M - Capitulo 6

Mirala, perfume frances

Susurrame y caeré a tus pies

Gris luna en tu piel

Sabes que hago lo que debo hacer

♫ Mas, es amar – Enrique Iglesias

~/~/~/~/~

A manhã se arrastou para Bella. Nunca foi tão difícil estar longe de Edward. Ela ainda meio que pensava que estava vivendo em um conto de fadas ou mais um de seus infinitos sonhos. Em pensar que à 3 dias eles eram simplesmente amigos, e agora, são algo perto de namorados.

É tão surreal, pensou ela abanando a cabeça e sorrindo.

Sim era completamente surreal para ela viver o que sempre sonhou ao lado dele.

Tantas noites que ela passou insone, sabendo que a alguns metros, uma mulher estaria se deliciando nos braços daquele que ela tanto desejava.

Rolou mais uma vez em seus pensamentos, os empurrando para longe. Ela não devia pensar no passado, agora nada disso realmente importava.

O que Edward fez ou não, era de direito dele. Afinal ele era solteiro, um homem extremamente bonito, que deslumbrava com seus belos olhos verdes e sorriso torto.

Mulheres e até mesmo homens, o desejavam. Era praticamente impossível não ter um par de olhos o seguindo onde quer que ele estivesse. Sua beleza era algo que não podia ser comparada. Edward tinha o rosto e o corpo que qualquer homem venderia a alma para ter.

Uma pontada de tristeza atingiu Bella. Edward com toda sua beleza era tão diferente dela.

Simples, sem graça e desastrada.

Estremeceu ao pensar em seu corpo e em como não tinha nada de extraordinário para atrair qualquer homem.

Seios pequenos e que mal eram perceptíveis. Era pequena em estatura, um pouco mais alta que Alice. Cabelos totalmente sem graça, daquele marrom com vermelho. Olhos sem nenhum tom para poder hipnotizar alguém.

Suas lembranças a traíram outra vez, levando-a a lembrar das mulheres que já vira com Edward.

Loiras, morenas, ruivas, de seio fartos, altas com seus saltos, corpos perfeitos, com tudo no lugar. Sorrisos estonteantes e sedutoras.

Antes que entrasse em melancolia, Bella decidiu parar de pensar olhando para o relógio. Estava quase na hora de ir para a casa dos Cullen. Emmett foi se arrumar e Rose foi arrumar Pietro. Seu pai estava sentado na poltrona ao seu lado, vendo um canal de esportes.

Bella levantou-se do sofá, esticando-se por estar sentada a tanto tempo. Sorriu para o pai, dando um beijo em sua testa, em seguida caminhou escada a cima.

Abriu seu closet, procurando algo bom e quente para vestir. Não ia demorar para nevar em Forks, mais um ou dois dias e a neve iria tomar conta das ruas.

Decidiu-se por uma calça jeans cumprida, uma blusa branca de lã com mangas. Por cima um casaco grosso, também branco. Botas sem salto e um leve toque de maquiagem.

Olhou-se no amplo espelho no canto do quarto, suspirando para sua imagem.

Seu estomago se revirou, lembrando-a que iria se encontrar com Edward Cullen.

Bella estava se sentindo uma adolescente em seu primeiro encontro.

.

.

Edward bufava mais uma vez naquela manhã. Deitado em sua cama extremamente fria e vazia, fitava o teto com a testa enrugada. Pensava em como pode durar tanto tempo sem ela.

Ele sempre teve muitas mulheres, mas nenhuma era ela. Não podia negar que elas eram bonitas, mas em cada uma encontrava um incrível defeito.

As bochechas não ficavam tão rosadas. Os olhos castanhos não eram tão chocolate. O cabelo não tinha aquele tom de vermelho. Quando sorria não tinha aquelas covinhas nos cantinhos dos lábios. Nada nelas o fazia lembrar de Bella. Ele buscava incansavelmente uma maneira de tirar aquele sentimento de dentro dele.

Como ele podia simplesmente chegar em Bella e falar que a amava, sem saber o que ela pensava sobre isso?

Ele tinha medo, dela se afastar dele, de alguma maneira. Edward precisava dela como do ar para respirar.

Mas ele sabia que era egoísta com relação a tudo isso. Ele temia que Bella chegasse a conhecer um cara legal, que a fizesse feliz. O maior ato de egoísmo dele, foi no colégio. O Baile de Formatura.

Edward esfregou as mãos nos olhos lembrando daquele dia.

~*Flashback*~

Os garotos tinham terminado o treino de futebol americano, estavam no vestiário ansioso pelo último jogo intercolegial.

Faltava 3 semanas para o baile de formatura, e eles pensavam em suas opções. Edward já havia convidado Tanya, essa praticamente tinha se convidado. Quando Edward estava do vestiário, Jacob o chamou para conversar.

