TCS - Capitulo 16

| Capítulo 16 |


Eu devia estar louco. Não tinha mesmo nada melhor para fazer do que ficar sentado no sofá, em frente ao James, Angie e Jess? Era o final dos dias. Ou algo parecido com isso. Espero que Alice e Bella sejam rápidas.

- Vocês dois podiam formar uma dupla. Ou uma boy band, se o fortão quisesse participar... eu compraria o CD!

Aquela garota era retardada, não era? Tentei sorrir, mas não consegui.

- E cantaríamos o que?

Eu quis matar James (apenas mais uma vez) por ele ter feito esssa pergunta. Para que dar corda? Para se enforcar? Deixava ela falar sozinha... ela já falava dormindo mesmo...

- Podia ser country!

Sério, eu ia enfiar a cabeça dela para dentro do pescoço. Country?

- Sei não... nem gosto muito de franjas, e camurça... essas paradas todas...

- Você é meio retardado né barata branca?

- Qual o problema Cu? Vai dizer que você gosta de country? Acho que ficaria estranho um chapéu aí na tua cabeça...

Me segurei, juro, me segurei muito para não voar na cara dele.

- Prefiro não comentar.

- Acho que Edward tem mais cara de hard rock.

Eu olhei a garota falante mais uma vez. Imaginei-a de pescoço quebrado e sangue jorrando, todo para mim. Delícia. Só assim ela era legal. Morta.

- Você tem muita sorte de ser amiga da Bella!

E tinha mesmo. Eu estava sendo super sincero!

- Ah, ela é que tem sorte! Não se acha amigas como eu em qualquer esquina.

Realmente não. A puta que eu peguei antes de conhecer Bella, era bem mais inteligente. Fiquei calado. Era melhor.

- Mas eu só aceitaria algo assim se fosse para ser a voz principal.

- James... não me irrita.

- O que? Vai dizer que quer ser a estrela? Você sempre quer chamar mais a atenção!

Aquilo tudo era demais para mim. Demais. Mil anos no purgatório seria bem mais confortável. Uma loira chegou.

- JAMES!

A loira pulou no colo de barata branca, jogando a coitada da Angie quase no chão. Loiras eram perigosas. Vide Rosalie.

- Amor, quanto tempo! Você nem atendeu mais as minhas ligações...

- Está falando comigo?

- Claro! Com quem mais?

- Mas tipo... nos conhecemos é?

Ela fez cara de bunda. Amei. Daria um beijo em James agora. Não na boca, porra! Só tem mente pervertida lendo essa merda!

- Como assim, nos conhecemos? Esqueceu as três vezes no meu quarto? E as duas na sua casa?

Uau! Precisava tirar o meu chapéu para barata branca. Ele ficou com ela o que...? Um dia só né? Bella precisava aprender com as amigas.

- Ah, sim! Você mora aqui, lembrei!

Ela arregalou os olhos azuis e depois foi fazendo cara de choro. Muiiiito bom! Bate aqui, James!

- Eu não acredito que você é igual a todos os outros...

- De igual ele não tem nada, acredite.

Eu tive que defendê-lo. Nós não éramos mesmo iguais aos outros.  Será que ela não percebeu? A força, a cor, o tamanho do... bem, será que ela não percebeu? Estou pasmo!

- Certo. Já superei. Espero que a próxima faça bom proveito!

Ela levantou com cara de bunda ainda.

- Acho que a Angie está fazendo.

A loira me fuzilou com os olhos. Ops.

- Quem?

- Quem o que?

- Quem está fazendo bom proveito?

- Não sei... me conta também?

Ela virou para a pobre Angie que estava sentada roendo as unhas. Eca.

- Angie...? Algo a dizer?

- Ma-mais ou m-menos...

- Não culpe Angie de nada... ahn... desculpe amor, qual é mesmo seu nome?

Putz, eu estava amando barata branca. Já disse isso? Ele acabou com a loira.

- Aaaaaahhhhhhhh!

A loira (qual é mesmo o nome?) subiu as escadas batendo o pé e se trancou no quarto. A casa deu uma tremida com a batida da porta.

Bem, já tínhamos entrado em 4 lojas e saído com sacolas lotadas. Pena que nada até agora foi para mim.

