TCS - Capitulo 19


Capítulo 19.





- Legal. Eu sou convidada para um baile de máscaras num castelo, mas não posso ir porque não tenho uma porra de uma máscara!

- Na verdade amor... quem foi convidado, fui eu.

Adorava irritá-la!

- Nem vou responder Edward.

Fomos até a cozinha um pouco gigante do castelo. Edward queria preparar alguma coisa para mim. Estava tudo movimentado lá embaixo. Um entra e sai geral, com arrumações da decoração por todos os lados. Eu queria chorar por não poder estar presente nesse baile.

- Senhor Cullen.

O empata-foda apareceu. Já estava com saudades dele. Mentira.

- O Príncipe gostaria de falar com vocês dois.

Nós dois? Ele me incluiu na conversa? Será que Lestat estava se apaixonando por mim? Ok, Bella, acorda. Fui puxada por Edward e lá fomos nós para o último andar. Ele me levou no colo, mas isso era meio que humilhante, sabe? Elevador seria legal ali... apesar de não combinar com a arquitetura.

- Edward. Entre.

Ele não falou meu nome, mas tudo bem.

- O que foi?

- Receberam meu convite?

- Sim, obrigado. Mas não temos máscaras... logo, não estaremos presente.

Lestat me olhou e sorriu. Yay! Chega Bella!

- Eu seria um péssimo anfitrião, se os convidasse e não providenciasse máscaras para vocês.

OMG. Eu ia ganhar uma máscara? Yay!

- Certo... mas não precisa. Mesmo.

- Presentes não se recusam Edward...

Lestat andou até uma cômoda e pegou duas caixas pretas. Veio até mim e me entregou uma.

- Espero que tenhoa algo lindo para usar com ela. Caso não tenha, me procure.

Ok. Yay!

- Edwad... você eu sei que sempre tem algo para usar.

Abri minha caixa. Morri. Era a coisa mais linda que eu já vi na vida. Quando falou-se em máscaras, eu achei que fossem tipo aquelas que a gente aluga em lojas de fantasias. Idiota Bella... idiota. Minha máscara era de renda preta com um fundo um pouco vinho, de paetês pretos, plumas pretas e uns detalhes em prata.

- É simplesmente... linda.

- Que bom que gostou.

Eu olhei a de Edward. Ele ficaria bem gostoso usando aquilo. Ela era toda preta com detalhes em alto relevo, também em preto, mas que fazia com que a máscara ganhasse um brilho meio prata. Pensei nele usando apenas a máscara para mim, na cama. E só. Untei. Acho que eu guardaria a máscara e levaria para Forks. Seria bem legal recordar o baile...

- Obrigado. Se é assim, nós iremos.

- Posso usar qualquer roupa?

- Algo que combine com sua máscara. Com a cor dela, de preferência.

- Ok.

Eu não tinha porra nenhuma para usar. Fato! O que ele quis dizer com “me procure”? Teria uma roupa aí que coubesse em mim? Nem tive tempo de perguntar, já que Edward saiu me puxando dali. Voltávamos para o quarto. E eu não comi.

- Vai querer mesmo ir ao baile?

- Isso é piada, né?

- Certo.

Que tanto ela queria fazer numa droga de Baile de Máscaras?

- Só não sei que roupa colocar... não tenho nada que combine com isso... porque eu só trouxe malditas roupas de couro!

Couro é? Hum. Ok. Se era para ir nesse baile e sofrer, então iria tentar me divertir um pouco. Fui até a mala de Bella e puxei uma roupa lá de dentro.

- Usará isso.

- Não mesmo!

Eu segurava o macacão de couro que Alice obrigara Bella a comprar. Deveria ficar justérrimo, no melhor estilo Mulher-Gato. E sem contar que tinha um decote bem promissor ali na comissão de frente.

- Ou você veste isso, ou nós não vamos ao baile.

Ela me olhou incrédula. Sim, eu virei chantagista. Haha. E arrancou o macacão da minha mão.

- Inacreditável Edward!

As horas passarm bem rápido, e já eram 20:00hs quando terminávamos de nos arrumar. Ela ainda não tinha saído do banheiro. Estava louco para vê-la de máscara e com aquela roupa.

- Edward, eu vou desmaiar de fome nessa festa!

Olhei para o banheiro, ela ainda estava lá dentro, gritando comigo.

- Não vai não... tem comida hoje. De humanos.

- Jura?

- Sim... ele precisa alimentar os convidados.

Então ela saiu pronta de lá. Eu fiquei bem excitado com a imagem. Estava gostosíssima com a roupa que marcava cada curva sua. Tínhamos mesmo que ir lá para baixo? Ela andou até mim, e parecia que um felino estava se aproximando.

- O que você fez com minha namorada?

- Muito engraçado!

Porra Edward me come! Meu namorado gostoso estava mais gostoso ainda com aquela máscara e uma roupa toda preta. Me lembrou o Batman. Não riam. Ele não estava usando um peitoral de enchimento, ok? Muito menos uma máscara com chifrinhos. Mas me lembrou o Batman. Ficou imponente.

- Acho que sua namorada foi dar um passeio com o meu namorado.

- Devem estar se pegando então...

- Provavelmente.

Eu tive vontade de ser forte o suficiente para rasgar sua roupa e jogá-lo na cama. Então me dei conta da inversão de papéis aqui. Eu era super patética.

- Tem certeza que ficou legal? Minha roupa?

- Absoluta. Mais gostosa impossível.

Se ele falava com tanta certeza, quem era eu para discordar. Edward me deu o braço e eu aceitei. Saímos do quarto e fomos lá para o salão.
Diferente de ontem, o castelo agora estava todo aceso, super iluminado com seus lustres gigantes de cristal. A música tocava super alto, e já tinha muita gente perambulando pela festa. Eu fiquei tonta com tantas máscaras e tantas pessoas imponentes e elegantes. E cada roupa mais foda que a outra.

- Quem são?

- A alta sociedade parisiense. Em peso.

- Não sabem o que Lestat é, certo?