— Edward, eu queria saber algo – Jacob parecia nervoso e estava sério.

— Diga – Edward franziu a testa esperando que o colega de time falasse.

— Bem… eu queria saber se Bella tem par para o baile? – ele disse rápido quase atropelando as palavras.

— Não que eu saiba, por que a curiosidade? – cruzou os braços apertando as mãos em punho.

— Eu pensei em… em convidá-la.

Edward sentiu o sangue ferver. Quem Jacob Black pensava que era para querer convidar Bella para o baile?

— Você pensou? Mas deixa eu lhe avisar algo – o rosto de Edward estava praticamente distorcido de raiva. – Bella não irá ao baile, pelo menos não com você, está entendendo?

— Mas por quê? Quem tem que me dizer não ou sim é ela – Jacob estava entendendo qual era a do Edward, o tirar da reta.

— Ela merece alguém muito melhor do que você Black.

— Como já falei, quem tem que dizer isso é ela. Você vai ao baile com a Tanya vai se divertir e a impede de fazer o mesmo. Isso é egoísmo.

Edward sentiu vontade de socar algo, trincou os dentes e abaixou o tom da voz para uma suave e ameaçadora.

— Escute bem Jacob Black, se você quiser ainda continuar andando, fique longe da Isabella Swan. Não ouse chegar perto dela, de nenhuma maneira – não lhe deu oportunidade de resposta, e saiu do vestiário soltando fogo pelas ventas.

Jamais deixaria um rapaz chegar perto de Bella, ninguém era bom o bastante, ninguém a trataria da forma correta… que somente ele sabia.

Chegou em casa completamente estressado, caminhou diretamente para a cozinha com o propósito de pegar uma garrafa de água e algo para comer.

Parou na porta do local, assistindo a cena na sua frente.

Bella tinha saído mais cedo da escola, e estava em sua casa junto com Esme confeitando um lindo bolo de morango.

O remorso imediatamente lhe bateu como um tijolo no meio da cara.

Como negar a ela a felicidade de ter alguém?

Antes que pudesse dar a meia volta e sair sem ser notado, Bella virou-se e sorriu para ele.

Outro tapa na cara. Ela era tão boa com ele, tão dedicada, disse uma vez que a felicidade dele era a sua felicidade, e ele não o fazia por ela.

— Edward vai lavar as mãos que vamos lanchar bolo de morango – sua mãe lhe disse sorrindo, colocando um ultimo morango em cima.

— Sim mãe, antes eu… vou ligar para a Alice – ele precisava falar com a irmã, só ela poderia lhe entender nesse momento.

— Tudo bem, mas não demore – Esme respondeu e Bella ficou ali, arrumando as coisas que estavam no balcão da cozinha.

Ela não se importava com o baile, de qualquer maneira, a única pessoa que lhe interessava para ir em algum evento assim era Edward, e esse já tinha seu par.

Edward discou o número da sua querida irmã, e pouco tempo depois ela atendeu.

— Alo?

— Alice, sou eu Edward.

— O que foi?

— Eu queria… eu preciso falar algo para você – Edward já não achava tão boa idéia assim contar para ela.

— Aconteceu alguma coisa? – Alice ficou preocupada instantaneamente.

— Nada com alguém, mas sim uma besteira que eu fiz – coçou a cabeça e sentou-se em sua cama.

— Fale de uma vez Edward Anthony Cullen.

— Jacob queria convidar Bella para o baile, e bem eu o ameacei se ele o fizesse.

— Você o que? – a voz aguda da irmã quase o deixou surdo. – Enlouqueceu Edward. Você não manda na vida de Bella, por que fez isso?

— Ciúmes Alice, ciúmes – ele tentava controlar a voz. – E o pior de tudo é que eu já tenho com quem ir ao baile.

— Tanya – Alice bufou, e Edward já poderia imaginá-la rodando os olhos. – Você é um grande egoísta, se procurarem no dicionário o significado de egoísta vai ter sua foto ao lado. Como pode fazer isso com ela? Se a quer pegue para si, diga que ama, mas pare de tentar controlar a vida dela. Não pode querer controlar quem se aproxima dela ou não, é injusto.

— Eu sei, e eu não posso dizer nada a ela Alice, se ela não gostar de mim, isso poderia acabar com nossa amizade.

— Edward, você só irá descobrir se tentar, agora desfaça a sua grande burrada antes que eu tenha que ir para Forks chutar seu traseiro.

Ele riu sem humor.

— Irei desfazer, pode deixar.

— Eu amo você irmãozinho mesmo que seja um grande idiota.

— Eu também te amo, e obrigado.

— Por nada, mande beijo para todos.

— Irei mandar.

