KM - Capitulo 5


Capítulo 5.




Estava preparada. Bem, eu estava arrumada e me sentindo gata. Assim espero, né? Nada de vestidinhos blá blá blá hoje não! Eu vou de jeans grudado no corpo mesmo. Pernas finas? E daí? Nem ligo. Botei meu jeans D&G e uma blusa blusa preta e branca com um decotão nas costas. Me maquiei e deixei o cabelo bem revoltado. Adorava!
- Tom, estou pronta!
- Assim?
- Qual o problema?
- Não tem uma blusa mais comprida, Kris? Sua barriga está aparecendo...
- Tem dois dedos de barriga aparecendo, Tom, deixa de drama!
Robert tinha chegado na sala e eu nem tinha reparado. Ele me defendeu, ele me defendeu. Ê laiá! Me virei para ele toda gentil.
- O Tom acha que sou criança para ficar tomando conta de mim...
- Mas essa calça está muito justa, Kiki.
Rob falou franzindo a testa enquanto corria os olhos pela calça jeans. Eu estava de saco cheio desses dois já!
- Podemos ir ou vocês vão ficar mesmo avaliando a minha roupa?
Chegamos na garagem do prédio e Tom me empurrou para a porta da frente.
- Vai na frente porque não gosto de andar com homem não.
Ele nem precisava pedir duas vezes! Sentei com vontade no banco do carona e esperei meu príncipe encantado entrar. Já falei que ele estava lindo? Bem... ele é lindo. Rob me olhou e sorriu.
- Vai de co-piloto hoje?
- Aham. Mas aviso que sou péssima dirigindo... espero que seja melhor só acompanhando.
- Relaxa Kiki... hoje a noite é nossa. Vamos para a night!
Ele ligou o carro e saímos da garagem do prédio, com Rob cantando pneus.
Tremi com aquela frase dele. A noite é nossa? Como assim? Minha e dele? Ou de todas as pessoas do mundo? Eu era péssima para entender indiretas, sabe? E nem sabia se isso tinha sido indireta. Ok, Kristen, respira.
- O show do Jason Mraz é que horas, Tom?
- Não sei direito não...
Jason Mraz? O nome não me era estranho.
- Cantor? Esse cara?
- Sim, claro! Não conhece?
- Acho que sim, mas não tenho certeza...
- Ele vai tocar lá hoje.
Ele terminou de falar e passou a marcha, que custou a entrar, o que o fez esbarrar com força na minha perna, me fazendo quase surtar. Ele nem ligou, como se nada tivesse acontecido. Estava começando a me conformar em não ser nada mais do que amiga dele.
- Já está fervendo.
Chegamos na porta da boate, que estava lotada de carros.
- O cara não tinha fechado a boate?
- Sim, fechou.
- Isso é tudo convidado? Vocês conhecem bastante gente...
- Acho que sim.
Entramos na boate e pelo visto chegamos na hora que o carinha lá ia tocar. Quando ele apareceu no palco eu percebi que conhecia sim. Bem, pelo menos uma música dele eu conhecia. E foi a primeira que ele começou a tocar.

Música:

