KM - Capitulo 6


Capítulo 6.




Ele estava com a mão na minha coxa durante todo o caminho para a casa. Eu tentava não surtar.
- Está tudo bem, Kiki?
- Sim!
Ele sorriu e pisou no acelerador.
- Nós estamos com pressa, Rob?
- A vida é curta...
Sei. Minha virgindade também. Eu contava ou não? Ele descobriria? Onde você foi se meter, Kristen? Meter? OMG. Chegamos na garagem do prédio e ele se inclinou de novo para me beijar. Ok, nessa hora eu já tinha passado no nervosismo para o histerismo. Nem pensar eu conseguia mais.
- Linda...
- Lindo.
Que criatividade! Subimos pelo elevador, que foi testemunha de mais amassos. Robert beijava meu pescoço, me imprensando no espelho do elevador. Eu já não respirava mais. Que droga de costas maravilhosas eram aquelas? Saímos do elevador tentando não tropeçar em nossas próprias pernas. Quando entramos no apartamento e senti Robert me guiando até o quarto, eu realmente surtei.
- Rob... nós... vamos...
- Vamos! Não sei o que você quer dizer, mas vamos! Tudo! O que quiser!
OMG.
Entramos no quarto dele e senti minha blusa sendo rapidamente puxada. Pensa rápido, Kristen... quer mesmo isso? Que se foda, quero sim! Levei minha mão até sua calça para abrir, ou tentar, já que eu não tive sucesso. Não achava direito a porra do botão. Ok, achei. Zíper? Perto demais "daquilo". Céus. Vou morrer. OMG. Volume. Volume. É um volume, não é? Abri os olhos para olhá-lo, mas ele me beijava de olhos fechados.

- Ca-cami-misinha?
- Sempre.
Ele foi me fazendo deitar na cama enquanto esticava a mão e puxava uma gaveta da cômoda ao lado. Eu observei tudo e o vi puxando uma camisinha. Ok. Ok. Ok.
- Prefere colocar?
Hein? Falou comigo? Eu colocar? Nele? Morrendo, morrendo. Falta de ar. Palpitações. Principalmente quando ele subiu em cima de mim e tirou a camisa. Eu decorei cada pêlo daquele abdômem.
Robert abriu minha calça ao mesmo tempo que me beijava. Ele era tão delicioso, tão irresistível, que eu não conseguia dizer não. Ele veio morder minha orelha, o que me arrepiou.

- Gosta disso, Kiki?
- Acho que sim...
- Acha?
Ele me olhou sorrindo.
- Não lembra?
- Não sei...
- Como assim?
Você fala demais, Kristen. Fato! Era melhor contar logo.
- Bem, não é nada demais... é só que... sou virgem.
Yay! Retardada! Ele nem perceberia. Né? Ele riu.
- Opa. Ganhei na loteria!
Hein? Não achei que ele fosse ficar tão feliz assim com a notícia. Robert voltou rapidamente a me beijar e descer a mão pela minha barriga, apertando cada pedaço de carne meu. Eu me contorcia, aquilo era realmente bom. Ou ele era bom, sei lá.
- Você quer, né, Kiki?
- Aham.
Ele segurou minhas duas pernas e puxou minha calça, depois envolveu seu corpo com elas. Se inclinou um pouco e beijou meu umbigo. Ow. Lambeu meu umbigo, subindo até encontrar novamente minha boca. Eu me sentia... molhada. E o volume crescia. Era o que parecia. Então ele mordiscou minha orelha e parou para me olhar.
- Kiki.
- Oi.
Ele mordeu os lábios.
- Acho que não posso.
- Hein?
- Não estou tão bêbado assim, sabe?
- Não está bêbado?

