DPOP - Capitulo 5

Ela deitada em meus braços com suas costas apoiada em meu peito brincando com os pelôs do meu braço. O que eu faria agora, eu estava me perdendo cada vez mais apaixonado e ela não demonstrava sentimento algum. Além do prazer que eu a proporcionava.

- Então, o que você costuma fazer no seu tempo livre? – eu queria descobrir cada detalhe dela. E eu me odiava por estar me entregando.

- Eu me masturbava, por quê? – ela começou a gargalhar. – não! To brincando, eu saio com minhas amigas, quando tinha namorado costumava ficar com ele. Isso quando ele me dava atenção. - eu conseguiria ser sincero com ela. Sim eu conseguiria. – eu gosto muito de cinema, não há nenhuma dessas posições que dê para fazer no cinema.

- Nossa você é muito safada hein, depois vemos isso. – eu precisava saber se teria alguma chance com ela. – então o que você acha de mim, disso tudo, de nós?

- Nós? – agora fudeu. Ela se levantou e sentou na cama tão rápido que eu pensei que ela fosse um daqueles vampiros daquele filmezinho de quinta. (N/A: É só zuação gente eu amo muito a saga, mais o James correndo em Crepúsculo, parecia uma gazela)

- Sim, nós. Eu quero saber o que te fez mudar de idéia tão rápido. Porque um minuto você tinha surtado e no outro estava querendo meus serviços.

- Seus serviços? – ela ergueu uma sombrancelha. – não sabia que tinha deixado de ser o médico, para ser michê Edward. Mais já que perguntou, olha sinto muito pedirei ao meu plano de saúde não te pagar. Francamente ta muito fraco esse serviço. De quinta.

- Nossa de quinta!? – comecei a rir.

- Sim de quinta, olha isso. – pegou um dos meus braços. – nossa parece um frango, e isso. – apontou para meu abdômen. – nossa ta muito fraco, você precisa malhar mais. Até meu ex-namorado tem um tanquinho melhor que o seu. – agora ela pegou pesado.

E com certeza pela minha cara ela sabia o quanto tinha ido longe. Eu sou um burro em demonstrar minhas reações assim tão explicitamente, levantei caminhando para o banheiro depois que amarrei a cara para ela.

- Edward que foi? eu to brincando. Volta aqui.

Não queria voltar primeiro porque eu realmente estava magoado porque é um inferno tudo que eu estou sentindo. E ver ela não sentir o mesmo, ela não demonstra absolutamente nada. Nem um pingo de carinho por mim, e eu babando feito um idiota. Não me importei em trancar a porta. Achei que ela não iria vir olhar mesmo. O que o ex dela tem que eu não tenho. Eu não poderia ser tão frango assim. Fiquei ali olhando no espelho levantando os braços e olhando meu abdômen, quando escuto uma risada.

- Eu não acredito que você veio fazer isso. – acho que após anos corei feito um louco. Só ficava dessa cor quando minha mãe me pegava roubando os biscoitos. Agora com ela. – Edward eu tava brincando você é perfeito.

Eu sorri para ela vendo seu reflexo no espelho, ela veio até a mim me abraçando pelas costas e passando a mão no meu abdômen.

- Eu gosto do seu tanquinho tava brincando. Eu juro.

Puxei sua mão, e notei pela primeira vez que ela ainda usava aliança? Que porra é essa? Era agora que eu mandaria o mané para o espaço e ficaria com ela pra mim sem a sombra dele.

- Porque você ainda usa o anel de compromisso?

- Que anel de compromisso? – ela respondeu atordoada. – eu não tinha como saber qual foi sua expressão.

- Você ainda gosta dele não é? – eu precisava saber, iria doer como doía cada vez que eu pensava que no final ela iria me deixar, então eu iria dar minha cara à tapa agora. – você não tem que esconder sabe. Afinal sou seu médico ainda.

