TCS - Capitulo 14

Capítulo 14.




Puxei ela e a toalha da mesa junto com tudo que tinha em cima. Eu lá tinha culpa da vaca ter cravado as unhas na toalha? NÃO!


- Perdeu a noção do perigo sua imbecil?


Oh-ow. A cabeça de fósforo soltou-se e ohou para mim. Merda. Eu só queria dar um puxão no cabelo dela.

- Como assim você beija meu namorado?

- Você não pareceu se preocupar com ele quando a língua de James passeava na sua boca!

Ok, isso não foi muito gentil da parte dela... Edward e James levantaram e pegaram-na pelos braços.

- Acalme-se Victoria...

- Me solte James! Fiquei com fome agora!

Fome? De que? De Bella? Óh céus... Edward estava com os caninos expostos em pleno restaurante japonês. Ele não falou brincando quando grudou o rosto no dela.

- Tente encostar nela.

A ruiva me olhava com fúria, lambendo os lábios. Credo. Edward podia ter convidado alguém menos hostil para jantar.

- Eu não vou me esquecer disso Bella...

- Victoria! Vamos lá fora! Solte-a Cullen.

Edward e James se olharam por um momento, super sérios. Não com raiva um do outro, mas como se se falassem mentalmente.

- James se el...

- Não deixarei ela voltar. Solte-a.

James a puxou e saiu do restaurante. Eu olhei em volta e vi todos os clientes horrorizados, nos olhando. Lá vinha o japinha...

- Er... desculpe incomodá-los, mas é q...

- Sim, nós sabemos... o barulho. Já estamos de saída, traga as contas.

- O s-se-senhor estava usando d-de-dentes afiados?

- Oh não! Aquilo? Estava de palhaçada com os pauzinhos... bobeira minha!

O japinha acreditou! Ele saiu e ficamos só nós dois.

- Ops.

- Bonito jantar Bella!

- Foi você quem começou essa palhaçada de guerra!

- Eu não queria sair para jantar com o inimigo!

- Mas parecia...

- Foi bom o beijo?

- Depende... o seu foi?

Ele sorriu torto e veio sentar ao meu lado.

- Acho que podemos parar com essa palhaçada, certo?

Graças a meu bom pai poderoso! Abraçei o pescoço dele.

- Claro! Já não via a hora!

- Mas amor... antes você vai ter que me recompensar...

- O que?

Ele espetou um Hot Filadélfia com o garfo e passou no wasabi. Ah não.

- Quero refrescar sua boca também...

- Edward, isso quase me matou!

Ele sorriu torto de novo. E piscou. Já disse que quando ele piscava, eu untava?

- Ok...

Ela mastigou lacrimejando e engoliu a porra crua ou sei lá o que era aquela merda redonda... estava vermelha de queimação. Segurei sua nuca e invadi sua boca, dando o beijo mais molhado da minha vida. Ou seria, morte? Enfim, acho que perdemos a noção de que estávamos num restaurante, pois puxei Bella para meu colo e alisei seu corpo todo. Alguns curiosos olhavam.

- O-oi.

Eu olhei com ódio para a pessoa que tinha a coragem de nos interromper. Era o japa. Tinha que ser. Arranquei a conta das mãos dele e aquela figura minúscula saiu correndo.

- Ah Edward... eu... pago. Já que James foi embora.

Ela paga? Eu olhei o valor. Olhei para ela.

- Amor... não quero que fique lavando a louça aqui... eu pago.

Foi o bastante para irritá-la e ela torcer a cara. Agora estava toda de vermelho. Que linda! Puxei três notas de cem dólares e joguei em cima da mesa.

- Vamos...

Nos levantamos e saímos do restaurante. Se eu não ligava para comida japonesa, agora então... Quando chegamos no estacionamento, James estava parando a Hummer. Ele voltou? Para que? Morrer?

- Está brincando né barata branca?

- Cala a boca, Cullen! Vim devolver isso aqui para Bella. Só pode ser dela...

Ele entregou um celular a ela.

- Ah, é meu sim... devo ter deixado cair quando montei no King Kong.

