TCS - Capitulo 18


Capítulo 18.




Fechei os olhos e tentei dormir, para o tempo passar mais rápido. Se Edward fosse me deixar sozinha o dia inteiro todos os dias, essa viagem seria tediosa. Certo, eu não conseguia dormir... levantei e abri a porta. Ninguém no corredor...

Fui explorar o local. O jarro quebrado ainda estava espatifado no chão. Fingi que não era comigo. O corredor por mais sombrio que fosse, conseguia ser acolhedor. E a penumbra me fazia sentir confortável e segura. Ele provavelmente fazia isso com essa intenção.
Cheguei na escada por onde nós tínhamos subido. Passei a mão no corrimão dourado e subi. Nem sabia para onde, mas fui subindo. Por algum motivo, que não sei qual, eu subi a escada até o final. Digo, aquele castelo tinha o que? Uns 10 ou 12 andares? Sei lá.

Entrei pelo corredor do último andar. Era o mais bem decorado de todos. Nas paredes havia vários quadros de moldura em cobre antigo, com fotos de pessoas desconhecidas para mim. Tinham também quadros com paisagens, que mais pareciam lugares por onde Lestat tinha passado. Me lembrei de Edward dizendo que Da Vinci tinha participado do projeto do castelo.  Será que eu encontraria alguma coisa dele por ali?

Fui tirada dos meus pensamentos quando ouvi um barulho de porta abrindo. Olhei para o final do corredor, mas não apareceu ninguém. Andei até lá. A última porta estava aberta. Ela era preta com entalhos em vermelho, dando a impressão de serem rios de sangue ali estampados. Olhei rapidamente para dentro do quarto e vi uma cama de mármore negro, perfeitamente coberta com lençóis vermelhos e almofadas pretas. A pessoa tinha muito bom gosto.

- Mamãe não lhe ensinou que é feio espiar pela fechadura?

Senti um vento arrepiando todos os meus pêlos e um calafrio percorrendo minha espinha. Ow.
Ele apareceu dentro do quarto, ficando na frente da cama. Brincava com uma moeda entre os dedos.

- De-descul-culpe.

Me virei para voltar por onde vim, mas fui parada por sua voz.

- Não tão cedo. Volte.

Alguma coisa forçou meu corpo a retornar em direção à porta. Merda. Não era eu ali. Era? Senti minhas pernas se mexerem, entrando no quarto, conforme ele movia o dedo, me chamando. Que merda era essa?

- Achei que fosse demorar mais para vir.

- Vir?

- Aqui.

Eu estava a centímetros dele e não conseguia de maneira nenhuma desviar o olhar. Parecia algum tipo de imã.

- S-sabia que eu v-v-vinha aqui?

Ele sorriu calmamente, como quem torturava um inimigo aos poucos.

- Eu te chamei aqui.

Chamou? Não lembrava disso...

- Qu-quando?

- Quando você saiu do quarto e subiu as escadas.

Puta que pariu. Por que mesmo eu não fiquei no quarto?

- Você é bem difícil de ler.

- Ler? Você me lê?

- Sim.

Edward tinha razão...

- Me-melhor eu ir...

- Não lembro de ter te liberado.

Céus! O que ele queria? Meu sangue? Ele passou uma unha no meu pescoço. Congelei.

- Edward já lhe provou. Interessante...

Então eu lembrei do tal código de honra que Edward tinha comentado com James. Sobre a posse da vítima.

- Sim, provou. Isso faz com que eu seja apenas dele, certo?

Nem sei de onde eu tirei coragem e fôlego para falar aquilo de uma só vez. Lestat riu. Gargalhou.

- No mundo dele, talvez.

Hein? Morri, então? Finalmente? Depois de várias quase-mortes, talvez eu morra de fato. Engoli seco.

Estava colocando o papo em dia com Louis, ouvindo-o me contar agora de sua aventura com troca de estilo alimentar. Comentei com ele sobre o que Bella lera no livro de vampiros... deles serem “vegetarianos”.

- Realmente... é complicado... você sabe que no começo eu apelei até para os ratos.

Torci a cara quando lembrei dessa época negra dele.

- Você desistiu disso né?

- Com certeza! Mas já experimentei de urso até tigre cara... a verdade é que não existe nada como o sangue humano.

Eu tinha que concordar. Não que eu já tivesse comido algum tigre ou coisa parecida. Eca. E então senti algo estranho. Não. Senti Bella em perigo. Desde que lambera seu sangue, tinha criado laços mais fortes com ela.

- Lestat!

- O que?

Levantei apavorado e avisei a Louis enquanto corria.