- Não.

Coitados... mas bem, não achava que Lestat faria algo ali.

- Ele vai aprontar?

- Quem? Lestat?

Balançei a cabeça.

- Claro que não. Ele preza demais sua imagem.

- Ah claro.

O burburinho parou, quando Lestat apareceu no alto da escada. Ele não devia gostar muito de chamar a atenção, né? Usava uma blusa branca aberta até o meio do peito, calça preta e uma capa bem estilo vampiro. Claro, era dele. Dã. Aquelas capas pretas por fora e vermelhas por dentro.  A sua máscara era bem discreta. Mentira. Era toda dourada. Aquilo reluzia lá de cima. Era ouro?

Ele chegou ao salão, com várias mulheres indo cumprimentá-lo. Imaginei que não seria nada agradável namorar um cara desses. Edward já me matava de ciúmes... imagina alguém tão... galinha! Ele nos viu e chegou perto.

- Edward. Bella.

Se curvou para me cumprimentar. Hein? Lembrei de filmes antigos e coloquei minha mão na dele, que estava estendida para mim. Deu um leve beijo nela.

- Encantado.

Como se nunca tivesse me visto, né? Cantadinha barata!

- Roupa bem... instigante, posso dizer.

- Concordo. Vou arrancar do corpo dela quando formos dormir.

Edward jogou um veneno para ele. Wow. Era alguma disputa? Deixa de ser imbecil Bella...

Estava tentando não arrancar a cabeça de Lestat, quando um ponto vermelho parou no alto da escada. Pensei em Victoria na hora. Mas não era. Ela tinha cabelos negros e curtos usava uma máscara toda branca e prata, com plumas brancas, e um vestido descomunal, vermelho. No melhor estilo Jessica Rabit. Tomara-que-caia, justérrimo, com um rasgo na perna que ia dos pés até a virilha. O salão inteiro parou para admirá-la. Quando ela se aproximou, eu tinha certeza que conhecia essa mulher. Mesmo de máscara, seu rosto me era familiar. Lestat deu o braço a ela.

- Esta é minha nova aquisição.

- Outra mulher Lestat?

- Sim. Essa é minha K.

Ah não. Lembrei. Escrava K. Mas como...? Antes que eu perguntasse, Bella se adiantou.

- Escrava K? Onde a achou?

- Uma mulher estava vendendo-a no EBay.

Eu não acredito que Rosalie vendeu a escrava. Emmet sabia disso? Se não soubesse, ele iria morrer.

- No EBay?

A escrava me olhou e sorriu. Era melhor sair dali antes que Lestat desconfiasse de algo... não queria mesmo que ele soubesse que nós tínhamos ligação com a escrava. Peguei no braço de Bella.

- Com licença, vou procurar algo para comermos.

Saímos de perto deles e aproveitei um garçom passando e o parei.

- Só um minuto por favor... Bella, coma!

Peguei alguns canapés e dei para ela.

- Edward!

- Deixa para conversar depois... primeiro coma.

Ok, isso foi rude... ela ia morrer engasgada de tanta comida que mandei ela comer. Puxei outro garçom e peguei duas taças.

- Beba amor...

- Edward, eu estou morrendo, chega!

Ela falava de boca cheia empurrando minha mão. O garçom da comida estava indo embora. Puxei-o pela camisa.

- Calma. Quando ela estiver satisfeita, você vai.

Céus! Ele estava me matando de vergonha. E me entupindo de canapés. Eu estava engasgada já. Peguei uma taça da mão dele e virei. Puta que pariu, que merda é essa? Senti meus olhos lacrimejando.

- Edward, o que é isso?

Ele pegou a taça e cheirou o líquido. Me olhou arrependido.

- Absinto, desculpe.

- Você pegou absinto para eu beber?

Porque eu não tinha um namorado normal? Será que tem refrigerante nesse baile?

- Moço... tem refrigerante?

O garçom que estava sendo segurado por Edward me olhou. Ficou me olhando.

- Não.

Morri, né? De sede.

- Não tem nada que não seja alcoólico?

- Temos água.

Legal. Água. Peguei a porra do absinto e bebi. Desceu queimando. Argh!

- Não quero mais comer Edward... não por enquanto.

Ele soltou o garçom, que saiu apavorado de perto de nós. OMG.

- Edward... olhe lá para a escada.

Ele virou para olhar e apertou minha mão.

- O que Lestat pensa que está fazendo?

Vinha descendo de mãos dadas com Lestat, um diabinho. Digo, Hazel. Esse mesmo. Ele usava máscara menor, prateada. Mas não igual às nossas... diferente, como se fosse de metal. Estava vestido com uma túnica azul clara com fios em prata. Parecia um mini-imperador. Todo mundo olhou, claro. O diabinho era lindo de doer. Vai ser belo assim lá no inferno! Cruzes. Parecia um anjo mau. Lestat guiava-o pelo meio das pessoas, sem soltar sua mão. Chegou até nós.

- Lembra deles, Hazel?

- Sim.

Edward olhou feio para Lestat.

- Você perdeu a cabeça?

- Nossa Edward! Que piada de péssimo gosto...

- Lestat, olhe em volta. Humanos... (apontou para Hazel) e dentes.

- Ele vai se comportar, certo Hazel?

- Certo pai.

Pai? Que fofinho... chega Bella.

- E além do mais, vocês não vão deixar que ele morda ninguém por aí...

O que ele quis dizer com... nós?

- Como é que é?

- Trouxe-o para vocês se acostumarem com ele...

Lestat então passou a mão do menino para Edward, que segurou tremendo.

- Qualquer coisa me chame. Comporte-se Hazel.

Mentira que Lestat saiu andando e deixou sua cria nas minhas mãos... mentira. Não era cria de verdade... mas, entenderam né? Olhei a peste.

- Você sabe que não pode morder ninguém, certo?

- Sim.

A voz dele era mais cristalina que a minha e de qualquer outro vampiro.  Ele olhava Bella.

- Oi.

- Er...o-oi.

