrar, mas eu tinha medo disso. Hoje era sábado e parecia que a sexta chegaria num pulo, me aterrorizando. Rob estava com a cabeça nno meu peito e levantou-se, sentando na cama para me olhar sério.

- Isso significa que nós vamos ficar longe. E eu estarei fazendo cenas românticas com Megan.

Megan. Só o nome já dóia minha cabeça. Fechei os olhos para visualizá-la. Queria cortar cada pedacinho daquela pele morena dela.

- Kiki?
- Oi.

Tinha perdido a noção de quanto tempo havia ficado de olhos fechados. Ele me olhava preocupado, jogando o cabelo para trás.

- Você vai ficar bem com isso?
- Não. Mas... não tenho escolhas, não é?

Ele confirmou com a cabeça e puxou meu rosto entre as mãos.

- Você só tem que acreditar que eu te amo. E só.
- Mas é que as pessoas falam, sabe? Sobre vocês dois...
- Eu e Megan não temos nada, Kiki. O que você tinha para saber, já sabe. E as pessoas falam porque são fãs do filme, querem ver o casal junto. É natural.

O que eu podia falar? Que ele estava mentindo? Não, né? Minha única opção era acreditar naquelas palavras e ficar quieta. Beijei sua boca, ajoelhando na cama para ficar da altura dele.

- Eu não vou te dar trabalho. Vou ficar quietinha na minha, prometo.
- Além do mais, eu vou tentar te levar de vez em quando lá... Pelo menos para passarmos algumas noites juntos. Ok?
- Ok.

Ele me abraçou e me empurrou de costas na cama. Nós caímos rindo no colchão.
Estava dormindo quando meu celular vibrou. Ele estava embaixo do meu travesseiro, então não precisei de muito esforço para pegá-lo.

"Onde a senhorita está, posso saber?"
- Ow.
- Hum... que foi?

Rob abriu os olhos, bocejando e pegou o celular da minha mão.

- Ninguém avisou para o Tom que são 04h da madruga?

Ele começou a digitar alguma coisa no aparelho.

- O que está fazendo?
- Respondendo.
- Robert!

Me joguei em cima dele para tentar arrancar o celular das suas mãos.

- Não. Peraí, Kiki!
- Para! Não faz isso, ficou louco?
- Não estou respondendo nada demais. Só estou dizendo que você está comigo.

Eu ia matar Robert Pattinson. Não! Meu irmão iria invadir o hotel com um fuzil e iria matar Robert Pattinson, isso sim.
Eu fechei os olhos tentando parar o mundo quando Rob apertou o botão de enviar. Ele me devolveu o telefone e me beijou.

- Podemos voltar a dormir.
- Você não fez mesmo isso, fez?
- O que?

E lá ia ele passando a mão naqueles cabelos!

- Mandar mensagem dizendo que estou contigo...

Rob subiu em cima de mim com o olho quase fechado de sono e beijou meu rosto.

- Nós somos namorados, não somos?
- Rob... nós acabamos de terminar... isso é conturbado.
- Mas voltamos já. É o que importa.

Vamos ver se Tom ia pensar dessa forma também. Meu celular vibrou uma vez. Duas vezes. Quando eu estava pegando ele de volta, ele já estava vibrando pela terceira vez.

"Eu não acredito que você saiu com ele e nem me avisou, Kristen!"

"Avise a esse cara que eu vou meter a porrada nele se ele encostar em um fio de cabelo seu, ouviu?"

"Não avisa, não. Descobri onde é o hotel. Eu digo pessoalmente!"

Oh shit! Droga! Empurrei Robert rápido de cima de mim.

- Onde é o incêndio?
- Vai ser aqui, quando Tom chegar!
Ele me olhou tonto de sono e sentou na cama.

- Traduza, Kiki...
- Robert, Tom está vindo para cá! O que mais eu preciso traduzir?
- Ahhh porra! Se ele vier fazer barraco no meu hotel...

