AV II - Capitulo 5

Capítulo 5.



[...]
Já era noite fechada quando o grupo parou, em frente a uma loja de conveniência. Estavam todos cansados, famintos e mortos de sede. Todos, exceto Edward e Rosalie.

- Quanto menos nós demorarmos aqui, mas rápido chegaremos ao muro. – a loira falou casualmente, sentando-se numa cadeira dentro da loja.
- Nós todos sabemos disso, porém, eles não funcionam como nós. – Edward respondeu, sem se importar com a forma ríspida que usava.

Os humanos exploravam os corredores, em busca de alimentos que tivessem altos valores energéticos, como barras de chocolate e isotônicos. Numa das prateleiras da loja, haviam mochilas à venda, e Emmet se apossou de uma para carregá-la de comida.

- Não tem ninguém diabético aqui não, né? – ele perguntou e encontrou o silêncio, sorrindo e jogando doces ali dentro. – Ainda bem.
- Coca-Cola! Estou no céu! – os outros olharam na direção de onde vinha a voz e viram Jasper com a boca aberta embaixo da máquina de refrigerante.
- E parece que abriram a porta do hospício... – Edward resmungou sozinho, sem que os humanos pudessem ouvir.
Para os vampiros, foram horas insuportavelmente lentas e monótonas, enquanto para os outros, foram rápidos minutos em que saciavam a fome e a sede. Isabella estava sentada no chão, devorando mais um pacote de biscoitos quando viu Edward saindo da loja. Ela levantou e foi atrás dele, deixando os outros extremamente concentrados na refeição.

- Está tudo bem? – Swan parou ao lado do vampiro 6 que estava encostado na parede da loja, com um dos pés para trás.
- Sim, está. – ele apenas sorriu, sem muita vontade, fazendo-a franzir a testa e passar um braço por trás dele, abraçando-o.
- O que foi? Você ficou estranho desde que resolvemos parar aqui.
- Bem, vocês possuem facilidade para arranjarem... – Edward procurou por uma palavra não tão chocante, olhando nos olhos de Isabella. – alimentos.

Swan olhou-o por um momento, sem saber o que falar, mas sempre cogitando a hipótese de fornecer seu próprio sangue a ele. Ela beijou o braço do vampiro, suspirando e permanecendo em silêncio.
- Me desculpe, Bella. – ele abaixou o rosto, encontrando o dela e beijou sua cabeça. – Você não precisa se preocupar com isso.
- Lógico que preciso! Não quero que você fique fraco por aí, por não ter como se alimentar! – ela esticou seu braço, aproximando o pulso do rosto do vampiro 6. – Isso aqui estará à sua disposição quando precisar, ok?
- Não. – ele fechou a cara e se afastou dela, andando para o meio da rua e olhando em volta. – Não cometerei o erro de mordê-la novamente.

Eles foram interrompidos pelo barulho da porta da loja abrindo e fechando. Edward olhou para trás e viu que Rosalie estava observando eles dois.

- Eu não quis atrapalhar, mas acabei escutando o final da conversa. – ela falou, se aproximando, sem olhar diretamente para Swan. – Se eu puder ajudar... Digo, com o meu sangue e vice-versa... Seria uma forma de nos mantermos vivos sem prejudicá-los, não acha?

Isabella ficou calada, mas sentiu seu sangue ferver. O vampiro podia ouvir os batimentos cardíacos dela acelerarem conforme Rosalie compartilhava de sua idéia.
Ele passou um braço pela barriga de Swan, apertando-a nele e olhou friamente para a vampira, esboçando um sorriso amargo.

- Obrigado pela oferta, mas não irei precisar.
- Pretende se alimentar como?
- Darei meu jeito. Mas... Não gosto de comida dos outros. – Isabella abaixou a cabeça para que Rosalie não visse seu sorriso de satisfação.
- Certo. – a loira girou sobre os calcanhares, voltando para dentro da loja. – Depois então não reclame.

O casal voltou a ficar a sós quando ela se retirou e então Isabella resolveu desabafar.

- Se essa mulher ousar encostar um dedo em um único fio de cabelo seu, eu juro que arrasto-a pelos cabelos no asfalto enquanto o sol estiver brilhando! – ela então se deu conta da cena de ciúmes, quando notou Edward sorrindo torto e beijando seu pescoço.
- Jura que você enfrentaria uma vampira por mim?
- Bem, talvez eu não continue viva para ficar com você, mas sim, eu sou capaz. – ela fechou a cara, espiando lá dentro todo mundo terminando de comer. Rosalie tinha voltado para a mesma cadeira de antes e agora olhava fixamente para Swan.

O vampiro fez sua garota virar-se de frente para ele e enlaçou sua cintura, puxando-a e tirando os pés dela do chão. Ele encostou a ponta do seu nariz no dela, ficando alguns segundos daquele jeito, apenas trocando olhares.

- Ela não encostará em mim, ok? Eu prometo.
- Nem você nela?
- Nem eu encostarei nela. – Edward respondeu de olhos fechados, beijando a boca de Isabella. – Melhor você ir se alimentar, caso eu precise de favores.

Ela sorriu quando ele se deu por vencido e escorregou pelo seu corpo, deixando-o levemente excitado com o atrito e entrando triunfante na loja. Ao passar por Rosalie, Swan jogou os cabelos para o lado e a encarou, mas sem falar exatamente com ela.

