TCS - Capitulo 21




Capítulo 21.




- Vocês adoram economizar o dinheiro do motel, né?

Que saudades de barata branca... mentira! Olhei sua cara de imbecil, que estava mais evidente, agora de cabelo quase raspado.

- Corte legal... errou a mão é?
- Nem comecem por favor...

Bella interviu passando a mão pelo meu braço e tentando me expulsar dali.

- Oi Edward!

Ouvi a voz irritante da...

- Oi...

Da... qual o nome dela mesmo? Ah, que se dane!

- Já vou então!

Beijei-a na testa e voltei para o carro, encontrando um garoto lá dentro com a cara colada no vidro. Que coisa bizarra ele era.


Eu estava tão cansada da viagem e ainda tinha que aturar as milhares de perguntas...

- Paris é foda mesmo?
- Paris é? Foram fazer o que lá?
- Tem homem francês bonito?
- Se hospedaram aonde?
- Saíram à noite por lá?

Me mata, vai! Era uma inquisição aquilo... eu gritei e eles calaram a boca.

- Chega! Uma coisa de cada vez...
- Paris deve ser foda sim... pena que eu não conheci. Sim, os franceses são bonitos e não, não saímos de noite...

Jess me olhou de cara torta.

- Então o que você foi fazer lá?
- Fui conhecer um vampiro chamado Lestat, que vocês já devem ter ouvido falar.

James se engasgou. Me pergunto com o que...

- Lestat?
- Sim.

Ele se levantou e veio até mim.

- Você conheceu Lestat? Edward concordou com isso?
- Sim. Algum problema?
- Eu me pergunto como você sobreviveu a isso...
- Já o conheceu?
- Claro! Me amarro nesse cara! Éramos parceiros na época que eu morava em Paris.

Tinha que ser. Típico. Eu pensei em quando James apareceu, com seu charminho para cima de todo mundo. Bem estilo Lestat.

- Seu poder não tem nada a ver com ele... tem?
- Não... o dele é bem diferente do meu. E superior. Eu não consigo nada com você.

Ele levantou uma sobrancelha e sorriu maliciosamente.

- Ele entrou nessa cabeça, não entrou?

Não respondi, mas ele já sabia a resposta.

- Edward deve estar super puto!


Entrei em casa com Hazel e encontrei a família linda reunida na sala.

- Então isso aí vai morar... aqui?
- Isso aqui Rosalie... se chama Hazel. E vai morar aqui sim.
- Não tem piolho, tem?
- Só se for na sua cabeça!

Eu engoli o riso. Primeira vez que eu ficava feliz com Hazel. Rosalie quebrou a lixa de unha.

- Quem você pensa que é para falar assim comigo?

Antes que eu pudesse segurá-lo, Hazel já estava na frente dela.

- Filho do Lestat.

Ops. Rosalie engoliu seco e me fulminou com os olhos.

- Você trouxe...
- O filho do Lestat para morar conosco!

Antes que a loira terminasse a frase, Alice levantou e rodou Hazel no ar.

- Por que não disse antes que ele era filho do Lestat, Edward?
- Ele não é realmente filho dele...

Ela o soltou. Que humor mais incostante... me perguntei quando Jasper ia se tocar dos galhos virtuais.

- Espere eu terminar antes de jogá-lo pela janela. Lestat o adotou e dá seu sangue a ele. Hazel o considera como um pai.

Ela ajoelhou de frente para ele.

- Você é tão lindinho!

Mulheres... mesmo com toda a eternidade, eu nunca entenderia esses hormônios.

- Você é interesseira...

Rosalie babou de rir. Eu quase fiz o mesmo. Emmet... bem, a cidade inteira escutou seu riso. Jasper ficou com sua cara de sofrimento.

- Edward, ele é bem mal-educado!
- Criança é sincera Alice... só isso...

Eu precisava concordar com a loira má. Sinceridade é tudo! Muito bom!

