ALDE - Capitulo 12

Edward assistia a um documentário sobre “Ferramentas de astronomia dos antigos maias” quando a campainha tocou, mas nem ao menos se prontificou a atender. Estava concentrado demais no documentário.

- Edward! – Repreendeu Alice irritada.

- O quê? – Ele se sobressaltou e pela primeira vez na noite tirou os olhos da televisão.

- A campainha. – Exclamou Alice batendo pé no chão impaciente. Edward estranhou a máscara verde no rosto da irmã mas nada disse, apenas franziu a testa e voltou os olhos para o documentário.

Alice bufou e correu para abrir a porta. Sorriu ao ver Bella e Jasper enquanto Edward nem ao menos percebeu.

- Edward! Olha quem está aqui! – Disse Alice animada.

- O Baruch Espinoza? – Perguntou indiferente.

- Quem é Bar... – Bella tentou pronunciar.

- Um filósofo, se você estudasse o mínimo que fosse saberia pelo menos pronunciar. – Gelou ao perceber que não falava com Alice e sim com Bella. Admirou a garota de cima a baixo, da saia jeans curta até a t-shirt preta dos Sex Pistols. Ajeitou-se no sofá atordoado pela figura de Bella ali na sua frente, dificultando seu raciocínio. Dali em diante esqueceu-se do assunto do documentário, de repente ele se tornou inútil.

- Alice tem uma gosma na sua face. – Edward apontou para o rosto da irmã que correu para o banheiro lembrando-se da sua situação.

Jasper não pôde disfarçar o riso.

- O que faz aqui? - Perguntou ele evitando olhar diretamente para ela.

- Vim te ver. Hoje é sexta esqueceu? – Justificou sentando ao seu lado.

- O que tem sexta?

- Jogos e comida japonesa. – Disse Bella erguendo as duas sacolas com comida.

- Trouxe War edição especial. – Disse Jasper sentando-se ao lado da irmã e olhando para o corredor onde Alice apareceria á qualquer momento.

- Você lembrou. Garota você é absurdamente surpreendente.

- De um jeito bom ou ruim?

- Ainda não descobri qual predomina. – Respondeu ele se repreendendo logo em seguida. O coração de Bella se encheu de esperança e ela sorriu para o amigo.

- Já vi que estou sobrando aqui... – Cantarolou Jasper. Bella lançou-lhe um olhar furioso.

- Sobrando? – Perguntou Edward confuso.

- Não é nada!Besteiras do Jasper. – Respondeu ela rápido demais.

Alice voltou para a felicidade de Jasper sem creme nenhum no rosto e trajando um vestido curto preto. Seria uma batalha dura entre os irmãos Swan´s e os Cullens em matéria de resistência.

- Você não sabe jogar Alice. – Edward disparou enquanto comia mais um pouco de Yakisoba de camarão com legumes. Os quatro sentados em volta da mesa de centro. Jasper e Alice de costas para a TV e Edward e Bella de costas para o sofá. Ele dividia sua atenção entre a saia de Bella, o jogo e o yakisoba.

Seu objetivo era conquistar a Ásia, Oceania e a África e só faltava pouco para conquistá-los. Ele sorriu presunçoso ao deduzir o objetivo de Bella que atacava Alice praticamente dizimando o exército de verdes.

Jasper riu da evidente irritação de Alice. Bella olhava furtivamente para Edward que ria da irmã, admirou o sorriso tímido do amigo praticamente se perdendo ali, a vontade de beijá-lo acentuava-se a cada segundo. Era torturante não poder beijar o garoto que tanto desejava.

Edward fixou os olhos no tabuleiro acompanhando a jogada de cada um de seus adversários e Bella resolveu brincar um pouco com a atenção dele. Jogou o cabelo para o lado com intenção de provocá-lo até que Edward esqueceu-se das suas cartas e do objetivo, o aroma do cabelo de Bella adentrava suas narinas malevolamente. Ele pigarreou disfarçando as reações corporais tão torturantes. Bella sorriu vitoriosa notando o desespero dele.

- Irmãzinha, o truque do cabelo para ganhar o jogo?Que absurdo. Desconcentrando nosso adversário mais estrategista. – Jasper comentou irônico deixando Bella furiosa. Ela agradeceu aos céus por Edward estar concentrado demais conquistando o Japão para notar o comentário do irmão.

- É obvio que o Edward vai ganhar, nem tente trapacear Bella. – Alice entrou na provocação.

- Da próxima vez usa o truque do decote. É mais eficiente. – Brincou Jasper. Bella corou violentamente, enquanto Edward observava o tabuleiro concentrado.

Ele pensou nas opções, poderia ganhar evidentemente, ou poderia surpreender permitindo Bella ganhar já que Jasper e Alice estavam longe de sues objetivos. Bella ficaria feliz com a segunda opção e ele saberia que deixou-a ganhar,nutriria o seu ego de jogador. Estranhou seus pensamentos altruístas, por que deixar Bella ganhar?Não sabia o porquê mas queria,queria muito ver aquele sorriso de satisfação e empolgação no rosto dela. Por isso abandonou sua estratégia inicial.