Ok, tapa na cara dói menos. Como assim?
- Não posso fazer isso, Kiki. Não assim.
Senti raiva dele na hora. Eu estava sendo rejeitada? Na minha primeira vez?
- Certo. Obrigada.
Empurrei ele e levantei da cama, catando minha roupa no chão.
- Kristen!
- Nem precisa, Rob...
Ele levantou e segurou meu braço antes que eu passasse pela porta.
- Kiki, eu só não quero te magoar, só isso.
- Pensasse nisso antes.
- Ok. Olha só, eu também não sou o cafajeste que todo mundo pensa. Eu nunca faria mal a você! E eu realmente não imaginava... isso.
- Claro. Você só seria louco de fazer "isso" se estivesse muito bêbado. Não foi o que disse?
- Foi. Mas não com essa intenção. Eu quis dizer que não estou tão bêbado para fazer algo que você possa vir a se arrepender depois.
Era realmente constrangedor. Preferia não ter essa conversa agora.
- Rob, me deixa ir dormir?
- Agora? Assim? Não acha que temos que conversar?
- Não...
Ele me olhou sério, passando a mão nos cabelos. Estava visivelmente nervoso. Soltou meu braço.
- Tudo bem.
Antes de eu ir, ele me puxou pela cintura e beijou meu cabelo.
- Desculpe por isso... mesmo.
Eu me soltei dele e saí do quarto, me esforçando para não chorar na sua frente.
Bati com força a porta do meu quarto, querendo mais que aquela droga de apartamento despencasse. Eu estava com raiva de mim, por ter me deixado levar. E daí que eu era apaixonada por ele? Eu devia ter pisado no freio quando fiquei em dúvida. Pior do que isso, com certeza não teria sido. Eu podia mesmo ter evitado toda essa situação. Vesti uma camisola e me joguei na cama, agarrando meu travesseiro e tentando abafar o choro com ele. No meio da noite, eu acordei assustada com um barulho de porta batendo e sentei na cama esfregando os olhos.

- Robert! Kristen!
Puta merda. Era a voz de Tom. Eu gelei e vi a porta do meu quarto abrindo rápido. Tom não estava nada feliz.
- Mas que merda é essa? Tenho cara de babaca?
- Tom...
- O que você pensa, Kristen? Você me desobedeceu totalmente!
Ele gritava comigo, quando Robert apareceu de cueca na porta do meu quarto. De cueca, Rob?
- Ei Tom, calma!
- Calma porra nenhuma! Estou falando com minha irmã!
- Você está bêbado, imbecil! Totalmente alterado! Pára de gritar com ela.
Eu vi Tom virar para ir em cima de Robert e corri, entrando no meio dos dois.
- Sai, Kristen!
- Pára, Tom!
- Pode deixar, Kiki, eu me entendo com ele.
- Não chama minha irmã de Kiki!
Eu acho que nunca vi meu irmão tão alterado assim. Eles só não estavam se pegando porque eu estava no meio. O imbecil do meu irmão veio com força para cima do Rob, nos empurrando até a parede do corredor. Ok, ele percebeu que eu estava espremida contra o Robert? De cueca?

- Sai Kristen!
- Não! Vocês vão brigar!
- Nem vamos, Kiki... só vou meter a porrada nele se ele não parar.
- Por que você trouxe minha irmã para casa?
Tom tentou dar um tapa em Robert, que desviou o rosto.
- Vai dormir, Tom.
- Você transou com ele, Kristen?
- E isso te interessa por quê? Deixa ela em paz!
- Cala a porra da boca que não estou falando com você!
Quem estava se irritando era eu. Quem deu um tapa em Tom, fui eu. Foi com força, virei o rosto dele. E começei a chorar ao mesmo tempo.
- Que saco! Chega! Me deixem, vocês dois!
Eles calaram a boca e Tom se afastou. Aproveitei para sair dali e entrar no meu quarto, trancando a porta por dentro. Fiquei uns segundos tentando ouvir algum som de socos, mas nada. Silêncio total. Tem sempre que ser uma mulher para colocar ordem no recinto. Saco!
Dormi feito tijolo. O cansaço, a bebida, a fossa, tudo junto, me derrubou quando deitei novamente. O despertador marcava 11:00hs quando acordei e saí do quarto. O silêncio ainda reinava, provavelmente porque os bebuns ainda dormiam. Peguei o pão e o queijo para fazer um sanduíche e sentei na bancada da cozinha. Eu me sentia completamente de ressaca, apesar de quase não ter bebido. Não transar era cansativo.

