ED - Capítulo 8

Nota: Desculpa pelo atraso o blog não queria abri ontem.


Capítulo 8.



Nossas bocas estavam unidas e o beijo era indescritível. Eu precisava admitir que eu e Edward tínhamos uma certa química, mesmo ele sendo extremamente chato, arrogante e irritante. Suas mãos alisavam minha cintura enquanto ele pressionava o corpo no meu.

- Edward, pare!

O afastei fazendo apenas um pouco de força e ele parou. Sua boca vermelha estava um pouco irresistível e eu precisei me controlar. O sangue dele também parecia estar em ebulição e aquilo não me ajudava em nada.

- Se estiver com raiva, pode me bater. Eu não ligo mais.
- O que pensa que está fazendo? Acha que me agarrar é a solução?

Minha voz não saiu muito confiante, até porque eu também não estava. Passei minha mão pelos meus cabelos, tentando ajeitá-los e notei que ela tremeu um pouco. Desde quando minhas mãos tremiam depois que virei vampira? Edward estava me tornando uma vampira tão desajeitada quanto um humano!

- Sim, acho, já que você está fazendo jogo duro. Acha que caio na sua mentira? Você diz que não quer, mas não vejo isso nos seus olhos.
- O que você vê nos seus olhos é problema seu, Edward! Eu já disse para me deixar em paz!

Como ele agora estava com os braços flexionados no colchão, sem tocar o corpo no meu, foi só dar um leve empurrão que ele caiu para o lado. Saí o quanto antes daquele quarto e minha mente estava tão confusa que tinha me esquecido por um momento, de que Alec estava na festa. Só lembrei-me do fato, quando uma mão fria me tocou entre as pessoas que dançavam no meio de uma pista improvisada.

- Que coincidência, você aqui!

Ele falou ao me dar um puxão e me arrastar para um canto. Alec me empurrou contra uma parede e apoiou as duas mãos, uma de cada lado do meu rosto.

- O que quer aqui, seu verme?
- Olha a boca suja, amorzinho. Fica muito feio uma mulher falando desse jeito.
- Você não tem mais o que fazer? Vai ficar me seguindo agora para tudo que é lugar?
- Na verdade, eu queria saber quem é o felizardo com quem você foi lá para cima... Achei que fossem demorar, mas pelo visto os dois são rápidos.

Meu instinto de mulher ferida foi dar um tapa em seu rosto, que apenas saiu um pouco do lugar, lógico. Ele me olhou rindo, achando graça daquilo tudo e aproximou o rosto do meu, sussurrando em meu ouvido.

- Se fizer isso outra vez, eu subo agora para partir seu namorado ao meio.
- Ele não é meu namorado, seu idiota!

Respondi rosnando e tentando disfarçar meu medo. As palavras de Alec me balançaram quando ele citou Edward.

- Inacreditável! Já tinha visto vocês dois juntos, mas achei que fosse coisa da minha cabeça!

Eu estava muito puto por Bella ter convidado o cara que a pegava, para a porra da minha festa! Ela agora me olhava com medo nos olhos, provavelmente não querendo que o loiro idiota soubesse o que rolava entre nós.

- Edward! Vai embora!
- Olá, Edward. Então já nos viu juntos é?

Ele virou-se de costas para me olhar, com um sorriso sacana no rosto. O cara tinha coragem de me encarar desse jeito, visto que ele estava na minha casa, com todos os meus amigos ali. Cruzei meus braços e torci para que ele não falasse nenhuma besteira, pois eu realmente não queria brigar.

- Não acho que isso te interesse, mas sim, eu vi.
- Bem, como Bella é um pouco mal educada, deixe que eu me apresente. Sou Alec, uma paixão antiga. Não é, anjo?

Ele a chamou de anjo? Isso devia ser antigo mesmo. Travei meu maxilar quando ele alisou o cabelo dela.

- Tira essa mão imunda de mim, Alec! E Edward, eu já disse para me deixar em paz, não foi? Eu te odeio! Será que é tão difícil assim você entender?

