OAV- Capitulo 7


Despertador tocando freneticamente. Dor de cabeça. Mau humor e magoa. Tudo isso em uma pessoa só. Fiz o de costume em todas as manhãs e fui para a escola. Infelizmente a primeira aula seria de Educação Física, a pior coisa que poderiam ter inventado até hoje. Claire veio falar comigo, mas não dei papo, não estava em um dos meus melhores dias, poderia acabar tratando ela mal.

Fui até o vestiário e coloquei minha roupa de ginástica, assim que cheguei na quadra vi Jacob e Josh em um canto e Claire sentada na arquibancada acenando para mim. Entre estrangular o Jake e ficar de mal humor perto da Claire, optei pela segunda opção.

- Que cara hein... O que aconteceu de tão ruim ontem? Meu irmão não fez nada com você né... Ou fez?
- Ele não tem nada haver com isso. – respondi olhando pro Jake.
- Ah, eu já sei quem é o motivo disso tudo... Mas me conta, como foi ontem?
- Legal... a gente quaaase se beijou, mas ficamos no quase.
- Você deu bobeira. Acorda amiga, esta na hora de você dar um jeito nisso. Ontem o Jake estava em mil amores com a Michelle.
- Sabe, fico me perguntando se ele realmente gosta dela ou se é só fingimento.
- Jake sempre soube fingir muito bem... Tudo. Ainda mais quando o assunto é garotas. Acredito eu, que esse seja apenas mais um dos seus fingimentos.

Nossa atenção se voltou para o Sr. Masen que nos aguardava no meio da quadra para fazer a divisão das duplas para o aquecimento.

- Renesmee Cullen e... Jacob Black.

Ótimo! Ele tinha mesmo que me colocar com o Jacob? A ultima pessoa do mundo que eu queria ficar perto era dele. Jake foi se aproximando de mim, sério. Assim que ficamos cara a cara ele apenas fez um movimento com a cabeça, me cumprimentando e começamos os aquecimentos. Estranhei, pensei que ele puxaria papo, tentaria me dizer alguma coisa, mas nada.

Mas eu sou fraca e tive que falar alguma coisa:

- Esta quieto.... Por que?
- Se eu falo você reclama... Se eu fico quieto você reclama... Não te entendo.
- Não precisa me responder assim seu ogro.
- Cullen e Black, parem de papo furado e voltem aos exercícios.
- Sim, Sr. Mason. – respondemos juntos.
- Respondendo, você é que me trata mal, não se esqueça que eu estava fazendo o papel daquele que corria atrás.
- Eu tenho motivos para te tratar mal. – disse sarcástica – Agora desembucha, porque você esta caladão? Você não é assim, Jacob.
- Depois a gente conversa... Quero que saiba de uma coisa antes de qualquer pessoa. E fica tranqüila que não envolve Michelle ou... Nós.
- Hum... Ok! Hoje, apenas hoje, eu deixo você se sentar comigo na aula de Trigonometria.
- Beleza. – ele deu um riso sem emoção e continuou seus exercícios.

Assim que a aula acabou fui tomar uma ducha para esfriar a cabeça. Eu estava realmente intrigada com as recentes atitudes do Black e assumo, fiquei preocupada. Conversei com Claire e ela aceitou, mesmo ficando brava por eu estar indo me sentar com ele.

Quando bateu o sinal para a aula fui correndo para a sala e lá me esperava ele, sentado na minha carteira, com um meio sorriso no rosto.

- E ai, pode falar.
- Nessie... Eu estou indo embora.
- Vai estudar na reserva agora?
- Não, vou pra Colorado com Michelle... Meu pai acha que lá terei um futuro melhor e que ficar em Forks não vai me levar a muita coisa.

Eu não consegui responder, fiquei quieta, de cabeça baixa, sentindo as lagrimas tomarem conta dos meus olhos.

- Fala alguma coisa.
- Falar o que Jake? – foi inevitável meu choro no momento.

Ele ficou sério por um tempo e depois deu um sorriso sacana.

