TCS - Capitulo 10

Capítulo 10.




Fui direto ao quarto de Alice quando cheguei em casa. Ela estava deitada de bruços na cama, balançando as pernas no ar. Quem via de longe dizia se tratar de uma criança.

- Conseguiu algo para mim?

- Quem é sua irmã preferida?

- Não existe ainda...

Ela fez cara feia e pulou em cima de mim.

- Quem é sua irmã preferida?

- Você, Alice... agora desembucha.

- Ok. Eu consegui os telefones de algumas pessoas envolvidas com o filme. Escritora, diretora, produtora, roteirista... quem você quer?

- Alguém com algo em comum conosco?

- Bem... a diretora do filme tem um filho em Harvard, que já levantou informações sobre a Beta. Isso é só o que eu tenho.

- Ele entrou?

- Acho que não.

- Ótimo. Me passe o telefone dela.

Horas depois me peguei falando ao telefone com Catherine Hardwicke sobre a entrada do filho dela para uma filial da Beta e meu convite para a premiere do filme. Eu ia levar Bella para Los Angeles! Voltei para a casa dela como havia prometido. Entrei pela janela e a vi dormindo. Acho que nunca me cansaria de olhá-la, era simplesmente linda.  Subi devagar em cima dela e beijei seu rosto. Os olhos cor de chocolate me olharam surpresos.

- Oi!

- Edward...

- Não achei que fosse te encontrar dormindo.

- Eu estava cansada, acho que acabei capotando na cama.

- Hum... quer que eu te deixe acordada?

Perguntei enquanto beijava sua orelha, deixando-a arrepiada.

- Po-pode ser...

- Jura? Interessante!

Encontrei sua boca e tracei minha língua pelos seus lábios macios, sentindo Bella envolver meu pescoço com seus braços. Apoiei o peso do meu corpo delicadamente sobre o dela e deslizei uma das mãos por sua coxa totalmente arrepiada. A beijei devagar, aproveitando todos os fluídos trocados entre nossas bocas. Sussurrei para ela.

- Tenho uma coisa para te contar...

- Ahm...

- Eu te amo.

- Oh Edward!

Ela agarrou minha cintura com suas pernas e nos embolamos um no outro até eu precisar parar para ela respirar.

Por favor, Deus, ajude para que eu não estrague tudo dessa vez. Eu queria dar para Edward. Fato! Só estava um pouquinho de nada nervosa. E bem, eu sempre estrago as coisas não estando nervosa... imagina super nervosa!
Eu queria que nada atrapalhasse aquele momento, o momento que Edward disse que me amava! Podia ser mais perfeito esse homem? Levei minhas mãos até sua camisa e puxei para tirá-la. Ele percebeu minha intenção e facilitou para mim. Toquei sua pele fria e deslizei as unhas por suas costas, fazendo ele se contorcer mesmo sendo incapaz de arranhar aquele corpo. Seu beijo ficou mais rápido e suas mãos subiam pelas laterais do meu corpo, me deixando em chamas. Eu tinha certeza do que estava sentindo, devido a meu estado... úmido.

- Me diga que você comprou uma lingerie sexy, vai...

- Não comprei.

Ele riu nos meus cabelos. Isso era hora de rir?

- Bella, eu não agüento ver ursinhos de novo!

- Eu não estou usando nada de ursinhos! Na verdade, eu não estou usando nada por baixo do baby-doll.

Ele me lançou um olhar rápido dos pés a cabeça e sorriu torto.

- Você não devia ter me contado isso...

- Ooops. (eu ri)

Ele desceu pela minha barriga e levantou minha blusa até quase aparecer meus seios. Eu senti o frio que emanava do seu corpo me estremecer. Edward me olhou com cara de mau e começou a dar beijos em volta do meu umbigo. Suas mãos subiram e terminaram de tirar minha blusa, enquanto eu sentia meu rosto corar estando tão exposta a ele. Ele subiu de novo, deixando seu corpo pesar no meu e começou uma sessão de tortura, passando a língua no vão entre meus seios. Minha reação foi puxar os cabelos desalinhados dele que estavam tão próximos de mim. Ele me olhou sorrindo e me perguntou baixinho.

- Você quer isso? Tem certeza?

E eu lá tinha condições de pronunciar alguma palavra?

- Humhmm.

Edward me beijou, passando a mão nos meus seios e brincando com os dedos nos meus mamilos. Ele desceu a boca até meu pescoço e se concentrou em lambê-lo em círculos me fazendo morrer umas dezenas de vezes. Eu gelei quando senti seus dedos afastando o elástico do meu short e soltando-o contra minha pele. Eu apertei mais ainda suas costas.

- Você ta tentando me matar?

- Sim. De prazer.

- Você conseguiu quando me beijou.

Ele riu e o movimento do seu corpo com a sua risada me deixou louca. Edward tirou minhas pernas da sua cintura e começou a descer até meu quadril fazendo um caminho com a língua pela minha barriga. Ele então parou olhando para o alvo e me olhou maliciosamente, mordendo os lábios.

- Você sabe que não tem graça se você já viu, né?

