ED - Capitulo 2

| Capítulo 2 |


Foi complicado fugir das perguntas de Kiara durante a noite. Ela queria saber a cor da tinta que eu estava usando para pintar meu cabelo. Adorou o meu novo tom de cobre! Bem, a marca da tinta é... Volturi. Foi o que disse para ela, que franziu a testa tentando lembrar dessa marca no mercado.

- Bem, é italiana, né? Não conheço mesmo!
- Um dia te apresento...

Virei de lado e fui fingir que estava dormindo, até ela se tocar e sai do quarto. Droga! Eu teria uma sombra agora? Passei a madrugada toda dentro do quarto, no computador, pois fiquei com medo de sair e a louca descobrir e querer vir atrás. No dia seguinte, ela estava lá na cozinha pipocando, me esperando para ir ao colégio.

- Vai estudar na minha escola?
- É a única da cidade!
- Ah.

Imaginem minha satisfação! Subi na picape e esperei por Kiara, que veio correndo de salto alto toda desajeitada com os livros que caíam de suas mãos. Eu mereço... Fiquei tentando descobrir em qual grupo ela se daria melhor. Óbvio, o das patricinhas. Ou não. Poderia ser o dos nerds também, já que ela tinha um entulho, algo como uma montanha de livros.

- Para que tudo isso?
- Sei lá...
- Hein?
- Nada não. Resolvi trazer os livros que usava no outro colégio...

Conversa com pessoas loucas em plena manhã não são aconselháveis. Ela foi cantarolando o hino dos EUA até o colégio e eu tenho certeza que decorei toas as notas musicais.

- Será que temos alguma matéria junto?
- Será?

Rezei para que não e me despedi dela, que foi andando em passos rápidos e curtos até a secretária. Eu já via o pessoal da ala masculina virar o rosto para olhá-la quando passava.
Ok, quem era a nova garota? E por que ela chegou junto de Bella? Gatinha... Desajeitada, mas gatinha... Olhei a enfezadinha mexendo no armário e fui até ela jogando todo o meu charme. Ela tinha coleção de casacos gigantes, ou era o mesmo de ontem?

Um braço encostou no meu armário e eu senti o cheiro do humano novo.

- Bom dia.

Senti sua respiração aumentar e ele limpar a garganta.

- Acho que começamos com o pé esquerdo. Edward Cullen.

Uma mão foi esticada para mim. E ele parecia não estar com pressa de sair dali. Saco. Estiquei a minha e cumprimentei.

- Isabella Swan.
- Muito prazer.
- Tchau.

Fechei o armário com força e dei as costas para ele, que segurou meu casaco. Amoleci meu corpo e deixei ele achar que era mais forte que eu. Tudo que eu não precisava era de suspeitas.

- Será que dá para ser um pouco menos grossa comigo?
- Eu sou grossa ou você é que é intrometido?
- Só estou tentando ser simpático.

Olhei em volta e vi que o pessoal já começava a se dispersar para entrar nas salas de aula. Levei uma mão ao seu peito e bati com suas costas no meu armário.

- Não... Você só está tentando ser social com a garota estranha.
- Credo, que bicho te mordeu?

Ela sorriu, como quem saboreasse aquela pergunta e me soltou, dando dois tapinhas no meu peito.

- Tenho certeza que você não vai querer saber.
Deixei o chato ali e fui para minha sala. Eu estala lá concentrada na matéria sendo explicada no quadro, quando noto um rosto no vidro da porta. Tinha uma cara sorridente e me dando tchau ali. OMG. Kiara. Ela não se contentou enquanto eu não acenei também. Quando ela saiu e olhei em volta, a sala inteira me olhava. Malditos. Eu estava com medo desse momento. O momento do intervalo. Fui me arrastando para debaixo da minha árvora e fiquei. Quando olhei para a frente, vi o curioso vindo na minha direção. Era só o que me faltava... Ele não cansa, não é?

- Oi.
- Sério, qual o seu problema? Você é surdo?
- Tudo bem?

Vou vencer pelo cansaço! Mesa dos nerds é que eu não posso enfrentar! Eu não a via direito, mas podia dizer que estava de cara emburrada por minha presença ali Sentei confortável na sua frente e apoiei as mãos no chão atrás do corpo, me esticando um pouco.

- Nós podemos fazer do jeito fácil ou do difícil. E o difícil, sou eu atazanando a sua vida e te seguindo por todos os cantos. Qual você prefere?
- O que você quer comigo?

A sua voz saiu áspera e eu parecia ter ouvido um tipo de rosnado, sei lá. Ela parecia estar com bastante raiva de mim. Uma bola caiu no meu colo e eu olhei o pessoal lá na mesa, rindo. Bella pegou a bola do meu colo e jogou de volta. OMG. Que força!

