OC - Capitulo 3

Bella pov’s


Eu não sabia o que fazer, como agir. Senti-me um servo diante de um leopardo. Eu me endireitei, mas não consegui tirar os olhos dele, Edward me olhava com olhos perscrutadores, suas mãos ainda em minhas costas. Repentinamente, como que percebendo a situação no mínimo constrangedora em que estávamos, Edward afastou-se, mas seus olhos ainda estavam em mim. Após fixar em meu rosto, seus olhos viram meu crachá.


-Eu... Obrigada, eu... –Oh cara pela primeira vez estive próxima a ele e não sabia agir como um ser humano normal, fascinada demais por ele. Dei um passo para trás, meus olhos nele. Não recuei mais um passo, Edward me deteve simplesmente segurando meu crachá, seus olhos ali. Sondou minhas informações ignorando-me e então soltou o mesmo. Eu me afastei tremula com o ocorrido. Por que ele tinha me detido e olhado com tanto interesse meu crachá? Sem mais delongas eu caminhei, ou melhor, corri para a minha mesa.
...
-Hei Bells, o que houve? Você está branca desde que chegou do refeitório. Comeu algo que não fez bem? –Jess perguntou. Eu ergui minimamente minha vista para sua direção fingindo concentrar-me em um trabalho no computador.
-Nada não Jess. –Murmurei. Eu poderia contar a ela não poderia? Estranhamente eu me fechei. Quero dizer nada realmente aconteceu apenas Edward Cullen, o cara por quem sou perdidamente apaixonada, olhou-me pela primeira vez enquanto me ajudava a não cair estatelada no chão e não somente isso: ele olhou fixamente para meu crachá como alguém que colhe informação. Aquilo não tinha sido nada afinal, iria guardar para mim mesma. Ainda sim eu podia sentir minha pulsação ainda acelerada, a respiração irregular. Que efeito Edward Cullen tinha sobre mim afinal? Eu sabia, eu sentia, era um efeito devastador. Comecei a imaginar, talvez uma bobagem, mas... Algo iria acontecer, eu podia sentir bem lá no fundo. Algo que mudaria minha vida.
-Ah, eu vou sair hoje com o Mike, um amigo dele e a Angela. Quer vir junto Bella? –Jess perguntou. Acordei de meu devaneio.
-Talvez outro dia. Vou direto para casa, estou cansada. –Disse.
-Bella, você não aproveita sua vida mesmo! Desse jeito vai ficar para tia, sabia? Nessa idade e se isolando desse jeito. Aposto que nunca fez sexo! –Jess disse divertida, eu ri.
-É isso ai Jess, eu sou virgem. –Falei e vi a descrença cruzar seu rosto.
-Meu Deus! Cara, você tem que se apressar, sabia? Com essa idade e ainda virgem?
-Jess, eu só tenho vinte e um. –Disse bestificada. Qual era o problema de ser virgem nessa idade? Nenhum. Mas nunca ter beijado aos vinte e um era outra história. Fiquei feliz por não ter me aberto completamente a Jess.
-Bem Bella, para mim você está perdendo tempo. Não me diga que está se guardando para Edward Cullen ou coisa parecida? Por que se for isso você vai morrer virgem minha amiga. Edward Cullen não é homem para meras mortais como nós.
O discurso de Jess mexeu comigo não somente por que ela estava exaurindo minhas esperanças de te-lo, mas também por que ela acertou na mosca quanto a me guardar para ele. Eu sei, pura idiotice. O cara nem sabia de minha existência! Ainda sim eu esperava irracionalmente ansiosa pelo dia, pela concretização do meu sonho. Te-lo era meu único desejo. Eu não me importaria em ser para sempre uma simples contadora morando em um apartamento pequeno. Se eu tivesse Edward para mim, eu não me importaria nem mesmo de ser uma indigente. Muitas pessoas iriam supor que meus sentimentos são superficiais, que só gosto dele pela sua beleza, status, fortuna... Não, não era assim pra mim. Eu não me importaria que Edward fosse pobre, tivesse alguma deformação proveniente de doença ou acidente, eu iria querê-lo sempre.
Era bobagem esperar, mas eu esperava. E me frustrava toda noite quando, ao final do experiente eu ia embora sem ele. Como agora. Jess tentou junto a Angela convencer-me a sair. Eu inventei a boa e velha dor de cabeça e fui para meu apartamento. Estranho dizer, mas... Enquanto seguia para meu apartamento, de ônibus é claro, me senti um pouco vigiada. Peguei-me olhando em volta algumas vezes. Por fim aquiesci e fui para meu apartamento, para meu refugio.
Enquanto jantava...
Enquanto tomava meu banho...
Enquanto me vestia...
Enquanto escovava meus dentes...
Enquanto assistia ao noticiário esperando o sono vir...
Enquanto eu adormecia...
Em meus pensamentos os olhos cor ocre de Edward sondando-me. Seu cheiro, seu calor... Alguma coisa iria acontecer, uma esperança crescente no peito.
Fosse o que fosse eu estava preparada. Eu sempre estava preparada para enfrentar os momentos de dificuldade, talvez só não estivesse preparada para enfrentar os momentos de felicidade e, por Deus, eu queria vive-los!
Edward pov’s
Os seus olhos castanhos estavam em mim claramente confusos. Ela não esperava por uma intervenção em sua queda, supus. Só então notei o porquê dela me olhar surpresa, para não dizer assustada: eu estava próximo a ela, meus olhos nos seus e minha mão ainda em sua costa. Afastei-me para lhe dar algum espaço. Notei o seu crachá, a fonte de informação que deu precisava.