- Sempre tem graça Bella...

Eu ouvia seus batimentos cardíacos mais acelerados do que nunca, me fazendo achar que ela poderia ter um troço ali a qualquer momento. Mais eu sabia que era tudo excitação. Eu sentia a adrenalina passeando pelo seu corpo, o calor exalando da sua pele. Puxei seu short com a ponta dos dedos e retirei lentamente, expondo sua jóia mais preciosa para mim. Não que eu já não tivesse visto. Mas agora eu a teria. Eu podia ficar o dia inteiro apreciando sua beleza, mas ela estava envergonhada o suficiente e eu não quis piorar. Subi até seu rosto, procurando sua boca, acalmando-a com um beijo doce e delicado.

Senti suas mãos percorrerem meu abdômem e se atrapalharem no botão da minha calça. Ela tremia mais que paciente com Parkinson.

- O que você quer aí Bella?

- Co-como assim? Você sa-sabe.

- Tá tentando me estuprar, amor?

- Haha, piada. Não se faz piada nessas horas Edward.

- Piadas são ótimas a qualquer hora Bella.

Eu a beijei antes que ela começasse a me responder de novo e desci minha mão pelo seu corpo, alisando sua pele em brasas, até chegar no alvo e ficar brincando pela sua virilha. Olhei Bella e a vi de olhos fechados, então deslizei um dedo até seu sexo e a senti molhada de tesão, enquanto um gemido abafado saía de sua boca. Estava prontíssima para mim. Achei melhor me certificar de que a porta estivesse fechada.


O mundo podia acabar agora que eu morreria feliz. NÃO. Retiro o que disse. Poderia acabar depois de eu estar totalmente feliz, se é que me entendem. Ei! Tá levantando por quê?

- Edward, onde você vai?

- Trancar a porta.

- Ow. Tá.

Joguei a cabeça para trás e fechei  os olhos. Parecia que o tempo passava mais rápido de olhos fechados. Ouvi o barulho da chave na fechadura e percebi que Edward estava mesmo trancando a porta. Era melhor do que ter Jake pulando entre nós no meio da “coisa toda”. Levantei a cabeça de novo para apressar Edward, eu estava entrando em combustão já.

- Edward pelo amor...

Pai poderoso, ele está nu. Edward nu. Edward nu. Óh céus, eu perdi a respiração. Ele vinha na minha direção com seu sorriso torto e do jeito que veio ao mundo. Me matando lentamente. Subiu em cima de mim, me fazendo sentir calafrios com sua pele fria tocando todo o meu corpo. Eu sentia falta de ar.

- Se em algum momento eu te machucar, me bata, ok?

- Aham...

Ele sorriu e me beijou, sua língua enroscando na minha e descendo pelo meu queixo, meu pescoço, ele lambia forte meu pescoço. Foi deslizando pelo vão entre meus seios até chegar neles, alternando beijos, chupões e leves mordidas. Eu sentia minha coluna desgrudar da cama, como um reflexo inevitável mandado pelo meu corpo. Arrepios subiam pelas minhas coxas, me esquentando entre as pernas e a única coisa que eu conseguia pronunciar era seu nome. Eu o chamava várias vezes, como se pedisse para ele andar logo com aquilo. Ele parece ter entendido o recado, pois senti sua perna abrindo espaço entre as minhas enquanto ele apoiava a mão na cama. Com a outra mão ele levantou uma de minhas pernas e a colocou em cima do seu quadril, e depois ele segurou o seu... bem, o seu. Cravei as unhas em Edward, quando senti aquela coisa dura e fria encostar na minha entrada. Eu estava respirando? Eu devia respirar! Não podia cometer o erro de morrer agora.

- Ed-edward... será que tem es-espaço sufi-ficiente para isso aí?

Ele apenas riu e soltou um pouco seu peso, deslizando alguns centímetros para dentro de mim.

- CÉUS!

Eu sentia as lágrimas escorrerem pelas minhas bochechas quando a dor me rasgou. Diziam mesmo que sexo era bom? Ele me beijou e foi bom para me acalmar.

- Relaxa Bella... você está tensa. Vai doer mais se você ficar assim.

- Eu estou re-relaxada.

- Está com medo?

- De estar perdendo a virgindade com um vampiro? Não. (minha voz saiu mais fina do que eu esperava) Minha mãe vai ficar orgulhosa.

Ele sorriu.

- Vamos dar motivo para que ela se orgulhe de verdade.

Ele se mexeu, soltando seu corpo e puxando minha outra perna para cima, me penetrando num único movimento. Mais lágrimas escorreram e eu deixei escapar um grito alto, sem pensar se alguém escutaria.

Senti um carinho na cabeça. Era Bella me batendo.

- Te machuquei, meu anjo?

- Não, eu que gosto de gritar mesmo...

Ela era linda até tentando ficar brava.

- Não ia adiantar muito eu ficar pedindo para você relaxar, se você não me ouvia.