Ele me olhou espantado quando eu quase acertei Jake na cabeça. Bem, era para acertar... EU quem desviei a bola nos últimos segundos... Não era legal tragédia no colégio.

- Como fez isso? Você joga?
- Não.
- Você é forte!
- Imprensão sua. Sou magra como uma garça!

Sua sobrancelha se arqueou e eu podia dizer que ele era mesmo muito bonito. Entendia porque as garotas do colégio arfavam quando ele passava... E porque elas agora me olhavam com raiva.
Ele se inclinou na minha direção e eu pude sentir o cheiro doce do seu sangue. Bom demais.

- Por que você se esconde nesse casaco?
- Porque eu gosto. E você ainda não respondeu o que quer comigo.
- Te conhecer e mais nada. Talvez tentar fazer você trocar de roupa...
- Por que não tenta conhecer alguma das garotas daquela mesa ali?
- Porque elas são fúteis.

Edward respondeu rápido, sem nem pensar e sorriu. Sorriso lindo...

- Vai me dar a chance de te conhecer?
- Já estou te dando a chance de falar comigo. Não peça mais que isso.

Ele devia achar que eu estava brincando e era apenas mais uma garota filhinha de papai que gostava de fazer pirraça, pois ria da minha cara agora. Achei estranho quando ele se aproximou mais do meu rosto e trouxe um dedo até meu queixo. Fiquei imóvel com seu toque e esperei. Ele afastou-se então e sorriu simpático.

- Tinha uma folha grudada...

Tinha uma figura... Ok, tinha uma Kiara chegando perto de nós. Quando Edward virou para olhá-la, ela parou e sorriu como se... fizesse questão de mostrar todos os dentes da boca.

- Não me viram aqui... Continuem... Tão lindinhos juntos...

Ela foi andando de costas até estar bem longe e voltar para dentro do colégio. Ele riu e apontou para sua direção.

- O que foi aquilo?
- Minha prima.
- Prima? Beleza é de família então? Sério, porque eu tenho muita curiosidade em te ver direito.
- Sou branca, cabelos castanhos acobreados e olhos castanhos. Simples, normal e natural. Nada em mim te atrairia.
- Ok... Isso é o que eu chamo de tática de afastamento! Eu poderia comprovar se isso tudo é verdade, se você tirasse o capuz.
- E eu poderia arrancar sua cabeça. Estou fazendo isso? Não, né?
Ele engoliu seco. Bom. E se afastou sério. Melhor ainda. Aproveitei que o sinal tocou e me levantei, mais rápido que ele, inclusive, que me olhou espantado.

- Bem, caso queira me ver depois... Estarei na piscina treinando.
- E vou perder meu tempo para...?
- Esse jeitinho de turrona na verdade, esconde uma garota tímida, sabia?
- Jura?

Ele sorriu, um sorriso meio torto no rosto e jogou a mochila nas costas, indo na direção do prédio. Eu podia dizer que ele tinha uma bunda gostosa. Bem, seu corpo era legal. Quando minhas aulas terminaram e eu estava andando pelo corredor, ouvi Jake e mais outro falando sobre o treino de pólo aquático que teria agora e lembrei de Edward falando para eu ir lá. Ele devia se achar mesmo, não é?

- Oi prima!

Kiara chegou por trás de mim e agarrou meu braço, me puxando em direção contrária a que eu ia.

- Onde está me levando, Kiara?
- Vou te mostrar umas coisas lindas...
- Hein?

E quando percebi, estávamos entrando no ginásio onde ficava a piscina. OMG. Eu nunca nem tinha entrado naquele lugar.

- Me solta, sua louca!
- Shhh. Vamos sentar lá em cima...
- O que está fazendo, Kiara?

Ela sentou e me puxou junto com toda a sua força ridícula de formiga.

- Está vendo aquele carinha ali? Eu quero ele!

Mentira que ela estava afim logo de Jake? Suspirei e apoiei meu rosto nas mãos, tentando esquecer que estava realmente ali. Jake se sacudia todo lá embaixo, se achando gostoso numa sunga vermelha.

- Mas prima... Vou te contar hein... Que carinha gostoso você está pegando!
- Não estou pegando ninguém.
- Nem aquele ali?

Ela me apontou e eu vi Edward saindo dos vestiário, de sunga branca, se alongando. Ok, ele era gato. Muito. Mas e daí?
Quando ele começou a se aquecer, deu uma olhada rápida pelas arquibancadas, passou os olhos por mim e depois voltou eles novamente para onde eu estava. Vi um sorriso torto no seu rosto e notei que ele estava vindo para cá.

- Droga! Por que você me arrastou para cá, Kiara?
- Olá senhoritas.