- Eu não gosto dele. Não mais, se é que um dia eu gostei. – isso me fez sorrir. – e para de dizer que você é meu médico. Isso é constrangedor até parece que eu fui ao seu consultório apenas para arranjar sexo, não foi isso. E respondendo sua pergunta de pouco tempo atrás. Eu acho isso tudo muito louco, mais é uma loucura maravilhosa Edward. Veja eu pelo menos descobri que consigo ter orgasmos. Mesmo que seja só com você.

A puxei para minha frente subindo-a e sentando ela na pia.

- Olha para mim, isso não tem que terminar se você não quiser. Podemos tentar um relacionamento aberto. O que você acha? Sem pressão, então o que me diz?

- Sim, por mim. Tudo bem. – seus olhos brilharam. E eu não sabia se era pelo que tinha proposto ou não. Essa falta de resposta sobre os sentimentos dela sobre mim me deixava louco. Mais eu iria mudar esse relacionamento aos poucos, eu iria fazer ela se apaixonar por mim.

- Então agora estamos num relacionamento. – não pude deixar de sorrir. – agora vamos dormir eu tenho meu trabalho amanhã.

- Estou começando a cogitar de me retirar desse relacionamento, serio que você quer dormir? Só porque tem trabalho amanha?

- Você é tarada. Não vai trabalhar amanhã?

- Claro que vou só que entro mais tarde.

- Claro, você tem uma profissão bem mais folgada que a minha. E eu também tenho uma viagem para fazer, preciso agora me desdobrar em vários. Entre você, meu consultório e meus compromissos.

- Viajar? Vai ficar fora muito tempo? – ela fez biquinho. – vou sentir sua falta.

- Não irá sentir se for comigo. Você pode pedir uma folga no trabalho e ir comigo oras, um fim de semana em L.A. o que acho não vou trabalhar o tempo todo e podemos ficar juntos.

- Quando você vai?

- Final de semana, ficarei até segunda em L.A. depois eu volto.

- Hum... eu vou com você.

Eu estava nas nuvens, eu estava era bem idiota também. Homem apaixonado é burro, eu fiquei imaginando minhas ex-amantes me vendo nesse estado. Todos os dias eu ligava para Bella e planejava como seria essa viagem a L.A eu estava ansioso para vê-la desde o episódio do Motel quando decidir investir realmente nessa relação doida, que começou como um tratamento. Não a vi, era loucura sentir tanta saudade em 3 dias? O dia da viagem chegou eu estava ansioso esperando Bella no aeroporto. Ao vê-la não pude deixar de sorrir ela estava lindo e sorridente. Peguei sua mão depositando um beijo carinhoso.

- Pronta para sexo selvagem no banheiro do avião? – fiz uma cara maliciosa.

- Edward! – olhou para os lados e ficou extremamente vermelha.

- Nooossa você, vermelha? Isso sim é um milagre.

2 horas e meia depois...

- Como assim Ana, como não poderá vir. Eu preciso de você para me auxiliar.

- Aconteceu alguma coisa? – Bella perguntou enquanto colocava as malas no carro.

- Sim, minha assistente não virá. Não tenho como arrumar meus horários, saber quando e como e onde devo estar. – fiquei muito irritado com esse contra tempo. Não teria tempo para curtir ela.

- Relaxa eu te ajudo, vamos logo.

- O que temos aqui, vejamos... – ela começou a gargalhar com o tema da minha palestra. – Os 300 orgasmos diários de uma mulher. Que isso? É possível. – falava sem fôlego por conta das risadas.

- Sim, isso se chama Síndrome da Excitação Sexual Permanente. É raro mais acaba acontecendo. Tem uma britânica que ficou famosa por ter essa doença.

- Sabe isso não é muito justo. Eu rezo para ter um tem gente que tem 100 por dia. Ou melhor 300.

- Você quer ter 100 orgasmos? Vem aqui eu lhe darei os 100 orgamos. – 100 ainda seriam poucos.

- Não mesmo. Temos que passar sua agenda. Você tem entrevistas, na parte da manhã e a palestra depois do almoço e o resto do sábado e domingo livre.- ela olhou com os olhos brilhando para mim. - Muito interessante essa parte livre. – mal sabia que eu já tinha programado tudo. - o que faremos?

