Despertando Para O Prazer - Capitulo 21


A noite foi agitada, pelo menos em meus sonhos. Eram todos escuros, a paz que me alcançou na sexta feira tinha ido embora. Ela não estava mais presente. Algo de errado estava acontecendo, ou estava prestes a acontecer. Eu apertava algo, algo que eu não sabia o que era... macio e quente contra meu peito.

- Edward! - a voz vinha de longe na escuridão. Eu não via nada só uma voz eu escutava ao longe... – Edward! – a voz mais forte. – Edward, acorde! – abri meus olhos. – você esta me apertando. – soltei Bella no momento que a consciência me tomou.

- Desculpe. – sussurrei baixinho ainda não entendendo o que foi aquilo.

- Você está bem? Você começou a me apertar e a murmurar coisas.

- Eu to bem, me desculpe. – eu realmente não sabia o que tinha acontecido. Ela levantou a mão fazendo carinho em minha bochecha, eu relaxei com aquilo.

- Você ficou agitado durante a noite toda. Você teve sonhos ruins? – antes fossem sonhos ruins, eu não enxergava nada, só escuridão. – quer me contar? – ela continuava me olhando nos olhos. Me fazendo carinho.

- Não! Vamos fazer alguma coisa... – tentei mudar de assunto rapidamente. Levantando da cama. – Fome?

Ela continuou com uma cara de interrogação para mim durante metade do dia. Eu tentava dar os meus melhores sorrisos, mas como Alice já havia me dito nossa familia sempre sabe quando algo esta para acontecer. Depois que acordei recebi mensagens da minha irmã perguntando se eu estava bem. À tarde estávamos vendo TV, típico programa fiasco quando não se tem nada melhor. Durante quase toda tarde eu fiquei ali pensando, revivendo o que teria sido aquele sonho a escuridão total. Com certeza minha cara não era nada agradável porque em vários momentos Bella estava me olhando como se quisesse descobrir o que estava errado. Eu afastava sua desconfiança com meus sorrisos falsos, porque nem eu mesmo acreditava nele.

- Já chega! – Bella disse e sentou na cama de frente para mim. – eu não sei o que você tem, mas eu sei como acabar com isso. – ela sorria agora. – olha o que eu achei. – ela levantou um exemplar de bolso do Kama Sutra.

- Onde foi que você achou isso? – perguntei rindo.

- É meu, estava na minha bolsa. – isso me assustou.

- Você sempre anda com ele, ataca homens inocentes na rua também e abusa das posições. Somente uma tarada para andar com isso.

- Aprendi com você. – retirei o livro das mãos dela. – devolve! Hoje sou eu que escolho.

- Tudo bem, escolha... – eu ficaria bem quieto, mandona do jeito que ela é aposto que será uma em que vou me empenhar muito. Minutos se passavam e ela ia folheando o livro, até parar em uma.

- Essa aqui. – ela me mostrou.

- Certeza?

- Absoluta. – lemos a posição e como ela deveria ser feita, de inicio ela parecia boba. O que foi um tremendo engano.

(N/A:Sugestão de Trilha:Bjork – All is full of love -www.youtube.com/watch#!videos=QymCzji4JmI&v=EjAoBKagWQA)

Eu sorri para ela puxando para um beijo, transformando todo o sonho em outra coisa o mais rápido possível. Passando minhas mãos por seu pescoço até chegar em sua nuca, puxando seus cabelos do laço soltando-os.

Desci minhas mãos até seus ombros, acariciando cada parte de sua pele exposta, quebrei o beijo para respirar fazendo Bella se deitar enquanto beijava seu queixo descendo pelo seu pescoço. Acariciando seus braços. Mudei de posição para chegar até sua barriga colocando minha mão por dentro de sua blusa. Acariciando sua pele macia.