Eu me mijei com aquilo. King Kong? Que orgulho da minha namorada! Mas também, ela aprendeu com o mestre, né?

- Certo. Bem, tirando o inconveniente de Edward no mesmo restaurante, adorei a noite, ok? E o beijo!

Ah não... ele voltou a dar em cima dela. Aqui não tinha mais problemas... eu poderia matá-lo. Soltei a cintura de Bella e agarrei James pelo pescoço, empurrando-o para longe da entrada do restaurante. Nós estávamos nos embolando e nos socando quando um carro vermelho apareceu cantando pneu, passando super rente por Bella e a puxando para dentro.

- Victoria pegou Bella!

Eu olhei James que falava com convicção, tenso. Um som de ódio saiu rugindo de dentro de mim.

- James, a Hummer! Você dirige!

Eu estava tonta da porrada que eu dei com a cabeça na porta do carro quando o palito de fósforo me puxou. Me dei conta de que estava no banco do carona dentro de um carro numa velocidade... o que? Tipo, da luz?

- Nem ouse em gritar, porque ninguém vai te socorrer.

- O que você está fazendo?

- Te seqüestrando.

- Eu sou P-O-B-R-E!

- Eu não quero dinheiro Bella... quero teu sangue.

A ruiva olhou sorrindo para mim. Eu meti a mão para abrir a porta, me jogaria ali mesmo, era melhor me esfolar toda do que morrer. Não que eu não fosse morrer se me jogasse.

- Nem tente!

Ela me puxou pelo pescoço, quase quebrando.

- Posso te matar lentamente e fazê-la agonizar, ou posso ser boazinha e te matar rápido!

- Isso tudo porque eu puxei seu cabelo?

Ela riu sem tirar os olhos da estrada.

- Óbvio que não! Meu problema com você é ter cegado James e Edward!

Ah claro! Ciúmes!

- Eu não tenho culpa do James sentir o que sente!

Eu gritava para ver se aquilo soava mais convincente para ela. Ela me olhava não muito feliz.

- Cale-se!

Me deu um tapa no rosto que ardeu infernos! Eu torci para que Edward fosse rápido. O suficiente.

Subimos rápido na Hummer e James estava dando a ré quando um Golf parou atrás de nós, nos fechando. Filho da puta corno desgraçado!

- Ô viado, dá para sair daí?

O maldito desligou o carro e acenou com a mão, indo em direção a entrada do restaurante. Claro, minha namorada estava só, tipo assim... MORRENDO!

- Foi mal aí amigos, mas estou atrasado... o mundo é dos espertos, fazer o que?

Ele não falou isso para nós. Ele falou? Olhei para James, que deu um sorrisinho. Pelo menos ele estava tão puto quanto eu.  A barata branca meteu o pé no acelerador e foi de ré, empurrando o infeliz do Golf junto pelo pára-choque de aço do gigante amarelo, até esmagá-lo contra um poste. Fez estrago. No Golf, claro. Saímos daquela porra de vaga enquanto o motorista do Gol olhava horrorizado para o que restou do carro dele. Eu cheguei  a dizer que os ganchos do pára-choque (aquela porra era quase um tanque de guerra) arrancaram um pedaço da lataria? James colocou a cabeça para fora e gritou para o imbecil.

- Sinto muito, mas o mundo é dos ricos!

Eu poderia até passar a simpatizar mais com James...

- Não dá para acelerar?

- Estou a 280km/hr Cullen, não serve?

Não, não servia. Era a namorada dele que estava com o pescoço na boca do tubarão? Não. Para que ter uma merda de uma Hummer se ela não chegava a 300 por hora. Tudo bem que era melhor que meu Volvo, que só ia até 240. Mas mesmo assim...
Estava discando desesperado para Alice, pois a merda do Gol deu uma certa vantagem espaçosa para a diaba.

- Oh Edward... me desculpe, me desculpe, me desculpe!

Alice estava implorando do outro lado da linha.

- Agora já era Alice. Faça algo que preste e me diga onde ela está indo.

- Em direção à capital. Edward, eu preciso te falar qu...