As entrevistas naquela manhã foram extremamente chatas. Sei que preciso divulgar meu trabalho é uma forma de ajudar muitas pessoas, mesmo assim é um pouco chato à tarde pedi que Bella me acompanhasse para a palestra. Quando cheguei ao centro de convenções nada muito novo. As mesmas senhoras que tem tesão por mim de sempre. Querendo uma noite comigo, Bella logo fechou a cara com o assédio que eu estava sofrendo. O que eu posso fazer? Eu sou gostoso e ela bem sabe disso. (N/A: Edward, um poço de HUMILDADE mais ele pode, isso não podemos negar.)

- Senhoras e Senhores. Hoje irei falar de um assunto que despertou a curiosidade de muitas mulheres. Síndrome da Excitação Sexual Permanente é uma doença onde fluxo sanguíneo é maior nos órgãos sexuais. Causando assim um aumento considerável de orgasmos por dia. Acredita-se que seja causado por uma infecção na região pélvica que estimula os nervos do clitóris. Médicos afirmam que quem sofre desse tipo de doença é causado tanto fisicamente, quanto psicologicamente. E precisa de ajuda medica. Alguém aqui por acaso possui essa doença?

- Eu! – eu não acredito que ela vai fazer isso comigo. – eu tenho, quer dizer não exatamente essa doença, mais já que é uma coisa física e psicológica. – todo o salão virou para olhar para a Bella.

- Qual seu nome Srta. – eu ainda teria que manter minha posição de médico sério. – e seu problema.

- Isabella. Eu não tenho orgasmos o tanto que eu gostaria. – inacreditável porque a maioria nos viu chegar juntos. Adeus minha reputação. – meus namorados, ao contrario dessa britânica que tem 200 orgasmos por dia, me deixou na mão. Eu sou uma frigida. – falava com falsa cara de tristeza. – eu até já tentei o Kama Sutra, mais definitivamente não está dando certo. – e nessa hora cuspi toda a água que estava bebendo e só não cai da cadeira porque algo naquele momento me amparou. Encarei-a para ter como retorno um sorriso cínico da parte dela. Me recompus, estava na hora da revanche.

- Srta. Isabella pode vir aqui por favor. Eu explicarei o que lhe acontece e a muita aqui também que não tiveram a coragem de expor seus problemas sexuais. Senhoras tomem isso como um belo exemplo. Sejam abertas e sinceras com seus médicos, parceiros e afins.

Bella subiu no palco e eu sabia exatamente o que faria. Se ela iria ficar com raiva depois, eu não sei. Mais contornaria a situação de um jeito ou de outro.

- Sente-se aqui. Por favor – Bella me olhou divertida, levei minha mão até a parte de trás da caixinha do microfone e desliguei por alguns segundos. Só para dar um aviso a ela. Cheguei perto de seu ouvido e sussurrei com malicia e maldade em minha voz. – você quer ter 200 orgasmos, pois comece a contar. Pois terá o primeiro do dia aqui. – religuei o microfone como se nada tivesse acontecido para dar continuidade a palestra. E com ajuda de Buda eu teria a maior concentração para não ter uma ereção e acabar pegando Bella na frente de senhoras de meia idade que freqüentam minhas palestras.

- Uma mulher tem que conhecer seu corpo. Saber aquilo que lhe dar prazer, nunca depender somente do parceiro. Agora senhorita, peço que relaxe. Mostrarei a todos o que é conhecer o próprio corpo.

Posicionei minha mão sobre a de Bella e agora ela via o que eu realmente iria fazer. Pude ver medo, luxuria em seus olhos. Eu não iria recuar ajolheu Bella. Agora reze e reze alto. Para que Deus ouça suas preces e deixe você viva depois disso. Eu estava nas costas pedindo para não acontecer uma situação desconfortável com minhas calças meu terno não iria cobrir minha ereção o que causaria um alvoroço entre as mulheres. Pelo menos elas teriam o que pensar enquanto estivessem com seus parceiros.

