M - Capitulo 14

Yo quiero, tus besos
Yo quiero, tus encantos
Yo quiero, tu piel
♫ Yo quieto - Camila
~/~/~/~/~/~/~/~/~/~/~/~/~
Quando voltaram de Madrid, Edward e Bella decidiram ir pra Forks. Morariam lá até Bella ter o bebê, seria mais cômodo para eles, ter a ajuda de Esme, e os pais por perto, principalmente para Bella.
As duas veterinárias foram vendidas para seus outros sócios como também seus apartamentos. Eles não pretendiam voltar para New York. Esme os acomodou em uma casa que ela e Carlisle haviam vivido quando se mudaram para Forks, ela tinha sido alugada por um certo tempo, mas estava desocupada a dois anos.
A casa não era uma mansão, mas era aconchegante e sem escada, o que facilitava para Bella com o passar to tempo. A tarefa de subir e descer escadas não era nada fácil.
Com o passar dos meses, o casamento foi sendo organizado. Seria realizado em um salão de festas de Forks, pois era difícil arriscar fazer um casamento ao ar livre em uma cidade com o clima tão complicado. Alice, Esme, Bella e Rosalie estavam organizando isso, mesmo que Alice e Rose a distancia. Bella apenas dava a opinião final, deixava o resto a cargo do bom gosto delas.
Sua preocupação era seu bebê, que era uma menina. Nome ainda indefinido. Bella preferiria que fosse escolhido quando ela nascesse na presença de todos os parentes. A barriga crescia e o cuidado de Edward com ela também. Sua alimentação era controlada por ele, que também fazia os mesmos sacrifícios de alimentos.
Sempre o pegava pela manhã, falando com a bebê através de sussurros e canções. Como agora, que era a manhã do seu casamento, e eles estavam deitados na grande cama de sua casa.
- Então bebê, sua mãe é a pessoa mais amorosa desse mundo. Você vai ser privilegiada de ter o amor dela – Edward estava com o rosto na enorme barriga de 7 meses de Bella, e beijava a pele ali, enquanto sussurrava.
Bella sorriu para isso, e sentiu-se corar com o elogio. Ele começou a cantar uma canção de ninar.
- A la nanita nana nanita ella nanita ella mi niña tiene sueño bendito sea bendito sea – Bella não resistiu de passar suas mãos no cabelo dele, que sorriu dando um beijo em sua barriga. - Fuentecita que corre clara y sonora ruiseñor que a la selva cantando llora calla mientras la cuna se balancea a la nanita nana nanita ella.
Edward tinha tomado o hábito de tocar músicas, e cantar algumas, principalmente essa, que ele lembrava da sua mãe cantando para ele quando era criança. Seus dedos acariciavam a extensão da barriga dela, traçando caminhos delicados.
Era quase inacreditável para ele, ver a mulher que tanto amava, carregando a filha deles. A emoção que o percorria não tinha explicação.
Apoiou-se no cotovelo e se aproximou de Bella, beijando seus lábios com calma.
- Bom dia – Edward sussurrou e ela colocou sua mão no rosto dele.
- Bom dia.
- O nosso grande dia chegou, e a qualquer momento serei chutado pela minha irmã, e só vou poder te ver a noite – seu lábio inferior projetou formando um biquinho. Bella sorriu acariciando o rosto dele.
- Vamos ter todo o tempo do mundo para estarmos juntos.
- Sim – respondeu sorrindo e pegando a mão dela para dar um beijo. – Vou preparar o café da manhã preciosa. Vai se arrumar, Alice chegara em breve.
Alice tinha chegado à uma semana, e em minutos tocaria a campainha, para arrancar Bella de Edward, e o mandar ajudar na decoração e arrumação do local do casamento. As mulheres iriam se arrumar na casa dos Cullen, e os homens na casa do Edward.
O vestido de Bella foi feito por Alice, na medida certa para não prender na sua barriga. Bella olhava-se no espelho do banheiro sorrindo para o seu reflexo, um casamento assim para ela, um dia chegou a ser impossível.
Tirou sua roupa, e foi tomar uma ducha. Fechou os olhos sentindo a água morna bater na sua pele, e sua mente viajou para anos atrás...
.
Flashback
.
Bella com 16 anos, estava sentada no chão do seu quarto, e milhares de bolinhas de papel ao seu lado. Tentava fazer um desenho que tinha sonhado. Era de um lindo casamento. Não sabia de onde tinha vindo, mas acordou com aquela imagem na cabeça.