-Eu... Obrigada, eu... –A moça gaguejou, meus olhos ainda em seu crachá. Seu nome era Isabella M. Swan, um nome comum. Setor: contabilidade. Eu poderia supor só pelas informações que a garota era comum, ou seja, um saco! Mas ela pareceu ganhar a simpatia de Alice e...
Isabella recuou um passo. Eu agarrei seu crachá para impedi-la, queria mais informações, mas não havia muito em seu crachá além de... O código. Código com informações pessoais que ficavam no RH. 24567 era o número. Bastava ter acesso a um computador, meu computador, e digitar o código para saber mais sobre ela. E então Bella seguiu para longe, eu devo tê-la assustado. Bem, dane-se!
...
-Hei Edward onde estava? –Tânia me questionou, fui direto para meu computador.
-Estava resolvendo meus problemas se quer saber. –Dei um sorriso soturno e acessei o programa que mostrava informações dos funcionários. Digitei o número de Isabella: 24567. Lá estava, o arquivo completo da garota. Sorri.
-O que está vendo? –Tânia perguntou e veio para trás de mim. A ignorei enquanto imprimia uma folha com os dados de Isabella Marie Swan. –Quem é essa?
-Isabella Swan, minha futura mulher. –Disse levemente divertido. Tânia se enervou com o que disse.
-COMO ASSIM SUA FUTURA MULHER? QUE PAPO É ESSE EDWARD?
-Pare de gritar! –Esbravejei enquanto pegava da impressora aos dados de Isabella. Nome, endereço, telefone... Tinha tudo o que precisava.
-Por que ela? Diga-me por que escolheu essa mongolóide? –Ela perguntou enquanto se afastava e sentava em uma poltrona a minha frente.
-Eu a vi conversar animadamente com Alice. Qualquer uma que tenha a simpatia da minha irmã pode ser minha esposa. E eu não tenho tempo para procurar, não posso perder tempo. Claro que eu preciso saber se ela sente algo por mim. Tânia, você fará isso.
-O QUE? –Ela perguntou com aspereza e surpresa.
-O que você ouviu. Você vai investigar para ver se aquela moça, Isabella Swan, sente algo por mim. Essa é sua foto e seu setor. –Disse passando a ficha da garota para Tânia. Tânia não estava nada contente, mas não poderia reclamar. Afinal ela sabia que Alice não iria aceita-la.
-Que seja. Muito embora eu ache que você não precise se preocupar Edward. Ainda que essa tal de Isabella fosse casada e com filhos, ela cederia a você se é isso que deseja. Ainda sim eu acho que você deveria pesquisar um pouco mais.
-Não, eu a quero. –Minha voz soou com intensidade, algo que impressionou até a mim. Por que eu queria tanto aquela mulher? Eu não sabia. Algo na conversa animada com Alice, algo em seus olhos. –Tânia, fique na cola daquela mulher hoje. –Ordenei. Tânia foi contrariada, mas foi.
...
Fim de tarde, estive ocupado com muitas coisas do trabalho e Tânia ficou na cola de Bella, ou pelo menos fingiu fazê-lo. Enquanto resolvia meus assuntos pensava no que faria, independente se ela gostava de mim ou não, era comprometida ou não, pensava no próximo passo. Eu teria que tê-la em pouco tempo, no máximo quatro meses. Após o casamento eu teria de suportar um ano com a garota, mas ela poderia pedir o divorcio. Seria fácil me desfazer dela, eu sabia ser insuportável quando queria. Distrai-me com os planos e quando dei por mim estava na hora de ir. Tânia entrou aborrecida em minha sala.
-E então? Descobriu algo? –Perguntei com os olhos na ficha que imprimi com informações de Isabella.
-Descobri que ela é uma babaca, você não vai agüentar nem dez segundos com ela! –Tânia disse zombeteira.
-Estou falando sério Tânia. –Falei com aspereza.
-Eu também amor. –Ela disse com um sorriso zombeteiro. Suspirou. –Aquela garota não demonstra como as outras. Não sei o que pensar se ela sente algo por você como todas as funcionárias ou não. Ao invés de perder tempo com isso tente logo conquistá-la e tão logo se desfaça dela Edward. Quanto mais rápido melhor.
-Em outras palavras você não cumpriu com o seu dever de vigiá-la, não é, Tânia?
-Eu fiquei olhando para aquela songa monga, mas não notei nada. Aliás, ela já está saindo para casa. –Quando Tânia disse isso eu despertei.
-Então é melhor eu verificar onde ela mora exatamente. –Levantei-me e peguei meu paletó vestindo-o.
-Vai seguir a “sem sal”? –Tânia perguntou emburrada. –Pensei que ficaríamos juntos esta noite.
-Outro dia meu bem. Isso é importante.
-Então posso esperá-lo no seu apartamento? –Ela perguntou esperançosa em passar a noite comigo, mas naquela noite eu não queria sexo, queria solução para meus problemas e uma boa dose de Uísque.
-Amanhã, quem sabe. Hoje não Tânia. –E então eu saí. Felizmente consegui acompanhar Isabella quando esta entrou em um ônibus, quando desceu e seguiu para um prédio de apartamentos pequenos para solteiro. Meus olhos acompanhando-a nas menores coisas, gestos. Eu poderia esperar e escolher algo mais sexy, a tal de Isabella era tão comum que chegava a enojar. Minha intuição apontava apenas para ela, como se apenas ela servisse. Prometi a mim mesmo que tão logo começaria o plano, conquistá-la e em seguida me desfazer dela. Rápido, letal. Eu não consegui encontrar a compaixão pela garota enquanto pensava na fortuna que iria herdar. Que se danem os sentimentos dela! Ela seria minha! Eu iria ter minha fortuna e então iria descartá-la, simples assim.



<<<< Capitulo 2                                    Capitulo 4 >>>>

0 comentários :

Postar um comentário