Á Luz Das Estrelas - Capitulo 25


A discussão seguiu até o quarto de Edward.Enquanto Bella tentava convencê-lo a devolver a guitarra,Edward não se convencia das justificativas da garota.

- Você tem que devolver ela, Edward. – Mesmo desejando loucamente a Stratocaster não podia ficar com ela, não se toda vez lembrasse-se da quantia exorbitante que ele desembolsou por ela.

- Eu não vou devolver. Comprei com meu dinheiro que economizo desde os dez anos, você sabe que nunca precisei gastar muito comigo mesmo. – ele se aproximou dela cauteloso. Nunca viu Bella tão alterada, causou a reação contrária nela. - E presente não se olha o preço.

Ela tinha que admitir que Edward tinha razão além de nenhuma noção de dinheiro. Ele não possuía carro do ano, pois não podia dirigir, não gastava com roupas caras e nem com baladas intermináveis. Edward era focado nos estudos e só comprava materiais relacionados à astronomia, até hoje.

- Só queria te agradar, mas se você não a quer eu devolvo. Só por favor, pare de se alterar. – ele levou as mãos à cabeça atordoado, não estava pronto para tantas emoções. Bella percebeu isso e o abraçou subitamente, seu corpo se moldava ao dele com se fosse feito pra Edward e mais ninguém.

- Amo você demais seu extravagante.

- Vai parar de gritar?

- Desculpe, não foi minha intenção assustá-lo. – Bella percebera tarde demais o quanto Edward era emocionalmente frágil. Ela apreciava isso nele e o compreendia. Qualquer emoção forte demais era o suficiente para derrubá-lo.

Olharam-se por um tempo reconhecendo um ao outro, deixando as discordâncias de lado. O beijo foi inevitável e igualmente sedento, Bella agarrava os cabelos de Edward com força como se fosse possível trazê-lo para mais perto de si. Seus corpos estavam  colados o suficiente para sentir o calor que emanava deles. Edward, movido pelo desejo buscou a pele arrepiada de Bella por baixo da blusa.

- Me lembro dessa blusa, comida japonesa, fraudes no War... – murmurou ele buscando novamente os lábios de Bella.


Ela se viu surpreendida com a lembrança, Edward era um gênio, mas não sabia que ele seria capaz de guardar tal lembrança até então significativa pra ela.

- Faça amor comigo, Edward. Por favor.

Ele a obedeceu de forma apaixonada, despindo cada peça com devida atenção e deslumbre até deixá-la apenas de roupas íntimas. Qualquer exploração era necessária, ele nunca se cansava de tocar cada parte do corpo da garota, não cansava de tomar o corpo dela como seu.

Bella desabotoava cada botão da camisa dele sem romper o contato visual. As respirações ofegantes se tornaram audíveis enquanto aquele quarto era testemunha do amor dos dois. Edward fez questão de tirar o sutiã dela, suas mãos alcançando os dois montes suavemente sentindo a textura agradável. Seu corpo já reclamava para possuí-la. Bella gemeu aturdida pela sensação das mãos firmes dele em seus seios, era o fim de noite perfeito com o homem que amava. A sensação de poder a dominou e ela o virou ficando por cima. Suas unhas percorreram do peito até o abdômen dele de forma sensual enquanto as de Edward seguravam seu quadril com firmeza.

- Como você é lindo. Nunca vou me cansar de você, Edward.

- Fico feliz com isso. – A visão do corpo nu de Bella impedia qualquer frase coerente.

Seus lábios entre abertos era, desejáveis demais para ficar longe, então ela o beijou, suas línguas brigando por espaço numa dança sensual. Os lábios dela desceram da mandíbula ao pescoço dele, a barba mal feito contra pele dela a excitou ainda mais.

- Você é muito pra mim, Isabella.

- Muito? – ela odiava quando Edward si colocava pra baixo, por isso pegou seu rosto entre as mãos fazendo-o olhar nos seus olhos. – Você nunca mais repete isso. Por favor, Edward.

- Está bem. Desculpe, querida.

Era impossível ficar chateada com Edward por muito tempo. O beijou demonstrando o quanto o amava. Seus corpos precisavam um do outro, necessitados em se encaixar como devia ser.