Ela fechou os olhos, respirando fundo. Eu dei um tempo para seu corpo acostumar comigo ali e então comecei a me mover devagar. Bella apertava minhas mãos que estavam apoiadas no colchão e gemia mordendo os lábios. Eu sentia sua passagem me comprimindo, suas pernas duras de tensão ao redor do meu corpo. Passei a mão nos seus cabelos e trouxe seu rosto para perto do meu, beijei sua boca com carinho e puxei sua cintura, fazendo movimentos contínuos e lentos. Ela começava a ofegar e relaxar e eu sabia que a dor já estava sumindo, dando lugar ao tesão. Aumentei um pouco mais o ritmo, e ela já sussurrava meu nome, pedindo mais, mexendo seu corpo junto com o meu.

Eu ainda sentia um pouco de dor, mas também sentia um prazer extremo, com Edward se mexendo dentro de mim, aquela fricção que ele fazia num vai-e-vém fazia meu corpo todo tremer e se contorcer. Eu pedi mais, eu queria senti-lo mais, a dor não importava mais. Eu só necessitava de mais Eward em mim. Ele começou a acelerar, investindo com um pouco mais de força contra meu corpo, fazendo barulho quando nossos corpos se chocavam. Eu deixei minhas pernas se abrirem um pouco mais e senti Edward me preenchendo totalmente, fazendo uma corrente elétrica passar por cada nervo meu. Seus movimentos foram ganhando força, velocidade e eu já não sabia se estava respirando ou arfando que nem cachorro. Apenas senti algo percorrer todo o meu corpo, meus músculos se apertarem contra o membro dele e minhas pernas levarem choques inconscientes. Eu podia jurar que estava chegando no céu ou algum lugar tipo o paraíso, e a sensação era a mais maravilhosa de todas que já senti. Meu corpo simplesmente não parava de contrair e relaxar, quando percebi que Edward estava passando pelo mesmo que eu, sentindo algo gelado me molhando.

Ela simplesmente foi amolecendo em mim e fechando os olhos, até a sua respiração se normalizar. Eu saí de dentro dela e a beijei, virando-a de lado para pegá-la nos braços. Eu amava essa criação divina. Eu tive mais certeza do que nunca, quando os olhos cor de chocolate se abriram e um sorriso apareceu em seu rosto.

- Eu... gozei.

Eu ri com aquilo.

- Sim, Bella, nós gozamos.

- Você gostou? Eu fiz certo?

Eu beijei sua boca molhada, circulando minha língua nela.

- Você foi perfeita. Parece que a fizeram para mim. Você é meu número.

- Eu te amo.

- Eu te amo mais, Isabella Swan.

Ela afundou a cabeça no meu peito e adormeceu aos poucos.

A primeira coisa que vi quando acordei foram os olhos de Edward parados em mim. Eu então não tinha sonhado. Lembrava perfeitamente de tudo que acontecera na noite anterior.

- Bom dia anjo.

Ele estava me chamando de anjo? O anjo ali era ele...

- Bom dia...

- Você dorme que nem uma pedra. E olha que eu fiquei cutucando sua orelha para te acordar.

Ele sorria torto para mim e tentava me irritar. Mas nada me irritaria hoje. Tipo assim, EU TRANSEI COM EDWARD CULLEN. Sacou? Ou preciso desenhar? Na verdade eu pensei em fazer um desenho e estampar numa camisa para usar pela rua.

- Não creio que preciso ir para a aula daqui a pouco... queria ficar o dia todo com você.

- Não vá na aula. Simples.

- Eu não me formei um trilhão de vezes, Edward. Preciso mesmo aprender alguma coisa.

- Certo. Como está se sentindo?

Ele me olhava preocupado. Mas eu estava bem.

- Ótima!

Acho que ele não acreditou quando eu fui me levantar e deitei de novo gemendo de dor.

- Bella... eu acabei contigo...

- Não idiota. Foi da briga de ontem.

- Sei...

- Sério, eu caí numa televisão, lembra?

- E depois transou com o homem quase de aço.

Eu tive que rir disso. Me lembrei na hora do Clark Kent. Agora eu entendia porque ele era tão protetor com a Lana.

- Você não me machucou Edward.

- Tudo bem. Mas você vai ficar trancada em casa, e vou te encher de analgésicos.

- Céus! Precisa mesmo disso?

- Precisa. Se você quiser que eu te toque de novo.

- Ok.

Ele me olhou malicioso e jogou meu baby-doll em cima de mim.

- Vista-se.

- Delicado!

Assim que terminei de me vestir, ele pegou minhas pernas e me virou de ponta-cabeça, me jogando nos seus ombros que nem um homem das cavernas.

- EDWARD! Eu sei que você é de séculos passados, mas nós estamos no século 21!

- Fica quieta Bella... vou te levar para tomar café.

Nós descemos as escadas, com as garotas me olhando horrorizadas. Ou com inveja, não sei.

“Nossa, me pega assim também!”
“Ele pode até me arrastar pelos cabelos...”

Eu fui para a cozinha com Bella nos ombros e tentando ignorar as mentes maliciosas de suas amigas. Coloquei-a no chão e abri a geladeira.

- Então, o que vai querer?

Ela ajeitou os cabelos que estavam para o alto.

