AV II - Capitulo 2

| Capítulo 2 |


- Eu não gosto disso...
- Nós não temos muitas opções. - ele falou enquanto começava a andar. - E por aqui é apenas uma reta, é mais fácil.

Emmet ligou uma lanterna e apontou para a escuridão, andando naquela direção.


Música (Linkin Park - Don't Stay): 
http://www.youtube.com/watch?v=FKry3R8J2mQ


Eles andavam em silêncio, sempre tomando conta da retaguarda. Apenas ouvia-se o barulho de seus pés nos trilhos e algum gotejar perto dali.

- É até bom nós irmos para lá... - Emmet interrompeu o silêncio. - Poderei pegar algumas armas melhores.
- Essas não bastam? - Swan perguntou incrédula, olhando para o corpo do homem forte carregado de armamento.
- Você sabe que os vampiros só morrem com balas de prata, certo?
- Sim.
- E elas uma hora acabam, não é? Além disso, os infectados também só morrem com essas balas e não é fácil achar lojas de munição por aí que tenham balas de prata dando sopa. A população precisou se defender.
- E posso saber o que acontece se essas balas aí... - ela olhou para as armas. - Terminarem antes de chegarmos?
- Você senta e chora. - Alice interrompeu a conversa, debochando. - Mentira, você morre antes de conseguir sentar.

Emmet riu e continuou andando, enquanto Swan tremeu com aquela hipótese. Ela sentia muito não ter podido estar acordada quando tudo aconteceu, pois gostaria de saber exatamente em que tipo de situação se encontrava agora. Ela não sabia mesmo, que a situação era muito pior do que parecia.

- O que foi isso? - Alice parou no meio do caminho e olhou para trás.
- Isso o que? - Emmet olhou-a. - Não ouvi nada. Você ouviu? - ele perguntou para Isabella, que balançou a cabeça negativamente.
- Eu ouvi um barulho gente, tenho certeza.

Em algum lugar do túnel, um barulho fino agora ecoou, deixando os três alertas e preocupados.

Emmet destravou a arma lentamente, evitando fazer barulho e empurrou Alice e Isabella para a parede do túnel, colocando um dedo na boca afim de pedir-lhes silêncio. As duas concordaram com a cabeça e ficaram imóveis enquanto ele voltava para o meio do túnel. Swan olhou para a escuridão de onde vinha o barulho e ficou tensa, lembrando de sentir a mesma coisa de quando o prédio da ONPAS entrou em alerta vermelho. E então ela viu. Alice também viu. Um corpo masculino correndo, quase levitando, mas com pressa, na direção de Emmet, que disparou a metralhadora, fazendo as cápsulas das balas caírem aos seus pés enquanto continuava com o dedo no gatilho.

- OMG! - Swan gritou ao ver aquela cena.

O vampiro caiu antes de encostar no militar, queimando até virar pó. Ele as chamou de volta e elas até ele.

- O que... é isso? - Isabella franziu a testa, tentando entender o pó no chão. - Era um vampiro?
- Um vampiro e infectado. - Alice sussurrou, passando o pé no pó.
- Que eu saiba vampiros não ficam... desse jeito... bizarro... - Swan parecia não se conformar. - Os vampiros da ONPAS eram todos absolutamente divinos. Edward parece uma estátua grega.
- Eles não estavam infectados, não é? - Emmet sorriu. - Até que esse estava bonitinho... Você não viu nada ainda.

Ele saiu andando e elas foram logo atrás, sempre olhando para o túnel que ia se estendendo às suas costas.

- Agora que esse morreu, quantos vocês acham que sobraram? - Swan perguntou, arrancando risadas altas de Emmet e Alice. - O que foi?
- Acho que você não entendeu a situação. Não dá para contá-los. Por que você acha que nem o exército continuou na cidade? Eles se multiplicam... basta você ser mordida.
- Não! Não basta. Eu fui mordida por Edward e não virei vampira!

Emmet parou de andar e puxou o rosto de Isabella.

- Você foi mordida por um vampiro puro. Se você for mordida por um infectado, você vai virar um deles.

Isabella sentia-se com um pouco de claustrofobia naquele túnel que não terminava nunca. O cheiro de corpos se deteriorando em algum lugar por ali, a deixava enojada.

- Esse Edward... você tem certeza que ele é calmo? - Emmet perguntou com uma voz desconfiada.
- Eu nunca disse que ele era calmo. Mas ele não é ruim.
- Quem te garante? - Alice interrompeu-a.
- Bem, ele me salvou em diversos momentos lá dentro. - Swan continuou, com a voz abafada pela tristeza. - Edward lutou com todos os vampiros de lá por minha causa.
- E por que então ele te mordeu? - Emmet parou, curioso. - Ele te mordeu, não foi?
- Sim. Nós... nos envolvemos.