http://br.youtube.com/watch?v=LHnJGXwr-HU
.
Ah meu pai! Como dá para ouvir essa música com Robert Pattinson do lado, e não agarrar? Bem, eu teria que descobrir um jeito, pois nós três estávamos acotovelando as pessoas para podermos chegar lá na frente. Eu vi umas meninas conhecidas da festa de ontem, inclusive as coelhinhas. Eu vi a Lia, a Dany, a Maya, Isabela Maria, Julinha, a Kese, Marília, a Kah, a Priscilla, Fran, Thaís, a Jú, Mariana, Amanda, Biia... enfim, devia ter mais mulher do que homem ali. Senti ser puxada por um cara alto pela mão.
.
- Coisa linda...
.
Ele não era minha praia, meu sol estava em outro lugar! Puxei minha mão mas ele não queria me soltar. Então senti outra mão, puxando minha cintura.
.
- Algum problema Kiki?
.
- Bem...
.
- Acompanhada? Foi mal.
.
O cara me soltou sem-graça e Rob me puxou.
.
- Mal chegamos e você já está dando trabalho? Sabia que a calça estava muito justa...
.
- Não enche, Rob.
.
Ele riu e olhou procurando por Tom. Eu também procurei, me esticando na ponta dos pés.
.
- Acho que Tom foi abduzido.
.
- Não o acho também...
.
Eu vi o Jason acenar para ele? Ou estava com a visão avariada? Ele passou a mão nos cabelos, não sei se para ajeitar ou bagunçar mais ainda. Isso era algo que nós tínhamos em comum, porque me peguei fazendo o mesmo gesto.
.
- Me imitando, Kiki?
.
Ele sorria torto.
.
- Não... eu também gosto de passar a mão no cabelo.
- Coincidência.
- Muita.

Ok, momento de silêncio constrangedor, com um olhando para a cara do outro. Eu teria que agradecer ao Jason depois, pois por causa do som alto, Rob precisava vir falar ao meu ouvido toda hora, ou então eu não escutaria. Eu soltei uma pérola que veio não sei de onde.

- É verdade mesmo que Tom proibiu vocês de chegarem perto de mim?
- É verdade.
- Espero que alguém seja desobediente...

Isso por que eu nem tinha bebido ainda. Imagina com álcool no sangue. Ele riu.

- Não acho que ninguém seja louco, Kiki.
- Ok, vamos supor, que você quisesse algo comigo. Só supor. Você desistiria por causa do Tom?

Ele ficou sério e franziu a testa.

- Depende.

OMG. Depende. Pelo menos não foi um sonoro não.

- De que?
- Se valesse a pena ou não.
- Ok, estamos falando de mim!

Ele sorriu de novo.

- Eu sei.

O que faltava então para ele decidir se vali a pena ou não. Eu teria mesmo que agarrar Robert? Saco! Grudei nele e puxei seu pescoço, beijando rápido sua boca. Ele me retribuiu, passando as mãos pelas minhas costas e me puxando um pouco para cima. Por mim eu não soltaria nunca mais dele e ficava eternamente sentindo cada pedaço do seu corpo grudado no meu. E então ele parou de me beijar.

- Robert, se você me soltar agora... você morre.
- Kiki, eu...

Não vi mais nada direito, quando Tom apareceu empurrando Robert para longe de mim.
Eu só vi Tom chegando e empurrando Robert com as mãos no peito dele e alguns amigos deles correrem para separar os dois.

- Ficou louco, Tom?
- Eu, louco? Louco é você por ter encostado nela!

Tom avançou em cima de Robert, mas foi segurado pelos amigos.

- Ei, Tom, calma aí...
- Me soltem!
- Tom, pare!
- Você fica quieta Kristen!

Rob se aproximou de nós, de cara fechada.

- Dá para parar com o show? Kiki está inteira, não está? Não tirei nenhum pedaço.

Eu mataria meu irmão quando tivesse a chance. Este era o momento no qual eu deveria estar passando e repassando mil vezes na cabeça o meu beijo com o Rob. E ao invés disso, eu estava ocupada com meu irmão ciumento, dando show numa boate lotada.

- Me soltem! Não vou brigar!
- Soltem ele...

Os amigos soltaram meu irmão, que tinha raiva no olhar. Ele grudou o rosto no de Robert.

- A única coisa que eu pedi para você não fazer, você fez.
- Eu não fiz.

Robert me olhou. Oh. Entendi. Fui eu quem fiz...

- Tom, eu... (traumatizante dizer isso em voz alta) agarrei ele.

Os dois me olhavam. Meu irmão puto da vida e Rob com um sorriso cínico no rosto.

- Quando você começar a chorar pelos cantos, não me peça para te consolar, ok? Ele não é o Edward, Kristen!
- Eu sei!