- Quando você disse que ia me levar para tomar café, eu achei que fosse mesmo me levar em algum lugar... e não me trazer na minha cozinha.

Bobinha... ela achou que ia levá-la na rua de baby-doll? Vai sonhando.

- Bem, o café é aqui. Temos leite, suco, pão, geléia, maçã, banana e outras coisas que desconheço. Na minha época como humano não existiam muitos alimentos industrializados. Nos contentávamos com carne mesmo.

Ela fez uma careta para mim e isso só me divertiu mais. Ela era tão hilária!

“Ainda não entendo o que ele está fazendo com a Bella...”

Lauren se aproximou me comendo com os olhos. Ela já não estava satisfeita com James?

- Eu só quero um copo de suco Edward. Estou sem fome.

- Como? Sexo dá fome amor...

“Sexo?”
“Mentira que eles transaram?”
“Minha amiga é sortuda...”

Eu resolvi provocar as fofoqueiras de plantão e me encostei em Bella, imprensando-a contra o armário.

- Não está com fome? Prefere se alimentar de mim?

Ela corou, mas riu.

- Acho que não daria conta por hoje... estou meio cansada, sabe?

“Puta que me pariu!”
“Cansada? Me cansa também Cullen!”

Fiquei satisfeito com o resultado da provocação e beijei Bella, alisando suas coxas e a pegando pelos quadris com suas pernas em volta de mim.

- Vamos voltar para o quarto!

“Me leva...”
“Faça-me de escrava!”

Fechei a porta e coloquei Bella no chão.

- Edward, eu falei sério quando disse que estava cansada...

- Eu sei. É só brincadeira.

- Ah.

Ela suspirou aliviada coitada. Eu a joguei na cama e virei-a por cima de mim. Fiquei brincando com os cabelos que caíam nos seus olhos.

- Quer conversar sobre ontem?

- Não sei...

- Arrependida?

- Com certeza não.

Ela deitou a cabeça no meu peito enquanto deslizava os dedos no meu braço.

- Só tinha um pouco de medo... e receio.

- De que?

- Medo da dor... e te digo que doeu horrores no começo.

Senti seus dedos apertarem minha pele e beijei seus cabelos.

- E receio...?

- Sei lá... de você não gostar... de não ser boa o suficiente... e você me dar um pontapé depois.

Eu estava ali falando sério e ele estava rindo de mim? Perdi a piada?

- Obrigada por achar graça.

Ele segurou meu queixo com os dedos.

- Bella, estou rindo das suas dúvidas totalmente sem fundamento. Eu nunca duvidei que eu fosse gostar. Eu tinha certeza.

Ele me olhava com aquele sorriso escroto que me tirava de órbita. Eu devo ter nascido com a bunda virada para a lua. Eu o abracei e beijei seu pescoço.

- Nunca imaginei que vampiros fossem tão... bem dotados...

- Isso é porque você não viu o Emmet...

Ok, eu tentei não pensar nisso. Deixei ele deitado ali e fui tomar banho. Jake entrou correndo no banheiro atrás de mim e eu nem consegui brigar com ele quando o vi vestido com um macacão imitando couro. Vermelho. Até quando Jess vestiria o cachorro que nem uma fêmea?

- EDWARD!

- Oi.

Ele apareceu em um segundo na porta do banheiro, olhando assustado para o cão do Power Rangers.

- Tira ele daqui, por favor?

- Vem com o titio coisa fofa, vem?

Edward saiu do banheiro estalando os dedos e Jake saiu correndo atrás, abanando o rabo. Quando voltei para o quarto, Edward estava deitado na cama lendo meu livro.

- Vai concordar que é bom?

- Dá pra ler... mas você sabe que não concordo com algumas coisas. Esse lance de animais... eca!

- Certo... só te deixo reclamar porque vai me levar na premiere!

Subi em cima dele e deitei a cabeça no seu ombro. Podia ficar ali para sempre, trancada no quarto com Edward.

- Você vai me dever favores sexuais eternamente, por causa dessa premiere.

Eu ri daquilo. Que sacrifício seria!

- E você considera isso como um castigo para mim?

Eu olhei para ele, provocando-o.

- Isabella Swan, você está muito foguenta...

Ele me abraçou com as pernas e me virou para baixo do seu corpo.

- Acho que você não está vestida por baixo desta toalha...

- Tarado!

Ele riu no meu pescoço enquanto deslizava a língua pela minha pele.

- Delícia! Precisamos comprar as passagens para L.A.

- Ainda não estou acreditando nisso... como você conseguiu?

- Digamos que o filho da diretora tenha entrado para a Beta de Harvad...

Ah sim... o filho da tia Cath. Edward era insuportavelmente poderoso.

- Não vejo a hora de ver RPatzz.

- Quem?

- Ahn... Robert Pattinson.

- Quem?

- O ator do filme...

- E você me diz isso?

- Eu não disse que quero casar com ele, Edward!

Se bem que eu podia imaginá-lo de terno no altar. Coisa linda... Edward me olhava de cara feia.

- E você pode se divertir vendo a Kristen!