Edward virou Bella,ficando por cima.Seu sorriso límpido mostrando que aquela não era apenas atração física, era com o coração, com amor e paixão todos os sentimentos unidos. Ela a penetrou aos poucos, a sensação de poder o dominando, Bella estremeceu ao senti-lo duro contra seu sexo molhado.Gemeram juntos,Edward acostumava-se ao corpo dela,os olhos não quebravam o contato. Bella apertava os lençóis, arqueando o quadril facilitando o encaixe, necessitado ele acelerou os  movimentos segurando as pernas dela em volta do seu quadril.

Ela gemeu com vontade e Edward assistiu de cima Bella arfar e gemer loucamente fazendo-o aumentar as estocadas, o impulso fez a cama se deslocar batendo contra parede.

- Mais forte, Edward.

- Eu não quero te machucar, Bella.

- Por favor, amor. Vai. – murmurou trazendo o rosto dele para si.

Edward atendeu ao pedido forçando o quadril impulsionando seu membro contra o sexo dela com força e agilidade. Ele gemeu vendo os seios de Bella subir e descer com os movimentos.

- Isso, Edward. Eu te amo.

Ele não ia agüentar muito tempo e Bella teve a mesma sensação quando o membro dele atingiu onde ela necessitava. O êxtase do clímax chegou para os dois juntos com o cansaço de seus corpos suados.

- Isso foi... – Bella tentou achar palavras para descrever mas sua respiração descompassada não permitia.

- Há mesmo um adjetivo que explique? – questionou ele repousando o corpo sobre o dela.

- Não e é por esse motivo que amo você. Não há explicação.

Bella roçou os lábios nos dele, dando pequenos beijos, sua mão acariciava o cabelo bagunçado e a outra percorria o corpo dele até tocar seu membro ainda conectado a ela. Edward gemeu apreciando a sensação.

- Ainda não acabou pra nós. Você não precisa comprar presentes caros pra mim, isso já vale à pena, Edward. Esses momentos com você definem a minha vida.
/
Mesmo relutante, Edward foi à festa. Foi uma experiência irritante para o garoto mesmo que seus amigos estivessem lá. Bella o apresentou a algumas amigas do colegial e logo se distraiu largando-o no meio de desconhecidos. Quem lhe segurou lá foi Charlie Swan,o homem das grandes comemorações, em meio a musica alta e pessoas rindo alto demais, o pai de Bella apareceu com um copo de uísque na mão.
- Meu garoto! – Ele o puxou para uma mesa afastada e Edward agradeceu por estar longe da multidão.
- Como vai o futuro noivo da minha filha?
Edward sorriu forçosamente, essas festas só provava o quanto ele e Bella eram diferentes. Não havia futuro para eles, não quando o passado era cheio de buracos.
- Sabe rapaz, você e Bella formam um lindo casal. Você colocou juízo na cabeça da minha filha e eu devo agradecer por isso.
- Não, senhor, eu devo agradecer por sua filha gostar tanto de mim. – disse sincero, seu olhar buscou Bella e uma aprovação a sua afirmação, mas nada de encontrá-la.

Enquanto Charlie punha tanta esperança naquele relacionamento, Edward não o via da mesma forma, sentia a necessidade de agir antes que quebrasse as expectativas do sogro. Se magoasse Bella morreria duplamente. Seus pensamentos o atordoavam e ele sentia a necessidade de ficar, refletir sobre o que pensava em fazer.

Edward sentiu uma agonia profunda com todo aquele barulho, agonia compara somente a quando seus colegas de classe na 5ª série o cercaram uma vez e começaram a gritar “briga” por ele ter ofendido verbalmente outro garoto. Sem se despedir de ninguém deixou a festa, pesando o seu relacionamento com Bella. Ela parecia tão bem, tão radiante junto aos seus amigos e ele não poderiam dar o que ela tanto queria, não fazia parte do mundo dela e isso o atordoava.

- Edward,onde você vai?

- Olá Ângela.- cumprimentou uma das amigas de Bella que veio de Duke só para prestigiar a amiga. - Por favor avise a Isabella que não estou bem disposto e irei embora.De fato foi um prazer conhecê-la,espero que sua noite seja agradável.Com licença.