- Emmett, preciso de algo que me fortaleça para alimentar Edward quando ele precisar!

[...]
As primeiras estrelas já apareciam no céu parcialmente escuro e o grupo de sobreviventes ainda estavam dentro da loja. Bella tinha se entupido de comida, conforme Emmet ia dando instruções. Ela tinha levado a sério a idéia de ser o alimento ambulante de Edward para quando ele precisasse e isso parecia ter irrtado um pouco Rosalie.

- Ok gente, podemos continuar nosso caminho? Já escureceu... - o militar perguntou, levantando-se do canto onde estava sentado com a vampira loira.
- Por mim já podemos ir. Aliás, já devíamos ter ido. Andar no escuro tendo que proteger a retaguarda de vocês não me deixa satisfeito. - o vampiro 6 respondeu rispidamente.

Era uma cena um tanto que cômica, para quem via de fora. Um vampiro com a porta dos congelados aberta e com a cabeça para dentro do "frigorífico". Enquanto todos se ajeitavam para continuar a jornada, Isabella foi até Edward e sorriu para ele, alisando seu braço.

- Isso é meio estranho. Você está bem, né?
- Lógico. Só é gostoso sentir o frio, nada mais. - ele fechou a porta e a abraçou, tirando os pés de Swan do chão e beijando-lhe a boca devagar.
- Quando o casal 20 se desgrudar, a gente parte!

O vampiro ia responder mas viu que Isabella levantou a mão e fiz um sinal com o dedo médio para a pessoa inconveniente. Jasper.
Quando eles se soltaram, foram encontrar com o resto do grupo que já estava do lado de fora, preparado para partir. Edward andou pela rua, na frente de todos, segurando o tempo todo a mão de Swan, de um jeito tão forte que ela não conseguiria se soltar se quisesse.

- Acha que estamos muito longe? - ela perguntou, levantando a cabeça para olhá-lo.
- Sinto que não. Talvez mais um dia andando, ou até menos. Só não podemos demorar em outro lugar como fizemos hoje, sabe? Devíamos ter partido assim que o sol se pôs. - ele falou se sentindo culpado e Isabella olhou confusa para ele.
- Por que essa cara?
- Porque eu deveria ter sido mais duro com vocês. Acho que ainda não se tocaram de onde estamos e com o que estamos lidando...
- Edward, como assim? Se não fosse por você talvez já até tínhamos morrido. Ou pior, virado... esses monstros aí.
- É, talvez.
- Nada de talvez! Pare de se culpar por qualquer coisa que venha acontecer conosco! - Swan parou, fazendo força com o braço para que o vampiro parasse também. - Você é nosso herói, ok? É o meuherói! Desde antes...

Ele revirou os olhos e soltou a mão dela, para então pegá-la pela cintura com um braço e levantá-la no ar. Isabella esperneava, enquanto ficava vendo de lado, os outros atrás deles, alheios à conversa. Edward colocou-a no chão novamente e sorriu, dando um tapa de leve em sua bunda.

- O motivo pelo qual eu quero chegar e ultrapassar o tal muro, é poder ficar a sós com você. - ele falou, olhando-a nos olhos.
[...]
Mesmo tendo descansado bastante algumas horas atrás, o grupo já começava a dar sinais de cansaço. Passava da meia-noite e eles tinham decidido que não iam parar por enquanto, para avançarem um pouco mais. Os homens aguentavam mais, porém, Alice e Isabella já andavam devagar, embolando os pés e tropeçando toda hora.

- Nós vamos parar. - ele falou e os homens pararam para olhá-lo.
- Agora? Mas combinamos de seguir em frente!
- Sim, mas as garotas precisam parar.
- Eu me sinto perfeitamente bem. - Rosalie falou, venenosa, sorrindo para Edward e em seguida enroscando-se no pescoço de Emmet.

Edward ignorou o comentário da vampira e olhou em volta, para o alto, avaliando o lugar.

- Nós não precisamos parar, Edward. - Swan falou em seu ouvido, ficando na ponta dos pés. - Eu aguento um pouco mais e acho que Alice também.
- Não. - ele virou o rosto e beijou sua bochecha. - Não irei sacrificá-las.
- Eu não concordo em parar agora. - Jasper falou alto, continuando a andar e foi seguido por Emmet.
- Tudo bem, nos separamos aqui então. Boa sorte para todos! - o vampiro 6 disse em alto e bom som, mantendo-se parado no mesmo lugar.

Os outros que ainda andavam pararam e viraram-se para trás, olhando-o assustados e hesitantes. Nenhum deles quis arriscar continuar o percurso sem Edward, apesar de não proferirem essas palavras. No entanto, voltaram e calaram-se.

<<< Capitulo 4                                                                        Capitulo 6 >>>

3 comentários :

Adorei.
Está fantastica.
posta logo o próximo.
bjs

21 de dezembro de 2010 17:16 comment-delete

adoreiiiiii
e a bella não gosta da rosalie mesmo (eu tb não)
bjs

22 de dezembro de 2010 12:35 comment-delete

Faz umas semanas que estou esperando pelo próximo Capitulo,Quando postarão? (:

14 de janeiro de 2011 06:25 comment-delete

Postar um comentário