Subi com ele e entrei em um quarto desocupado.

- Você vai ficar aqui, ok?
- Ok.
- Hazel... eu não irei te trancar igual faziam no castelo... espero que eu não me arrependa disso.
- Ok.
- Pare de ser monossilábico! É terrível!
- Ok.

Céus! Eu estava perdendo tempo ali. Fechei a sua porta e fui para meu quarto. Antes de entrar, escutei sua voz no corredor.

- Estou com fome.

Que legal! Como eu o levaria para caçar essa hora? Até porque primeiro eu ia precisar ensiná-lo algumas coisas... voltei ao seu quarto e tirei meu casaco, deixando o braço de fora. Antes dele pegar, eu puxei o braço de volta.

- Hazel, isso vai acabar... não ficarei dando meu sangue para você, ok? Lestat te acostumou muito mal.
- E como eu vou comer?
- Você vai caçar... como todos nós.

Ele arregalou os olhos e o queixo caiu.

- Eu vou... ter que... caçar? Bichos?

Ainda bem que Bella não estava aqui.

- Não. Caçar humanos. Mas isso só depois... agora beba.

Dei meu braço e ele agarrou com os dedos pequenos. O pestinha não desperdiçou uma gota sequer, limpando a boca no final.

- É bom.
- Claro que é... eu sou foda.

Saí do seu quarto e fui para o meu.


- Edward não está puto! Ele já... superou.

James agora estava rindo. Edward o mataria se visse isso.

- O que vocês queriam com Lestat?
- Não interessa James.

Subi as escadas tentando fugir daquela pergunta. Não sabia se podia contar ou não. Ia fechar a porta do quarto quando uma mão a segurou.

- O que você está escondendo Bella?
- Nada James! Agora sai do meu quarto!

Ele sentou na cama e ficou me olhando.

- Eu posso esperar dias sentado aqui... basta me alimentar do seu sangue.

Credo! Que coisa mais dark.

- É assunto particular do Edward, ok?
- E daí? Sou curioso. E não vou espalhar por aí...

Tinha outra forma de me livrar dele?

- Certo. Vou contar. Edward trouxe um garoto vampiro para Forks. Ele tem 8 anos e bebia o sangue do Lestat.

James fechou a cara e se levantou, saindo do quarto.

- Se não quer contar não conte. Mas não fiquei inventando histórias ridículas.

Talvez a inteligência dele tenha ido embora junto com as madeixas. Tipo, Sansão, sabe? Mas enfim... eu queria mesmo era um bom banho quente. Fui ao banheiro e pisei sem querer no rabo do moica... do Jake. O cão saiu ganindo pela casa.

- BELLA!
- Foi sem querer Jess...

E então eu reparei que o moicano não estava mais tão azul. Ele devia ter tomado alguns banhos esses dias. Estava na banheira pensando nas coisas que aconteceram nessa viagem e senti um arrepio. Daqueles que você sente quando espera por algo ruim acontecer... credo. Saí rápido da banheira e fui bater na madeira do armário. Três vezes.


Estava tentando fazer aquilo que adorava e que não conseguia há tempos. Ficar olhando para o teto. Minha concentração foi atrapalhada com o toque do meu celular. Eu odeio tecnologia! Era tão mais fácil ter a desculpa de esperar meses por uma resposta de uma carta... Levantei para atender a merda do telefone. O código era da França. Onde eu podia me suicidar?

- Alô.
- Edward...

Voz irritante irreconhecível.

- Quanto tempo, Lestat!
- Como está Hazel?
- Muito bem. Alimentado.
- Certo, que bom. Mas não foi por isso que liguei.
- Fale...
- Talvez... não, talvez não. Você VAI ter companhia.
- Como assim?
- Parece que a história de uma criança imortal vazou...
- Vazou? Por parte de quem? Pelo que me disseram, nem todos sabiam sobre Hazel.
- Exatamente... mas vazou. Eu irei descobrir, mas antes achei melhor te avisar.

