Capitulo 16 - DPOP

Edward POV

Se Bella me perdoou, completamente. Aquele sorriso era mais um aviso “Você é um idiota, estúpido, grosso. Mas o que você esta esperando para me beijar?” tudo poderia ser perfeito, se acabasse comigo dizendo a ela o quanto eu a amava, o quanto eu me apaixonei por ela. Infelizmente a covardia era maior.

- Você realmente escreveu o bilhete?

- Tudo que estava nele cada linha, por quê?

- Eu adorei cada linha. – respirei aliviado. – e as rosas, tudo! Essa atitude fez eu te perdoar no exato momento. Nunca ninguém fez isso por mim Edward, muito obrigada. Você me valoriza mais do que deveria.

- O que eu fiz foi pouco, muito pouco. Se você quiser eu posso te dar o mundo. – e tudo que ela pedir. Eu lutaria para que ela tivesse.

- Verdade, mais o mundo eu não quero agora. Você pode me dar beijos por enquanto e eu ficarei extremamente satisfeita. – é claro que eu daria meus beijos a ela. E agora mesmo.

Estávamos na sacada olhando para a vista, uma cidade inteira a nossos pés. Que deveriam ficar aos pés dela. Estávamos ali nos beijando. E para mim o mundo não era mais o mesmo. A minha existência, tinha finalmente um significado. Hoje eu sei o que eu procurava quando eu era apenas um idiota, cercado de mulheres aos meus pés. As mulheres erradas. Porque a certa estava solta, namorando um idiota. E ela me encontrou e me salvou, hoje eu sei exatamente o que é se apaixonar, o que é se sentir amado. Mesmo sem a confirmação dela. Eu me sentia assim. Foram incontáveis minutos, eu queria não precisar de ar, para que nunca acabasse. Infelizmente precisávamos...

- Quer me matar? – eu ri. De maneira nenhuma eu a queria morta.

- Não, desculpe me empolguei.

- É espero que se empolgue assim em outras coisas também. - eu ri novamente. – eu tenho que admitir, você fora de si é a coisa mais excitante que eu já vi nada vida.

- Posso fazer uma pergunta?

- Vá em frente! – ergueu uma sobrancelha me desafiando.

- Você me perdoou de verdade?

- Completamente. – eu precisava saber mais. Eu precisava de todo o perdão do mundo.

- Sem ressentimentos? – ela assentiu. – vamos entrar, está ficando frio. – tive que perguntar mais uma vez enquanto entravamos. – me perdoou mesmo, mesmo depois do que me disse. Sabe como é.

- Eu vou te mostrar de uma maneira bem real, o quanto eu te perdoei.

Ela se pendurou em meu pescoço me beijando com carinho. Eu não sei se era a paixão que sentia por ela, ou o que era mais toda vez que ela me beijava eu me sentia ainda mais vivo, eu me sentia dela. Somente dela. Caímos na cama e ficamos ali nos beijando apenas isso, nos tocando nos beijando. Curtindo um ao outro.

- Eu acho que vou dar mancada com você sempre. Porque o seu jeito de me perdoar é o melhor.

- Eu posso não voltar a perdoar. Faça alguma outra coisa como essa, e vai se arrepender amargamente.

- Ah você vai me perdoar sim. – beijei o canto de sua boca e fui deixando um rastro de beijos até seu pescoço. – você me ama. – disse, numa tentativa desesperada de arrancar isso dela. - eu não sei se vou conseguir viver sem você.

- E você é muito cheio de si não acha? – o riso estava presente. O riso que eu não conseguia desvendar. - O que te faz pensar isso? – ai essa doeu. – hey! Vamos fazer mais uma posição? – ela desviou completamente o rumo da conversa.

- Claro, mas não vai ser aqui, eu tenho que passar no meu consultório para pegar o livro.

- Então vamos, porque você não o trouxe? Achei que o livro era sua bíblia!

- Engraçadinha, vamos logo.

