The Cullen's Secret - Capitulo 42


Música (Spike - Rest in Peace):
http://www.youtube.com/watch?v=6wF6khBKrmQ
.
Nós entramos no carro para ir buscar Hazel e trazer para nossa casa. No meio do caminho, Edward estava passando pelo sinal que estava verde para nós, quando um carro preto caindo aos pedaços avançou o sinal do cruzamento.

- Merda!

Edward precisou jogar o Volvo na calçada para não batermos no carro louco. Quando o malucou freiou, Edward saiu irritado do carro e eu saí junto, com medo que ele se alterasse. Um loiro saiu de dentro do carro preto e Edward apontou o dedo para mim.

- Fique no carro, Bells.
- Por que?
- Vampiro.
- Ok.
- E vampira.
- Ow. Ok.

Entrei de novo no carro e vi Edward andando na direção deles. Do lado do carona saltou uma morena que me deixou com um pouquinho de inveja. Acho melhor Edward não olhar muito.

O que é isso? Vampiro punk? O loiro me olhava como se fosse a última bolacha do pacote. Ou melhor, como se ele fosse o único vampiro da cidade. A mulher era realmente muito gata, o que não me fazia entender por que ela estava com ele.


- Ei! Cara! Você quase bateu em mim!

Jura que ele falou isso? Eu ri.

- Acho que você avançou o sinal.

Encarei ele, que fez o mesmo.

- Ok. Que tal eu ficar na minha e você na sua?
- Ótimo. Contanto que não traga problemas para minha cidade.
- Nós não iremos.

A morena se juntou a ele, jogando os cabelos para o lado.

Música (Evanescence - "Sweet Sacrifice"):

http://www.youtube.com/watch?v=truln6VnS4E
.

Eu realmente não gostei nada disso. Quando Edward estava conversando com o vampiro loiro, a morena ajeitou as botas de couro que iam até os joelhos e se aproximou deles, mais desfilando do que andando.

- Não irão, né? Ok.

Eles pareciam um pouco encrenqueiros, com suas jaquetas de couro e os olhos quase vermelhos. Estavam precisando se alimentar, provavelmente.

- E aí? Que tal nos mostrar onde podemos achar boa comida por aqui?
- Eu passo.
- Certo.

O loiro me olhou como se eu o tivesse insultado ou algo assim e revirou os olhos, meio agitado.

- A propósito... Spike. E Puh.
- É um prazer.

Virei-me de costas para voltar ao carro, mas ele gritou.

- Ô educado, não vai me dizer seu nome?
- Não!

"Eu nem queria saber também!"

Contive minha risada e continuei andando, mas antes me virei para dar um aviso básico a eles. Era sempre bom meter medo.

- Boa sorte com a caçadora!
- Obrigado! Eu dou um abraço em Buffy por você!

"E outras coisas mais também..."
"Buffy, Buffy, Buffy... É só nisso que ele pensa!
"

Hein?

Edward voltou para o carro e os dois vampiros foram embora. Meu marido ficou me olhando com uma ruga na testa.

- O que foi?
- Acho... que eles conhecem Buffy.
- É? Por que acha isso?
- Ele falou algo... Bem, deixa para lá.

Ele ligou o carro e nós continuamos nosso caminho. Eu já tinha até esquecido do assunto quando Edward voltou a falar.

- Amor, você lembra quando pesquisou sobre Buffy para mim?
- Aham.
- Você lembra que disse algo sobre ela ter namorado dois vampiros?
- Lembro. O que que tem isso?

Eu acho que acabara de conhecer o namorado nº dois. E algo me dizia que Angel não ficaria muito feliz com a visita dele. Bella estava me olhando e esperando por uma resposta.

- Nada não. Estava só pensando.

Respondi, me curvando para beijar seu rosto delicioso. Cheguei na minha ex-casa e entrei procurando por Hazel. Jasper lgogo apareceu, com um tira comprida de papel higiêncio nas mãos.

- Eu não vou nem perguntar o que é isso...
- Papel! Nunca viu?
- Bom dia para você também!
- Tchau!

Ele passou furioso por mim e subiu as escadas enquanto Rosalie estava descendo.

- O que houve com a animação humana aí?
- Jazz? Ah, nada demais não. Hazel só andou brincando com ele...

Rosalie esboçou um sorriso maligno e passou direto por nós, olhando de nariz empinado para Bella, que chegou a abrir a boca para falar com ela, mas fechou em seguida.

- Ok, um dia eu acostumo com a simpatia dela...
- Você nunca vai se acostumar.

Subi e bati na porta de Hazel, abrindo-a em seguida. Nós encontramos a peste dormindo e levitando.

- Você precisava aprender isso com ele, amor.
- Bells, vai ver se estou na esquina.
- Foi só uma sugestão.

Grosso e antipático! Era isso que ele era. E gostoso. Mas não vem ao caso. Edward bateu palmas super alto, provavelmente com o intuito de desconcentrar o pobre garoto e fazê-lo cair, mas Hazel nem se mexeu, apenas abriu os olhos e virou a cabeça de lado para nos olhar.

- Olá!

Edward revirou os olhos e suspirou, se aproximando do menino.

- Você precisa vir conosco, Hazel.
- Onde? Oi Bella!
- Oi querido.
- Para nossa casa, ok? Tem uma pessoa que está querendo te ver.
- Meu pai?

Edward coçou a testa e me olhou.

Pedi ajuda à Bella e ela entendeu, pois veio até nós e beijou o rosto de Hazel.

- Não querido, não é o seu pai. Mas é uma pessoa tão legal quanto ele.

Legal? Ela chamou Vlad de legal?