Era só o que me faltava. Além de hospedar um diabinho, ainda ia ter dores de cabeça.

- Que companhia exatamente eu terei?
- Só tenho a informação de que um de nós está indo atrás de Hazel. E eu espero que você o proteja com sua vida.

Ele estava me zoando, né? Eu daria Hazel para não me meter em problemas!

- Certo Lestat... verei o que posso fazer. Só isso?
- Só. Lembre-se que ele é importante para mim.

Tradução: sua vida vale muito menos que a dele.

- Ok. Sabe quem é a pessoa?
- Sim. E você também.

Eu gelei quando ouvi o nome. Desliguei e fui procurar meus irmãos. Precisava avisá-los. Gritei-os pela casa e fomos nos reunir na sala. Alice estava confusa. Claro...

- O que vocês sabem sobre uma mulher chamada Jane?


- Pai, sou eu.
- Ei Bella! Como foi a viagem?
- Normal... deu para descansar.

Até parece, né? Mas não precisava contá-lo que quase fui morta por um vampiro... algumas vezes.

- Que bom. Quando vem me ver?
- É para isso que estou ligando. Para mim pode ser qualquer dia dessa semana.
- Então vamos marcar para depois de amanhã?
- Ok. Vou falar com Edward.

Ele resmungou alguma coisa que não consegui entender.

- Pai...
- Certo, certo. Traga seu namoradinho.

Namoradinho uma ova!

- Levarei. Até lá então pai...

Meu pai parecia não levar muito a sério meu namoro com Edward... mal sabe ele que nós dois já passamos por mais coisas juntos do que muito casal por aí. Bateram na minha porta.

- Bella, podemos conversar?
- Claro Angie!

Ela entrou e sentou na minha cama.

- Bem... queria... te perguntar uma coisa...
- Ok.
- Você e Edward... já... você sabe...
- Se nós já fizemos sexo?
- Isso.
- Já sim. Porquê?

Ela sorriu sem-graça. Quem costumava ficar assim era eu.

- É porque eu e James também já chegamos lá, sabe?
- Ow Angie... eu realmente não gostaria de ouvir suas intimidades com James.
- É só uma curiosidade... e como você também está com um... vampiro...

Era minha amiga, né? E a única ali que parecia realmente gostar de mim. Fiz um esforço.

- Certo. Então fale, o que foi?
- O Edward também é todo... gelado? Digo... tudo? Inclusive... líquidos que saem dele?

OMG. Tive vontade de me jogar da janela. Limpei a garganta antes de responder.

- Bem... aham.
- Ah. Ok.

Isso era um pouco constrangedor...

- Era essa sua curiosidade?
- Sim...
- Certo. Pode ficar tranqüila então. É normal deles mesmo. Não que eu tenha estado com mais de um...
- Normal deles o que?

Uma cabeça loira apareceu na porta do meu quarto. Super conveniente!

- Nada James! Se manda daqui!
- Bella, você voltou azeda dessa viagem...

Ele sentou-se ao lado de Angie e a beijou na boca. Ew.

- Ok, ok. Vocês poderiam fazer isso longe daqui?
- Ciúmes Bella?
- Não enche...


Depois de conversar com meus irmãos, fui ver Bella. Deixei Hazel aos cuidados deles e me mandei. Aquele garoto parecia uma sombra. Saltei sua janela e me deparei com uma reunião no quarto dela. Na qual Angie e James pareciam participar.

- Hey.
- Nossa Edward, já inventaram a porta, sabia? Pular janela é coisa do passado amigo...

James não perdia nunca a oportunidade. Impressionante.

- Não me amole James... e além do mais, eu não pulo. Eu salto.

Ele riu da minha cara, mas eu ignorei e beijei Bella.

- Podemos dar uma palavrinha a sós?

Frisei bem o "a sós" na cara de barata branca. Ele pareceu não se importar.