- Alice, onde vamos comprar as roupas para minha viagem?

- Ah certo. Tem você também... vamos lá.

Entramos numa loja só de roupas femininas. OMFG! Que loja era essa? Não era bem o que eu tinha em mente, sabe? Porque eu nunca me vi vestindo roupas de couro.

- Alice... acho que não é isso que Edward quer que eu compre...

- É sim.

- Acho que não. Ele me queria bem vestida.

Ela me olhou mortalmente. Como se tivesse cometido algum sacrilégio. Ok. Eu não achava que me vestir de Matrix ou Anjos da Noite era sinônimo de estar bem vestida.

- Isso é o que você tem que usar!

- Mas ele disse que o Lestat é vaidoso...

- Exatamente!

- Peraí Alice, sério.

Puxei meu braço que ela estava agarrando desde que chegamos no shopping. Já estava ficando sem circulação naquela parte do corpo!

- Eu não vou para Paris com essas roupas. Vão achar que sou prov...

- VAMPIRA!

Hein?

- Edward quer que pensem que sou vampira?

- Não... ele só quer te deixar mais parecida conosco.

- Certo. Mas você não está usando couro!!!

- Não aqui, em Forks.

- E provavelmente não em Paris.

- Você vai ver bastante couro aonde vai Bella... você não estará em Forks, onde nos misturamos aos humanos.

- Ué... como assim? Em Paris então todo mundo sabe que vampiro existe?

Ela fez uma cara de quem não tinha paciência para explicar aquilo.

- Não. Não sabem. Não amola, ok? Vamos ver as roupas.

Eu só deixei ela me convencer, porque não queria correr o risco de Edward ficar puto e não querer mais me levar. Mas será mesmo que ele estava a par dessa situação do couro?

- Vista isso, quero ver!

Oh não. Um macacão? Não ficaria legal... mas ela não quis saber o que eu achava. Me empurrou para dentro do provador. Terminei de fechar o mega zíper lateral e abri a porta. Olhei para os lados e me certifiquei de ninguém estar me vendo.

- Ficou ótimo cunhadinha!

- É... só falta o chicote!

Ela torceu a cara.

- Não somos masoquistas Bella.

- Tem certeza?

- Vamos levar! Vista esse!

Fui empurrada de novo. Vesti a porra do sobretudo. Me senti uma pistoleira. Só faltavam as botas com aquela porra prateda no calcanhar. Esqueci o nome da parada (a escritora esqueceu mesmo e não está com saco de procurar no Google).  Saí do provador fingindo rodar uma pistola nos dedos.

- E aí, ficou legal?

- Mais ou menos... experimenta esse!

Ah porra, só porque eu gostei desse! Vai tomar no cú, Alice. Vou levar esse aqui! Vesti o outro, vesti mais outros, e alguns milhares de outros. Saímos da loja com umas 10 sacolas. Eu ficaria um mês em Paris?

Fiquei aliviado quando Bella entrou pela porta um pouco mal colocada por Emmet. Parecia ter ficado torta...

- Ainda aqui James?

- Está me expulsando Bella?

- Não... ok, sim.

- Não expulse James amor... ele foi tão legal hoje!

Certo, fiquei parecendo um viadinho falando assim. Que merda é essa Edward, seja macho!

- Legal?

- Porra Cu... não me chama de legal não... parada mais homossexual!

- Acho que é porque a Lauren não ficou muito satisfeita.

A garota falante agora tinha um sorriso maligno no rosto. Má!

- Ow. Imagino... tudo bem aí Angie?

- Tudo... estou com medo de ser envenenada, mas tudo bem.

- Edward, podemos falar a sós?

Alice me olhou com fúria. Ah merda! Olhei sua mente e me via despedaçado. Ow. Entendi.

- Eu nem queria levá-la Alice...

- Sei. E só porque ela fez cara de cão pidão, você aceitou, né?

- Bem...

- Ah Edward! Eu sempre quis também!

- Ok. Isso não é hora de ciúmes...

- Certo. Aqui está seu cartão. Comprei umas coisas para mim também.

Olhei sua mente. Vi brilhos em excesso. Ei, aquilo era um diamante?

- ALICE!

- Fui!