- Prefiro você.

- Por que você adora fazer eu me sentir mal?

Ele mordeu meus lábios.

- Eu adoro te ver irritada. É legal!

Aqueles dias se passaram com uma certa velocidade e por alguma graça divina, eu não precisei encontrar com James pela faculdade. Aparentemente, Victoria e ele tinham viajado para caçar, pois faltaram todos os dias de aula.  No domingo de noite eu viajei para L.A. com Bella. Achei melhor ir um pouco antes e curtir um pouco o hotel, a sós, se é que me entendem...

Meu anjo estava diferente aquele dia... um pouco mais irritada que o normal, e sensível ao mesmo tempo. Peguei-a chorando duas vezes no avião.

- Bella, está tudo bem?

- Sim.

- Tem certeza?

Ela voltou a fazer cara de choro.

- Acha que estou mentindo, é?

- Ok. Vou ficar quieto.

Não conversamos muito durante o vôo. Tinha medo de abrir a boca e ela começar a chorar. Chegamos na cidade dos anjos (sério?)de madrugada e fomos para o hotel que deixei reservado.  O evento seria há algumas quadras dali.

- Bom dia, em que posso ajudá-los?

- Bom dia. Tenho uma reserva em meu nome.

“Que homem mais lindo!”

- Qu-qual o nome do senhor?

- Cullen, Edward.

“Suíte master... ainda por cima tem grana”

- Suíte 1412, senhor. Sejam bem-vindos ao Beverly Wilshire!

Entramos no quarto ricamente decorado e Bella foi direto tomar banho. Aproveitei para ligar no restaurante e pedir algumas frutas para ela, que não quis comer nada na viagem.

Meu humor não estava nada bom hoje. Entrei rápido no banheiro para tomar um banho e fiquei super feliz quando vi uma banheira gigante brilhando ali para mim. Tirei minha roupa e fui fazer xixi. Estava quase me mijando no caminho do aeroporto até o hotel.

- PUTA QUE PARIU!

Ouvi Edward bater na porta.

- Bella, o que houve?

- Nada! Vou tomar banho!

Aquilo não estava acontecendo... como eu podia ser tão estúpida e ter esquecido da minha menstruação que estava por vir? Não tinha muita certeza do que o vampiro atrás da porta ia achar disso... Mergulhei na banheira quente e tentei esquecer o mundo por alguns minutos. Até ser acordada pelas batidas de Edward novamente.

- Bella, estou ficando preocupado... vai sair ou eu tenho que arrombar?

Era melhor não quebrar outra porta. E do hotel ainda por cima. Me vesti com um roupão dobrado metodicamente em cima da cômoda do banheiro.

- Estou viva, viu?

Ele fez um cara estranha e me olhou dos pés a cabeça. E então foi andando de costas, se afastando de mim.

- Não me diga que você está...

- Co-como você sabe?

- Meu amor, eu sou um vampiro, sinto sangue de longe.

- Ah sim. Estou...

Edward olhou pro teto.

- Isso é castigo?

- Edward...

- Lá se vai minha vida sexual...

Eu ri daquele drama exagerado dele.

- Eu posso chegar perto de você, né?

- Claro, sem nenhum problema.  Mas antes deixe eu me matar!

Ele foi até a varanda do quarto e olhou lá pra baixo.

- EDWARD!

- Se eu pular provavelmente só vou chamar atenção para o fato de continuar inteiro...

- Deixa de palhaçada, por favor?

Eu era um infeliz mesmo. Tinha acabado de tirar a virgindade da minha namorada e agora estava com ela num hotel cinco estrelas, numa suíte foda e sozinhos. Mas claro, que eu tinha que pagar algum pecado cometido há séculos atrás. Olhei Bella ali na varanda um pouco enfezada por eu estar em pé na sacada. Ela achava mesmo que eu morreria se caísse? Só rindo.

- Pelo visto você será a única a se divertir em Los Angeles...

Voltei para dentro, me jogando na cama.

- Edward...

- Que?

- Será que você pode me fazer um favor?

- Claro. O que é?

- Bem... eu preciso... de absorventes.

Eu não estava ouvindo aquilo. Não estava. Tampei os ouvidos.

- Edward...

Céus!

- Você quer que eu vá numa farmácia comprar absorventes?

Ela sorriu o sorriso mais meigo do mundo. Estava tentando me chantagear.

- Eu queria que meu lindo namorado fosse comprar absorventes para a namorada que tanto o ama.

Certo. Pedindo assim, né? Levantei.

- O vampiro sanguinário está indo comprar OB para a namorada que está mijando sangue. Já volto!

Apertei puto o botão do elevador e ele entrou. Espero que nenhuma câmera de segurança tenha filmado isso. Andei cinco quarteirões para achar uma farmácia que estivesse aberta às 03:30 da madrugada. Era algo bem fácil de encontrar, né? Entrei na loja e o atendente lesado veio atrás de mim.

“Cheiro bom...”

- Pois não?

- Quero OB. Tem aí?

- Para a namorada?

- Não... para eu mesmo. Quero experimentar.

“Que cara louco...”