- Depois. Primeiro preciso pegar Bella.

Desliguei o telefone e me concentrei tentando captar algum pensamento da piranha. Nada. A distância entre nós era grande.  Meu celular tocou de novo. Era Alice.

- Agora não dá, depois eu falo contigo.

- EDWARD! É importante!

- Fale.

- Está tudo mudando muito rápido, toda hora Victoria toma uma decisão diferente. Eu não sei direito, mas tem algo que eu vi, que você deve saber...

-O que?

- Eu vi um acidente Edward... com o carro da Victoria.

Minha cabeça rodou. Eu fechei os olhos.

- Continue porra.

- O carro bateu numa árvore.

- O que mais Alice? Bella estava dentro dele? Você a viu?

- Não, não vi dentro do carro, só vi o acidente.

- Ok, mas considerando que você está péssima para prever o futuro, isso pode ser um engano, certo?

- Eu vi Edward. O carro partiu-se ao meio. Não é engano.

- Obrigado por avisar.

Desliguei e continuei de olhos fechados. Precisava me concentrar.

- Prever futuro?

E James destruiu meu plano.

- Sim.

- Quem prevê o futuro?

- Alice. E não prevê... é mais ou menos... ela vê o acontecimento, quando a pessoa toma a decisão. Mas se essa decisão for mudada, as coisas embaralham na mente dela.

- Interessante!

- Na verdade não. Isso nos atrapalha mais do que ajuda.

- O que ela viu com Bella?

- O carro bater numa árvore. E partir ao meio.

Ele me olhou apavorado. Ótimo. Pelo menos eu não sofreria sozinho.

Eu jurava que se não morresse sugada pela ruiva, eu morreria esmagada e espatifada no asfalto se o carro batesse. Claro, ela não morreria, só a otária aqui.

- Você sabe que Edward está vindo, né?

- Que venha!

- Ele vai te degolar. Literalmente.

- Eu posso ser mais rápida... e quem fica sem pescoço é ele.

Céus. Não gostei disso. Eu já vi Edward matando pobres mortais. O único vampiro foi o motoqueiro, e acho que ele nem conta muito, já que estava cagando de medo. Tirando James, nunca vi meu namorado em briga de igual para igual. E posso dizer que ele não teve muita vantagem sobre James.

James não diminuiu a velocidade nem por uma fração de segundo. Talvez isso tenha ajudado um pouco na perseguição. Eu senti uma brisa ínfima, mas com o cheiro da Bella. Ela estava longe, mas eu já sentia.

- Onde vai ser esse acidente?

- Alice não sabe. Só sabe que é numa árvore.

- Claro! Se não estivéssemos rodeados delas.

Eu mataria Alice quando voltasse para casa. Seria a primeira coisa a fazer. Então avistamos o carro vermelho. Ele sambava na pista em alta velocidade. Ainda por cima dirigia que nem uma bêbada! James esticou mais ainda a marcha e chegamos bem mais perto. Ela já nos olhava pelo retrovisor.

- Emparelha com ela James, vai!

- Eu sei porra! Quer dirigir?

- Não. Quero que emparelhe... só isso.

James jogou para a lateral do carro vermelho e se aproximou. A diaba perdia a noção do perigo com minha namorada ali dentro. Ela jogou o carro em cima da Hummer e foi parar longe, óbvio. Não entende porra nenhuma de carro! Tinha que ser mulher!

- Merda James!

- Filha da puta!

- Onde você conheceu mesmo ela?

- Victoria? Era uma prostituta que eu comia de vez em quando... um dia cheguei ao lugar que ela atendia e tinha um cara matando-a. Aí terminei o serviço, ela era gostosa. Mas com o tempo acabei enjoando.

Enquanto ele falava, eu abri a porta da Hummer e fiquei pendurado nela, me preparando para o momento certo de pular.