A expressão dele mudou bastante, mas eu precisava ser dura com Edward, para demonstrar a Alec que nada que ele viesse a fazer com Edward, me atingiria. O que era totalmente uma mentira, claro. Como eu vi que o Cullen tinha ficado calado com a minha explosão, resolvi não alongar muito aquele momento, já que eu mesmo estava me sentindo mal pelo que disse. Olhei para um lustre de cristal que tinha no teto da sala principal e vi que não tinha ninguém embaixo. Balancei ele com força para um lado e para o outro, até cair. O barulho fez com que todos ali voltassem sua atenção para aquilo, inclusive Edward, que foi correndo até lá.

- Bela jogada, Bella...
- Eu tenho nojo até que você pronuncie meu nome, sabia? Fala logo o que você quer e depois dá o fora!
- Eu só estou de férias... Não posso me divertir um pouco?

Eu não sabia o que os Volturis pretendiam com aquilo tudo, mas parecia que a intenção de Alec era apenas me provocar e me fazer perder a cabeça, pois era justamente o que estava acontecendo. Eu me via prestes a estourar e fazer alguma besteira em público.

- Tudo bem, Bella, irei te deixar aproveitar um pouco da festa. Gracinha!

Ele sorriu de um jeito maligno e me beijou na bochecha, quase perto da boca, fazendo com que eu cravasse minhas unhas nas minhas próprias mãos, me controlando para não matá-lo. Alec então saiu de perto de mim e misturou-se com as pessoas que estavam ali.

Corri imediatamente para o banheiro e me tranquei lá dentro para poder pensar. Que merda era essa que estava acontecendo? Alec não devia ter visto Edward e vice-versa. Mesmo eu tendo disfarçado um pouco, tratando o Cullen daquele jeito, eu sabia que o vampiro não era tão idiota assim. Ele com certeza percebeu que havia algo mais rolando. Eu abriria aquela porta, pegaria Kiara e sairia daquela casa o mais depressa possível, evitando que Alec viesse atrás de nós.

- Eu só preciso achar minha prima!

Eu falei, olhando-me no espelho e fiz questão de repetir mais algumas vezes, para me sentir confiante. Respirei fundo e saí do banheiro, olhando em volta em busca de Kiara. Passei pelo meio do povo que ficava se acotovelando e fui na direção do jardim da casa de Edward. Pelo que me parecia, ele tinha liberado a piscina para a festa e eu rezei para que minha prima não estivesse dentro d’água.

- Bella!

Nem foi preciso ter trabalho, já que ela própria me encontrou. Virei-me para olhá-la e acabei vendo mais do que queria. Edward já estava se agarrando com uma loira azeda na varanda. Incrível!

- Bella?
- Oi.

Parei de olhar para aquela cena patética e encarei Kiara, que estava claramente bêbada, pelo bafo de álcool que exalava de sua boca.

- Prima! Eu te amo muitão, sabia?

E ela se jogou em cima de mim, me abraçando. Kiara sóbria já era uma mala sem alça... Bêbada então, Deus me livre! Dei um tapinha leve em suas costas e recuei.

- Vamos embora, ok?
- Agora? Não podemos, eu estou fazendo várias amizades aqui.

Só então eu reparei que além de alcoolizada, ela tinha duas marcas de chupões no pescoço. Eu não tinha esse tipo de amizades...

- Eu sei, mas precisamos ir agora. Depois você faz mais amizades, Kiara.
- Mas prima, aquele gato está na festa! Lembra? O que me perguntou sobre você?

Entrei em choque. Ela já tinha visto Alec? Será que ele tinha sido tão rápido assim? Afinal, quanto tempo eu demorei no banheiro?

Olhei rápido de canto de olho para as duas perto da piscina e vi Bella arrastando Kiara pela mão. Aparentemente meu plano de agarrar outra na frente dela não tinha dado certo.

- Uau, Edward! Não sabia que você gostava de mim...
- Não gosto.

Saí de perto da... da... Ok, não sei o nome da garota, fato. Merda! Ainda não estava acreditando no que Bella tinha falado para mim. Pior, tinha falado na frente do outro cara lá.


Não me importei com os resmungos de Kiara ou com as reclamações das pessoas que estavam sendo pisoteadas por mim. Eu só queria sair daquela casa logo! Não podia imaginar que ter visto Edward com outra tão rápido me deixaria nesse estado e a vontade de chorar era grande demais.

- Bella, vamos ficar mais, prima!
- Cala a boca, Kiara!

Finalmente nós conseguimos alcançar a porta e eu já estava mirando a rua, louca para entrar no carro, quando uma mão forte em meu ombro me parou. Pela expressão maravilhada de Kiara, eu sabia muito bem quem era.