Eu gritei com ele e saí dali. Como ele me falava isso na frente de Robert? Ele era ridículo por me fazer passar essa vergonha. Entrei correndo no banheiro e soquei a porta. Umas garotas me olharam assustadas.

- Você não é a irmã do Tom?
- Sou.
- Sou Paty, prazer.

Eu a olhei indiferente. Ela sorriu.

- Estava na festa ontem... eu, Puh e Maya.

Ela apontou para as outras duas, que eu reconheci de ontem.

- Ah. Oi.
- Está tudo bem?

A morena de olho azul me perguntou preocupada.

- Não... nada bem. Puh, né?
- Isso. O que houve?
- Irmão ciumento.
- OMG, eu vi... você e o Pattinson aos beijos! Inveja total!

Quem falava comigo agora era Maya. Podia disfarçar a vontade de pegar o Robert, né? Eu sorri sem-graça.

- Pois é.
- Sou feliz por ser filha única, sabe? Não aturaria irmão ciumento em cima de mim!
- Você não atura ninguém, Paty... é diferente.
- Qual é Puh? Quer queimar meu filme?
- Céus, será que alguém pode me dar atenção?

As outras duas olharam para essa última, que tinha cara de choro.

- Liga não... Maya é meio emo...

O que mesmo eu tinha vindo fazer no banheiro?

Sentei no vaso com a tampa fechada e apoiei a cabeça nas mãos. Estava com muita raiva do meu irmão.
.
- Você não vai ficar aí, vai?
.
As três loucas ainda estavam me olhando.
.
- Vou. Quando todos forem embora, eu saio.
.
- Nada disso! Vem com a gente...
.
Paty me puxou pela mão, me forçando a levantar. Levantei antes que tivesse meu braço arrancado. Não entendi quando as garotas colocaram óculos escuros. Estávamos dentro de uma boate. Ela sabiam disso, né?
.
- Para que os óculos?
.
Puh sorriu malignamente.
.
- Acho que o Tom ativou a MCF.
.
- Hein?
.
- Liga não... nós vamos dar o troco nele...
.
Maya piscou para mim. Eu estava era com medo delas, isso sim. Saímos do banheiro e elas me levaram para junto de um grupo. Todas me foram apresentadas, algumas eu tinha visto ontem na festa. Priscilla, Julinha, Kese, Marília, Bárbara, Kah, Isabela, Jú, Mima e Dani. A maioria se apresentou como membro da MCF e colocou os óculos também. Fofocaram algo entre si e depois Paty virou para mim.
.
Música:

http://br.youtube.com/watch?v=IGnux0_SPsM&feature=channel
.
- Acho que hoje, Tom não pegará ninguém.
.
- Por quê?
.
- Liga não, vem, vamos dançar!
.
Elas andaram em bando até a pista, como se estivessem desfilando, fazendo os homens pararem para olhar. O que era isso? Uma gangue? Bem, não sei o que era, mas sei que quando Tom viu, veio correndo em cima, mas pela cara delas, ele só ia babar mesmo.
Ok, eu estava me sentindo um peixe fora d'água ali. Tom me viu e veio até meu encontro.
.
- Kristen!
.
- Ela está ocupada!
.
Fui puxada para dentro do grupo.
.
- Disfarça, mas Robert está olhando...
.
Robert? Onde? Ah, achei. Ele olhava a cena de longe, curioso. Eu vi uma MCF correr até o DJ e voltar sorrindo.
.
Música:
http://br.youtube.com/watch?v=qgvdke-qRQ0
.
- Sabe dançar funk, né Kristen?
.
- Eu? Não!
.
- Já era... vai ter que aprender.
.
Como assim, aprender? Nunca dançei esse troço na minha vida! Eu fiquei parada enquanto elas dançavam.
.
- Kristen! Vai ficar parada enquanto ele olha? Rebola, mulher!
.
Rebolar? Ok, eu iria tentar. Eu mais me apoiava nelas para descer até o chão, do que fazia por conta própria mesmo. Minhas pernas amanhã iriam reclamar de dor. Eu não tinha o costume de ficar descendo e subindo e dançando o tempo todo com os joelhos dobrados, ok?
.
- Ele está vindo! Ele está vindo!
.
Onde? Onde? Ah, achei. OMG. Robert estava chegando perto de nós com um sorriso no rosto.
.
- Posso entrar aí nessa muvuca?
.
Nem responderam, só puxaram ele para dentro, jogando em cima de mim.
.
- Funk, Kiki? Não imaginava isso...
.
- Nem eu...
.
Ele estava me olhando faminto ou era impressão minha? Ok, vou até o chão, peraí. Aproveitei para empinar o pouco de bunda que eu tinha. OMG. Robert colocou uma perna entre as minhas. OMG. Ele estava dançando funk comigo. Fui morrer. Volto mais tarde.