Bella arfava, e choramingava a cada toque meu. Aquilo me dava confiança para continuar afastando todo o tipo de insegurança que poderia vir. Puxei a barra de sua camisa enquanto ela levantava os braços para me ajudar. Ela sorria para mim me ajudando com a minha camisa. Será que ela sentia o carinho que eu sentia por ela, em cada toque meu. Desci novamente até seus seios beijando-os acariciando cada centímetro dela. Deixei o rastro de beijos pelo seu frente. Chegando até seus shorts puxando os devagar, até seus pés.


Beijei-os revelando minha total adoração a ela, me livrei da minha calça e de tudo que nos impedia. Beijando novamente seus pés, e beijando cada pedaço de seu corpo, começando pelas pernas, dando a mesma atenção a cada membro de seu corpo. Subia lentamente acariciando, sentindo a maciez de sua pele. Agarrei seu rosto colocando minhas mãos de cada lado, beijando com todo o carinho e amor que eu poderia passar ali.

Rolamos pela cama me deixando embaixo dela novamente. Desceu serpenteando meu corpo, beijando meu peito. Passando a língua pelos meus mamilos e descendo em direção a meu membro. Bella se sentou em minhas coxas puxando seus cabelos fazendo um coque, me olhando com um sorriso sexy, o que ela pretendia? Se afastou um pouco mais e desceu seu corpo, tocando meu membro com seus seios. Ela levantou a cabeça me olhando nos olhos. Deus! Essa mulher ainda me faria ter um AVC.

Com suas mãos ela apertou seus seios no meu membro, me fazendo gemer alto com a sensação, ela sorriu com o meu gemido e subia e descia, acariciando-o com sua pele macia. Quando eu menos imaginei, ela passou a língua na cabeça do meu membro, me fazendo pedir por mais. Meus quadris se levantavam da cama em direção a sua boca. Ela apertava seus seios ainda mais, fazendo o atrito se tornar maior. Ela envolveu meu membro em sua boca sem nunca deixar de apertar meu membro com seus seios.

Eu gemia e me erguia em direção a sua boca pedindo por mais. Ela sugava, raspava seus dentes e gemia em meu membro. E eu ficava mais louco a cada segundo. Puxei Bella de encontro com meus lábios, puxando sua língua com a minha, um beijo nada calmo, um beijo cheio de luxuria. Deitei Bella novamente embaixo de mim.

Ela afastou um pouco suas pernas para me dar espaço, em um convite para seu corpo. Eu sentia cada centímetro de sua pele, cada batida de seu coração. Bella se contorcia me recebendo em seu corpo, era tão quente, úmido. O paraíso. Eu fazia os movimentos, sentindo minha pele massagear a dela. Enquanto a olhava nos olhos, eu a beijava enquanto ela arranhava minhas costas, minha nuca. Os gemidos em meu ouvido. Enquanto suas mãos agarravam meus cabelos me trazendo para mais perto de seu corpo.

Minhas mãos foram para seu quadril nos guiando para o ponto máximo de nosso ato. Levantei minha cabeça sentindo o prazer, eu esperava que Bella sentisse o mesmo. Voltei minhas mãos para seu rosto segurando-o enquanto ela gemia, e se contorcia embaixo de mim de puro prazer. Quando ela abriu os olhos. Eu vi, eu finalmente havia encontrado o amor. E junto com ele a confissão do meu mais puro sentimento por ela.

- Eu te amo.

Eu esperava tudo, mentira. "Eu esperava um "também" ou um simples "eu te amo" e ele nunca veio. Eu estava ali olhando em seus olhos. Eu gostaria de ter visto amor. Eu vi o medo. Eu gostaria de ver a felicidade. Eu vi tristeza. Eu precisava fazer algo, então continuei falando.

- Eu só quero amar uma única mulher na minha vida. Essa mulher é você. Eu não quero nenhuma outra, eu quero você. – eu falava olhando em seus olhos. Os olhos que não me passavam emoção alguma. Meu coração amuava, era como se tivessem enfiando facas em cada parte dele. Ela continuava quieta. – eu só quero ser feliz com você. Eu te amo.