Dirigi o mais rápido possível para meu consultório, não quis deixar Bella no carro. Eu a queria cada segundo comigo. A fiz descer para vir comigo até inventei os assaltos da região. E não era porque meu consultório ficava em uma região nobre que não havia problemas de uma grande cidade nele também. Chegando ao andar notei algo estranho. Luzes acesas, eu não trabalhei hoje, logo quem poderia estar ali. Minha assistente que não seria. Ela era impecável, sempre apagava todas as luzes. Talvez na pressa de sair ontem com seu novo namorado a tenha feito esquecer as luzes acessas. Leigo engano.

Quando cheguei a minha sala com Bella logo atrás de mim, havia roupas pelo chão a começar por uma calcinha jogada na porta. Bella ainda não tinha visto, mas eu sim. Meu irmão e uma garota estavam se atracando em cima do meu sofá. Quando olhei para Bella ela estava completamente vermelha, corada até a raiz dos cabelos, a trouxe para minha frente e sussurrei em seu ouvido.

- Essa é uma oportunidade única de aprendermos uma coisa nova. Vouyerismo, basta ficarmos bem quietinhos e eles não vão nem nos perceber aqui.

Emmett empurrou a garota contra o vidro, deslizando sua lingerie para longe ele jogou e caiu perto de nós dois.

- Quero que preste bastante atenção. – sussurrei novamente para ela. – tudo o que você ver aqui, não é metade daquilo que eu sonho em fazer com você quando sairmos daqui.

Eu não tirava meus olhos da cena, muito menos Bella, poderia ser bizarro, talvez. Era meu irmão, mais eu não estava minimamente preocupado com isso. Eu queria bella entrando em combustão espontânea na porta de minha sala e que me atacasse quando saíssemos de lá. Emmett desceu pelo corpo da garota, passando sua língua pelo corpo. Se posicionando entre as pernas da garota que continuava com os seios grudados ao vidro. Os gemidos altos ecoavam pela sala, abafando a respiração de Bella e qualquer reação minha ou dela a cena.

- Só me responda balançando a cabeça. – adverti para que a brincadeira acabasse. – você queria estar no lugar dela. Você queria que ele te chupasse, e que eu assistisse tudo? – Bella balançou a cabeça agarrando-me e me puxando para mais perto de seu corpo. Colei-me ao seu corpo. Bella não havia percebido que era meu irmão. Talvez achasse que era minha assistente, com algum namorado. Porem aquela cabeça de bater bife do Emmett era bem reconhecível, pelo menos para mim. – será que ele faria isso melhor do que eu? – Bella negava com a cabeça. Me trazendo um súbito orgulho do meu desempenho.

Os gemidos da garota cada vez mais altos, segurei a cintura de Bella roçando minha ereção em sua bunda. Levantou os braços e cravou as unhas no meu coro cabeludo, puxando meu cabelos e arranhando minha nuca. Empinando sua bunda cada vez mais para minha ereção. Subi minhas mãos de sua cintura indo até seus seios. O tecido fino de seu sutiã e seu vestido me fez detectar seus mamilos rígidos. Bella estava adorando aquilo. Ela soltou um gemido baixo.

- Não faça barulhos, ou seremos descobertos. – tinha que dar um freio nela. Eu bem sei do que Bella é capaz.

Ela assentiu novamente, enquanto meu irmão se levantava para atacar a garota. Nós continuávamos imóveis ali eu apenas acariciando-a e Bella observando toda a cena. Meu irmão puxou a garota a virando de frente, ela nos viu. Ela poderia gritar, poderia avisar ao meu irmão. Não, ela simplesmente continuou o que estava fazendo, recebendo meu irmão em seu corpo e se mostrando para nós. Agora nesse jogo jogávamos três. Já que meu irmão estava alheio a tudo que acontecia. A garota em uma exibição digna do Oscar pornô, gemia alto, arranhava meu irmão e nos olhava. Ela agarrou meu irmão pela nuca e o beijou furiosamente. Éramos para nos exibir um ao outro, seria agora. Peguei os cabelos de Bella e a beijei também, mostrando a garota que ela não era a única a brincar.