Eu não tinha muito tempo para olhar a cena de luta lá atrás. O grito de Bella me despertou e eu nos vi indo em direção a uma árvore. A maldita árvore de Alice. Puxei Bella pelo braço, cortando-a sem querer no vidro quebrado, mas abracei-a com toda a força e o mais curvado possível, fazendo um casulo contra seu corpo. A árvore nos alcançou e o carro passou por nós dois, dividindo-se ao meio conforme passava pelo tronco da árvore. Senti a árvore querendo enterrar o tronco contra minhas costas, mas não desfiz o casulo. O carro passara por completo, cada parte caída de um lado. Eu e Bella no meio. Ela tremendo e o sangue escorrendo do seu braço. Tinha sido um corte feio e profundo.

- Me desculpe amor, está doendo?

- Sim...

- Podia dizer não para eu me sentir melhor, né?

- Cala a boca Edward!

Ela riu mesmo com dor. Já disse que ela era linda? Uma gota do seu sangue pingou no meu braço, acionando todo e qualquer instinto de predador que eu possuía.

- Ah não... agora não...

Seus olhos estavam negros e seus dentes afiados, ele desfazia o casulo de proteção aos poucos e me soltava devagar.

- Edward...

- Calma Bella... se afasta um pouco, ok?

Ele olhava a gota de sangue no braço dele. Eu sabia como aquilo era irresistível e ao mesmo tempo doloroso para Edward. Eu devia realmente gostar de estar perto da morte, devido ao que eu resolvi fazer.

- Posso te dar um presente?

Ele me olhou mortalmente quando eu passei o dedo no meu corte e levei até seus lábios. Ele não se moveu. Me aproximei do seu rosto e dessa vez fui em quem sussurrei.

- Experimente Edward.

Mas o que exatamente eu tinha na cabeça? Enfim... provavelmente nada! Ele passou a língua pela boca e tremeu quando tocou o sangue. Seu olhar ficou mais feroz ainda. Achei que já estava morta e enterrada quando ele me deu um puxão pelo pescoço e me beijou. Graças a Deus, ele não me matou! Seu beijo era urgente demais, quase me matando de falta de ar. Ele puxou meu cabelo, e minha cabeça foi para trás também, e senti sua língua gelada descendo pelo meu queixo e chegando no meu pescoço. Agora eu morri. Ele arranhou os dentes na minha pele. Morri de vez. E então, surpreendentemente, ele pegou meu braço e lambeu a ferida. Mas hein? Não morri?

Ela provavelmente era louca, retardada, ou algo assim. Ela se deu de bandeja para mim. Ninguém em sã consciência daria o pescoço a um vampiro. Mas claro, ela era Bella... minha namorada estranha. Talvez essa tinha sido minha prova. Pois eu nunca precisei me controlar tanto. Além de se tratar de sangue, era um sangue com cheiro maravilhoso, que me deixava louco. Eu me controlei ao máximo para desviar da jugular dela. Achei melhor me contentar com seu braço. Sim, me contentar, porque não havia possibilidades de não beber mais o seu sangue. Era isso ou o pescoço. Achei que ela fosse mesmo preferir o braço.

Não a mordi, claro. Apenas aproveitei o sangue que foi expelido pelo corte. Seu gosto era delicioso, doce, quente, que me acalmou por dentro. Ela agora era definitivamente, minha.

- N-na-não vai me m-ma-matar?

Eu a olhei e sorri enquanto deslizava a língua em seus pêlos vermelhos.

- Nunca.

Tinha uma pessoa em pé nos olhando. James, vulgo barata branca. Ele estava um trapo.

- James? O que faz aqui? Ah não, por favor, sem brigas!

- Fumou maconha Bella? (até James agora a zoava)

- James veio comigo...

Ela me olhou pasma. É, eu sei, difícil de acreditar...

- Vocês dois... juntos?

- Parece que o Cullen percebeu que o Volvo dele não daria conta. A parada ficou por conta do... como é mesmo que você chama o carro que te salvou? Ah! King Kong!

Ok, joga na minha cara mesmo... eu podia imaginar que seria seqüestrada por uma vadia louca? E por falar nela...

- E Victoria?

James me olhou sério enquanto passava a mão na nuca.

- Foi legal enquanto durou...

- Você a matou?