Assim permitiu a Bella eliminar o exército verde e ganhar o jogo.

Bella num ato inesperado abraçou Edward o apertando contra seus seios. Ele arregalou os olhos e tentou respirar. Inspirou o cheiro de alfazema vindo de Bella e por alguns segundos quis ficar ali para sempre.

Tanto que fechou os olhos e tranqüilizou-se naqueles montes macios que o acalentavam.

- Edward?Você está bem?Fala comigo! – Bella desesperou-se ao notar a face do amigo vermelha tentando buscar o ar e os olhos fixos no nada. Envolveu o rosto ele nas mãos quase suplicando.

- Sim. Em 1609, Galileo Galilei, ao apontar seu telescópio para a Via Láctea, descobriu que ela consistia de uma multitude de estrelas.

- O que?

- Em 1609, Galileo Galilei , ao apontar seu telescópio para a

Via Láctea, descobriu que ela consistia de uma multitude de estrelas. – Repetiu ele revirando os olhos.

Bella ergueu as sobrancelhas e soltou um suspiro de alívio. Por um momento pensou ter matado o irmão da amiga. Qualquer movimento com Edward precisava ser calculado.

- Ok. Vivemos muitas emoções por hoje. – Comentou Alice percebendo que o irmão olhava para Bella encantado. – Jasper me ajuda a lavar os pratos.

- Eu? Tô fora. Você não tem lava-pratos não?

- Jasper! – Alertou Alice apontando para Bella e Edward.

Ele ergueu uma sobrancelha e recolheu rapidamente os pratos com Alice deixando os dois sozinhos.

- Por que você me abraçou? – Perguntou desviando dos olhos de Bella.

Ela riu e disse presunçosa:

- Você me deixou ganhar.

- Não! – defendeu-se exasperado queria que seu gesto passasse despercebido por todos mas Bella era esperta demais, subestimou - a.

- Não subestime minha inteligência. – Repreendeu Bella. – E não fique assim decepcionado. Adorei seu gesto. Foi meigo.

De certo se encheu de esperança do com gesto dele, devia significar alguma coisa no mundo inacessível de Edward renunciar do seu triunfo e deixá-la ganhar.

- Está bem, assumo. – Ele disse se sobressaltando, levantou-se começou a andar de um lado para o outro da sala. Bella se viu confusa enquanto Edward zanzava pela sala com as mãos nos cabelos bagunçando-os. – Estúpido. – Murmurou um pouco exaltado.

Até que finalmente parou e foi em direção à porta.

Bella não foi atrás dele, Edward merecia um tempo com ele mesmo, não iria interferir no seu tempo.

- Ei. Você não vem? – Ele perguntou com a cabeça para dentro do apartamento. Ela se levantou e o seguiu pelas escadas até a calçada, onde prosseguiram andando em silêncio. Até que Edward resolveu interferir.

- Eu gosto daqui. Tem um ar menos poluído. Manhattan tem muito barulho, fumaça. Eles nem parecem civilizados.

- Eu confesso que não gostava daqui, porém passei a gostar a partir desse semestre. – Disse se referindo a ele, mas é claro que Edward não iria notar.

- Por quê? – Perguntou parando de caminhar.

- Por que... – Bella respirou fundo e mirou o chão, quando se tratava de Edward às vezes perdia a sua típica autoconfiança. – Conheci você.

- Besteira. Você sabe como perturbar alguém. – Disse olhando para o céu estrelado. Bella fez o mesmo e ergueu seu olhar para o céu, seus olhos caíram nas três Maria.

- As três marias! – Apontou.

Edward riu.

- Seja menos fantasiosa Isabella. Aquelas são Mintaka, Alnilan e Alnitaka. Forma o cinturão da constelação de Órion, o caçador.

- Pelo menos não sou tão cética e sonhar sempre é bom, querido. – Defendeu-se fazendo Eward rir.

- Conhecimento ás vezes faz bem.

- Então me ensine. – Desafiou.

- Á que? – Edward ergueu as sobrancelhas.

- Entender o que você entende. Sobre as estrelas, constelações, tudo. – Disse se aproximando dele e brincando com o cordão do seu moletom.

Edward respirou fundo e estremeceu, tamanha a proximidade.

- Eu levei anos para aprender, requer dedicação, esforço e tempo. – pontuou ele erguendo a mão para tocar o rosto de Bella.

- Eu posso ser dedicada, esforço é meu nome do meio, quanto ao tempo eu não tenho pressa e na minha agenda sempre há espaço para você.

- Fico lisonjeado. – E temeroso, pensou.

Chasing Pavements - Adele

- Então te ensino a se divertir e você me ensina o que há além das estrelas. – Disse escorregando os dedos pelo rosto dele. Edward suspirou e fechou os olhos deleitando-se da sensação.

- Já vai ser divertido te ver se aplicando na astronomia. – Respondeu ele lutando para manter o controle. Bella riu e Edward entrelaçou a mão livre com a dela.

