KM - Capitulo 3



Capítulo 3.



Recapitulando. Eu sou apaixonada por Robert Pattinson, estava morando em Los Angeles, mais precisamente, no mesmo apartamento que ele. Vamos simplificar mais. O meu quarto era do lado do dele. Foi nesse clima que eu passei a minha primeira noite em claro. Como eu poderia fechar os olhos e dormir? Impossível.
Ele não estava em casa, nem Tom. Meu irmão avisou que iria sair, mas não quis me levar. Claro que não. A palhaça aqui ficaria trancada em casa enquanto o sonho de consumo dela pegava todas na boate. Ou seja lá onde eles estiverem. Peguei um filme da coleção deles e coloquei para ver. Para ser sincera, não consegui me concentrar nem por cinco minutos. Toda hora eu escutava algum barulho no prédio e achava que eles estavam chegando. As horas estavam se arrastando e quando eram 02:00hs eu já estava cansada de esperar. O filme era uma boa porcaria e eu resolvi trocar por algo que fosse capaz de me deixar acordada. Olhei a prateleira e peguei um dvd.
"Ultimo Tango em Paris"
Marlon Brando... devia ser um bom filme. Coloquei e sentei.
Eu não sabia a história do filme e para ser sincera nunca nem escutei falar, apesar de parecer ser bem antigo. Tentei me concentrar, mas toda hora meu pensamento fugia para outra coisa. Eu só realmente parei para prestar atenção, quando... OMG. Mas o que... ok... senhor...
- Kristen?
Eu pulei do sofá quando ouvi me chamarem e dei de cara com um Robert rindo.
- Rob! Chegou... cedo!
- Cedo? São 04:00hs.
Eu nem tinha me dado conta disso. Ele parou do meu lado e ficou olhando para a televisão, sorrindo.
- Não sabia que você tinha ficado safada, Kiki!
- Eu não... botei o filme... nem sabia...
Ele tirou a touca que cobria seus cabelos maravilhosos e sorriu torto. Robert se aproximou de mim e veio falar baixo no meu ouvido.
- Pode deixar que não vou contar ao Tom. Segredo nosso.
Continuei imóvel enquanto ele afundava a touca na minha cabeça e me dava um beijo na testa. Senti um hálito meio... não, meio não... muito peculiar de álcool.
- Bom dia! Qualquer coisa estarei no meu quarto.
Como assim qualquer coisa? Eu não entendi! Era uma indireta? Era apenas um aviso em casos de emergência? Ele precisava aprender a ser mais explicativo!
- Oh. Ok.
Foi o que consegui pronunciar. Ele ainda falou enquanto saía da sala.
- Não fique até tarde vendo esse filme Kiki. Essas coisas não são para serem assistidas sozinhas!
Só de sacanagem eu resolvi ficar vendo o filme. Como não tinha prestado atenção direito, resolvi assistir desde o começo. Eu nunca mais na minha vida, iria olhar para uma manteiga com os mesmos olhos. Isso podia traumatizar, ok? Eu acho, que o sono me venceu, porque eu fui cutucada.
- Terra chamando Kristen...
Só então eu percebi que ele estava me acordando com leves (mentira) sacudidas. Sentei sonolenta enquanto colocava a mente em ordem.
- Eu... dormi aqui?
- Ou isso, ou você foi abduzida. E então te deixaram aqui na volta.
Eu não estava completamente acordada para achar graça das piadas dele. Que de engraçadas não tinham nada. Rob tirou o DVD do aparelho e guardou na caixa.
- Kristen, Kristen... não me diga que passou a noite vendo isso?
- Passei. Não tinha companhia, você preferiu ir dormir, mas passei.
Mas que porra eu estava falando? Eu me colocava extremamente em perigo quando estava com sono. Ele riu.
- Oh não... eu não poderia assistir esse filme contigo...
- Não? Por quê?
Não pergunte Kristen... Robert coçou a cabeça sorrindo.
- Eu gosto do filme para... outras finalidades.
Outras? Outras? Eu não estava incluída nessas outras finalidades? Ele foi em direção à cozinha e eu fui atrás como quem não quer nada.
- Outras, tipo o que?