- Bella está com Lestat.

- Que merda. Boa sorte!

Subi em segundos a escada e apareci na porta do quarto dele. Lestat tinha uma das mãos no pescoço dela.

- Edward!

- Ela não...

Ele a soltou e sorriu para mim. Conseguia ser diabólico.

- Não ia fazer nada a ela...

Bella me olhou e veio rápido na minha direção, alisando o pescoço. Senti seus braços em volta de mim e pude relaxar.

- Não deixe-a sozinha Edward... crianças costumam ser curiosas.

- Me desculpe se ela lhe incomodou. Não acontecerá de novo.

- Esqueça isso Edward... o que acha de resolvermos aquele problema agora?

Olhei para Bella que me olhava curiosa. Ela ainda ia morrer disso...

- Certo. Vou apenas levá-la de volta para o quarto e volto.

- Pode trazê-la... ela vai ficar sabendo mesmo...

- Posso ir junto? Mesmo?

Como ela ainda tinha capacidade de querer alguma coisa? Mas eu queria resolver logo isso.

- Ok. Vamos?

Lestat passou por nós, caminhando até uma porta ao lado de seu quarto. Destrancou a fechadura e abriu. A luz saiu pelo corredor... aquele quarto era bem mais iluminado que o resto do castelo. Peguei a mão de Bella e entrei junto com ele.

- Veja bem Edward. Ele não é muito sociável ainda... mande-a tomar cuidado com gestos bruscos.

Apertei a mão de Bella com muita força, mesmo sabendo que pudesse machucá-la. Era melhor eu do que... aquilo que eu via agora.

- Não se mova. Apenas mexa a boca para falar.

- Edward... este é Hazel.

O que eu olhava agora, era como... olhar para um mito. Tudo que eu aprendi sobre nossa espécie, era infundado agora. Algo que ninguém nunca ousou fazer, nem nunca se comprovou de que existisse. Eu via uma criança. Pálida, olhos vermelhos e caninos expostos. Tinha o que? Uns 8 anos?

- Hazel...

Lestat se aproximou dele e agachou para ficar próximo de seu rosto. Estendeu-lhe um braço.

- Com fome?

A criança sorriu e cravou os dentes no braço do príncipe. Inacreditável.

- Você está dando seu sangue?

- Algum sangue melhor para alimentá-lo?

Claro que não. Ele só estava criando um monstro! Puxei Bella para trás de meu corpo quando vi a criança olhar para ela. Era melhor ele ficar quietinho... ou terminaria em decoração de casa.

- Qual a história dele?

Lestat tirou o braço das garras da criança e passou uma mão por cima da ferida, que se fechava sozinha.

- Não sei se você lembra de uma cria minha... Cedric.

Eu lembrava desse idiota. Perfeitamente. Achava que era vampiro e bruxo ao mesmo tempo. Fala sério!

- Sim. O que tem ele?

- Bem... nosso querido Cedric, me trouxe Hazel de presente.

- Hein?

- Aparentemente, Cedric estava... transando com a mãe de Hazel, quando perdeu o controle e a matou. Ela era viúva e Hazel era filho único. Então... nosso querido Cedric, com peso na consciência, resolveu transformar uma criança de 8 anos.

Que imbecil. Só dizendo assim.

- E cadê ele?

Lestat riu.

- Foi estupidez demais o que ele fez. Não resisti e o matei.

O pequeno príncipe continuava super controlado como sempre. Mentira.  A criança me olhava, o vermelho vivo dos olhos deu lugar a um vermelho escuro.

- Como anda a alimentação dele?

- Eu tenho dado apenas meu sangue a ele. Não quero contaminá-lo com sangue de qualquer imbecil. Mas isso tem me consumido também... estou comendo mais do que nunca.

Mais? Ele era o pior que eu já tinha conhecido... como assim, mais? Ainda haviam humanos na Terra? Ele lançou um olhar para Bella que estava atrás de mim, o que não me deixou nem um pouco feliz. Queria chegar perto da criança, então soltei Bella, deixando-a no mesmo lugar, e andei até ele. Me agachei também e o olhei dentro dos olhos.

- Oi Hazel.

Ele sorriu mostrando os dentes e veio direto no meu braço. Merda!

- Não!

Lestat colocou uma mão no meu ombro e me olhou pedindo. Ah caralho... agora eu era comida de criança também? Vi Bella olhando assustada o diabinho me morder. Depois de alguns segundos, tirei meu braço.

- Chega. Já está bom.

