DPOP - Caipitulo 8

Passei a semana remanejando minha agenda. Liguei para os meus pais avisando que iria ao próximo final de semana, e que iria levar alguém comigo. Meu pai logo disse “quem é a da vez, meu filho” minha fama de super amante de Seattle chegou a Forks e eu nem fazia idéia. Minha mãe ficou muito feliz. Meu irmão disse que mal poderia esperar para ver minha cara de paspalho. E minha irmã, bem essa estava fora. No shopping obviamente. Eu mostraria minha casa para Bella abriria portas jamais abertas para nenhuma das outras garotas da minha vida.
Desde o nosso final de semana em L.A não nos vimos. Eu sentia falta dela, mais também não queria parecer o psicopata perseguidor. Eu ainda relutava em mostrar meus sentimentos a ela. Também não corria atrás.
Continuava como o bom cachorro que sempre fui, fazia a mesma coisa que fazia com minhas amantes. Antes ela vir atrás do que eu ir e levar um toco! Mesmo assim eu mesmo notava que tinha mudado. Que já não estava bem. Liguei para ela na quinta a noite perguntando se ela já estava com as malas prontas e se estava nervosa em conhecer meus pais. Obviamente a resposta foi sim. Quem não ficaria? Será que um dia ela ira me apresentar a sua familia também. Será que ela se apaixonara por mim assim como eu estou por ela? Perguntas vagas ou não. Faria desse fim de semana inesquecível. Faria com que Bella me conhecesse mais e visse por trás do médico agora amante / caso/ amigo de foda. Um homem, um homem por quem ela poderia se apaixonar.
De malas prontas chegou à hora de irmos cheguei à casa de Bella e ela já me esperava no em frente ao prédio. Linda, como sempre. Já posso ouvir minha mãe dizendo.
“Edward dessa vez você acertou! E não trouxe nenhuma piranha, como aquela Tanya.”
Cheguei ao hall e a puxei pela nuca sem me importar com quem pudesse nos ver naquela situação. Fui com tanta sede ao pote que acho que pela primera vez, mostrei algo a ela.
- Também senti sua falta. – disse rindo entre o beijo. Eu sorri. – isso tudo é saudade ou está só tentando me agradar. – não tinha mais como fugir. Já estava me afogando mesmo.
- É os dois! Pronta para ir.
Ela assentiu e nos encaminhamos ao aeroporto seriam 3 horas de viagem, mais umas duas de carro até a casa dos meus pais. No avião não dei trégua um minuto. Gostava de curtir com a cara dela. Sugeri sexo no banheiro da aeronave, sexo a três com a aeromoça. Nessa a resposta não foi nada agradável. Levei um tapa mais que dolorido no braço o que me deixou perplexo foi ter gostado disso. As duas horas de carro não foram diferentes. Entre dirigir feito um louco e tirar uma com a cara dela era o que eu fazia de melhor. Eu queria que ela se sentisse a vontade e não ficasse com medo da minha familia. Quando chegamos à vizinhança mostrei cada casa e contei pequenos detalhes da minha infância ocultando detalhes sórdidos e coisas que aprontei na adolescência. Parei o carro em frente a casa e vi meu pai e minha mãe saindo para nos receber.
- Pronta para o ataque do Drácula Sir Carlisle Cullen? – disse rindo da cara que ela fez.
- Não! Nenhum pouco. Sabe sou muito gostosa, ele vai querer me morder. E como disse a você semana passada, sou muito jovem para morrer. – mexia no cabelo, fazendo caras e bocas enquanto falava. Aparentemente já estava relaxada.
- Você é gostosa, isso é indiscutível mais meu pai prefere uma outra gostosa. Minha mãe. Agora vamos logo, olha os dois ali. – sai do carro e fui abrir a porta para Bella. Agarrei-a e fui em direção aos dois com um sorriso maior que a Estátua da Liberdade. Me sentia orgulhoso. porque pela primeira vez, apresentaria aos meus pais alguém que valesse a pena.
- Edward! – minha mãe gritou vindo me abraçar, desajeitada por eu ainda estar agarrado a Bella – essa deve ser Bella, Edward nos falou de você no telefone. Muito prazer querida. – abraçou-a como se a conhecesse a séculos a tirando de mim e levando-a com ela.
- Filho, essa é a da vez então? – meu pai me perguntou. Com uma cara falsa de choque. – até que enfim você acertou!
- Ela não é a da vez, pai. Estou trabalhando para ela se tornar a única. E espero que conte com o senhor para isso. – teria que dar meu aviso antes que fosse tarde demais.- Portanto não conte meu passado sujo no jantar. E não deixe Emmett com ela.
- Certo... – meu pai estava se segurando para não rir. – bem, farei o possível.
- Pai! – adverti novamente.
Bella sumiu com a minha mãe eu fiquei conversando com meu pai, enquanto ele me ajudava com as malas. Falamos de tudo mais a minha preocupação era minha mãe não que ela fosse me delatar sobre minhas amantes. Apesar de Bella saber sobre elas, mais não sabia os detalhes. E se dependesse de mim não ficaria sabendo nunca. Esse passado estaria a 7 palmos debaixo de um monte de terra, só o meu futuro com ela. Me interessava no momento. Mais a minha preocupação eram as fotos. Sabe as mães sempre encontram um jeito de acabar com a sua reputação e dar as suas namoradas um motivo para rir de você. Cerca de 1 hora após termos chegado meu irmão e a Gnomo que queria ser Fada chegaram. Fazia anos que não me divertia tanto. Alice adorou Bella, Emmett por sua vez deu-me o mesmo olhar do meu pai intrigado ele abraçou Bella e sibilou para mim algo que interpretei como “De que bica você anda bebendo água? Quero beber da mesma para achar uma assim!”
Eu ri com isso e fui tirar Bella de seu abraço que já estava durando demais.
- Chega Emmett, larga ela. Já chega de abraço – puxei Bella e abracei-a – ta querendo o que com isso? – me finge de bravo. Causando uma risada estrondosa, do armário de cozinha americano da Kitchens. Mais conhecido como Emmett Cullen. Meu irmão.
Durante o jantar Alice não deu folga. Perguntava de tudo e mais um pouco para Bella. E eu ria e acabava com ela, para proteger Bella, Emmett por incrível que pareça e que o inferno abra as portas agora e me sugue para lá. Aceitou o aviso do meu pai e em nenhum momento tentou me constranger perto dela. O milagre divino. Nem Jesus repartindo o pão foi tão grandioso. Como um jantar com Emmett em pleno silêncio, sem piadinhas, sem brincadeiras. Meus pais trocaram meu irmão? À hora ia se passando, íamos nos divertindo, conversando. Lógico que sentia falta dos meus pais. Então matava a saudade, mesmo que fosse por um final de semana. E eu aproveitaria ambos os lados, o lado de minha familia e o lado Bella. Chegando a hora, cada um foi se recolhendo para seus respectivos quartos. Só ficamos nós na sala.
- Onde eu irei dormir? – Bella perguntou bocejando.
Continua...

Pam, pam, pam, pam!!!!!
Onde a Bella vai dormir gente???? O.O
no sofá, no chão? Ou no confortável peito quente do Edward?
No próximo capitulo, vamos descobrir. E ainda mais, uma nova posição do Kama Sutra.

0 comentários :

Postar um comentário