Bufou com outra folha em branco na sua frente, deixou as imagens da decoração fluírem em sua mente, e imaginou que fosse o seu casamento com ele. Aquele lindo garoto com cabelos cor de bronze e sorriso torto, que cuidava dela e a protegia.
Abriu os olhos com a imagem bem clara, e começou a desenhar. Sorria a cada traço que dava. Um casamento para ela, ainda mais do ele era algo impossível. Sentia que sempre seria a melhor amiga dele.
Desenhou uma. Duas. Três. Quatro partes. Assinou seu nome embaixo de cada um e quando estava para levantar-se, três toques foram dados na porta, e Edward entrou com um sorriso no rosto e uma caixa na mão.
- Tenho um presente. O que você está fazendo? – ele disse olhando as bolas no chão.
- Desenhando. – disse um pouco nervosa. – O que trouxe para mim?
- Bombons com recheio de uva – sentou ao lado dela, e tirou o bloco de desenho do colo dela, substituindo pela caixa de bombons. – Vou ver o que desenhou – sorriu e abriu passando as folhar até os desenhos novos.
Observou o traço delicado que dava forma a uma espécie de decoração. Ele só não soube dizer o que era. Passou a ponta do dedo pelas linhas. Bella estava imóvel ao seu lado, sem saber o que fazer.
- O que é? – ele perguntou baixo e olhou para ela.
- Uma decoração de... casamento – suas bochechas ficaram quentes, e seu olhar foi para a caixa, que rapidamente abriu, pegando um bombom.
Edward sentiu o coração acelerar sabendo do que aquele desenho se tratava… será que ela desenhou pensando em alguém? Uma onda de tristeza tomou conta dele, com aquele pensamento. Bella pegou um bombom e levou até os lábios dele, que sorriu percebendo o que ela fazia, dando uma mordida.
Seus olhares se cruzaram, e ficaram presos por minutos, apenas tentando decifrar os enigmas que cada olhar lançava.
Nem sabiam que no futuro tudo seria esclarecido.
.
Fim do Flashback
.
Bella saiu do banho e enrolou-se no roupão, indo para o closet escolher um conjunto de roupas que consistia em uma blusa, moletom e uma calça de flanela de Edward. Estava frio e ela não iria sair dali assim.
Secou bem seus cabelos com a toalha, para que não ficassem muito úmidos, quando estava terminando, Edward entrou no quarto com uma bandeja.
Tinha waffles com mel, café, biscoitos de limão, e suco de maracujá. Ela sorriu para ele, que deixou a bandeja sobre a cama, e foi ajudá-la a terminar de secar os cabelos. Olhavam-se no espelho do quarto, e formavam o casal perfeito. Daqueles que se vê em propaganda de dia dos namorados.
Quando terminou de ajudá-la, foram para a cama e desfrutaram do café embaixo dos cobertores. A vida era boa assim, e facilmente viveriam dessa forma.
- Eu amo você Bella, vou te fazer a mulher mais feliz do mundo – Edward disse segurando-a pelo queixo, e lhe dando um beijo cheio de sentimentos. Quando se separaram, ela tinha brilhos nos olhos.
- Eu também amo você Edward, e prometo lhe fazer o homem mais feliz do mundo. – lábios silenciosos se moviam.
- Você já me faz preciosa.
Então a campainha tocou. Edward gemeu audivelmente, e levantou da cama, pegando a bandeja. Saiu e levou-a para a cozinha, em seguida abriu a porta para o pequeno furacão que era sua irmã.
- Bom dia noivo – ela disse o abraçando.
- Bom dia irmãzinha.
- E a noiva onde está?
- No quarto. Cuide bem dela hoje – Edward falou inutilmente, não precisava nem pedir uma coisa dessas.
- Vou dar um tratamento de rainha para Bella. Será a noiva mais linda do mundo – a pequena piscou.
- Disso eu não tenho duvidas.
Foram até o quarto, onde Bella terminava de colocar algumas coisas em uma bolsa.
- Bom dia noite e futura mãe. Bom dia bebe – Alice abraçou Bella e acariciou sua barriga.
- Bom dia Alice.
- Então vamos. Despeçam-se e vocês só estão autorizados a verem um ao outro a noite.
Beijaram-se como despedida, e Edward as acompanhou até a porta. Viu enquanto elas entravam no carro de Alice e saiam em direção à casa dos Cullen, e contou mentalmente. 11 horas até ela ser sua esposa.
.
.