Hazel desceu e ficou nos olhando com uma cara de desconfiado. Só me faltava agora ele começar a ler mentes, né?

- Ok, eu vou. Mas só se Anthony puder ir lá depois.
- Anthony?
- Eu marquei de brincar com ele hoje.
- Certo. Sem problemas.

Fiquei esperando que ele mexesse a bunda magra do lugar e viesse comigo, mas ao invés disso, a peste cruzou os braços e levantou a sobrancelha.

- Vocês não querem que eu me troque na frente de vocês, né?

Eu ia sair do quarto depois dessa indireta, mas ele segurou minha mão.

- Apesar de que a Bells pode ficar...

Edward deu um tapa na mão dele e rosnou.

- Só quem chama a minha esposa de Bells, sou eu. Pivete!
- Edward!
- Shhh! Fica fora dessa briga.
- Edward!

Bella me puxou pela gola da camisa e fechou a porta do quarto. Ela estava com aquela carinha de enfezada que eu achava linda!

- Eu realmente não acredito que você está comprando briga com uma criança!
- Criança? Ele é mistura de Lestat com Vlad, Bells! Isso vai ser pior que o diabo!
- Hazel é um anjo! Não fale assim dele!

Ela me acariciou e Jasper passou por nós resmungando.

"Anjo... anjo... DEMÔNIO é o que ele é! Anjo..."

- Ei, Jazz! O que Hazel te fez hein?

Ele parou e olhou com raiva para nós, usando sua infalível cara de sofrimento.

- Imagina você sair do seu quarto de manhã e se embolar numa teia de papel higiênico!
- Cara, papel rasga...
- Com COLA!

Ok, eu precisei me esforçar para não rir. Ele revirou os olhos quando Bella gargalhou e entrou no seu quarto, batendo a porta com força.

- Foi mal... Não consegui me controlar.
- Tudo bem. Nós não temos culpa das merdas que Hazel apronta.
- O que tem eu?

A peste saiu do quarto, de óculos escuros e gel nos cabelos, formando algo tipo um moicano.

- Sério, o que é isso Hazel?
- Um penteado.
- De gay.
- Hã... Não. Chama-se "m-e-t-r-o-s-s-e-x-u-a-l".
- Não precisa s-o-l-e-t-r-a-r pois eu não sou analfabeto.

Alguém me resgata dessa vida, por favor! Meu marido de alguns séculos estava inclinado, cara-a-cara com uma criança, fazendo birra. Precisei puxá-lo pelo cabelo para se afastar de Hazel.

- As crianças acabaram? Podemos ir?
- Fala para ele que isso é coisa de gay, Bells.
- Na verdade, eu acho sexy... Dependendo de quem usa.
- Ahá! Viu, só!

Hazel sorriu cínico para Edward e saiu andando na nossa frente, passando a mão em seu moicano para fixá-lo no lugar. Edward me olhou um pouco mal-humorado e revirou os olhos.

- Cadê minha esposa? Aquela que deveria me apoiar?
- Pare de brigar com uma criança, amor... E eu realmente acho bonitinho.

Vídeo Spoiler de TCS:

Hazel passando a mão no moicano estava me irritando. Eu não sabia se olhava pelo pára-brisa para a estrada à frente ou se olhava-o pelo retrovisor.

- Sabe, Hazel... Se pintar de azul fica parecendo com o Jake!
- Jake é cão. Eu sou vampiro.
- Bela observação. Ai!

Dei um soco no seu braço e ainda tive que ouvir ele reclamar.

- Eu sei que você não sente dor, Edward...
- Não custa tentar, né? Sabe amor, quando me casei não sabia que seria espancado todos os dias...
- E eu quando me casei não sabia que estava casando com uma criança!

Senti Hazel curvado sobre o espaço entre nossos bancos e seu rosto perto do meu ombro.

- Eu não sou criança, Bella.

E nem será adulto se continuar dando em cima da minha mulher. Bella sorriu e virou o rosto para ele. Era bom ela tomar cuidado, pois a peste era mestre em roubar beijos.

- Para mim você sempre vai ser aquele menininho que eu conheci na França, Hazel.

O sorriso dele sumiu do rosto e a peste voltou a encostar as costas no banco.

- Ok. Eu quero é a Hope mesmo...

Ele me dispensou? OMG.

Chegamos em casa e Hazel saiu do carro antes de nós. Quando estávamos nos aproximando da porta, Edward suspirou.

- Ótimo, ainda chego depois dele...
- Pare de implicar com Hazel, amor!
- Não estou falando de Hazel.

Eu quase enfartei quando abri a porta e vi Vlad sentado no meu sofá. Edward aproximou a boca do meu ouvido.

- Estou falando dele.
- Obrigada por me avisar. Agora.

Sorri sem saber o que fazer, com ele me encarando super sério, daquele jeito intenso. Era tão fácil se sentir fraca sob seus olhares...

- Vlad!
- Edward.
- Está aqui há muito tempo já?
- O suficiente para conhecer a casa.

Ele levantou e veio na nossa direção, parando na minha frente e pegando minha mão e a beijando.

- É um prazer revê-la, Bella.
- Igu-igu-igualmente.
- Vlad...

Meu sogro sorriu para Edward e desviou os olhos dos meus. Graças!

2 comentários :

Adorei o cap.
Edward c ciúmes de uma criança é hilário(mesmo sendo um imortal,tal q/ele) kkkk
Acho lindo o casal Bella/Edward...são os difentes mais iguais q/se pode conhecer .

celiatricolor
12 de outubro de 2011 01:44 comment-delete

Sim é ótimo mesmo...
Atenciosamente administração Nathy

13 de outubro de 2011 14:03 comment-delete

Postar um comentário