Bella Problema x Edward Solução - Capitulo 12


Edward’s POV




Quando eles ouviram minha voz, imediatamente se separaram, bocas vermelhas, ofegantes. Emmett estava sem camisa e Alice descabelada. Eles estavam dando uns amassos tão violentos que eu fiquei na dúvida se chegaram às vias de fato ou não. 




– EMMETT? – Gritou Alice surpresa ao perceber quem estava beijando.




– Yeah, baby! – Respondeu o idiota, sorrindo vaidosamente.



Ambos riam descontroladamente. Me perguntei se eles tinham a mínima noção do que estavam fazendo. Fiquei um pouco constrangido, mas eu precisava convencê-los a ir embora. 


– Eu detesto ser o estraga-literalmente-prazer, mas vamos embora. A coisa está ficando preta por aqui.

Emmett e Alice me olharam com desdém, soltaram mais uma sonora gargalhada, e voltaram a se agarrar. Emmett jogou a pobre Alice contra a parede e eu até tive um pouco de pena dela. 




– Emmett, vai matar a pobre coitada assim! – Murmurei, puxando Alice pelo braço.

Emmett nos seguiu, protestando. 


– EU QUERO FAZER UM AMORZINHOOOOOO! – Gritou ele.

Para o meu azar, ou pura coincidência, a música parou nesse exato momento. 


– Eu também! – Uma voz sinistra e afeminada respondeu, não sei de onde. 


Lógico que aquelas palavras chamaram a atenção de todos e, devo ressaltar que lá, a maioria eram homens, ou quase. Revirei os olhos, larguei o braço de Alice e saí arrastando Emmett o mais rápido que pude, ou poderia acontecer uma catástrofe. 

Quando eu já estava próximo a mesa, apareceu uma mulher loira, alta, forte e me jogou um copo de cerveja na cara. Era só o que faltava. 


– Porque justo eu? – Perguntei irritado.


– Aquela moça me pagou 50 euros para fazer isso. – Respondeu a mulher, apontando para Bella sentada à mesa, que acenava contente, enquanto Jake, ao seu lado, ria.



Naquele momento eu tive vontade de espancar os dois. 


– Muito engraçado, agora vamos embora! – Falei puxando Bella pela camisa. Ela me xingou de algo que eu nem consegui entender.

– Seu irmão se deu bem, hein! – Afirmou Jake, observando Emmett e Alice que ainda se agarravam desesperadamente. 


Se eu soubesse que ia ser o único a não se divertir, também teria comido o maldito bolo.



Quando estávamos bem próximos da saída, uma voz familiar ecoou de um lugar qualquer: 


– COMPADRES




Ao me virar, me deparei com os dois narcotraficantes que conhecemos na cadeia! 




POR QUE ESSAS COISAS ACONTECEM JUSTO COMIGO?!




Emmett imediatamente largou Alice e se jogou nos braços dos colombianos.




– Eu senti tanta falta de vocês!



O incrível foi que os narcotraficantes corresponderam, emocionados. 




– O que vocês estão fazendo aqui? – Perguntei, temendo a resposta.


– Nosotros fugimos de la prisión. – Respondeu o homem de lenço vermelho na cabeça. O outro apenas sorriu, enquanto mascava um pouco de fumo.




– Arriba, muchachos! Vamos comemorar! – Disse Emmett, ainda doidão.




– Sí! Tequila! – Completou Bella, sem nenhuma noção de ridículo.



Jake pareceu indiferente, ele devia estar acostumado àquele tipo de gente. 


– Nosotros trouxemos la danadita! Ustedes venham! – O homem com chapéu de cowboy já ia puxando Emmett, quando interferi.

Me perguntei se os três comedores de bolo conseguiriam ficar ainda mais alucinados do que já estavam. 




– Não, não! Nós já estamos indo embora, obrigado mesmo assim, nos vemos por aí. – Falei, empurrando Emmett, Alice e Bella para fora do bar. Eu não estava nem um pouco a fim de outra noite na cadeia.


– Esperem, hermanos! Fiquem com nuestro teléfono.



Parei, esperando que ele desse um papel com o número para Emmett, e nem acreditei quando o vi entregando um aparelho celular.



– É pra mim? – Perguntou a anta do Emmett. 




– Si, si, acabamos de roubar! Me liguem, yo número esta adentro de la memória.

Revirei os olhos. O que eu podia fazer? 


Ouvimos ao longe sons de sirenes e o bar começou a ficar agitado.

– POLÍCIA! – Alguém gritou. 


Os colombianos se olharam e saíram correndo. 


– Ainda nos encontraremos, compadres! – Gritaram, já distantes. 


Era agora ou nunca, precisávamos sair dali rápido. 