Bella estava recebendo massagem nas pernas, nos braços, e tratamento facial. Completamente relaxada e entregue aos prazeres da beleza. Alguns momentos tinha que levantar, tomar água, ir ao banheiro e coisas assim, de grávida. Mad já estava com 1 ano e 1 mês, soltando suas primeiras palavras, e dando passos cambaleantes.
Parecia uma mini-princesa. Com os olhos verdes iguais os de Edward, cabelos escuros e lisos, sorriso com covinhas lindas. Bella se pegava imaginando como seria sua filha, se teria a cor dos cabelos dela, ou de Edward… os olhos… a pele…
Mas ela não tinha duvidas, de que a menina seria linda. O raio de sol da sua vida.
Sua mente vagou para o que talvez Edward estaria fazendo agora.
Esse estava com aquelas 4 folhas em sua mão, observando cada detalhe da decoração ao lado de Esme. Ele tinha guardado durante anos os desenhos de Bella e queria que fosse da forma que ela sonhou. Um dia ela lhe confessou que imaginou sendo o casamento deles, o que só lhe deu mais incentivo para fazer tudo da forma que estava no papel amassado.
- Está tudo como no desenho filho – Esme disse emocionada. – Mesmo sendo um desenho antigo, é moderno.
- Você acha que ela vai gostar? – ele perguntou indeciso.
- Claro que vai Edward, Bella ama cada coisa que você faz para ela. Lembra daquela vez que fez um caderno de poesias para ela? Eu lembro como você passou madrugadas das férias de verão escrevendo naquele caderno.
- Ela tem o caderno até hoje... – ele olhou para os desenhos na sua mão, e as lembranças inundaram sua mente.
.
Flashback
.
Edward se remexia nervoso na cadeira, enquanto dava o último retoque na capa do caderno. Havia passado os últimos dois meses escrevendo poesias para Bella. Não sabia se ela iria gostar, era tão simples.
Um pequeno caderno de capa dura com algumas poesias amadoras, uma capa de veludo preto que ele tentou colocar e queimou o dedo várias vezes na cola quente, até que se rendeu e pediu ajuda para a mãe.
Ela colocou o veludo em toda a extensão do caderno, e ele iria terminar, colocando o nome de Bella e algumas borboletas azuis. Era para ela o caderno, tinha que ter o toque feminino (que foi idéia de sua irmã Alice).
Com o caderno concluído, levantou-se e foi até onde sua mãe estava, lendo um livro.
- Mãe – ele a chamou, e ela abaixou o livro em seu colo. – Você acha que Bella vai gostar?
- Deixa eu olhar – Edward estendeu o caderno, e Esme pegou analisando brevemente. – Ela vai Edward. Confie em mim. Quando pretende entregar isso para ela?
- Agora. Não está tarde, e não vou agüentar de ansiedade.
- Então vai, mande um beijo para ela – ele sorriu para a mãe, e saiu da casa.
Edward pegou seu carro, e durante o curto trajeto até a casa de Bella, não conseguia ficar quieto. O medo da rejeição era enorme. Estacionou na frente da casa e tomou respirações profundas e o caderno nas mãos.
Saiu do carro, e caminhou até a entrada da casa. Tocou a campainha. Pequenos passos eram dadas no piso de madeira, e ao abrir se deparou com a imagem da sua preciosa. Cabelos soltos e em ondas suaves, bochechas levemente coradas, uma blusa regata branca e colada no corpo, e pequeno short.
Ele quase morreu. Teve que sacudir a cabeça algumas vezes para colocar as idéias no lugar.
- Preciosa – ele disse com a voz um pouco falha.
Ela deu espaço para ele entrar.
- Não sabia que você iria vir Edward.
- É que eu quero te dar algo – ele mantinha o caderno junto de si, e ela o olhava com curiosidade.
- Vem eu estava na cozinha preparando o jantar para o meu pai.
Caminharam para a cozinha e o cheio de algo assado tomou conta do ar.
- Cheiro delicioso – Edward comentou, e ela sorriu.
- Torta de frango com queijo. Vai ficar para jantar aqui? – ela sentou no balcão ao lado dele.
- Se não incomodar – ele remexia com o caderno agora em seu colo, sempre longe da visão dela.
- Não será incomodo. Então o que você tem para me dar? – sorriu, e ele queria tocar seus lábios rosados e beijá-los. Suspirou e puxou o caderno do seu colo.
- Fiz isso para você – estendeu o caderno, com a mão tremula. – É um caderno de poesias, todas de minha autoria.