Me controlei e deixei-a ir embora, ao invés de fazer picadinho à lá vidente. Bella se aproximou depois que Alice saiu. Ela também não parecia contente. Mulheres...

- Edward, acho que você esqueceu de me informar o estilo de roupa que devo usar...

- Alice não te ajudou?

- Ah, ajudou sim! Até mais do que eu queria. Mas o legal é que eu agora tenho todo um figurino para quando fizerem Anjos da Noite 3.

Ah, ela era tão lindinha irritada!

- Tenho certeza que você vai ficar linda de couro!

- Sem comentários, Cullen...

Eu a segurei pela cintura enquanto ela subia para o quarto.

- Preciso ligar para meu pai... avisar da viagem.

- Pai?

Wow. Eu nem tinha me ligado que Bella tinha pais. Acho que eu era o único da relação que os pais morreram há mais de 200 anos, certo?

- Sim, meu pai. E por falar nele, preciso apresentar vocês.

- Hein?

- O que foi? Vai dizer que tem medo do meu pai?

Não... mas era estranho eu precisar da benção do pai dela... eu era um pouquinho mais velho que ele.

- Claro que não amor! Estou louco para conhecer seu pai!

Mentira!

- Ok, então... vou marcar com ele quando voltarmos de Paris.

- Que legal! Não vejo a hora!

Que merda hein...

Voltamos para o quarto e deitei com ele na cama. Eu podia ficar sempre assim... só nós dois no nosso mundinho. Sem as garotas, sem a família dele, sem James, sem...

- Jake, sai daqui droga!

O cão correu. Sem James, sem Jake... muito melhor!

- Bella, eu ainda não te cobrei por te levar para Paris...

- Me cobrar? Você quer em cobrar? Eu sou P-O-B-R-E,  Edward!

- Amor... cobrar em favores sexuais... não preciso de dinheiro.

Ah sim. Entendi. Mas... não precisa de dinheiro?

 - Eu acho que você vai mudar de idéia quando chegar sua fatura do cartão.

- Hein?

- Pergunte para Alice depois.

- Não preciso... já sei que tem diamantes no meio...

Ele estava puto agora. Gostoso!

- Nem liga amor... eu deixo você me agarrar se quiser...

Ele fez aquele sorriso torto que levantava até defunto. Inclusive os defuntos machos, ok?

- Já que você está implorando, eu posso fazer esse esforço...

Implorando? Eu? Ah Edward...

- Agora você perdeu!

Levantei e saí correndo em direção ao banheiro e tranquei a porta. Ouvi o baque.

- Bella...

- Perdeu Edward... perdeu.

- Amor, eu vou quebrar a porta se você não abri-la.

Eu pensei nisso. Ele quebraria mesmo... que saco! Por que eu não namorava um garoto fracote normal? Abri a merda da porta e vi um borrão pulando em cima de mim e me empurrando na parede.

- AI!

- Desculpe.

Porra, a parede era dura, ok? Vou ficar roxa. Percebi que estávamos em baixo d’água quando as gotas começaram a pingar na minha cabeça.

- Espero que não tenha feito escova Bella.

- Cala a boca Edw...

Nem consegui terminar porque a língua dele estava dentro da minha boca, se mexendo. Céus! Tirei rápido sua camisa enquanto ele tirava minha roupa toda. Ele podia ir no meu ritmo, por favor? Ok, cheguei na calça! Edward estava rindo.

- Quer ajuda amor?

Achei melhor não responder... eu mandaria ele calar a boca e isso não é muito romântico. Isso! Desabotoei a merda da calça. E lá vinha a box pretinha. Ele devia ter coleção de cueca preta...

- Dá licença Bella!

Edward arrancou a cueca (menos uma para a coleção) e me pegou no colo, passando minhas pernas em volta do seu corpo e me tacando na parede de novo. Puta que pariu, isso dói! Eu acabaria de costelas quebradas.

- Você está meio violento hoje...

- Eu sou violento Bella... sou delicado só com você.

Isso lá é coisa que se fale para uma mulher subindo pelas paredes? NÃO! Agarrei seus cabelos com toda a força do mundo.

- Então me joga na parede e me chama de lagartixa!

Ele riu no meu pescoço e me olhou.

