TCS - Capitulo 29

N/Caah: Como o Nyah! está off, muitas das fanfics não estão podendo ser atualizada aqui, então, por isso vim trazer um TCS para vocês *-* espero que gostem!





Capítulo 29.





Como assim minha namorada me chamou de frouxo? Frouxo?

- Está tudo bem, Bells?
- Sim, né.
- Sou frouxo então?
- Um pouco. Quando tava ficando bom...

Eu ia castigá-la por isso. Ela ia ficar tipo, uma semana tendo orgasmos múltiplos até implorar para eu parar.

- O castigo pode vir lento, mas virá.
- O que isso quer dizer, Edward?
- Nada. Deixa quieto.
- Foi uma ameaça?
- Claro que não. Apenas um aviso.

Ele parecia irritadinho. Eu gostava disso, pois cansei de só eu ficar irritada.

- Ok... talvez da próxima vez você consiga alongar a situação...
- Talvez.

Eu ri da sua cara de macho com o orgulho ferido.

- Amor, deixa para lá. Foi bom, ok?
- Ok.

Levantei para ir ao banheiro e o deixei lá deitado. Tinha um gostosinho na minha cama. Abri a porta do banheiro e... OMG.
- Jake! Sai daí! Sai!
- Bells?

Tinha ouvido Bella gritar e fui ver o que era. Que nojento... Jake bebendo água da privada.

- Ow Jake... você agora acabou com sua vida social, amigo... nenhuma cadela irá te querer.

Bella me olhou revirando os olhos.

- Ele um dia vai cruzar, certo? Ou vocês pretendem deixar o pobre coitado morrer virgem?
- Edward, cachorro não tem que querer. Eles nem sentem falta disso!

Não? Jake agora estava rosnando para ela. Não, né?

- Aí o que você arranjou...
- Sai Jake! Seu porco!
- Podemos voltar ao quarto, amor?
- Ele não quer sair... pega ele, Edward.
- Eu não! Ele está contaminado agora.
- Edward!

Ok. Peguei o monte de pulgas e micróbios e coloquei no corredor.

- Vai em paz, amigo...

Realmente eu não sabia quem era mais patético. Jake ou Edward, que falava com o cachorro como se ele fosse gente.

- Edward, vem...
- Já vou. Estou só esperando para ver se ele vai se suicidar.
- Suicidar por quê?
- Ora, ele acabou de descobrir que vai morrer virgem, Bells!
- Edward, ou você entra agora nesse quarto, ou o virgem a morrer será você!
- Amor, eu não sou virgem...
- Voltará a ser se eu entrar em greve!

Ele entrou e fechou a porta.

Bella estava super espertinha nesses últimos meses. Acho que ela aprendeu métodos de tortura com Alice e Rosalie, só pode ser... Nós passamos o dia todo juntos, mas de noite, minha sede era maior.

- Bells, vou precisar caçar hoje.
- Jura? Vai demorar?

Ela estava sentada em meu colo, na cama, com as pernas gostosas em volta do meu corpo.

- Adoro quando você finge que esquece da calcinha, amor...

Fui acariciado por seu soco delicado.

- Não fingi droga nenhuma!
- Ok. Então, não devo demorar não...
- Tudo bem... se quiser vir para cá depois, pode vir.

Nos despedimos e fui para o carro. Iria aonde hoje? Cansei de pensar e dirigi em direção à Port Angeles mesmo. O movimento lá era maior e as pessoas não me conheciam. Parei o carro numa esquina bem movimentada de adolescentes e me afastei um pouco, por um caminho de pedras em direção a uma rua estreita. Lá no final da rua, tinham duas garotas conversando, como quem esperavam por alguma pessoa buscá-las ali. Serve eu?

- Boa noite, moças.

Uma delas me olhou enquanto a outra fingiu não ouvir. Mulheres adoravam fazer isso... puro charme.

- Oi.
- Vocês sabem que é perigoso ficar aqui essa hora, né?

A mais séria então virou-se para mim e falou ríspida.

- Sabemos, obrigada.

E virou a cara. Ah coisinha fofa, você vai ser a primeira. Me aproximei mais delas e sorri. Ponto para mim. As duas se perderam pelo meu olhar fixo nelas.

- Vai... nos... fazer...
- Compa-panhia?
- Claro.

Foi apenas um sussurro, o necessário para fazê-las gelarem. A antipática mordeu os lábios e me olhou dos pés à cabeça. Fui totalmente secado nesse olhar.

- Se vocês quiserem eu posso dar uma carona para vocês. Querem?
- É que... estamos... esperando pela nossa... prima.

A mais simpática acotovelou a outra.

- Que nos ligou dizendo que vai se atrasar. Então não há problema em pegar carona nenhuma...

Eu sorri vitorioso.

- Por aqui então.

Levei-as em direção a um beco que ficava logo numa descida da rua, me certificando de não ter ninguém vendo.