Ele levantou e começou a dar socos no ar. Eu estava no meio de dois brigões, né? Eu mereço! Pensei em puxar ele e sair rápido do hotel, mas puxar o que? Se ele ainda estava pelado?

- Rob, vista logo uma roupa. Vamos sair daqui!
- Sair daqui? Ficou louca, Kiki?
- Não. Louco estava você quando respondeu a mensagem!

Fui abraçada por ele, que me beijou daquele jeito que me tirava o fôlego. Não... não passa a mão na minha bunda...

- Rob!

Consegui me concentrar no que realmente importava. Ele revirou os olhos e esfregou os cabelos.

- Kiki, não vou fugir do hotel por causa do Tom. Ele quer vir? Que venha!
- Mas eu não quero vocês dois brigando...
- Por mim não vai ter briga. Posso conversar que nem homem com ele. Mas se ele não se garante nas palavras e já vier com socos... Vai levar também.

Ele pegou uma calça jogada em cima da poltrona e vestiu. Até subindo o fecho da calça, Robert Pattinson conseguia ser sexy.

- Sem cueca, Rob?
- Fica mais fácil de pegar você quando ele for embora.

Oi?
Estava suando. Robert, ao contrário de mim, estava tranquilo, deitado na cama assobiando. Será que ele tem amor à vida?

- Rob?
- Oi.
- Está tranquilo?
- Claro!

Meu estômago revirou quando o telefone do quarto tocou e ele atendeu.

- Pode deixar subir.

Meu irmão ainda era educado. Ele ligava na recepção avisando que veio dar porrada. Legal, não? Robert levantou da cama e alongou o pescoço, fazendo barulho de coisa estalando.

- Rob... sem brigas...
- Aham.

A campainha do quarto tocou e meu coração acelerou. OMG. É agora! Ou perco um irmão ou fico viúva antes de casar. Ele foi abrir a porta e eu o puxei pelo braço.

- Deixa que eu abro.

Não queria Rob levando um soco no meio daquele rosto tão perfeitinho. Quando abri a porta, Tom parou o punho no meio do caminho. Escapei por pouco.

- Kristen!
- Tom, calma... Eu ia avi...
- Você é um homem morto, Pattinson!

Ele entrou no quarto passando por mim como se eu não existisse e foi em cima de Robert, que já estava preparado. OMG.
Os dois se chocaram e Tom tentou acertar um soco em Rob, que se esquivou. Quando eu vi eles já estavam abraçados tentando se socar nas laterias. OMG, virou luta-livre?

- Se vocês não pararem, eu vou chamar os seguranças do hotel!

Eles pararam? Claro que não, né?

- Tom! Robert!

E vácuo total. Robert acertou Tom no nariz e eu vi sangue escorrer na camisa dele. Fiquei com pena do meu irmão. Mas logo fiquei com raiva de novo quando ele socou o queixo do Robert, que cuspiu sangue. Ah cacete! Peguei o abajour do quarto e fui meter a porrada nos machos. Ops. Quebrei o abajou nas cabeças deles, que pararam para me olhar.

- Que porra é essa, Kristen!
- Kiki?

Rob passou a mão nos cabelos para tirar os pedaços do abajour. Tom veio que nem uma fera para cima de mim. Achei que ele fosse me bater, mas ele tirou o que restou do abjour da minha mão.

- Bate de novo em mim para você ver...
- Pode bater, Kiki... vamos ver se ele vai encostar em você...

Os dois voltaram a se olhar e já iam se atracar de novo quando eu tive a brilhante idéia da "donzela em perigo" e desmaiei.

- Kiki?
- Kristen?

Melhor ficar um pouco de olhos fechados, né?
Eles me sacudiram algumas vezes e eu contei até dez antes de abrir os olhos. Rob e Tom me olhavam preocupados.

- Ai...

Drama é tudo na vida, minha gente!

- O que houve, amor?
- Não chame-a de amor!
- Cala a porra dessa boca, seu corno!
- Corno é você! Ou seria, se Kristen não tivesse trocado o Jensen por tu!