Hazel pegou na mão dela e alisou. Depois encostou o rosto.

- Seu cheiro é tão bom...

Ok, peste. Puxei ele para longe dela. Cheiro bom o cacete.

- Edward... não acho que ele ia fazer algo.

- Não importa. Hazel, ela é minha namorada e humana. Você nunca poderá mordê-la, entendeu?

- Não vou mordê-la. Se ela morrer, não sentirei mais o seu cheiro.

Ok. Criança pervertida, isso sim. Que parada é essa de sentir o cheiro da minha mulher? Eu hein. Passou uma criança correndo por nós e senti Hazel se mexer.

- Não.

- Só vou brincar.

- Não.

Fiquei com pena dele... era apenas uma criança. Má, mas era criança.

- Edward, deixe ele ir um pouco...

- Ficou louca Bella? Quer uma criança assassinada aqui?

Pensei melhor. Não mesmo. Hazel estava quieto agora, olhando para o chão.

- Que tal se fôssemos dar uma volta pelo salão?

Ele levantou a cabeça e os olhos azuis brilharam. Esticou a mão para mim.

- Vamos. Os três.

Ele abaixou a mão de novo. Coitado.
Andamos pelo salão, esbarrando nas pessoas que se amontoavam em grupos. Povo adora parar no meio da passagem, né? Passou um garçom por mim e eu peguei logo uma taça. Absinto? Bebi. Não. Champagne. Melhor, né?

- Você não devia misturar as bebidas Bells.

- Só um pouco... e tenho você para me carregar até o quarto quando eu ficar trêbada.

Ele fechou a cara. Vi de longe o grupo de mulheres de Lestat, todas em volta dele. Como esse homem consegue dar conta de todas elas? É pilha Duracell? Hazel começou a ficar um pouco impaciente, e ficou esfregando os olhos.

- Que foi garoto?

Nossa, Edward era super delicado. Imaginei ele com um filho.

- Meus olhos!

- O que tem?

- Estão mudando! Rápido! Faz alguma coisa!

Então Hazel nos olhou. Ow. Os olhos azuis sumiram e agora eu via dois olhos vermelhos. Isso era lugar para aquilo acontecer? Edward o pegou no colo e correu até Lestat.

- Edward...

- Fome. Agora.

Lestat levantou o rosto de Hazel com o dedo. Curvou as sobrancelhas.

- Você está ficando insaciável Hazel...

- Alimente- o Edward.

O que? Não mesmo. De novo não.

- Não!

Eu queria morrer... dizer um não sonoro para Lestat. Ele inclinou a cabeça para o lado, me olhando.

- Não?

Pensa rápido Edward.

- Também estou ficando com fome...

- Certo! Inferno!

Ele tirou Hazel dos meus braços e o levou lá para cima. Voltei para onde deixei Bella.

- Edward, você não está sendo duro demais com ele?

- Bella, ele tem a aparência de uma criança,. Mas não é mais. É um demoniozinho por dentro!

- Mas ele parece estar controlado...

- Você acha mesmo que sabe mais sobre ele do que o próprio Lestat?

Ela me olhou, como quem me entendia. Era bom mesmo. Só me faltava essa agora, Bella ficar com pena do diabinho mirim. Louis chegou perto de nós, de camisa vermelha e calça preta, e uma máscara vermelha e prata. Me lembrou um Don Juan da vida. Bella o olhava com um sorriso no rosto. Eu mereço.

- Boa noite Edward, Bella...

- Oi Louis.

- Oi... Louis... você comeu mesmo ratos?

- Delicada...

- Não tem problema Edward... não me importo em falar sobre isso.

Ele sorriu e pegou uma taça de absinto que passava.

- Bebendo Louis?

- Já te disse que experimentei de tudo nessa vida...

- Você gosta disso?

Ele olhou para Bella e sorriu. Tinha um sorrisinho desses que as mulheres ficavam com vontade de botar no colo.

- Aprendi a gostar. Mas às vezes bebo só de onda mesmo.

- Mas sobre os ratos?

Bella era insistente né? Coisa desagradável...

- Posso dizer que não gostei muito.

- Imagino...

A orquestra começou outra música, dessa vez lenta, e Louis estendeu a mão para Bella. Hein? Estou aqui, ok?

- Posso ter a honra?

Morri. Morri. Morri. Louis de Pointe du Lac me chamando para dançar. Morri. Alguém pode por favor me ressucitar? Pega a mão dele, Bella. Pega! Edward me olhou. Não pega...

- Então?

- Bem... eu... obrigada...

Louis me olhou e depois olhou Edward.

- Acho que Edward não vai se importar.

Eu olhei para Edward também. Duvido!

- Claro que não me importo!

Mentira. Ele tinha o maxilar tenso. Mas eu fini que também acreditei e peguei na mão de Louis. Oh.  Louis me conduziu até a pista de dança cheia de gente e parou comigo no meio.

- Com licença.

Para que? Ow. Ele colocou uma mão em minha cintura e a outra continuo segurando minha mão. Perfeito cavalheiro. Edward podia aprender umas coisinhas com ele... Então lembrei... eu não sei dançar. Fudeu.

- Podemos não mexer os pés?

Ele me olhou rindo.

- Não sabe dançar?

- Sei dançar hip hop, funk, rock, dance e house.

Louis me olhou como se eu estivesse falando alguma coisa em braile.

- Você sabe dançar... músicas boas?

E desde quando Madonna ou 50cent não era legal?

- Não...

- Então apenas me deixe conduzi-la.

Eu deixo. Eu deixo. Com todo prazer. Merda Bella, seu namorado está ali... eu devia estar roxa... tipo, eu era fã daquele cara! Assisti Entrevista com o Vampiro 20 vezes só para vê-lo ser interpretado pelo Brad Pitt. Que não chegava nem aos pés do verdadeiro Louis. Morra, Bella! Ele me conduzia pelo salão e eu nem sentia que estava dançando. Mas eu sabia que estava, porque cada hora estávamos num ângulo diferente.

