ED - Capitulo 13

Capítulo 13.



Bella estava radiante andando na minha direção de bico formado nos lábios e testa enrugada pela sua cara de enfezada fofinha. Ela achava mesmo que metia medo em alguém daquele jeito? Eu estava era morrendo de medo de não conseguir agarrá-la e beijá-la, isso sim.

- Você é imbecil mesmo, não é?
- Falando comigo, doçura?
- Vocês vão começar a brigar? Porque se for, então eu vou deixar os pombinhos a sós. Estou com um pouquinho de dor de cabeça, ressaca, sabem como é, né?
- Tchau, Kiara!

Eu nem sempre concordava com o jeito hostil que Bella tratava a coitada da prima – ok, nem sempre ela era coitada na história – mas também não seria louco de me meter em briga de mulher – sem lama.

- Eu acho que o que a Bella quis dizer, Kiara, é que você pode ir...
- Eu entendi muito bem o que ela quis dizer. Bella não gosta mais de mim.

Para ser sincera, Kiara estava um pouco equivocada. Não é que eu não gostava mais dela. Eu acho que nunca gostei muito. Mas enfim, essa discussão não era apropriada para a situação. Meu objetivo no momento era matar Edward de porrada por ter se metido com quem não devia. Ele parecia com aqueles cachorros que você diz para não urinar fora do jornal e eles nem te dão atenção, simplesmente vão lá e urinam em todo o perímetro fora do jornal. Nem uma gota sequer no jornal.

- Conversaremos sobre isso depois se você preferir, Kiara.
- Jura?

Não! Eu só queria me livrar dela!

- Sim.

Forcei o sorriso e recebi um abraço apertado de minha prima. Ela não entendia mesmo as piores indiretas que eu mandava... Esperei que Kiara estivesse longe o suficiente para então pegar Edward pela orelha que nem se faz com crianças.

- Isso dói! Ai!
- Dói? Você acha mesmo que isso é dor? Idiota! Isso que você está sentindo não é nada comparado com o que Alec vai fazer com você!
- É por causa do engomadinho que está assim?

Ele estava mesmo retrucando? Ele ousava abrir a boca? Sua sorte era o estacionamento estar cheio demais para que eu pudesse evitar testemunhas num possível ataque meu. Respirei fundo e me encostei no carro que ainda estava ligado.

- Você nem é capaz de perceber a diferença entre carro com defeito e carro funcionando, Edward...
- Como assim?

Foi só então que a belezura se tocou da asneira que tomava conta daquela massa encefálica. Ele sorriu sem graça ao coçar a cabeça e meter a mão dentro do carro para tirar a chave da ignição.

- Não tenho culpa, ok? Você me deixou tonto chegando daquele jeitinho endiabrado... Bella, por acaso tem a noção do quão perigosa você é para minha saúde? Olha só como eu fico! Nem raciocinar direito eu consigo...
- E conseguia antes de me conhecer?

Ela era o charme em pessoa. Dei uma piscadinha que fazia qualquer garota derreter de amores por mim e mexi em meus cabelos. Isso afetava até mesmo Bella. Ponto super eficiente para mim.

- Querida, eu só estava tentando te proteger, ok? Esse cara precisava saber que você não está sozinha, desamparada.
- Edward!

Ela puxou meu braço para ficarmos juntinhos, tipo unha e carne mesmo. Acho que não queria que as pessoas perto de nós ouvissem seus rosnados enquanto gritava comigo. É o amor!

- De uma vez por todas, entenda que você não pode querer bater de frente com Alec! Qual a parte de “ele vai te matar” você ainda não entendeu?
- Se ele quisesse mesmo me matar, acho que já teria feito isso, não?
- Não! Ele só não te matou ainda, porque não quis!

Hum. Seria verdade isso? Não que eu tenha medo do vampiro, mas seria melhor estar preparado para um possível ataque surpresa. Pois aí, já não seria mais surpresa! Rá!

- Tudo bem, anjo. Tomarei cuidado a partir de agora, se isso é tão importante para você.
- Não é importante para mim. Apenas não quero problemas na cidade. Se Alec te agredisse e houvessem testemunhas, seria um grande problema para meu pai e...
- Sério mesmo que eu não sou importante para você?

Ele perguntou e me encarou, com a boca perto da minha, me fazendo sentir sua respiração e seu hálito sabor menta. Me senti ficar vesga por um momento, sem saber se olhava-o nos olhos ou para sua boca.

- Não me importo muito.
- Tem certeza? Porque eu acho que se caísse duro aqui agora, você iria chorar.
- Ficou louco?

Juro que cogitei me jogar ali no chão, mas minha roupa estava limpa e era a primeira vez que eu usava aquela camisa de linho que minha mãe me deu. Não iria estragá-la logo assim. Ao invés da cena dramática que faria inveja em qualquer ganhador de Oscar, beijei a bochecha gelada do anjo.

- Sou louco por uma certa vampira que tem por aí...
- Ok, Edward. Está na hora de entrarmos.
- Você a conhece?
- Sim, conheço. Podemos entrar agora?

Ela tentou me empurrar para ficar com o caminho livre e eu sabia muito bem que bastava um simples toque dela para que eu voasse longe, mas não foi isso que aconteceu. Seu empurrão mais pareceu com um carinho e nem me tirou do lugar. Sabe quando mulher diz não querendo dizer sim? Pois é, eu estava tendo o exemplo real ali.

- Só a deixo ir com um beijo. De língua, claro.

Que se dane! Melhor ceder logo do que perder o toque do sinal e entrar atrasada no colégio. Eu já tinha fama de maluca e bruxa, mas de relaxada seria demais para mim! Puxei o rosto do energúmeno lindo e irritante e beijei aquela boca do jeito que ele queria. Eu nunca, nunca mesmo, em hipótese alguma, nem mesmo sob tortura, admitiria que ele era extremamente importante para mim.

4 comentários :

continua purfavo

Anônimo
6 de julho de 2011 16:08 comment-delete

Olha, eu li todos os capítulos até aqui.. Adorei.. Poderiam continuar..?

Anônimo
19 de fevereiro de 2013 19:05 comment-delete

nun da para ler 0 14 plis arruma eu imploro

21 de maio de 2013 21:14 comment-delete

Cade o resto????

24 de maio de 2015 15:02 comment-delete

Postar um comentário