CYGMCTG - Capitulo 2

* Edward POV *

Aquilo foi como se o botãozinho on/off fosse desligado. Eu me desliguei do mundo, esqueci meus amigos. Meu nome, até mesmo minha identidade. para mim só existia a garota, para onde levá-la? Eu não poderia levá-la para o meu apartamento, não depois do que aconteceu lá. Ela logo sacaria, se bem que ela deve saber quem sou “O corno do Ano” eleito pela People Magazine. Fomos em direção a saída e logo avistei meu carro eu estava numa briga interna sobre onde ir chegando perto do carro fui tirado da batalha com o suspiro dela.

- U-A-L

- Gostou?

- Claro, é seu?

- Sim, quer conhecer – perguntei com certa malicia.

Ela deu de ombros e então eu abri a porta para ela e segui para o lado do motorista, por mais que não era aquilo que eu queria para a noite com ela. Eu já não estava agüentando. Só de imaginar o banco de couro macio a suavidade da pele da garota, seu cheiro impregnado juntamente com o meu me fez voltar à realidade da luxuria que estava acontecendo dentro do pub. seria ali mesmo. Mal pude fechar a porta ela já estava subindo em cima de mim parecia tão desesperada quanto eu. Liguei o som do carro num volume agradável para ambos, e assim poderia começar a nossa pequena brincadeira.

Comecei a explorar cada parte daquele corpo. Com nossos lábios selados. Ela levantou a cabeça me dando total acesso ao seu pescoço eu chupava, mordia enquanto ela rebolava no meu colo o atrito me deixava cada vez mais duro. Seria difícil me controlar, ela arrancou minha camisa e jogou em algum lugar do carro, comecei a explorar cada parte daquele corpo com nossos lábios selados. Ela me deu total acesso ao seu pescoço, para explorar sua pele. Coisa que fiz com total prazer, lambia, e dava leves mordidas, somente aranhando meus dentes ao encostar-se a sua pele perfumada de um modo natural e que a deixava ainda mais sexy. Enquanto isso para o total abandono do meu auto-controle, ela rebolava no meu colo. Fazendo que o contato do meu membro com o seu centro úmido me deixasse cada vez mais insandecido para possuir essa mulher.

De todas as formas que eu conhecia e ainda àquelas as quais as leis da Física julgavam impossíveis e inimagináveis. No entanto, o mais estranho é que não queria apenas saciar-me. Queria aquela garota gemendo, gritando, urrando meu nome de prazer. Queria proporcionar o melhor sexo da vida dela. Queria marcar seu corpo com meu nome, feito um animal louco e selvagem. Porque era exatamente assim que eu me sentia. E foi para fazer jus aos meus pensamentos que deixei minhas confabulações de lado, e permiti que apenas meus instintos me guiassem. e foi exatamente o que eles fizeram.

Ela estava serpenteando pelo meu corpo. Descendo em direção a minha calça já sem sua blusa me dando a maravilhosa visão de seus seios. Eu arfava na expectativa do que ela iria fazer queria sentir seus lábios no meu membro, ela chegou ao botão e então abriu descendo o zíper devagar de forma torturante revelando a minha cueca boxer. ela o apertou e então eu gemi, aquilo era tortura ou o puro inferno? Mas eu queria me queimar. Queria morrer naquele inferno extremamente prazeroso. E então levantei meus quadris para ajudá-la a tirar minha calça levando junto a minha boxer, ela ficou ali um tempo admirando e então abocanhou e sugava com gosto. O meu membro latejava e eu teria que dar um basta agora ou a brincadeira iria parar ali. Apenas naquele momento. A puxei pelos cabelos para ficar na minha altura e coloquei minha mão por baixo da sua saia enquanto sugava e mordiscava seus mamilos.

- Você está tão molhada. Acho que você está mais do que preparada para me receber - como resposta apenas obtive gemidos e urros.

Rasquei sua calcinha. Ela não iria precisar disso enquanto estivesse comigo. Rocei meu membro em sua entrada, e falei em seu ouvido a musica que tocava

You let me violate you

Você me deixa violentá-la

You let me desecrate you

Você me deixa profaná-la

You let me penetrate you

Você me deixa penetrá-la

Ela gemia alto e arranhava meu peito. O calor era enorme, vidros suados e a tensão dominando-a naquele momento.

I want to fuck you like an animal

Eu quero fudê-la como um animal

E estoquei de uma só vez sem me importar com mais nada. ela urrou e jogou sua cabeça para trás nos proporcionando maior contato. Seus mamilos rígidos encostaram no meu peito e ela rebolava e cavalgava. Ela era tão apertada, tão quente, eu sentia sua excitação molhando meu membro. Eu estava me entregando àquela mulher de todas as formas. Estocando cada vez mais fundo e mais forte ela gemia alto. Eu queria brincar torturá-la, dar a ela o gostinho do inferno. Assim como ela estava me dando. Retirei-me inteiro dela recebendo um gemido de frustração.

- Pede...bem alto o que você quer?

- Eu quero você me fudendo como um animal.

- Tesão! – murmurei mordendo o lóbulo e gemendo em seu ouvido

Ela praticamente gritou, será que carros também são a prova de som? O mundo inteiro vai ouvi-la gritar e será agora. A girei para ela ficar de costas e apoiei suas mãos no volante e estocava cada vez mais forte e mais fundo. Com a mão livre massageava seu clitóris e com a outra apertava seu seio. Ela arqueava o corpo contra o meu fazendo ir mais fundo ainda.

- Eu quero gozar junto com você. Goza junto comigo?

Agarrei seus cabelos fazendo ela me olhar enquanto ela rebolava em cima de mim no instante seguinte só sentia meu membro sendo apertado. Ela estava mordendo meu membro e aquela era um das sensações mais prazerosas que eu poderia imaginar. Seus olhos reviravam e seu corpo todo tremia. Aquilo estava me levando para perto de Deus com certeza, então ela amoleceu em meu colo.

Alguns minutos depois, despertando do transe ela se virou para minha frente passando a mão pelo rosto retirando o suor e o cabelo grudado da testa. Comigo ainda dentro dela sorriu e deu uma rebolada, eu não tive outra reação a não ser grunhir seu nome. E então ela se afastou.

- O que foi?

- Como você sabe meu nome? – ela perguntou com os olhos desconfiados. Se afastando um pouco.

- Eu ouvi no restaurante. Quando sua amiga gritou.

- Ahhhh! Bom eu ainda não sei o seu.

Ela se afastou um pouco mais agora quebrando nosso contato. Pressionando meu membro em suas mãos, massageando até chegar em minhas bolas. Eu urrei.

- E...dward, somente Edward.

E recomeçamos nossas brincadeiras de forma selvagem e extremamente excitante. O meu carro pegava fogo e esse fogo todo tinha nome. Bella. Essa garota seria minha morte, e eu não me importaria em nada em morrer hoje.

2 comentários :

so tenho uma coisa a dizer . OMG.

22 de novembro de 2011 22:47 comment-delete

OMG MESMO

yo
21 de março de 2012 14:36 comment-delete

Postar um comentário