- Prometo te entreter bastante. – Ela sussurrou na orelha dele e de súbito seu corpo inteiro aqueceu-se. Bella o cercava por todos os lados, não havia saída e ele não queria achá-la.

Ela se aproveitou da atmosfera que unia os dois para colar seu corpo ao dele. O impacto da atração foi inadiável. Os olhos dela fixaram-se na boca entreaberta dele. Edward tentou dizer algo, mas o calor do corpo de Bella pressionando o seu deixava seus pensamentos incoerentes. Por isso não impediu os lábios de Bella de encostarem levemente no seu pescoço. Sentiu o sangue correr mais rápido nas veias e o coração martelar freneticamente. Soltou um longo suspiro quando ela tocou seu pescoço com os dedos frios subindo até seus cabelos da nuca.

Os lábios de Bella encontraram os seus dele suavemente. A mão livre buscou a cintura dela tocando na pele exposta completamente arrepiada.

Bella aproveitou a deixa para penetrar vagarosamente a língua quente em sua boca. Não havia resistências por parte de Edward que soltou um gemido de satisfação e aprofundou o beijo buscando a língua dela. Era tudo tão novo e intrigante que ele não percebeu mais nada ao seu redor, perdido na atmosfera de paixão que os ligava.

Bella explorou cada canto da boca de Edward lutando contra seus instintos que queriam arrancar-lhe o pingo de sanidade que sobrara.

Edward se separou aos poucos dela, as mãos trêmulas nos ombros de Bella. Se olharam por um instante e foi o bastante para desencadear reações contraditórias e preocupantes nele.

- Por que você fez isso? – Perguntou Edward recuperando o fôlego. Bella não notou nenhuma alteração de humor e agradeceu aos céus por isso. Pensou que ele teria um ataque, mas ao contrário Edward permaneceu calmo, calmo até demais.

- Pensei que você queria também. – Respondeu confusa, Edward olhava para os lados, suas pernas tremiam, a mente perdida num misto de emoções confusas. Queria explodir, contudo fracassou.

- Por que eu iria querer isso? – Perguntou elevando o tom de voz. – Eu te avisei, não sei se sou capaz de agüentar. – Disse por fim evitando o olhar inconformado de Bella. Já passou por aquela situação antes com ela, mas nunca em sua vida experimentou algo tão profundo e intenso, algo tão forte capaz de derrubar os muros do seu coração. Não seria tão fácil assim se render ao que sentia enquanto o medo o circundasse.

- Desculpe, mas eu tenho que voltar.

Bella compreendeu. Não conseguiu segurar sua vontade de beijá-lo, uma sensação tão envolvente e viciante que a fazia sofrer pensar que isso não poderia acontecer novamente.

- Claro. Posso voltar com você? – Perguntou cautelosa.

Edward não respondeu. Apenas enfiou as mãos nos bolsos da calça e continuou andando. Bella foi logo atrás dele calculando seus passos, perguntando-se se era errado desejá-lo tanto.

Ele nem ao menos se despediu educadamente, precisava explodir, extravasar longe de Bella.

- Pára Jasper. – Ouviu risos e sussurros vindos do quarto de Alice. Achou estranho e resolveu verificar.

- Alice?

- Oi! – Alice apareceu na porta do quarto com Jasper atrás dela.

- Onde você e a Bella foram?

- Andar por aí. Mas não foi uma idéia muito boa. – Murmurou e entrou no seu quarto. Jogou-se na cama esquecendo-se de que estava de sapatos.

- Edward? – Alice apareceu na porta preocupada.

- Sim.

- O que houve?

- Eu e Isabella não podemos ser amigos, não dará certo.

Alice sentou ao pé da cama e observou lágrimas se acumularem nos olhos do irmão.

- Como você sabe?

Edward tinha plena consciência das suas limitações, do que podia e não podia fazer muitas vezes se esquecendo do quanto era humano, sujeito a erros e dúvidas. Para ele o erro era uma fraqueza e persistir no erro ignorância. Edward não persistia no erro, por isso repreendeu-se por corresponder ao beijo, mesmo que tenha sido um ato consensual e extremamente bom. Em sua mente não era capaz de estabelecer qualquer tipo de relação, por isso fechava-se em si mesmo. Só que ele não sabia as conseqüências dos seus erros, enxergava apenas o erro em si.

Alice tentou convencer Edward de que ele era normal, que podia perfeitamente se relacionar, era uma questão de costume mas ele se fechava, encarava-se a vida toda como incapacitado.

- A gente não aprende a se apaixonar. Acontece, é espontâneo. É bom, muito bom se envolver com alguém que valha a pena. Você devia tentar. Existem muitas coisas boas na vida que você nem ao menos experimentou e são boas.

- Não obrigado, agora só preciso pensar. – Replicou tirando os tênis .

- Você e a Bella poderiam fazer algumas coisas juntos. Seria legal. – Alice tentou convencê-lo mas Edward apenas respirou fundo e virou de bruços para dormir.

Bella era a última pessoa que ele queria ver agora. A última que queria pensar mas a primeira que despertou- lhe sensações inesquecíveis.

0 comentários :

Postar um comentário