Capitulo 21 - OP

Capitulo Vinte Um
Nunca pensei amar assim



Pov. Edward

Deixa-la pareceu ser a coisa mais difícil que fiz em toda minha vida, nunca pensei em como estava ligado a ela até esse momento, em que tive que deixa-la.
Seriam só dois dias Edward você pode agüentar dois dias.

Murmurei para mim mesmo enquanto andava em direção a casa de meus tios, meu carro estava estacionado em frente à garagem, e entrei nele sem me despedir.

Se tia Esme me visse com certeza iria perceber que eu estava triste, ela sempre parecia saber o que ia a mim, e eu não queria falar sobre isso agora. Bella queria manter o segredo e eu ia respeitá-la.

Mesmo a situação sendo totalmente fora de censo. Porra eu tenho 27 anos, não sou mais adolescente e namorar escondido, parecia tão imaturo.

Mais eu faria tudo para não perder Bella não agora que eu a encontrei.


Cheguei ao meu hotel e peguei apequena mala de viagem, meus documentos e sai rápido em direção ao aeroporto.

Já no táxi fiquei pensando nos momentos que passamos juntos, seu corpo quente colado ao meu. Seus sorrisos só pra mim. E aos poucos sua safadeza vindo a tona.

Oh Deus aquela mulher me deixava louco, em todos os sentidos.

Assim que embarquei ainda tinha um tempo antes do avião decolar e não me segurei na saudade que tinha da sua voz. Peguei meu celular aonde já tinha guardado o telefone dela, procurei por seu número, achei os dizeres “Minha menina” e apertei ligar.

Estava ansioso para ouvir o seus alooou que sempre era muito sexy, mais meu coração apertou ao ouvir sua voz triste.

-Alo.

-Nossa já se esqueceu de mim, e nem fala mais meu Alo. – brinquei, mais me sentia tão triste quanto ela.

-Edward. – ri do seu entusiasmo.

-Oi amor.

-Aonde você esta?

-No avião. E você?

-No meu quarto. – as cenas da nossa tarde junto invadiram a minha mente e eu já imaginava seu corpo nu sobre o meu.

-Queria estar ai com você.

-Então vem. – oh minha menina, adoro quando ela fica safada.

-Pare de me tentar.

-Estou com saudades. – sua voz fez meu coração doer.

-Não fique assim Bella, será tão rápido que nem vai perceber.

-Tudo bem, eu só estou sendo boba.

-Não, eu estou igual a você. – admiti, eu não parava de pensar nela e o fato dela se sentir igual me anima mais do que eu podia entender.

-Vai voltar em dois dias mesmo?

-Sim, quero voltar antes, mais dois dias é certeza, não sei quantas coisas tenho que ajeitar em Londres. Sem contar que preciso pegar algumas roupas, tenho poucas no hotel. – dois dias parecia muito, mais pra minha mudança ser completa era necessário.

-Ainda não acredito que você vai mudar pra cá. – podia sentir a alegria em sua voz, e sorri com isso.

-Aonde mais eu iria Bella, você esta ai. – falei mais uma vez, ela tinha que entender que não existia mundo pra mim sem ela. Ela ficou quieta e fiquei preocupado.

-Bella? –

-Sim. – ela parecia meio aérea e eu ri. Será que ela ainda estava nua como eu a deixei, ou só de calçinha... Hum...

-O que você esta vestindo?

-Edward. – já podia imaginar seu rosto adquirindo aquele lindo tom de vermelho que a deixava linda e muito inocente.

-O que? Estou com saudades da minha namorada. – fiz uma voz de despreocupada, mais eu realmente estava.

-Com saudade de mim ou do meu corpo. – oh aquele corpo doce e pequeno perfeito para meu toque.

-Hummm, difícil dizer...

-Edward!

-Brincadeira amor, de você toda. – sim dela toda, até das suas broncas, eu sentia falta, do seu rolar de olhos ou do seu rosto ficando vermelho quando eu dizia o quanto eu a desejava.

-Também estou com saudades de você todo.

-Até do meu corpinho. – ah ela devia estar tão vermelha agora.

 -Principalmente dele. – ela realmente estava virando uma safada, e Deus eu adorava isso.

A voz da aeromoça anunciou para desligarem os celulares que já íamos voar, e suspirei.

-Tenho que desligar.

-Tudo bem.

-Sabe que eu te amo não é.

-Eu sei Edward, eu só estou com saudades. Desde que você veio pra minha vida à gente se via todo dia. – sim eu estava tão fissura do nela que me manter longe era impossível.

-É deixei você mal acostumada, mais não tenho culpa de você viciar no meu corpinho. – ela riu, sua risada gostosa me fazendo estremecer e a saudade de beija-la aumentar.

-Você é bobo.

-Te amo Bella.

-Também te amo Edward.

-Vai ser tão rápido que nem vai perceber que eu viajei. – a acalmei, podia sentir a tristeza voltando para sua voz, e meu coração se apertando de novo.

-Eu sei.

-Thau amor. – desliguei rápido antes que levasse uma bronca da aeromoça, mais do jeito que a mulher me olhava era mais fácil ela me levar para conhecer o banheiro.

Desculpe querida, mais tour no banheiro do avião só com a Bella. Puta que pariu me imaginar fodendo Bella no banheiro me deixou duro, e tive respirar fundo varias vezes para me acalmar.

Assim que cheguei a Londres tentei fazer tudo o mais rápido possivel, já estava com saudades da minha menina. Emmett estranhou a minha atitude, mais ficou mais chocado quando falei de meus planos de mudar para Nova York.

-Você tem certeza? – ele perguntou enquanto estávamos no meu apartamento em Londres e eu arrumava minhas malas.