A criança parou e limpou a boca. Tinha um rosto angelical agora, com seus olhos azuis. Azuis, sacou? Tentei entrar em sua mente e... igual a de Bella. Nada! Incrível!

- Não o leio, Lestat...

- Sim, imaginei... não tenho muito poder com ele também.

Olhei assustado para o príncipe. Nunca soube de nenhuma pessoa, humana ou não, que Lestat não conseguisse controlar. Impressionante!

- Ele não fala?

- Falo!

Ow. Ok. Senti o medo me consumir, quando Hazel mandou outro olhar para Bella, dessa vez se atirando em cima dela, com rapidez igual a um vampiro experiente. Quando eu cheguei nos dois, Bella estava no chão, com Hazel em cima de seu corpo, tocando seu rosto e lambendo seu braço.

- HAZEL!

- Olha! Ele puxou a mim... não pode ver uma mulher!

- Não teve graça Lestat!

Puxei a criança pela gola da camisa e o olhei sério.

- NÃO! Ela, nunca! Ouviu?

- Tem cheiro bom!

- NÃO!

Ele balançou a cabeça sorrindo. Ajudei Bella a se levantar e puxei-a para mim.

- Está bem amor?

- Sim. Forte ele, né?

Quando voltei a olhar para Hazel, ele estava em pé na frente de Lestat, puxando seu braço.

- Agora não Hazel... controle-se um pouco.

- A fome dele nunca acaba?

- Viu como temos um sério problema aqui?

Lestat tocou meu braço e nos direcionou de novo até a porta. Saímos dali e ele a trancou, colocando a chave que estava pendurada num cordão, em volta de seu pescoço.

- Vamos conversar agora.

Entramos em seu quarto e ele nos empurrou duas cadeiras. Deitou-se na cama, de pernas cruzadas. Folgado?

- Certo. Coisa estranha que eu acabei de ver. Só me explica uma coisa... é o primeiro, não é?

- É o único, Edward.

Então eu estava certo. Pois nunca tomei conhecimento de outra criança imortal.

- Bem, o fato é que como você pode ver, ele é insaciável. E um pouco...

- Nada social.

- Isso. E por ele realmente ter apenas 8 anos, quero dar uma infância a ele... mais ou menos como qualquer outra criança deveria ter.

- Ele não tem parentes?

- Quer que eu o devolva para a família?

Claro que não. Idéia ridícula a minha. Lestat levantou e começou a tirar a blusa. Bella olhou.

- Você sabe que aqui não é o lugar ideal para uma criança... digo... ele precisa de contato com outras... crianças.

- Ele vai matar outras crianças.

Lestat já estava sem blusa, e começou a desabotoar a calça. Que porra é essa?

- Lestat! Bella está aqui...

- Sim. O que tem?

- Suas... roupas...

Ele sorriu e a olhou. E abotoou novamente a calça.

- Uma pena. Para ela, claro.

Insuportável!

- Por que olhos azuis?

- Não faço a mínima idéia...

Não existiam vampiros de olhos azuis... ou nós tínhamos olhos vermelhos de fome, ou negros de raiva, ou o castanho quando estávamos saciados.  Mas azuis?

- Ok. Você acha que ele vai se adaptar à nova vida? Porque ele está aqui há... tipo, quanto tempo já?

- Vai fazer 2 meses. Mas ele tem que se adaptar. O fim do mundo lá... Forks... vai ser bom.

- Ele vai para Forks?

Bella ficou histérica. Eu ia contá-la... mas acabei esquecendo.

- Vai.

- Ficou louco Edward?

Lestat agora ria. De mim.

- Uma mulher falando assim com você? Está mudado, Edward...

E estava mesmo. O que Bella não fazia comigo...

- Ele vai conosco Bells.

- Hein?

- Parece que seu namorado não avisou né? Hazel vai para Forks com vocês...

Ela me olhou furiosa. Desejei que ficasse quieta. Se ela me desse um de seus tapas na frente de Lestat, minha moral de macho estaria perdida para sempre.

- Inacreditável.

Ela fechou a cara e cruzou os braços. Melhor assim.

Primeiro Edward não deixou Lestat tirar a calça. Depois eu fico sabendo que o mini-vampiro vai comigo para Forks. Que dia legal o meu! Saímos do quarto dele e voltamos para o nosso. Depois que Edward fechou a porta, eu desabafei.

- O que você tem na cabeça em levar o garoto com a gente? Para nossa cidade?

- Foi um pedido de Lestat.

- Que você obedeceu que nem um carneirinho!

- Bella... não é como se eu pudesse dizer  “se vira, cara”. Primeiro porque ele não aceita um não. Segundo porque, talvez seja mesmo o melhor a ser feito.

