Capitulo 9 - BMO

Bella POV
No começo foi difícil. Muito difícil encarar Forks novamente. As primeiras imagens que me vieram a mente foram sem dúvida da minha família me escorraçando de casa. Fiz o impossível para segurar meu choro e não deixar que Edward percebesse. Sei que ele também estava apreensivo e minha agonia so iria atormentá-lo ainda mais.
A casa dele continuava a mesma, é claro. Mas aquela que foi da minha família estava em ruínas, completamente abandonada. Fiquei parada um bom tempo,com Mel em meu colo, apenas olhando para aquela casa.
Edward veio para o meu lado, os braços em volta do meu corpo.
-Pensa em ir lá?
-Não... seria... triste demais. Há quanto tempo ela está assim?
-Logo depois que você se foi... seus pais também se foram. Nunca houve uma placa de vende-se... nada. Parece que eles queriam mesmo... abandonar tudo.

-Esquecer que tiveram uma filha feito eu.
Edward segurou meus ombros, forçando-me a olhar pra ele.
-Não diga isso, por favor. Você é maravilhosa, Bella. Sempre foi, embora nem eu mesmo tenha percebido isso no começo. Estamos juntos agora e por mais difícil que seja vamos tentar deixar o passado para trás. Temos nossa filha linda que precisa de todo nosso amor e carinho.
-Está certo, Edward. Foi apenas o choque inicial mesmo. A forma como sai daqui... mas deixa pra la. Vamos entrar. Temos muito que fazer.
Ele beijou suavemente meus lábios e entramos. Meu olhar logo foi atraído para o sofá... aquele em que tantas vezes estive com ele. Onde tudo começou. Apesar de tudo, aquelas eram lembranças maravilhosas. Lembranças de como me entreguei a ele sem pudores, de como fiquei completamente louca por aquele homem.
Senti suas mãos em meus ombros, a boca roçando levemente meu pescoço.
-Está pensando no mesmo que eu?
-Sim. Foi muito bom, apesar de tudo.
-Apesar de eu ter sido um burro.
Balancei a cabeça, discordando dos pensamentos dele.
-Edward, pode armar o carrinho da Mel? Ela está dormindo e quero aproveitar para ajeitar as coisas.
-Depois teremos que sair para comprar um berço pra ela. Melhor não deixá-la acostumada a dormir conosco.
-Tem razão. Mas antes vamos colocar essa casa em ordem.
Depois de armado o carrinho e de ter colocado Mel, Edward me abraçou com força.
-Vamos ser felizes aqui, amor. Eu juro.
-Eu não tenho dúvida nenhuma quanto a isso.
Sua boca tomou a minha e fiquei na ponta dos pés para enlaçar seu pescoço e me entregar ao seu beijo. Edward me abraçou mais forte, fazendo meu corpo inteiro se acender. Empurrei-o sorrindo.
-Melhor parar.
-Chata.
-Vai me ajudar?
-Claro.
Começamos a ajeitar as coisas. Limpei a casa e Edward ia guardando nossas roupas e brinquedos que Alice e Jasper deram a Mel. Ficaram tão tristes com nossa partida, mas infelizmente precisávamos começar nossa vida a sós. Seria eternamente grata aos dois. Ao Jasper por ter me ajudado num momento em que pensei que tudo estava desabando. Sem ao menos me conhecer ele me estendeu a mão. E a Alice, por também ter confiado e aceitado minha presença sem saber quem eu era. Realmente Edward tem uma família maravilhosa. Família da qual faço parte agora.
Minha última parada foi na cozinha. Fiquei boquiaberta com o tanto de garrafa de uísque e vodka que encontrei acumuladas sobre a pia. Todas vazias, é claro.
- Caramba...
-Pensei que iria me afogar na bebida.
Edward falou atrás de mim, pegando-me de surpresa. Abraçou minha cintura por trás e colocou o queixo em minha cabeça.
-Não sei por que nós, homens, sempre procuramos o caminho mais fácil: a bebida. Por que não fui atrás de você? Deveria ter enfrentado seus pais e obrigado-os a me contar onde estava. Ameaçar denunciá-los...sei lá...qualquer coisa. E não ficar escornado no sofá, enchendo a cara.
-Talvez você ainda não aceitasse que me amava.
-Não. Eu já sabia disso e aceitava muito bem. So fui fraco por não ter tomado uma atitude.
Suspirei.
-Vou limpar isso. Nada de bebidas por aqui.
-Pode ficar sozinha um pouco? Tenho que sair e comprar algumas coisas para comermos.
-Eu não me importo. É bom que adianto tudo.
-Eu volto rápido. Tem alguma coisa que queira?
-Hum... acho que preciso de algumas coisas para a Mel. Farei uma listinha pra você.
Tinha uma coisa que queria perguntar, mas estava tremendamente envergonhada. Mas, enfim, se iríamos viver juntos, eu não poderia deixar isso passar, por mais constrangedor que fosse.
-Edward?Eu queria... hum... não me interprete mal, mas você ficou tanto tempo parado... sem escrever e...
Ele riu e segurou meu rosto.
-Não se preocupe com isso, anjo. Não faria a loucura de trazê-las pra ca se eu não tivesse condições de cuidar. Felizmente eu não era um cabeça oca. Ganhei muito dinheiro quando estava no auge. Investi esse dinheiro. Fique tranquila que tenho condições de sustentá-las com todo conforto.
-Eu não penso em conforto, Edward. É so que...
-Eu entendi, amor. Mas vocês merecem sim, todo conforto. Além de minha família, passaram por privações e sofrimento demais. Agora chega.
-Entendi. Só não queria vê-lo passando por dificuldades ou...
-Esqueça isso. Pode ficar tranquila. Aliás...eu estive pensando... você não gostaria de voltar a estudar, Bella? Está tão nova ainda, não é bom ficar longe dos estudos. Será importante pra você.
-Não sei, Edward. Fiquei tanto tempo longe da escola, apenas aprendendo em casa.
-Pense sobre isso. Eu trabalho em casa mesmo, posso perfeitamente cuidar da Mel enquanto você estuda.
Meu coração pulou de felicidade. Edward estava me proporcionando tanta coisa boa em tão pouco tempo. Confesso que sempre tive o sonho de voltar para a escola, mas acabei me conformando com o fato de que jamais voltaria a ter essa chance.
-Depois conversamos sobre isso com calma. Vou sair e mais tarde... descansados...quando formos deitar a gente conversa.
-Está bem.
Beijei-o e logo em seguida ele saiu com a promessa de não demorar. Levei o carrinho de Mel e deixei perto da porta da cozinha. Talvez ela acordasse e eu não ouvisse seu choro. Mas ela dormia serenamente e então me entreguei à arrumação da cozinha. Fiquei completamente absorta e nem percebi o quanto Edward estava demorando.
