ALDE - Capitulo 9

Edward acordou mais atordoado do que o normal naquela manhã de quarta, talvez pelo simples fato de almoçar com a garota que mais temia e da qual não conseguia ficar longe.

Pegou uma camisa de uma pilha separada no fundo do armário, roupas que sua mãe havia comprado e ele nunca tinha vestido.

Estendeu a camisa social azul clara de botões e observou-a. Nunca entendeu o porque de

Esme e Alice julgarem tanto o seu vestuário afinal,ele se sentia confortável do seu próprio jeito.

Mesmo assim considerou o fato de vestir a camisa azul por cima da camisa branca básica.Se impressionou com o conforto do tecido macio no seu corpo.

Penteou o cabelo à sua maneira e foi até a sala tomar café com a irmã.Alice estava sentada à mesa comendo um pedaço de bolo e quando viu o irmão se aproximar da mesa deixou o garfo cair e abriu a boca,pasma.

- Bom dia Alice. – Cumprimentou a irmã ao se sentar.

- Bom dia...Esta camisa é nova,fui eu que escolhi na Barneys com a mamãe.

- Hã? – Perguntou enquanto bebia o café.Alice mexeu nos cabelos pretos refletindo e de repente gargalhou.Edward ergueu os olhos para ela.

- Você se arrumou para sair com a Bella.

Esperou o irmão negar veemente mas ao invés disso Edward passou manteiga na torrada,deu uma mordida e refletiu.

- Andei estudando o comportamento humano,o feminino especificamente.

- Estranho você nunca quis chamar a atenção.

- Eu não quero chamar a atenção,só quero me igualar ás pessoas normais. – Refletiu sério.

- Você é normal,não comece com suas idéias!

- Não,eu não sou normal Alice. – Disse irritado.Alice balançou a cabeça encerrando a discussão,Edward teria que descobrir seu lado humano sozinho.Ele se achava diferente,se via a parte no mundo por não conseguir estabelecer relações formais e por ter um alto nível intelectual.

- Eu tomei a liberdade de ler alguns livros e revistas suas. – Disse a irmã terminando o café.

- Bem que reparei que algumas revistas sumiram do banheiro,e os livros da estante.E qual a sua conclusão nesse estudo?

- Mulheres são confusas demais. Não sei se posso dar o que a Bella quer.

Alice arregalou os olhos e encarou a face corada de Edward.

- Oh!Quer dizer que você gosta dela?

- Ela é atraente,inteligente e gosta de música.Acho que posso tolerá-la.Contanto que ela não me ataque de novo.

Chegou a conclusão e levantou rapidamente da mesa evitando perguntas de Alice,já era constrangedor demais assumir seu apreço por Bella.

Quando entraram no porsche, Alice não pôde deixar de rir. Realmente era um evento inesquecível ver o irmão arrumado para um encontro,sentiu um imenso orgulho e cogitou contar aos pais.

- Algum problema Alice? – Alice não queria deixar o irmão constrangido então negou com a cabeça.

- Nada.É só que você está elegante,essa camisa ressalta sua beleza.

- Obrigado, eu acho. – Disse sorrindo timidamente.

Se a intenção de Edward era passar despercebido pela multidão falhou veemente.Olhares femininos desejosos lhe atingiram.Parecia outro Edward Cullen,as garotas cochichavam e soltavam risadinhas mirando no gênio de olhos verdes.

Ele apenas continuou andando distraído pelo corredor.

- o que deu em você hoje? – Mike perguntou juntando-se a ele.

- Bom dia para você também Mike.

- Bom dia.Bonita camisa.Você tem outras para me emprestar?

Edward revirou os olhos para a segunda pessoas que notava sua vestimenta naquele dia,ele não via nada demais em uma camisa.

- O quê? – Ele olhou de soslaio incrédulo para o amigo.

- É que você agradou o público feminino.

- Foi?

- Foi. Quer dizer, você já arrancava suspiros antes pensei que havia notado.

Pelo menos as revistas de Alice serviram para algo,pensou.