- Não deixe de olhar um segundo. Vamos brincar também, vamos mostrar a ela. – Bella assentiu.

Desci minhas mãos de seus seios, passando pelo seu quadril. Subi seu vestido expondo a calcinha de Bella para a garota. Enquanto beijava seu pescoço, mordiscava, lambia, eu aproveitava cada pedaço de sua pele, que estava ao meu alcance. Desci minha mão entre as pernas encaixando, Bella me abriu passagem então eu puxei sua calcinha, chegando perto de seu clitóris e acariciando-o. Bella jogou a cabeça para meu ombro, como se sentisse o alívio que estava lhe proporcionando. E não, ela deixou de olhar.

- Volte a olhá-los, ou eu paro. – disse no meu tom mandão.

Voltou sua visão para eles e a garota se mostrava mais ainda a nós agora. Arranhava meu irmão com fúria. Marcas vermelhas brotavam nas costas de Emmett. Bella desceu suas mãos e agarrou meu membro por cima da calça, tive que morder mais forte sua pele para abafar um gemido. Eu chupava o pescoço de Bella olhando a cena, e sentindo os apertos dela em meu membro. Furiosamente estocava meu dedo em Bella. Sem nenhum gemido, Bella prestigiava a cena a sua frente como uma boa telespectadora de qualquer teatro no mundo. Em silêncio, apreciando cada detalhe. Retirei minha mão de Bella trazendo a minha boca. A garota gemeu mais alto ainda. E então eu coloquei meus dedos na boca de Bella, os quais ela sugou avidamente. Desci minhas mãos novamente, trabalhando furiosamente nela. Trazendo um orgasmo a Bella, E gemidos mais altos da garota. Meu irmão aumentou o ritmo de suas estocadas na garota e então eles também chegaram ao ápice. Era a nossa deixa antes que Emmett nos visse puxei Bella pela mão e saímos dali. Em completo silêncio.

Descemos até a garagem do edifício encostamos no meu carro em perfeito silêncio, eu olhei para Bella e ela me encarou descendo logo depois o olhar para a minha calça. Ela se encostou em meu peito e me beijou descendo o zíper da minha calça. Me olhou nos olhos e desceu ficando no nível do meu membro. Trabalhando furiosamente com o botão da minha calça ela desceu minha calma junto com a boxer e agarrou meu membro, passando sua língua por toda a extensão e logo depois o colocou em sua boca em movimentos rápidos. Circulava e batia com sua língua me fazendo delirar. Graças a deus eu estava encostado em meu carro, puxei os cabelos de Bella para apreciar a visão. Quando ela apertou meu membro com os lábios, e o introduziu novamente em sua boca lentamente apertando-o meu membro já pulsava e eu estava perto, sentindo isso ela aumentou o ritmo dos movimentos. Me fazendo urrar de prazer em pleno estacionamento. Após eu me recuperar com Bella tendo que me ajudar a me recompor, caímos na gargalhada. Alta e gostosa. Eu não sei por que exatamente estávamos rindo. Talvez pela nossa loucura, ou a situação que foi criada em meu consultório. Destranquei o carro e entramos e continuávamos a gargalhar. Eu comecei a dirigir para meu apartamento. Até Bella falar.

- Onde estamos indo?

- Para meu apartamento. – disse como se não fosse obvio.

- Hum...

Dirigi até a porta do meu prédio e Bella saiu antes mesmo de pensar em abrir a porta para ela. Ela foi até a frente do meu carro sinalizando para um táxi. Ela é doida por acaso. Se ela queria ir embora porque não disse?

- Aonde você vai? – sai desengonçado jogando a chave ao meu porteiro, indo até ela.

- Eu vou para casa. – me olhava com uma cara “não é obvio o que estou fazendo”

- Ah não, fica comigo. – fiz beicinho, junto com a cara de Alice e o cachorro perdido da mudança. – dorme comigo hoje. Por favor, eu estou me sentindo tão sozinho. – se essa não colar. Eu não sei mais o que colaria com mulher nenhuma.