- Você gosta de ser assim?

- Imortal?

- É...

- Tenho opção?

- Não...

- Pois é.

- Mas... você realmente foi mordido por Lestat?

- Sim.

- E por que Edward falou que ele não transforma mais ninguém?

- Atualmente ele não faz mais isso. Já parou há alguns anos.

- Muitos anos?

- Acho que o último foi a uns 250 anos.

Ow.

- E você...

- Fui mordido muito antes de Lestat se tornar tão popular.

A música estava chegando ao final e vi Edward caminhando até nós. Quando ele chegou, o vulto preto de capa vermelha chegou junto com ele.

- Não vai me dar a vez agora Edward?

Ele fechou a cara, eu achei que ele fosse socar Lestat ali na frente de todos.

- Claro.

Edward me lançou um olhar de “tome cuidado” e se afastou. Louis deu minha mão para Lestat. Agora eu morri mesmo. Não sentia nem mais meu coração bater. Vocês têm noção de como ele é gelado?

- Não morra agora Bella...

Céus. Ele olhou para a orquestra e fez um gesto com a mão. Eu só entendi quando os acordes mudaram e ele me perguntou.

- Sabe dançar tango?

Hein? Oh caralho...

- Não...

- Dois por quatro Bella... dois por quatro.

Você entendeu? Nem eu... eu só tentava me concentrar em respirar e não pisar de forma alguma nos pés dele. Lestat colocou uma mão por trás de minhas costas e eu tremi. Ele não se inclinou, pelo visto Tango se dança com uma certa postura... mas ele falava comigo de uma forma que as palavras chegavam sussurradas até mim. Puta que pariu, como ele faz isso? Não enxerguei mais nada ao meu redor, só eu, ele e a orquestra tocando. Dávamos largos passos pela pista, sempre deixando ele conduzir. Por incrível que pareça, eu estava dançando como se sempre tivesse feito isso. Não me perguntem como.

- Te deixo nervosa?

- Ahn? Não.

- Aprenda a mentir melhor Bella...

- Ok.

- Pensou no meu convite...?

- Qual...

- Se juntar ao meu... acervo...

Hehe. Hehe. Feche a boca Bella.

- Não...

- Não pensou... ou não quer se juntar?

Não sei.

- Não quero...

- Uma pena.

Também acho... mentira! Amo Edward!

- Não sou ciumento...

Ele me leu?

- Você... lê o que eu penso?

Ele sorriu diabolicamente irresistível.

- Não leio. Sinto.

- Como... assim?

- Edward lê exatamente o que você pensa. Eu sinto as pessoas por completo... Eu sinto que você está nervosa, respirando errado, com medo... mas ao mesmo tempo está feliz por me chamar a atenção...

Ele me olhou fundo nos olhos e me jogou para trás. Merda, vou cair! Então sua mão veio junto nas minhas costas e eu parei a centímetros do chão, com ele me segurando e dessa vez, se inclinando sobre mim, aproximando seu rosto do meu.

- Eu sinto que você está nas minhas mãos...

Morri. Fato consumado. Mandem meu caixão para meus pais. Ele me levantou de volta, e eu bati contra seu corpo. Soltou-me e veio ao meu ouvido.

- Não babe... vai borrar a maquiagem...

Fiquei parada olhando-o se afastar, e depois corri os olhos pelo salão à procura de Edward. Espero que ele não esteja muito irritado. Mas o que...? Filho da puta! Ele não estava irritado! Porque ele não estava nem olhando para mim. E sim conversando com nada mais nada menos... que Escrava K. Ah, parou!

- Oi.

Bella tinha voltado da dança. Nã estava com uma cara muito feliz. O que foi agora?

- Olá! Tudo bem? Estava conversando com seu namorado, sobre meus dias com Emmet. Lembra de mim, né?

- Impossível esquecer...

Bella estava ríspida com a escravinha. Pobre menina.

- Edward, podemos dar uma volta?

- Agora amor?

- Agora!

Olhei para Escrava K. Não podia deixá-la sozinha... ela não conhecia ninguém ainda.

- Por favor, não se prendam por minha causa... preciso mesmo ir atrás de Lestat. Ele ainda não... experimentou o material, se é que me entendem.

Eu entendia perfeitamente. Se ele estivesse muito ocupado eu podia me colocar em seu lugar. Deixa de ser imbecil Edward. Bella está ao seu lado.

- Ok, vamos.

Ela saiu me puxando pelo braço para longe do pontinho vermelho. Escrava K piscou para mim e saiu andando para o lado oposto.

- Perdeu a razão Edward?

- Eu?

Eu hein, Bella estava alterada demais...

- Quem dançou com Louis e Lestat? Fui eu?

- Não... mas eles que pediram. E você se jogou em cima daquelazinha lá.

- Escrava K Bells... ela tem nome.

Ela rosnou e me acariciou com um soco no estômago. Assim eu gamo mais...
Lestat apareceu de longe e fez um sinal com a cabeça.

- Vem cá...

Fui até ele. Hazel estava de volta. Ótimo. Mentira.

- Já comeu?

- Sim.

- Não está tarde para ele ficar acordado Lestat?

- Edward... ele é um vampiro.

Certo. Falha minha. O diabinho olhou para Bella e chamou-a com o dedo. Ela se curvou.

- Bella!

- Calma Edward... deixa eu falar com ele...

Céus! Ela era louca mesmo!

- Você é linda!

Bella corou e me olhou. Isso é alguma piada? O garoto de 8 anos estava jogando charme para MINHA namorada? Bella sorriu para ele.

- O-obri-brigada.

Ah, fala sério! Me mata, vai! Lestat sorria olhando a cria, feliz como um pai orgulhoso. Então algu passou pela minha cabeça. Não podia ser... olhei em volta, procurando por uma mulher bonita. Puxei uma morena pelo braço e coloquei-a na frente dele. Abaixei e falei em seu ouvido.

- Linda moça, né? Quero ver você seduzi-la...

A peste me olhou insolente.