- Kiki.
Tudo que eu não queria que acontecesse, aconteceu. Ele precisava mesmo acordar junto comigo? Parecia ter sentido o cheiro. Ele abriu a geladeira e pegou o leite, parando de frente para mim. Eu tentava não encará-lo. Robert colocou uma mão de cada lado das minhas pernas e me olhou.
- Dormiu bem?
- Muito.
- Vai me evitar?
- Não...
- Kristen...
Eu levantei a cabeça para olhá-lo.
- O que quer que eu diga, Rob?
- O que você está sentindo.
- Um monte de coisas... você não vai me achar educada se eu disser.
- Eu sei que você está com raiva de mim. Mas eu fiz o que fiz por me importar com você.
- Não Rob, você nem chegou a fazer...
- Kiki...
- O que? Eu praticamente me entreguei a você, ficou na cara que eu estava afim, claro, e agora eu só estou com um pouco de vergonha, prestes a me jogar da janela. Fora isso, está tudo bem, Robert. Ah sim, e também teve a parte que eu fui rejeitada. Na minha primeira vez.
Ele olhou por trás de mim e suspirou.
- Depois conversamos.
Era Tom que chegava na sala. Calmo, dessa vez.
Rob saiu quando Tom se aproximou. Ele veio mexer na geladeira também, ficando de costas para mim enquanto mexia nela. Fiquei sentada no mesmo lugar esperando por alguma reação, que não veio. Ele pegou o que queria e saiu de novo da cozinha. Ok, por essa eu não esperava. Já tinha me preparado para mais histerismo vindo de Tom.

- Não vai mais falar comigo?
Ele parou e viru para me olhar.
- Achei que não quisesse ouvir minha voz.
- Ok.
Levantei e passei por ele, indo para meu quarto. Notei ele vindo atrás de mim.
- Eu sei que não devia ter alterado a voz com você ontem... mas Kristen...
- Não devia mesmo, né Tom? Nem aqui nem lá na boate.
- Kristen, eu só queria que você tivesse me ouvido na primeira vez, só isso. Robert?
Me sentei na cama e o encarei.
- Sim, Robert. Como se você não soubesse...
- Kris, eu sei que você gosta dele, mas ele... porra, ele não serve para você. Preciso ser mais claro?
- Fica tranquilo Tom, ele não me quis.
Ele parou me olhando pensativo.
- Como assim?
- Nada, esquece.
- Kris... você foi para a cama com ele?
- E se tiver ido?
- Bem, eu só lamento.

- Eu não dormi com ele... porque ele me rejeitou!
Ele franziu a testa e levantou uma sobrancelha.
- Ele? Então você... esquece. Eu não quero mais saber. Só estou decepcionado.
Tom virou as costas e saiu do meu quarto. Eu precisava sair de casa um pouco para espairecer. Vesti uma roupa e fui andar. Quando saí do prédio, não acreditei no que estava vendo. Aquela fugura bizarra do groupie estava lá na calçada, sentado no meio-fio. Quando ele me viu, levantou correndo e veio falar comigo com um sorriso assustador.
- Oi Kristen!
- Ah oi... ahn...
- Michael!
Ah sim. Sabia que começava com M.
- Tudo bem? Dormiu bem? Está bem?
Credo, ele era mais retardado do que eu achava.
- Sim, para todas as perguntas.
Sorri e passei por ele, mas ele veio atrás. Eu mereço.
- Então...
- É. Então.
- Tudo bem?
Ah pára! Ele não estava falando sério.
- Você estava esperando alguma coisa?
- Sim... queria ver se você aparecia.
- Ah.
Coloquei as mãos no bolso do casaco e abaixei a cabeça tentando não rir.
- Então?
OMG. Me salva senhor...
- Ahn... Michael... sabe, estou com um pouco de pressa. Você se incomoda... se eu for?