Deu um pouco de trabalho enfiar Bella, Emmett e Alice dentro de um táxi, mas consegui, aturando protestos e xingamentos. Peguei minha Suzuki e Jake me seguiu na moto de Bella. 


Quando chegamos em frente à casa, Jake estacionou a moto de Bella e foi embora no táxi. Bella, que passou a noite inteira estranha, ficou meio tristonha quando o meu amigo foi embora sem se despedir. Eu também teria ido embora correndo, se pudesse. Eu ainda não estava entendendo qual era a da Bella, e o que Jake tinha a ver com isso? Afinal ela era lésbica, certo? Não ia me importar, só tinha que colocar aqueles três malucos para dentro de casa. 




Agora, somente Emmett e Alice continuavam com a crise de risos. Estávamos passando pelo jardim, quando percebi que não os podia levar para dentro de casa naquele estado. Avistei a piscina e soube o que deveria fazer. 


– Alice vem cá! – Pedi e ela veio correndo. 




Joguei a anãzinha dentro da piscina, na esperança de que a água fria a fizesse recuperar a sanidade. Emmett ria da sua “ficante”, mal sabia ele que logo chegaria sua vez. 


– Agora é você, Swan, venha! – Falei, fazendo sinal com a mão. Ela arregalou os olhos e deu um passo atrás. 


– Você não vai me jogar dentro d’água! Se manca, Cullen! 


Bufei e fui em direção à ela. Eu não queria bancar a babá, mas sabia que Carlisle ia ficar furioso ao notar que eles estavam drogados.



Bella pareceu perceber minhas intenções e saiu correndo para o outro lado da piscina. A segui e ficamos lá, feito gato e rato. Ela corria em volta da piscina, comigo perseguindo-a. 


– NEM ME PEGA, EDGAYZINHO! – Berrou a infeliz.



Como uma criatura tão pequena podia ser tão irritante? Foram mais voltas na piscina do que eu poderia contar, aquilo já estava virando infantilidade. 




Finalmente, cansei de correr e coloquei as mãos no joelho, exausto. 


– Tudo bem, Bella, você que sabe, você que vai explicar a Carlisle que está doidona! 


Como eu esperava, ela deu de ombros. Caminhei lentamente em direção à entrada da casa, fingindo desistir. Ela não se moveu, ficou lá rindo de Alice, que parecia um pinto molhado dentro da piscina.



Quando eu já estava próximo à porta, notei que ela estava distraída, de costas para mim. Era a minha chance. Corri com as forças que me restavam, me joguei em cima dela e ambos caímos na água. 


Meus braços ainda estavam em volta dela, quando tocamos o fundo da piscina. Bella chacoalhava-se, tentando sair da prisão feita por mim, mas era inútil, eu não ia largá-la até ter certeza que ela não me arrancaria mais cabelos. Submergimos quando a falta de ar ficou insuportável. 


Puxamos o ar ofegantes. Emmett tomou distância e correu, pegando impulso para se jogar com tudo na piscina, fazendo espirrar água para todos os lados. 


– É O PISCINÃO DA ALEGRIA! – Gritou ele, alto demais. 




Bella relaxou nos meus braços, bocejando e respirando forte. Ela devia estar muito cansada depois de uma noite muito louca.



Decidi então, soltá-la. Não entendi a relutância de meus braços ao fazer isso, mas fiz. 



Bella’s POV




O sol que adentrava a janela, incomodou meus olhos. Minha cabeça parecia que ia explodir. Me virei e cobri meu rosto com o edredom. Eu acho que tive um sonho muito louco, as imagens borradas e confusas misturavam-se na minha cabeça. No sonho eu ria como louca, dançava macarena e cantava em cima de um balcão de bar. NOSSA! Que sonho sinistro! Rolei na cama, exausta. Meu rosto ficou descoberto e abri um olho. Então eu vi minha guitarra em cima de uma cadeira. Como ela foi parar ali? 




Sentei-me tão rápido, que o quarto pareceu girar, meus olhos saltaram para fora e minha respiração sumiu. As lembranças da noite passada vieram como flashs. 


Jake, racha, vergonha, bar, banheiro feminino, piada, bolo, euforia, gargalhadas, macarena, karaokê... 




Era demais para minha cabeça, não podia acreditar que fiz tudo aquilo. Deitei-me, peguei um travesseiro, enfiei na cara e ... 




– AAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH! 




Quando resolvi sair do quarto, já era quase hora do almoço. Eu nem queria comer, tudo o que eu queria era muita aspirina. As vozes que eu ouvia vinham da minha cabeça, ou alguém discutia na sala? Apressei o passo e logo desci as escadas. Na sala, Alice estava vermelha que nem um pimentão e Emmett ria, largado no sofá. 




– Não conte o que aconteceu para ninguém! É bom me ouvir, Emmett!