Bella estava surpresa, quase chocada, e pegou o caderno nas mãos. Passou a ponta dos dedos pela capa com um brilho nos olhos. Abriu a capa e leu a primeira poesia.
Vejo
Versos mudos, palavras silenciosas;
vejo
Mãos brancas, dedos delicados;
vejo
Mar chocolate, ondas caídas;
vejo
Coração puro, olhar sincero;
vejo
Alma bondosa, desejo de viver;
vejo
- É lindo Edward – piscou os olhos e algumas lágrimas caíram. – Obrigada.
- Você... você gostou? – ele perguntou ainda um pouco inseguro.
- E você ainda pergunta? Eu amei Edward – Bella levantou da cadeira e o abraço, suspirando com o rosto em seu ombro.
Ele a envolveu com os braços, e sentiu seu coração ficar aliviado, aproveitando do calor da pequena garota.
.
Fim do Flashback
.
- Filho, está na hora de você ir se arrumar, estou indo para casa, antes que Alice tenha um filho de nervoso – Esme riu acompanhada de Edward.
- Tudo bem mãe, eu estou nervoso – ele se mexeu inquieto, e Esme passou a mão por seu braço, reconfortando-o.
- Não precisa meu filho, Bella te ama, vocês terão uma linda filha e uma vida pela frente.
- Será que eu realmente a mereço?
- Merece. Você a ama de uma forma tão intensa Edward, sempre cuidou dela, claro que demorou para assumir esse amor, mas não muda o que está dentro de você. Não tenha medo. Hoje ela vai se tornar sua esposa, a Senhora Edward Cullen. Pegue o que a vida sempre disse que era seu. Ela é sua meu amor, cuide dela, e ela vai cuidar de você. Do coração – Esme o fez abaixar e deu um beijo na testa dele. – Agora vai, ou eu ligo para a Alice e ela vai te dar uma bronca.
- Oh não eu não quero isso – ele riu. – Obrigado mãe.
Ele estava a caminho de sua casa, arrumando-se para o seu futuro.
.
.
Alice colocava os últimos toques no penteado de Bella, que mantinha o pescoço firme e olhos fechados como a cunhada mandou.
- Pronto. Pode abrir os olhos – Alice disse animada, pelo resultado do seu trabalho. Não foi difícil deixar Bella bonita, já que essa possuía uma beleza natural, só necessitava que fosse destacada.
Bella quase não acreditou que a pessoa no reflexo era ela. Tinha os cabelos castanhos em vários cachos, presos por uma presilha prata com brilhantes. A maquiagem era leve, porém destacava seus olhos, seu rosto não precisava de muito blush, pois ela tinha um natural. Os lábios estavam rosados e bem pintados. O que faltava agora era o vestido.
Levantou-se e Alice a acompanhou até o quarto onde estava o vestido. O tecido delicada escorregava por seu corpo, e Bella sentia cada pedacinho da sua vida sendo encaixada naquele momento. Alice fechou o zíper delicado atrás, e o vestido deslizou perfeito.
- Você esta linda – ela disse com lagrimas nos olhos.
- Obrigada Ali, preciso colocar os sapatos.
- Vem sente-se na cama que eu coloco para você.
Eram na verdade uma sandália sem salto, já que pela gravidez avançada combinada com a falta de jeito de Bella, saltos altos não seriam os melhores nesse momento.
- Pronto, agora vou colocar meu vestido. Vai tudo dar certo, agora é só esperar e daqui a pouco saímos.
Alice sumiu pela porta e Bella tentava controlar o choro que estava em sua garganta, respirando fundo. Escutou uma batida leve na porta.
- Filha... – Charlie apareceu segurando o buquê dela em mãos. – Você está linda.
- Obrigada pai. O senhor está bem elegante.
- Pareço um pingüim de geladeira – ele bufou e ela sorriu.
Charlie sentou ao seu lado, e lhe entregou o buquê.
- Você está feliz minha filha? – perguntou e ela assentiu. – Edward é um homem bom, sempre tive medo de que não ficasse com ele, e não encontrasse alguém que pudesse cuidar tão bem de você. Mas alguma coisa aqui dentro, um sentimento de pai, me dizia que você também o amava, e que iriam terminar juntos. Cuide dele Bella, que ele sempre vai cuidar de você. E também dessa linda menina que esta dentro de você.
- Eu vou cuidar sim pai. Vou sentir saudades quando for para Madrid.