- Tipo coisas que eu não faço com a irmã do meu melhor amigo.
Ele piscou e abriu a geladeira para pegar leite. Eu murchei.
Antes que eu pudesse pensar em alguma resposta ou até mesmo sair correndo chorando, meu irmão chegou em casa.
- Bom dia.
- Voltou bem alimentado?
- Sempre!
Tom me deu um beijo e passou por mim. Só agora eu tinha dado falta dele. Abafa.
- Onde você estava?
- Eu? Robert não avisou?
- Ah é... ele mandou avisar que não dormiria em casa, Kiki.
- Você só está avisando-a agora?
- O que? Esqueci, qual o problema?
- Inacreditável...
- Onde você dormiu, Tom?
- Por aí.
Tudo bem, eu entendi. O celular de Tom tocou.
- Oi. Pode falar. Só um minuto...
Ele tampou o aparelho e chamou Robert.
- Que horas eu mando chegarem com as bebidas?
- O melhor é que seja antes das 20:00hs.
- Oi, sou eu. Vocês podem trazer até 20:00hs? Certo, obrigado.
Bebidas? Fiquei olhando meu irmão, esperando por uma explicação. Ele sorriu para mim e apertou meu nariz.
- Vamos dar uma festa aqui em casa hoje. Pode chamar suas amigas.
- Festa? Amigas? Que amigas? Eu cheguei ontem aqui.
- Tudo bem... de qualquer forma, a festa começa às 21:00hs.
Rob riu e saiu da cozinha.
- A hora que acaba... só Deus sabe!
Eu estava vendo o movimento já pelo apartamento. Chegada de bebidas e comidas, garçonetes... eu disse "netes" certo? Qual o problema em contratar garçons? Eu hein. Fui bater como quem não quer nada, no quarto do Rob.
- Entra!
Tudo que eu sempre quis na vida! Entrei feliz e o encontrei de cueca boxer branca e esfregando uma toalha na cabeça. Aquela cena me fez escorregar no tapete e cair no chão na frente dele. Ele veio me levantar, mas a vergonha era tanta que eu fui mais rápida e já estava em pé de novo em poucos segundos.
- Machucou?
- Não.
- Esse tapete escorrega mesmo...
- Percebi.
Eu estava olhando para a barriga dele. OMG. Eu olhei para a cueca dele! Espero que ele não tenha notado isso. Ok, ele notou. Ele estava rindo. Se joga da janela Kristen!
- Queria falar comigo?
- Eu?
- Quem mais, Kiki?
- Ah, era só para saber o estilo da festa... para escolher a roupa.
Ele me deu as costas e foi abrir o armário. Que bunda... eu sentei na cama para não cair de novo.
- Bem, sei lá... o que importa é acabar todo mundo pelado! Tudo junto e misturado, sabe?
Ele estava falando sério? Robert riu.
- Brincadeira. Ou não, quem sabe?
- Hehehe.
Saí do quarto pensando na minha risadinha escrota. Hehehe? Que merda é essa Kristen?
Eu fiquei, digamos, uns quarenta minutos sentada olhando para as minhas roupas. Eu me vestia decentemente como uma beata para Tom achar que eu era uma menina santa de família, ou me vestia para dar uns pegas no Rob? Ok, a segunda opção ganhou!
.
Eu era meio lerda para me arrumar, então já ouvia o som altíssimo e o barulho que as pessoas faziam para conversar. Mas eu ainda estava me arrumando. Me olhei no espelho e me senti gatíssima. Eu era mesmo. Meu irmão vivia dizendo que eu era magrela, mas eu não achava. Só tinha a perna um pouco fina. Coloquei um vestido preto que eu usava raramente (1ª vez) e sandálias pretas.
.
http://cache.daylife.com/imageserve/00uxfcPb2A43R/340x.jpg
.
Uou, eu estava branca! Saí do quarto me sentindo a tal. Ainda estava andando pelo corredor dos quartos quando Rob entrou e cuspiu a cerveja que bebia.
.
- Kristen?
.
- Eu!
.
- Nem te reconheci!
.
- Eu não uso apenas jeans, sabe?
.
Ele riu e bebeu no gargalo.
.
- Você está gostosa!
.