Eu quis socar a cara dele, que me olhava com olhos arregalados, mas me controlei.

- Mini, normal ou super?

- Está me sacaneando, né?

- Não...

Pensei em Bella. Ela era pequena, logo, devia ser o mini.

- Mini.

- O fluxo é pouco então?

- Tenho cara de ginecologista?

Ele ficou com medo e pegou a porra do mini. Paguei e voltei os cinco quarteirões até o hotel.

- Presente para você.

Ela tirou a caixa da sacola e me olhou incrédula.

- Mini?

- Não é?

- Se eu quiser trocar a cada 20 minutos, sim.

- Está me sacaneando, né?

- Não...

Arranquei a porra do mini de suas mãos e andei de volta os cinco quarteirões. Cheguei na farmácia chutando a porta.

- Cadê o super?

- O mini não serviu, né?

- Não. Experimentei e ficou pequeno.

Ele me olhou pasmo de novo. Esse idiota era algum marciano?

- Aqui está...

Olhei apavorado para a caixa que era o dobro do tamanho da caixa do mini. Bella tinha certeza disso?

- Me dá um normal também.

- Vai levar os dois?

- Acredite amigo, se eu tiver que voltar aqui, é melhor você correr... aliás, quantos vem em cada caixa?

- Dez.

Fiz rápido o cálculo. Sete dias e 10 absorventes. Quantas vezes ela precisava trocar essa merda?

- Me dê 5 caixas de cada um.

Ele me olhou totalmente apavorado.

- Certo... me vê 7 de cada um.

Bati a porta do quarto e joguei a sacola na cama.

- Edward, o que é isso?

- OB.

- Sim... mas para todas as funcionárias do hotel?

- Eu não vou voltar na farmácia Bella. Achei melhor trazer o suficiente.

Ela sentou na cama e gargalhou da minha cara.

- Certo. Obrigada! Já volto.

Troquei de roupa e me joguei de novo na cama. Vi Bella sair do banheiro e se aninhar nos meus braços, aquele cheiro me queimando. O purgatório era aqui, em Los Angeles. Como eu queria poder dormir e acordar só amanhã de noite...

Acordei e vi Edward em pé olhando para a varanda. O tempo estava lindo e o sol brilhava. Ele não poderia sair do quarto antes do pôr-do-sol. Fui até ele e passei meus braços pela sua cintura.

- Bom dia!

Ele me olhou e me puxou de frente para ele.

- Bom dia. Dormiu bem?

- Muito bem!

Beijou meus cabelos e me abraçou.

- Foi muito difícil para você esta noite?

- Dormir ao seu lado, sentir o cheiro de sangue e me controlar o tempo todo para não te matar? Não, foi tranqüilo.

Ele se achava super engraçado.

- Esse foi seu único passatempo durante a noite? Que tédio!

Ele sorriu e beijou minha boca enquanto apertava minha bunda.

- Ei!

E então eu levei um choque quando a mulher do jornal que passava na televisão começou a falar sobre a premiere do filme que aconteceria esta noite. Um evento de gala apenas para convidados Vips. Eu tinha apagado a palavra “gala” da minha mente, pelo visto.

- Ow, Edward. Um probleminha. Não. Um problemão!

- O que foi agora?

- Eu não tenho nenhuma roupa decente para usar. A não ser que jeans tenha virado roupa social.

- A gente acha alguma coisa pra você.

- Achar? Onde? Em cima da hora?

- Não surte Bella. Assim que o sol se pôr, a gente sai e compra sua roupa.

- Mas eu não vou ter tempo de sair, comprar e voltar para o hotel para me arrumar.

- Você já vai pronta e já sai vestida da loja.

- Prático falar...

- Prefere perder a chegada do Pratz?

- Quem?

- O tal do atorzinho lá...

Eu segurei para não rir.

- RPatzz, você quer dizer?

- É tudo a mesma merda!

Homens... Eu olhei seus olhos vermelhos brilhando para mim. Hm.

- Vai de óculos?

- Sim. Estou sem saco para caçar.

- Que bom.

- Hoje. Sem saco hoje. Mas vou caçar antes de irmos embora.

Eu torci a cara. Precisava mesmo?

- Ou você acha que eu ia vir até L.A. e não caçaria?

- Eu achei, por um breve momento.

- Bobinha...

Eram 17:30hs quando cheguei na varanda e me certifiquei de que a luz do sol que ainda existia já não me queimaria mais.

- Está pronta Bella?

Ela saiu do banheiro pulando num pé só enquanto calçava as sandálias. Wow. Estava deslumbrante. E de jeans. Imagina num vestido decente...

- Sim, vamos.

Seus olhos brilharam me olhando todo. Eu fiz pose de modelo.

- Gostou?

- Você está gostosíssimo!

- Tarada... não babe!

Dei o braço a ela e saímos. Nosso hotel ficava numa rua lotada de lojas, então só pegaríamos o táxi depois que Bella estivesse adequadamente vestida para a ocasião. Passamos numa vitrine e puxei-a para dentro da loja.

- Edward, aqui não.

- Por quê?

