The Cullen's Secret - Capitulo 50


Consegui convencer Edward a me esperar um pouco para eu poder disfarçar a sobrancelha falhada. Corri até o banheiro e usei um lápis de olho preto para preencher o buraco – gigante – que tinha ficado no meio da pobre coitada.

- Como estou?
- Linda!
- Edward, dá para levar isso a sério?

Ele me olhou com os olhos arregalados e deu de ombros.

- O que quer que eu diga? Que está horrível?
- Edward!
- Bella!
Ela suspirou tão forte que seria capaz de fazer Jake sair voando por aí. Sério, por que mulheres precisam ser tão complicadas? Ela fez uma pergunta e eu respondi sinceramente, mas não parecia ser a resposta que ela queria ouvir. Dá para entender uma coisa dessa?


- Você podia facilitar minha vida, Edward...
- Amor, eu disse que você está linda.
- Mas eu sei que não é verdade...
- E o que eu posso fazer se você tem problemas em aceitar elogios?

Ela parecia ter ficado ofendida com minha sinceridade e saiu do quarto antes de mim, passando pelo do Hazel e descendo as escadas com ele. Talvez Bella estivesse na TPM, não sei...

Eu estava descendo logo atrás deles e meu celular tocou novamente. Quando vi o nome de Lestat no visor juro que tive vontade de quebrar o aparelho em mil pedaços, mas respirei fundo e atendi a merda do príncipel..

- Oi.
- Edward, eu estava pensando aqui... Hazel está estudando?

Ops. Não achei que ele um dia fosse lembrar desse pequeno detalhe.

- Ah... Ele é muito inteligente, Lestat!
- Isso não responde minha pergunta. Hazel está no colégio, como eu pedi que você fizesse?
- Ele... Oh droga, Lestat! Estou passando por um túnel... Shhhh Brrrrr.
Ok, eu tive que parar de descer os degraus para olhar Edward – ou seja lá o que tenha se apossado do corpo do meu marido vampiro – e entender o que eram aqueles sons. Ele estava...

- Você está cuspindo no celular?
- Shh!

Ele então desligou o aparelho e enfiou no bolso da calça.

- Não. Desliguei na cara de Lestat. Fingi que era interferência.

Como assim ele desligou na cara do Lestat?

- Como assim você desligou na cara do Lestat?

OMG, sério que eu fiz isso? Me senti até o Emmet agora, produzindo a fala na cabeça antes de falá-la. Edward deu de ombros e desceu com pressa. Eu queria ver se o príncipe ia mesmo acreditar na tal interferência já que nós nem tínhamos túnel em Forks. Edward sabia disso, né?

- No momento eu não preciso me preocupar com os caprichos do Lestat, Bella. Importante aqui é resolver toda essa situação. O tempo está correndo.

Encontramos Vlad na sala, que nos olhou como se já soubesse onde estávamos indo. James sorriu quando passamos por eles e eu acho até que ele estava prestes a perguntar se podia vir junto, mas ao abrir a boca, Edward já se adiantou.

- Não.
- Eu nem falei nada, Cu.
- Mas pensou. Estamos em guerra, James... Depois te deixo a par de todos os últimos acontecimentos, mas agora não dá mesmo.

Nós deixamos os “rapazes” e o Jake sozinhos em minha adorável casa e fomos embora. Eu tinha medo que acontecesse alguma tragédia por lá, ou que Jake comesse o estofado do sofá... Ou que Jake comesse o tapete. OMG, melhor parar de pensar!

- Onde estamos indo, Edward?
- Nós vamos até a casa de Hope, querido... Edward tem que conversar com a bruxa.
Bella precisava mesmo ser sempre tão sincera? Eu não queria ter que explicar logo tudo para Hazel, até porque eu nem sabia se ele era capaz de entender a gravidade da situação na qual nos encontrávamos.

- O que vocês querem com a Willow?
- Conversar um assunto sério.

Olhei para ele pelo retrovisor e Hazel se mostrava interessado naquilo. Talvez não custasse nada pelo menos eu sondar o garoto, ver o que ele achava de aprender novas... mágicas. Certo?
Edward abriu um sorriso medonho para Hazel e eu sabia que ele tinha interesse em alguma coisa. Conhecia meu vampiro como a palma da minha mão.

- Então Hazel... O que você acha da Willow?
- Legal.
- Muito legal ela, né?

Muito cínico meu marido, minha nossa! Ele detestava Willow...

- Sim, legal.
- E o que acha de aprender a fazer mágica que nem ela faz?

Eu sabia que tinha algum interesse por trás daquele sorriso maligno. Ele ficava extremamente gostoso daquele jeito, mas não acho que Hazel enxergava dessa forma.

- Pode ser. Mágica é legal.
- Seu vocabulário também, né?

Edward me olhou e curvou-se até meu ouvido, mais beijando do que falando mesmo. Não preciso dizer que aquelas cócegas me deixavam excitada, né?