Eu me dei conta de que Edward ainda estava lambendo meu corte, caladinho, só na dele. Óh céus, até assim ele era gostoso!

- Algo assim... se você quiser uma lembrança dela... sobraram uns fios vermelhos.

Ow. Credo. Não. Bem, depende.

- Posso contar por aí que eram de uma vampira que tentou me matar?

- NÃO!

Ouvi uma resposta bem sonora dos dois.

Levantei puxando Bella pela cintura. Era hora de sairmos dali. Coloquei Bella no banco de trás da Hummer e fechei sua porta. Antes de entrar no carro, parei de frente para James.

- Estou em dívida com você.

- Não está. Ela também é importante para mim.

- Certo... mas você sabe que agora as coisas mudaram, né?

- Claro. Eu vi. Não sou cego.

Estiquei minha mão para ele. Nos cumprimentamos.

- Ganhou minha confiança, barata branca.

- Valeu, Cu!

Hein? Cu? Ele me chamou de cu? Filho da puta...

Eles estavam calados o caminho todo. Estranho... sem se ofenderem?

- Hey Bella, a Lauren até é gostosinha... mas estou pensando em dar uns pegas na moreninha baxinha...

- Angie?

- Isso! O que acha?

Peraí. Ele está falando sério?

- Você quer... a Angie?

- Quero.

- Ah.

- Algum problema? Porque se for namorado, eu cuido fácil disso...

- Não, ela não namora.

- As amigas da Bella são tudo encalhadas, barata branca.

Eles riram. Juntos. Hein? Perdi qual parte da piada?

- Só uma curiosidade... desde quando vocês viraram amigos?

- Não viramos amigos. (os dois responderam)

- Só deixei de querer matá-lo, já que ele não dará mais em cima de você.

- Não?

Edward me olhou sério.

- Isso é algum problema para você?

- Não...

- Ah. Só para saber.

- Eu não posso mais tentar te pegar... apesar de que eu te beijei... hahaha se fudeu Cu!

- Não pode mais me pegar?

- Ok Bella, está realmente parecendo que você está preocupada com isso... algum problema aqui amor?

Edward era irritante!

- Você é dele agora Bella.

- Hein?

Edward me olhou irritado. Ah qual é... só estava confusa por ele não querer mais me pegar. Era legal para o ego. Ainda bem que meu namorado não lê minha mente.

- Teu sangue é dele.

- Peraí James... tem que explicar de uma forma detalhada. Minha namorada é estranha.

- EDWARD!

Ótimo, agora os dois riam da minha cara!

- Amor... quando um vampiro bebe o sangue de alguém e não a mata, ele tem o direito de reclamá-la como sua. E faz parte da etiqueta entre nós, não mexermos com a “propriedade” de um outro vampiro.

- Eu não sou propriedade de ninguém!

Eles se olharam e riram. Já estava ficando era puta com aquilo.

- Ela muda de idéia rapidinho a hora que eu jogá-la na parede...

Hein?

Barata branca nos deixou no restaurante, onde eu tinha estacionado meu carro. Ali no estacionamento fechado jazia um Gol esburacado.

- Credo! O que foi aquilo? Batida?

- Mais ou menos... sacanearam o coitado...

- Só tem gente podre nesse mundo!

Ela era tão inocente.

- Concordo amor... concordo!

Estava dirigindo para sua casa. Até eu estava cansado. Até eu queria me jogar na cama e... merda, eu não durmo! Puta que pariu hein!

- Vai ficar cicatriz aqui, né?

Olhei para seu braço. Ela quase morreu. Estava preocupada com uma cicatriz de 2 centímetros?

- Depende se você é propensa a isso...

- Sou...

- Então vai.

- Aquele papo era verdade? De sangue?

- Sim. Você é minha. Isso significa que nem que você canse de mim e queira fugir... já era!

Sorri que nem louco tentando assustá-la.

- Que bom... porque se eu quiser fugir de você é sinal de que fiquei louca.

Senti o cheiro de sangue enfraquecendo, mas seu braço ainda sangrava pouco. Claro... não era aquele sangue.

- Bella, quando sua menstruação acaba?

- Acho que hoje, por quê?

