O Melhor Presente

Por: kahBR

Censura: Livre *
Sinopse:

Era o aniversário de 17 anos de Isabella Swan.

Sua prima, Alice, fica responsável por organizar sua festa, e isso é algo que Bella teme.

Mas acontece algo completamente diferente do que ela esperava...

O Melhor Presente


Meu nome é Isabella Marie Swan, estou fazendo 17 anos hoje. Odeio meu aniversário, mas minha prima — Alice — insiste em fazer festa. Ela disse para eu não me preocupar, que ela cuidará de tudo; mas é exatamente isso que me preocupa.

Alice tem 18 anos, é baixinha —muito baixinha — e possui cabelos pretos e curtos, que apontam para todos os lados. Eu amo essa garota mais que tudo, ela é como uma irmã para mim. Foi ela quem sempre esteve comigo, tanto nos meus momentos mais tristes quanto nos mais felizes. É obcecada por compras, o oposto de mim. Ela é a única que sabe do meu amor secreto por Edward Cullen.

Edward tem cabelos num tom único de bronze, estes estão sempre bagunçados; olhos cor de ocre; tem um corpo bem definido — não tanto quanto seu irmão, Emmett — e é bastante reservado.

Neste instante, eu estou no meu quarto, pensando nele, para variar… Bem, nele e em Alice… Com certeza, algo bom é que não vai sair dessa festa! Aposto que vão ter duzentas pessoas, no mínimo. É… aquela baixinha é bem exagerada… Ouvi a campainha tocar e fui atender.

— Senhorita Swan? — um garoto loiro com o rosto cheio de espinhas me perguntou; pude ver pelo uniforme que usava que trabalha no correio.

— Sim, sou eu.

— Mandaram isso para a senhorita… — ele me entregou um embrulho não muito grande. — Assine aqui, por favor. — ele me estendeu uma pranchetinha e eu assinei onde ele me indicou. Ele foi embora e eu corri para o meu quarto.

Eu odiava presentes, odiava que os outros gastassem comigo. Revirei o embrulho em minhas mãos e vi escrito: Mamãe e Papai. Faça bom uso. Fiquei com medo do que pudesse sair dali e abri logo.

Era uma câmera fotográfica. Revirei mais um pouco a caixa e vi que também havia um álbum de fotos. Ué? Sem manual? Não, não podia ser… Eles sabiam da minha birra com a tecnologia — ou seria a birra da tecnologia comigo? Ah, não sei, é algo assim… Encontrei lá no cantinho da caixa, o bendito manual!

Ainda não tinha a mínima ideia do que fazer com aquele troço, minha vida não era algo que eu precisasse fotografar — era todo dia a mesma coisa…

Aquele pontinho rosa que todos chamam de Alice me disse para sair de casa apenas com ela, que ela viria me buscar quando estivesse tudo pronto; me disse que eu devia confiar nela. É claro que eu confiava, só não tinha tanta certeza sobre seus planos!

Entediada de mais, deitei-me em minha cama e deixei minha mente vagar — ela foi direto para Edward. Não sei quanto tempo depois, adormeci.


— Bella! Acorda logo, quer se atrasar? — senti Alice ao meu lado, ela estava bastante impaciente.

— Quero! — respondi com sinceridade e me virei de costas para a janela, por onde entrava uma luz forte por causa de Alice, que abriu as cortinas.

— Bella, por favor! É seu aniversário, não faz isso, por favor?! — Ela implorou com a voz manhosa e eu cobri minha cabeça com o edredom. — Por mim?! — Ela tentou de novo e eu nem me mexi.

Eu achei que havia desistido, mas não. Ouvi ela saindo do meu quarto e voltei a dormir, mas pouco tempo depois, eu senti algo puxando as cobertas de cima de mim e algo gelado e molhado vindo de encontro a minha pele. Abri meus olhos e vi Alice com um balde nas mãos.

— Acordou agora? — Ela perguntou com um sorriso cínico nos lábios.

— Acordei! — eu respondi com os dentes cerrados, já indo para o banheiro.

— Sua roupa está em cima da cama… — Alice gritou lá de fora e não me deu nem tempo de responder, apenas bateu a porta “avisando” que estava saindo.

Tomei um banho quente, tentando buscar na água a coragem para ir à esse aniversário. Se ao menos Edward estivesse lá… Suspirei ao pensar nele, eu parecia uma adolescente apaixonada! Se bem que… no fundo, eu era mesmo.