- Como melhor? Não vejo isso...

- Ele é uma criança Bella. Independente de gostar de sangue... ele foi arrancado de sua vida. E aqui ele com certeza só vai ficar mais selvagem ainda.

- Não vai não! Deixe-o aqui!

- Ele bebe o sangue de Lestat, porra!

- E o que isso tem a ver?

Ele riu e sentou na cama.

- Ninguém sabe o que tornou Lestat tão poderoso Bella... Lestat não dá seu sangue a ninguém... para ser o único assim.

- Mas ele não disse que criou o tal do Cedric?

- Isso foi muitos anos antes dele ficar tão forte.  Eu não me sinto tranqüilo em saber que ele bebe o sangue dele. E muito, pelo visto.

- Mas Edward... ele não tem controle. Como vocês vão fazer?

- Tenho Jasper que controla as emoções. Tenho Emmet que tem a força de um touro de aço. Tenho Alice que não ajuda muito, mas prevê algumas coisas. Tenho Rosalie... ok, esquece Rosalie. E tenho todo meu conhecimento comigo. Nós somos suficientes para um pirralho com dentes.

- Os outros sabem disso?

- Apenas Jasper. Mas Alice já deve saber agora... ou não... ela anda tão atrasada...

Minha cabeça girava. OMG. Carnificina geral na cidade. Imagina a peste fugindo dos Cullens... Não Bella, não imagine.

- Então ele vai mesmo?

- Sim. Isso não é uma questão a ser decidida mais.

Irritadinho...

- A propósito Bella... por que você saiu do quarto?

Ops. Boa pergunta. Pensei. Pensei.

- Sei lá... ele me chamou.

Edward me olhou não muito contente.

- Você só precisava ficar no quarto. Não é como se ele tivesse colocado uma arma na sua cabeça. Ele apenas te instigou.

- Mas eu nem sabi que ele estava fazendo isso! Eu só estava querendo conhecer o lugar...

- Não tem muito o que conhecer Bella. Vampiros de um lado, vampiros de outro, viu? Nada de novo...

Me deitei um pouco ao lado dele, que estava olhando para o teto agora. Tão bonitinho ele assim, pensativo. Fui andando com meus dedos pelo seu braço. Ele levantou e andou até a porta.

- O que foi agora?

Edward abriu-a e o maldito carinha que nos recebeu no castelo, estava mais uma vez ali, na nossa frente. Era complicado transar na porra da França, né?

- Com licença. O Príncipe convida o senhor para uma janta agradável em sua companhia.

Opa! Até que enfim... já sentia meu estômago roncar. Levantei e Edward me olhou.

- Bells, não é o tipo de comida que você come.

Ah puta que pariu meu irmão! Era sacanagem né?

- Eu vou... morrer de fome aqui?

Ele riu e veio me abraçar. Fica, fica, fica.

- Vou providenciar algo para você também...

- Ok. Mas posso ir junto?

- Não acho que você gostaria...

Porra, eu não agüentava mais ficar naquela merda de quarto sem ele.

- Por favor, por favor!

Ele virou para o maldito empata-foda.

- Estarei lá em uma hora.

O empata-foda nos cumprimentou e se mandou.

- Vá tomar banho e se arrumar então.

Yay! Tomei banho rápido e já saí pronta do banheiro. Edward estava de costas para mim. Gozei. Claro. Vocês também gozariam (sorry Nando) se vissem Edward de sobretudo. Céus.

- Oi gostosão!

Ele virou e me olhou sorrindo. Me ataca, vai Edward! Me ataca!

- Quemt á uma delícia é você... e por falar nisso... quando vou te ver dentro do macacão?

- Como você sabe que eu comprei macacão?

- Mexi na sua mala...

- Edward! Que fofoqueiro!

Ele deu de ombros e puxou minha mão.

- Vamos... tenho fome.

- E eu...

Descíamos as escadas (para baixo todo santo ajuda) e Edward alisava um dedo pela palma da minha mão. Até isso estava me excitando. Sério, eu estava ficando neurótica já.

- Tem certeza mesmo que quer ir?

- Tenho.

Chegamos no 3º andar. Ah, nem descemos tanto assim. Passamos por um quarto e ouvimos uma conversa bizarra.

- Apronte-se rápido Fernando. Depois da janta, Lestat quer ver você em seu quarto.

Ow. Espero que não seja o que estou pensando... Passamos por esse quarto e andamos mais um pouco. Edward abriu uma porta que fez barulho e eu percebi que aquilo, era a sala de jantar do Lestat. Ow.

