ALDE - Capitulo 17

O sol entrou pela janela do quarto testemunha do desejo de dois jovens opostos. Bella ainda dormia nada tranquilamente quando o garoto ao seu lado acordou agitado. Sua respiração irregular e seus olhos tentavam entender o que havia acontecido noite passada. A última coisa que se lembrou era de ter assistido a apresentação dela cantando “Sweet child of mine” antes de ter bebido um estranho chá.

- Mas o quê...?

Sentindo a cabeça martelar, levantou cambaleante e olhou para a garota que dormia sem saber a confusão que se passava em sua mente.

Sem agüentar o peso em sua consciência saiu do quarto imaginando os motivos para e ações que o levaram até a cama de Isabella, todas nada puras.

Encontrou a casa vazia, para sua sorte todos dormiam tranquilamente depois da festa agitada de ontem à noite.

- Aonde você vai? – Ouviu a voz indesejada questionar.

Manteve a mão na maçaneta sem se virar para olhá-la, talvez por ver em Bella os reflexos da noite esquecida. A incerteza o abalava, precisava saber o que havia acontecido em detalhes.

- Aconteceu algo errado noite anterior?

- Depende. O que você entende como errado?


- Errado é acordar na cama de uma garota depois de ter bebido um chá estranho. – Respondeu virando-se para ela, olhou para seu corpo coberto apenas por pedaços de tecidos que Bella denominava de pijama e desviou os olhos.

- O importante não é o erro em si, é temer o erro.

- Eu não temo o erro só quero saber o que houve ontem.

- Foi muito divertido. – Bella respondeu sorrindo marota.

Sua resposta confundiu ainda mais a mente do garoto que levou as mãos aos cabelos puxando-os.

- Um erro divertido. – Refletiu ele tentando recordar sem sucesso do que havia acontecido. Sua consciência o obrigava a pensar no pior. – Não pode ser...

Percebendo a expressão confusa de Edward, Bella tentou consertar as coisas, mas era tarde demais, ele tirou suas próprias conclusões.

- Edward... Nós... – Se aproximou dele tocando seu braço de leve.

- Não toque em mim. – Respondeu exaltado. Mágoas alimentadas e sensações de culpa desconfortáveis ele se retirou batendo a porta atrás de si. Nada mais seria o mesmo na relação de Bella e Edward.

Edward esmurrou a porta seguidas vezes se martirizando por ter esquecido as chaves, pensar em Bella só piorava a situação e pela primeira vez na vida ele quis apenas deixar de pensar,deixar de ouvir a voz crescente da sua consciência.

Alice com cara de poucos amigos abriu a porta permitindo o irmão entrar.

Não se deu ao trabalho de perguntar nada, o cansaço á venceu e ela voltou para o quarto sem nada dizer.

Edward por sua vez deitou no sofá e segurou com força uma almofada contra o peito.

- Qual é cara? – a voz masculina do outro lado da linha o tranqüilizou de certa forma.

- Quem é? – Perguntou ainda desconfiado.

- Mike Newton, seu amigo adorado.

- Ah é você Mike. – Respondeu aliviado por ser o amigo, sentia
necessidade de falar com alguém experiente no assunto e Mike parecia ideal.

- Quer dar uma volta?Se não estiver fazendo nada importante, é claro.

- Ficar deitado no sofá não é importante. Quero sim.

Precisava pensar claramente, ouvir a voz da coerência e para isso seria essencial espantar a sonolência que o derrubava no sofá.

- ótimo, estou passando aí.

Esperou o amigo ainda passivo, prostado no sofá. Ouviu a campainha tocar e olhou para a porta apreensivo assim como podia ser Mike podia ser Bella. Levantou lentamente e andou até a porta, olhou através do olho mágico e viu um Mike sorridente do outro lado.

- Oi Edward.

- Que bom que você chegou preciso de uma segunda opinião. – Disse ele aliviado por poder dividir com alguém.

- Sobre?Ah, já sei Isabella Swan, a fonte de seus problemas. Acertei?

- Como você sabia?

- Não precisa ser um gênio para saber. Você ama essa garota mesmo assim não faz nada.

- Por favor, não. – Implorou tapando os olhos com as mãos e respirou fundo expulsando a culpa de sua cabeça.

- O que houve? – Mike perguntou preocupado.

Olhou para os lados e concluiu que a melhor solução seria falar sobre aquele assunto longe dali.

- Vamos sair daqui.

- ótimo vamos almoçar em algum lugar, eu pago. – Afirmou esperando algum tipo de manifestação da parte do amigo, mas Edward só caminhava sem nada dizer, sua mente rodava em emoções loucas que juntas não faziam o menor sentido.