Deslizei minha mão sobre a de Bella – senhoras para conhecer o corpo. E preciso paciência, usem suas mãos, óleos, cremes. E se toquem. Os pontos erógenos de uma mulher são muitos. Porem os mais conhecidos são: Orelha, Língua, Mãos, Auréola, Parte interna da coxa, Pés, Nuca e por ultimo e muito importante Clitóris. Aos senhores e acompanhantes que vieram assistir a palestra peço que prestem bastante atenção ao que irei explicar agora. - aproveitando que estava nas costas de Bella posicionando o que logo viraria uma tremenda ereção resolvi começar pela orelha.

- Orelhas tem suas sensibilidade aumentada no ato sexual, por isso usar a boca nesse órgão é essencial. A Srta. tem alguma coisa contra demonstração? – minhas mãos continuavam nas suas. Bella enrijeceu mais logo aceitou. O segredo é usar os dentes, dando mordidas. – mordisquei sua orelha. – a língua. – enfiei sem dó. – e a comunicação é muito importante. – desliguei novamente o microfone. E sussurrei para ela. “ Assim que acabar aqui, você não sairá andando daquele quarto”. – claro que a comunicação é importante. Não sejam tímidas ou tímidos uma boa conversa suja na cama aumenta 100% do ato sexual.

- Continuando, outra parte erógena senhoras e senhores é a auréola, por ser uma parte mais sensível sugiro que vão com calma. – subi as mãos de Bella junto com as minhas.- sugiram uma massagem, sempre com muito cuidado para tocá-los. – apertei violentamente os seios dela, disfarçadamente. Podia sentir o calor que irradiava das bochechas de Bella, seria vergonha ou excitação. – também podem ser leves mordidas atenuando com caricias leves. Beliscões também são bem vindos e aprovados. Tudo depende de seus parceiros e do que ele gosta.

Também temos parte interna das coxas. – e era ali que eu estava chegando ao meu objetivo, pude sentir o calor intenso que estava entre as pernas dela. – carinhos, apertões, mordidas, lambidas que se estendem até o joelho com o complemento do sexo oral. – Bella deu um pulo na cadeira.

E por ultimo o clitóris. – subi minhas mãos junto com as de Bella pressionando entre suas pernas seu sexo, quente e que eu podia sentir a umidade que estava ali.- lembrando que ao chegar a essa parte, sua parceira ou você mesma chegara facilmente ao orgamos ele é a parte mais sensível do seu corpo. – e por incrível que pareça quando eu achei que Bella iria embora ela simplesmente mexeu seus dedos discretamente fazendo os meus sair de cima dos dela e chegar ao tecido fino de sua calça. E fazendo minha calça acabar apertada. – As caricias devem ser contidas, suaves, ou selvagens, você escolhe. E eu comecei a gaguejar mais não pararia agora. Não fiquem tensas, pois podem provocar incomodo. – Bella relaxou visivelmente. As mulheres da primera fila esfregaram suas pernas uma na outra. Nunca mais seria convidado a fazer uma palestra na vida. Continuei esfregando e apertando consideravelmente o ponto certo de sua calça enquanto explicava. – as mesmas coisas podem ser feitas durante o ato sexual pelo movimento do corpo. Quando forem mais assíduos em seus movimentos, muito cuidado para não machucar. – aumentei o ritmo e a pressão então Bella estremeceu e fechou suas pernas violentamente. Com minha mão ainda entre suas pernas. ali eu vi o desejo, e algo muito pior, que não eu não consegui identificar em seus olhos.

To perdido.

- Muito bem senhoras e senhores espero ter retirado todas as duvidas e explicado bem, quanto a Srta. que participou. Quero agradecer pela presença.

Enquanto Bella se dirigia a seu assento me deu uma olhada que nem mesmo minha mãe nunca havia me dado, confesso que naquele momento eu senti medo do que poderia acontecer quando voltássemos ao hotel. Algumas senhoras vieram me pedir autógrafos e enquanto Bella observava atentamente. Confesso que não consegui me agarrar ao Buda para não ter uma ereção super evidente e ali estava a situação constrangedora. As senhoras notaram também enquanto eu dava autógrafos elas faziam suas investidas e chegavam a pedido o numero do quarto de hotel e que queriam por em pratica aquilo que ensinei.