Pisei fundo no acelerador. Realmente eu não precisaria dormir.

Edward não deu uma palavra durante todo o caminho até minha casa. Acho que ele ficou feliz em saber sobre meus dias sangrentos chegarem ao final. Eu também estava feliz. Não. Eu estava excitada, vamos ser sinceras...
Assim que chegamos em casa ele já subiu a escada me agarrando, mas eu o parei. Tinha outras coisas em mente.

- Edward, espera!

- O que?

- Espera eu ir no banheiro, ok? E também quero tomar um banho...

- Tá me sacaneando, né?

- Não!

Joguei ele na cama e mandei não se mexer. Peguei minhas coisas no armário e fui tomar meu banho. Hello! Eu tinha um corte no braço, será que era possível eu pelo menos me limpar? Ok, obrigada. Tomei banho, fiz um curativo, me certifiquei mesmo que a menstruação chegara ao fim e troquei de roupa. Coloquei meu plano em ação. Bati na porta do quarto antes de entrar.

- Edward, vire de costas, ok?

- Por quê?

- Deixa de ser curioso e vira de costas, por favor...

Espiei pela fresta da porta e o vi de costas. Entrei devagar e liguei o som na faixa do meu CD q eu escutava todo dia pensando nele.


I just want you close / Eu só quero você por perto
Where you can stay forever / Onde você possa ficar para sempre

Bella tinha colocado música? Eu estava em algum bordel agora? Me virei para ela. Puta que pariu. Minha namorada estava usando um espartilho preto. Já falei puta que pariu? Certo. Ela me olhava sensualmente, parada perto do som.

- Sente e fique quieto.

- É a Bella mesmo, né?

- Edward, pode me deixar ser sensual uma vez na vida?

You can be sure  / Você pode ter certeza
That it will only get better /  De que só vai melhorar
You and me together / Você e eu juntos
Through the days and nights / Dias e noites
I don't worry 'cause / Eu não me preocupo porque
Everything's gonna be alright / Tudo vai dar certo

People keep talking / As pessoas ficam falando
They can say what they like / Elas podem dizer o que querem
But all I know is / Mas tudo o que sei é que
Everything's gonna be alright Tudo vai dar certo

Ela se mexeu lentamente, como se fosse fazer algum tipo de streap-tease para mim. Eu não podia ser tão sortudo. Ela soltou a liga da meia-calça, tirando-a e jogando para mim. Eu talvez estivesse babando.

No one, no one, no one  / Ninguém, ninguém, ninguém
Can get in the way of what I'm feeling  / Pode mudar o que eu sinto
No one, no one, no one  / Ninguém, ninguém, ninguém
Can get in the way of what I feel for you / Pode mudar o que eu sinto por você

Bella veio até a mim e se ajoelhou na cama, uma perna de cada lado meu. Haha. Ela acha mesmo que eu fcaria quieto, né? Segurei sua cintura e a puxei, lambendo seu pescoço, seu busto, descendo pelo decote. Ela passava as mãos pelos meus cabelos, enquanto eu desfazia os laços do corpete.

You, you  / Você, você

Can get in the way of what I feel for you  / Pode mudar o que eu sinto por você

When the rain is pouring down  / Quando a chuva está caindo
And my heart is hurting  / E meu coração está sofrendo
You will always be around / Você sempre vai estar por aqui
Yes, I know, for certain / Sim, eu sei, com certeza

Tirei o corpete de cetim preto e ocupei minha boca com aquelas duas belezas acesas para mim. Descia as mãos por suas costas, encontrando sua bunda redonda e durinha. Enfiei as mãos por dentro da calçinha e fui abaixando, enquanto sentia a língua de Bella no meu pescoço, e suas mãos levantando minha blusa. Ajudei-a a me desvencilhar da roupa, para que ela pudesse beijar meu peito com a sede que ela tinha. Levantei Bella um pouco e tirei lentamente a calçinha de renda, e me joguei para trás na cama, puxando-a para cima do meu corpo.