Fiquei confusa, do que ela estava falando? E se não queria que ninguém soubesse, por que estava gritando? Cocei a cabeça, tentando entender. 




– Eu não tenho culpa, foi você que começou, lembra? – O Serial Killer falou entre risadas.

Edward descia a escada, com seu típico sorriso torto, e parou ao meu lado. 


– Mentira! Você que começou tudo! – Minha prima apontou para o bisonho.


– O que está acontecendo, Alice? – Perguntei, ainda confusa.


Alice não respondeu, apenas colocou as duas mãos no rosto. 


– Alice e Emmett deram uns amassos ontem à noite! – Respondeu Edward, rindo. 


Meu queixo caiu. Como eu não lembrava disso? Ah... o Jake! Eu não conseguia prestar atenção em nada além dele. 


– Bico calado, Edward, ninguém deve saber disso! – Falou ela, alterada.


– Por que não? Você adorou, olha o que você fez em mim, sua anã tarada. – Disse Emmett, mostrando um chupão no pescoço.



Alice arregalou os olhos, sua expressão de susto e incredulidade era tão cômica, que Edward e eu rimos. 


– Eu não me lembro disso. – Se defendeu, constrangida. 


– Eu não quero colocar mais lenha na fogueira, mas eu acho que vocês fizeram bem mais do que isso. – Proferiu Edward, divertindo-se.

– O que? – Perguntaram os dois. 


– Acho que vocês transaram.

Alice riu e Emmett cruzou os braços, encarando-a. 




– Eu não preciso me preocupar com isso... – Alice passou a mão pelo vestido ajeitando-o, com uma expressão irônica. – Seu irmão, você sabe... não conseguiu.

– EI! – Protestou Emmett – EU NÃO BROXEI!



– Broxou sim, admita!



Edward aproximou-se do irmão e colocou um braço em volta do seu ombro. 




– Cara, assim você me envergonha!

– EU NÃO BROXEI! – Berrou Emmett e nós rimos. – Eu só bebi demais... e a luz não era favorável... – Terminou ele a frase em um fio de voz, com as mãos no bolso e cabeça baixa.



– Ufa! De qualquer forma é um alivio não ter transado com o Emmett, vocês não tem idéia. – Explicou Alice. 


– Ei, eu sou um gostosão, mas ainda tenho sentimentos. – Respondeu ele chateado. 


– Você quase transou com Emmett? – Para a nossa surpresa, a voz de Jasper veio da entrada da sala de jantar. Carlisle, Esme e Rosalie estavam com ele.


Alice olhou para mim pálida e desabou no chão, inconsciente.



 Todos correram para cima dela. 


– Rápido Edward, vá buscar minha maleta médica no quarto! – Ordenou Carslile e o Cullen obedeceu. 


Os olhos de Alice, fechados, tremiam e uma de suas mãos fechou-se. Aí, percebi que ela estava apenas fingindo. Prendi o riso. Eu sabia que ela, mentalmente, estava implorando por ajuda. 




– Carlisle, é melhor levá-la para o quarto. Muita gente em volta não é bom. – Falei, tentando ajudá-la. 




– Você tem razão. Fiquem aqui, vou levar Alice para o quarto. – Assentiu Carlisle. Alice devia estar agradecendo a Deus nesse momento. 


Quando entramos no quarto, ela logo fingiu recuperar a consciência. Senti que Carlisle percebeu a farsa, mas ignorou.



Ainda assim, ele examinou-a. Alice ficou deitada na cama e Carlisle veio falar comigo. 


– Ela está bem, acredite.



– Acredito, totalmente! – Respondi, sorrindo. 




– Bella, eu andei pensando, o que você acha de sairmos juntos? Só eu,você e Rose?

Ergui as sobrancelhas. Aquelas palavras me pegaram de surpresa, fiquei na dúvida se ele queria passar um tempo comigo, ou se era uma tentativa de me convencer a aceitar seu noivado. 




– E sua mosca morta usurpadora?

Carlisle bufou. 




– Por favor, não a chame assim, você precisa dar uma chance a Esme. Ela é uma pessoa maravilhosa.

A dor e a raiva quase me fizeram sair dali correndo, mas fiquei e enfrentei. 


– Ela é uma idiota, Carlisle, uma interesseira! Quando vai perceber isso?

– Será que você não pode ser como a Rosalie, ver as coisas com bons olhos?



– Ah, então é isso? Você quer que eu seja como sua filha perfeita Rosalie, não é? Eu sou só o motivo da sua eterna vergonha.



– Você sabe que não foi isso que eu quis dizer, não distorça minhas palavras, eu...



Não fiquei para ouvir o resto. Saí do quarto batendo a porta. Nada do que ele falasse me convenceria do contrário. 