Ela se esticou e falou no meu ouvido.

- Nós entramos numa Versace...

- Eu sei.

- Sabe? Ficou doido? Eu não tenho dinheiro nem para comprar um chaveiro daqui!

- E quem disse que é você quem vai comprar?

Saí puxando-a pela loja antes que ela conseguisse se soltar e correr.

- Boa tarde!

A vendedora simpática nos atendeu, lançando um olhar admirado para mim, e um invejoso para Bella.

“Ele está com isso?”

- Boa tarde. Gostaríamos de ver vestidos. Que cor amor?

- Pr-pretos?

- Pretos. (olhei de volta para a vendedora)

- Claro, venham comigo.

Acompanhamos a vendedora, que nos levou até uma parte com vários vestidos em manequins.

- Algum lhe agrada?

Bella me olhou.

- O que você acha?

Ah... ela perguntou a mim? Ok. Andei até o manequim mais sexy. Quer dizer, até o pedaço de madeira mais sexy.

- Este.

- Hein?

- Gostei deste.

Ele estava brincando ao dizer que queria que eu usasse aquilo, né? Não que fosse feio. Pelo contrário, era lindo. Mas muito... “oie, cheguei!”

- Escolhe outro Edward.

- Você não me pediu opinião? Então...

- Esse não.

- Tem pro tamanho dela? (ele perguntou pra vendedora)

Estava sendo ignorada?

- Acho que ela veste 38. Tenho sim.

A vendedora se afastou, entrando no estoque.

- Eu não vou experimentar.

- Vai sim.

- Não.

Ele encostou em mim e me olhou furioso.

- Eu fiquei a noite toda me controlando para não te comer. E não é no duplo sentido. É naquele onde você não estaria respirando agora. Eu vou ficar mais um dia inteiro aqui e não vou transar porque minha namorada está menstruada. E eu andei que nem um corno ontem de madrugada para ir comprar OB para você. Ah... você vai sim experimentar o vestido.

- Ok.

A vendedora voltou e eu entrei no provador. Está é a desvantagem em namorar um vampiro. Você não vai querer deixá-lo estressado. Eu me olhei no espelho. Senhor, como eu sairia dali vestindo isso? Era um vestido longo que não me deixava nem respirar direito, de tão justo. E bem, dava para me ver de longe, de tanto brilho. Sem comentar o fato de que eu não poderia sentar, já que o decote atrás ia até a bunda. Botei só a cabeça para fora da cabine.

- Edward... vem cá...

Ele veio tentando olhar.

- Eu não acho que vou conseguir usar isso.

- Deixa eu ver.

- Você não vai gostar. Ficou bem... decotado...

Ele me puxou para fora da cabine e me girou.

- Ouch. Você está apetitosa. Claro que gostei!

- Ah não...

- Bella, consegue andar?

- Sim.

- Então serve. Vamos levar esse. Ela vai vestida, ok?

Bella pronunciou uns palavrões que é melhor eu não comentar aqui. Pode ter menor de idade lendo. Mas eu ri com ela andando na minha frente toda torta, tentando tampar com as mãos o decotão das costas. E que decote! Já disse que fiquei excitado? Pois é...

- Nossa Bella, rebolando com esse vestido... eu não resisto...

- Eu não estou rebolando Edward! Estou tentando me tampar, só isso!

Adorava irritá-la. Chamei um táxi e dei o endereço da premiere. Ela teve dificuldades em entrar no carro. Hilário.

- Está rindo do que, posso saber?

- Chuta...

- Não tem graça Edward. Estou tentando não pagar calçinha.

- Por que não a tira então?

Eu visualizei aquilo. Será que o taxista se importaria de eu agarrar minha namorada ali?

- Palhaço!

Não tinha dúvidas de onde era o evento. Porque era impossível não perceber um milhão de garotas estridentes se aglomerando na rua. Cruzes! Tive pena dos atores. Bella começou a me dar tapas na perna.

- Chegamos! Chegamos! Chegamos!

- Ei, arranhou o disco?

Ela fez careta e se esticou para olhar pelo vidro da frente. O táxi parou e nós descemos. Minha nossa senhora protetor dos homens bonitos! Eu não enxergava direito com tantos flashes na minha cara.

- Por aqui Pattinson, por aqui!

Tinha alguém me puxando. Que merda é essa? Soltei meu braço e olhei feio pro cara.

- Está me estranhando, amigo?

Saí andando pelo corredor com tapete vermelho, de braços dados com Bella, que eu jurava que quebraria o pescoço de tão rápido que olhava de um lado ao outro.

- Casa comigooooo!

- Robert, eu te amo!

Eu ri daquilo.

- Acho que o atorzinho chegou junto com a gente Bella.

- Ahn... na verdade amor... elas estão meio que falando contigo.

Hein? Me virei para trás para me certificar.

- Bernard! Bernard!

- Meu nome é Edward, caralho!

- Edward! Olha a boca... tem imprensa aqui...

- Se te chamasse de Mella você não ia gostar...

- Bernard é o personagem do livro. Só isso.

- E daí? Tenho cara de Bernard por acaso?