Ah meu deus... lá vinha tudo de novo...

- Ai, socorro!

Levei a mão para trás da cabeça fazendo cara de dor. Eles me levantaram do chão e me colocaram na cama, sentada.

- Vou te levar ao hospital.

Como Tom era exagerado... Rob deu um tapa na mão dele e me segurou na cintura.

- O remédio dela sou eu, imbecil!

Cogitei a hipótese de fingir outro desmaio e não abrir mais os olhos por lagumas horas. Pelo menos não teria que ver as caras emburradas na minha frente.

- Tom... por favor... eu estou bem e estou feliz agora... Nós já nos entendemos.
- Ouviu? Ela é mais nova, porém, mais sábia que você!
- Robert! Por favor também?
- Ok.

Olhei para Tom, que não me respondeu. Fiquei surpresa com o beijo que ele me deu na testa, antes de virar as costas para ir embora.

- Vou te respeitar, Kris. Mas não vou aturar você chorando de novo por ele.

Ele saiu do quarto e o clima amenizou.
Robert estava me olhando com cara de cão carente e já começava a desabotoar a calça.

- Não estou no clima, Rob...
- Oi?

Me joguei de costas na cama com raiva de tudo aquilo. Era um saco irmão e namorado brigando desse jeito. Senti Rob subindo em cima de mim e beijando meu ombro.

- Como assim não está no clima? Brigas me deixam com tesão, Kiki.
- Só se for só contigo. Porque eu não me excito com vocês dois discutindo. E por falar nisso...

Puxei seu rosto e olhei sua boca sangrando.

- Ah estou bem!
- Nota-se. Vou molhar um pano para limpar o corte...

Tentei levantar mas ele não deixou. Me olhou sorrindo torto e grudou a boca na minha.

- Por que não tenta limpar com a boca, amor?

Beijei de leve o lábio machucado e depois agarrei ele para beijar com vontade. Sua mão foi rápida para o botão da calça e eu tive que rir, dando um tapa de leve no peito dele.

- Já disse que não estou nesse clima, sossega!
- Saco!

Ele levantou e sentou na cama de braços cruzados, que nem criança quando faz birra.
- Não acredito que estou sendo rejeitado por causa do Tom!
- Não é por causa unicamente do Tom. Você deu o primeiro soco, não foi?
- Só estava me defendendo, Kiki. Ou você queria que eu desse o rosto para ele bater?

Eu sei que estava sendo irracional, mas é que eu ficava tensa demais com essa situação entre eles. Quando eu achei que Tom já estivesse tranquilo com tudo, Robert vai e termina comigo. Aí quando eu acho que Tom está bem comigo, Robert vai e reata comigo.

- A culpa é toda sua!

Falei manhosa e joguei um travesseiro em cima dele, que levantou mexendo nos cabelos.

- Vou tomar um banho frio e já volto.

Ele estava visivelmente irritadinho. Que se dane! Pensasse duas vezes antes de mandar a mensagem para Tom. Acabei pegando no sono facilmente pelo tanto que ele demorou dentro daquele banheiro. Acordei com um beijo na boca e um cheiro de café fresco.

- Bom dia, flor do dia!
- Que cheiro é esse?
- Já pedi o café da manhã, para você se alimentar bem.
- Qual a armadilha, Rob?

Ele riu para não ser pego na mentira e deu de ombros.

- Nenhuma ué.
- Nós não vamos transar.
- Puta que pariu hein Kristen!
Eu levantei para pegar o copo com o chocolate quente e ele pegou antes de mim.

- Já que você não vai fazer nenhum esforço, acho que não precisa disso.

O filho da mãe bebeu quase num gole só todo o conteúdo do copo, me dando água na boca.

- Quantos anos você tem, Robert?
- 10.

Que raiva dessa pessoa!

- Sério que nós vamos ficar nessa briguinha?
- Não, eu tinha outros planos para nós, mas você não quis cooperar.
- Deve ser porque eu não sou uma boneca com botão de liga e desliga!