Música:

http://br.youtube.com/watch?v=Gpi0xHHirNM
.
Ok, respira Kristen. Não caia, por favor. Ele estava ainda grudado em mim, agora com uma mão segurando minha cintura. Esqueceram de me avisar que Robert era... funkeiro? Ou ele apenas era bom em tudo que fazia?
.
- Você sabe que depois que sair daqui o Tom vai querer te matar de novo, né?
.
Ele sorriu e mordeu a boca.
.
- Já estou no inferno, Kiki.
.
Eu amava o inferno, já disse? Eu desci até o chão quando a música mandou, me segurando nas pernas dele. Isso porque eu não estava bêbada! Eu juro! Ele me olhava com malícia quando subi de volta. Rob grudou mais para falar ao meu ouvido.
.
- O que foi aquele beijo?
.
Merda! Ele lembrava disso...
.
- Deu vontade.
.
Falei isso porque não me veio nada mais ridículo na mente. Deu vontade? Que imbecil.
.
- De beijar na boca, ou de me beijar na boca?
.
Senti a armadilha no ar.
.
- Não sei... talvez os dois...
.
Ele riu e passou a mão nos cabelos na mesma hora que eu passei nos meus.
.
- O que eu faço com você, Kiki?
.
Não faz, compra feito. Cala a boca, Kristen!
.
- Não sei...
.
Como eu não conseguia falar nada que prestasse?

A música acabou e começou outra, mais puxada para o rap.

- Robert!

Eu olhei junto com ele e vi um amigo dele o chamando lá perto do bar. Bar... ah não. Ele me olhou e sorriu.

- Depois eu volto...

Eu queria matar o retardado que o tirou dos meus braços. Bem, das minhas pernas para ser mais exata. Ele era tão gostoso dançando... calor infernal! Depois que ele saiu, as perguntas choveram em cima de mim.

- Gostosão, né?
- Caraaaaca, o que vocês conversaram?
- Ele tentou te beijar de novo?

Estava ficando era tonta com aquilo.

- Ok meninas, preciso ir no banheiro.
- Você acabou de sair de lá!
- Sim, mas eu fui me esconder. Dessa vez eu quero mijar mesmo.
- Credo Kristen, que palavriado...
- O que?

Mijar? Todo mundo mijava, eu hein. Ia falar o que? Vou fazer pipi? Ah...

- Nós vamos com você!

Não podia nem mijar sozinha?

- Não precisa gente... eu sei o caminho.
- Mas o Tom está ali. Quer encarar sozinha?
- Ok, vamos logo que estou me mijando.

Eu realmente não queria conversa com meu irmão essa noite. Ia demorar muito para eu desculpá-lo. Quando saí do banheiro, me separei delas.

- Vou pegar uma bebida, ok? Já encontro vocês.

Fui em direção ao bar e esbarrei sem querer em Robert. Eu juro que não tinha visto ele.