- Edward! Entre.

Como posso explicar? Bem... tinha uma mesa. Sim, tinha. Gigante... daria para umas 40 pessoas sentarem-se a ela. Mas não tinha pratos, nem talheres, nem copos. Tinha... uma toalha de seda vermelha estendida em cima. Só. Sentados ali, estavam Lestat e Louis.

- Bella?

Louis falou comigo. Óh maravilha!

- Oi!

- A trouxe para cá Edward?

Ele olhava incrédulo para meu namorado.

- Você nem imagina como Bella pode ser convincente quando quer...

- Não tem problema ela vir... já providenciei sua janta também.

Ow. Ok. Lestat providenciando minha janta? Era de dar medo.  Ele estalou os dedos e um empregado entrou, colocando uma bandeja tampada em cima da mesa. Lestat me olhou e indicou um lugar à mesa, com a mão.

- Bon apetit!

Sentei numa cadeira e levantei a tampa da bandeja. Arroz , salada e bife. Super normal num castelo de vampiros. Fiquei imaginando se aquele bife tinha mesmo vindo de um animal. Céus, espero que sim! Edward sentou-se entre eu e Lestat, que estava na cabeceira da mesa.

- Com fome?

- Muita.

Ele estalou novamente os dedos e seu exército de mulheres entrou. OMG. Ele ia comer as mulheres dele?

- Edward... as visitas escolhem primeiro.

Edward me olhou sem-graça. Eu não acreditava no que estava vendo...

- Priscilla.

Louis puxou Lorena pela mão, falando seu nome e Lestat chamou Hithiara. Como eu poderia comer com eles fazendo... isso? Nojento, né? Nojento porra nenhhuma! Meu namorado ia morder outra na minha frente. Desgraça! Lestat nem esperou pelos outros, e já foi logo puxando Hithiara pelo pescoço e inclinando-a na mesa, metendo os dentes na sua jugular. Céus.

- Com toda licença, Bella...

Louis pelo menos era educado, me pediu licença antes. Como se eu pudesse dizer não. Ele fez o mesmo que Lestat, imobilizando Lorena. Olhei para Edward...

- Quer voltar para o quarto?

Quero porra nenhuma!

- Não.

Ele então voltou a olhar Priscilla e a jogou na mesa, tirando os cabelos do seu pescoço e cravando os dentes. Tentei ignorar aquilo e dei uma garfada no bife. Ok, eu não iria conseguir comer. Meu bife estava mal passado. A mulher de Edward gemeu. Ah, vai se fuder meu! Ele parou e limpou a boca, me olhando. Esticou a mão para mim.

- Vem.

- Já vamos?

- Você vai comer?

Olhei meu bife, que se parecia bastante com a comida do meu namorado.

- Não...

- Entao vamos!

Louis terminou sua refeição e me olhou com sua cara de cão carente. Ele era tão lindo! Queria apertar suas bochechas. Ok Bella, chega. Olhei para Lestat, que continuava se alimentando. Tipo, não vai parar não? Saímos da sala sem que ele tivesse terminado. OMG.

- Ele vai matá-la?

- Quem?

- Lestat. Ele não parou...

- Não vai matar. Lestat gosta de sugar até o desfalecimento delas.

- Sádico, não?

- Bastante. Mas é Lestat.

Era Lestat. Claro... eu quase virei comida dele também... sabia como era isso. Entramos em nosso quarto, olhei a cama que estava se sentindo super pouco usada, coitada. Edward se jogou nela. Me joguei em cima. Dele, claro.

- Será que agora vai?

- Acabei de comer Bella.

- Vai se fuder Edward!

Levantei e fui me enfiar debaixo da água fria da banheira. Mergulhei e tentei me afogar, mas senti uma mão me puxando.

- Olha o drama amor...

- Se você não fizer alguma coisa, tipo, agora, eu vou sair desse quarto e dar para o primeiro que passar.

Ele riu. Óbvio que eu não faria isso. Vai que passa o empata-foda por mim?

- Você fica linda irritada...

Eu ia xingá-lo novamente, mas então ele se despiu e entrou comigo na banheira.

Ela estava prestes a me acariciar com socos, quando entrei na banheira e sentei no lado oposto ao dela, puxando-a pela cintura.

- Tão nervosinha... isso envelhece, sabia?

- Não vou cair na sua... se acha que vou me irritar mais, está bem enganado.