Somente quando estava praticamente no fim da limpeza eu ouvi o barulho na fechadura.Olhei o relógio na parede e vi que passava da uma da tarde. Edward tinha saído há mais de três horas.
Entrou carregado de sacolas, mas com o rosto bem sorridente.
-Acho que comprei tudo o que precisávamos.
-E comprei até além do que precisávamos, não é?
Ele deu de ombros e sorriu.
-Tomei a liberdade de comprar o berço da Mel. Espero que não se importe.
-Claro que não.
-Mais tarde eles virão entregar. Vamos deixar o cantinho dela bem arrumado. É importante para uma criança.
Eu ri e abracei sua cintura.
-Olha só... entendido mesmo do assunto.
Seu semblante fechou-se um pouco.
-Eu li algumas coisas... logo depois que você se foi e eu me martirizei por reconhecer que carregava um filho meu.
-Hum...
Ele mudou rapidamente de assunto.
-Trouxe comida pronta. Deve estar cansada.
-Estou um pouco.
-Tome um banho enquanto eu preparo aqui. Daqui a pouco a Mel acorda e vai querer sua atenção.
Cheguei perto do carrinho e sorri ao vê-la já com os olhinhos arregalados.
-Já está acordada.
-Nossa...e ficou tão quietinha que nem percebemos.
-Ela é um doce de criança, Edward.Tão calminha...
-Talvez esteja percebendo que estamos felizes...e que esse é o verdadeiro lar dela.
-É verdade. Dizem que as crianças percebem tudo ao redor, inclusive um clima ruim.
Ficamos os dois parados feito bobos apenas olhando nossa filha que olhava para os lados com os olhos arregalados. Sorri e passei o dedo em sua bochecha.
-Estamos em casa, meu amor.
Era a mais absoluta verdade. Agora sim, eu me sentia em casa.
*************
É engraçado como o tempo passa rápido quando estamos felizes. Eu estava absurdamente feliz. Mais do que isso creio que seria impossível.
Há exatos seis meses nos mudamos definitivamente para Forks. E desde então eu não tive um só dia que poderia chamar de triste. Todos, sem exceção foram maravilhosos. Mel estava cada dia mais esperta. Já sentava firmemente e começava a se arrastar no chão.
Eu ficava cuidando da casa, mas no próximo semestre eu iria voltar à escola. Conversei muito com Edward e por fim ficou acordado que eu iria realmente me dedicar aos estudos. O período em que estivesse na escola, Edward cuidaria da Mel.
Ele passava horas em frente ao computador escrevendo seu novo livre: a história da nossa vida, do nosso amor.
Alice e Jasper e também os pais de Edward vinham nos visitar praticamente todos os meses. Há dois meses Alice descobriu que estava grávida e o casal estava radiante.
Durante esse tempo todo eu jamais vi qualquer movimento na casa onde morei. Encontrei alguns conhecidos que também nunca souberam do paradeiro dos meus pais. Não que eu tenha perguntado.Na maioria das vezes eles mesmo me perguntavam. Cidade pequena é assim mesmo. Todos sabiam da forma como fui expulsa de casa e alguns se mostraram solidários.
Edward me perguntou muitas vezes se eu não queria procurá-los. E minha resposta sempre foi a mesma: não. Como já disse, família deve estar ao seu lado, nos momentos mais difíceis. E nos meus momentos turbulentos, a única família que conheci foi a de Edward.
Sinceramente, eu não tinha interesse em ir atrás dos meus pais. Minha única curiosidade era saber como eles reagiriam ao saber que eu estava de volta, com uma filha linda e ao lado do homem pelo qual me apaixonei perdidamente. E mais...eu estava absurdamente feliz.
-Amor?
Eu estava deitada na cama, de olhos fechados, descansando depois de um longo dia. Mel já estava em seu quarto, dormindo. Quando me deitei Edward já estava em frente ao computador.
-Estou acordada, Edward.
Abri os olhos e o encontrei parado ao lado da cama, um enorme sorriso nos lábios.
-Está pronto?
-Sim.
Estendeu-me um maço de folhas...a nossa história. A história de um amor quase impossível.
-É para eu ler?
-Claro, amor. Preciso saber sua opinião.
- Mas eu não vou dar conta de ler isso tudo hoje.
-Eu sei, princesa.So estou te entregando porque antes de levar isso para a editora eu quero ouvir sua opinião. Mas eu não tenho pressa.
Mas vencida pela curiosidade eu corri os olhos pelo papel. Sentei-me na cama, as costas apoiadas na cabeceira. Edward sentou-se também ,mas no meio das minhas pernas. Não consegui parar de ler. Era nossa vida ali, contada com toda emoção e carinho que somente alguém tão sensível e apaixonado quanto Edward poderia ser capaz de escrever.
Ele lia comigo e íamos comentando as passagens da história.Muitas coisas ali escritas ele só sabia porque eu contei em detalhes. Eu nem fazia idéia do quanto nossa história era linda, tocante.Ou então Edward tinha o dom mágico de transformar tragédias em conto de fadas.
Apesar do que, eu posso quase afirmar que minha vida era realmente um conto de fadas.
Edward acariciava meu braço, lendo junto comigo. E ergueu a cabeça quando notou grossas lagrimas deslizando pelo meu rosto. Devorei aquela história e agora chegava ao final, emocionada e incapaz de dizer qualquer coisa decente.
Não segurei um soluço ao ler as palavras dele, do amor da minha vida:
“Não bastaria ter sucesso, luxo... dinheiro. Acima de tudo eu queria vida. A vida que deixei escapar entre meus dedos. Mas quem disse que há algo impossível para o amor? Não existe. O amor me resgatou e me devolveu o que eu perdi quando ela se foi: minha alma. Hoje posso dizer que tenho vida. Eu tenho minha vida em minhas mãos. E posso dizer de cabeça erguida: como é bom viver.”
-Edward...
-É isso mesmo, meu anjo. Você e a Mel... minha vida. Quando no mínimo... o que me mantém vivo.
Abracei-o aos prantos.
-Eu te amo, Edward.
-Eu também te amo... minha vida.
A única coisa que eu poderia dizer é que seria sucesso. Uma história como a nossa, definitivamente não poderia pertencer a apenas nós três. Tinha que ser contada aos quatro cantos, para que todos soubessem, que todo sofrimento e obstáculo valem a pena quando se tem a certeza que algo bem maior espera por você.