O olhar mais temido e esperado o alcançou deixando-o nervoso e inquieto.Bella,só ela era capaz de fazê-lo estudar o comportamento feminino,de tentar entender algo fora de seu mundo.Era uma esperança,sentiu-se feliz por parecer um adolescente normal.

- Oi Mike.Ei Edward.Você está diferente. – Disse ela sorrindo timidamente o fazendo parar no meio do corredor cheio. – Diferente de um jeito bom,claro.

Coçou a nuca constrangido.

- Oi Isabella. – Foi o que conseguiu dizer,a roupa da garota dificultava seu raciocínio.Se pegou olhando para o decote acentuado pela blusa preta apertada de gola V.

- Está lembrado de hoje? – Bella perguntou embora soubesse a resposta.

- Sim – Disfarçou a empolgação.

- O que tem hoje? – Perguntou Mike intrometendo-se na conversa.Edward olhou furioso para Mike,odiava dar satisfações de sua vida.

Bella riu ao ver os olhar furioso do amigo.

- Nós temos um compromisso.

- Um encontro?Por que não me contou cara?

- Para evitar interrogatórios, cara! – Respondeu irritado.

- Sabia! – Deduziu Mike – A camisa nova não era em vão.

Bella riu novamente. Estava contente por Edward se arrumar para sair com ela, era um sinal e muito bom de que ele estava interessado, criou mais expectativas ainda.

- Então nos vemos ao final da aula no estacionamento.

- Está bem. – Respondeu coçando a nuca, o decote de Bella aterrorizou sua mente.

Distanciou-se dela aos poucos sentindo seu olhar a cada passo que dava. Ela não desistiria dessa insana amizade. Iria ser um dia longo, ou melhor, um semestre longo.

Pouco prestava atenção na aula, não porque já soubesse aqueles assuntos de trás para frente, mas por causa dela, do tal almoço. Tinha receio do comportamento de Bella, não sabia se poderia confiar na garota. Edward só confiava na família que sempre o acolheu e na ciência que o consolava, mais nada. Acreditava no que poderia ser medido, quantificado, provado e testado. Infelizmente os sentimentos eram incomensuráveis, impossíveis de se medir.

- Você está bem? – Perguntou Mike num sussurro, Edward se incomodava bastante com a mania dele de conversar no meio das aulas.

- Sim. – Respondeu cruzando os dedos.

- Se for em relação à Bella relaxa cara. Ela está na sua. Aproveita. – Aconselhou Mike, Edward nem se deu ao trabalho de entender o que o amigo dizia.

Os minutos finais da última aula foram os mais temidos.

Levantou rapidamente evitando os questionamentos de Mike. Bella já o esperava no estacionamento encostado no Cadillac Escalade.

- Oi! – Ela acenou animada.

- Olá Isabella – Edward não entendeu o porquê de tanta alegria.

- Ah, quase ia esquecendo. – Disse ela ao entrarem no carro. Abriu a bolsa tirando de lá um CD, na capa estava escrito em “Para Edward, com carinho Isabella” em negrito. Ela estendeu o CD para ele.

- É meu?

- É seu, um presentinho por agüentar me ouvir sábado.

- Faltou ouvir você tocando guitarra e bateria.

Sorriu para ele que retribuiu, nunca ganhou algo de alguém sem serem os pais e a irmã.

- Obrigada Isabella. - Agradeceu guardando o CD na mochila.

Bella respirou fundo e olhou para ele.

- É Bella.

- Prefiro Isabella. – Respondeu ele calmamente.

- Se você prefere assim... – Conformou-se mesmo odiando ser chamada assim, afinal queria conquistá-lo e nada melhor do que fazer suas vontades.

- Aonde vamos? – Perguntou preocupado.

- Restaurante japonês – Respondeu observando a reação dele.

- Alice te contou alguma coisa?

- Sobre?

- É porque eu adoro culinária japonesa. – Ele afirmou desconfiado.

- Que bom! – Bella respirou aliviada.

- Comia todos as sextas cm meus pais e depois jogávamos batalha naval, eu sempre ganhava. – Ele relembrou sorrindo.

- Eu não sabia. Se te incomodar podemos comer outra coisa.