Sorri maliciosamente. Estava planejando um ataque aos países baixos de Isabella Swan. Desci minha mão por sua coxa e fui abrindo espaço entre suas pernas. Ela estava de costas para mim, então jogou sua cabeça para trás, deixando cair em meu ombro. Sentia seus pêlos eriçarem contra meu corpo, quando cheguei perto de sua virilha.

- Quer que eu pare?

Sussurrei em seu ouvido, enquanto parava com a mão.

- Se você quiser morrer...

Eu ri de sua convicção. Encostei em seu sexo, abrindo com os dedos e fazendo-a tremer. Bella apertou meus braços com as mãos e esticou o corpo sobre mim, deixando-se relaxar. Brinquei um pouco pela região, pelos lábios, mas o que eu queria mesmo era ela. Virei-a de frente para mim e encaxei nela, que soltou um gemido abafado.

- Edward Cullen! Eu acho bom você me fazer ter orgasmos múltiplos hoje... pelo tanto que eu sofri o dia inteiro!

- Seu desejo é uma ordem.

Estoquei com força, controlando seu corpo para frente e para trás, segurando sua cintura. Bella jogou a cabeça para trás e curvou as costas, me dando acesso total aos seios nem tão grandes, nem tão pequenos. Daqueles que cabem perfeitamente na mão. Os minutos passaram voando enquanto ela ofegava e gemia. Eita mulher gostosa! Senti seu corpo tremer e contrair em mim e nos levantei sem sair de dentro dela, indo em direção à cama.

- Um já foi Bells.

Ela não respondeu, apenas deitou a cabeça no meu ombro. Deitamos na cama, ficando sobre ela e continuei a bombar. Bella me arranhava, hora pedindo mais, hora pedindo para parar, hora gemendo. Porra, escolhe logo cacete!

Não diminuí em hipótese alguma o ritmo, que era algo como a velocidade 5, sacou? Ela não conseguia nem falar nada, apenas fechou os olhos e abriu a boca, que por sinal, eu invadi com minha língua. Senti Bella chegar ao orgasmo pela segunda vez, quando ela puxou meus cabelos, quase arrancando-os. Ainda bem que eu não era humano. Ela estava desfalecida, e eu continuei, gozando logo depois dela.

- Dois já foram Bells.

- Me... dá um... segundo... Edward.

- Não...

Que segundo porra nenhuma. Fui descendo pela sua barriga, lambendo sua pele quente e fazendo-a se contorcer nos lençóis. Cheguei no país das maravilhas e admirei durante uns segundos. Ouvia seu coração acelerar mais e mais. Levantei suas pernas e puxei seus quadris para mais perto.

- Oh não...

- Ah sim!

Apoiei seus pés nos meus ombros e caí literalmente de boca. Era a primeira vez que sentia o gosto dela.

Eu estava perto de morrer. Fato. Mas do jeito que as coisas iam, eu estava era indo para o paraíso. Não conseguia nem me mexer mais. Acho que quebrei. Mas estava bom para caralho. Fui ao céu e voltei quando a língua fria do meu algoz me tocou, fazendo círculos por dentro dos lábios e encostando na entrada “dela”. Ele então usou a língua rígida como se fosse seu... seu. E me penetrou com ela. Puta que pariu, caralho!
Trouxe o lençol junto quando cravei minhas unhas no colchão e puxei. Meu corpo já não correspondia mais aos meus comandos. Estavam totalmente entregues ao prazer. Eu gemi. Bem alto. O castelo todo deve ter me ouvido gozar.

Olhei em direção a ele, que tinha a cabeça levantada agora, me olhando com um sorriso de vitória no rosto. Eu tinha que dar o braço a torcer... ele era foda!

- Quer a quarta rodada?

- NÃO!

Sério, eu não agüentava. Nem alimentada eu estava... podia morrer. Ele subiu pelo meu corpo e apoiou seu peso em mim, me beijando devagar na boca. Tinha alguém mais perfeito? Como eu amava esse vampiro irritante!

- Eu te amo Isabelle Swan.

- É bom mesmo.

Ele riu no meu pescoço. Seu hálito gelado me deixando arrepiada de novo. Chega Bella! Chega de pensar em sacanagem! Que pervertida! Nem lembro direito como foi, só sei que passei meus braços em volta dele e fechei os olhos.

Ela dormia que nem um anjo. E roncava. Se eu contasse isso, iria apanhar. Não que eu fosse sentir dor. Ouvi também seu estômago fazer um barulho tenebroso. Merda Edward! Você não está cuidando bem dela... Deixei-a dormindo e saí do quarto para procurar alguma comida humana. Estava descendo as escadas quando passei pelo 3º andar e escutei um barulho de... chicotadas?