- Nossa, você parou o carro num lugar desses?
- Foi o único lugar que tinha vaga disponível...

Bobinhas. Quando entramos no beco, eu parei um pouco atrás delas. Expus meus dentes e olhos negros, que agora elas viam ao virarem-se para mim.

- Não gritem!

Elas gritaram. Mulheres nunca conseguem obedecer uma ordem. Saco! Calei as duas com minhas mãos, empurrando-as contra a parede do beco.

- Shhh! Vou ser rápido, prometo. E estou com pressa, minha namorada está me esperando.

Imobilizei a simpática enquanto atacava primeiro a nojentinha que antes tinha me desprezado. Vamos ver agora com quantos paus se faz uma canoa. Furei a pele do seu pescoço com meus caninos afiados e suguei. Ela me socou forte, como se eu sentisse algo. Ali eu não fui misericordioso. Suguei com vontade e sem parar, até seu corpo desfalecer em minhas mãos. Soltei-a, deixando a morena cair sem vida no chão. Sua amiga me olhou desesperada, prevendo seu futuro.

- Vamos para a sobremesa, agora?
- Só por cima do meu cadáver!

Hein? Me virei para olhar quem tinha a ousadia de falar assim comigo. E levei um chute na cara. Era Buffy.

Tudo bem que era uma mulher, mas posso dizer que a vadia eram bem forte. Seu chute me fez cambalear um pouco. Claro que não foi o suficiente para me jogar no chão ou me machucar. Até porque... eu nunca me machucava. Mas isso não vem ao caso agora. O que importa é que minha sobremesa estava correndo pelo beco escuro e eu tinha contas para acertar com uma loira anã.

- Mas que surpresa!

Sorri enquanto ajeitava minha blusa. Ela sorriu cínica e em posição de ataque.

- Achou que nunca fôssemos nos cruzar por aí? EDWARD C-U-L-L-E-N?
- Como me achou em Forks?
- Como te achei? Nem sabia da sua existência! Me mudei para cá por achar que no fim do mundo eu não encontraria vampiros! Mas não, vocês sempre têm que me atazanar a vida!

Céus, como ela fala! A matraca não parava de mexer a boca. Estava me dando sono.

- Bem, sinto lhe informar, mas a cidade é pequena demais para nós dois.
- Com certeza. Mas você vai morrer hoje, então... eu vou ganhar um espaço, querido.

Eu ia o que? Hilária.

- Buffy... Bufy... Me diz uma coisa. Seu namorado vampiro sabe que você mata os da raça dele? Ou preciso dizer... SEUS namorados vampiros.

Ela fechou a cara sem-graça, não esperando que eu soubesse tanto de sua vida.

- Não se meta onde não foi chamado! E Angel não é que nem... vocês.
- Angel, né? Então Bella estava certa.
- Sobre?
- Não interessa. Façamos assim. Eu vou embora, você vai embora, e a gente vive em paz. Que tal?

Ela me olhou pensativa, e eu esperei, mesmo já sabendo a resposta.

- Desculpe, Edward... mas eu prefiro te matar mesmo. Nada de ficar convivendo em paz, sabe? Eu não sou muito paciente para essas coisas, e daqui a pouco você vai começar a aparecer lá em casa para fazer amidas e ach...
- Porra, cala a boca! Prefiro lutar do que ouvir você tagarelar!
- Ah. Ok.

Ela balançou a cabeça e veio para cima de mim. Pobre coitada. Torci sua perna fina no ar, levando-a de costas ao chão. Pensam que a loira baixinha se afetou? Lá vinha ela de novo. E Bella me esperando em casa...

- Podemos fazer isso mais rápido?

A loira correu na minha direção e deu uma pirueta no ar, tentando me acertar no peito. Eu continuei parado e puxei a perna dela quando quase tocou em mim. Ela caiu de novo.

- Você anda vendo muito Matrix, não é?

Buffy me olhou com raiva e levantou de novo. Vamos explicar para ela.

- Deixa eu te dizer uma coisa. Você me chutou a cara porque eu estava distraído. Fora isso, você nem conseguirá encostar em mim direito, entende?
- Isso é o que você pensa!

Mulheres! Sempre achando que sabem mais que os homens. Suspirei e encostei na parede do beco.

- Ok... eu espero você desistir. Pode vir.

Ela franziu a testa e veio de novo em cima de mim. Saco. Ok, Edward, vamos acabar com essa palhaçada logo! Dei-lhe um soco no meio do estômago que a fez voar longe, levantando logo em seguida e correndo de novo na minha direção. Essa garota gosta de apanhar? Imobilizei seus braços e acotoveilei seu rosto, peguei-a pela cintura e girei, tacando-a contra a parede. Ela caiu e me olhou surpresa. Hora de se mandar, Edward... não vale a pena ficar aqui perdendo tempo.

- Nos vemos outro dia, quem sabe?