Saí do chuveiro e encontrei um vestido vermelho que não cobria nada sobre minha cama. Não, eu não iria usar aquilo nem sob ameaça de morte!

Eu tive que insistir muito para Alice me deixar ir com as roupas que eu escolhesse. O milagre foi ela ter concordado!

Fomos no carro do Jazz, amigo da Alice. Ela dizia que eram apenas amigos, mas eu duvido! Esses dois tinham alguma coisa, não sei por que ainda negavam! Sem contar que eles ficavam muito bem juntos…

Eu podia ver certo brilho nos olhos de Alice, mas tentei me convencer de que era coisa da minha cabeça. Não deu certo.

— Alice, onde será a tal festa?  — Eu perguntei a ela no meio do caminho. Era incrível como Edward não saía de meus pensamentos, por causa disso, eu só havia me dado conta agora de que não sabia onde seria a tortura…

— Espere e verá… — Ela me disse com um sorrisinho, e novamente eu vi seus olhos brilharem.

O sol já se escondia no horizonte e nada de chegarmos ao lugar misterioso. Vi Jasper entrar numa estrada no meio da floresta e, nesse momento, a ideia de Alice estar planejando me matar atormentou-me. Não, ela não faria isso comigo… Eu espero…

Para meu alívio, chegamos a uma casa branca que acabara ficando com um tom acinzentado graças à luminosidade que vinha apenas da lua. Algumas das paredes eram de vidro, o que me possibilitou de ver que a casa não estava cheia. Na verdade, estava vazia demais para ter sido preparado por Alice…

Ela saiu do carro acompanhada por Jazz e praticamente me rebocou de lá de dentro.

— Alice, que lugar é esse? — eu sussurrei enquanto nos aproximávamos da porta.

Ela não me respondeu, fingindo não ter ouvido minha pergunta. Eu desisti, sabia que aquilo significava: você vai descobrir.

Quando chegamos à porta, meus olhos vagaram pelo local completamente vazio! Tudo era bastante calmo, tons bem claros marcavam o local. Bem no centro, havia uma mesa de jantar para duas pessoas. Um castiçal com velas apagadas, dois pratos, talheres e duas cadeiras — tudo muito elegante, por sinal — era tudo o que havia naquela mesa.

Eu não estava entendendo nada, até que eu o vi. Lindo, como sempre… Edward usava um terno que — como se fosse possível — o deixava ainda mais lindo. Meu corpo todo reagiu a sua presença. Comecei a ficar nervosa, olhei para o lado para pedir ajuda a Alice, mas tudo o que eu vi foi ela abanando a mão para mim, em sinal de adeus. Jazz estava com um braço em torno de sua cintura. Eles entraram no carro e saíram, me deixando naquela situação!

Ele desceu as escadas, vindo até onde eu estava. Edward parecia tão nervoso quanto eu.

— Feliz aniversário, Bella… — Ele disse. Depois me entregou uma caixinha de veludo onde havia uma pulseira, eu supus. Edward sorria envergonhado ou nervoso, não sei. Talvez os dois…

— O-obrigada. — Droga, por que eu tinha que gaguejar? Abri a caixinha e acertei, era uma pulseirinha linda. Toda de prata com um pingente de coração que parecia ser diamante. Espera aí… aquilo não podia ser diamante!

— Diamante branco… — ele sussurrou e eu arregalei os olhos. Meu Deus! O que era aquilo? — Posso? — ele pediu, apontando para a pulseira, pedindo-me que deixasse ele colocá-la em mim. Apenas assenti com a cabeça e ele colocou-a em mim com habilidade.

— Meu Deus, Edward… É… lindo, maravilhoso! — senti uma lágrima de emoção cair de meus olhos e um sorriso involuntário surgiu em meus lábios.

— Não chega nem aos seus pés… — Ele sussurrou e eu senti minhas bochechas queimarem, eu devia estar mais vermelha que tomate!

Num impulso — que eu não tive tempo nem vontade de controlar — eu o abracei. Ele correspondeu na hora e meu coração inflou de felicidade.

— Vem… — Edward pegou minha mão e me guiou até a mesa. Nos sentamos lá e logo alguém que eu não faço a mínima ideia de quem seja trouxe uma bandeja e deixou sobre a mesa, acompanhada de um vinho. A pessoa se retirou e, novamente, ficamos só nós dois.