Passei por ele, esbarrando de propósito e fui catar minhas coisas. Quando me abaixei para pegar minha sandália, senti ele me abraçando por trás, roçando em mim.

- Eu vou viajar em poucos dias, Kiki... Tem certeza que quer ficar brigada comigo?

Robert Pattinson era uma pessoa extremamente irritante! Levantei devagar, empinando minha bunda para trás afim de deixá-lo mais louco.

- Não sei se tenho certeza. Mas antes de pensar nisso, vou tomar um banho.
- Vou junto então.
- Não vai não.

E ele não foi, porque eu me soltei de seus braços e me tranquei no banheiro.

- Você vai sofrer quando sair daí, Kristen!
Demorei anos-luz naquele banho. Acho que nunca gastei tanto um sabonete, pois queria fazê-lo sofrer esperando por mim. Lavei meu cabelo umas três vezes só de sacanagem. Mas quando eu abri a porta, percebi que era eu quem sofreria. Robert estava sentado numa cadeira em frente ao banheiro, sem camisa. Ele tinha vestido uma cueca, mas com a calça por cima, levemente caída, deixando a cueca aparecer.

- Banho rápido, não é, Kiki?
- Demorei um pouco mais, desculpe.
- Tudo bem.

A pegada que ele deu nos países baixo, foi um péssimo golpe. Senti minhas pernas bambas e minha boca abrindo devagar.

- Perdeu alguma coisa aqui, Kiki?

O "aqui" dele foi com direito a outra pegada forte. Eu suei em ver essa cena.

- Não.

Robert levantou e veio andando na minha direção enquanto passava a mão pelos cabelos.

- Lavou tudo direitinho?

Eu só conseguia olhar para aquele quadril com a calça quase caindo e a cueca branca aparecendo.

- Aham.
- Lavou ela também?
- Aham.

Ele soltou minha toalha e se afastou para me conferir melhor. O sorriso torto dele brotou no seu rosto e então ele virou de costas.

- Estou sem vontade agora.
Eu não acredito que ele estava virando o jogo desse jeito! Robert pegou uma camisa em cima da cadeira e começou a desvirá-la do avesso.

- Isso é vingança, Rob?
- Sobre?

E ainda se faz de cínico o filho da mãe.

- Me deixar na vontade.
- Você está com vontade? Nem imaginei.

Ugh! Como eu pude cair nesse joguinho ridículo dele? Era óbvio que ele tentaria se vingar!

- Ok, vou para casa então... Tenho umas coisas para resolver.
- Até mais, querida.

Peguei minha roupa e vesti a calcinha. Rob me olhou cínico e se aproximou, segurando minha mão.

- Acha mesmo que eu vou te deixar ir embora?
- Para que me quer aqui?

Ele sorriu e me puxou os cabelos, beijando minha orelha e passando a língua pelo meu lóbulo.

- Te quero aqui para te ter!

Ele falando assim tão carinhoso... Eu podia ficar então. Pattinson começou a abaixar e me beijou por cima da calcinha, usando a língua por cima mesmo do pano. Deus! Já estava com calor.
- Você hein Kiki... mal te toquei e já está assim molhadinha?
- Uhm...
- Você tem que aprender a ter mais controle...

Ele estava me irritando, sussurrando na minha calcinha, pegando o pano com os dentes e soltando, passando a língua pelo elástico. Eu queria que ele me possuísse tipo, agora! Puxei seus cabelos mas ele tirou minha mão, rindo.

- Apressada... Deixe-me brincar um pouco. Ela está com cheirinho de sabonete...

Senti seus dedos afastando a calcinha e sua língua entrando.

- Rob!

Meus joelhos falharam e eu senti ele me segurar para não cair. Ele realmente não podia estar querendo que eu ficasse em pé enquanto fazia isso, não é?

- Hum, Kiki... ela está tão meladinha...