Mike ligou o motor do Buick 1955, orgulhoso da sua máquina e em seguida som potente recém adquirido. DOA do Foo Fighters  tocava nos alto falantes e Edward não suportou o significado da música querendo aniquilar seus sentimentos à qualquer preço,a angustia crescente em seu peito dificultava qualquer tipo de manifestação.

Você está bem? - Perguntou Mike ao sentarem à mesa de uma lanchonete próxima.

- Não. – Edward respondeu passivo.

- Era de se esperar.

- Por quê?

- Sei lá.Você e a Bella são bem estranhos juntos.Parece que ela é a alfa da relação.

Edward riu sem humor e apoiou os braços sobre a mesa.

- Como se eu fosse uma menina.

- Mais ou menos. Mas até que seria legal se vocês namorassem.

Edward calou-se após o comentário do amigo, em sua posição de defesa habitual. Corroia-se por dentro ao pensar nas possibilidades da noite anterior.

Fizeram os pedidos, Edward uma porção de batatas fritas e Mike um X- Tudo com uma porção de nuggets.

- Mike eu gostaria de tirar uma dúvida...

Ele olhou com expectativa para Edward que tremeu ao levar uma batatinha até a boca. Ao ingerir o alimento seu estomago quis rejeitá-lo, mas ele insistiu em digeri-lo.

- Se hipoteticamente acordasse na cama de uma garota sem se lembrar de nada o que ocorreu na noite anterior o que faria?

- Hipoteticamente? – Questionou procurando alguma brecha no olhar de Edward que o denunciasse. – Nada, só perguntaria se meu desempenho foi bom.

- Desempenho?Como assim? – Perguntou confuso, coçou a barba e em seguida nuca.

- Isso nunca ocorreu comigo, mas se acontecesse seria bem estranho acordar sem saber o que houve. Mas também depende do contexto e da garota.

- Mas eu não sei o que aconteceu! – Respondeu mais confuso do que nunca, as mãos fechadas em punhos.

- Provavelmente vocês dois transaram. Provavelmente.

- Obrigado ajudou muito Mike. – Edward engoliu seco e respirou fundo. Sua consciência sinalizava que algo estava errado e não saber o que era atormentava sua mente atribulada.

- Foi com a Bella não foi?Olha, isso muda um pouco as coisas, vocês se conhecem, se gostam então deveriam conversar sobre o assunto.

- Eu a desonrei.

- Que papo é esse Edward, você vive em que século?Aquela ali já foi desonrada há muito tempo.

- Me aproveitei dela. – A culpa o consumiu loucamente durante três longos dias. O impossibilitando de sair do quarto e até mesmo de freqüentar normalmente as aulas. Escutava a voz dura e pensativa da sua consciência e só havia uma forma de calá-la de vez, Edward sabia qual era, mas tinha medo de suas conseqüências, tinha receio de ser fraco demais para assumir. Estudar se tornou quase um suplício então a biblioteca foi o ambiente mais seguro que encontrou para fugir de sua dor.

- Oi. – Maddie sentou-se ao seu lado à mesa da biblioteca, seu pensamento estava longe demais para ouvi-la. – Esse cálculo está errado Edward.

Olhou da garota para o papel como se despertasse de um pesadelo assustador demais. Madeline afirmou apagando o cálculo do papel.

- O que você tem?Sei que não é da minha conta mas errar um cálculo como esse é suicídio.

- Olá Maddie. – Respondeu passivo.

- Conhece aquela expressão “um bicho te mordeu”? – Edward assentiu e ela prosseguiu. – Ela se adéqua perfeitamente a você.

- Eles continuam me mordendo Maddie.

- Está na hora de expulsa-los não acha?

- Sim. – Respondeu como às vezes respondia às vozes em sua cabeça, Maddie agia como sua consciência ,um pouco mais otimista que ele,é claro.

- Então o que está esperando?

Era estranho o modo como tudo se encaixava quando Maddie estava por perto. Ela era como um anjo restaurando a alma de Edward aos poucos. Sentia uma tranqüilidade imensa ao seu lado coisa que não sentia com Bella.

- O quê?

- Aja fazer cálculos para fugir da realidade é uma idiotice.

- É. – Intrigado e desconfiado com a certeza nas palavras de Maddie, perguntou – Por que você tem tanta razão?
 
- Não sei. Talvez te conheça melhor do que você próprio. – Disse ela sorrindo abertamente enquanto consertava os cálculos no caderno dele. Edward não entendia muito bem sua empatia por Maddie,era algo tão espontâneo que chegava a ser bom.