Deixei-a ali e saí do beco, entrando discretamente no carro e voltando para a casa de Bella.

Já estava dormindo quando Edward chegou fazendo barulho.

- Antes que você pergunte, sim, você me acordou.
- Nossa, quanto amor no coração!
- Por que demorou tanto?
- Bem, porque eu tive que comer e bater...
- Hein?

Sentei rápido na cama esfregando os olhos. Comer? Comer no sentido se alimentar mesmo né?

- Explique-se melhor, Edward!
- Estava lá sugando um sangue gostoso quando Buffy apareceu.
- Buffy? Ela te viu... fazendo...
- Amor, ela já sabia que eu era vampiro, quando me viu pela primeira vez.
- Mesmo assim... e aí? O que houve? Você se machucou?
- Olha para minha cara, Bells.

Olhei. Ele estava sério. Ah tá, era sarcasmo, era?

- Você a matou?
- Claro que não. Ela é bem forte... não mais do que eu, mas é uma adversária à altura.

Levantei e abraçei ele.

- Não gosto de pensar em você se machucando...
- Menos amor... muito menos...
- Sério, Edward! Você fica se achando o fodão, até encontrar alguém melhor por aí.
- Bella, não tem melhor.

Ele me beijou e mordeu minha boca, se afastando e tirando a camisa.

- Vou tomar um banho. Estou com cheiro de beco.

Ele saiu do quarto e foi para o banheiro. Cheiro de beco? Desconhecia isso.

Esperei um pouco e então fui atrás dele. Edward estava tomando banho quando entrei no banheiro, bem devagar para não ser notada.

- Vai vir aqui ou vai ficar olhando?

Eu esqueço sempre que não dá para se esconder dele. Maldito!

- Vou entrar nada. Nem quero tomar banho...
- Quem falou em banho, Bells? Eu estou tomando banho... você iria tomar... bem, deixa para lá.
- Edward!

Ele riu e abriu a porta do box, me mostrando seu corpo nu. Céus, como resistir?

- Vem ou não vem?
- Estou indo!

Nem tive tempo de tirar a camisola.

- Vem assim mesmo, Bells.

Fui puxada pela cintura, batendo contra seu corpo duro, enquanto ele me encostava na parede e a água caía no meu rosto.

- Já te falei que fica linda assim, molhada?
- Não lembro, mas pode falar...

Ele sorriu e mordeu minha boca, olhando com cara de safado para minha camisola branca que já estava transparente. Edward abaixou o rosto e me beijou os seios por cima do tecido, circulando a língua em volta dos meus mamilos.

- Adoro roupa branca, sabia?

Ele piscou e foi levantando minha camisola, me deixando só de calcinha.

- Terminou o banho, amor?
- Não... pensei que você pudesse terminá-lo para mim.

Edward pedindo banho? Isso era novidade.

- Posso passar sabão com a língua?

Ele riu e sussurrou no meu ouvido, me imprensando na parede e roçando entre minhas pernas.

- Safadinha você, amor...

Alisei suas costas enquanto ele estava encostado em mim, desci até sua bunda rígida e brinquei um pouco por lá. Ele mexia contra meu corpo, gemendo no meu ouvido e mordendo minha orelha.

- Gostosa!
- Gostoso!
- Seja criativa, Bells...
- Cala a boca, Edward!

Ele me puxou pela cintura e me virou de costas, me colocando bem embaixo do chuveiro.

Deslizei a mão pela sua barriga molhada com a água gelada e acariciei seu sexo por cima do pano da calcinha ensopada. Ela jogou a cabeça para trás, encostando-a no meu peito e gemeu baixinho o meu nome. Brinquei um pouco com seu clitóris roçando o dedo ainda por cima do pano enquanto passava meu membro pelas suas coxas e bunda.

- Edward... me possua...
- Daqui a pouco. Deixa eu brincar um pouquinho antes.

Segurei seu corpo ainda de costas para mim e enfiei a mão por dentro da calcinha, brincando com seus lábios quente e molhados, passando os dedos por eles e colocando dentro dela. Bella levantou um braço para puxar-me pelos cabelos, arfando e se contorcendo.

- Quer mais, Bells?
- Quero... te quero.

Virei-a de frente para mim e peguei-a no colo, colocando seus braços em volta do meu pescoço, enquanto beijava seus ombros.

- Também te quero... sempre quero...

Puxei sua calcinha para o lado e penetrei-a, fazendo-a cravar suas unhas no meu pescoço, o que me deu mais tesão e me fez tirar rápido para entrar de novo, devagar...

- Gosta assim?

Ela já estava ofegante e boquiaberta, tentando pronunciar algumas palavras.

- Gos...to.

Eu estocava lentamente para torturá-la, aproveitando para apertar sua bunda não tão grande, mas perfeita para minhas mãos. Desci minha boca pelo seu queixo e lambi com força seu pescoço, jogando a cabeça dela para trás. Bella apertava forte as pernas em mim enquanto eu a movimentava pelo quadril.