Ele me chupava com vontade quando resolveu passear alguns dedos por lá também. Minhas pernas já não aguentavam mais quando Rob levantou e me pegou no colo, sussurrando no meu ouvido.

- Ok, ok... Eu te como na cama mesmo.
- Se você continuar falando assim comigo... Eu não vou te esperar para gozar...

Ele beijou rápido minha boca quando eu acabei de falar e me jogou no colchão, ajoelhando e abaixando a calça junto com a cueca.

- Kiki... Você é uma menina má!
Ele abaixou a calça até o meio das coxas e abriu minhas pernas! OMG! Me sinto no cio! Imaginei como seria sua reação se eu brincasse com ele. Fechei as pernas e fiz bico.

- Quero mais não. Passou a vontade...
- Só lamento!

Ele abriu de novo minhas pernas e veio com tudo para dentro de mim. GOD! Arranhei suas costas, começando lá da bunda arrebitada e vim subindo enquanto ele estocava fundo em mim.

- Estou começando a te achar uma safada, Kiki!

Rob disse segurando meu cabelo e puxando minha cabeça para o lado, lambendo meu pescoço. Eu gemi de prazer sentindo ele tão profundo em mim.

- Devo ser... mesmo...
- Mas só minha, não é?
- Sempre...

Ele sorriu e me olhou, me beijando manso, passando a língua pelo contorno da minha boca e rebolando em cima de mim.

- Bem... se eu sou... safada... você...

Não sei de onde eu tirava fôlego para falar, enquanto seu corpo chocava-se no meu, fazendo o barulho molhado ecoar pelo quarto.

- Você... é um... cachorro...

Ele não respondeu, apenas sorriu torto e chupou meus seios, mordiscando os mamilos.

- Ow! Merda!

Não era merda não, mas deu vontade de gritar isso quando meu corpo teve espasmos incontroláveis! Ele tirou rápido e veio ajoelhando para mais próximo do meu rosto. Eu já sabia o que ele queria.

- Quero ele inteiro na sua boca. Agora!

Tão burrinho... Nem precisava ter pedido. Lambi o comprimento devagar e abocanhei depois com vontade. Rob segurou meus cabelos para fazer o movimento de vai-e-vém, me deixando sem ar. Ele era lindo jogando a cabeça para trás e gemendo, com minha boca em volta dele. Eu amava isso! Me sentia poderosa!

- Céus, Kiki! Que boca foda! Literalmente!

Seu membro saiu rápido da minha boca e ele gozou na minha barriga, esfregando-o na minha pele suada.
Ele sorria para mim enquanto mexia o dedo pela minha barriga melada.

- Sabe o que estou fazendo?
- Não...
- Gravando a letra R bem grande na sua barriga. Com meu gozo. E não quero que tire!

Eu ri daquilo e ele deitou ao meu lado, sério, olhos estreitos.

- Posso saber qual a graça? Estou falando sério, safada!
- Sim senhor, não vou apagar. Só no banho...
- Não tome banho então.

Seu olhar matador para mim fazia meu coração acelerar. Nossa, Robert Pattinson era gostoso de tudo que é jeito, até querendo ser meu dono! Virei meu corpo e subi em cima dele, beijando aquela boca deliciosa.

- Não tomo banho, não apago nada, não faço nada que você não queira!

Ele riu e apertou minhas coxas.

- Eu não quero que você saia de cima de mim.
- Seu desejo é uma ordem!

Inclinei-me para morder seu pescoço e seu peito, quando senti o bonitão acordando novamente. Robert era rápido no gatilho!
- Você me quer, Rob?
- Não, imagina...

Ele segurava forte nas minhas coxas, marcando minha pele com seus dedos. Rob mordia os lábios enquanto esboçava um sorriso sacana. Eu desci um pouco pelo seu corpo, procurando o bonitão para me encaixar, mas parei bem na entradinha.

- Não me zoa, Kiki. Desce logo!
- Hum, hora de uma mulher mandar em você, não acha?
- Não.