- Acho melhor Hazel passar o menos de tempo possível com Emmet... Quantas vezes ele falou a palavra legal nos últimos minutos?
- Deixa de implicância, Edward! Ele é criança!
Mulher é um bichinho complicado mesmo, né? Do que adiantou eu ter tido a maior discrição para falar ao ouvido, se ela foi e falou tão alto que até o mendigo ouviu? Encerrei o assunto por ali mesmo, pois já estávamos na rua de Buffy. Assim que estacionei, Hazel já saiu correndo do carro para quase quebrar a campainha da caçadora. O que a paixão não faz com as pessoas...

- Oi Hazel.
- Oi Buffy! A Hope está?

A coitada não teve chances de pensar numa resposta, já que a peste invadiu sua casa antes mesmo que eu e Bella nos aproximássemos.

Era bem desconfortável esse lance da sobrancelha falhada, pois toda hora eu tocava-a com o dedo com medo do lápis de olho não estar mais fazendo efeito. Como ninguém me olhara de uma forma diferente, eu fiquei mais tranqüila sobre isso. Edward e Buffy conversavam a respeito da guerra que estava vindo por aí e eu achei melhor tomar conta de Hazel.

- Você não precisa temer, Hope. Eu irei protegê-la de qualquer coisa.
- Eu sei, você é um herói!

Era impressionante a manha que o garoto tinha com as mulheres. Nem as mais novas escapavam do charme que ele esbanjava. Hope deu um beijo rápido em sua bochecha e Hazel passou a mão pelo local, todo orgulhoso.

- Quando poderemos nos casar?

Oh. Espero que nem Buffy e nem Angel tenham escutado isso. Hope deu de ombros e sorriu timidamente.

- Quando você quiser, mas acho que meus pais não vão deixar por enquanto.
- É, eu sei...

A cara de decepção que ele fez doía até o meu coração. Dava vontade de colocar a criança no colo e consolá-la, mas... Edward não iria gostar muito disso.

- Hazel! Venha aqui!

Fui me juntar a eles quando Edward o chamou e vi que a bruxinha já estava lá também. Ela não parecia ser a pessoa mais simpática do mundo, ou se era, pelo menos não demonstrava perto de nós.

- Willow vai te ensinar algumas coisas, ok? Acha que consegue aprender?
- Lógico, Edward! Eu consigo qualquer coisa...
Se tivessem testemunhas na sala, eu juro que mataria essa peste. Como ele fala assim comigo na frente dos outros? Buffy até soltou uma risadinha cínica e eu tive que engolir.

- Fico feliz que você seja tão bom.
Hazel também de vez em quando soltava umas pérolas que eu quase via um foguinho sair da cabeça de Edward. Eu sei que se ele pudesse, enforcava o menino em determinados momentos.

- Quando eles vão começar, amor?
- Hoje mesmo.

Ele me respondeu e levantou, puxando-me pela mão. Buffy tocou os ombros de Hazel e sorriu para mim, como uma mãe que recebe o coleguinha da filha em casa.

- Tomarei conta dele. Hazel ficará bem.
- Ligue-me quando terminarem aqui e eu venho buscá-lo.
- Eu vou ficar? Ótimo! Tenho planos com Hope!
Eu tinha planos de silenciá-lo, mas nem sempre a gente consegue o que quer, né? Saí de lá antes que Buffy mudasse de idéia e jogasse a praga para cima de mim novamente. Ela mal sabia o que estava aceitando dentro de casa...

Já estávamos dentro do carro, voltando para casa, quando o celular de Edward tocou e ele jogou o aparelho no meu colo.

- Atende aí e diz que estou dirigindo, que estamos passando por vários túneis!
- Edward!
- O que? É Lestat...
- E acha mesmo que ele caiu nessa sua mentira deslavada?
Ela revirou os olhos e atendeu o telefone com muita má vontade, isso sim. Pelo menos com ela Lestat não iria ficar fazendo perguntas sobre Hazel e eu teria tempo de pensar numa boa desculpa.

- Oi Lestat.

Bella franziu a testa e ficou vermelha. Maldito... Devia estar falando alguma gracinha para ela.

- Obri-obrigada.
- Posso saber por que você está gaguejando?

Ela me lançou um olhar ácido, virou a cara e continuou batendo papo com o príncipe do inferno. Eu estava prestes a arrancar o celular das mãos dela, quando Bells me olhou apavorada.

- Oh, eu acho que você vai querer ouvir o que ele tem para dizer...
- Sobre?
- Akasha...

Peguei o telefone e deixei o problema “Hazel” para lá. Parece que o que Lestat tinha para falar era mais importante. Quando ele começou, eu percebi que estava certo. Não era só importante, era urgente. Akasha não nos daria tempo para sair do país.