- Você tem... um plano...

Eu ria da sua tentativa de respirar. Beijei-a enquanto ela falava, mordendo sua boca quente e lambendo suas bochechas.

- Maligno... de me... matar.
- Tenho mesmo, né?

Bella desceu as mãos pelas minhas costas, me puxando mais para si.

- Vem mais... rápido, Edward...

Mais rápido? Não sei por que ela pedia se quase morria quando eu aumentava o ritmo. Ok, bombei mais rápido para atendê-la. Seu corpo chocava-se no meu, fazendo um barulho molhado magnífico. Ela me soltou e precisei segurá-la bem para não cair. Bella jogou o corpo todo para trás, confiando apenas as pernas em volta da minha cintura. A visão dos seios balançando com o vai-evém foi esplêndida, e me inclinei um pouco para sugar-lhe aquelas duas maravilhas.

- Eu vou...

Eu já sabia exatamente quando ela estava para chegar ao orgasmo. Bella saía de órbita e fechava os olhos.

A fricção do seu membro em mim já me deixava zonza, prevendo o orgasmo chegar. Ele saía e entrava rápido e perfeitamente, e eu sentia seu membro pulsante me invadindo a cada estocada. Fechei os olhos e deixei meu corpo estremecer e meus músculos contraírem. A água que caía no meu rosto misturava-se ao pouco da baba que saiu da minha boca. Transa com Edward para ver se você também não vai babar...

- Delícia... quer me sentir explodindo em você?

Ele ainda me perguntava isso?

- Claro.

Falei com a força que ainda me restava e senti seu gozo me invadir gelado, me estremecendo e me fazendo desabar por completo nos braços dele. Nos beijamos e Edward me puxou mais para seu corpo, sem me soltar.

- Quero tomar banho juntinho assim.
- Posso ficar para sempre no seu colo...

Segurei-a no colo mais um pouco e fiquei ali com ela debaixo do chuveiro, deixando a água escorrer por nossos corpos. A beijei, aproveitando o cansaço dela para poder ser bem devagar e sentir o gosto doce daqueles lábios. Ela mesmo desfalecendo nos meus braços, ainda tinha forças para sorrir.

- Você é irritante... Edward Cullen.
- Eu? Por quê?
- Porque me deixa... assim.
- Eu adoro te deixar assim.

Coloquei-a no chão e terminamos nosso banho. Quando saímos do banheiro, enrolados em toalhas, encontramos Jessica no corredor.

- Banho juntos? Vocês não cansam? Parecem coelhos!
- Coelhos somos nós!

Tudo que eu não precisava aturar agora era barata branca, que vinha sorrindo enquanto andava que nem malandro.

- Ok, mas nossa vida sexual não diz respeito a nenhum dos dois!

Bella me puxou pela mão para entrar no quarto, mas barata branca veio junto.

- Diz respeito a partir do momento que eu tenho que ficar no quarto do lado escutando os gemidos!
- James! Tchau!
- Ok, vou deixar vocês dois a sós. Mas não esqueçam... eu escuto tudo.

Me controlei para não arrancar a cabeça da barata. Empurrei ele para fora do quarto e fechei a porta.

- Eu não entendo por que ele passa tanto tempo aqui! Não tem casa não?
- Tem. Mas sei lá... por causa de Angie.
- Casem-se!
- Claro, Edward... super básico.
- Casar? Mas não é esse o plano de todo humano?

Ela me olhou pensativa e deu de ombros.

- Acho que sim. Toda mulher sonha em casar, né?

Toda? Tipo, ela também? Ainda dá tempo de correr, Edward.

Por que Edward me olhava com medo? Falei alguma coisa errada?

- Edward?
- Eu.
- Tudo bem?
- Maravilha.
- Ficou estranho de repente...
- Eu? Que nada!

Ele sentou e ficou olhando para o chão. Surtou?

- Bells... quais são os seus planos... futuros?
- Hein?
- Pretende se formar, casar, ter filhos...?

Ih... surtou mesmo. Homem não pode ouvir a palavra casameto que fica estranho.

- Me formar sim. Casar? Não sei. Não vou dizer que não quero, eu gostaria muito. Mas não é meu principal objetivo não.
- Sei.
- Não vou ter pedir em casamento não, Edward.
- E... ficar igual a mim? Não pensa nisso não?

Tocou na ferida. Eu pensava muito sim. Mas nunca cheguei a nenhuma conclusão.

- Você pensa muito nisso?
- Sempre. Não é fácil para mim ter que viver me controlando...
- Eu sei.

Ele beijou meu pescoço e senti seu hálito frio tocar na minha pele.

- Apesar de amar seu corpo quente...
- E eu o seu corpo frio.

Ele sorriu torto e me beijou na boca. Seus dedos brincavam nos meus cabelos e seus lábios mordiam os meus.