“Mas há a vida que é para ser intensamente vivida. Há o amor, que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata.” (Clarice Lispector)
                                         FIM

6 comentários :

ooooooooooooown' ameey muitoo Linda essa história rs

Anônimo
16 de agosto de 2011 23:58 comment-delete

A.D.O.R.E.I......
Parabéns,parabéns, fostes divina em tudo.
Obrigada por nos proporcionar tal emoção.

celiatricolor
26 de setembro de 2011 18:24 comment-delete

Que linda a História, ela parece mesmo uma história real, não um conto de fadas como a maioria dos livros que já li, e me depicionei opr não ter mas capitulos, uma história tão boa mais tão curta, parabéns e espero ler mais hitórias sua!

Ghabby
27 de novembro de 2011 14:25 comment-delete

Pois é, tudo que é bom dura pouco não é...
Fazer oque... Vamos esperar e ver se ela não faz
2º série kkkkkk
Bjokaaas floore
Atenciosamente Equipe The Best

28 de novembro de 2011 14:15 comment-delete

ameiii!

Lindo, juro que fiquei surpresa quando vi, kkk... Ai Ed eu tambem te amo, kk...

9 de janeiro de 2012 01:51 comment-delete

muito linda a historia. pena que foi muito curta. adoraria que fosse uma log fic!
parabens

Anônimo
19 de junho de 2012 15:08 comment-delete

Postar um comentário