Ele beijou a mão de Kiara e ganhou a torcida dela só com esse gesto. Então esticou a mão para esperando pela minha, que eu nem movi. Ele fechou a cara e revirou os olhos, olhando para Kiara.

- Sua amiga é sempre complicada assim, ou é só comigo?
- Nós somos primas! E eu acho que a implicância é contigo mesmo...

Eu poderia dar um peteleco nela, e ela cairia lá embaixo na piscina, mas respirei fundo e contei até dez.

- Cullen!

O treinador gritou lá debaixo para ele, que olhou rápido naquela direção e se endireitou.

- Eu sou insistente, Bella. Vou te vencer pelo cansaço.

Levei um susto quando ele fez um gesto rápido e beijou meu rosto, por cima do capuz mesmo. Edward riu e desceu correndo os degraus, parando na frente do técnico. Eu aproveitei que Kiara estava babando por Jake e me levantei logo, sem dar chances a ela me puxar de volta.

- Tchau Bella!

Antes de eu alcançar a porta, Edward gritou lá da piscina e fez todo mundo parar para me olhar. Saco! Eu vou matar Edward Cullen.
- Ok, Kiara, não faça mais isso! Não fique me levando para lugares que eu não quero!
- Calma... tudo bem...

Ela fez cara de choro e entrou na biblioteca. Eu me mandei logo de lá e fui para casa, escutar música no último volume, com o intuito de tirar Edward da minha cabeça. Sujeitinho mais mitido. Estava me olhando no espelho, pensando em pintar as pontas dos cabelos de preto (N/A: né Fran?) quando meu celular tocou uma música do Marilyn Manson. Olhei o número que não conhecia e abaixei o som do quarto.

- Alô.
- Bella?
- Ela.
- Não sabe mesmo quem está falando?

Aquela voz agora entrou profundamente no meu tímpano e eu pude prestar atenção no seu timbre. Era Edward. A raiva tomou conta de mim.

- Como conseguiu meu número?
- Tive ajuda...

Kiara! Ela era a culpada e estava começando a me estressar. Iria brincar de tiro ao alvo com ela, sendo ela o alvo, e meus dentes, o tiro. Ele riu do outro lado da linha, o que me deu mais raiva ainda.

- Gente, você é dura na queda, né?
- O que você quer?
- Sair contigo.
- Claro.

Desliguei na cara dele e suspirei. Que inferno de vida! Nem ficar em paz e morrer solteira eu podia tentar? O aparelho tocou de novo e só me irritou mais ainda.

- Droga! Me esquece garoto!
- Não. Faz assim... Você se veste e vem aqui até a porta, que tal?
- O que?

Corri até a janela do meu quarto e vi o Volvo ridículo parado lá embaixo, com Edward encostado nele.
Saco! O que ele estava fazendo aqui? Além de ter dado meu telefone a ele, Kiara também deu meu endereço? Eu mato! Bati a porta do quarto furiosa e estava descendo as escadas, quando lembrei que estava de rosto descoberto. Voltei no quarto e vesti meu casaco. Quando abri a porta ele estava lá com aquele sorrisinho patético e extremamente irritante.

- Late!
- Sou gato, não cão.
- O que você quer?

Ela parou na minha frente e cruzou os braços, demonstrando estar levemente desconfortável. Eu queria arrancar aquela droga de capuz dela! Levantei a mão para fazer isso e levei um tapa tão forte que quase quebrei meus dedos.

- Você está me fazendo perder tempo.
- Não pode sair comigo?
- Olha bem para minha cara e vê se eu quero sair contigo.

Ela era teimosa demais e a mais difícil que eu já vi. Isso só aumentava o gostinho do jogo. Abri a porta do carro e peguei a caixa, entregando a ela.

- O que é isso?
- Bombons... Para adoçar seu dia.

Bella pegou a caixa e abriu. Ganhei fácil essa. Ou não... Já que ela sacudiu a caixa de cabeça para baixo, jogando os bombons suíços no chão. Eu estava pasmo com aquela atitude! Ela não era teimosa... Ela era selvagem!
Tentativa de me comprar com chocolate? Brincadeira, né? Me dá bolsas de sangue que aceito sair com você, imbecil! Ele me olhava surpreso, provavelmente tinha achado que eu ia sorrir e agradecer os bombons.

- E então? Vai me olhar com essa por quanto tempo?
- Ok, não gosta de chocolate então?
- Odeio.
- Talvez... flores?
- Odeio.
- Roupas?
- Vê como me visto com glamour?

Ele fechou a cara e quase ouvi um rosnado. De que? De gatinho? Só se fosse...