-Absoluta.

-Mais você sempre amou Londres. – podia ver a confusão em seu rosto e dei de ombros.

-Não a nada mais que me prende aqui. – ele sorriu malicioso.

-E alguma coisa te prende em Nova York? – sorri em resposta e ele riu. – Ou devo dizer alguém.

-Até parece que você não sabe. – ele gargalhou alto.

-Quando Rose disse que você estava apaixonado por ela, eu disse que ela estava louca. Mais ai esta você mudando toda sua vida por ela.

-Não é uma grande mudança realmente. – eu disse dando de ombros e ele riu.

-Sei. Mais me diga é serio isso? – parei de arrumar minhas coisas e o encarei. Pensei antes de responder. Era serio?

Bem eu sabia que não podia viver sem Bella, ela estava entranhada em mim. Era como meu ar, sem ela a vida ficava sem graça, só se passou um dia longe dela e já tinha certeza de que não podia viver sem ela.

-Sim. – falei por fim e Emmett sorriu divertido.

-Edward Masen apaixonado. Cara nem quero ver quando a imprensa souber.

-Bem a imprensa vai ter que esperar.

-O que quer dizer?

-Bem, Bella e eu estamos namorando escondido. – falei com uma careta e Emmett explodiu em uma gargalhada. Olhei feio para ele e ele respirou fundo antes de continuar.

-Desculpe. Mais é engraçado. E por que escondido?

-Bem digamos que tem haver com a idade. – ele franziu a sobrancelha e suspire. – Ela é menor de idade. – falei por fim, e Emmett voltou a rir, voltei a arrumar minha mala o ignorando.

-Que horas você vai amanha?

-Logo cedo.

-Esta com saudades da sua menininha. Ou quer levá-la a escola. – rolei os olhos.

-Na verdade estou com saudades. – falei dando de ombro e Emmett ficou quieto, olhei pra ele que tava com a boca aberta.

-Emmett? – ele piscou algumas vezes.

-Isso é serio mesmo Edward? – suspirei me sentando e fechando a mala, graças já era a ultima.

-Sim Emmett, eu amo Bella.

-Bem vindo ao mundo dos caras totalmente idiotas. – eu ri e apertei a mão que ele estendia pra mim.

-Não sabia que você fazia parte desse mundo. – falei divertido e ele suspirou.

-Já to nele desde que Rose entrou na minha vida.

Rimos juntos. Na manha seguinte ele me acompanhou até o aeroporto, ele só iria depois, pois tinha que acertar minha agenda e preparar algumas coisas sobre a minha mudança definitiva de Londres.

Mais não quis vender minha casa, ainda queria trazer Bella aqui um dia. Despedi-me de Emmett e marcamos de nos ver em Nova York.

Emmett era meu amigo desde o internato, sua família tinha uma agencia de talentos, e quando quis me expor no mundo como musicista, Emmett me indicou a família dele.

E com o passar do tempo ele acabou sendo meu agente particular, já que ia seguir o ramo da família, resolveu ficar ao meu lado. Eu gostei éramos bons amigos no internato.

Sempre que algum idiota me ameaçava ou implicava comigo era só Emmett e todo seu tamanho chegar que saiam correndo.

Com o tempo aprendi a me defender sozinho, mais Emmett nunca deixou de ser meu amigo. Já dentro do avião liguei para Bella pra avisar que a pegaria na saída da escola.

Mais seu telefone caia direto na caixa postal. Fiz varias ligações até desistir. A tarde anterior havia sido a mesma coisa passei a tarde ligando e o celular desligado, pra que ter celular se não usa.

Ah não ser que ela tenha feito de propósito, e não queira mais me ver? Meu peito se apertou com essa possibilidade. Eu sabia que a diferença de idade ia pesar um dia. Mais não achei que fosse tão rápido.

Sentindo-me totalmente perdido, eu cheguei ao hotel e deixei minhas malas e olhei no relógio, faltava pouco para o horário dela sair da escola, liguei para um táxi e fui direto pára lá.

Encostei-me em seu volvo, ansioso para vê-la nem que fosse uma ultima vez. Mais ela ainda devia gostar de mim, não tem como esquecer o que nós passamos. Suspirei e peguei meu celular tentando uma ultima vez.

-Alooou. – a voz doce dela ecoou em meus ouvidos e todos os meus temores foram afastados.

-Hummm isso tudo é pra me amansar é? – brinquei, mesmo querendo cobrar dela o motivo pára ter me ignorado.

-Por que eu deveria te amansar?

-Por ter ignorado meus telefonemas ontem.

-Oh você ligou ontem? – ela pareceu surpresa e meu tormento passou, ela só é avoada.

-Bella pra que você tem um celular se não usa. Eu vou te dar outro assim você não tem desculpa. – sim eu estava obcecado por ela, precisava saber sempre onde ela estava.

-Eu estive muito ocupada ontem, e nem toquei no celular. – meus medos voltaram, o que a ocupou tanto que não pode me atender?

-Posso saber com o que?

-Quando você voltar eu te conto. – agora meu medo aumentou, ela ia me largar?


-Então pode me contar. – falei quando a vi saindo da escola, tão linda como sempre e com sua inocência ainda a sua volta.

-Edward? – vi seus lábios se movendo e pronunciando meu nome e sorri, e me surpreendi quando ela correu até mim pulando em meu colo.

-Você voltou? – rolei os olhos aonde mais eu iria. Meus medos haviam sumido quando a senti em meus braços.

-Aonde mais eu poderia ir, se meu coração pertence a você. – era a única verdade para nós, apesar de tudo eu não podia mais viver sem ela.

Continua

0 comentários :

Postar um comentário