- Vou deixá-los sozinhos... vem James?
- Depois eu vou An.
- An? Você diminuiu o apelido Angie para An?

Bella parecia irritada com aquilo. Qual o problema? Não entendi, assim como barata branca também boiou.

- O que que tem isso?
- Não é legal, apenas An... não gostei.
- Edward, por que ela voltou tão chata dessa viagem?

- James, me pergunto porque você ainda está aqui. Quero falar com Bella. Eu e ela, entendeu?
- Sobre nós? Porque se tem a ver com vampiros, eu quero ouvir.
- Mas eu não quero que você ouça. Agora se me der licença...

Ele deitou na porra da cama. Que cara mais chiclete! Depois então pensei... talvez eu pudesse tirar proveito disso. James podia ser mais um aliado, certo?

- Que se foda! Quer ouvir? Ok. Mas vai ter ajudar.
- Edward... do que você está falando?

Bella me olhava com um ponto de interrogação no rosto. Peguei seu braço e fiz ela sentar na cama.

- Lestat me ligou.
- Ah, em falar em Lestat, você é louco em ter levado-a lá...
- Dá para calar a porra da boca James?
- Ok. Não está mais aqui quem falou.

Mas ele estava. E continuava. Contei até dez e continuei.

- Então... ele ligou para me avisar de um problema.
- Qual?
- Uma caçadora de recompensas está vindo atrás de Hazel.

Barata branca levantou da cama num pulo.

- Epa! Peraí. Volte essa história. Quem é Hazel e quem é a caçadora? Você sabe que caçadores de recompensas não são nada legais, né?
- Hazel é um vampiro de 8 anos.

Ele virou para olhar Bella e me olhou sorrindo.

- Então a estressadinha aqui não estava mentindo?

Como é que é? Bella contou para James sobre Hazel? Ok, depois eu penso nisso...


- Não mentiu.
- Ele se alimentava mesmo do sangue do Príncipe?
- Sim.
- Que foda!
- Posso continuar James?
- Claro Cu! Quem é a caçadora? Sabe o nome?
- Jane Donovan.
- Se fudeu Edward...

Como assim? James conhecia essa tal de Jane?

- Será que alguém pode me explicar melhor? Eu não estou a par das amiguinhas de vocês...
- De amiga ela não tem nada Bella. Jane é uma mulher que todos evitam.

James me respondeu meio que sorrindo. Ironia? Não entendi.

- Ela é feia?
- Não Bells, ela é perigosa.
- Ah.

Edward franziu a testa e começou a me explicar algumas coisas.

- Só encontrei-a uma vez em toda minha vida, e posso dizer que não foi nada agradável.
- Eu já vi Jane várias vezes por aí... nunca sofri nada, mas sei de pessoas que vou te falar... não resistiram não...

Não resistiram? Era uma mulher ou um Alien?

- Estou boiando...
- Bells, Jane é uma vampira com um poder... bem peculiar. Ela pode entrar na sua mente e te fazer sofrer. Muito.
- Mas como?
- Ela te manda... uns pensamentos bem dolorosos. É difícl de explicar... só entende perfeitamente, quem sente.

Eu realmente não gostaria de entender então, porque só a explicação de Edward me deu calafrios.

- E o que ela quer com Hazel? Ele é só uma criança!
- Dinheiro.

James respondeu rápido.

- Dinheiro? Ela pretende então pedir resgate ao Lestat?
- Lestat? Claro que não...

Não entendi o por que James disse isso, mas então Edward me explicou melhor.

- Se Jane pegar Hazel, ela vai vendê-lo no mercado negro.
- Uma criança imortal... ela nunca mais precisaria voltar a trabalhar com o dinheiro que ganharia com ele...

James complementou o que Edward disse, enquanto via os dois franzindo a teste de preocupação.

