O Pianista - Capitulo 28


Uma aliada?


-Isabella aonde você esta? E quem esta como você?

Oh Deus!

-O que houve Bella? – Edward perguntou afastando minha mão. E pedi para ele esperar.

-Isabella Marie Swan?

-Tia você contou aos meus pais que não estou ai?

-Não. Quis dar o beneficio da duvida a você. Sei que é uma boa menina. –
respirei aliviada.

-Ok.

-Bella, me diga aonde você esta?

-Eu... – Edward puxou o telefone da minha mão, e tampou o bocal.

-O que esta acontecendo Bella?

-Meu pais ligaram na casa de tia Esme, agora ela sabe que eu não estou em casa, e que menti. – falei nervosa. Edward suspirou.

-Diga a Esme que você vai lá agora. – ele falou serio e me devolveu o telefone, assenti.

-Tia Esme, eu estou indo pra ai. Ai eu explico tudo.

-Tudo bem Bella. Estarei esperando. – nos despedimos e me joguei de volta no chão, Edward deitou ao meu lado e segurou minha mão.

-O que vamos fazer? Não sei o que inventar.

-Não vamos inventar nada Bella.

-Como? – me levantei e ele me imitou ficando ao meu lado.

-Chega Bella. Eu odeio isso e você sabe. Vamos falar a verdade a tia Esme.

-Não Edward ela vai contar aos meus pais e... – ele me interrompeu se levantando.

-Às vezes acho que você tem é vergonha de mim. – me levantei de um pulo e o abracei apertado.

-Não, não, - peguei seu rosto entre as mãos e fiz ele me olhar. – Eu te amo Edward, e o que eu mais quero é que fiquemos juntos.

-Mais insiste nesse segredo...

-Eu só tenho medo...

-Do que? – fechei os olhos e voltei a abraçá-lo.

-De meus pais forem contra, e você achar que eu não valho a pena. De que prefira alguém menos complicada. – ele puxou meu rosto e encostou sua testa na minha.

-Bella eu amo você. Eu falei serio ontem, eu vou me casar com você. – senti as lagrimas descendo.

-Verdade. – ele deu seu sorriso torto e roçou seus lábios nos meus.

-Eu não posso viver sem você, não mais. Todo meu mundo se resume a Isabella Swan. – eu ri e o abracei apertado.

-Eu também não sei viver sem você.

-Ainda bem que sou todo seu. – eu sorri e beijei sua boca, sua língua se movendo com a minha, e suas mãos me apertando. Nos separamos ofegantes e ele sorriu.

-Agora vá se vestir antes que eu te agarre aqui mesmo. – eu corei e corri para dentro da casa.

Edward me seguiu depois de alguns minutos e quando chegou no quarto eu já estava vestida, ele pegou uma camisa e vestiu e depois uma calça jeans e tênis, fiquei olhando pra ele.

Edward sorriu torto e veio até mim que estava sentada na cama e ficou sobre mim, e sorriu malicioso.

-Estava me secando é? – eu mordi o lábio corada.

-Um pouquinho. – admiti e ele riu e passou o nariz por minha garganta e beijou minha orelha.

-Ah como eu queria te fazer minha agora mesmo.

-Então faça. – pedi em um gemido e ele beijou meu pescoço sugando a minha pele.

-Não temos que falar com Esme.

-Ou podemos ir depois. – ele saiu de cima de mim e me estendeu a mão.

-Eu sei que você esta fazendo e não vai funcionar. – eu rolei os olhos e segurei sua mão.

-Não estou fazendo nada. – ele riu e começou a caminhar comigo para o andar de baixo.

-Esta tentando me fazer desistir. Mais vamos falar com Esme. – suspirei e apertei sua mão com força.

Seguimos até meu carro e ele dirigiu sem soltar a minha mão, me sentia uma pilha de nervos. Esme podia aceitar o que eu e Edward tínhamos, ou contar aos meus pais e me afastar dele.

Talvez meus pais nos aceitassem. Edward era responsável, e tinha um trabalho, e me amava e queria casar comigo, tudo que um pai pediu a deus. Mais também ele era mais velho, e meio pervertido, ainda bem que dessa parte meu pai não sabia.

Quando a casa dos Cullen começou a se aproximar eu fiquei mais nervosa, meu lábio estava sendo mastigado, e minhas mãos soavam, meu pé não parava quieto, senti a mão de Edward na minha coxa e olhei para ele.

-Pronta?

-Já chegamos? – olhei e vi que o carro estava parado em frente à casa dos Cullen e Edward puxou meu rosto para ele.

-Eu estou aqui, e nunca vou sair do seu lado. – assenti e ele saiu do carro e abriu a porta pra mim.

Caminhamos de mão dadas em direção a porta, apertei a mão de Edward com força quando ele tocou a campainha, e ele sorriu levando minha mão aos lábios e sorri um sorriso meio nervoso, mais ainda sim ele continuava ao meu lado.

Praticamente prendi a respiração quando a porta se abriu, e Esme nos olhos sorrindo, e ficou seria ao ver nossas mãos unidas.

-Edward, Bella?

-Tia precisamos conversar. – Edward falou serio e apertei sua mão com mais força.