Música:
http://br.youtube.com/watch?v=gXSUMejljJg&feature=related
.
Ei! Quem tirou o pancadão e colocou funk meloso? Ele segurava uma cerveja na mão.
.
- Quer beber, Kiki?
.
- Sim... vim pegar alguma coisa.
.
Ele esticou a cerveja para mim.
.
- Quer? Pego outra.
.
Eu nem gostava muito de cerveja, preferia bebidas quentes, mas não ia perder a oportunidade de beber do mesmo gargalo que ele.
.
- Quero, claro!
.
Encostei o gargalo com vontade na boca e bebi. Ele tinha voltado ao balcão do bar para pegar outra. Escutei um plim na minha cabeça. Era a ficha que tinha caído só agora. Eu tinha beijado Robert Pattinson. OMG. Histerismo agora não, Kristen, se controla. Fiz cara de "estou numa boa" quando ele voltou. Dançando. Eu disse dançando, certo? Como ele fazia isso com a gente? Digo, a gente, porque nenhuma mulher ficava bem vendo essas coisas. Nós tínhamos muitos hormônios em ebulição!
.
- Sabe a letra?
.
- Não...
.
E eu lá sei letra de funk? Olha para minha cara. Nem português eu falava. Ele sorriu.
.
- Por que? Você sabe?
.
- Um pouco...
.
Por que ele estava sorrindo? O que dizia a música? Ele veio com a maldita perna para o meio das minhas. Ok, estava sendo forçada a dançar. Não que eu fosse reclamar. Robert pegou na minha cintura, me movimentando com ele. Assim eu estava prestes a desfalecer. Eu senti ele me empurrando devagar para um canto. Vou morrer. Robert me encostou na parede e colocou um braço ao lado do meu rosto, apoiando na parede.
.
- E aí? O que faço com você?
.
OMG. Pensa rápido.
.
- O que quiser.
.
Coisa de piriguete hein Kristen...
.
- O que eu quiser?
.
Ele sorriu e me beijou. Eu fiquei sem ar, mas correspondi rápido antes que ele mudasse de idéia. Senti o álcool no hálito dele.
.
- Rob, você está bêbado?
.
- Não. Ou sim, não sei. Importa?
.
Que se dane. Puxei ele pela nuca e invadi sua boca com minha língua, enquanto ele me imprensava na parede e passava a mão pela minha barriga.

Eu esqueci até quem eu era, estava desorientada com aquela boca me beijando. Wow, a mão dele era rápida, né? Já estava quase chegando no sutiã. Empurrei delicadamente aquela mão boba. Ele riu e me olhou.

- Ops.
- É... ops.
- Kiki, você tem que parar com essa mania de me agarrar!
- Eu?
- Shhh. Se eu disse que fui eu, Tom me mata!

Ele era incrível. Mas e dái, nem ligava em morrer se fosse por uma boa causa. Nota: "beijar Robert Pattinson É uma boa causa".

- Mas eu não deveria ter sacaneado meu melhor amigo...
- Bem, ainda tá em tempo de se arrepender.
- Você é absurda, Kiki.
- Você sempre usa as falas do Edward?

Ele riu sem-graça e bagunçou os cabelos.

- Esqueci que você é fã dele...

Música
http://br.youtube.com/watch?v=G5CWKxKMcLA
.
Ele estava sério me olhando.
.
- Você cresceu e virou uma gata, Kiki.
.
Ah não, essa música não podia tocar. Eu tinha surtos de choro e paixonite aguda quando eu a ouvia. Apenas olhei para baixo para não encará-lo. Senti sua mão passear na minha nuca, afastando meus cabelos.
.
- Está tudo bem?
.
- Sim.
.
- Parece que ficou triste...
.
- Não é nada, é só essa música que me deixa assim... melancólica.
.
Ele sorriu.
.
- Entendi. É daquelas músicas que a pessoa sempre lembra de alguém quando toca, certo?
.
- Certo.
.
- Quem é o ex?
.
- Não tenho ex, Rob.
.
Ele sorriu torto. Delícia.
.
- O que foi?
.
- Nada... vou ficar quieto. Ou você pode pensar que estou me achando.
.
Não entendi, mas deixei passar.
.
- Posso fazer o que a música pede?
.
Eu nem tive tempo de responder, pois ele já estava me beijando, brincando com minha língua e me dando o beijo mais molhado que eu já sonhei experimentar. Eu estava sonhando, não era possível que isso fosse mesmo verdade.
.
- Já volto, vou pegar bebida. Quer?
.
- Agora não.
.
Eu ainda estava com minha cerveja. Ele já tinha sugado a dele.