- O que você quer agora, Ed...

Ops. Não era o Edward. Era Alec, que passou o braço por dentro do meu e saiu caminhando comigo, meio que me levando à força.

- Me solta agora, seu verme!
- Você não vai mesmo querer fazer cena na frente dela, vai?

Ele sussurrou em meu ouvido, se divertindo às minhas custas. Kiara provavelmente não ouviu nada de tão bêbada que estava. Respirei fundo e continuei andando, me controlando para não revidar. Eu não podia fazer nada com ela ali.

- Alec, pela última vez, eu vou perguntar. O que você quer de mim?
- Nossa Bella! Você é muito chata! Relaxe e divirta-se!

Assim que chegamos no meu carro, eu destravei as portas e pedi para Kiara me esperar lá dentro. Resolvi aproveitar o fato de que ela não lembraria de muita coisa quando acordasse. Empurrei Alec para longe de mim e voei na direção dele. A rua estava deserta já que todos aproveitavam a festa que rolava lá dentro da casa.

- Me escute de uma vez por todas! Saia da minha vida!

Ele rosnou e mostrou-me os caninos, estalando os ossos do pescoço. Tentava me assustar, por acaso?

- Bella... Bella... Cuidado. Não queria brincar como gente grande.
- Eu não vou deixar você ferrar comigo, Alec. E saiba que se encostar em alguém que eu conheça, para me atingir, eu vou revidar.
- Alguém como quem, por exemplo? Seu namoradinho?

Meu punho fechado foi de encontro ao rosto dele, fazendo o barulho do choque ecoar na rua. Ainda bem mesmo que não tinha ninguém por perto. Ele agarrou meu pescoço e eu podia sentir suas unhas quase me furando.

- Bella, eu só não te matei ainda porque não quis. Acha mesmo que pode comigo ou com algum de nós?

Meu corpo foi arremessado para trás e caí sobre o capô do carro. Quando levantei, ele já tinha sumido. Entrei no carro e dirigi rápido para casa, desejando que tudo aquilo fosse um sonho, mas eu sabia que não era. Kiara tinha desmaiado por causa da bebedeira e isso me deixou mais aliviada, já que eu não precisaria ouvir suas baboseiras durante o caminho. Quando cheguei, fui obrigada a levá-la no colo até seu quarto, pois o peso morto não queria acordar.


- Pai?

Chamei por ele e não obtive resposta. Queria muito que Charlie estivesse em casa para eu poder contar o que tinha acontecido e ouvir de sua boca palavras de que ficaria tudo bem. Entrei no meu quarto e me joguei na cama, chorando o que estava engasgado até então. Chorando o fato de não ter aproveitado quando estava com Edward no quarto, o fato de ter tido que engolir as provocações de Alec, ter falado daquele jeito com Edward na frente de Alec, ter visto Edward com outra... Deus! Tinha muita coisa entalada.

Eu queria ter ido atrás de Bella assim que a vi saindo com Kiara, mas antes precisei evitar que um bêbado fizesse o abajour da minha mãe virar bola de futebol. Meus irmãos imprestáveis não tomavam conta de absolutamente nada! Quando finalmente fiquei livre de alguns chatos, fui para meu carro. Esperava que o pai dela não quisesse me expulsar de lá a pontapés, por causa da hora. Parei de frente à sua casa e vi todas as luzes apagadas. O carro do meu futuro sogro não estava por lá, então eu realmente estava com sorte. Pensei em entrar direto que nem da última vez, mas como ela já não estava muito feliz comigo, era melhor eu não piorar a situação. Então bati na porta.


- Bella!

Mas que beleza! Nem chorar em paz eu consigo mais nessa vida? Ou morte, não sei bem de como posso chamar. Olhei-me no espelho e limpei o sangue do rosto. Ainda tinha que agüentar esse pequeno e bizarro probleminha. Respirei fundo e fui ver quem era o infeliz que resolveu bater na minha porta uma hora dessas.

- Edward?

Realmente não esperava por ele ali. Ele tinha uma expressão de culpa estampada no rosto e me olhou cabisbaixo.

- Posso entrar?
- Não.
- Por favor?

Eu até pensei em bater a porta na cara dele, mas lembrei que Alec poderia estar espiando lá fora e achei melhor colocá-lo para dentro.