Sabia que Alice o mataria mais tarde,mas se ficasse ali a angústia o mataria.Estava cercado de inseguranças e dúvidas,tinha medo de acertar e mais ainda de errar.Seu relacionamento com Bella era a equação mais desafiadora de sua vida.

Duas semanas depois.

Bella percebera a frieza e o distanciamento de Edward nas ultimas semanas.Supunha que eram os trabalhos acadêmicos que o estressavam com facilidade.Mas o humor irritável de Edward se devia a outro fato,que ela só se deu conta quando ele a chamou pra um passeio na sexta.

Edward sentou-se no banco do lago onde foram ver o pôr do sol meses atrás,quando tinha esperanças e as dúvidas eram menos constantes.Bella o acompanhou sentando ao seu lado.O ar introversivo do garoto dizia-lhe que aquele passeio não era em vão.

- Ei.Pode me dizer por que você está tão reflexivo? – perguntou ela tocando a mão de Edward delicadamente, ele se arrepiou com toque.

- Você me conheceu assim, Isabella. – Respondeu, a voz vazia e fria como aquela tarde.

- Você me trouxe aqui por algum motivo, nada do que Edward Cullen faz é em vão. – disse encostando a cabeça no ombro dele relaxou ali soltando um breve suspirou. – Não vou me esquecer nunca do dia em que viemos aqui. Foi perfeito. – enrolou os dedos nos dele, apertando sua mão.
I Dont Believe You - Pink 
- Esquecer. – Finalmente ele iria falar. Bella sentiu pela entonação firme dele, levantou a cabeça de seu ombro e se virou ficando de frente pra ele. O nervosismo era quase palpável. – Quero que você me esqueça. Você precisa fazer isso, Bella. Não quero que se sinta presa a mim, eu não sou bom pra você.

Bella ergueu as sobrancelhas desvendando as palavras que ele dizia tão rápido e dolorosamente. Era o fim, ele queria terminar depois de tudo que ela fez pelos dois, ele simplesmente desistia.

- Isso é totalmente inadmissível, Edward. Você não imagina o bem que me faz.

- Você está enganada. Não podemos continuar, Bella. Sinto muito. – Edward evitou olhá-la, levou as mãos aos cabelos em um gesto de desespero. Ele sentia ódio de si mesmo, ódio por amá-la e ter que lidar com as duras palavras que anunciavam o fim. – Prefiro terminar com você agora a te magoar. Seria o inferno pra mim te magoar.

Por mais que ela quisesse ser paciente com ele, não conseguia,odiava Edward Cullen por terminar com ela, por nem ao menos lutar por um amor que era visível em seus olhos.

- Não dá pra acreditar. Por quê?

- Quero me dedicar ao meu curso, dar prioridade a ele e acabo deixando você de lado, Bella.

Por mais que ela tentasse simplesmente não conseguia acreditar na justificativa dele. Edward não era assim, ele alternava muito bem a faculdade e o namoro deles durante esse tempo, era algo bem mais sério que o aturdia, mas ele não ia dizer simplesmente.

- Te agradeço por tentar Bella, mas somos diferentes. Desde o começo deveria saber que não podemos nos misturar.

Ele não sabia o que era pior, ouvi-lo dizer aquelas palavras cruéis demais ou olhar para trás e ver o quanto foram felizes em todos os momentos que passaram juntos. Cada beijo, cada toque, cada sorriso, cada olhar era a esperança de sua cura. Bella mostrou-lhe um mundo a parte do seu e só tinha a agradecer a ela.

Os dois se mantiveram ali, maltratando a si próprios, refletindo sobre o que deu errado, sobre o que poderia ter dado certo. Bella estava inconformada, vazia, só ouvia o barulho do silêncio, o fim foi seguido de silêncio.
- Você é um idiota. Eu amo você. É tão difícil de entender?

Edward não respondeu, assistiu Bella se levantar e andar automaticamente. Sentiu seus dedos queimarem na ânsia de tocá-la, dizer que era uma brincadeira e que queria permanecer na sua vida pra sempre. Mas ele não conseguia, não sentia vontade de nada, apenas o desejo angustiante de se isolar do mundo.

- Isso é ridículo, Bella, você não pode ficar assim. - disse Jasper alisando os pés da irmã

Bella se manteve estática como há dias atrás quando foi rejeitada por seu verdadeiro amor. Seu habitat natural era a cama, o silêncio era seu mantra e seus pensamentos só levavam a um lugar: Edward.