- Fácil.

Ele sorriu para a mulher, que sorriu de volta. Pegou na mão dela e beijou. Eu senti o coração da humana acelerar. Não era possível.

- Lestat, posso falar a sós com você?

- Hazel, tome conta de Bella.

Ele mandou a peste tomar conta da minha namorada? Vai se fuder, Lestat!

- Bella, não se mexa. Nem abaixe de novo.

Puxei o príncipe até um canto. Ele tinha uma feição impaciente agora.

- Lestat, ele está se tornando você!

- Como é que é?

- Você não percebe? Que ele já seduz uma mulher com facilidade?

Ele olhou para Hazel e então parece que a ficha caiu. Lestat abriu um sorriso e gargalhou. Foi até a peste e pegou-a no colo.

- Inacreditável, Hazel!

O menino sorriu sem entender.

- O que mais você consegue fazer?

- Eu?

- Sim. Lê alguma mente aqui da festa? Sente alguma coisa?

O pobre coitado balançou triste a cabeça, como quem tinha medo de decepcionar o pai.

- Não importa. Talvez com o tempo...

Eu tive uma idéia genial!

- Quem sabe se ele continuar morando aqui, ele não acabe se tornando seu clone...

- Não é preciso Edward.

É sim, vai...

- Ele vai parar de se alimentar do seu sangue... portanto...

- Ele pode se alimentar de vez em quando. Nós temos tempo. Anos. Séculos. E além do mais, quero conhecer Forks.

Vamos parar o mundo porque eu quero descer! Lestat em Forks? Tudo que eu não merecia!

- Certo...

- Do que vocês estão falando?

Tinha deixado Bella boiando na conversa. Eu ia abrir a boca, mas o maldito príncipe se adiantou.

- Sobre Hazel se tornar tão bom quanto eu...

- Ah.

Se acha, não?

Já estávamos lá para o meio da festa, quando um burburinho começou e várias pessoas se aglomeraram num local para depois se afastarem, como em briga de boate, que aquela onda de pessoas te atinge também e você geralmente não tem para onde correr, porque atrás de você... bem, tem mais pessoas. Legal! Fui empurrada ia cair de costas quando meu corpo bateu em algo frio. Era bom ter Edward por perto. Mas a voz dona do corpo que me segurava, não era a de Edward. Olhei. Morri. Lestat.

- O que está acontecendo?

A porradaria parecia estar comendo solta lá na frente e eu ouvi Lestat rosnando. Edward me puxou e Lestat sai andando em direção ao tumulto.

- O que é Edward? Está vendo?

- Briga de adolescentes. Provavelmente por causa de mulher.

Sempre era por causa de mulher... Eu olhei para Hazel, para segurar sua mão e ... ops.

- Cadê Hazel?

Edward olhou para onde Hazel deveria estar e se apavorou.

- Merda! Bella, vá para o quarto e fique lá.

- Por quê?

- Porque eu não sei onde está um vampiro em miniatura com sede de sangue e que tem atração por você.

- Não é mais seguro eu ficar contigo?

- Não... está um tumulto aqui por causa dessa briga. Etenho que procurá-lo. Mas na minha velocidade. Não na sua.

Não precisava humilhar né? Só porque eu era um pouco devagar... voltei rápido para o quarto e tranquei a porta como Edward pediu. Até parece mesmo que Hazel me atacaria lá.

Acendi a luz do quarto e quase morri do coração.

- Hazel!

- Assustei?

Não... que isso... os oslhos azuis estavam em cima da cama, sentado de pernas dobradas, brincando com... OMG. Ele estava usando meus sutiãs como estilingue, tentando acertar bolinhas de papel no lustre.

- O que você está fazendo?

- Treinando a pontaria...

- Me dá isso!

Arranquei um sutiã da mão dele e a criançinha linda rosnou para mim.

- Ok, pode ficar.

- Não quero mais.

- Melhor ainda.

Joguei dentro da mala e fechei. Ele ficou na mesma posição me olhando curioso. Cadê Edward nessas horas?

- Quantos anos você tem?

- Eu? Tenho 18.

- Pena que eu só tenho 8.

- Pois é...

Ele cruzou os braços e fez beiço. Tadinho.

- Eu nunca vou crescer né?

Perguntava para mim? Eu tenho tanto tato com vampiros...

- Acho que não...

Ele me olhou chorando. OMG. Escorreu uma lágrima de sangue pelo seu rosto. Peguei uma toalha e fui limpar.

- Você viverá para sempre... isso não é legal?

- Só seu eu pudesse crescer.

- Você vai crescer. Mas não em tamanho.

Eu não estava ajudando.

- Eu gosto daqui, e gosto do meu pai. Não quero ir para longe.

- Hazel, ele não é seu pai, sabe?

Ele me olhou furioso, com olhos negros. Dei um passo para trás, mas ele puxou minha mão. Eu caí sentada na cama.

- Não vou te matar.

- Ah... obrigada...

Eu era patética. Agradecendo um vampiro da metade do meu tamanho. Mentira. Ele era quase do meu tamanho. Ele deitou a cabeça no meu colo e ficou parado. Ow. Eu já ia fazer um cafuné, quando a porta abriu com força e Edward apareceu do outro lado. Com dentes expostos e olhos negros.

- BELLA!

Ele avançou em Hazel, que pulou para trás e mostrou os dentes também. Fui me meter no meio, né?

- Edward, calma, ele não fez nad...

Mas então Hazel fez. Sem querer, mas fez. Hazel me empurrou para fora da briga e eu caí para trás, cortando o ombro na quina da mesinha de cabeceira. Que era de vidro. Eu sempre, sempre me fudia. Claro. O pobre não teve como se controlar, e me olhou com olhos vermelhos brihantes na mesma hora. Ele tinha pulado por cima da cabeça de Edward e ia cair em cima de mim, quando me puxaram daquele canto.

- LESTAT!