No one, no one, no one / Ninguém, ninguém, ninguém
Can get in the way of what I'm feeling / Pode mudar o que eu sinto
No one, no one, no one / Ninguém, ninguém, ninguém
Can get in the way of what I feel for you / Pode mudar o que eu sinto por você

You, you / Você, você

Can get in the way of what I feel for you / Pode mudar o que eu sinto por você

Deitei no seu tórax frio e beijei cada entradinha de músculo daquela barriga, apesar dele não ser nenhum Emmet. Desci mais, encontrando seu umbigo perfeito e beijei a região em círculos, fazendo ele se contorcer e pegar meus cabelos. Levei minhas mãos até sua calça e abri com facilidade, deixando relevar uma cueca box preta. Acho que tínhamos combinado sem querer. Passei os dedos pelo elástico e abaixei. Morri. Mas ressuscitei rápido. Eu que não seria otária de desperdiçar aquilo ali.

Senti suas mãos geladas me puxarem de volta, me encaixando nele com urgência. Ainda senti um incômodo, um pouco de dor, mas que logo foram substituídos por uma sensação muito melhor. Muito mesmo. Ouvi Edward soltar um gemido baixinho e isso me deixou mais louca ainda.

- Edward... não sei fazer assim...

- Você sabe sim... só me acompanha Bella...

Ele me segurava pela cintura, movendo meu corpo de acordo com as suas investidas. Ele veio fundo, e eu cravei minhas unhas na sua barriga, ofegando, suando. Edward aumentou o ritmo e começou a estocar mais forte, apertando meus quadris com força. De repente ele se sentou, segurando minhas costas e então nós estávamos abraçados um de frente para o outro. Minhas pernas passavam por cima das suas e o contornavam pela sua cintura. Ele agora me movia para trás e para frente de encontro ao seu corpo, regendo aquela transa como um maestro rege sua orquestra. Óh céus, eu estava em chamas. Quase que literalmente. Talvez se houvesse mais um pouco de fricção ali, o fogo poderia surgir.

- Você não sabe... como eu esperei... de novo por isso... Bella!

Puta que pariu ele era gostoso demais até falando meu nome.

- Cala a boca e me come Edward!

- Que desbocada amor!

Ele riu e eu passei meus braços pelo pescoço dele e o abracei forte, não deixando nenhum espaço sobrar entre nossos corpos.

I know, some people search the world / Eu sei que alguma pessoas procuram pelo
to find something like what we have / Para encontrar algo parecido com o que nós temos
I know, people will try, try to divide / Eu sei, as pessoas tentarão, tentarão separar
something so real  / Algo tão real
so 'till the end of time / Então até o fim dos tempos
I'm telling you that / / Eu te digo que


No one, no one / Ninguém, ninguém, ninguém
Can get in the way of what I'm feeling / Pode mudar o que eu sinto
No one, no one, no one / Ninguém, ninguém, ninguém
Can get in the way of what I feel for you / Pode mudar o que eu sinto por você

O mundo podia acabar que eu não me importava mais com nada, apenas com a mágica que sentíamos naquele momento, nossos corpos se chocando e se contraindo juntos, a eletricidade passando entre nós, nos levando ao auge do prazer a dois. Estávamos em tanta sintonia, que até nosso orgasmo foi em conjunto.

A coisa mais preciosa no mundo para mim, me beijou enquanto seu corpo relaxava no meu. Eu deitei trazendo-a junto comigo.

- Já te disse que tenho a namorada mais perfeita do mundo?

- Não... você me disse que eu era estranha.

Eu ri da cara dela e mordi sua testa. Calma, não mordi com os caninos não.

- Estranha e perfeita.

- Estranha não é um elogio Edward!

- Para mim é... ou você me acha realmente normal?

Ela fez uma cara de quem pensava no que eu disse. Precisava pensar? Digo, quantos ela conhecia que era vampiro? Ok, minha família e James. Espero que essa lista não aumente mais... ser vampiro hoje em dia está virando modinha.

- Te amo!

Hum. Ela era linda falando essas palavras.

- Também me amo!

Senti seu soco carinhoso no estômago e ri.

- E também te amo, dã!