Ela sabia que chorar por ele não ajudaria, sabia que precisava comer, tomar banho, escovar dentes e principalmente levantar e seguir sua vida mas não tinha a mínima vontade. Só quem experimenta o fim sabe o gosto amargo causado por todos os fatos do meio.

O desespero profundo cegava suas metas, ela simplesmente não conseguia.

- Olha só, Edward não era pra você, esse relacionamento já começou complicado.

- Eu não entendo.

Edward havia deixado bem claro os motivos, porém Bella simplesmente não entendia, ele a queria bem então por que se afastou?Ninguém compreendia a mente de Edward Cullen. Ele preferia perdê-la a lutar consigo mesmo, sabia que seria uma luta vã.

- Você vive num mundo que não é o dele. Ele tem prioridades e você invadiu o espaço dele, Bella. Não dá pra você se encaixar. Entendo o cunhadinho de certa forma.

O problema é, ela queria se encaixar,queria ser como ele e viver pra ele.O namoro deles era seu único refúgio, onde podia ser a Bella sensível com um talento musical memorável e um namorado maravilhoso e único.

Edward jogou tudo fora por pura covardia. Por quê?

Não se imaginava sem ele, e agora estava sem ele. Nenhuma notícia ou email... Nada. Sua única fonte de informação era seu próprio irmão que por vezes conversava ou jogava com Edward.

- Ele está agoniado com isso, Alice me disse que ele está pior á cada dia.

- Quem manda  ser idiota... - se ergueu pela primeira vez no dia e encarou o irmão – O que devo fazer Jasper?
- Você uma Swan. Tire a conclusão por si só.

Bella se lembrou do que o irmão queria dizer. Charlie ensinou aos filhos lutar pelo que querem independente do quão difícil sejam os obstáculos, e lá estava ela, derrubada pelo fim da relação. Os olhos castanhos antes tão vivos agora estavam apagados, sua boca era uma linha reta onde não havia espaço para o sorriso. Mas ela queria Edward, queria voltar a sorrir e usar roupas decentes e para isso precisava de uma meta que seria... Reconquistá-lo, maltratá-lo o suficiente para ele perceber que não existe felicidade sem ele para partilhar. Com essa idéia fixa na mente, apertou os olhos e tentou sorrir, a Bella determinada aos poucos dava sinal de vida.

Vamos lá, acorde, ele precisa de você.

Ele é o amor da sua vida,garota.

Olhar-se no espelho era a pior parte. Ver o bagaço em que se transformou, em que Edward a transformou. Contudo, ela era uma Swan e como tal iria atrás do que queria independente do preço que custasse.

- Ah, a sofredora acordou. Sofrendo pelo alienadinho, Bella, tem outros peixes no mar.

- Nenhum desses peixes tem o sorriso torto mais lindo do mundo, os olhos verdes atraentes e são superdotados. Edward é único, Rose. Por isso que eu o amo. – Disse ao terminar de se arrumar. Foi até o armário escolher uma roupa ideal. – E eu estou disposta a tê-lo de volta.

- Ok, não está mais aqui quem falou.

- Não está mesmo, tchau. – expulsou indiretamente a irmão, precisava ficar sozinha e colocar seus pensamentos em ordem.

Pensando em Edward e suas fraquezas, respirou fundo e olhou sua face no espelho. Edward a magoou e ainda doía muito. As lembranças daquele dia a torturaram. Agora armaria uma estratégia para fazê-lo ir até lá.

- Edward. – a voz familiar de Jasper o fez se virar. Ele parou a caminho da biblioteca e olhou para o companheiro de Nintendo Wii .- É a minha irmã,ela está muito mal,não quer comer. Você está a fazendo sofrer.

A última frase deixou Edward chocado, era o que ele menos queria, fazê-la sofrer.

Bateu na porta de Bella com o último fio de coragem que restara, antes se sentia bem perto dela, mas diante da vontade de esquecê-la se via confuso ao perceber o mal que havia feito a garota.