- Ok, estou ficando muito meloso. Parei com essa droga! E ainda não esqueci que você me chamou de frouxo, lembra?

Melhor mudar rápido de assunto, pois a cara dele não estava agradável.

- Que parada é essa de cheiro de beco, Edward?
- Eu estava num beco. Mas a maldita Buffy...
- Nós já sabemos aonde ela mora, não é? Por que não junta os outros e vai atrás dela?
- Porque isso aqui não é festa, Bells. Eu não vou caçar a caça-vampirios. Deixa ela vir até mim. Se ela ficar na dela, eu fico na minha.
- E o vampiro? O... Angel?
- O que tem ele?
- Não vai fazer nada a respeito?

Bella queria guerra? Ela estava afoita com isso.

- Amor, já disse, vou ficar na minha. Amanhã eu vejo como ela se comporta na faculdade...
- Ok. Quer ver como eu me comporto também?
- Você está ficando safada, Bells...
- Estou? Que bom!

Quando eu quis dizer que minha namorada estava ficando safada, eu não estava brincando, Bells cada dia me surpreendia mais na cama.

- Agora o mocinho promete ficar quietinho?Não vale me tocar. - ela sorriu, e em seus olhos eu vi que ela ia me torturar, e eu estava começando a gostar da idéia.
- O que vai fazer enh?
- Quieto e sem me tocar, se me tocar perde.
- Okey. Prometo não tocar.

Então ela me deixou na cama e entrou meio correndo e tropeçando no banheiro.Demorou alguns minutos.

- Amor você morreu ai dentro? - sério eu estava meio preocupado.
- Cala a boca Edward, já estou indo. - Ela irritada ficava mais sexy.
- Olha Bells eu tenho a eternidade e tal, mais eu gostaria muito que vo...

A minha frase parou ali Bella saiu do banheiro com uma lingerie super sexy, eu fiquei excitado só de ver ela daquele jeito.Eu me levantei e fui até ela, quando fui tocá-la.

- Não Edward, seja um bom garoto. - Ela sorriu.Porra me esqueci que tinha prometido não tocar.


[N/P:LINGERIE DA BELLA: http://www.spotbit.com/contents/products/3069/thumbnail/400.jpg]


Então ela ligou seu rádio em uma música bem sexy, e começou a dançar, eu não acreditei quando vi, acho que minha namorada estava tendo aulas.

Música: http://br.youtube.com/watch?v=vbvadq2hY0s


Eu estava meio nervosa no começo, mais quando vi a cara de tesão que Edward estava eu me soltei, rebolava conforme as batidas da música, passava a mão pelo meu corpo, estava tentando fazer como vi no vídeo do you tube.

- Amor já posso te tocar?
- Ainda não.

Eu percebi que ele estava ficando meio nervoso. Peguei a cadeira e comecei a dançar, eu acho que estava sexy porque Edward estava quase me comendo com os olhos. Então fui para o passo II da dança, comecei a tirar minha lingerie bem lentamente.

- Bells posso tocar agora? - ele estava sentado na cama, de frente comigo.
- Ainda não. - eu pisquei, e mordi de leve meu lábio.

Depois de tirar peça por peça e jogar pra ele, eu ainda seguindo a música, comecei a me acariciar. Passava a mão pelos meus seios apertando de leve os biquinhos, eu estava ficando excitada. Desci uma mão pela minha barriga, passando pela minha coxa, virilha, até que comecei a me masturbar ali na frente dele.

- Bells por favor, posso tocar em você agora? - a voz dele estava suplicante. Ponto pra você Bella.

Eu fingi nem dar ouvidos a ele, e continuei ali em minha brincadeira particular, então percebi que eu gostava no Bad Edward e pela cara dele, o Bad estava louco pra agir.

- Oh! Edward - eu gemi o nome dele, enquanto me masturbava.

E assim como eu imaginei meu Bad agiu.Ele me pegou de jeito me jogou na cama, beijando e acariciando cada parte, me fazendo pegar fogo.

- Ah!Isabella vou te ensinar a não brincar com o fogo.
- Me ensina - falei no ouvido dele.

Ele disse algo que não entendi, e depois puxou minhas pernas pra cima dos ombros dele e me penetrou de vez, aquilo me deu dor e prazer ao mesmo tempo, ele investia forte, fazendo meu corpo se mexer com as investidas, eu por minha vez gemia no ouvido dele. Na hora até lembrei do que James havia dito, sobre ele escutar tudo, então soltei um gemido alto.

- OH! EDWARD.- Eu estava suada, e feliz por eu ter conseguido colocar meu plano em prática, sem estragar tudo com meu jeito estabanado.
- Você me enlouquece - ele me dizia enquanto me fazia ver o céu em cada investida mais forte e rápida.
- Eu vou ...eu vou gozar - foi a única coisa que consegui dizer, porque então senti meu corpo tremer, e senti ele gemer abafado.Deitamos ali e ficamos nos acariciando.
- Se eu pudesse morrer do coração, hoje você teria me matado.