- Vou falar com ela, preciso resolver isso hoje. – Afirmou para si mesmo, juntou os livros e os guardou na mochila, respirou fundo e bagunçou os cabelos como se fosse possível deixá-los mais bagunçados.

- Ela?Tinha que ter mulher na história não é?

- Hã?

- Esquece.

White Flag - Dido

Bella não se esquecia da última vez que viu Edward, seus olhos confusos não saíam de sua memória. Ela queria poder abraçá-lo e dizer que estava tudo bem entre eles, mas não estava. Nada ficaria bem se ela insistisse em conquistá-lo com suas técnicas sem sentido, nada ficaria bem se simplesmente desistisse.

Fechou os livros esparramados em cima da mesa da biblioteca, era impossível estudar se sua cabeça continuasse em Edward. Era impossível gostar de alguém a ponto de se machucar para ficar perto dele. Se ele estabeleceu os limites seria forçada a respeitá-los contra sua vontade.

Esmurrou a mesa com força e o barulho chamou a atenção dos que passavam e dos que estudavam em suas mesas.

- Oi. – Ouviu uma voz rouca e trêmula dizer, como não conhecer se essa voz ecoava em sua mente e lhe mostrava a maior das convicções?Estava apaixonada e não podia fazer nada além de respirar isso.

- Oi Edward. Já passou a TPM? – Perguntou ríspido sem olhá-lo,mesmo assim sabia muito bem qual era sua expressão,confusa e retraída, a mesma de sempre. Afinal, ao contrário do que ela pensou na noite de sexta, nada mudara.

- TPM? – Questionou pensativo.

- Você entendeu?

- TPM masculina não é muito comum, porém...

- Está bem. Fale logo, o que quer?

Edward engoliu seco e cerrou os punhos por cima da mesa, lutava contra as palavras procurando o jeito certo de dizer o que pensava.O mau humor de Bella não colaborava com o teor da conversa.

- Quero assumir...

- Assumir? – Perguntou ela encarando-o, ele aparentava sentir dor, uma dor que o consumia.

- Uma posição...

- Posição?

- Diante dos fatos ocorridos na noite anterior quero te pedir em namoro. – Afobado passou por cima das palavras, mas Bella entendeu muito bem.

Ele a pediu em namoro. Sem acreditar na força das palavras sorriu sem graça. A proximidade de Edward dificultava tudo.

- Por quê?

- Tenho que assumir uma postura responsável diante do que aconteceu. Não acho correto me aproveitar de você. Um compromisso sério trará a responsabilidade para que o ato não se repita.

- Mas você... – Bella olhou-o boquiaberta, esperava que o motivo fosse esse, mas o que queria ouvir da boca de Edward era muito diferente de responsabilidade, desejava que ele se entregasse de vez ao que sentia sem arrependimentos.

- Isabella, por favor, só diga sim ou não. Mais nada.

Bella tinha que explicar tudo a ele,Edward assumiu a culpa de algo que não ocorreu,devia trazer conseqüências para ela e não para ele. Se aceitasse o enganaria omitindo a verdade, se recusasse ele reagiria mal a negação. Entre dois caminhos escolheu o mais fácil, o mais egoísta.

- Que romântico, um pedido de namoro na biblioteca.

- Já começamos errados mesmo.

- Não significa que permaneceremos errados. Vamos para algum lugar seguro. – Afirmou arrastando ele pela biblioteca, não antes de pegar o caderno e a bolsa.

- Seu carro não é exatamente seguro.

- Já nos beijamos nele? – Perguntou Bella numa falsa reflexão, virou-se para ele e buscou seus olhos como sempre fugitivos.

- Me diga você... – Bella puxou seu rosto para si levemente e aproximou a boca de seu ouvido. Edward estremeceu, mas não fugiu, a fricção entre a barba por fazer do garoto contra sua pele macia alimentou seu desejo de beijá-lo.

- A resposta é sim, eu te quero. – Sorriu com a firmeza de suas palavras, a resposta atingiu os ouvidos de Edward como a mais bela das sinfonias. Era impossível uma fórmula exata que definisse a união de duas bocas acariciando uma a outra sem pressa. Bella mordeu o lábio inferior dele levemente aproveitando a sensação de ter um Edward consciente de seus desejos por ela.

- Nós temos a química perfeita, não acha?

Edward inebriado pela língua de Bella contornando seus lábios, não se deu ao trabalho de responder, prosseguiu a dança seguindo o ritmo que a própria estabelecia.

Bella enterrou a mão em seus cabelos, puxando-o para si pela nuca ignorando o espaço físico permitido e invadindo a boca do garoto com sua língua iniciando mais um beijo extasiante e cheio de desejo. Era proibido pensar e nenhum dos dois cogitou essa idéia quando as línguas se conectaram numa ligação sem limites.