- Eu também querida – passou um braço delicadamente em volta dela. – Sua mãe deve estar orgulhosa do bom trabalho que fiz criando você, e tenha certeza que esteja onde esteja, ela está cuidando de você.
Bella apenas se aconchegou no pai, até que Alice apareceu.
- Hey Charlie, sem essa de querer fazer a noiva chorar. Mesmo que a maquiagem seja a prova d’agua ela não vai ficar com os olhos vermelhos – a pequena suspirou. – Hora de irmos.
Charlie levantou, e Bella apoiou-se nele para fazer o mesmo.
Hora de enfrentar a nova vida.
.
.
Edward andava de um lado para outro, como se tivesse fogo no chão. Estava tão nervoso, não era como se achasse que Bella fosse fugir, mas a espera o estava matando.
- Cara você vai abrir um buraco no chão – Emmett disse, fazendo todos por perto rirem. Os poucos convidados já haviam chegado, e o Senhor Weber estava pronto para realizar a cerimônia.
- Eu estou nervoso – encolheu os ombros.
- Sério? Nem parece – Jasper o segurou pelo ombro. – Agora respira, elas chegaram – apontou com o queixo para a entrada. Estava tão nervoso que não percebeu que a musica tinha começado a tocar.
Alice, Esme e Rosalie, entraram e tomaram seus lugares. Então ele viu a pequena Mad acompanhada de Pietro. Mad tentava jogar rosas com suas pequenas mãozinhas, e seus passos incertos. Pietro estava ao seu lado para que evitasse uma queda.
O coração de Edward quase pulou do peito, quando viu a sua Bella. Sua preciosa, linda e vestida de noiva, com um encantador sorriso no rosto e caminhando em direção a ele, ao lado de seu pai. Mas tudo ao redor sumiu, só existia ela, o centro do seu mundo.
Bella não podia acreditar no que via, ela lembrou-se imediatamente do desenho de decoração de casamento quando viu aquele local. Estava tudo exatamente igual em seu sonho, era como uma premonição do futuro.
Sorriu e o nó na garganta aumentou.
Passos. Passos. Passos. E ela estava sendo entregue nas mãos e braços de Edward. Sorriu para ele, que fez o mesmo, com os olhos cristalinos. Senhor Weber começou a cerimônia, mas Bella dedicou-se a lembrar de momentos com Edward desde o primeiro dia que o viu.
O pequeno garoto de cabelos cor de bronze.
“Gostei de conversar com você Bella.”

Que tinha uma cor preferida um tanto que direfente.
“É marrom. Chocolate. É por causa… dos seus olhos.”

O que a ajudou a dançar.
“Deixe-me te guiar, e você vai dançar como nunca em sua vida.”
Que a defendia.
“Você sabe se cuidar, mas eles não te respeitam mi preciosa.”
O seu primeiro beijo.
“Ele foi delicado, com um beijo suave, deixando-a saborear e aproveitar o momento como devia.”

O pedido de namoro.
“Eu sei que você me ama, e tenho a certeza de que nunca amarei outra pessoa.”
A sua primeira vez.
“Nunca tinha sentido algo que o consumisse tanto.”

O pedido de casamento.
“Isabella Marie Swan, meus dias nunca mais foram os mesmos, você me dá o grande privilégio de dividir os meus dias com você, sendo a minha esposa?”
A descoberta dele sobre a gravidez.
“Eu vou ser pai.”
E agora estava em mais um dos momentos que ficariam na sua memória. Tudo passava rápido, como um foguete diante de seus olhos. E o ‘Sim’ audível dele a fez perceber que estava ganhando.
Quando se beijaram no final seus mundos finalmente estavam juntos, abrindo um novo livro, com uma nova história. Uma família sendo formada com base no amor puro de duas pessoas que em um momento se encontraram, e o resto foi deixado pelo destino e o coração deles trabalharem.
.
.
2 meses depois...
Um cutucão em seu braço fez Edward acordar, e ver uma claridade do seu lado, causada pelo abajur.
- Bella? – ele perguntou com a voz rouca pelo sono. – O que foi?
Ela ia responder quando suas mãos foram até sua barriga, e seus olhos fecharam com a dor. No mesmo instante Edward sentiu algo molhado tocar sua perna, que estava ao lado das de Bella.
- Oh Deus – Edward virou-se pegando seu celular e discando o número que precisava. Três toques e a voz fraca de sono da sua mãe atendeu. – Mãe, ligue para o papai no hospital, avisa que estamos chegando, a bolsa da Bella rompeu.

0 comentários :

Postar um comentário