Céus! O que Bella tinha em mente? Ver se eu era mesmo imortal? Ficar olhando-a se tocar sem poder encostar nela, tinha sido a coisa mais torturante da minha existência. Ela agora estava relaxada nos meus braços, me olhando docemente.

- Eu posso ficar a eternidade aqui dizendo que te amo.
- Eu também te amo! Seu bobo!

Aquela mulher tinha quebrado todas as minhas barreiras. Justo eu, que sempre fui o que ditava as regras nos relacionamentos. Ok, não relacionamentos exatamente, pois eles nunca duravam. Costumavam ser de um ou dois dias apenas.

- Você sabia que nunca fiquei tanto tempo com alguém?
- Não? Nem quando era humano?
- Nem nessa época. E depois que virei vampiro, piorou...

Surgiu uma ruga na sua testa. Eu beijei aquela depressão.

- Eu geralmente ficava com a mulher, mais para me alimentar mesmo. Depois eu...
- A matava?
- Às vezes.

Ela sorriu e jogou os braços em volta do meu pescoço.

- É, eu sei que sou foda e causo essas reações nas pessoas...
- Você além de safada está ficando um sebo!
- Bem, eu aprendi com o melhor professor!

Ela piscou e mordeu os lábios.

- Gostosa!

Beijei sua barriga quente e deitei a cabeça ali, sentindo sua respiração movimentar seu corpo.

Enfiei os dedos no seu cabelo e fiz cafuné nele, que chegou a fechar os olhos.

- Edward, por que você não consegue dormir, e Lestat consegue?
- Não sei. Nunca descobri.
- Hazel consegue?
- Acho que ele dorme às vezes...
- Queria que você dormisse um dia comigo. De dormir mesmo...

Ele apoiou o queixo na minha barriga e me olhou sereno.

- Eu gostaria muito. Mas enquanto isso não acontece, eu prefiro te ver dormir. Além de ficar linda, o quarto fica num silêncio maravilhoso...

Ela me acariciou com um soco. Eu amava esses carinhos dela.

- Você me irrita, Edward Cullen!

Ele me deu um beijo na testa e ficou me observando

-Vai ficar me olhando? Assim eu não consigo dormir!
-Porque amor?Quer fazer outra coisa?

Ele sorriu maliciosamente pra mim e mordeu o lábio.

-Você não cansa nunca Edward?
-Eu não amor, e você?

Eu a coloquei em cima de mim e beijei-a, passei a mão por todo seu corpo, delineando-o e fazendo-a arrepiar com meu toque.Ela colocou os dedos no meu cabelo bagunçando-o e me puxando para mais perto para beijá-la, sorri e mordi seu lábio, e fui descendo beijando seu pescoço até chegar nos seus seios.Admirei-os e comecei a tocá-los fazendo com que ela ficasse excitada.

-Edward, eu realmente estou cansada, eu não acho que possa agüentar.
-Bella, você não precisa fazer nada.

Eu disse baixinho em seu ouvido.Coloquei ela deitada e fiquei em cima, beijei sua barriga formando um caminho até sua boca, e penetrei-a lentamente, fazendo ela soltar gemidos abafados.Fui aumentando o ritmo fazendo com que ela delirasse gritando por meu nome.Senti seus músculos contraindo e tive um orgasmo junto a ela.Dei um beijo em sua testa.

-Eu te amo. -eu sussurrei.
-Eu também.

E então ela adormeceu com sua cabeça em meus braços.

Um pouco antes de amanhecer, eu deixei Bella dormindo e fui em casa me arrumar para a faculdade. Antes de entrar no quarto, Hazel apareceu atrás de mim.

- Onde estava, Edward?
- Na casa da Bella.
- Ah tá.

Entrei e ele veio junto. Sombra pequena a minha...

- Vai sair de novo?
- Vou.
- Onde?

Olhei para o pirralho. Virou meu pai ou algo parecido? Ele me olhava super sério, como se estivesse querendo que o filho desse satisfações.

- Vou para a faculdade, Hazel. Coisa que você não sabe o que é.
- Nem nunca vou saber, né?

Ele abaixou a cabeça e saiu do quarto. Acho que a doença da Bella pegou em mim, pois senti pena do garoto. Tomei banho e troquei de roupa, me olhando no espelho.

- Sou irresistível!

Saí do quarto e passei no de Hazel, antes de descer as escadas. Bati na porta e abri. Ele estava sentado na cama olhando pela janela.

- Ei! Quer ir junto?

Ele virou para me olhar, com os olhos brilhando. Balançou rápido a cabeça e pulou da cama.

- Vou me arrumar!
- Não, Hazel... vá assim mesmo!
- Não posso, Edward. Mulher repara em como o homem se veste, sabia?