Edward segurou sua cintura com força se entregando aos instintos e aos hormônios adolescentes que esperaram tanto tempo para serem despertados.

- Edward... – Bella gemeu entre beijos.

Edward a empurrou delicadamente, buscando o ar gasto naquela troca extasiante.

Encostou-se no banco do carro e percebeu dedos passearem por sua coxa esquerda por cima do jeans.

- Isabella...

- Beijar no carro é tão excitante não acha? – Perguntou beijando seu pescoço docemente. – Que tal no banco de trás?

- Louca. – Edward murmurou sorrindo. – Alguém pode nos ver.

- Quer que eu cite as vantagens do vidro fumê?

Ele revirou os olhos, incapaz de convencer Bella de que aquilo já foi o suficiente por um dia.

- Que tal experimentarmos o banco de trás outro dia? Tenho alguns cálculos para terminar. – Disse pouco à vontade com a situação. Bella percebeu seu olhar baixo e incomodado concluiu como culpa, culpa por algo que não fez.

De certo sentir-se mal por Edward não era de todo ruim, era um sinal de que se importava com a dor dele.

Sua vontade era terminar toda aquela farsa, porém não sabia qual seria a reação do mais novo namorado. Premeditando o ódio que despertaria ao contar a verdade, decidiu-se por aproveitar um pouco da situação, confessaria o ocorrido num momento apropriado.

- Isabella? – Edward aproximou seu rosto do dela, admirando a expressão da garota, se ao menos soubesse diferenciar expressões tudo ficaria mais fácil.

- Vou te levar para casa. – Disse subitamente ligando o carro. Ele pôs a mão na dela impedindo de prosseguir o ato. Ignorando a corrente elétrica gerada pelo toque, Edward olhou-a com ar questionador.

- Pensei que fossemos conversar. Nunca namorei e precisamos estabelecer condições, limites.

- Pensei que você tivesse cálculos à fazer. – sorriu sem humor querendo fugir da conversa.

- Eles podem esperar um pouco. – Respondeu acariciando a mão dela ainda na ignição.

- Você é irresistível principalmente quando faz isso, mas realmente precisamos ir. Que tal resolvermos essas pendências à noite?

- Tudo bem. – Deu de ombros e respirou fundo recostando-se no banco.

Voltaram para casa em silêncio, um silêncio cercado de dúvidas e incertezas. O mundo de nenhum dos dois entardeceria em paz, pois enquanto o coração batesse um pelo outro haveria insegurança.

- Te vejo à noite? – Perguntou Bella inclinando-se para encostar seus lábios nos dele, um beijo calmo, porém feroz em intensidade. Bella admirou mais um pouco o rosto do namorado enquanto estava entre suas mãos.

- Isabella, pode me soltar. – Edward murmurou interrompendo o momento dela, que quando se deu conta acordou do transe e foi para seu apartamento.

Edward recostou-se na parede do hall, fechando os olhos refletindo sobre tudo que havia acontecido. Era impressionante como sua vida se transformava em segundos. Em apenas alguns minutos tornou-se namorado da garota que amava e ao mesmo tempo temia. Um grande passo para ele em um pequeno espaço de tempo.

- Tudo bem Ed? – Perguntou Alice,o rosto coberto por um livro de economia.

- Hurum...estudando?

- Final de semestre.Mas quando acabar Manhattan me aguarda.

- Manhattan... – Repetiu ele,quase se esquece da cidade onde moravam messes atrás,agora seria apenas um visitante nos recessos da faculdade.

- O que?Não está com saudade do papai e da mamãe?

- Eles ligam todos os dias,não dão espaço para sentir saudades. – Respondeu indo até a cozinha em direção a  geladeira para pegar um copo d´agua.

- E você e a Bella? – Edward olhou para a irmã desconfiado,evitava falar sobre sua vida pessoal com a irmã,principalmente no que remetia a Bella.Alice não era boba e logo desconfiava de seu humor instável,fonte de preocupação e atenção constante.

- Por que a pergunta? – Questionou defensivo.

- Sei lá.Não agüento mais esse vai e vem de vocês.Ou vai ou racha não é maninho?As férias estão chegando e você não terá chance contra os gaviões de Manhattan.

- O que os animais têm a ver com a história? – Perguntou coçando a nuca.

- Nada,o que quero dizer é que a Bella é atraente,influente,tem tato com as pessoas e...