- Bella, eu estou tentando...
- E não está conseguindo.
- Pode me dar uma chance de ter uma conversa normal contigo?
- Não.

Eu vou desistir dessa palhaçada! Prefiro a mesa dos nerds por um ano do que aguentar essa... selvagem por mais 10 minutos. Virei de costas e dei a volta no carro.

- Passar bem, Isabella.
- Vai pela sombra.

Irônica!

Ele saiu fora do meu território e eu entrei de novo em casa. Quando estava chegando no meu quarto, ouvi a porta de casa batendo e o cheirinho da minha prima linda lá embaixo.

- Bella?

Eu desci e parei em um degrau, encarando ela.

- Nunca mais ouse dar alguma informação sobre mim para um estranho, ok?
- O-ok.
Ela falou com cara de sonsa e andou devagar até a cozinha, me olhando assustada lá de baixo. Saco! Não posso matar, né? Me tranquei no quarto e voltei a aumentar o som. Essa noite eu teria que sair para caçar, pois estava subindo pelas paredes já... E o sangue de Kiara impregnado naquela casa estava me causando vertigens. Dessa vez eu não estava com disposição para ir a Port Angeles, então fiquei pela cidade mesmo. Depois de me alimentar, eu ainda dei uma volta pelas ruas antes de voltar para casa e acabei vendo Edward saindo de uma lojinha de posto, com cerveja nas mãos e uma loira nos braços. Ele era rápido mesmo, não? Voltei para casa e esperei amanhecer.

- Bom dia filha.

Meu pai cismava em agir que nem humano... Impressionante. Passei direto por ele e sentei na mesa, para fazer vista à Kiara. Ela estava sorridente comendo suas panquecas enquanto se lambuzava de leite.

- Animada hoje, prima?
- Para que exatamente?

Ela deu de ombros, se concentrando na panqueca.

- Só por ser um novo dia lindo e brilhante!

OMG. Eu tinha parentes loucos. Me levantei e peguei a chave do carro.

- Estou indo, pai.
- Me espera! Eu vou contigo!

A elétrica correu atrás de mim, gritando de boca cheia. Podia se engasgar com a comida, né?
- Poxa prima, você podia me ajudar com o Jacob, né?

Ela faava enquanto esfregava as mãos com frio. Nem fiz questão de ligar o aquecedor da picape. Sofra!

- Afinal, você já conhece todo mundo lá...
- Não me dou com ninguém, Kiara.
- Claro! Você é meio raivosa, não acha? Eu vi que não deu muita trela para o Edward coitado...

Meu Deus, ela não para de falar! Dei uma freiada brusca quando chegamos no estacionamento e por pouco ela não foi de cara no vidro. Eu quis rir, mas falei super séria.

- Use o cinto da próxima vez, ok?

Desci do carro e bati a porta, dando de cara com Edward saindo do seu Volvo estúpido. Ele me olhou sério e virou de costas. Ainda bem que se tocou!

- Edward!

A loira com quem eu o vi de madrugada chamou ele lá perto das escadas e ele foi, jogando a chave para o alto e pegando-a no ar. Qualquer imbecil faz isso. Eu faço de olhos fechados. Opa. Tive uma idéia genial. Esperei ele jogar a chave para o alto de novo, e zuni ela na cara da garota. Ops. Foi mal.

- Edward! Seu... seu... imbecil!

Ele ficou parado olhando para a chave no chão, enquanto a garota dava um ataque e saía dali batendo pé.

- Que falta de educação, Edward.

Eu alfinetei quando passei por ele.
Meu dia foi super feliz só pelo bem que me fez a brincadeirinha com Edward. Eu podia imaginar a cara dele até agora de "o que houve?". Na hora do intervalo, eu estava indo em direção à minha árvore, quando notei o intruso sentado embaixo dela.

- Oi.
- Sério, você não cansa?
- Não.

Ela suspirou e sentou na minha frente, de cabeça baixa. Bella tirou um livro da mochila e folheou, voltando a me olhar.

- Se eu sair com você, me deixará em paz depois?
- Não, claro que não. Se eu sair contigo, vou querer sair de novo. E de novo.
- Nada feito então.
- Ok.

Desviei meus olhos dela e fingi me preocupar com outras coisas, mas sentia seus olhos em cima de mim ainda.

- Maldição! Esteja lá em casa às 18hs.

Ele não ia mesmo desistir e minha vida já estava virando um inferno. Achei melhor sair com ele e tornar esse o pior encontro da sua vida. Assim ele desistiria. Né? Mas agora ele sorria vitorioso para mim, passando a língua pelos lábios.

- Não quero que você use capuz.
- Você não está em condições de pedir nada.

Edward revirou os olhos e encostou a cabeça na árvore.

0 comentários :

Postar um comentário