- Você é estranha cara...

Ah, qual é? Vai dizer que em 338 anos ele nunca ouviu essa frase? Morava onde? Num monastério? Senti suas mãos cravando na minha cintura e me puxando contra seu corpo. Aquela... coisa... dura... abriu passagem e eu ainda sentia incômodo quando entrava. Mas então ele começou a se mexer e o prazer tomou conta. Eu estava ficando expert! Ou não. Acho que não. Um dia, talvez. Minhas costas batiam com força na parede mas eu já não estava nem mais aí para nada. Aproveitei a posição e percebi que tinha total acesso à bunda dele. OMG. Ainda não tinha me aproveitado daqueles dois pedaços de carne redondos, duríssimos e brancos.

Bella estava apertando minha bunda. Safada! Eu sempre desconfiei... Ok, concentre-se Edward! Ela mordia os lábios deliciosos, gemendo baixinho para mim e apertando as pernas no meu corpo. Eu sentia-a quente, mesmo com a água fria caindo sobre nossos corpos. Talvez eu até estivesse sendo grosso demais, mas meu instinto pedia algo mais selvagem, mais animal. Então eu aumentei mais ainda o ritmo, deixando-a ofegante, puxando meus cabelos e chamando pelo meu nome. Gostosa para caralho! Brinquei com seus mamilos que pareciam querer quebrar de tão durinhos. Ela agora abria a boca e fazia cara de sofrimento. Puro tesão! Senti seu corpo tremer no meu, se contrair comigo dentro e ir relaxando aos poucos, enquanto eu segurava-a e chegava também ao orgasmo. Nós simplesmente éramos feitos um para o outro.

Coloquei-a em pé no chão e aproveitei para dar-lhe um banho. Claro que não iria desperdiçar a chance de dar umas apalpadinhas aqui e ali. Sim, sou mau. Segurava com força sua nuca para lhe beijar, enquanto passava o sabonete pelas suas costas, descia até sua bunda maravilhosa e entrava pelo meio das suas pernas.

- Você não cansa, né?

- Não... eu nem durmo amor...

Ela riu e se apoiou no meu pescoço, esperando eu lavá-la. Fomos tirados do transe quando começaram a bater na porta. O que era agora, casa infernal?

- Bella, preciso tomar banho!

- E eu quero pegar meu creme que está aí no armário!

- O Edward está aí dentro?

Contei até 10 antes de correr para arrancar aquelas cabeças. Enrolamos-nos nas toalhas e saímos.

Edward estava sentado na cama prestando atenção em mim, enquanto eu discava para meu pai. Desde que as aulas começaram que eu não estava tendo muito contato com ele.

- Pai?

- Ei Bells! Tudo bem querida?

- Tudo... estou ligando para avisar duas coisas.

- Problemas Bells?

Por que problemas? Ele achava que eu só ligava quando tinha problemas?

- Não! Bem, antes de mais nada, eu estou namorando!

O outro lado ficou mudo. Mudo. Continuava mudo.

- Pai!!!

- Namorando é? Quem é o cara?

- O “cara” é Edward Cullen, pai... e é maravilhoso comigo.

- Quantos anos Bells?

Oh merda. Ele tem 338... Tampei o telefone.

- Edward, quantos anos você diz que tem?

- 25.

- 25, ok?

- Meio velho para você, não acha?

Não pai... velho é 338.

- Não... velho ele seria se tivesse sua idade...

- Não precisa me chamar de velho Bells, eu sei que sou. Mas tem muita dona aí que gosta!

- Ew pai! Não comente isso comigo!

- Certo. E quando vou conhecer esse... Edward?

- Quando nós voltarmos de Paris.

- Como é que é?

Achei melhor assim... sabe, que nem puxar rápido o band-aid para não sentir tanta dor.

- Eu vou com ele para Paris.

Conhecer um vampiro famoso. Melhor não falar isso.

- E você simplesmente me avisa assim Bells?

- Bem, nós decidimos isso hoje, então...

- Eu não sei se sua mãe vai gostar disso e eu tam...

- Pai, minha mãe está super longe. Nem precisa saber. E quando eu voltar, te ligo para marcarmos, ok?

Ele resmungou alguma coisa impossível de entender...