Hein? Foi comigo?
Aquilo foi muito para o meu coração que parou de bater por alguns segundos. O tempo que eu demorei para responder, foi o tempo que a infeliz chegou. Sim, infeliz porque eu a odiava. Apenas pelo fato dela ter feito a Bella no filme. E também pelo fato dos boatos que corriam sobre o Rob ser louco por ela. A infeliz tinha namorado, mas adorava os chamegos de Rob.
.
- Ei Pattinson! Megan chegou!
.
Ele na mesma hora virou a cabeça para olhar. E daí que ela era linda e gostosa e tipo um símbolo sexual? Sou mais eu!
.
http://i241.photobucket.com/albums/ff155/suckthatmango/megan-fox-hollywood-03.jpg
.
Ele sorriu e virou-se para mim.
.
- Ficou gata Kiki! Vai pegar geral hoje!
.
Eu a odiei de todas as formas quando ele me deixou ali sozinha e foi falar com ela, beijando seu rosto, com uma mão em sua cintura de 30 centímetros. Vadia!
.
- Me dá um!
.
Peguei uma bebida que passava por mim. Eu já disse que as garçonetes estavam vestidas de coelhinhas da playboy? Eu odiava Los Angeles!
Lá se ia meu peguete... ele estava delicioso. Minto. Ele era delicioso. Ok, eu babava dia e noite por ele, comofas? Ele hoje estava irritantemente gostoso.
.
http://z.about.com/d/movies/1/0/4/Y/R/mtv2008pic49.jpg
.
- Oi.
.
Eu estava falando com alguém que eu nem conhecia. Era patético não conhecer ninguém ali...
.
- Oi... você é?
.
- Kristen.
.
A garota me olhou com cara de "e eu com isso".
.
- Irmã do Tom.
.
Agora ela sorriu e resolveu me tratar super bem.
.
- Ah sim! Sou Francielle! Ou Fran, para os íntimos.
.
- Legal.
.
Interesseira? Não...
.
- Conhece meu irmão então?
.
- Claro! Super conheço!
.
Aham. Super... tradução, já peguei. Provável. Eu vi Rob conversando com vadia-Megan no terraço. Ela ria horrores, abrindo a boca, aquela porra daquela boca que os homens ficam babando. Odeio!
.
- Martini?
.
Uma coelhinha veio me servir. Tinha escrito "Thami" no crachá.
.
- Não, obrigada.
Eu acho que tinham mais coelhinhas naquela festa do que convidados. Porra, para onde eu olhava eu via coelho. Era Kese, Priscilla, Nat, Tika, Dany, Julinha, Steph, Karina, Lezinha, Bárbara, Alessandra, Meny, Maya e eu estava começando a ficar tonta de tanto olhar os crachás. Vai ter mulher de bunda de fora assim lá no inferno!
Meu irmão babava em todas quando passava. Eu preciso deixar bem claro que ele secava a bunda de cada uma. Tom era quase um tipo de serial-killer. A diferença é que as mulheres se jogavam em cima dele.
- Kris, que roupa é essa?
- A minha, por quê?
- Curto demais esse vestido!
- Menos Tom... tem mulheres com a bunda aparecendo.
- Sim, mas é o uniforme delas, é diferente.
- Ok, me dá um uniforme então que também quero servir.
Ele fechou a cara e bagunçou meu cabelo.
- O vestido ficou legal!
Era tão fácil contorná-lo...
- Tom!
Chegaram duas garotas abraçando ele e beijando.
- Meninas, essa aqui é minha irmã, Kristen.
- Oi, sou Karine, prazer.
- Jussara!
- Oi, prazer...
A tal da Karine virou para Tom e sorriu.
- Onde está o Robert?
- Não sei, por aí...
- Vou procurá-lo então. Com licença...
Vai procurar o cacete! Eu odiava Los Angeles. Também fui procurar meu peguete. Nos meus sonhos...
Mas onde estava a porra do meu peguete? Ah, achei. Era fácil... só olhar para o lugar com maior concentração de mulheres. Eu não podia simplesmente gostar do carinha que tava ali sozinho sentado no sofá, de óculos e suco na mão? Levei um esbarrão que quase fui longe.
- Foi mal aí!