- Mercado negro?
- Ela pega Hazel e oferece a bilionários que dariam tudo para ter alguém como ele. Nenhum de nós faz idéia do que Hazel é capaz de fazer... ainda por cima tendo tomado o sangue do Lestat por tanto tempo. E ela provavelmente descobriu isso.

Eu sentei na cama para poder assimilar todas essas informações. Uma vampira potencialmente perigosa, vindo atrás de Hazel. Em Forks. Super! Eu sabia que algo de ruim iria acontecer quando senti o calafrio no banho...

- Ele... tem como se defender dela?
- Não sei. Mas nós podemos.
- Podemos?

James pareceu não acreditar na confiança de Edward.

- Eu posso. Você eu não sei.
- Vai se ferrar Cu!
- Edward... e como seria isso?
- Eu não sei ainda Bells, tenho que pensar em algumas coisas. No momento, eu estou com fome. Acho que vou dar uma saída e volto mais tarde, ok?
- Eu também estou com fome. Mas de carne humana. Angieee!

OMG. Quase vomitei quando James saiu gritando por minha amiga pelo corredor da casa.

- Ok... vai lá... eu espero você mais tarde então.

Nos beijamos e ele saltou. Fui deitar quando o vi entrar no carro e ir embora.


- Jasper, estou indo para casa e queria que deixassem Hazel arrumado. Vou levá-lo para sua primeira caça.
- Oh. Bem, Hazel não está em casa.

Hein? Não estava em casa?

- Explique-me.
- Ele saiu com Emmet.

Ah não. O que meu irmão imbecil ia fazer com o garoto? Ou bem... o que Hazel ia fazer com meu irmão imbecil. Era mais fácil pensar na segunda hipótese. Pisei fundo para esperá-los em casa. Cheguei jogando a chave em cima da mesa e gritando por Alice. A baixinha apareceu no alto da escada.

- Está tudo bem Edward... nenhum cadáver recente em Forks.
- Não tem graça Alice. Como você deixa Emmet sair sozinho com ele? Nem eu conheço-o direito ainda...

Ela sorriu.

- Oh Edward... talvez Emmet o conheça melhor do que você.

Eu percebi ela olhando por trás de mim e me virei para a porta. Eu não estava vendo isso. Eu não estava. Sim, eu estava. Eu via Emmet de terno preto e óculos escuros. E eu via Hazel de terno preto e óculos escuros.

- Irmãos gêmeos?
- Gostou Edward? Levei o pequeno aqui para fazer umas comprinhas...
- Ficou louco Emmet?
- Edward, o tio Emmet não fez por mal. E eu gostei de ver as gatas do shopping!

Céus! Dois Emmet's na minha vida, eu não iria agüentar.

- Troque de roupa Hazel. Iremos caçar.
- Eu não quero caçar. Pode trazer para mim?

Eu gargalhei. Muito.

- Tenho cara de entregador de pizza?
- Não quero pizza. Quero sangue.
- Tirou onda com a sua cara Edward!

Emmet estava feliz pelo gêmeo dele estar me irritando.

- Hazel... ou você sobe e troca de roupa, ou vai vestido assim mesmo.

Ele se olhou uma vez e sorriu para mim.

- Tio Emmet disse que é um Armani.
- Perfeito! Vai caçar de Armani, olha que legal!
- NÃO!

Ouvi o grito estridente de Rosalie que descia a escada. Ela estava furiosa.

- Vocês não seriam loucos de deixar uma... coisa que anda e fala, estragar um Armani com sangue!
- Hazel. Meu nome é Hazel.
- Que seja.

O pestinha me olhou sorrindo e foi andando em direção ao carro.

- Vamos caçar Edward! Quero sujar o Armani agora!

Rosalie saiu correndo atrás dele enquanto nós ríamos da cena.

- Sua peste! Isso custou caro!
- Sua loira, meu pai é milionário!

Rosalie rosnou e saiu xingando pessoas que eu nunca ouvi falar.

- Hazel, eu também não gosto muito de Rosalie, mas você não pode falar assim com as pessoas, ok? Não é legal.