Servimo-nos em silêncio e, ao todo, tomamos duas taças de vinho cada um. Muitas vezes, perdi-me em seu olhar.

— Edward… o que é tudo isso? — eu perguntei, curiosa.

— Bem… você sabe como é Alice… — ele deu de ombros. — Na verdade, tudo isso foi meio que ideia dela e do Jazz… — Ele olhou para baixo, mas continuou, após respirar fundo. — Bella… não sei como você nunca notou, mas você me encanta desde o primeiro dia em que te vi. Alice me motivou a fazer isso, mesmo eu não sabendo como seria recebido… Por fim decidi seguir seu conselho, e que data melhor que seu aniversário para me declarar? — Ele voltou a olhar para mim e deu um sorriso nervoso. — Isabella Swan… eu te amo há anos! Não sabia mais quanto tempo eu poderia viver sem que você soubesse…

— Edward, eu… — eu tinha que dizer algo, mas, naquele momento, as palavras sumiram!

— Eu sei, sei que é cedo demais para você, mas eu precisava dizer.

— Hey! — eu o interrompi. — Acredite, não é cedo… — Olhei em seus olhos e foi como se eu pudesse ver minha alma refletida ali. — Eu te amo — sussurrei por fim.

Antes que eu pudesse pensar no que estava acontecendo, senti seus lábios urgentes nos meus. Não era um beijo calmo, era urgente, mas ao mesmo tempo, carinhoso. Naquele momento, nada importava… Era apenas eu e Edward, o nosso início! Selado com o beijo mais doce do planeta.

Separamo-nos ofegantes, e seus olhos não se desviaram dos meus por um só segundo; era como se tudo o que eu não podia expressar com palavras pudesse ser dito com apenas um olhar. E assim tudo começou… A nossa história de amor.


#5 ANOS DEPOIS#


Naquele aniversário de dezessete anos, minha vida mudou completamente. Hoje estou casada com o amor da minha vida, Edward Cullen! Nossa filha, Renesmee Carlie Cullen, está com um ano e sete meses e eu acabo de descobrir que estou grávida; dois meses de gestação.

Estava sentada no sofá, esperando Edward chegar do hospital onde trabalhava — seu pai era o diretor geral de lá. (n/a – não sei se isso existe.. se sim, q bom.. se ñ, vamos fingir q existe.. =X)Escutei seu volvo prata estacionando e logo o vi atravessando a porta, abrindo um sorriso maravilhoso ao me ver. Ele selou nossos lábios e logo depois foi abraçar Nessie.

— Amor, eu tenho uma novidade… — eu sussurrei e ele olhou para mim com os olhos brilhando. Eu quase podia ver escrito “amor” ali.

— Diga… — ele pediu, aproximando-se de mim.

— Nessie vai ganhar um irmãozinho… Ou irmãzinha… — Eu disse e vi seus olhos se encherem de lágrimas e um sorriso brotar em sua face. Não havia nada melhor que ver Edward feliz, e aquela notícia tinha tocado-o tanto quanto tocou a mim.

— Bella, eu… — Ele tentou dizer algo, mas nada saiu… Ele secou uma lágrima e a felicidade só parecia aumentar à medida que o tempo passava. Depois ele me beijou, um beijo abrasador.

Quando já estava no sétimo mês de gestação, descobrimos que estava grávida de gêmeos, uma menina e um menino. Eu e Edward decidimos os nomes: Jane e Alec. Nossos filhos… Nossa família.

FIM

6 comentários :

omg! que lindo! eu amei...
tão fofinho! eu quero um Edward assim para mim? #comofaz?
Parabéns Kah!
eu amei sua one!

12 de dezembro de 2010 21:16 comment-delete

que lindo ... parece ate aquelas historias infantis :P
AMEI

13 de dezembro de 2010 14:13 comment-delete

OMG
perfeita

lindo

parabéns Kah

Robeijos

Raay

20 de dezembro de 2010 22:13 comment-delete

Amei maravilhosa ..
Robjs
Jacquelyne

Anônimo
29 de dezembro de 2012 13:46 comment-delete

Aii que lindinho meu Deus.

30 de março de 2016 23:47 comment-delete

Aii que lindinho meu Deus.

30 de março de 2016 23:47 comment-delete

Postar um comentário