- Certo Bella. Pelo visto você está decidida. A gente perde os filhos quando eles se tornam maiores de idade mesmo...

Quanto drama! Ele e Edward se dariam bem...

- Beijos pai, depois nos falamos.

Desliguei e me virei para encontrar Cullen irritante rindo.

- O que foi?

- Seu pai te chama de Bells? Me lembra Hells.

- Era para rir?

Ele estava rindo. A graça da piada não tinha chegado até mim ainda.

- Bells... até que é legal!

- Nem vem Edward... só meu pai me chama assim. Ia ficar estranho.

- Estranho por que Bells?

Óh céus, eu mereço! Ele não podia mesmo escolher um outro apelido, que não me fizesse lembrar do meu pai, né? Não podia, né?

- Deixa pra lá Edward...

- Minha Hells’zinha vem cá!

Como se não pudesse ficar pior... hells’zinha? De onde ele tirou isso? Era um apelido infernal. Literalmente! Senti sua boca beijando meu pescoço, delícia! Ele parou um pouco e ficou me olhando sério. Os olhos começaram a ganhar um tom de vermelho escuro.

- Estou com fome... preciso comer.

- Estou aqui!

Ele sorriu e passou os dedos nos cabelos.

- Sem duplo sentido amor...

- Ah. Ok. Você adora falar isso né?

- Isso o que Bells?

- Duplo sentido.

- Ah sim... eu quem comecei a falar isso... depois de mim, todo mundo resolveu me copiar.

- Ah.

Quem sou eu para discordar...

Aquela noite passou rápida e sábado voou. A noite de sábado para domingo, eu levei Bella para dormir lá em casa, pois sairíamos cedo de casa no domingo.

- Tem certeza que não tem problema eu dormir aqui?

- Absoluta. Quem manda nessa merda sou eu, não eles.

E era eu sim. Algum problema com isso? Vem aqui resolver comigo, vem. Ok, momentos imbecis à parte, entramos em casa.  Alice veio correndo.

- Que bom que chegaram! Só estamos esperando vocês.

- Para...?

- Jogar.

- Jogar? O que?

Bella parecia curiosa. Mal sabe ela que os jogos aqui de casa não são lá muito comuns...

- Pôker!

- Não Alice. Boa noite.

Puxei Bella e subi as escadas, mas a cabelos-espetados vinha atrás.

- Deixa de ser chato Edward! Vamos jogar... está tudo preparado já.

- Alice, você viu aí em algum lugar da sua mente, eu e Bella jogando?

- Bem... não... mas mes...

- Sem mais. Viu? Não viu, né? Então...

- Bella, vem jogar! Por favor!

Bella me olhou sem saber o que responder. Ela era tão boazinha querendo agradar minha irmã. Tadinha.

- Nã precisa jogar Bells.

- Precisa sim!

Alice a puxava de um lado e eu de outro.

- Ok, gente... eu vou quebrar assim!

- Larga ela Alice. Porra!

- Edward, você está me devendo... já que eu NÃO vou para Paris.

Ah, chantagem. Adorava essa parte.

- Edward, não acho nenhum problema nós jogarmos uma partidinha só... eles estavam esperando...

- É streap-poker Bella!

- Oh. Ok. Vamos dormir.

Eu sabia que se Bella jogasse, ia perder todas. Meus irmãos não precisavam ver minha namorada nua.
Acordei-a com um beijo molhado e me senti o cara mais sortudo do planeta quando os olhos cor de chocolate se abriram para me olhar.

- Eu estou ficando tão mal acostumada...

- Pode ficar. Mesmo se enjoar eu não vou largar mais...

Ela riu e sentou-se na cama. Eu fiquei olhando-a ali, naquela cama que nunca foi usada. Até então.

- Você sabia que eu tinha mania de ficar deitado aqui, olhando pro teto?

- Coisa de maluco, né?

- Talvez... era uma mania A.B.

- A.B.?

Eu sorri e tirei uma mecha que caía nos seus olhos.

- Antes de Bella.

- Ohhhhh, que fofo!

- QUE GAY!

- Vai se fuder Emmet!