-Pelo jeito precisamos mesmo.

Entramos e Esme nos levou até a sala, ela nos olhava de esguelha e sentia meu rosto muito, muito quente. A acompanhamos até a sala e sentei ao lado de Edward.

-Bem podem me dizer o que esta acontecendo aqui?

-Tia eu e Bella estamos namorando.

-Edward!

-Sei o que esta pensando, mais com Bella não é assim. – Esme ficou seria.

-Edward, eu não sei o que dizer.

-Podemos falar a sós? – olhei para ele nervosa e ele me deu seu lindo sorriso, e beijou minha testa. E levantou Esme o seguiu e foram em direção ao escritório de Carlisle.

Mal eles me saíram senti uma mão no meu ombro, suspirei ao ver Alice e a abracei chorando. Ela me abraçou e afagou meus cabelos.

-Não fique assim Bella, tudo vai se acertar vai ver. – me afastei dela e limpei meu rosto com as costas das mãos.

-Eu espero que sim. – nos sentamos no sofá e ela apertou minha mão.

-Desculpe Bella.

-Por quê?

-Eu queria te ajudar. Mais Jasper me levou para um hotel, e eu esqueci o tempo, só cheguei hoje de manha e minha mãe já tinha falado com a sua.

-Não se preocupe Alice. Você não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo.

-Eu sei. Mais eu tinha te prometido ajudar.

-Mais do que já me ajudou. Obrigada por ser sempre minha amiga. – ela sorriu e me abraçou de novo.

-Edward vai resolver tudo vai ver.

-Eu sei que ele vai.

Ficamos sentadas no sofá uma apoiada na outra em silencio, nem eu nem ela conseguíamos falar, estávamos nervosas. Meus medos estavam me deixando louca.

Edward desistindo de mim, ele percebendo que seria muito mais fácil estar com uma mulher da idade dele. Isso tudo me apavorava. Mais eu sabia que ele não desistiria, ele me amava tanto quanto eu o amava.

E eu já não podia viver sem ele. Eu não queria viver sem ele. Minha respiração ficou em suspenso quando a porta se abriu e vimos Edward e Esme saírem do escritório.

Edward sorriu e veio até mim, e eu levante e ele me abraçou apertado, seus lábios em meus cabelos e senti mais lagrimas e meu rosto, fechei os olhos e senti seus lábios em minha pálpebras.

-Não chores linda. Eu vou sempre ficar com você. – abri os olhos diante de suas palavras e ele sorria docemente.

Pisquei algumas vezes confusa e ele olhou na direção de Esme que sorria pra mim, Edward me soltou e vi Esme vindo em minha direção e chorei mais quando ela me abraçou apertado.

-Bem vinda à família Bella. – eu dei uma risada meio boba e ela riu.

-Eu disse que ia dar tudo certo. – Edward falou segurando minha mão e soltei Esme.

-O que aconteceu?

-Edward me mostrou que ele não esta brincando com você. E que vocês vão contar tudo aos seus pais no seu aniversario. – sorri.

-Obrigada tia Esme. – ela deu um sorriso grande.

-Agora serei sua tia de verdade.

-E eu serei prima. – falou Alice saltitante e eu ri.

-Obrigada mesmo Esme.

-Eu que agradeço por ter posto meu menino na linha. – Edward rolou os olhos e eu ri.

-Ah tia não esqueça que tem que ir decorar a casa. – Esme sorriu mais.

-Vou adorar Edward.

-E nada de espelho no teto do quarto. – falei corada e Esme gargalhou.

-Eu disse a mesma coisa. – falou Esme, e olhei feio para Edward que sorriu safado.

-A casa é minha. – falou dando de ombros.

-Achei que fosse nossa. – ele sorriu torto e me abraçou pela cintura.

-Hummm, eu gostei de como isso soa. – eu ri e beijei seu queixo.

-Eu também gosto. – nos olhamos por alguns minutos e ele roçou seus lábios nos meus.

-Pronta pra voltar para casa? – olhei interrogativamente para ele, e Edward olhou para Esme.

-Podem ir Bella. Edward me explicou tudo. – eu corei violentamente.

-Tudo, tudo? – ele riu e beijou meu nariz.

-Bem eu contei o principal. Os detalhes picantes ficam entre nos. – ele piscou pra mim me fazendo rir.

-Ok, então vamos logo.

-Eu sei, também estou doido para te ver andando pelada pela casa.  – ele falou em meu ouvido e corei o empurrando. Ele riu e voltou a me abraçar.

-Amor esse seu lado selvagem guarda pra mais tarde. De preferência na piscina.

-OMG você não tem jeito. – ele riu e beijou meu pescoço.

-Você pode me dar um jeito que não me importo.

Rimos e nos despedimos de Esme e Alice voltamos para casa. Enquanto Edward dirigia segurando minha mão eu só conseguia pensar em duas coisas.

Primeira que talvez meus pais aceitassem que eu amo Edward e ele a mim. Esme aceitou, eu só esperava que eles tivessem a mesma reação que ela.

E segundo o que Edward estava pensando, pois ele me olhava de um jeito que estava me fazendo ficar muito vermelha e devo confessar muito excitada.








0 comentários :

Postar um comentário