Eu mereço.

Depois de esperar vinte minutos para o mini príncipe se arrumar, nós descemos.

- Que é isso? Onde Hazel vai?
- Para a faculdade! Edward me convidou!

Alice me olhou curiosa e levantou as sobrancelhas.

- Vai levá-lo?
- Vou... para ele distrair um pouco.
- Edward, não sou criança para ser distraído!
- Ah que cute cute do tio!

Emmet chegou para irritar o garoto. Eu o olhei com raiva. Imaginei seu pescoço jorrando sangue na minha boca.

- Está vendo, Edward? Agora todo mundo vai me zoar...
- Se ele te zoar de novo, você pode pegar a Rosalie na frente dele, que tal?
- Não gosto da loira. Pode ser a Alice?
- Eu? Me acha bonita, Hazel?
- Eu estou aqui, ok, amor?

Jasper chegou por trás de nós e parou de cara fechada e braços cruzados.

- Jazz! Amor...
- Te acho muito gata, Alice! Pego fácil!
- Hazel!
- O que?

Por que as pessoas cismavam em dar corda a ele? O peste me olhava cínico e eu via um misto de Lestat e Vlad nas suas atitudes. Por quanto tempo eu aguentaria essa tortura?

- Nada. Vamos embora.

Edward buzinou e eu corri para o carro dele. Quando abri a porta do carona, encontrei Hazel sentado lá.

- Oi Bella!
- Hazel? Oi...
- Posso ir na frente?

Ele sorriu tão lindinho para mim. Não tinha problemas eu ir atrás uma vez na vida.

- Não, não pode. Vai para trás, Hazel.

O anjinho fez beiço e pulou para trás por cima dos bancos. Ok, vou na frente então...

- Coloque o cinto, amor.
- Mas vocês não estavam de cinto!
- Mas nós não vamos partir ao meio se sofrermos um acidente.

Botei o cinto.

- Hazel vai com a gente para a faculdade, ou é impressão minha?
- Eu vou! Quero ver as garotas por lá... ficar em casa é chato, sabe?
- Sei.

Que estranho Edward ter trazido ele. Desde quando meu namorado fazia as vontades de Hazel? Olhei para Edward, que dirigia calado, só olhando para o lado de vez em quando.

- Está tudo bem?
- Sim. Só estou pensando se verei Buffy lá ou não. Realmente não quero problemas na faculdade...
- Qualquer coisa eu posso atraí-la até o estacionamento e você arranca seu pescoço!

Ele franziu a testa para mim. O que foi? Só estou tentando ajudar e incentivar...

- Edward, e Hazel? Não tem problema ela conhecê-lo?

Ele olhou o anjinho pelo retrovisor e não respondeu.

Não tinha pensado em qual seria a reação de Buffy se Hazel cruzasse seu caminho. Talvez tinha feito mal em trazê-lo... não poderia acabar bem. Quando entrei no estacionamento da faculdade, resolvi não parar na minha vaga habitual.

- Edward?
- Vou parar em outro lugar...
- Por quê?
- Precaução. Estou com Hazel, né? Não tinha pensado nisso antes.
- Então acha mesmo arriscado?
- Não sei, Bella. Não leio a mente dela, nem a dele.

Ela franziu a testa em tom preocupado.

- Está tudo bem, Bells. Pode ficar tranquila.

Parei o carro e dei uma olhada em volta antes de abrir para Hazel saltar.

- Vamos assistir qual aula, Edward?
- A que eu estiver afim.
- Tem muita gata na sua sala?
- Não costumo reparar nisso, Hazel. Pelo menos não depois de conhecer Bella.

O peste olhou minha namorada enquanto babava.

- Mas a Bella é um pedaço de mau caminho mesmo! Eu trataria que nem uma princesa!
- Que fofo, Hazel!
- Bells, menos.
- O que? Só o acho super educado e cavalheiro...
- Bells, menos.

O peste estava com o ego inflado já. Ele andou com o peito empinado em direção ao prédio da faculdade.

Puxei Bella pela mão antes que Hazel agarrasse e não soltasse mais. Ele cada vez mais perdia a noção do perigo. Tipo, de acabar morto. Por mim. Ela apertou minha mão e me olhou.

- Minha primeira aula é no 3º andar, amor...
- Ok, nos vemos depois então?
- Aham.

Bella me beijou e foi em direção ao elevador.

- Posso ir com ela, Edward?
- Não.
- Mas eu gosto mais da Bella.
- Bom saber.
- Posso ir com ela então?
- Não.
- Por favor...
- Hazel, não me irrita!
- Ok. Chato.
- Eu ouvi.

Subi o primeiro lance de escada com ele e entrei na minha sala. Já estava um pouco cheia, principalmente de mulheres, o que foi um prato cheio para ele.

- Oi linda!

Eu o vi piscando para uma loira enquanto passávamos por ela. Falei num sussurro que só vampiros poderiam ouvir.