Deslizei uma mão pelo seu abdômem arrepiado com meu toque e encaixei um pouco mais em seu membro a ponto de bala. Não desci tudo e ainda por cima, levantei de novo. Ele uivou.

- Vai me ligar todos os dias enquanto estiver filmando?
- Vou, vou.

Desci um pouquinho de novo, contraindo "ela" de propósito. Ele gemeu e me puxou pelo quadril para me estocar fundo. Eu dei um tapa nas mãos dele e as tirei de cima de mim, levantando de novo.

- Você vai ousar olhar para alguma outra mulher?
- Não!
- Vai só pensar em mim?
- Claro!

O bichinho já estava quase chorando, jogando o quadril para cima. Eu desci até o talo e me curvei sobre ele, beijando sua boca enquanto subia e descia o quadril.

- Assim que eu gosto...

Rob ficou louco e agarrou minha cintura, tentando me abaixar mais. Aquilo me machucou e ele notou que eu gemi de dor.

- Desculpa, desculpa.

Seu beijo no meu rosto me fez continuar os movimentos, mais rápidos agora, até sentí-lo me inundar de prazer e gemer alto, beijando minha boca.

- Eu te amo com toda a minha força, Kiki.
- Idem.

Cavalguei mais um pouco, deixando meu corpo tremer sob o dele e caí nos seus braços, sem desencaixar do bonitão.
Nós ficamos até tarde apenas enrolados na cama. Pedimos comida no quarto e só desgrudei dele na hora que precisei ir para casa.

- Tem mesmo que ir?
- Tenho, Rob.
- Não dá para voltar ainda hoje?
- Mas já são 20h e eu ainda nem cheguei em casa!
- Kiki... você pode voltar a hora que for...

Céus! Ele não cansava nunca não? Beijei seu rosto e ri no seu pescoço imaginando se Robert fosse mesmo que nem o Edward.

- Qual a graça?
- Só estou pensando... Se sendo normal você não cansa... Imagina se fosse vampiro...
- Aprendi com Edward, querida.
- Sei.

Me despedi dele e fui para casa. Na portaria, Alfie estava sentado vendo novela mexicana.

- Ó, eles se amam!

Me assustei quando ele assoou o nariz e me olhou com raiva.

- Irmã do demo!
- Hein?
- Vocês dois! São demônios em forma humana! Que espantaram meu rei daqui! Ó, vida infeliz!

Senhor... ajude essa pobre alma a encontra seu macho e esquecer o meu! Passei direto em direção ao elevador e quando cheguei em casa fui logo ver Bené, que estava roncando de barriga para cima... na minha cama????

- Bené!
- Não sei de nada, não fui eu, não estou aqui! Oi?

Ela levantou tonta e olhando para os lados assustada.
A cara-de-pau da aranha suspirou e olhou entediada para mim, alisando seu fio único de cabelo.

- Kristen, estava muito calor para ficar dentro daquele pote!
- Como você saiu de lá? E como nós estamos conversando se eu não estou bêbada?

Ela deu de ombros e sentou na cama.

- Acho que nosso relacionamento está evoluindo!

Céus, eu estou no fim do túnel mesmo, só pode. Um namorado prestes a viajar e uma aranha falante. E folgada, claro.

- Você nem me levou na festa... Nem falo nada... Ingrata!
- Eu nem fiquei muito na festa, Bené.
Não importa!
Ela estava fazendo um drama, com a mão na testa fingindo desmaio. Eu ignorei aquele teatro todo e fui tomar banho. Escutei Bené cantando alguma música country que eu desconhecia e então quase caí dentro do box.

- Oi.

- OMG, Bené! Você resolveu passear agora pela casa?
Só conhecendo novos ambientes... Fica tranquila que eu não sou lésbica, Kristen.
Tive que tomar banho olhando uma aranha quase careca traçando teias no teto do meu banheiro. Taquei um vidro de shampoo nela, que gritou.