Bem, a curiosidade matou o gato, né?  Entrei no corredor do andar barulhento e parei em frente a uma porta que estava aberta. Eu me arrependi. Teria pesadelos com aquela cena. Lestat, em pé, chicoteando um cara. O tal cara que eu vi na hora do jantar. Fernando, eu acho... ele estava abaixado, sem blusa, levando chicotada nas costas. Não que ficasse alguma marca, pois ele era vampiro. Mas a força do Lestat... bem... ele era forte. Doeu em mim.

- Edward! Quer extravasar um pouco?

- Não... o que ele fez?

- Esse aqui? Comeu uma de minhas mulheres.

Ow.

- No duplo sentido?

- Não. Comeu mesmo, com os dentes.

Ow. Fiquei me perguntando quem seria a pobre mulher... me preparei para ver Lestat arrancar sua cabeça. Mas então o barulho de saltos finos invadiram o corredor. Uma loira apareceu, vestindo saia curta e botas de couro.

- Lestat!

O príncipe a olhou, esperando.

- Sim?

- Eu o assumo. Não o mate.

- Ele matou uma de minhas mulheres...

- Eu já soube. Mas eu o quero, por favor. Se quiser, eu posso chicoteá-lo um pouco...

Ela estendeu a mão e Lestat passou o chicote para ela. A vampira loira puxou Fernando pelo braço.

- Quem é você?

- Sua salvadora. Cale-se!

Ela saiu dali levando-o embora. Isso era um cara de sorte. Loira gostosinha...
Voltei ao meu plano inicial e fui até a cozinha. Pelo que os serviçais me mostraram, Lestat tinha enchido a despensa com comida humana. Bella não iria comer num um terço daquilo ali. Credo. Esperei prepararem um sanduíche e voltei para o quarto, levando um copo de suco na bandeja. Beijei seu rosto e a chamei baixinho. Ela acordou.

- Já amanheceu?

- Não... trouxe comida.

Parecia criança vendo o Papai Noel. Ela avançou no sanduíche e quase engoliu tudo.

- você é maravilhoso.

- Ok amor... mas fale depois de engolir... acabei de ver o queijo estraçalhado aí na sua boca.

Já disse que amo vê-la irritada, né? Então. Deu certo. Ela fechou a cara e ficou vermelha. Ela engoliu.

- Vai à merda Edward! Eu te vi bebendo sangue.

- Mas sangue é gostoso. Queijo é nojento!

Bella torceu a cara. O que? Vampiros não gostam de queijo, ok? Fiquei o resto da noite observando-a dormir. Lá pelas 03h00min da madrugada, Louis bateu na porta com um baralho na mão.

- Buraco? Pelos velhos tempos?

Deixei-a dormindo e fui com Louis para o salão de jogos. Já fui preparado, porque aquele vampiro adorava roubar!

Os primeiros raios de sol do dia começavam a entrar pela fresta da cortinha que eu tinha deixado aberta. E daí que Lestat gostava de tudo escuro? Eu não era vampira, ok? Esfreguei os olhos e olhei o relógio. Está de sacanagem, 05h15? Que porra de luz é essa? Levantei e fui olhar. Parece que no campo aberto, a claridade chegava mais rápido. Merda, ia ser difícil voltar a dormir. Edward não estava no quarto, então não podia fazer sacanagens... olhei para a porta e ela me olhou de volta. Não saia, não saia, não saia. Saí. Desa vez eu não estava sendo chamada por ele. Ou estava? Sei lá. Mas imagino que vocês já saibam onde eu fui parar, certo? Como eu me odiava...

Entrei no corredor escuro e fui atraída até a porta preta e vermelha. Ela estava encostada, sem que desse para ver algo lá dentro. Abro ou não abro? Abro ou não abro? Abri devagar. OMG. OMFG. Lestat estava transando nos lençóis vermelhos com uma de suas mulheres. OMFG. Dei um passo para trás, tentando sair de fininho e não ser vista ali. Não de certo. Ele virou o rosto para me olhar, com oslhos negros e dentes afiados. OMFG. Morri.

- Bella! Veio juntar-se a nós? Esta é Thami!

- N-n-não. D-e-esculpe.

Dei meia-volta e corri pelo corredor. Um vulto me alcançou e então ele estava na minha frente, bloqueando a passagem. Pelado. Não olhe para baixo, não olhe para baixo. Que se foda, olhei. Morri.

- Bom dia.

Ele se aproximou do meu ouvido, sussurrando.

- Eu não lhe chamei aqui dessa vez... me pergunto se você gosta tanto assim de perigo.