OMG. Escutei o grito de Edward. Deixei de morrer em um, ia morrer em outro. Tal pai, tal filho. Lestat me segurava com um braço passando em volta do meu pescoço. Hazel veio para cima dele e levou um tapa caindo longe. Edward se levantou e Lestat o brecou com a mão.

- Ele vai morar contigo. Aprenda a controlá-lo.

Edward olhou de volta para Hazel, que estava caído no chão. Eu fui sendo puxada para fora do quarto. Ei, Edward não ia me salvar? E Hazel, estava morto?

- Hazel!

- Ele vai ficar bem...

Eu estava sendo levada lá para cima. Passamos pelo corredor e uns vampiros chegavam perto, e iam embora quando viam que era Lestat.
A porta preta e vermelha se abriu e fechou atrás de nós. Ele me soltou e eu dei alguns passos para longe.

- Por favor...

- Não te mate? Blá blá blá. Vocês humanos adoram implorar pela vida.

- A g-gente tenta...

- Se eu quisesse te matar, você estaria morta na primeira vez que subiu as escadas. Merda, sujei minha blusa.

Ele tirou a capa e tirou a blusa. Nem vou comentar este fato. Olhou para meu ombro e se aproximou. Não se mije Bella, não se mije.

- Tenho que dar um desconto para Hazel... seu sangue cheira muito bem...

Não consegui abrir a boca.

- Caso não saiba, eu tenho um alto controle surpreendente... e bem, não vou criar discórdia com Edward. Eu acho ele um cara legal... faria falta se morresse.

Continuava sem conseguir abrir a boca.

- Pode falar agora...

Abri a boca. Cruzes.

- Por que... me trouxe aqui?

Ele me segurou e cheirou minha ferida. Jogou a cabeça para trás e sorriu.

- Ah! Maravilhoso! É como se fosse... chocolate com morangos para você.

- Fico feliz que goste...

Que merda Bella! Como assim, fico feliz? Ele sorriu e tirou a máscara. Morri mais uma vez.

- Hazel não se controlaria com você lá. Por isso trouxe-a para cá.

- Para seu... quarto...?

Ele sorriu e levantou uma sobrancelha.

- Quer usar minha cama? Fique à vontade.

Claro... Super!

- Eu não caio nessa... seu... olhar não faz efeito comigo.

Falei alguma merda, porque ele gargalhou e virou de costas, andando até a janela.

- Não faz porque eu não quero...

- Tentar você tentou...

- Não tentei...

- Não é o que eu lembro.

- Estou tentando ser paciente com você Bella...

Hazel levantou-se e me olhou com raiva. Rosnou mais uma vez para mim e pulou. Eu nem me precisava usar força... ele era totalmente menor que eu. Peguei-o no ar pelo pescoço e o encarei.

- Acabou Hazel! Veja, ela nem está mais aqui!

Ele olhou em volta procurando pela presa.

- Cadê?

- Não importa... acalme-se pois não quero lhe machucar.

Ele olhou dentro de meus olhos e franziu a testa.

- Está com meu pai.

Mas que praga! Eu apertei mais seu pescoço.

- Hazel...

Ele colocou suas mãos nas minhas e fechou os olhos. Ficou uns segundos assim e quando abriu novamente, o azul voltara. Eu o abaixei e coloquei no chão.

- Não queria machucá-la...

- Certo.

Eu não queria papo com aquela miniatura de Lestat. Peguei sua mão e subi com ele.

Como assim está tentando ser paciente comigo? Eu hein... ele não daria o braço a torcer né?

- Sei...

Fui jogada contra a parede e me dei conta que foi Lestat que me empurrou. Ele estava grudado em mim com seu rosto a centímetros do meu. Ele soprou alguma palavras.

- Não me subestime... humana.

Virou as costas para mim e foi em direção a uma outra porta. Abriu e eu vi que era um closet. Ele tirou lá de dentro uma camisa de seda preta e vestiu, ajeitando a manga enquanto falava comigo.

- Eu nem sei por que ainda não traçei você, sinceramente... acho que considero muito Edward, por ele ter vividos tantos anos aqui... mas não nasci para ser canonizado, sabe?

Me traçar? Que palavriado mais baixo!

- Como se você pudesse me obrigar a isso.

Porra Bella, cala a merda dessa boca! Eu tento, mas as palavras saem sozinhas gente... Ele se aproximou e parou na minha frente.

- Pode fechar para mim?

Ele queria que eu fechasse os botões da camisa? Céus. Levei minha mão mais trêmula do que paciente com Parkinson até um dos botões. Puta que pariu, não conseguia fechar nem o primeiro botão. Olhei para ele e morri quandi o vi passar a língua nos lábios. Voltei a me concentrar nos botões.

- Posso ser imortal, mas não gostaria de passar a eternidade aqui...

Ele ainda me zoava? Pronto, agora não consigo mesmo... senti sua mão gelada levantar meu rosto para olhá-lo melhor. Ele se aproximou ficando cara a cara comigo.

- Agora... eu estou usando meu poder.

Congelei.

- Eu QUERO que você me beije.

OMFG. Eu sentia um tipo de imã me puxando na direção da sua boca, por mais que eu quisesse manter distância. Ele fechou os olhos e se afastou.

- Mais uma vez, salva pelo gongo... seu namorado está no corredor.

Edward? Edward? Óh céus! Corri para abrir a porta, mas Lestat impediu, empurrando-a com uma mão.

- Lembre-se de uma coisa: apenas por Edward ter sido rápido.

Eu puxei a maçaneta. Nem mexi a porta.

- Apenas por eu não querer... outra teria te agarrado, não é?

Ele tirou a mão da porta e eu abri. Edward chegou na minha frente.

- Bella, está bem?

Eu o abracei, agradecendo mentalmente por ele ter sido pontual.

- Sim.

Lestat saiu do quarto, passando por nós.

- Você tem um sexto sentido perfeito Edward...

Tive vontade de voar no pescoço dele. Mas fiquei quieta. Edward me olhava.

- Ele tentou algo?

- Sim...

- Pode contar... eu sou forte.

Óh meu bebê...