- Credo! Olha para onde atira, Kristen!
- Era para acertar em você mesmo!
Euzinha? Por quê?
- Quer parar de fazer teias por aqui?
Oh! Que facada no coração! Como eu posso viver eternamente sem teias, Kristen?
Era tão bom quando eu só a ouvia estando bêbada...
Depois do banho, eu resolvi ir deitar para dormir cedo, mas meu celular comoeçou a tocar. Era uma das meninas da MCF e eu não quis atender. Ignorei a ligação e apaguei a luz do quarto.

- Kristen?
- Oi.
- Estava pensando em tipo... dormir numa cama macia que nem você...

Olhei para Bené, que estava assobiando e olhando para o teto. Cínica!

- Mentira que você quer dormir aqui?
- Não. Só se você me convidar. Não gosto de sair chegando onde não sou chamada, sabe?

Céus! Quando foi que Bené virou uma tremenda cara-de-pau? Virei para o lado e fiz sinal com a cabeça para ela vir.

- Bené, não quero ninguém me abraçando!
- Deus me livre! Só se fosse o Robert!
- Meu namorado?

Ela riu sem-graça e virou de costas.

- Só existe um Robert no mundo, é? Se liga, Kristen!

Me desconcentrei da conversa culta com a aranha, quando meu celular voltou a tocar. Achei melhor atender, pois já vi que não iam desistir de falar comigo.

- Alô.
- Kristen! Tudo bem?
- Tudo indo...
- Nossa! Nós ficamos sabendo da briga lá no Oscar! O que houve com você e Robert?
- Foi tudo muito rápido. Nós terminamos, mas já voltamos...
- Terminaram por qual motivo?
- Adivinha?
- Megan vadia? Droga!
- É, por causa dela sim... Mas como eu disse, nós já voltamos.
- E porque a voz triste? Está na fossa?

Essas meninas eram tão discretas...

- Não. É só que ele vai viajar para filmar, né? E eu vou ficar aqui sem ele... Já estou até vendo que vou morrer de saudades...
- Hum... Nos encontre amanhã, sim?

Tenho medo.
Dormi que nem uma pedra e acordei com o som alto tocando na sala. Precisaria encarar Tom e isso me fazia sentir amarrada a um tipo de círculo vicioso. Brigo, faço as pazes, Rob faz cagada, brigo, faço as pazes e assim por diante. Saí do quarto e fui para a cozinha preparar um café.

- Bom dia.

Vi Tom deitado no sofá vendo televisão e falei com ele, que não me respondeu. Vácuo!

- Sabe, Tom... Eu sei que você ficou do meu lado e tudo mais, só que eu e Robert estamos bem agora.

Mais vácuo. Desisti de falar com ele e fui me preocupar com a geladeira que estava quase vazia. Tom tinha problemas com mercados, aparentemente. Ele entrou para beber água e eu aproveitei para continuar meu discurso. Meu monólogo, para ser mais exata.

- Eu te agradeço por ter ficado do meu lado, Tom. Mas agora eu juro que estou bem. E sei que Rob me ama.

Quando achei que fosse continuar no vácuo, ele colocou a garrafa d'água em cima da pia e apoiou no móvel para me olhar.

- Não vou mais me meter entre vocês, Kristen. E dessa vez, eu não vou te consolar quando vocês terminarem de novo.
- Certo. Tudo bem.

Ele saiu sério da cozinha e voltou para a mesma posição no sofá. Me doía não poder ter mais a mesma amizade que eu tinha com meu irmão. Mas quando foi que ele se tornou tão cabeça dura assim? Saco!

2 comentários :

adorei o capitulo estou louca pelo próximo, eu só queria saber que fim vai dar essa amizade entre a Kristen e a Bené, tipo se no fim era só ilusão e a Bené vai morder ela ou algo do tipo, mas está muito boa essa fic amei



xoxo

Anônimo
15 de outubro de 2011 22:23 comment-delete

Nao entendi isso da Bene.
É ilusao?

27 de outubro de 2014 00:07 comment-delete

Postar um comentário