Edward’s POV




Foi um alívio quando Carlisle voltou do quarto e anunciou que Alice estava bem. Não sei se os outros notaram, mas ele parecia aborrecido. Em seguida, meu futuro padrasto saiu em direção a seu escritório, talvez, para ficar um pouco sozinho. Eu até pensei em ir lá falar com ele, mas minha atenção foi desviada quando Jasper falou, olhando para o Emmett: 


– Você,... e eu! Lá fora,... agora. – O tom era ameaçador. Emmet o olhou, com os olhos arregalados, e até abriu a boca, mas nada disse. Levantou-se e seguiu a direção que Jasper indicava.
Resolvi acompanhar os dois, curioso para saber qual a intenção de Jasper, já que sua expressão era inédita para mim. 


Quando chegamos no jardim, a conversa foi iniciada por Jasper. 


– Me diga o que realmente aconteceu entre você e a Alice.

Emmett, com certeza, não esperava aquela pergunta. Antes de responder, me olhou confuso e eu retribuí com outro olhar, como se dissesse: “não sei de nada!”

A cara de bobo, que já era conhecida, deu um sorriso amarelo, antes de soltar: 


– Ah, cara,... tá bom. Olha só, o garanhão aqui deu uns amassos pesados na baixinha! Você tinha que ter visto!

Jasper baixou a cabeça, em silêncio. Pude perceber ele engolindo seco. Me perguntei o que estava havendo com o meu irmão, pois era a primeira vez que eu o via daquela maneira.
Emmett, preocupado, falou baixo: 


– Jasper?

– Fiquem aqui, eu já volto. – Respondeu ele, em um fio de voz. 



Então, ficamos esperando por cerca de três minutos, quando, de repente, a imagem bizarra surgiu à nossa frente! Jasper com a cara mais assassina que já tinha visto nele, apontava um taco de beisebol para Emmett!

– Agora você vai ver o que são uns AMASSOS PESADOS! – Falou meu irmão mais novo, correndo em nossa direção. 


– CORRE, EMMETT! – Gritei, percebendo a tragédia que estava para acontecer.

Emmett, desajeitado, começou a correr feito louco pelo jardim, berrando com a voz gasguita: 


– SOCORRO, SOCORRO! O QUE FOI QUE EU FIZ, MEU DEUS?! 


Não pude fazer mais nada além de correr atrás dos dois, na esperança de alcançá-los e evitar o assassinato. 


O barulho produzido por eles chamou a atenção das garotas Swan, que chegaram ao jardim ofegantes e confusas. 


– O que está acontecendo? – Perguntou Rosalie. 


Por ser o mais rápido dos três, logo alcancei Jasper e me joguei em cima dele. Rolamos pela grama e consegui tomar de suas mãos o taco, ao me levantar. Jasper também levantou-se, furioso. Seus cabelos loiros mais pareciam a juba de um leão raivoso. 


– Jasper, vamos conversar! – Falei amistoso.

– Me dá esse taco agora, Edward! Ou vai sobrar para você!


– Não! – Respondi firme. 



Jasper ficou vermelho e veio em minha direção, tremendo de raiva. O que eu podia fazer? Não ia brigar com ele, saí correndo pelo jardim com o Jasper no meu encalço. Agora, era Emmett que corria atrás dele, tentando livrar-me da fúria assassina de nosso irmão, que um dia consideramos “calminho”. Foi estranho como as posições se inverteram! 



– DÁ NELE, JASPER! – Berrou Bella animada, colocando mais lenha na fogueira.

Pela minha visão periférica, vi Rosalie abanando com as mãos uma Alice mais branca que papel. 


– PAREM, PELO AMOR DE DEUS! ALICE VAI TER UM PIRIPAQUE! – Gritou Rosalie, preocupada. 

Jasper, para nosso alívio, parou de me perseguir. Ele arfava, enquanto cerrava seus punhos. Emmett aproximou-se lentamente, temendo ser atacado. 


– Qual a sua, Jasper? O que eu fiz, cara?

O meu temor se tornou realidade, quando Jasper agarrou Emmett pelo colarinho e então, explodiu. 

– Qual a minha? Qual a minha? De todas as garotas do mundo, você tinha que ficar logo com aquela... por quem me apaixonei? 


– O QUE? – Perguntamos todos em uma só voz. Estávamos, simplesmente, perplexos.

Então, ouvi um estrondo e logo percebi que se tratava de Alice, que acabara de ir ao chão. 


– É, agora ela desmaiou de verdade. – Afirmou Bella. 

2 comentários :

kkkkkkk estou adorando a sua historia
para uma amadora que escreve a primeira vez ta muito bom
to rindo sem para continue bjs gabi

Anônimo
18 de maio de 2012 23:43 comment-delete

Uau,capitulo super difertido,des do primeiro capitulo sou fa n 1

Anônimo
5 de fevereiro de 2014 19:01 comment-delete

Postar um comentário