- Não aconteceu nada.

Quase, né?

- Sei.

- Eu juro. Sou tão lerda que até uma cantada eu demoro a entender...

Ele olhou Lestat que já estava longe, descendo as escadas e voltou a me olhar.

- Vamos cuidar disso aí...

Voltamos para o quarto, que por sinal, estava uma bagunça.

Ajudei-a a tirar o macacão, que tinha um rasgo no ombro, com sangue junto. Ela gemeu de dor quando o couro raspou na ferida.

- Desculpe. Machucou?

Bella mordeu os lábios e balançou a cabeça. Puxei-a e dei um bejo em cima do corte.

- Hum. Acho que eu não devia ter feito isso...

- O que?

Andei com ela até a cama e a derrubei, subindo em cima dela e buscando a ferida com minha boca. Ela gemeu.

- Isso é de dor ou de prazer?

- Os dois...

Beijei sua boca e ela fez uma cara feia.

- Você tem consciência de que eu estou bebendo meu sangue por tabela,  né?

- Prefere o meu?

Ela arregalou os olhos...acho que estava meio tonta por causa do absinto.

- Estou brincando Bells.

Ela riu e trouxe uma mão até a gola da minha camisa.

- Tira a roupa, gostoso!

Ok. Ela estava tonta. Tirei minha blusa e Bella me puxou para morder meu peito. Fechei os olhos e deixei sua boca quente tocar minha pele. O sangue cheirava forte. A ferida piscava para mim. Sua jugular também. Acho que eu não iria resistir dessa vez.

- Amor... confia em mim?

- Sim, por quê?

Me abaixei, soltando meu peso em cima dela e procurei seu ouvido.

- Vou te morder...

- Ow.

Vou morrer, vou morrer, vou morrer. Acho que estava suando frio agora. Senti sua língua contornando meu pescoço.

Sua pele passou de quente para gelada, seu coração eu nem conseguia dizer quantos batimentos por minuto ele estava fazendo. Desci delicadamente minha língua para seu pescoço e beijei o local da mordida.

- Vai..........ser............agora.........?

- Não desmaie Bells, senão a graça acaba.

Cravei minhas unhas nas suas costas. Eu queria muito não morrer. Senti falta de ar. Era neurose ou eu não estava conseguindo puxar o ar?

Levei uma mão até minha calça e abri. Puxei suas pernas e coloquei-as em cima de mim. Fui entrando devagar nela, que estava com os olhos fechados e respiração presa.

- Respire Bella... não irei te machucar.

Ele entrou devagar, mas veio até o fundo, me fazendo ir ao céu e voltar. Voltei, né? Ou fiquei lá de vez? Sentia seu membro me preenchendo toda e sua boca de volta no meu pescoço. OMG, ele aumentou o ritmo. O barulho já ecoava pelo quarto todo. Minha respiração voltou mas já estava indo embora de novo.

- Prepare-se, ok?

- Vai..........doer........?

- Um pouco.

Ele precisava ser sincero?

Circulei a língua em cima da veia e encostei os dentes na sua pele.

- Edward!

A olhei mais uma vez.

- Posso te........ beijar......... assim?

Ele me beijou sufocantemente, com fúria. Eu tentava em vão passar a língua nos seus dentes, mas não estava conseguindo. Segurei sua cabeça.

- Pare.

Ele parou de estocar e me olhou como se não entendesse o que eu queria. Dei um selinho nele e passei minha língua nos seus lábios, que foram abrindo devagar. Lá estavam os caninos. Só meus, sacou? Levei a ponta da língua até um deles e Edward se retraiu, querendo fechar a boca.

- O que você quer?

- Sentí-los...

Uma fantasia meio bizarra, ficar lambendo meus dentes... mas quando se tratava da minha namorada estranha, tudo era possível. Deixei-a se realizar e mostrei-os a ela.

Toquei a ponta da língua na parte mais afiada. Era lindo. Contornei toda a extensão dele.

- Podemos voltar a transar?

Ele quase mordeu minha língua para falar, mas tudo bem. Assenti com a cabeça.

Voltei a bombar dentro dela, enquanto ela rebolava em baixo de mim. Voltei então para seu pescoço e encostei os dentes, mirando bem em cima da veia para não doer tanto. Quando pegava muito no músculo, era mais dolorido. Segurei seus cabelos e puxei um pouco sua cabeça. Suas mãos pequenas estavam abertas segurando meus braços, como se estivessem preparadas para me empurrar.

Eu gritei quando uma fisgada me invadiu, percorrendo meu pescoço e descendo pela espinha. Senti minhas entranhas arderem e tive o reflexo de tirar meu agressor de cima de mim. Não dava, por mais que eu empurrasse, ele não se movia.

- Edw...

O sangue do braço era bom, mas o sangue da jugular era o melhor de todos. Fervendo, grosso, e extremamente doce ao meu paladar. Bella me empurrava, mas eu já sabia que era uma reação instintiva. Aumentei o ritmo das estocadas, enquanto bebia seu sangue. Era extremamente excitante transar mordendo ela. Iria gozar a qualquer momento. Seu corpo tremia em reação à mordida, mas eu sabia que ainda podia ir mais além.

A ardência da mordida se misturou à ardência lá de baixo. Eu via estrelas, quase que literalmente. Sentia a fricção do seu membro dentro de mim, e sentia sua boca me sugando o pescoço.Em um momento eu parei de lutar e me entreguei àquela sensação.

- Eu vou..... eu....

Ela batia em mim agora, gritando.

- Vou....... gozar..... Edward....

Bombei mais forte, deixando seu pescoço livre e puxando-a mais para junto de mim, enterrando por inteiro. Suas unhas percorreram meus braços e ela soltou-os na cama, tremendo dos pés a cabeça e caindo a cabeça para o lado.

Eu estava morta quando senti o gelado me invadir e Edward urrar em cima de mim. Morri.

Eu voltei a si quando ele saiu de cima de mim e me puxou pela cintura, colocando-me apoiada nos seus braços. Me sentia fraca. Satisfeita, mas fraca.