- Não!É só que... Sinto falta disso. – Desabafou Edward, amava os pais apesar de odiar a super proteção deles, havia toda uma rotina deixada para trás, toda uma preocupação em relação aos rituais e padrões.

- Se quiser poderíamos cumprir a tradição. Toda sexta. Fechado? – Estendeu a mão para ele.

- Por que você faria isso por mim? – Perguntou desconfiado.

- Você não percebeu? – Perguntou Bella séria, as mãos no volante olhando através do vidro.

- Eu gosto de você de um jeito louco. Sinto a necessidade de estar perto, junto. É pura verdade.

Seus olhares se encontraram por milésimos de segundo, Edward desviou como sempre assustado com o magnetismo dos olhos de Bella nos seus.

Ele encostou a cabeça no recosto do banco. Isso não poderia estar acontecendo, ele precisava contar a Bella o que tanto temia. Não podia condenar Bella a um problema que nem ao menos era dela.

- Isso não é nada bom.

- O quê?

- O que você sente, ficar perto de mim é ruim. – Tentou explicar, mas só se embaralhou mais ainda.

- Por quê?Você sempre diz isso, mas eu nunca entendo.

- Não tente entender Isabella. – Disse se virando para abrir a porta, porém Bella foi mais ágil e trancou as portas.

- Você não vai sair dessa droga de carro. Nós vamos sair e você vai ficar quietinho.

- Eu... – Tentou dizer irritado.

- Seja lá o que for, não ligo. Seu passado não importa, o que importa é o agora.

- Mas...

- Quieto! – Bella o calou.

Bufou de raiva e cruzou os braços sobre o peito.

Foi o caminho todo calado. Bella se perguntou o que ele tinha, o que tanto escondia, alguma mágoa do passado. Edward se perguntava se seria capaz de contar o que sentia.

Enfim chegaram ao restaurante.

Edward desceu ainda sim emburrado não pôde deixar de admirar a beleza do lugar. Completamente temático, a decoração oriental trazia harmonia ao espaço e Edward sentiu a calma ir preenchendo aos poucos o espaço de sua mente.

- Bella.Seja bem vinda.

A recepcionista a cumprimentou ao chegarem.

- Oi!Mesa para dois naquele lugar especial.

Pediu Bella enquanto Edward olhava para os cantos admirando o contraste entre o vermelho e o branco na decoração.

- Edward. – Bella tocou o braço dele que a olhou assustado.

- O que perdi? – Perguntou enfiando as mãos nos bolsos da calça surrada.

- Nada. Vamos para a nossa mesa.

Ele a seguiu, atravessando o restaurante até chegarem a uma espécie de jardim, um lugar lindo, ao ar livre com verde por todos os lados, havia uma fonte no meio jorrando água, Edward parou para olhá-la.

- Edward? – Bella chamou-o despertando de seu transe.

- Aqui. - Apontou a mesa para ele.

- Deixe-me fazer isso direito. – Ele disse dando a volta à mesa.

- Como assim?

- Eu sou um cavalheiro. – Afirmou erguendo as sobrancelhas. Puxou a cadeira para Bella sentar e após ela se sentar acomodou-se na sua cadeira.

Eles estavam próximos, os braços se tocando na mesa. Bella tomou a liberdade de fazer o mesmo que havia feito sábado e tocou-o, passou os dedos levemente em sua palma.

- Eu achei legal você ter aceitado meu convite.

Edward se deixou levar pelo carinho e toda a paz que ele trazia. Arrepios involuntários dominaram-lhe.

- Sim. – Suspirou – Por que você faz isso comigo?

- Isso?– Olhou para as mãos dele. – Pelo menos motivo que você vestiu essa camisa azul hoje.

- Pra quê?

- Pra te agradar. – Murmurou.

- conseguiu – Disse ele fechando os olhos.

- Você também conseguiu me agrada, adoro azul.

- Há uma sintonia, uma ligação entre nós. – Edward tentou explicar como se fosse algo palpável.

- É muito forte. – Disse passando a mão livre pelo rosto dele sentindo a barba cerrada em sua palma.