Pela informação que Lestat tinha recebido de algum de seus lacaios, Akasha estava tentando nos pegar desprevenidos e começava a juntar forças novamente para nos atacar em Forks mesmo.

- E então?

Bella me perguntou assim que eu desliguei e fiz uma manobra brusca para retornar à casa de Buffy. Que merda! Por que eu nunca conseguia ter paz?

- Nós vamos lutar aqui mesmo.
- Aqui? Aqui onde? Edward, nossa casa é tão lindinha...
- Não “aqui” em casa, Bells. Aqui em Forks. Não vamos ter tempo de sair, entende? Ela não vai deixar.

Afundei o pé no acelerador, mesmo sabendo que minha esposa não ficava muito feliz com aquilo e fui costurando por entre os carros lerdos que haviam no caminho.

- Edward! Não quero morrer!
- Se morrer, eu te transformo, amor...
- Isso não tem a menor graça.

Para mim tinha um pouco sim... Era como se eu fosse finalmente realizar minha vontade, por uma ajudinha do destino. Lógico que eu não disse isso para ela.

- Posso saber por que estamos voltando?
- Táticas de guerra, amor... Táticas de guerra. Você não pode entender.
- E desde quando Buffy pode?
- Bem, meu interesse não é bem em Buffy.

- Não?
- Precisaremos da ajuda de Willow. Nós não podemos simplesmente entrar em guerra para toda Forks ver... E Willow como uma boa bruxa...
- O que? Você espera que ela diga “abracadabra”?
Ele me olhou de olhos estreitos e afiados. Aháá! Eu estava virando o jogo nesse lance de ironia e minha vítima estava sendo justamente aquele que sempre caçoou de mim.

- Isso não é Harry Potter, Edward.
- Uma pena. Se fosse eu já teria usado minha varinha para costurar esses lindos lábios.

Antes que eu respondesse, ele sorriu pervertidamente.

- Não, isso definitivamente não seria uma boa idéia. Esses lábios trabalham muitíssimo bem.
- Edward!
Se fosse em outra época, aquela com certeza seria uma discussão que terminaria da melhor forma possível: sexo. Mas a época agora era um tanto quanto complicada e não tínhamos tempo para tal.

Quando chegamos na casa de Buffy, fui esperar Bella sair do carro e segurei-a pela cintura, encostando-a na porta rapidamente. Seu sorriso tímido e seus olhos doces eram capaz de me fazer esquecer da vida...

- Sabe que eu te amo mais do que qualquer coisa, né?
- Eu espero que ame mesmo.
O canalha era capaz de me enlouquecer e de me fazer querer matá-lo, mas em compensação, conseguia me fazer mudar de idéia mais rápido do que um raio.

- Eu amo.

Edward sussurrou para mim e beijou minha boca, antes de sermos interrompidos por Angel, que tinha aberto a porta e nos encontrado ali.

- Eu achei que vocês já tivessem ido embora.
- Nós fomos, mas voltamos. Estou entrando.

Meu marido super simpático passou por Angel, antes mesmo do outro chamá-lo para dentro de casa. Eu logo fiquei surpresa em ver Hazel e Hope correndo pela casa como se fossem bons e velhos amigos.

- Bella! Vocês voltaram!

Hazel me abraçou e logo voltou a brincar com Hope, fazendo parte de um cenário bizarramente tradicional de uma família. Sério, quem via Buffy sair da cozinha vestindo um avental e com uma colher de pau na mão, não imaginaria nunca que aquela, era uma famosa caça-vampiros.

- Edward, também quero ter uma família normal, que nem ela...
- Eu te compro uma boneca depois, Bells.

Eu ia apenas ignorar o descaso dele, pois sabia que a situação estava muito tensa para ele pensar em outras coisas.
- O que houve, gente? Vocês acabaram de sair...
- Sim e eu realmente gostaria de já estar bem longe daqui, de preferência em minha casa, tomando um banho com minha esposa, mas acontece que tenho notícias sobre Akasha. Notícias essas dadas por Lestat e que não são nada boas.

Todo mundo parou de falar e andar. Uau, eu era bom mesmo em dar notícias ruins, né? Ponto para mim.

- Willow está aqui?
- Qual a notícia, Edward?
- Willow está ou não está aqui?
- Eu estou. O que quer comigo?

A bruxinha ruiva que se achava o máximo e olhava mais do que o necessário para Bella, cruzou os braços ao descer as escadas e parar na minha frente.

- Akasha vai nos atacar aqui mesmo, em poucas horas e não temos tempo para sairmos de Forks. Vamos precisar de sua ajuda para... Eu não sei como dizer...
- Iludir as pessoas?
- Hein?
- Você não quer que ninguém veja.
- Mais ou menos... Acho que estamos começando a falar a mesma língua.
- Não, não estamos.
Willow soube deixar Edward sem resposta. Uau! Eu virei fã dela na hora!

0 comentários :

Postar um comentário