- Você é patético Cullen!

Olhei para o relógio da mesinha dela.

- Bella, se recupera logo... te dou 10 minutos para o próximo round.

- Hein?

- Isso mesmo que você ouviu.

Levantei e fui até o banheiro, aproveitando que as outras malucas estavam dormindo. Era gostoso passear pela casa como vim ao mundo. Encontrei Jake-moicano-azul deitado no corredor olhando assustado para... bem... eu.

- É Jake, não adianta fazer essa cara... não tenho culpa do seu bilu ser pequeno...

Levantei correndo da cama tropeçando na porra do lençol. Dez minutos, como assim? Ele achava que eu era pilha recarregável? Merda, porque não arranjei um namorado normal, que queira dormir depois do sexo? Me enrolei no lençol e desci rápido até a cozinha. Cadê? Cadê? Cadê? Ah! Achei! Abri rápido a latinha azul e comecei a beber num gole só. Eu cuspi um pouco na pia quando Edward me apareceu pelado em plena cozinha.

- Está maluco Edward?

- Amor... cuspir é coisa de homem...

- Cala a boca! Você está pelado!

- Eu sei, conheço meu corpo...

- Sério Edward, eu moro com outras pessoas.

- Que estão dormindo. Uma está sonhando com Keanu Reeves e chamando ele de papai, outra não sonha porra nenhuma, aliás, talvez ela esteja morta, porque não ouço nada. A terceira está tendo pesadelos com o Jake correndo atrás dela.

Ok. Ele era podre. Bom, mas podre. E daí que ele lê as mentes? Eu sei tirar cutícula. Quero ver ele com um alicate na mão...

- Bella, o que é isso?

- Red Bull.

- Para...?

- Me dar energia.

Ele riu da minha cara e me pegou no colo, subindo as escadas comigo. Não! Não se passaram dez minutos ainda!

Puxei o lençol do corpo dela e joguei-a na cama, admirando seu corpo nu. Olhei a pequena pelugem no meu objeto de desejo e percebi que nunca tinha parado para reparar ali. Pelo visto ela se depilava... isso me deu uma idéia.

- Amor...

Falei enquanto subia em cima dela.

- Que?

- Você depila né?

- Aham.

- Hum...

- Por quê?

- Dá para desenhar, né? Tipo, aquelas depilações personalizadas?

Ela me encarou confusa.

- Acho que sim.

- Então... você podia desenhar a letra E.

Ela entortou a cara para mim.

- Pode ser um C. Ou um V. Qualquer uma dessas...

- Fica quieto Edward!

Ela fechou as pernas, sem-graça tadinha... Mas eu abri de novo.

- Ei! Vai fechar a hora que eu deixar!

Sorri enquanto cruzava aquelas pernas quentes na minha cintura e a beijava na boca mais deliciosa do mundo.

- Você vai me matar assim...

- Não vou não amor... só se for de prazer...

Me posicionei  na entrada do paraíso e fui colocando devagar, enquanto a via fechar os olhos e gemer, arranhando as unhas nos meus braços. Mexia aos poucos e beijava sua barriga arrepiada, subindo a boca e encontrando seus mamilos durinhos.

- Diz que você é só minha, diz...

- Eu sou...

- Você gosta disso Bella?

- Aham.

- Quer mais?

- Aham.

- Pede...

- Ah, você sabe...

- Quero ouvir...

Parei de me mexer para ver sua reação. Ela me puxou o pescoço e gritou na minha cara.

- Porra Edward! Eu quero mais!

Essa era a minha garota! Aquela pelo visto era apenas mais uma das inúmeras noites orgásticas que eu teria com Bella. Ela era quente... e gostosa... e bem... tinha um peitinho... que puta que pariu!

Nem lembro como foi direito, só sei que tinha acabado de gozar e já estava desmaiando nos braços de Edward.




<<< Capitulo 13                                                                  Capitulo 15 >>>

1 comentários :

Amei,
vc é demais caah.
aguardando anciosamente pelo proximo.
bjs migaaaaaaa

19 de dezembro de 2010 22:32 comment-delete

Postar um comentário