Até que alguém pigarreou assustando eles.Era o garçom.

Ele recolheu a mão assustado e abriu os olhos.Bella amaldiçoou o garçom por um momento.

- O cardápio. – Ele ofereceu.

- Um combinado para duas pessoas com sashimis, sushis, Tekkas, kappas e califórnias. - Bella pediu sem olhar o cardápio.

- Autoritária. – Edward afirmou.

- Quem eu? – Perguntou fingindo indignação.

Ele balançou a cabeça positivamente.

- Sim – Edward sorriu.

- Onde paramos antes do garçom chegar?

- Você estava me agradando porque eu te agradei. – Respondeu.

Bella riu.

- Eu gosto do seu humor, não é forçado.

- Eu gosto do seu sorriso. – Bella intensificou o sorriso e ele riu tímido.

- Edward você tem medo de mim? – Perguntou com cautela.

Ele ainda tinha medo do poder que apenas um toque de Bella exercia sobre seu corpo, mas não duvidava que sua presença se tornava cada vez mais necessária.

- Se estivesse não estaria aqui. Superei meu medo.

- Você já namorou? – Perguntou cautelosa.

- Não. - Respondeu com dificuldade, falar de si mesmo era complicado e nada agradável. - Por que a pergunta?

- Por que você nunca namorou? – Bella replicou.

Revirou os olhos e coçou a nuca.

- Porque nunca tive a oportunidade. Agora responda minha pergunta.

- Só curiosidade. É que você é tão bonito, charmoso, inteligente. Me apaixonaria fácil por você.

- Obrigado, eu acho. – Disse constrangido.

Era difícil Edward se vê de uma forma positiva. Bella era seu oposto, sempre tão otimista e a autoconfiança elevada, talvez por isso odiasse gostar dela. Ela tentava mostrá-lo lados que ele não conhecia até então.

- É verdade.

Começou a se sentir incomodado pelas perguntas e afirmações dela.

Seu primeiro beijo foi aos quinze anos com a garota que lhe dava aulas particulares de literatura, pois ele não conseguia compreender as figuras de linguagem, repentinamente ela o beijou. Foi estranho e ele ignorou a garota depois, não por maldade, foi por choque, medo, receio.

- Edward. – Bella tocou seu braço, ele esquivou a assustando.

- Tudo bem? _ Perguntou ela preocupada.

- Não sei, me vieram umas lembranças ruins.

- Esquece. – Bella disse acariciando o rosto dele, Edward sorriu com o carinho. Só havia ele,o som da fonte e a mão fria da garota,estranhamente boa.

- Já esqueci.

- Mãos mágicas. – Ergueu as mãos e riu para ele que se prendeu novamente naquela boca chamativa, o mesmo tom de batom, os dentes simétricos, as covinhas nos cantos da boca...

- Edward? – Ouviu ao longe a voz de Bella. – Se você continuar a me olhar assim eu vou me derreter.

Ele piscou seguidas vezes e se recompôs.

- Desculpe. – Bella riu e se sentiu nas nuvens por ele a notar.

- Nossa comida chegou. – Edward pegou os hashis, mas Bella o impediu de levá-los até a bandeja.

- Feche os olhos e abra a boca. – Ordenou a ele que continuou parado a olhando.

- Não questione, faça! – Praticamente gritou.

- Ok. – Ele respondeu e mesmo confuso fez o que Bella pediu.

Bella admirou o garoto tão vulnerável em suas mãos e pegou um sushi com os hashis molhou no shoyo e colocou na boca de Edward com cuidado. Se dependesse do almoço ele seria dela hoje.

Edward mastigou de olhos fechados saboreando o gosto do prato.

- O que você fez? – Ele perguntou intrigado.

- Nada por quê?

- Sei lá,está mais gostoso do que o normal.

Ela riu da expressão pensativa dele e fez o mesmo seguidas vezes até acabarem o almoço.

Na hora do pagamento Edward fez questão de pagar tirando uma nota de cem dólares da carteira.

- Você não tem escolha.Como disse sou um cavalheiro. – Ele disse dando de ombros.

