Bonitinha Mas Ordinaria


* Censura: 18 anos *

Sinopse: Até que ponto existem culpados?
Haverá um único inocente?
O desejo e o amor andam mesmos por caminhos opostos?
Ninguém é totalmente culpado, assim como ninguém é totalmente inocente.
Nossas decisões irão refletir em nossa vida eternamente? Ou sempre ha a chance de se voltar atrás?
Edward Cullen descobriu que não.

--------

Capitulo Unico - Castigo


Edward POV

Eu olhava a chuva que caia torrencialmente.
Tempo frio....cinzento....exatamente como minha alma agora. Aqui, nessa casa de campo tudo ficava ainda mais sombrio. Me remetia a ela.Ao seu cheiro, seu sabor, sua doçura, a maciez de sua pele. Coisas que tive em minhas mãos e sequer me dei conta, pensando que tudo não passava de um momento luxuriante que o tempo apagaria. Hoje eu via como me enganara. Todos os momentos que passei com ela vinham como flashs em minha mente a todo instante.
Dois anos se passaram e é como se fosse ontem. Eu, Edward Cullen, 25 anos, famoso escritor, me via agora preso a uma vida...sem vida. Livros? Romances? Já não os escrevia mais. A única coisa que me restou foi minha esposa, ainda amargurada pelas minhas traições. Eu não entendia o por que de continuar comigo. Talvez eu fosse uma espécie de carma na vida de Tânia, e ela simplesmente não conseguia partir. Vivíamos como dois estranhos. Mal nos falávamos. Aliás, eu não falava com ninguém. Fechei-me numa concha e era provável que jamais saísse dali. Olhei para a casa ao lado, a única na região. A casa DELA. Agora abandonada, vazia...assim como eu. Bella....doce, viciante e apaixonante Bella. A falta que ela me fazia hoje me ardia o peito e me provocava uma dor tão lancinante que muitas eu pensei que iria morrer. E eu deveria mesmo. Eu não merecia mais que isso. Voltei para o sofá e me deitei. O mesmo lugar onde tantas e tantas vezes eu tomei seu corpo. Eu pensei que com o tempo esqueceria. Mas as lembranças simplesmente ficavam mais nítidas a cada maldito dia. Lembro-me exatamente da primeira vez que a vi. Eu e Tânia tínhamos acabado de nos mudar para uma casa de campo. Só tínhamos uma vizinhança. A família de Bella. Eu começava minha carreira como escritor. Por isso resolvi me mudar. Tânia como editora chefe do telejornal da cidade passava o dia inteiro fora. E foi ai que começaram as visitas. Estava deitado no sofá exatamente como agora, quando a campainha tocou.