- Edward eu não posso. – ela respondeu apenas isso me empurrando. Levantando da cama pegando suas coisas. Ela iria embora, sem me explicar nada?

- Qual é seu problema? No sábado você me apresenta como namorado. Hoje, você me diz não, quando eu confesso que te amo. – eu estava nervoso, a essa altura já gritava com ela. - E o que eu te disse em Forks, você se lembra? Você havia me dito sim. Eu não estava brincando.

- Eu não posso. Não agora, eu preciso de um tempo. – ela saiu vestindo sua roupa pegando suas coisas e eu fiquei me vestindo. Eu não a deixaria ir antes de reforçar a ela todo meu sentimento.

Quando ela estava na porta com ela aberta, eu corri puxando-a para mim batendo a porta fortemente.

- E quando você vai poder? Você tem duas chances Bella. – eu a olhava nos olhos, vendo as lágrimas se formarem. - Duas chances para se decidir. E ai eu serei seu pra sempre. Como eu sou agora, mas se você dizer não. O nosso relacionamento acaba no momento em que a última posição for feita. Porque a única posição que eu realmente quero é a do seu coração. Eu não vou desistir, eu irei lutar por você. Mas eu vou respeitar sua decisão.

Bella não me respondeu, apenas abriu a porta e se foi me deixando ali sem resposta. Com lagrimas nos olhos. Quem diria Edward Cullen famoso ginecologista, obstetra e amante. Choraria um dia por uma mulher. Sim eu chorei. Eu sofri. Eu nunca pensei em ter uma familia, isso foi mudado no momento em que me apaixonei, eu encontrei o amor eu encontrei a felicidade e então em meio minuto ela diz não, que não pode. Que não agora...

Isso me dá esperanças, eu posso ter esperanças, eu não vou desistir. Mesmo vendo-a indo embora perdendo meu chão eu repassei toda a conversa. Ela disse agora. Eu tinha esperanças e eu não me dou por vencido facilmente, eu tenho 2 posições ainda. Eu tenho o mundo para mostrar a ela.

O domingo ou o que restou dele eu repassei tudo que eu vivi. Tudo que eu disse a ela estava mais do que claro, o que eu queria. A segunda chegou e com ela a visita do meu ex-futuro sogro. Jamais pensei que ele viesse até meu consultório. Confesso que mesmo que ele tenha me tratado perfeitamente bem quando estive em sua casa, me assustei talvez ele tenha vindo me matar. Ah meu Carlisle!

- Bom dia Edward! – felicidade era um sinal de que ele iria me matar.

- Bom dia Sr Swan, como vai? Sente-se. – tentei ser o mais cordial possível. Para tentar evitar meu fim. Um pai com raiva pela sua menininha é morte na certa. Eu vejo pelo meu pai

- Charlie, - disse se sentando a minha frente. - Edward. Já pedi para me chamar apenas de Charlie. – já disse o detalhe que ele está em seu uniforme, e que também sua arma está em seu cinto?

- Sim Charlie, me desculpe. Ah que devo a visita, a essa hora da manhã? – vamos logo para a forca!

- Eu vim saber por que minha filha chegou a minha casa, chorando. E esta trancada em seu ex-quarto desde ontem. Eu pensei que tinha sido bem claro na questão que não aceitava devolução. – em outro momento eu iria rir, mas a arma ainda estava presente. Resolvi ser o mais sincero possível.

- Eu disse que a amava, e ela saiu correndo nua da minha casa. – Charlie arregalou os olhos.

- Ela fez isso? Eu fiz isso em minha adolescência. Foi uma aposta mais jamais pensei que minha filha fosse fazer o mesmo. – continuava com os olhos arregalados e agora olhava pela janela.

- Força de expressão, apesar de que foi quase isso. – ele olhou para mim agora.

- Oh! – ele ofegou. – achei que ela tinha muito de mim, mas ela tem muito de Renné também. A mãe dela fez o mesmo comigo. A diferença que ela fugiu com outro. – senti pena pelo Charlie, mas hoje ele é feliz com outra. Muito feliz pelo que vi.