Foi mal aí? Ninguém merece... ela correu na direção do Rob e foi chamada por uma amiga que vinha atrás.
- Fernanda, espere!
- Rápido Beatriz...
O que? Rob estava dando doces? Parecia. Fui sentar ao lado do carinha de óculos com suco na mão.
- E aí?
Ele falou comigo. Enfim, um cara ali resolveu falar comigo. Eu me virei para responder, mas desisti quando vi que ele tinha milho preso no dente.
- Oi. Já volto.
Porra nenhuma. Voltar o que. Levantei e fui de novo para o terraço. Eu vi a tal da Francielle abraçada com Tom. Pelo menos não era o meu peguete. Nem me incomodava que agarrassem meu irmão. Quem dera se todas as mulheres da festa só tivessem olhos para ele... inferno!
- Linda...
Me virei para ver quem era o santo. OMG. Abri aquele sorriso.
- Kellan! Oi.
Kellan Lutz, Kellan Lutz. Ok, não tinha Robert, ia Kellan mesmo.
- Nossa... machucou quando caiu, foi?
- Hein?
- Do céu...
OMG. Eu ri.
- Não.
- Não te conheço... é nova na cidade?
- Eu? Sou irmã do Tom.
Ele ficou sério e se endireitou.
- Ok, prazer em conhecê-la. Já volto.
Impressão minha ou o Kellan deu o fora quando ouviu o nome do meu irmão? Eu espero, para o bem dele, que tenha realmente sido só impressão. Fui um pouco estressada até Tom, que conversava com Francielle.
- Tom!
- Kiki? Que cara é essa?
Eu puxei ele pelo braço, para longe da garota, que me lançou um olhar mortal.
- Você por acaso, só por acaso, não falou nada sobre mim para seus amigos, falou?
- De você? Não...
Aquela cara de sonso dele não convencia nem cego.
- Tom?
- Depende.
- Depende do que?
- Do que exatamente você esteja se referindo...
- Tom!
- Ok. Eu apenas pedi para... eles ficarem longe da minha irmãzinha.
Eu belisquei ele com toda a força das minhas unhas.
- Ai! Kiki, que fúria é essa?
- Por que você fez isso?
- Peraí, esse estresse todo... por acaso você deu mole para algum amigo meu?
- Isso não interessa!
- Interessa total! Kiki... eu só tenho amigo cafajeste.
- Que nem você?
Ele sorriu sem-graça.
- Isso.
- Certo. Mas não será você quem vai dizer com quem eu fico ou não, Tom! Eu sou maior de idade, ok?
Eu olhei Robert, que chegava perto de nós.
- E aí? Qual o estresse?
- Nenhum...
- Kiki quer pegar alguém.
Eu imaginei minha mão amassando a cara do Tom. Robert me olhou sorrindo.
- Eu falei que ela ia pegar geral... quem é o cara?
- Não é ninguém!
- Não sei, acho que o Kellan.
- Kellan?
Robert riu. Qual era a piada?
- Não vou pegar Kellan nem ninguém, ok? Pára com isso, Tom.
- Você não está reclamando por eu ter mandado eles ficarem longe?
- Isso é verdade, ele me mandou ficar longe de você.
Robert balançava a cabeça, apontando para Tom. O maldito Tom. Já era difícil ter alguma chance com ele sem o aviso ridículo do meu irmão... quem diria depois dessa!
- Bem, ele não é meu pai!
- Viu Tom? Você não é pai dela!
- Você está bêbado, Rob?
Eu o olhei, estudando-o. Não era possível... a festa mal começou.
- Eu? Não! Por enquanto não.
- Robert se acha engraçado mesmo...
- Eu sou, Tom.
- O fato das mulheres rirem de todas as suas piadas, não significa realmente que elas achem graça.
- Bem, elas pelo menos fingem, né? Então elas fingem que eu sou engraçado.
Logo por quem eu fui me apaixonar. Olhei mais uma vez para o rapaz de óculos no sofá da sala. Não... era apelar demais.
- Melhor eu sair de perto de vocês... pode ser contagioso...


<<< Capitulo 2                                                          Capitulo 4 >>>

0 comentários :

Postar um comentário