- Eu sou um transtornado insensível e sem futuro.Claro que entendi. – Interrompeu franzindo a testa, irritado trancou-se no quarto sem dar direito de resposta para a irmã. Acabou por cochilar até o anoitecer e em breves minutos de aparente paz, a guerra era travada em sua mente.Pensava  ele que talvez não fosse capaz de ter um relacionamento normal, talvez nunca pudesse ser o que Bella procurava.

Bella desistiu de estudar para as provas finais, se considerava inteligente demais para repetir a matéria e sagaz demais para deixar os assuntos acumularem. Durante sua gripe estudar e dormir foram suas principais atividades. Deixando assim a véspera das provas apenas para ler os pequenos resumos que fazia no caderno. Sabia dividir bem seu tempo entre festas, debates nas aulas, tocar guitarra e leitura de textos específicos do seu curso, para completar teria que acrescentar Edward a sua lista de prioridades.

Selecionou algumas músicas para gravar um CD para ele, substituindo assim o quebrado. Pelo menos, se terminassem de forma trágica ele teria algo para se lembrar dela.

No fim da tarde deitou-se na cama e ligou a televisão para se distrair e tirar a culpa da cabeça. Novamente o anjinho e o diabinho duelavam na intenção de manipular a garota.

- Já pensou em contar a verdade? Dá sempre certo. – Questionou Jacob deitando-se ao seu lado, Bella por sua vez não se moveu, permanecia com os olhos na TV tentando entender o que Edward via em “Star Trek” de tão interessante.

- Bella...está me ouvindo? – ele sacudiu a amiga suavemente pelos ombros, Bella finalmente o olhou. – Você e o Edward super combinam no quesito atenção.

Bella havia ligado para Jacob explicando tudo o que havia acontecido, ele a respondeu mas não foi tão cruel e enérgico, deixando essas características para Jasper e Rosálie.

- Então como vai a sua vítima? – Provocou ele sorrindo.

- Cala a boca, lobão.

- Não me chame de lobão, sou um gato já te disse. Olha, por que você não conta verdade?

- Ele vai achar que a culpa é minha.

- Melhor agora do que depois quando vocês estiverem super envolvidos.

- Você tem razão, droga você tem razão. – Concluiu revoltada – Eu não vou encontrá-lo hoje.

- Isso Bella fuja, que genial! – Ironizou Jake erguendo os braços como em louvor. – Ele vai te odiar mais.

Bella fechou os olhos tentando ignorar a presença do amigo, que lhe dizia verdades inconvenientes.Amava Edward e enganá-lo ia contra esse amor,tinha a obrigação de ser sincera com o garoto.Mas como odiava ter que enfrentar as obrigações acabou por dormir.Se serve de consolo seu sono não foi nada agradável,sua mente sempre recorria para Edward no terraço à esperando.

Edward cansado de esperar as ordens de Bella, vestiu um casaco e resolveu ir até seu apartamento. O quarto escuro parecia tão pequeno diante da sua enorme preocupação.

Apertou a campainha uma única vez e bagunçou os cabelos em seguida, um pouco nervoso.

Rose atendeu a porta olhando curiosamente para o garoto.

- Oi Rosálie, Isabella está?

- Ela está sim Edward,só que dormindo. - Edward atentou-se ao que Rose acabara de dizer, Bella adormeceu. - Sinto muito, ou não...

- O quê?Você falou comigo. – Perguntou sem entender a ultima colocação da garota.

- Claro que falei. A Bella dormiu. – Repetiu sem paciência.

- Mas nós tínhamos... – Falou consigo mesmo, se afastando da porta aos poucos.

- Encontro?Acho que ela esqueceu. – Rose sorriu sem graça. – Eu digo a ela que você passou aqui.

- Obrigado Rosálie.Boa noite. – Disse ainda frustrado tentando entender o comportamento de Bella.

Subiu até o terraço  desanimado,olhando para as estrelas no céu.Não havia muitas e a ilusão era a palavra de ordem daquela noite, enquanto Bella tentava se iludir dormindo. Edward sentia-se mal por tudo que aconteceu, se sentia mal por não conseguir odiar a figura de Bella um segundo sequer. Olhou para as estrelas e esperou elas fazerem seu papel, o distraindo da vida real enquanto o vento frio esvoaçava seus cabelos já bagunçados pelas próprias mãos tremulas.

Não poderia deixar uma simples garota o desestabilizar dessa forma,algo teria que fazer mas o quê?Não queria mais se iludir com falsas promessas,queria palavras simples porém sinceras.Queria poder confiar no seu poder de motivação mas a desconfiança sempre existiria.Teria que arrancar a verdade de Bella,insistir,assim como ela insistia em atormentá-lo.

0 comentários :

Postar um comentário