- Adoro homens de atitude. – Sussurrou passando o dedo de leve no queixo dele com o objetivo de deixá-lo sem graça.

Edward pigarreou e coçou a nuca, nervoso. Ela riu o deixando mais confuso ainda.

- Adoro te deixar sem graça.

Ele deu um muxoxo e levantou, arrastando a cadeira de Bella e a ajudando a sair.

- Isabella, obrigado pelo almoço. – Ele agradeceu quando estavam no carro.

- Da próxima vez será um jantar e feito por mim.

O medo o dominou. Jantar com Bella não estava nos seus planos, já era muito difícil se manter equilibrado perto dela.

- Espero que cozinhe melhor que Alice. – Murmurou olhando para os lados.

Bella riu, nunca riu tanto num encontro. Apesar de ser um garoto difícil gostava de estar com ele, de sentir sua presença, sua energia. Se fosse capaz de mudar algo nele seria sua baixa estima. Edward fazia questão de se colocar para baixo.

- Alice negligencia a cozinha. – Bella disse olhando para ele.

Sentiu que não havia mais nada a dizer. Ele não estava ali com ela e respeitava isso mesmo que não entendesse o porquê de ele ser tão distraído e sério o tempo todo. Precisava se acostumar com a distância entre eles. Ligou o carro e o som em seguida deixando No Doubt preencher o silêncio que se instalou no carro.

Edward incomodou-se com o som, mas não criticou, preferia o silêncio, este sim era seu companheiro inestimável, o guardião dos seus pensamentos. Nem percebeu quando chegaram, estava mais ocupado procurando uma maneira de contar à Bella a verdade.

- Edward , chegamos.

- Oi? – Ele perguntou distraído.

- Chegamos. Você pode sair do carro partir para o seu mundo e fingir que não existe nada entre nós. – Desabafou elevando o tom de voz. Ele arregalou os olhos e coçou a nuca constrangido. Não esperava ouvir isso dela e era essa incerteza que o assolava.

- Isabella você não entende. Eu não mereço você. Foi tudo um grande erro.

Foi um grande erro se envolver, querê-la loucamente, pensar nela nos momentos mais inoportunos e ouvir sua voz cantando para ele à noite. Precisava sair dali e se enterrar no mar de solidão que era sua vida, sua mente era seu lar.

The Best Of You – Foo Fighters

Bella não disse nada, lhe escapou a coragem e o desejo de fazer tudo dar certo. Estava cansada de ter que tomar a iniciativa em tudo.

- Você sabe que não pode fugir.

Alice disse parando na soleira da porta.

- O que você quer? – Perguntou irritado sem tirar o rosto do travesseiro.

- Te ajudar a se salvar de si mesmo.

Ele levantou o rosto e se virou na cama.

- Como assim?

- Que música é essa?Acho que é a favorita da Bella.

Bella, esse nome o atordoava. Bella seu inferno e o seu céu, tudo ao mesmo tempo.

- Faz sentido, ela me deu o CD.

- Faz muito sentido sim. – Alice afirmou sentando na cama do irmão. – Olha, não precisa se esconder, fugir, isso é um erro. Tire os olhos de si mesmo, pare de ser egoísta, ela decidiu se envolver não você. As pessoas têm sentimentos, Edward.

Ele abriu a boca, mas ela o impediu e prosseguiu.

- E não me venha com essa história de “eu não consigo”. Você é capaz. Não precisa se ajoelhar aos pés dela ou beijá-la loucamente é só... Ficar por perto, já é o suficiente.

- É? – Questionou refletindo.

- É claro!Bem mais simples do que você imagina.

Ele sentou na cama e coçou a barba.

Alice observou o irmão, orgulhosa do seu papel de irmã-amiga-conselheira e o deixou lá com seus fantasmas internos.

- Ah!E faz essa barba!

- Por quê? – Indagou passando a mão na barba crescente.

- Confie em mim. – Alice gritou do corredor.

Ele estava sozinho como sempre esteve, as mesmas dúvidas,os mesmos anseios e o mesmo jeito que Bella amava.Bastava se adequar a isso.

0 comentários :

Postar um comentário