Capitulo 24 - OP

Capitulo Vinte e Três
Oh Deus e agora?



Nem acreditava em como as coisas estavam indo. Edward realmente me amava, ainda era difícil de acreditar que aquele homem perfeito me queria. Lembrei da nossa conversa no telefone e mudei de idéia.

Não tão perfeito assim. A quem eu quero enganar, até desse jeito safado e brincalhão eu gosto.

Cheguei a casa, e fui direto para meu quarto, fiz meus deveres, e desci para comer algo, meus pais não estavam e quase que corri para pedir a Edward vir pra cá.

Mais não queria parecer grudenta de mais. Suspirei entediada e fiz um lanche, e voltei para meu quarto, depois de um banho quente, e fui para minha cama, mais ainda era cedo. Liguei a TV e fiquei passando os canais quando meu celular tocou, serio me senti uma ginasta com o pulo que dei para alcançar o bendito celular que estava na escrivaninha.


-Alo. – falei ofegante.

-Bella?

-Quem é?

-Nos nem reconhece mais minha voz. – rolei os olhos.

-Fala mala.

-Serio às vezes fico chocado com seu amor Bella.

-Jake fala logo.

-Ta bem. Charlie e Renne estão aqui e perguntou se você não quer vir pra cá.

-O que eles fazem ai?

-Você sabe que meu pai e Charlie têm negócios, eles resolveram discutir alguns e minha mãe e a sua estão fofocando, então quer vir ou não, eu posso ir te buscar.

-Não, eu estou cansada e tenho um monte de deveres de casa. – ele não pareceu notar minha mentira e assentiu.

-Tudo bem. Vemos-nos amanhã.

-Claro, claro.

Assim que desliguei joguei o celular na penteadeira e voltei para a cama, depois de alguns minutos, só o tempo de eu me deitar e segurar o controle o telefone toca de novo.

Oh Cristo, levantei deixando tocar bastante, e atendi já xingando mesmo.

-Para de ser mala e me deixa dormir em paz.

-Espero que você esteja drogada para estar falando comigo assim?

-Edward?

-Quem mais seria?

-Desculpa, eu achei que fosse o Jacob.

-Ta me xingando Bella.

-Desculpa amor, eu achei mesmo que fosse o Jake, ele ligou quase agora e eu achei que fosse ele de novo.

-Hummm, se você me chamar de amor de novo, talvez eu perdoe. – eu ri baixinho.

-Me desculpa amor, por favor.

-Ok já ta perdoada. – eu ri alto.

-Então o que você queria?

-Bem, só dar boa noite.

-Hummm, tava pensando em te ligar. – falei sorrindo.

-Mesmo, o que tem em mente?

-Nada demais, só saudade.

-Queria estar ai com você.

-Por que não vem?

-Não me provoque. – eu ri.

-É serio, você é super bem vindo.

-E seus pais?

-Saíram.

-Eu to indo.

-O que? Não Edward... – merda ele desligou o telefone, oh droga e se meus pais aparecerem.

Praticamente roí as unhas, e tentando ligar para Edward que não atendia. Droga eu e minha boca grande. Passou uns quinze minutos em que eu andava de um lado para o outro quando meu celular voltou a tocar, quase morri pra acalcar o infeliz que só tocava quando eu tava longe.

-A – alo... – falei ofegante, pois o tinha jogado na cama e pra achá-lo no meio das cobertas tava uma luta.

-Por que esta ofegante? – ele perguntou desconfiado. Rolei os olhos.

-Eu corri para atender ao telefone. E você por que não atendeu o seu?

-Estava no táxi, e o desliguei.

-Por quê?

-Para você não me convencer a desistir.

-E por que ligou de novo?

-Para você vir abrir a porta para mim.

-Merda! – exclamei já correndo para a porta, e assim que abri ele estava na porta sorrindo torto.

-Idiota! – xinguei dando um tapa em seu ombro.

-Nossa você muda rápido de humor, tava me chamando de amor agora a pouco. – rolei os olhos e olhei na rua se não tinha ninguém e o puxei para dentro.

-Ta selvagem hoje em. – rolei os olhos enquanto ele ria, e peguei sua mão já o levando para cima.

-Vamos logo.

-Serio amor, nem vai me oferecer uma bebida antes. Não sou tão fácil assim.

-Até parece Edward. – ele riu e assim que entramos em meu quarto, ele trancou a porta, e me prensou contra a mesma e me beijou como sempre meu corpo era dominado por Edward e eu já agarrava seus cabelos aumentando a intensidade do beijo.

Suas mãos já apertavam minha cintura me colando a ele, sua mão deslizou por minha cintura e agarrou minha coxa me puxando pra cima, e fiz o mesmo com a outra perna, entrelaçando minhas pernas em seu quadril, e sentindo sua dura ereção.

-Oh deus... – eu gemi arfante enquanto desconectava nossos lábios, e sua boca foi para meu pescoço, e colo. Ainda me segurando a ele, o senti puxar a camisa do meu pescoço e gemi quando sua boca tomou meu seio, e gemi alto.