- Hazel, quer parar com isso? Você é apenas um fedelho para olhos humanos!
- Emmet, disse que tem mulheres que gostam dos mais novos...
- Alguns anos mais novos, não décadas!

Eu já estava numa mesa esperando por Edward e Hazel. Minhas aulas tinham acabado mais cedo. Foi quando a vi. Eu quis avisá-lo para não chegar agora, mas era tarde demais. Edward estava passando pelas mesas do pátio quando Buffy debruçou sobre um balcão de uma das lanchonetes. Ele travou o maxilar quando passou por ela, que virou-se para olhá-lo e... céus. Ela fitou Hazel com curiosidade. Ele sorriu para ela. OMG.

- Vamos embora, Bella.

Ele segurou minha mão, me levantando da cadeira rápido. Ela parou do nosso lado e colocou um pé sobre a cadeira do lado.

- Quanto tempo, Edward Cullen!

Ela o olhou cínica.

- Não quer dar um show aqui, quer, loirinha?
- Eu? Claro que não. Mas não posso ignorá-lo, não é mesmo?

Buffy olhou para Hazel, que estava sentado e calado.

- O que temos aqui? Bem... interessante, eu diria.
- Oi!

Hazel sorriu feliz para ela.

- Olá.
- Não se meta com ele.
- Por que não? Esse é meu trabalho. O que me intriga é saber se ele já nasceu assim ou se foi transformado...

Edward a encarou com ódio no olhar.

- Não tolerarei brincadeiras com ele, caçadora. Como vai sua filha?

Ela desfez o sorriso cínico do rosto e abaixou a perna.

- Passar bem, Cullen.

Nós levantamos e saímos dali enquanto Buffy voltava para dentro do prédio. Momento tenso. Uma rotina quando se namorava Edward Cullen.

- Ok, isso foi um pouco... complicado.
- Está tudo bem, Bella. Eu vou matá-la em breve, mas está tudo bem.
- Eu gostei da loira!

Hazel conseguia me tirar do sério. Olhei para ele.

- Novidade, não é?
- Bonita...
- Sabe o que ela faz, Hazel?
- Não. O que?
- Mata vampiros. Legal, né?

Ele fechou a cara e rosnou, olhando para trás. Eu puxei-o pela mão.

- Fique na sua.
- Bonitinha mas ordinária!

Eu o olhei incrédulo.

- Você anda lendo, Hazel?
- Sim! Alice me emprestou uns livros... adoro Nelson Rodrigues!

É cada uma que me aparece! O garoto agora gostava de literatura? Daqui a pouco iria sair citando Shakespeare por aí.

Do nada, Edward estacou e apertou meu braço. Eu olhei para perto do carro dele e vi a filha da Buffy e o vampirão no carro ao lado. Ops.

- Edward...

Ele voltou a andar, dessa vez um pouco lento, sem tirar os olhos do outro. Angel.

- Angel!

Olhei para trás e vi Buffy correndo em nossa direção. Quando estávamos bem perto do carro, eu pude ouvir o grandão rosnando também. A caçadora passou rápido por nós e parou na frente deles dois.

- Que família linda!

Edward foi sarcástico. Isso lá era hora de brincadeira?

- Dê o fora, Cullen.
- Quem é ele, Buffy?
- Um aluno.
- Olá, Angel. Muito prazer.

O vampiro moreno passou a frente de Buffy e encarou Edward.

- Como sabe quem eu sou?

Aquilo poderia chamar atenção demais para todos nós. Daqui a pouco o estacionamento começaria a ficar mais movimentado.

- Digamos que você seja famoso.
- Parem. Não quero complicações aqui!

Buffy puxou Angel pela camisa.

- Oi.
- Oi.

OMG. Tinha me esquecido da peste chamada Hazel, que agora estava cara a cara com a filha estranha de Buffy.

- Hope!

A caçadora puxou a garota para longe e Hazel rosnou. Eu o segurei.

- Hazel!
- Que fofo... acho melhor controlá-lo antes que eu o mate!
- Cuide de sua prole então!

Angel agarrou meu pescoço.

- Não se refira a Hope nunca mais.
- Melhor me soltar...

Eu toquei com força em seu peito. Com força mesmo, daquelas que apenas um filho de Vlad é capaz de ter. Ele torceu o rosto e me soltou.

- Entre no carro, Buffy.

Esperei eles saírem dali antes de entrar no meu. 



<<< Capitulo 28                                                         Capitulo 30 >>>

2 comentários :

Perfeitoooo....
Ameiii de verdade.
A Buffy podia ficar na dela..
bjks

4 de março de 2011 23:33 comment-delete

ya concordo contigo!!!
adorei cada dia melhor estou adorando ler esta fanfic!!!!!
bjs

ass:mariana

Anônimo
6 de março de 2011 11:22 comment-delete

Postar um comentário