- Eu sabia! – ele disse.
- Sabia de que?
- Que você sente algo por mim.
- Hein?
- Nessie, depois de todas as coisas que você me disse, fiquei realmente com medo de você não gostar mais de mim, de eu não significar mais nada para você, mas agora eu vi que não. Desculpe, mas o que eu disse foi apenas um teste pra ver qual seria sua reação.
- O QUE? Eu não acredito nisso! VOCÊ ME USOU? DE NOVO? AH JACOB, EU TE ODEIO.

Me levantei pouco me importando para professor, alunos, nem ai para nada. Fui para o jardim da escola e me sentei embaixo de uma árvore e chorei de raiva. Mais uma vez eu havia caído nas piadinhas sem graça dele. Mais uma vez eu havia sido motivo de chacota.

Senti duas mãos no meu ombro, mãos desconhecidas.
- Não quero falar com ninguém. Se não quiser levar uma patada, é melhor ficar pelo menos à 100 metros de distancia de mim. – disse sem ao menos querer saber quem era.
- Mas eu acho que vou me arriscar. – susto, muito susto.
- Callebe! – foi a única coisa que saiu da minha boca naquele momento.

Olhei para trás e vi uma cena que provavelmente faz muitas mulheres esquecerem de respirar.

- Nossa, sou tão feio assim?
- Que isso! Só me assustou. O que faz aqui na escola?
- Claire esqueceu o livro de Espanhol, então vim trazer pra ela.
- Hum... E já entregou?
- Acabei de entregar. Agora, mudando de assunto, será que pode me contar o porque dessa raiva toda.
- Melhor não.
- Ah, vamos lá, somos quase amigos... Certo?
- É... Certo! Mas não quero ficar aqui, vamos tomar um café.
- Vai faltar aula?
- Claro. Faltar aula nunca foi novidade pra mim... Fazia isso sempre.
- Estou contribuindo para sua má formação curricular... Sou maior de idade de você é menor. Posso ser preso por isso, mas acho que irei me arriscar mais uma vez.
- Acho que esta se pondo a risca demais por mim.

Rimos e fomos em direção ao estacionamento. Entramos em sua BMW e fomos para a cafeteria mais próxima, talvez a única que tinha aqui. Pegamos uma mesa e pedimos dois cafés, devo lembrar que ele parecia um frango de padaria devido à quantidade de mulheres que estava babando nele.

- Então agora, você pode começar a contar.
- Não sei se é uma boa idéia. – disse a ele.
- Por que não seria? – não respondi, mas pareceu que meu silencio disse tudo a ele – Já sei... tem homem envolvido né? To sacando... Mas então, somos quase amigos, pode me contar.
- Esta bem... Preciso mesmo contar isso pra alguém se não sou capaz de me suicidar.
- Que isso! Então conte logo.

[...]

Contei tudinho pra ele. Desde quando eu e Jake nos conhecemos até o recente acontecimento que me deixou tão magoada.

- Sabe o que me deixa mais intrigada? Como ele consegue ser tão insensível a ponto de ter feito isso comigo?
- Renesmee, isso só deixa mais claro o quanto infantil ele é.
- Estou tão chateada.
- O que te faz pensar que é apaixonada por ele? – não soube responder – Melhor, o que te faz pensar que tem que sofrer por ele?
- Eu... Eu não sei.
- Quer uma dica? Saia. Se divirta. Mostre pra ele o quanto boa você é e o quanto feliz você esta. Posso... te ajudar com isso.
- Espera... Esta me propondo joguinhos?
- Não joguinhos... Mas sim provocações.
- Tá, mas você sabe que eu estarei te usando e mesmo assim que fazer parte disso?
- Estou aqui pra isso. – respondeu piscando um olho e dando um gole no café.
- Callebe, você não existe.
- As garotas costumam me dizer isso mesmo.

Logo depois ele resolveu me levar de volta para escola, pelo menos pra eu assistir as aulas de depois do almoço. Minha cabeça fervilhava de idéias para essas supostas provocações e uma coisa que ele me disse ficou martelando dentro de mim... Realmente, o que me faz pensar que sou apaixonada por ele? As vezes é só encantamento... Paixão... Algo passageiro. Oh Deus, a quem estou querendo enganar?