Enquanto uma mão segurava minha bunda, a outra se infiltrava por nossos corpos até chegar a minha intimidade que já estava úmida e quente, seus dedos entraram pelo meu short me penetrando e cravei meus dentes contra seu ombro para abafar meu grito.

-Já esta molhadinha Bella? – ele sussurrou em meu ouvido e gemi, beijando seu ombro.

-Oh deus sim. – ele riu abafado e ouvi-o abrir o zíper da sua calça e abaixa-la.

-Já esta pronta pra mim? – ele beijou meu pescoço, lambendo e chupando minha pele.

-Humrum... – o senti afastar meu short junto com a calçinha e penetrar em uma única investida, abafei outro grito contra seu ombro.

-Muito... Apertada... – Edward gemia com dificuldade enquanto investia contra mim, minhas costas batendo contra a porta.

-Oh Deus... Isso... Não pare... – eu gemia sem fôlego, e ele aumentou as investidas me deixando louca de prazer, peguei seu rosto e trouxe sua boca pra minha o beijando com urgência, enquanto sentia meu prazer chegando, meu corpo tremendo, meu baixo ventre se contraindo, sentia meu interior apertando o membro de Edward com força, enquanto gemíamos um na boca do outro.

Explodimos junto, seu gozo escorrendo por minhas pernas e meu corpo mole nos braços dele.

Senti meu corpo sendo deitado na cama e ele se deitou ao meu lado, com um sorriso safado e beijei sua boca e me deitei contra seu peito.

-Eu te amo Bella. – eu sorri de olhos fechados.

-Também te amo Edward.

Senti os lábios dele sobre meus cabelos, e as palavras “Minha menina inocente” antes de eu adormecer por completo.

-BELLA! – abri meus olhos meio zonza e olhei para o lado da cama, Edward estava deitado sem camisa, e sorri voltando a deitar.

-BELLA ABRE A PORTA OU VOU ARROMBAR!

-Charlie não precisa disso. – levantei de um pulo, merda eu to no meu quarto. Merda com Edward seminu.

Levantei a coberta, merda totalmente nu.

-ISABELLA!

-JÁ VOU. – gritei e me apressei a acordar Edward.

-Edward acorda. – sussurrei chacoalhando seu ombro e ele nem se mexia. Corri até o banheiro quase caindo no caminho e peguei um pouco de água com as mãos e voltei correndo para i quarto, lógico que derramei metade no caminho e quando fui jogar em Edward nem fez efeito.

OH Deus, resmunguei voltando para o banheiro e peguei um copo mesmo e fui até Edward jogando em seu rosto.

Ele levantou de um pulo e me olhou antes de gritar, tapei sua boca, ele me olhou confuso.

-ISABELLA!

-Já vou pai, to me trocando.

-OH tudo bem. Desça logo, antes de ir para a escola quero falar com você.

-Tudo bem.

Assim que ouvi os passos se afastando do quarto, eu tirei a mão da boca de Edward que me olhava bravo.

-Desculpa! – ele rolou os olhos e me abraçou.

-Não gosto disso Bella.

-Eu sei, é só mais um mês. – ele suspirou e me deu um beijo rápido.

-Vá se arrumar, antes que seu pai volte aqui e eu tenha que falar com ele. – arregalei meus olhos e corri para o banheiro.

Tomei o banho mais rápido da minha vida, e voltei para o quarto já vestindo o uniforme e Edward estava vestido, ainda bem, ok preferia antes, mais na atual circunstância ainda bem.

-Espere aqui, quando eles saírem nos saímos. – ele assentiu e antes de eu sair do quarto me puxou para seu peito e me olhou sorrindo.

-E meu beijo de bom dia? – eu ri e dei um selinho nele. Ele fez um biquinho fofo e suspirei lascando um beijão nele que me agarrou pela cintura me colando a ele, já estava sem fôlego quando me afastei dele e corri para fora do quarto.

Enquanto descia as escadas pensei que era sorte que Edward tivesse trancado a porta, ou nem queria ver se meus pais entrassem no quarto e me vissem quase nua com Edward...

Afastei o pensamento e assim que cheguei à mesa do café senti que havia algo errado.

-O que houve? – perguntei encarando minha mãe que estava seria assim como meu pai ambos pareciam bravos.

-Sente Bella. – obedeci, e ficamos em silencio por alguns minutos até meu pai suspirar.

-Bella aonde você esteve no dia do baile da escola? – OH Deus!

-No baile pai. – falei baixinho e mordi o lábio, segurei minhas mãos firmemente no meu colo para não me entregar mais. Com certeza já as estarias passando nervosamente pelo cabelo e ele saberia que estou mentindo.

-Bem, de acordo com o Mike Newton você não estava.

OH Deus eu estou tão ferrada!

Continua

0 comentários :

Postar um comentário