Eu estava no mesmo lugar que ele tinha me deixado, e olhava na direção do bar.

- Acho que temos que ter uma conversinha...

Então eu vi Tom na minha frente de cara fechada.

- Não agora, Tom.

Tentei sair mas ele bloqueou a passagem.

- Agora sim.
- Tem certeza, Tom?

Eu via a MCF chegar até nós, com seus óculos escuros. Tinham outras meninas que não estavam ali mais cedo. Fran, Kese, karina, Thami e Lia devem ter chegado depois.

- Oi Tom!
- Hey Tom...
- Nossa, Tom, está gato hoje hein...
- Tudo bem, Tom?

OMG, era muito bom. Ele perdeu totalmente a concentração em mim e fixou os olhos no grupo. Ele passava a mão na cabeça meio que sem reação.

- É... oi... gatas... tudo... bem?
- Melhor agora!
- Por que não deixa sua irmã e vem com a gente?
- Que tal dançar um pouco?
- Ou outra coisa...

Ele tinha um sorriso gigante no rosto de "ganhei na loteria".

- Depois... conversamos. Kiki.

Todo enrolado... Fiquei prendendo o riso até que ele estivesse longe de mim, no meio da pista de dança que nem joão-bobo, sem saber para onde olhar com a MCF dançando em volta dele. Uma delas olhou para mim e piscou. Lembraria de agradecer depois.

- O que é aquilo que estou vendo?

Ele voltou com cerveja na mão e rindo de Tom.

- É a MCF me ajudando...
- Ajudando?
- Melhor nem te contar.

Robert deu de ombros e deu um gole na garrafa, vindo me beijar geladinho depois. Eu nunca gostei tanto de cerveja na minha vida. Passei as mãos pelas suas costas e puxei-o para mim, que se desequilibrou e veio me esmagar na parede. Nem gostei.

- Ops.

Eu ri da cara dele de safado. Ah, Robert...

- Kiki, estou afim de ir embora.

Droga, justo quando estava ficando bom?

- Ok... a gente... se vê depois?

Ele sorriu.

- Você está se despedindo de mim?
- Não é para me despedir?

Robert se espremeu mais em mim e falou ao meu ouvido.

- Eu estou me referindo a ir embora com você.

Oh. Merda. Fudeu.

- Embora, tipo... agora?

Ele sorria para mim.

- Vamos? Acho que Tom está ocupado demais para ver.

Engoli seco. Ok, eu esperei por esse dia desde que fui concebida e virei feto. Mas não achei que fosse acontecer tão rápido. Eu estava nervosa.

- Ok. Podemos ir... quando quiser.

Ele deu mais um gole na garrafa e pegou minha mão.

- Que tal agora?

Fui puxada tão rápido que tropeçei num degrau e quase caí.

- Não morra agora, Kiki...

Claro que não! Fácil falar quando não se é uma virgem prestes a dar para o homem dos seus sonhos que parecia estar meio bêbado. Entramos no carro (me pergunto como Tom voltaria) e ele já veio me beijando. Sua mão percorria minha cintura e subia, subia, ei!

- Robert...
- Que?
- Mão boba...?

Ele riu e se ajeitou no banco, ligando o carro.

- Ok, vamos para casa.

Respirei fundo. Ok, vamos dar, Kristen.



<<< Capitulo 4                                                Capitulo 6 >>>

0 comentários :

Postar um comentário