Edward com muita dor no coração ligou para Jacob Black, dizendo que tudo foi uma grande brincadeira. Dizer as palavras ‘pode convidar Bella, eu sei que você cuidara bem dela’ era como ele mergulhar em uma piscina com cacos de vidro. Lhe cortava até a alma.

Naquela noite Bella recebeu uma mensagem, e um convite de Jacob Black. Ela não conseguiu dizer não, mesmo que fosse o que queria.

~*Fim do Flashback*~

Edward foi puxado para fora dos seus pensamentos com uma batida na porta do seu quarto.

— Entre – ele disse passando a mão em seus cabelos revoltados.

Ali estava a sua paz. Bella sorrindo para ele enquanto fechava a porta.

— Meu amor – ele falou quase em desespero, saltando da cama e pegando-a para si.

Beijou-a como se não houvesse amanhã, saboreando os seus doces e suaves lábios.

Bella foi pega de surpresa, mas correspondeu-o segundos depois quando seu cérebro conseguiu pensar em algo coerente. Sentia todo o corpo de Edward contra ela, até que sentiu-se cair na cama com ele por cima.

Seus lábios nunca deixando os dela, tomando-a como se fosse o fôlego da vida. Mãos sentindo pele, línguas provando texturas, fogo correndo pelas veias, corações a mil por hora.

Edward separou dos lábios dela, apenas para continuar explorando sua pele, agora com a sua boca.

Beijou seu queixo, lambeu com delicadeza o caminho até o seu pescoço, mordeu de forma delicada para não deixar marca.

Ele queria saborear ela por completo, como um bom banquete.

Bella respirava ofegante, com os olhos fechados, sentia os toques de Edward queimar seu corpo como brasa. Mas ela sabia que não era hora, e nem lugar para fazer algo assim. Abriu os olhos e empurrou delicadamente o rosto de Edward para cima.

Edward não podemos demorar, estão todos esperando para o almoço – ela moveu os lábios e ele só queria pegá-los novamente entre os dele.

Eram tão rosados e delicados, que não se cansaria de tê-los em seu poder.

— Desculpe meu amor, eu só não consigo me controlar quando estou com você – beijou seu lábios levemente. – Eu amo você e estava com saudade.

Ela sorriu levando seus dedos até seu rosto, passando por aqueles pequenos fios de barba que começavam a crescer.

Eu também te amo – seus lábios mexiam e o corpo de Edward estremecia.

Edward lembrou-se de algo e levantou de imediato.

— Eu quero lhe dar algo antes de descermos – Ele foi até a cômoda e pegou uma caixinha que estava ali em cima.

Bella sentou-se observando caminhar de volta para ela, com a tal caixa na mão.

— Vou fazer isso da forma correta, quero que você tenha a certeza dos meus sentimentos – ele então ajoelhou em frente a ela com a caixinha na mão. Bella já sentia seu peito se apertar de emoção, e um sorriso ser tatuado em seu rosto.

Edward respirou fundo e segurou a mão esquerda dela.

— Isabella Marie Swan, desde a primeira vez que eu te vi, meu destino foi traçado. Meus sentimentos nunca foram de outra mulher, meus olhos nunca foram de outra, meus beijos jamais foram verdadeiros, tudo era seu, e eu precisava lhe entregar isso. Eu tinha medo, muito medo de perder você de alguma maneira, se você não gostasse de mim e não me quisesse – ele respirou fundo e ela apertou seus dedos nos dele. – Então agora, eu sei que você me ama, e tenho a certeza de que nunca amarei outra pessoa. Queria saber se você aceita, ser a minha namorada, com todas as letras.

Bella sorria, e colocou sua mão direita no rosto dele.

Sim, ela disse movimentando sua cabeça. Edward não sabia se sorria, se gritava, ou qualquer coisa. Mas antes lhe daria o anel.

Abriu a caixinha e ali dentro repousava um lindo anel com um design antigo. Lindas pedrinhas de diamante cobriam aquela delicada peça.

— Eu não comprei esse anel, ele era da minha avó, minha mãe o guardava dizendo que eu entregaria nas mãos da mulher que eu amasse, e eu te amo, quero que seja sua, espero que fique certo no seu dedo – ele sorriu nervoso, retirando o anel de onde ele repousava, pegando sua mão esquerda, colocando-o selando o namoro.

Bella tinha algumas lagrimas em seu olhos, devido a enorme emoção que embalou esse momento.

Edward levantou, segurando-a pelas mãos, fazendo-a levantar-se também. Segurou seu rosto entre suas mãos, e beijou-a com carinho. Querendo naquele beijo poder dizer:

Eu te amo, serei seu até o fim dos meus dias, ou quem sabe depois deles.

0 comentários :

Postar um comentário