Horário de almoço e lá estava eu, parada no meio do refeitório procurando Claire. Onde ela havia se metido? Será que ela estava dentro de algum cubículo dando umas amassos no Josh? Uma garota distribuía uns folders e eu como uma perfeita curiosa fui até ela ver de que se tratava.

- Oi, quer um? – perguntou.
- Quero sim.

Peguei o papel preto com letras florescentes. Tratava-se da inauguração de uma boate nova em Seattle.

- É da minha família. Vai ser um espetáculo, o local esta perfeito e Jason Mraz irá tocar na estréia.
- Jason Mraz? Em Seattle? Essa eu quero ver.

>PDV Jacob

O único assunto pelos corredores da escola era sobre a tal boate de Seattle que a Samantha Stanley estava distribuindo. Uma ótima oportunidade de sair de Forks e tentar esquecer todas essas mulheres que atazanavam minha vida.

Vi Josh se aproximando de mim, todo sorridente.

- Pra que sorrir tanto? – perguntei.
- Estava dando uns amassos com Claire no banheiro.
- Se te pegam...
- Ah, olha que fala, o Senhor Castidade.
- Vai se ferrar Josh.
- Jake, meu amigo. Você anda muito tenso ultimamente.
- E como não ficar tenso com todas essas garotas cobrando coisas demais de mim? Com a Michelle, o tempo todo me mandando mensagem querendo saber o que eu estou fazendo... Ela deve achar que é um twitter ou alguma coisa assim... E agora tem a Nessie, que ta bolada comigo, não quer nem olhar na minha cara.
- Ela continua bolada com você... Ou você deu mais motivos?
- Fiz uma brincadeira ai com ela... Mas não importa. O que eu quero é me livrar dessas garotas pelo menos por um dia.
- Ta virando uma bichona mesmo. Bem que desconfiei.
- Cala essa boca.
- Não antes de te contar.
- Fala logo.
- Nessie saiu com o irmão da Claire ontem a noite... Você viu né, estávamos todos juntos. E hoje ela fugiu da escola e adivinha com quem?
- Quem?
- Com o Callebe. Esses dois... Pelo que fiquei sabendo ela entrou toda feliz no carro dele.
- Não quero saber de nada relacionado à Renesmee. Ela não quer saber de mim... Então a mesma coisa pra ela.
- Ah, agora virou o senhor sensível?
- Cara, nem vou te responder. Vamos para o refeitório logo.

Chegamos ao refeito e eu dei de cara com uma cena não muito comum. Nessie estava sentada na mesa das animadoras de torcida junto com Samantha Stanley e Claire. O que aquelas duas estavam fazendo ali? Vi confusão na expressão de Josh e cutuquei-o para que fossemos até lá.

- E ai garotas, qual o motivo dessa reunião? – perguntei me sentando em uma cadeira.
- Estamos combinando de irmos juntas para a inauguração da Boate dos pais da Sam. – respondeu Nessie.
- Atá!

Essa eu queria ver... Nessie não agüentaria ficar mais de uma hora ao lado daquelas garotas. Apesar de achar Resnemee um despacho de grife às vezes, eu sabia que ela não suportaria ouvir os assuntos fúteis das meninas.

- Se me dêem licença, tenho que ligar para o meu pai. – disse se levantando.
- Seria mais fácil de você dissesse que não me quer por perto. – a desafiei.
- Já que é tão masoquista... Eu digo. Não te quero por perto. Sua presença me afeta e sua voz me irrita, então prefiro me retirar.

Sério mesmo que eu havia sido humilhado por ela na frente de toda escola? Porque nesse exato momento todo o refeitório olhava pra gente, melhor, todo refeitório ria da cara de taxo que eu fiquei.

- Passar bem Jacob. – ela disse por fim, pegando sua bolsa e piscando um de seus olhos.

Isso já estava partindo para o lado pessoal e teria troco.

0 comentários :

Postar um comentário