Meu irmão ridículo devia estar passando pela porta do meu quarto nessa hora. Maldita audição vampírica! Levantei e puxei Bella pela cintura, alisando seus cabelos macios e com um cheiro que eu amava. Era shampoo de que? Acho que de morango... não que eu tenha comido morango há menos de 100 anos, no mínimo.

- Vai se arrumar, vamos sair em uma hora, ok?

- Ok. Tenho mesmo que usar aquelas roupas, né?

- É.

Ela torceu a cara e saiu em direção ao banheiro. Bella Swan combinava com a decoração do meu quarto. Depois de tudo pronto, comecei a levar as malas para o carro, que deixaria no aeroporto. Táxi realmente era algo que não me alegrava. Eles são lerdos demais (os taxistas, os carros não têm culpa).

- Vou torcer para o avião não cair Bella. Mentira, não vou não.

Rosalie era adorável. Me perguntei por que ainda estava viva. Emmet deu uma cutucada nela e a peste sorriu forçada.

- Boa viagem.

- Não precisa Rose... você fica estranha quando sorri.

- Bella, entregue isso para Lestat, por favor?

Alice esticou a mão com um papel dobrado nela. O que era aquilo? E como assim, Bella entregaria algo a ele? Que engraçado! Arranquei o papel da mão da cabelos-espetados.

- Que porra é essa?

A baixinha ficou tentando pegar de volta, pulando em cima de mim.

- Alice, não me obrigue a brincar de bobinho contigo!

- Me devolve Edward!

- Primeiro vou ler.

- O que é isso Alice?

- Nada Jazz!

Eu comecei a rir. Era cartinha de fã. OMG. Alice pagando pau para Lestat. Ninguém merece isso.

- Oh Jasper... acho que você não está dando muito no couro...

- Que droga é essa Alice?

- Nada!

- Parece que sua namorada é apaixonada por outro. Mais precisamente por Lestat.

Jasper fechou a cara. Mas ele sempre estava de cara fechada, então até aí não era nenhuma novidade.

- Quem nunca quis dar para Lestat que atire a primeira pedra...

Eu quase engasguei quando ouvi as palavras saírem da boca de Rosalie. Emmet a olhou desesperado. Medo de galho...

- Como assim Rose? Me explica isso!

- Calma Emmet... eu nunca dei para ele. Até porque nunca o vi.

Ela falava na maior tranqüilidade enquanto ignorava nossos rostos e se concentrava na sua lixa de unha.

- Então não deu porque não o conheceu. Se fudeu Em!

- Ah é Rose? É isso assim então?

- Não torra minha paciência Emmet. Acha que não sei do que você apronta? Eu sei muito bem das suas aventuras com aquela... escrava.

- Não fala assim da Escrava K!

Opa. Ela ainda existia? A escrava gostosinha?

- Ainda tem ela Emmet?

- Eu guardei... para me saciar a fome de vez em quando.

- A fome. Sei...

- Cala a boca Edward! Não enche!

- Vocês dois têm problemas... um come a escrava, a outra quer dar para Lestat. Uma relação aberta, eu diria.

Abaixei na hora que vi uma lixa pontuda voando forte em minha direção. Pena que o passarinho que passava na hora não teve a mesma rapidez.

- Melhor irmos logo Bells.

- Bells? Hahahahaha!

Emmet parecia que iria se mijar ali.

- Isso me lembra Hells!

 

 <<< Capitulo 15                                                                Capitulo 17 >>>

6 comentários :

Amei.
Super ansiosa pelo proximo capitulo.
bjks

28 de dezembro de 2010 12:28 comment-delete

Você vai postar rápido o proximo capitulo néah?? tô muito ansiosa ^_^

28 de dezembro de 2010 19:42 comment-delete

Posta mais ? *-*

28 de dezembro de 2010 22:52 comment-delete

NOSSA QUEM MIJA SOU EU LENDO ESTA FIC,É MUITO LEGALLLLLLLLLLLLLLL, E FOFA!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo
5 de dezembro de 2011 09:55 comment-delete

ashaushush. Alguém que mais ?
kkk
Atenciosamente Equipe The Best

5 de dezembro de 2011 12:50 comment-delete

muito linda esta fic e engrassada!!!

Gizabella
5 de dezembro de 2011 17:43 comment-delete

Postar um comentário