- Edward, acho melhor não. Eu estou cansada.

- Por favor não seja má. Você vai me deixar dormir aqui. Sozinho, numa cama enorme e fria? – a abracei forte para ela não fugir e entrar no táxi.

- Ok, você venceu, eu vou dormir aqui. Não se acostume, e é dormir. Eu realmente estou cansada.

- Tudo bem.

Disse ao motorista do táxi que não iria precisar mais dos serviços dele dando uma gorjeta generosa. Eu estava tão feliz que nem ao menos notei o valor da nota que dei a ele. Só conseguia pensar em minha cama, e Bella nela dormindo abraçada comigo. Subimos e entramos ao apartamento que agora ela entrava em uma situação completamente diferente do que da primeira vez em que esteve nele.

- Você precisa de alguma coisa? Quer alguma coisa?

- Eu preciso de uma roupa para dormir.

- Não precisa não, por mim pode dormir nua eu não me importo. Sério pode tirar a roupa.

- Ahá, muito engraçado. - hu! – serio Edward, eu não vou dormir nua com você, tarado desse jeito.

- Não tem nada aí que eu já não tenha visto. Mas já que insiste, siga pelo corredor, primeira porta a direita, pode remexer no meu armário. Eu já vou.

Bella foi até meu quarto e eu rapidamente peguei meu celular para avisar meu irmão. Que seria bom ele desinfetar cada canto onde ele pegou a menina e que não me aparecesse aqui tão cedo. Assim que mandei a mensagem, fui atrás de Bella no meu quarto ela estava linda vestida com uma camisa minha. Me troquei também e nos deitamos dormindo abraçados. Uma sensação de paz me tomou como a muito eu não sentia. Dormi bem, dormi tranquilamente. Infelizmente a noite chegou ao fim trazendo meus compromissos junto. E agora ir embora e deixá-la ali. Acordá-la e pedir para ela não ir embora. Não fiquei muito tempo nessa luta interna. Bella acordou e eu já estava pronto a sua espera com o seu café nas mãos. Ela me deu um sorriso lindo e me deu bom dia. A alegria me inflou, se eu fosse um balão eu voaria agora.

- Trouxe seu café – levantei a bandeja que eu preparei com tanto carinho para ela. Ela se levantou se acomodando melhor na cama, enquanto eu colocava a bandeja sobre suas pernas.

- Assim eu vou querer ficar aqui para sempre. – fique eu não me importo em ter você aqui. - Ser tratada assim, vou ficar mal acostumada.

- Pois então fique. Eu não vou me importar. Eu sei que você não tem trabalho hoje.

- Não sei Edward.

- Por favor, eu volto mais cedo do trabalho. Eu só tenho uma palestra hoje. – ela enrijeceu. Lembranças da palestra passada.

- Eu vou com você. – ela parecia brava.

- Não precisa. E, além disso, é uma palestra para futuros ginecologistas. Fique tranqüila. Não vai ter mulher nenhuma lá.

- Acho bom mesmo, ou arranco sua cabeça se tiver demonstrações. Demonstrações só comigo.

- Vai ficar? – perguntei esperançoso.

- Vou!

- Ótimo, agora eu já vou. Deixarei a chave do meu outro carro, e os documentos caso você precise sair. Mas quero você aqui quando eu voltar. Estamos entendidos?

- Sim senhor! – engrossou a voz, batendo continência e sorrindo.

Eu ri e a beijei rapidamente e fui dar minha palestra. Feliz e ao mesmo tempo ansioso. Esse foi o primeiro passo para ter ela ao meu lado. Eu me sentia feliz. Eu me sentia completo e ela estaria em minha casa a minha espera.

2 comentários :

delicia gozei pra caralho

Anônimo
9 de fevereiro de 2014 20:11 comment-delete

delicia gozei pra caralho

Anônimo
9 de fevereiro de 2014 20:11 comment-delete

Postar um comentário