- Vou pegar alguma coisa para você comer, ok?

Ele virou meu pescoço e passou a mão pela parte dolorida. Deu um beijo.

- Já volto...

- Ok.

Fiquei ali estatelada na cama enquanto meu amor não voltava. Parecia uma eternidade. Resolvi levantar para olhar o estrago no meu pescoço... fui até o banheiro e acendi a luz. Eu via dois pontos vermelhos na pele. Só? Achei que estivesse com um rombo no pescoço. Fiquei tonta e já senti meu corpo caindo para trás, quando as mãos geladas me seguraram.

- Mas o que você pensa que está fazendo fora da cama?

- Queria me ver no espelho.

Ele voltou comigo e me deitou. Olhou meu pescoço e piscou com um sorrisinho cínico nos lábios.

- Uma vantagem da cicatrização rápida...

- Ow. Eu caía muito quando criança... onde você estava para não me deixar com cicatrizes?

- Bella... você AINDA cai muito.

Fechei a cara. Caía mesmo, e daí? Devorei o sanduíche que ele trouxe e ainda comi uns morangos e duas maçãs. Sexo já dava fome... ser mordida então... puta que pariu!

- Gostou?

- Sim... estava uma delícia!

Ele riu e passou a mão nos cabelos irritantes.

- Estava falando do sexo Bella... e da mordida.

Ah. Fosse mais direto então...

Tao ingênua... que linda!

- Ah! Isso foi... mágico! Tive medo de morrer, mas gostei.

Passei a boca pelas marquinhas...

- Tãao delicioso esse sangue... você nem imagina como isso foi bom para mim...

Ela corou e rolou na cama. Abraçei-a e beijei sua boca linda.

- Te amo, sabia?

- Sim... mas se quiser repetir...

Engraçadinha...

- E Hazel?

Lá vinha esse nome de novo!

- O que tem ele?

- Ficou bem?

- Sim.

- Não o machucou né?

Ela estava de sacanagem? O peste ataca ela e ela se preocupa com ele?

- Não... apenas o levei de volta para o quarto. E estou pensando seriamente em enfrentar Lestat e não levar Hazel para Forks...

Bella arregalou os olhos e mordeu os lábios.

- Não Edward! Não faça isso...

- O que? Se apaixonou pelo diabo mirim?

Ela revirou os olhos e me acariciou com um leve chute.

- Eu só acho que ele não é ruim como você pensa...

- Só tentou te matar!

- Porque você atacou ele e eu me meti no meio...

- E ele te empurrou!

- Você parou um pouco para pensar que ele pode ter me empurrado para me defender da briga?

Ok. Não pensei nisso. Mas óbvio que Bella sonhava demais...

Eram o que? Umas 03 horas da manhã... ou até mais. Não ia ficar discutindo com Edward sobre assunto Hazel.

- Vamos dormir então?

- Você né?

Certo... esqueci... puxei o lençol e deitei a cabeça no seu peito nu, passando minha perna direita por cima das pernas dele. Adorava dormir assim... Senti suas mãos fazendo cafuné em mim e acabei fechando os olhos mais rápido do que esperava. Só acordei quando me engasguei com alguma coisa. Sentei na cama tossido.

- Nossa amor... você engasga com seu próprio ronco!

Ronco? Quem, eu? Procurei um buraco para enfiar a cabeça, mas não achei.

- Você podia ter me avisado disso, tipo... mês passado...

- Para que? Perder a graça de te ver dormindo?

Inacreditável!

- Eu até pensei em filmar e colocar no YouTube... mas eu te amo demais para fazer isso.

Contei até dez para nao arrancar a cabeça dele. Que horas eram afinal? Corri até a janela e abri as cortinas. Os raios de sol entraram no quarto.

- NÃO!

Edward gritou e correi para o banheiro. Puta que pariu, esqueci que não estava no tempo de merda de Forks. Fechei as cortinas novamente.

- Edward... me desculpe...

Entrei no banheiro e vi que um pedaço do seu braço estava meio cinza e saindo fumaça. Ow. Queimei meu bebê. Imbecil Bella!

- Está tudo bem... não queimou o bastante.

Eu chorei em vê-lo sentir dor. Merda!

- Desculpe! Desculpe!

Aquilo estava ardendo horrores, mas Bella estava começando a chorar... achei melhor ser macho, né?

- Esqueçe isso amor... está tudo bem! Está com fome?

- Não... sei lá... deixa eu ver seu braço!

Ela puxou meu braço e eu puxei de volta. Queimou um pouco, mas desapareceria rápido. De qualquer forma, não queria que ela visse aquilo para se culpar o dia inteiro por isso. Ou, se tratando de Bella, para se culpar o resto da vida por isso.

- Deixa pra lá Bells!

Agarrei-a pela cintura e levei de volta para a cama.

- Não são uns raios fraquinhos desses que vão me matar...

- Mas mesmo assim... te machuquei...
- Não foi nada. Esquece isso, ok?

Dei um beijo em sua testa e deitei ao seu lado. O cheiro que exalava do seu cabelo era muito bom. Dava vontade de comer aquele shampoo. Não que eu fosse gostar, claro.

- Não quer comer com certeza?

- Você me cansa Edward... mas... talvez eu aceite algumas frutas...

- Sabia! Você come que nem um boi!

Ela fechou a cara, rosnou e me socou com um carinho. Linda!

- Some antes que eu arranque sua cabeça!

- Bella, não me faça rir, por favor!

Levantei correndo quando ela fez menção de me chutar. Não que ela fosse me machucar, claro... foi apenas para evitar que ela quebrasse o pé.

- Vou e volto em um segundo... e é sério!

Deixei-a deitada na cama, rindo, e saí do quarto.



 <<< Capitulo 18                                                         Capitulo 20 >>> 




2 comentários :

Ameiiiii..

10 de janeiro de 2011 21:50 comment-delete

posta mais *-*

11 de janeiro de 2011 16:11 comment-delete

Postar um comentário