Flasbhack on


Droga...justo agora que começava a engrenar as idéias. Abri a porta e deparei-me com uma garota linda, que eu já tinha visto na casa ao lado. Não deveria ter mais que 15 anos. A pele alva contrastava com os longos cabelos cor de mogno que caíam ate sua cintura. Era linda. E mesmo para sua idade tinha um corpo espetacular.
- Ola.
- Oi.
- Sou Bella. Moro logo ali.
- Ah..como vai, Bella? Sou Edward.
- Só vim dar as boas vindas.
- Obrigado. Não quer entrar?
Convidei por educação. Mas ela não se fez de rogada e entrei. Passou por mim rebolando os quadris naquela minissaia curta que mal ocultava a curva arredondada do bumbum perfeito.
- Sua casa é linda.
- Obrigado.
- Onde está sua esposa?
- Trabalhando. Só chega a noite.
- Que pecado. E fica sozinho o dia todo?
- Preciso me concentrar para o próximo livro.
Ela estava sentada no sofá em frente ao meu, as pernas cruzadas. A saia era tão curta que eu via suas coxas inteiramente nuas. A blusa era outra coisa. Decotada deixando entrever os seios jovens, mas fartos.
- Desculpe-me. Estou atrapalhando você.
Só então quando ela descruzou as pernas e se preparou para sair eu percebi a ausência da roupa íntima. Inteiramente nua e sem pêlos.
- Eu volto outro dia. Se não for incômodo.
Ao passar fez questão de roçar seu corpo no meu.
-É um homem lindo, Edward.
- Você também, Bella.
Suas mãos passearam em meus cabelos cor de bronze, que ja eram revoltos naturalmente.
- cabelo delicioso de pegar.
Apenas isso e se foi. Mas bastou para me provocar. No entanto, apesar de ter apenas 23 anos, eu era casado...e bem casado. E aquela menina-mulher era sinônimo de encrenca, tinha certeza disso.
Mesmo sabendo disso eu me deixei envolver. No dia seguinte ela voltou. Novamente com uma saia minúscula que me deixava ver quase seu útero. Mas dessa vez ela foi mais direta. Como no dia anterior estávamos sentados no sofá frente a frente.
- você me acha bonita, Edward?
- É linda.
- Se me visse nua..sentiria desejo?
- Bella....vamos parar com essa conversa,sim?
-Eu sinto desejo de vê-lo vestido, ainda mais nu.
Antes que eu me desse conta ela ja estava sobre mim. E novamente sem calcinha. Eu estava de bermuda e podia sentir seu sexo latejando em minha perna.
- Bella...não se deve provocar um homem assim.
- Eu quero as conseqüências dessa provocação.
Eu era casado, mas não era de ferro. E ver aquela ninfeta deliciosa se esfregando em mim...era demais para mim. Feito um animal eu arranquei suas roupas.
E me deliciei em seu corpo virgem e apertado. Deliciosa e me levava a loucura. Fiquei completamente tarado por ela. E nunca...jamais nos prevenimos.
Tardes e mais tardes eu me perdi dentro do seu corpo, me enfiando completamente dentro dela. Eu quase não procurava minha esposa mais. todo o meu furor era pra ela.
Assim os dias foram se arrastando.
Se transformando em semanas...meses...
Lembro-me com exatidão da nossa última vez. Bella estava ainda mais apertada que o normal. Sentada sobre mim, socava seu sexo em mim com tanta força que eu literalmente via estrelas. Eu beijava sua boca com sofreguidão, quase sem fôlego, segurando seu corpo, querendo abraçar todas as partes dela.
Mas no dia seguinte...meu sonho virou pesadelo.
Era uma tarde de sábado e Charlie e Renne Swan invadiram minha casa acompanhados por Bella que chorava. Tânia que até então não conhecia nossos vizinhos ficou surpresa.
- Seu porco..ordinário...eu vou matar você.
- O que é isso ? O que está acontecendo?
- Você!! Você abusou da minha filha.
- Eu? Que loucura é essa?
- Sim. Ela me disse que você a estuprou.
Tânia deu um grito de horror e eu olhei para Bella com ânsia de esganá-la.
- Que absurdo é esse? Eu jamais faria isso.
- você a violou.
- Sim...mas foi ela quem quis. Ela me procurou. Ela vinha todas as tardes se esfregar em mim.
- Ela é uma criança!
- Não me parecia uma quando sentava em mim.So tem a carinha de anjo. Bonitinha, mas ordinária.
- SEU CACHORRO!!! AGORA VAI TER QUE ASSUMIR O BEBÊ.
Parei em choque.
- BEBÊ?
- Sim....ela está grávida.
Eu não sabia o que dizer. Mas eu estava com tanta raiva dela por ter dito que eu a havia estuprado que falei sem pensar.
- Quem garante que é meu? Ele nem virgem era mais.
Bella soluçou e me olhou com amargura. Deu-me um forte tapa no rosto. - Eu nunca mais quero ver a sua cara. Vai se arrepender pelo resto da sua vida por ter dito isso.
Tânia apenas me perguntou se eu realmente transava com ela.
Eu afirmei. Não fazia sentido mentir. Os pais de Bella parecem ter acreditado que ela não era mesmo virgem.
Ainda naquela noite eu os vi, colocando-a porta afora. Expulsaram a própria filha de casa. Aquela foi a última vez em que vi Bella.

Flashback off



Bella.....dois anos se passaram. onde estaria agora? O remorso me corroia por dentro. Eu nunca me esqueci do seu rosto ao me dizer que nunca mais queria me ver. Ha algum tempo ouvi em um bar que a filha dos Swan tinha tido um filho. Eu tentei. Fui atrás...procurei mas ela simplesmente evaporou. Agora eu era essa figura decadente. Olhei mais uma vez para a casa em ruínas, que parecia debochar da minha própria ruína. Os Swan também....nunca mais os vi. Minha vida agora resumia-se àquela janela, na esperança de vê-la novamente.Às vezes eu ouvia a campainha e abria a porta, imaginando-a pulando em minha cintura como sempre fazia. Mas nem a campainha tocava mais. Por que? Por que eu não tive a percepção que tenho hoje? De que eu a amava? Que era com ela que eu queria estar? Estava completamente sozinho. Eu e Tânia éramos completos estranhos. Não nos falávamos.
Sai de casa e olhei para a casa que um dia fora dela.
-VOLTA!!!
Eu berrei, caindo de joelhos no chão, enquanto minhas lágrimas ensopavam minha camisa.
-Volta pra mim...
Foi assim que Tânia me encontrou e me arrastou para dentro de casa, sem dizer uma palavra sequer.
Mais um dia se fora....mais uma noite..... E eu novamente nessa janela.
Eu tive a chance de mudar meu destino. Fazer meu futuro. Tive a chance de viver um romance que eu jamais escreveria.
Eu não tinha vida. Eu simplesmente existia.
Minha vida se fora junto com aquela que carregava no ventre o fruto de algo que eu sequer sabia que sentia: amor.
Era meu castigo. Seguir sozinho, com essa dor sempre a me massacrar, sempre me fazendo lembrar que eu destruí a vida de uma mulher...
Minha menina mulher.
Eu ja não sentia o tempo passar. Só dor. Saudade.
Voltei para meu companheiro: o sofá. Era ali que eu me lembrava do quanto eu fui feliz.E nem sabia.
Eu sabia que ia morrer um pouco a cada dia...lentamente, afogado em minha própria agonia.E isso....era muito pouco pra mim.

               CONTINUAÇÃO DA ONE >>> Short-fic: Bonitinha, mas ordinaria.

1 comentários :

nossa vai ter continuação ne ?
adorei a finc, a bella é moo asanhada UHSAUHSAHU

29 de janeiro de 2011 15:58 comment-delete

Postar um comentário