Ele tirou os óculos e limpou as lentes com a flanela do carro. Colocou os óculos novamente e sentou no banco de trás enquanto falava comigo e fechava a porta do carro.

- Edward, fala com a minha mão.

Inacreditável. Emmet ficou algumas horas com ele e já tinha estragado a criança. Entrei no carro tentando ignorar a imagem que eu via pelo retrovisor. Hazel de terno e óculos sentado totalmente ereto, passando a mão pela gravata que nem um adulto. O que eu perdi?

- Não quer perguntar nada?
- Sobre o que?
- Sobre o que vamos fazer.
- Como eu tenho que fazer?

Vi uma fagulha de interesse pelo ar. Era isso que eu queria dele.

- Nós vamos parar em um determinado lugar e vamos nos aproximar de uma moça qualquer. Então eu irei seduzí-la e você vai ficar olhando para aprender. Quando ela estiver no papo, a gente ataca. É basicamente isso.
- Talvez seja melhor eu seduzi-la...

Piada né?

- Hazel, você tem oito anos.
- Tio Emmet disse que as mulheres adoram os novinhos.
- Não tão novinhos assim.

Minha primeira tarefa a cumprir quando voltasse para a casa, seria socar a cara de Emmet.

- Ok.

Dirigi bastante, até Port Angeles e parei no cais. Tinha uma mulher sozinha, sentada, lendo.

- Está vendo aquela moça ali?
- Estou.
- É nossa presa. Nós não podemos deixá-la fugir, nem gritar.
- Ok.
- E Hazel, não faça besteira. Não é para chegar e sair mordendo.
- Ok.

Saímos do carro e segurei sua mão, caminhando normalmente até a mulher. Me sentei casualmente ao lado dela, que não desgrudou os olhos do livro.

- Boa tarde.
- Boa.
- Sozinha?
- Não.

Olhei para os lados e não vi uma alma sequer. Ela continuou com os olhos grudados no livro.

- Está com quem, posso ousar perguntar?
- Com um chato atrapalhando minha leitura.

Ok, essa doeu. Mas a piranha não me olhava porra! Duas mãos pequenas pararam em cima da página que ela lia.

- Você é bonita!

Hazel... não faça besteira... não faça...

- Que coisinha linda!

Olha a sacanagem bem aí. Antes ela nem desgrudava do livro, agora ela não só olhava para Hazel, como parecia estar hipnotizada.

- Posso beijar seu pescoço?
- Que gracinha! Pode sim!

Ela se curvou e ele se esticou na ponta dos pés, cravando os dentes no pescoço da mulher idiota. Ela nem gritou, nem se mexeu. Ele parou e limpou a boca na manga do terno.

- Acabei.

OMG. Corri rápido com ele para o carro antes que passasse alguém e nos visse do lado de um cadáver.

- Você viveu tempo demais com Lestat!


Peguei no sono desde que Edward tinha saído lá de casa e acordei com lábios gelados na minha testa. Abri os olhos e vi a pessoa mais linda do mundo em cima de mim.

- Demorei?
- Uma eternidade! Olhos vermelhos? Você não foi caçar?
- Fui... mas não deu para comer nada.

Hein? Desde quando?

- O que houve?
- Hazel devorou minha comida.

OMG. Eu quis rir, mas continuei séria.

- Me conta...

Ele torceu o rosto e sentou de péssimo humor.

- Ele simplesmente jogou seu charme irritante para a mulher e agarrou ela. Além de não ter deixado uma gota sequer, nem se deu ao trabalho de tomar cuidado com a exposição.
- Ow. Alguém viu?
- Não. Ainda bem. E ele aprendeu algumas gracinhas com Emmet.

Tradução: ele está virando um tarado.

- Como vai ser quando ele começar a crescer Edward?
- O físico não muda.
- Sim. Mas tipo, ele vai ficar adulto, num corpo de criança. Não acha que vai ser difícil para ele?
- Bells, eu espero que quando ele estiver adulto, já não esteja mais perto de mim.