Ela foi sua única paixão,a única com quem quis estar,com quem arriscou um relacionamento e a única que se pode dizer que amou sem ter justificativas ou embasamento cientifico algum.Não era necessário entender algo tão claro pra ele mas não pra ela,por amor Edward terminou com Bella por si auto intitular inadequado pra ela.

- Bella. – murmurou seu nome,envergonhado sem pode disfarçar o choque por vê-la em trajes minúsculos em sua frente.

- Edward. – Bella murmurou numa intensidade diferente,mais dura. – Eu não te esperava aqui senão teria...não teria vestido outra roupa.Afinal, você já me viu nua né?

- Tive essa honra.Agora não sou merecedor nem da sua presença.

Bella meneou a cabeça ciente do quanto Edward tinha baixa auto-estima.Foi por isso que terminou com ela.E ela odiava a doença dele profundamente.

- Entra. – ela ordenou se afastando pra ele entrar,Edward passou por ela,seus olhares se encontraram e milhares de sentimentos se passaram por eles.A tensão entre os dois era tangível.

Edward,observador como sempre,viu um pote de sorvete de chocolate na mesinha de centro junto com vários filmes.

- Estava assistindo Moulin Rouge.Quer ver comigo?

- Musicais, minha mãe me obrigava a assistir com ela e a Alice.São chatos. – Mas sabia que não poderia negar nada a ela, não quando sofria por sua causa. – Assisto com você.

Sentou-se no extremo do sofá com medo de machucá-la novamente. Bella aproximou-se dele vagarosamente, a saudade do cheiro dele e de apoiar a mão em seu peito firme a consumia aos poucos. Tentada, ela se aproximou envolvendo seus braços no pescoço do garoto, que de forma inesperada aceitou o abraço saudoso do calor que emanava dela e do magnetismo de seus corpos tão próximos.

Edward se perguntou como conseguiu ficar tanto tempo longe da mulher que amava, sentia saudade de cada sorriso e conversa que compartilhou tão prazerosamente com Bella. Sentia falta de se sentir leve e querido, mas foi ele que escolheu assim.

Passaram minutos e os dois continuaram com a mesma posição. Edward em sua tensão de sempre, os pensamentos recorrentes em sua mente. Bella se aconchegou no peito de Edward dormindo como nunca antes em tanto tempo de noites se perguntando o que havia dado errado entre eles.
Creature Fear - Bon Iver 
- Edward. – ele a ouviu gemer em seu sono, gentilmente levou a mão aos cabelos dela afastando as mechas no cabelo bagunçado de Bella. – Não me deixa...

Depois dessa afirmação Edward se sentiu pior do que antes, respirou fundo e apertou os olhos querendo se machucar por magoá-la.

- Estarei aqui, Bella. Calma.

Surpreendeu-se quando ela ergueu a cabeça olhando pra ele com seus olhos pequenos devido ao sono.

- Fazia tempo que eu não dormia assim.

- Te acordei?

- Não... – Edward passou os dedos pelos cabelos de Bella numa tentativa fracassada de organizá-lo.Ela sorriu ,apoiou a mão em seu peito e se inclinou sem tirar os olhos dos dele.Edward não pôde fugir daquele olhar,daquele momento. Era sua chance de saber se tudo valeria à pena, se fez uma imensa burrada ao terminar com Bella.

Ele a queria tão perto e ao mesmo tempo queria afastá-la,essa contradição se acentuou quando seus lábios se colaram, sentiu o mundo parar, um iminente frio na barriga o atingir. Edward tinha medo do que se tornou por Bella, era um sentimento feroz que se confirmou quando suas mãos desceram pelas laterais do corpo dela alcançando sua cintura. Sim, ele amava sentir a sutileza das curvas de Bella em suas mãos. Bella alcançou os cabelos dele, puxando seu rosto pra perto com voracidade.

Aos poucos as bocas se abriram iniciando uma dança que nenhum dos dois esqueceu, o tempo não poderia acabar com o que sentiam e quando suas línguas se encontraram eles souberam disso.

Era o momento perfeito, em que eles se resumiam a meros apaixonados, lutando para sobreviver a si mesmos. E seria assim para todo o sempre se Edward não se afastasse. Ele a empurrou pra longe pela cintura, levantando do sofá com rapidez, apavorado com seus próprios sentimentos contraditórios.

- Por que você fez isso? – Questionou, seus olhos forçados além da janela, mas ele queria olhar pra ela, si encontrar nela.