Eu gostava de perigo? Claro que não! Cadê Edward?

- N-não quero p-pro-problemas...

Cadê a porra do Edward? Eu não tirava os olhos da escada. Uma hora ela apareceria.

- Pode deixar que eu te aviso quando ele estiver a caminho.

Engoli seco.

- Você ficaria bem junto de minhas outras mulheres, Bella.

OMFG. Estava me cagando. Claro, que se não conhecesse Edward, talvez me atirasse em cima de Lestat. Pára Bella!

- Eu passo a o-oferta.

Ele riu e os caninos já tinham sumido. Ok, não iria morrer. Então começou a andar em direção ao quarto. Me virei e fiquei olhando... bem... seu corpo... branco... e... sarado... e...

- Edward está chegando. Até mais tarde.

Fechou a porta do quarto. E então escutei uns gemidos baixos. Devia ser Thami.

- Bella!

Edward chegou com raiva.

- De novo? Perdeu a noção das coisas?

Perdi, né? Eu sei...

- Desculpe.

Ele olhou para o fim do corredor, procurando por Lestat.

- Ele me sentiu...

- Sim...

Edward me olhou furioso. Ow.

- O que aconteceu?

- Nada demais. Ele só ficou me amedrontando.

Ainda bem que ele não lia minha mente. A porra do Lestat pelado ainda estava nela. Sai daqui! Sai!

Tranquei o quarto e olhei para Bella, que deitava na cama.

- O que você está pensando da vida Bella? Acha mesmo que Lestat te pouparia porque sou seu namorado? Ele não pouparia nem a mim, nem a ninguém! Ele não é nem um pouco parecido comigo, com meus irmãos ou com qualquer outro vampiro que você conhece. Lestat é monstro, ele faz tudo por diversão, ele entra em sua mente por diversão, ele mata por diversão.

Eu parei com o sermão quando vi que seus olhos estavam molhados.

- Eu não faço de propósito.

Eu sabia disso. Sabia que era maior que a força dela. Mas eu estava cansado dela se colocando em situações desastrosas o tempo todo. Uma hora eu não chegaria a tempo. Deitei ao seu lado e a beijei.

- Eu sei. Mas tente, por favor, ser mais cuidadosa. Não vá mais lá em cima. Ele sabe que você está indo, quando você pisa no primeiro degrau.

- Ok.

Fiquei abraçado a ela até por volta das 10:00hs, que foi quando ela acordou.

- Bom dia.

Bella sorriu e virou de lado, me abraçando com a perna.

- Bom dia!

- Com fome?

- Posso comer um boi!

Pode mesmo? Gostaria de ver isso...

- Vamos descer e providenciar algo para forrar esse barrigão então.

- Barrigão?

Ela olhou assustada para sua barriga e passou a mão nela.

- Estou brincando... você percebeu, né?

- Tem certeza? Não estou gorda?

Só podia ser brincadeira dela... desci até a barriga reta dela e beijei.

- Gordíssima! Mas... eu adoro carne!

Ela estava rindo e agarrando meus cabelos, quando bateram na porta.

- Sim?

- Bom dia senhor Cullen. Vim entregar o convite para o Baile de hoje a noite.

- Hein?

O maluquinho me entregou um convite e foi embora. Baile?

- O que é Edward?

- Fomos convidados para um... baile.

Sentei na cama e abri o envelope de papel dourado. Tirei um convite duro, preto escrito em letras vermelhas. Já sabia que era coisa de Lestat. Nunca vi ninguém para gostar tanto da combinação preto-vermelho.

“Excelentíssimo Lestat de Lioncourt o convida para seu Baile Real de Máscaras!

Data: 01/12/2008.
Hora: 20h00min.
Local: Castelo de Chambord.

Traje: A combinar com a máscara escolhida.
Direito a um acompanhante.”

- Parece que teremos um baile hoje.

- Mas... como? Eu não tenho roupa.

- Nós não temos nem máscara Bella...

- É baile de máscaras?

- Sim.

Ela se pendurou no meu pescoço.

- Eu quero! Eu quero!

- Vou repetir... não temos máscaras.

Ela sentou na cama e fechou a cara.


 <<< Capitulo 17                                                               Capitulo 19 >>>

3 comentários :

Ameiiiii.....
Por favor, posta mais.
bjks

4 de janeiro de 2011 14:20 comment-delete

To amando,posta mais purfavor

Anônimo
27 de maio de 2011 22:52 comment-delete

ai que linda, agora um baile no castelo?????

Gizabella
5 de dezembro de 2011 18:31 comment-delete

Postar um comentário