- Não, claro que não! Eu te acompanho.
Me segura que eu vou bater! Contei mentalmente até dez e sorri para ele.
- Não precisa querido... eu sei o caminho.
Não sabia nem para onde estava indo. Ele fez cara de cão abandonado. Ok, eu era amante dos animais, mas aquele ali... dava vontade de chutar.
- Mas é perigoso você andar sozinha por aí!
- Michael, não acho que seja não... nem são 14:00hs ainda.
Ele olhou para o céu e franziu a testa. Que porra o céu tinha a ver com isso?
- Posso ir só por ir então?
- Comigo?
- É.
- Não.
Ui doeu. Ele quase chorou.
- Ok.
- Desculpa grou... Michael. Mas é que não estou com muito bom-humor hoje, sabe?
- Sei. Entendo. E amanhã?
- O que tem amanhã?
- Vai estar de bom-humor?
Contei até vinte. A conta estava aumentando.
- Não sei Michael... mas é provável que não.
Eu começava a odiar a pessoa.
- Ok. Eu passo aqui de qualquer jeito. Posso?
Se eu falasse que não, eu tenho certeza que ele viria do mesmo jeito
- Tanto faz, Michael... tenho que ir agora.
Virei de costas e saí andando. Num passo rápido antes que ele viesse atrás de mim novamente. Respirei aliviada quando o vi voltar para a porta do prédio e sentar no meio-fio. O que era agora? Ele esperaria o Robert também?
Estava entrando numa lanchonete quando um cara saiu de lá de dentro e pisou no meu pé.

- Opa, foi mal.
Eu conhecia! Claro, dã. Quem não conhecia Kellan Lutz? Mais uma vez na minha frente.
- Oi! Sem problemas...
- Você é a irmã do Tom, certo?
- Kristen. Isso.
Ele sorriu mostrando aqueles dentes perfeitos. Eu era tão cega em Robert Pattinson, que esquecia como tinha homem gato no mundo.
- E aí Kristen? Tudo bem?
- Sim... está indo embora?
- Estava, mas se você estiver sozinha, posso ficar.
- Estou sim. Mas nem precisa se for incomodar...
- Não, que isso. Não estou fazendo nada. Além do mais, alguém precisa ficar para te avisar que o croissant de frango é tenebroso.
Eu ri. Achava que só o Emmet era palhaço, mas pelo visto, o ator era igual.
- Ok, não comerei o croissant.
- Nem o folheado de camarão.
- Tem algum salgado que seja bom aqui?
Ele sorriu e franziu a testa.
- O suco é gostoso...
- Certo. Vou de suco então.
O Kellan era tipo assim... gostosérrimo. O Rob era minha paixão, tinha um rosto da fazer cair o céu e eu simplesmente era louca por aqueles olhos, boca, cabelo, nariz, pele... bem, tudo. Ok. Mas o Kellan era gostoso, sabe? Alguém já viu o abdômem dessa pessoa? Levanta até defunto!

- Quantos anos?
Ele me tirou do transe. Parei de pensar pornografia e o olhei.
- Eu? 18.
- Novinha...
Ah pára ow. Novinha é a mãe! Essa frase me irrita sempre que ouço. Sorri tentando ser simpática.
- Nem tanto. Pode ficar tranquilo que o Tom não vai te bater por estarmos conversando.
Ele sorriu e continuou brincando com o canudo.
- Acha que tenho medo de Tom?
Ele riu dessa vez. Alto. Quala piada?
- Achei que tivesse. Ou não lembra de ter saído correndo na festa? Quando soube que eu era irmã dele?
- Ah... isso. Não foi por medo, foi por respeito. Ele é meu amigo...
- Credo. Ele mandou mesmo todos os homens da cidade ficarem longe de mim?
- Não.
Kellan deum um gole no copo de suco e voltou a falar.
- Acho que ele falou só com os que não prestam.
Babei.