- Charlie, eu não sou mesmo o namorado da Bella. – confessei querendo que fosse verdade.

- Eu já imaginava meu filho. Eu vejo o quanto você gosta dela. E Bella também gosta de você. – esperei por mais informações. – mas me conte. Quero que me conte tudo Edward, eu quero a verdade sobre vocês dois.

- Sua filha me conheceu aqui, sentada no mesmo lugar que o senhor está agora. Ela veio a mim em uma consulta porque ela não consegue, alias não conseguia ter prazer – eu estava falando da filha dele, e ele continuava calmo. Tenho medo do que possa acontecer quando ele descobrir o que eu fiz. – eu a examinei. – é melhor cortar os detalhes sórdidos. – E não achei nada de errado, mesmo assim eu me ofereci a dar a ela, aquilo que ela não teve. Prazer. – eu estava ficando nervoso por ele não ter nenhuma reação. – então eu disse a ela que faríamos um tratamento com 10 sessões. – eu não iria dizer do que, mais Charlie perguntou.

- Sessões do que? – 1,2,3,4 respira Edward.

- Eu ofereci a ela meu serviços como homem, não como médico. – eu o olhei e estava preparado para a execução a qualquer momento.

- Você transa com a minha filha. Você se ofereceu a dar prazer a ela. – ele disse e fez um sinal para que continuasse.

- Então, eu achei uma maneira dela sentir prazer, o que eu não esperava era me apaixonar por ela. E agora aconteceu isso.

- Você esta me dizendo que fez um milagre, de transformar minha filha frígida, em uma mulher normal que sente prazer e tudo mais.

- Sim, foi isso mesmo que eu disse.

- Você é o santo das virgens de orgasmo! Meus parabéns.

- Sim e então eu me apaixonei por ela. E quando eu disse que a amava ela fugiu. – mas, espera o que foi que ele disse. Virgem de Orgasmos. – eu devo ter feito a cara confusa.

- Eu já sabia de tudo meu filho, Bella me contou quando chegou em casa ontem. – Bella contou, tudo. – eu só queria ver sua cara me enfrentando para contar tudo isso. – ele começou a rir. E eu respirei aliviado.

- Ela contou tudo? Tudo mesmo? – ele assentiu. E eu emendei. – Ela também contou porque não me ama, porque ela não pode ficar comigo?

- Bella só está confusa, eu tenho certeza que ela te ama também. E se eu fosse você eu iria agora buscá-la. Converse com ela.

- Eu irei fazer isso Charlie. Vou buscá-la, mas não agora. Tenho minhas pacientes – um sorriso tomou meu rosto.

- Porque eu não vou agüentar mais uma noite ouvindo "eu sou uma burra" e choradeira. Eu tenho que passar em uma livraria ainda hoje.

- Ela passou a noite toda chorando? – isso ainda me deu mais esperança ainda.

- Sim, e eu quero a casa vazia. – eu não estava entendendo.

- Porque o senhor vai a uma livraria e a casa vazia? – eu tenho medo do que possa ser, tenho uma leve idéia.

- Vou comprar o Kama Sutra ainda hoje, portanto vá logo buscar minha filha e não me devolva mais. – ele agora levantava. E eu ria. – mais uma coisinha meu filho.

- Sim?

- Sobre as suas pacientes, você... – ele parou sugestivamente.

- Sr Swan eu lhe garanto, Bella foi à única. - Eu não sei o que me deu naquele dia. Eu nunca tinha me comportado daquele jeito.

- Espero que seja assim pelo seu próprio bem. – sua expressão era séria e não tinha nenhum vestígio de brincadeira em seu tom também. Engoli em seco, esse era o Charlie Swan pai, o que queria a felicidade de sua filha. Felicidade que eu daria a ela, ela só teria que me aceitar.

0 comentários :

Postar um comentário