- Robert!

Me chuta, vai... tinha uma mulher loira olhando para mim.

- Oh meu deus Edward... é Cath!

- Hã?

- A diretora, sua anta!

- Ah. Oi. Não sou Robert...

- Não? Ah sim, me desculpe, estou pirada aqui!

Ela virou as costas e saiu.

As garotas estavam histéricas pelo Edward. Eu sempre soube que ele era perfeito, mas nunca tinha visto total histeria como essa. Por que chamavam ele de Bernard? E tipo, qual era a da tia Cath em chamá-lo de Robert? Eu sabia quem era o ator escalado para o filme, mas só conhecia de nome. Será que ele era tão bonito quanto o meu namorado? Puta que pariu, Kellan Lutz! Merda... Edward podia ir dar uma voltinha, não? Ops. Melhor não. Aquelas ali deviam ser Rosalie e Victoria. Melhor Edward continuar ao meu lado mesmo.

- Bella, vamos entrar?

- Já? Ah não Edward... quero esperar RPatzz.

- Eu não me sinto legal aqui...

- Como assim?

- Estou envergonhado.

Eu quase me mijei.

- Hein?

- Sério. Estou acostumado a ler as mentes perversas das mulheres... mas elas não costumam gritar no meu ouvido que querem casar comigo.

Eu não conseguia responder. Só conseguia rir.

- Não tem graça Bella.

Nós passamos rente a um bando de meninas com os braços esticados e levei um susto quando Edward foi subitamente puxado por elas.

- Eu te amo!

- Me dá um autógrafo!

- Aaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

- BBBBBBBBBBeeeeeeeeeeeeeeeerrrrrrrrrrrrrrrnnnnnnnnnnnnnaaaaaaaaaaaaarrrrrrrrrrrrrrrddddddddddd!!!!

Edward se desvencilhou das garotas, meio puto e cheio de marcas de batom no rosto. Eu ficaria com ciúmes se não fosse tão engraçado. Bem, não a cara que ele fazia agora para mim.

- Admita Edward... está divertido.

E então eu soube que ele tinha chegado. Sim, porque a histeria que havia surgido por causa de Edward, quadruplicou. Só podia ser uma pessoa. O nome dele era a única coisa que se ouvia agora e eu olhei na direção para qual todas olhavam. Era leve impressão minha, ou ele estava vestido igual ao meu namorado?

- O cara está de óculos escuros de noite? Que imbecil...

- Você também está Edward.

- Mas eu sou vampiro...

- E claro que todos sabem disso, né?

Ele fechou a cara. Eu tinha ganhado essa? Nem acreditei... RPatzz estava super perto de nós e então eu entendi tudo. Ele não estava vestido igual Edward. Ele era idêntico ao meu namorado. Como assim?

Tinha um babaca me olhando dos pés a cabeça.

- Agora contratam dublê para a premiere é?

Ele estava falando comigo?

- É comigo Bella?

Ela estava rindo. Qual era a graça?

- Não sou dublê de ninguém não amigo.

- Não liga pra ele não... me dá um autógrafo, por favor?

Era minha namorada que estava se jogando em cima do imbecil de óculos escuros?

- Claro, coisa linda.

- Se piscar de novo para ela vai ficar sem olho...

- EDWARD!

- Sério que você não é meu dublê, cara?

Eu ia dar um soco que esse idiota ia parar na Itália. Tinha um loiro se juntando a nós agora.

- Nossa hein... doeu quando caiu?

Bella o olhou corando e suspirando.

- Ke-kellan... como?

- Doeu quando você caiu do céu?

Ela riu. Ela riu? Eu ia socar esse também.

- Vai doer em você...

- EDWARD!

- Te contrataram dublê, Rob?

- Parece que sim...

Eu fechei o punho e senti Bella me puxando pela mão.

- Ei!

- Entramos, você não queria tanto entrar?

- Agora que ia ficar bom? Não, quero voltar!

- EDWARD!

Entrei com ela e fiquei contando os segundos para aquele pesadelo acabar. Uma garota veio correndo na minha direção com um papel e caneta esticados. Arranquei de sua mão o papel e piquei aquela droga em mil pedaços.

- Foi RPatzz quem mandou eu fazer isso. Sou dublê dele.

Um sorriso se abriu no meu rosto quando a garota saiu chorando e xingando o antipático do Robert Pattinson.


<<< Capitulo 9                                                                    Capitulo 11 >>>

4 comentários :

Ameiiii.... posta logoooo...
bjks

11 de dezembro de 2010 19:54 comment-delete

ASUHUSAHUAH nossa a parte do OB ri demais *-*
posta mais :]

12 de dezembro de 2010 14:32 comment-delete

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Esse do OB eu ri muuuuuuuuuuuuuuuito !
E eu vou esta na Premiere se for aqui no Rio ... espero que seja !
BD In Rio *-*

6 de fevereiro de 2011 00:17 comment-delete

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Eu nunca rir tanto em toda minha vida !
Foi muito Bom !
kkkkkkkk

7 de março de 2011 21:07 comment-delete

Postar um comentário