DPOP - Capitulo 7

- Então como é sua familia. – essa pergunta me pegou desprevenido. Nunca tinha falado sobre a minha familia com ninguém. Era uma coisa muito pessoal, claro que não tínhamos problemas. Éramos normais. Uma familia feliz. Que eu nunca vi a necessidade de compartilhar com ninguém o quanto somos felizes a nossa maneira. – e então? Não quer falar eu entendo...

- Não tudo bem. É só que, eu nunca falei da minha familia com ninguém. É a primeira vez que vou fazer isso. Bem eu tenho 2 irmãos um mais velho. Emmett o palhaço da familia. Ele é brincalhão ele tem 30 anos nasceu um ano depois que meus pais se casaram. E tem Alice que é a chaveirinho da familia e particularmente minha favorita. Meus pais são ótimos, nunca faltaram quando precisávamos deles. Meu pai mesmo sendo um médico muito requisitado sempre esteve lá para nos apoiar. Eu amo muito minha familia. Tanto que chega ao egoísmo em não querer compartilhar com ninguém. Eu e Emmett assustamos uma vez um namoradinho da Alice, ela ficou maluca!

- Isso foi maldade, Edward. Coitada da menina.

- Mais e você? Como é sua familia?

- Minha familia, hum... Eu e meus pais separados. – ela ria. Uma gargalhada deliciosa que aprendi a amar desde o começo. - meus pais se separaram quando eu era criança, eu fiquei com a minha mãe. Depois fui morar com meu pai. Quando minha mãe se casou e aí meu pai casou novamente e eu ganhei um irmão. Seth filho da nova mulher do meu pai. Ele é muito fofo, o amo muito apesar dele não ser meu irmão de verdade. Minha mãe é louca. Meu pai é louco e saiu eu. A certinha da familia.

- Ah claro, a certinha! – ironizei. Acho que meu irmão vai ter uma sincope quando descobrir você. Eu posso sentir que ele irá acabar comigo com suas piadinhas. Nos poderíamos passar um tempo com meus pais o que você acha. Um final de semana em Forks. E as paredes de vidro da casa dos meus pais vão dar um belo pornozão. O que você acha?

- Conhecer seus pais. – ela hesitou. – não sei, acho que não estou... - acho que a ficha caiu. – espera. Você disse paredes de vidro, pornozão? Edward o que você pretende fazer? – se ela realmente soubesse.

- Relaxa, não é como se meu pai fosse o Conde Drácula e minha mãe a Mina eles não vão te morder. No máximo Emmett pegará no seu pé e Alice irá fazer você de boneca. E quanto ao pornozão podemos providenciar. Emmett tinha uma câmera de vídeo da idade da pedra.

- Idade da pedra?

- É era uma JVC do tempo de Cristo. Nossos vídeos de infância eram gravados nela.- eu estava realmente sendo muito sincero. Me abrindo com ela. Era uma situação extremamente confortável. – porém se você quiser eu posso providenciar uma câmera de ultima geração HD e todas as frescuras para que nosso filme bombe no mundo do entretenimento do sexo. – pela cara dela eu só tinha segundos para explodir numa gargalhada.

- Muito engraçado Edward Cullen!

- Amorzinho, você não disse que foi excitante gozar na frente de 400 pessoas. Pense o mundo vendo você gozar será mais excitante ainda. – provocava cada vez mais, entre os risos.

- Se for assim te convido para uma festa no Missouri, lá tudo é liberado. Barcos e pessoas fazendo sexo. Vouyers – que lado é esse dela? Isso me interessa. O lado nada santo de Isabella Swan. – e olha lá tem uma coisa que diz que “quanto maior o barco, menor o pênis” Edward. Sinto muito. Você já perdeu. – ela olhou para o iate e depois para mim.

- Espera um momento. Isabella Swan onde foi que você aprendeu isso. Até poucos dias atrás você nunca tinha gozado. Agora conhece até festas libera geral? – fiquei chocado.- e que historia é essa de pênis pequeno?

- Eu li em uma revista, quando era adolescente. Burro! – ah não burro não. – e bem pequeno. Humm... mixária.

- Burro, não é? – me levantei. - vejamos quem é burro. E mixaria. – a peguei no colo. – espero que saiba nadar. – corri pelo barco.

- Não Edward, não!

Estávamos no mar. Fim de tarde e ela ainda não tinha se decidido sobre passar o final de semana com a minha familia. Claro que havia muito tempo que eu não os via. Alem da distancia os horários da minha agenda não me ajudavam. Mais tudo mudou desde que Bella entrou em minha vida. Agora meus horários batiam com o que ela queria. E eu também precisava de descanso. Com Bella só tinha um jeito de convencê-la. Cheguei perto dela levando para o lado onde o barco fazia sombra para que pudesse aplicar o golpe do beicinho. Assim como ela fazia comigo, minha mãe me dizia que eu era craque nisso. Que sempre fui sem-vergonha.