Atualizado 07.01.09.




Kellan me olhava rindo, como se aquilo fosse uma piada. Só se fosse para ele, porque para mim era irritante. Tom só estava me dando dor de cabeça até agora. Onde estava o meu irmão legal?

Muita convivência com Robert?

- Bom saber... Por acaso você sabe onde eu posso achar os que prestam?

Ele torceu a cara.

- Talvez no mesmo lugar onde esteja o Papai Noel...

Era pior do que eu pensava.

- Ok. Valeu pelo aviso.

Ele apoiou os braços no balcão do bar e aproximou o rosto do meu, sussurrando.

- Vou te contar um segredo, mas não espalhe por aí.
- Ok.
Ele sorriu.

- Ninguém nunca obedece o Tom.

Mas hein? Quase me engasguei com o suco que tomava.

- Não... obedecem?

Lembrei de Robert. Realmente, ele não deu bola para o pedido de Tom.

- Não muito...
- Legal.
- Sendo assim, você pode começar a sair com a gente!
- A gente? Quem?
- Eu e a galera do elenco...

Isso incluía Robert?

- Claro. Só marcar!

Ele piscou e colocou uma nota de cinquenta dólares em cima do balcão.

- Preciso ir... vai também?
- Ah, vou. Mas não vou deixar pagar aqui para mim.
- Acho que não vou ficar pobre se pagar seu suco de cinco dólares, sabe?

Ele sorriu e bagunçou meu cabelo. Ei! O cabelo não! Ok, ele pode. Kellan virou para a garçonete, que babava.

- Fique com o troco! Vamos, Kristen?

Vamos? Claro! Saímos da lanchonete e ele disparou o alarme do carro, destravando uma BMW.

- Quer carona? Te deixo em casa.
- Ok.

Entrei no carro "horroroso" e Kellan arrancou, cantando pneus. Por que será que homens gostosos se sentiam o máximo dentro de carrões? Eu hein...

- Na verdade nem precisava Kellan... eu moro a dois quarteirões daqui.
- Eu sei. Mas e daí? É só uma desculpa para andar com mulher gata no carro!

Ele me olhou sorrindo. OMG. Surtei legal. Era uma indireta? O diabinho na minha cabeça falava comigo.

"Kristen, pega ele" 

Credo. Sai!

Paramos num sinal, com a capota abaixada, pois esqueci de avisar que a porra do carro era conversível. Parou um carro do nosso lado, com três mulheres dentro, que abaixaram o vidro para olhar Kellan. Eu mereço.

- Vamos sacanear?
- Como assim?

Ele riu e piscou ao mesmo tempo.

- Entra na onda, Kristen.

Entrar na onda? Não sei surfar! Ele passou um braço por cima do meu ombro e me beijou no rosto, falando alto.

- Agora não, Kristen! Você me deu um cansaço! Deixa eu me recuperar...

OMG. Procurei um lugar para me esconder. Ele era totalmente louco! Mais do que Robert! Sorri um sorriso amarelo.

- Hehehe.

Olhei discretamente para o carro ao lado e as garotas tinham subido o vidro. Ops. Juro que não era minha intenção amanhecer com a boca cheia de formigas em alguma vala da cidade... O sinal abriu e ele arrancou.

- Tão divertido!
- Muito...

Paramos em frente ao prédio de Tom e Robert. Meu também, agora.

- Está entregue, madame.
- Obrigada mesmo.
- Me dá seu telefone? Aí te ligo quando tiver algo para fazer.

Kellan Lutz pediu meu telefone. Deixei a ficha cair lentamente e sorri.