- Late!
- Não sou cachorro...
- Mas corre atrás de mim, não é?

Ok, eu não estava em posição de discutir com ela. Se ela queria que eu fosse um cachorro, eu até latiria se fosse necessário. Puxei sua mão, aproximando-a de mim e entrelacei meus dedos nos seus.

- Eu queria entender o que acontece com você, Bella. Sério, você pode confiar em mim, que seja lá o que for, eu vou te entender.
- Confiar em você? Olha só quem fala! O cara que levou um fora meu e dois minutos depois arranjou outra para beijar!

Ela tinha visto? Eu achei que não. Seus olhos estavam vermelhos, então ela provavelmente tinha chorado e eu me senti mal em imaginar que pudesse ter sido por isso.

- Eu... só quis chamar sua atenção.
- Beijando a loira? Bem... Você com certeza conseguiu.
- Fiquei com raiva de ter sido tratado daquele jeito perto do seu coleguinha, ok? Que por sinal, foi bem estranho aquilo tudo entre vocês dois.
- Eu e Alec não temos e nem nunca tivemos nada um com outro. Ele é apenas... louco!
- Que seja, eu só quis fazer algo para te deixar com ciúmes.

Ele segurou meu rosto entre as duas mãos e com força. Eu não tinha um coração que batia, mas eu tinha certeza que se tivesse, ele estaria acelerado agora. Mordi meus lábios para evitar chorar por um motivo que eu não entendia direito qual era.

- Você quer mesmo saber... a verdade?

Ele arqueou uma das sobrancelhas, provavelmente sem acreditar que eu estava falando sério. Mas eu estava. Tinha cansado de ter que esconder e eu realmente sentia muita vontade em ficar com ele. Se Edward se apavorasse e saísse correndo, pelo menos eu teria sido sincera e poderia seguir minha vida.

- Lógico que quero.
- Vem comigo...

Subi as escadas e fui para meu quarto, evitando que meu pai chegasse em casa e nos visse ali na sala. Fechei a porta quando Edward passou e sentei na cama ao lado dele. Não sabia direito como começar o assunto e estava um pouco nervosa.

- Talvez você não goste do que eu tenho para contar.
- Nada pode ser pior do que o silêncio, Bella.
- Eu sou... diferente.

Ele sorriu e beijou meu pescoço devagar, alisando meu braço e sussurrando contra minha pele.

- Eu sou louco por você de qualquer forma.
- Edward! Pare, ok?

Eu me esquivei e empurrei um pouco para que ele prestasse atenção em mim, não no meu pescoço, boca ou qualquer outra parte não importante no momento.

- Você acredita em lendas? Nessas coisas de bruxas, vampiros, duendes...
- Depende. Uma vez me vesti de vampiro num Halloween.
- Jura? Que maravilha.

Eu estava com medo de contar, mas então percebi que não seria preciso, pois senti o choro vindo e minhas lágrimas iriam me denunciar.

- Bella, o que foi?

Edward segurou meu queixo para levantar meu rosto e me olhou assustado. Lógico, até eu ficaria.

- Você está chorando sangue? Ok, vou te levar ao hospital agora!

Ele já estava me pegando no colo quando eu pedi para me colocar no chão. Bati minhas pernas e braços no ar e ele me soltou.

- Deixe de ser teimosa, vá se olhar no espelho! O que está sentindo?
- Cala a boca, Edward! Eu sou assim, ok? Eu...

Apontei para meu rosto, que ele segurava entre as mãos e encarava petrificado. Por que era tão difícil pronunciar a palavra certa?

- Eu sou... isso. Uma... Vamp...ira.

Pelo silêncio dele eu não sabia se estava chocado ou se não tinha entendido. Deixei meus caninos aparecerem para reforçar o que eu tinha dito e suspirei, esperando por algum som vindo de Edward.

- Você... Ok.

Ele me soltou e se afastou, passando a mão pelos cabelos.

- Isso... é sério? Vampiros existem?
- Parece que sim.
- Eu preciso... pensar nisso tudo, Bella. Desculpe.

E ele não fez nada que eu já não esperasse. Edward abriu a porta do meu quarto e saiu como um foguete, sumindo na escada. O que eu achei? Que ele fosse festejar minha imortalidade? Estúpida, Bella.

0 comentários :

Postar um comentário