- Então, vamos passar um final de semana em Forks. Por favor! Por favor! Por favor!? – ela me olhava com um sorriso no rosto antes de gargalhar. Aparentemente estava surtindo efeito. Vamos Bella, eu juro que não vou fazer nada que você não queira. – só vou te atacar no meu quarto a noite. Mais nada que você não queira também. Completei mentalmente. – meus pais vão adorar você. – fiz meu melhor beicinho. Então vamos.

- Ah ta bom, eu vou!

Era tudo que eu queria, um final de semana longe de tudo. Com ela mais uma vez. E para combinar meus pais e irmãos. Como será que minha mãe vai reagir à nova “nora” dela. Apesar de todo o envolvimento de minha parte nessa relação a palavra nora sempre seria entre aspas. Estávamos um um relacionamento aberto apesar do ciúme explicito da parte dela. Porem ela nunca deixou transparecer querer algo serio comigo e como bom orgulhoso eu não daria meu braço a torcer. Bella agarrou meu pescoço se aproximando de mim colocando sua cabeça no meu ombro.

- Está cansada? – perguntei agarrando suas pernas e me preparando para levá-la ao barco novamente.

- Não, eu quero outra coisa.

- E o que você quer. Me diz. – faço tudo que você quiser e mais um pouco.

- Eu quero fazer amor com você aqui. – já estávamos nus mesmo era tudo uma questão de encaxe. – você vai me fazer gozar pela quinta vez? E então só faltaram 195 orgasmos. Que você vai ter que cumprir ao longo da vida, pois o dia está acabando.

- Nada que vários dias, não possam resolver minha dívida gatinha.

Beijei sua boca saboreando seu gosto junto com o gosto salgado do mar em sua pele. Levantando um pouco mais para me encaixar nela. Como sempre Bella me recebia da melhor forma me abrigando em seu corpo quente. Encostei-a no barco para estocando devagar sentindo sua pele escorregadia e molhada. Nossos beijos, cada vez melhores. Estocava aumentando o ritmo. Conforme o mar deixava, eu aproveitava a sensação do mar gelado contra a minha pele quente. Que implorava por alivio não só minha pele como meu corpo. Bella gemia e mordia minha orelha com força pedindo para ir cada vez mais rápido. Os únicos sons eram nossos gemidos. As ondas. E o som que as costas de Bella fazia ao se chocar contra o barco. Os últimos raios de sol iluminando nosso ato e aquecendo ainda mais nossas peles.

Bella saiu dos meus braços, nadando até a escada do barco. Subindo me dando a visão privilegiada de seu traseiro. Me olhando com luxuria e se deitando na ponta a minha espera, segui o mesmo trajeto. Subindo pela mesma escada contemplando a visão de seu corpo. Ainda na escada, acariciei seu corpo, e por onde minha mão deixava seu rastro. Minha boca seguia o mesmo caminho causando fogo, entre nós dois. Fui de sua barriga até sua boca, devagar apreciando o momento. Subindo o que faltava da escada para me posicionar entre suas pernas e continuar de onde havíamos parado no mar.

- Agora aqui sem a interferência do mar. Me faz sua, do jeito que eu gosto. – gemi com suas palavras.

- E como você gosta?

- Forte. – olhava-me nos olhos. – Edward, quero que nossos corpos se tornem um só.

Me laçou com suas pernas pegando meu membro em suas mãos e posicionando em sua abertura quente. Quando estava onde ela queria. Ela mesma terminou o serviço me apertando em seu corpo. Abraçando-me com suas pernas eu não me fiz de rogado. De mim ela teria tudo. O mundo se pudesse dar a ela. Bombando selvagemente causando novamente o barulho de suas costas contra o chão do barco. Se iria doer depois. Valeria cada momento.

- Edward, mais rápido. Mais forte.

Continuei com ajuda de suas pernas, mordendo seus ombros e pegando seus seios com minha mão livre. Enquanto a outra me apoiava para não esmagar seu corpo. Seus gemidos se tornando cada vez mais alto, sinal de que seu orgasmo estava próximo assim como o meu. E com a última estocada em seu corpo junto com o ultimo raio de sol. Bella gozou pela quinta vez naquele dia. E eu fui ao ápice logo depois. Eu estava pateticamente, ridiculamente apaixonado.

Aguardem... em breve uma nova posição!

0 comentários :

Postar um comentário