Eu já gostava de Hazel. Não queria mais ele longe.

- Ok.

Os dedos de Edward deslizaram pelos botões da minha blusa e os arrebentaram. Ele passou o dedo em volta do meu umbigo e beijou minha barriga.

- Já falei que adoro sentir esses pêlos arrepiados?
- Não... pode falar quantas vezes quiser.

Não sei o que me deu na cabeça, mas antes dele tentar alguma coisa, eu sentei rápido na cama e o fiz deitar no meu lugar, subindo em cima dele. Desabotoei sua calça e abaixei. Fiquei olhando a cueca box preta. Uma das milhares de sua coleção.

- O que tem em mente Bella?

Eu lá sei? Nem estava pensando direito. Só tinha certeza que queria dar prazer a ele... de outra forma.

- Fica quieto.

Ele cruzou os braços atrás da cabeça e ficou me olhando, sorrindo ironicamente. Céus. Me concentrei em respirar enquanto abaixava lentamente sua cueca. Seu membro foi ficando exposto para mim. Morri e ressucitei. Acho que nunca me acostumaria com a perfeição de Edward.

- Você quer mesmo fazer o que eu acho que você está pensando em fazer?
- Aham.
- Não me morda amor...
- Você não sentiria dor Edward!
- Mas ficaria nervoso só em ver.
- Isso não está me ajudando, sabia?

- Certo. Vou calar a boca então.

Fiquei olhando para ela, que agora estava quase roxa de vergonha. Encostei minha mão na sua.

- Amor, vem cá, vem... não precisa fazer nada.

Senti seu tapa carinhoso e fiquei quieto de novo. Ela se curvou e deu um selinho bem na cabeça dele. Me contorci com o calor dos seus lábios. Passei a mão nos seus cabelos, segurando delicadamente e levantando seu rosto para olhá-la.

- Faz de novo, faz...

Ela abaixou a cabeça e puxou os cabelos para cobrir o rosto. Mas assim não tinha graça. Eu queria vê-la fazendo isso. Joguei seus cabelos para o lado quando senti os lábios encostarem em mim novamente.

- Bella, não me torture... beija mais amor...
- Calma Edward!
- Estou calmo... mas passa a língua...
- Pára Edward!

Céus, ela ia me matar com essa lentidão! Então senti a ponta da sua língua deslizando por ele. Puta que pariu! Ela colocou uma mão na minha barriga e com a outra, segurou-o. Vai Bella, vai.

- Quer que eu continue?
- Depende... quer morrer?

Ela sorriu e corou, voltando-se para seu trabalho. Me lambeu de novo e entou colocou a cabeça na boca. Instintivamente, eu agarrei seus cabelos e empurrei sua cabeça. Ela me socou. Tinha se engasgado.

- Edward!
- Desculpe amor... mas continue...

Ela voltou ao trabalho e eu me controlei para não atrapalhá-la dessa vez. Sua boca quente estava me fazendo gemer. Fechei os olhos e me deixei consumir pelo prazer. O vai-e-vém daquela boca me apertando estava me fazendo tremer. Foi questão de poucos minutos, para eu lembrar de puxá-la dali evitando que ela engolisse o que saía de mim agora. Eu fui ao céu e voltei.

- Meu... Deus...
- G-g-gostou?
- O que você acha? Tudo bem que fui torturado... mas valeu a pena.

Beijei seu pescoço quente, envolvendo sua cintura, quando escutamos baterem na parede ao lado.

- Pare de gemer Cu!

Era brincadeira, né?

- Amanhã ficaremos na minha casa Bella... 


<<< Capitulo 20                                               Capitulo 22 >>>

1 comentários :

Perfeitoooo...
Ameeeiiii...
Quero Mais..

28 de janeiro de 2011 11:55 comment-delete

Postar um comentário