Casais que assistiram a palestra deixaram o centro mais rápido que o furacão Katrina, pelo menos algum efeito eu conseguir tirar da minha audácia. Quando não havia mais ninguém só eu e Bella.

- Então, gostou da palestra? Esse é meu trabalho! – falei feliz.

Ela não respondeu apenas se levantou pegando sua bolsa e se dirigindo a saída. Eu fui atrás correndo atônito com a reação dela, quando cheguei perto dela puxei seu braço para pedir desculpas. Só que duas senhoras enxeridas uma delas que até fez varias propostas indecentes há um tempo atrás e hoje de novo abriu a catacumba. Para me sujar mais ainda.

- O senhor, vai terminar o serviço. Olha quando eu lhe ofereci dinheiro o senhor não aceitou. Agora ela que não deve ter nem metade daquilo que iria lhe pagar o senhor quer? – Bella olhou com uma cara de poucos amigos para a senhora e lhe respondeu.

- Não é pelo dinheiro que a mim ele aceita. E sim pela buceta sem rugas!

Mordi meus lábios para não gargalhar da resposta. E me controlei e virei para a senhora sussurrando um desculpe e correndo atrás dela.

Quando cheguei à rua não a encontrei em lugar nenhum, liguei em seu celular e nada, poxa e os planos que eu tinha para nós. Teria que encontrá-la rodei por cerca de 30 minutos pelos bairros perto do centro de convenção e nada dela. Voltei para o hotel com uma conta de taxi maior que o maracanã ela vai me compensar por isso. Cheguei ao quarto e ela estava confortavelmente sentada na varanda admirando a vista.

- Você quer me explicar o motivo para tanto alarde. – ela finalmente pareceu notar minha presença.

- Edward, você viu o que você fez? Me expôs na frente de 400 pessoas e pior você ainda pergunta se eu gostei da sua palestra. O que me leva a crer que você faz muito isso. Não é mesmo? – ela não respirava só me acusava. – e até anda recebendo propostas indecentes pelo que vi não é mesmo.

- Eu nunca aceitaria nenhuma dessas propostas e com você é bem diferente. Só aceitei alias só fiz a proposta que hoje não existe. Porque temos um relacionamento. – peraí eu estava admitindo nosso relacionamento. – então o que tem demais antes eu demonstrar com você do quem com qualquer uma daquelas velhas. E como eu te expus? Foi apenas uma demonstração. Bella você acha que elas vão se lembrar.

- Me expôs sim, você não poderia ver meu rosto. Pois estava de costas para você. Eu gozei em frente a 400 pessoas. Talvez elas não se lembrem, mais eu me lembrarei – calma, ela realmente gozou. Então porque...

- Você gozou? Então porque você esta tão nervosinha. Não era isso que você queria. Foi você que começou a falar de mim. Vai dizer que não gostou.

- Eu não vou nem me dar o trabalho de te responder, Edward Cullen.

- Você gostou né? E ta aí se fazendo de vitima. – nesse momento meu celular começou a tocar insistentemente. – um minuto.

Atendi o telefone recebendo a noticia que o iate da minha familia já estaria pronto para nos receber. Imaginem só: eu, Bella e o alto mar sozinhos sem ninguém. Quando desliguei meu celular ele voltou a tocar. Bella olhou com impaciência e eu dei meu olhar me desculpando o que eu não poderia acreditar era o conteúdo da ligação. Assim que finalizei voltei minha conversa com Bella.

- Arrume-se que nós vamos passar o resto do dia de hoje e amanhã fora. E leve um biquíni ou melhor não leve nada. Você nua é induvidavelmente melhor. Ah mais uma coisa, você pode ate não ter gostado. Mais a palestra foi um sucesso já querem outra e disseram que minha assistente é essencial, então acho bom você se acostumar. Ou terei que chamar a velhinha de buceta errungada. – sai gargalhando do quarto para buscar minhas coisas. Levando uma almofada nas costas.

0 comentários :

Postar um comentário