- Claro.

Ele anotou no celular e piscou.

- Valeu gata! Te ligo!
- Ok.

Falar mais o que? Esperei ele ir embora e entrei no prédio.

- Pois não, vai aonde?

Ah não... Alfie.

- Para minha casa.
- Que fica...?
- Na cobertura!
- Não sei disso não...

Conta até dez, Kristen!
- Boa tarde, senhor Pattinson! Tudo bem? Tem uma senhorita aqui na portaria...

Morra, Alfie!

Entrei em casa um pouco alterada já por causa de Alfie. E Robert ainda por cima apareceu na sala rindo.

- Ele não foi mesmo com a sua cara!

Passei direto por ele e entrei no meu quarto. Estava irritada. Olhei aquela droga de decoração made in escritório de velho e surtei! Eu não era visita! Eu estava morando ali também, e estava na hora de deixar alguma coisa naquele lugar com a minha cara. Saí novamente do quarto e passei por Rob, que agora estava sentado no sofá.

- Já vai sair de novo? Você acabou de pisar em casa...

Olhei com raiva para ele.

- Desde quando nós estamos conversando numa boa?

Ele fechou o sorriso da cara e passou a mão nos cabelos.

- A verdade é que nós não chegamos a conversar, Kiki. Desde que acordou, você não parou em casa.
- E pelo visto então a conversa vai demorar, porque não volto cedo.

Saí do apartamento e entrei no elevador. Quando desci no saguão, Alfie me olhou e eu o encarei.

- Vai à merda, Alfie!

Fui direto ao shopping comprar coisas para meu quarto. Eu realmente não gostava da decoração cinzenta dele. Entrei numa loja de decoração e gastei horrores no cartão de crédito conjunto que Tom tinha me dado. Quando ele visse, seria tarde demais. Meu celular tocou mas não reconheci o número.

- Alô?
- Kristen?
- Isso.
- Adivinha quem é?
Ok, eu tinha um chute, mas não tinha certeza.

- Ahn... Kellan?

Ele riu do outro lado da linha.

- Quanta incerteza!
- Desculpa, mas fui pega desprevenida mesmo.
- Ok, sem problemas. Tudo bem?

A julgar pelo fato de não ter nem duas horas que ele tinha me deixado em casa, tudo bem.

- Sim. Normal. Um pouco estressada, mas tudo bem.
- Estressada por quê?
- Problemas com nosso porteiro.
- Alfie?

Ele caiu na gargalhada. O cara era famoso.

- Ele já deu em cima de mim umas vinte vezes...

OMG.

- Legal, pelo visto Alfie não perde tempo.

Espero que Alfie não tenha me visto chegando com Kellan hoje cedo.

- Mas mudando de assunto, Kristen. Quer sair hoje?

Rápido ele...

- Depende, para onde?
- Vou com uns amigos numa boate aqui perto. Na verdade, acho até que Tom e Robert vão...
- Ah bem... se eles forem mesmo eu vou acabar te encontrando por lá então.
- Sim, eu sei. Perguntei se você quer ir comigo.

Ow. Pensa rápido numa resposta boa.

- Ok.
- Ok de sim, ou ok de "não seu idiota, não vou com você"?
- Ok de sim.

Era de sim, certo?

- Ótimo! Te pego às 21:00 então.
- Certo. 

Me pega? Pegou mal... Pare de pensar na palavra pegar, Kristen!

- Beijos gata...
- Beijos...

Gato? Não, não ia falar isso.

- Kellan.

Esperei ele desligar para fechar o telefone. Era impressão minha ou Kellan Lutz tinha acabado de me chamar para sair? 


<<< Capitulo 5                            Capitulo 7 >>>

2 comentários :

quando vai postar o proximo?
muito boa a historia..

Anônimo
6 de março de 2011 21:03 comment-delete

Perfeita

Anônimo
15 de maio de 2014 09:56 comment-delete

Postar um comentário