- Porque eu tive vontade, Edward. Eu morro de medo de te perder e aconteceu. – Explicou Bella com receio de que ele fugisse como sempre fazia, a fuga e a esquiva eram característicos de Edward. – Você ainda gosta de mim?

- Foi por isso que terminei com você, Bella. – Justificou como se essa resposta bastasse. – Não é certo nos beijarmos já que não namoramos.

- Não é certo esconder o que você sente nem fazer os outros sofrerem. E mesmo assim você fez.
O que parecia certo pra Bella era errado aos olhos de Edward e vice-versa. Munidos de suas próprias contradições, os dois silenciaram por alguns minutos. Até que Bella se levantou caminhando até ele.

- Nós podemos continuar amigos, mas não prometo que será igual ou podemos ficar juntos desfrutando da presença um do outro e ver o que acontece. Mas não imponha limites, ok?Apenas deixe acontecer. – Entrelaçou sua mão na dele, apertando-a forte. – O que você acha?

- Não entendi nada, contudo se ficar longe de você é emocionalmente impossível e racionalmente incorreto, prefiro ver o que acontece.

Ela sorriu o abraçando por trás, enquanto Edward se via perdido em pensamentos.

Com o inverno veio às expectativas para o Natal, Edward não compartilhava do mesmo pensamento, mesmo sabendo da tradição familiar dos Cullens de festejar todo o ano. Ele se isolava desse tipo de comemoração fugindo das reuniões de família e da insistência de Esme para montarem a árvore juntos.

- Cara, tenho que dar um presente de Natal pra Maddie, o que você acha legal? – Mike perguntou quando iam saindo da aula, Edward distraído como de costume não ouviu, mas seus estímulos rapidamente se ativaram ao sentir um perfume característico se aproximar. Era Bella, mais linda e irresistível do que nunca, ela superou a fase do abandono agora que eles decidiram algo que ele não entendia muito bem o que era. Um tipo de amizade bem peculiar na opinião dele.

- Oi Edward. – Sua voz atingiu os ouvidos de Edward como a mais linda das sinfonias. E pra piorar sua situação Bella mordeu o lábio inferior mirando diretamente nele e jogou seus cabelos para o lado. Seu perfume maltratando as narinas dele. – Obrigada por ter ido lá a casa ontem. Foi bem... Produtivo.

- Produtivo. É. – ele respondeu focando nos sorriso que se formou nos lábios da garota, era como se tudo voltasse a ser como antes e ele morria de vontade de beijá-la.

Ela partiu mas seu cheiro permaneceu no ambiente, Edward acompanhou os passos dela até ser chamado por Mike.

- O que fizeram ontem à noite?

- Fizemos uma sessão de nossos filmes preferidos. – deu de ombros ajeitando a manga do casaco distraidamente.

- Isso é coisa de namorados.

- Não sei. Talvez. Mas foi bem legal. – sorriu ao lembrar-se dos beijos afoitos que trocaram ao final de “Odisséia no espaço” que o deixou sem ar e lhe custou uma ereção de manhã.

- Seja o que for não deixe  ir embora,cara.Vocês se gostam, dá pra sentir. – Mike aconselhou tocando o ombro do amigo, Edward assentiu reflexivo e em seguida se despediu do amigo.

Encontrou com Alice e Jasper se agarrando no capô do carro e deu meia volta, enojado com a cena. Distraído bateu-se com Bella, só podia ser ela.

- Olha por onde anda Cullen. – Edward deu um muxoxo e Bella entendeu o que se passava, aos poucos se tornava fácil lê-lo. – Quer ir comigo pra casa?

Ele assentiu ainda de cabeça baixa, sem coragem de olhar naqueles olhos castanhos e se perder ali.

- Meu pai convidou toda sua família pro jantar de Ação de Graças. – Bella começou nervosa, não sabia se dizia a verdade a Edward ou se continuava mentindo pro pai. – Charlie ainda acha que estamos namorando.

Ele engoliu seco absorvendo o que Bella disso, então Charlie iria infernizá-lo na Ação de Graças. Seu medo de gente não era à toa. Tinha ainda mais medo do que aquele jantar poderia representar.

0 comentários :

Postar um comentário