Isabella terminou de falar e continuou andando, sem olhar para o rosto dos outros dois. Ela não queria ver nenhuma reação de nojo ou raiva da parte deles. Emmet e Alice se olharam desconfiados mas a alcançaram logo. A baixinha passou um braço pelo ombro de Swan, que não reagiu a isso.

- Bem, para se envolver com um troço desses, o cara deve ser um gato, né?
- Ele é perfeito!
- Ui. Quanta confiança! Gostei disso! Ele tem... amigos?

Isabella riu e não respondeu, guardando a arma pequena que lhe entregaram, na parte de trás de sua calça.


Música (Evanescence - My Last Breath): http://www.youtube.com/watch?v=u7LexNBv0mI


Edward. Era a única coisa que vagava por sua mente no momento. Isabella só conseguia pensar em se manter o máximo de tempo viva, nem que fosse apenas para vê-lo mais uma vez. Para olhá-lo nos olhos e agradecer de novo. Ou simplesmente, para beijá-lo e dizer que o amava. Um amor concebido de uma forma diferente, mas que não deixava de ser amor. Ela nem reparou quando saíram do túnel, a luz do dia brilhando em suas cabeças e a cidade, deserta. Sem barulho algum para acompanhá-los. Os três podiam ouvir o barulho das solas de seus sapatos ecoando pela rua, que ventava pedaços de jornais rasgados pelo ar. Numa direção totalmente desconhecida eles estavam rumando, para salvar um da espécie responsável por todo aquele caos.

- Eu espero que esse cara não tente encostar em mim...
- Ele não vai fazer nada, Emmet. Isabella diz que ele a salvou!
- Mesmo assim, nunca se sabe. Eu mato ele antes, ouviram?

Swan congelou diante daquela hipótese. Emmet estava altamente armado e ela não gostava nem de pensar numa suposta chuva de balas na direção do vampiro 6.

- Eu asseguro que ele não fará nada a nenhum de vocês. Podem confiar em mim, pois eu também não os colocaria em risco, se não conhecesse Edward.
- É melhor mesmo.
- Quanto tempo de caminhada hein? - Alice perguntou, passando a mão na testa suada.
- Se mantermos esse ritmo, mais umas 4 horas. - o militar respondeu, olhando para o relógio e depois para o céu. - Depois que o sol baixar, vai ser mais fácil.

Eles já se sentiam cansados diante do sol escaldante lá no céu. Isabella não aguentava mais andar e pediu para que eles parassem um pouco para descansarem.

- Nós não podemos perder tempo. - Emmet falou olhando em volta, com os olhos estreitos fugindo do sol.
- Eu sei, nem quero perder tempo algum. - Swan falou sem fôlego, desfazendo o rabo-de-cavalo para ajeitar novamente. - Mas eu estou morta. Preciso de 5 minutos pelo menos, ok?

Alice balançou a cabeça e sentou no meio-fio do lado dela, parando para tomar um fôlego também e levando uma mão acima dos olhos, para olhar Emmet no sol.

- Você não cansa nunca?
- Fui treinado para isso garotas... - ele sorriu, colocando a metralhadora no ombro.
- Ah sim. Mas mesmo sendo treinado, este sol está de matar! - Alice falava resmungando e abanando o rosto com as mãos.

Isabella logo ficou de pé novamente, limpando a calça na bunda e deu a mão para Alice levantar também.

- Podemos ir se quiserem.
- Por mim tudo bem! - a baixinha falou sorridente.

No momento que eles atravessaram a rua, duas pessoas saíram de dentro de uma loja e um grupo apontou as armas para o outro. Houve uma tensão no ar e eles perceberam que todos eram humanos.

- Olá. - um outro loiro falou, abaixando a arma.
- Oi. Sou Alice. - ela esticou a mão.
- Jasper.

Eles se cumprimentaram e depois a mulher atrás do loiro falou, se inclinando.

- Sou Victoria.
- Olá. - Isabella sorriu simpática e Victoria a ignorou, olhando apenas para Emmet.
- Vocês estão indo para onde? - o loiro perguntou.
- Norte. E vocês? - Emmet perguntou seco, sem olhar muito para eles e sim para o horizonte.
- Estávamos sem rumo, na verdade. Não sabemos para onde ir ao certo. Podemos ir junto? - Jasper perguntou, franzindo a testa e com olhos suplicantes.

Alice agarrou o braço dele e o puxou para andar com ela, sorrindo.

- Já estão indo... Vamos, Em? Bella?
- Jasper! - Victoria o chamou, balançando seus cabelos cor de fogo e ele virou-se para olhá-la. - Nós vamos com eles? Nem os conhecemos!
- Eu vou. Se você vai eu não sei... Nós só nos conhecemos há poucas horas também.

Ela fechou a cara e saiu andando atrás deles, olhando Isabella dos pés à cabeça.

- Você é sempre pálida assim?
- Eu estava internada.
- Hum. - ela resmungou e olhou Emmet, avaliando todos os seus músculos. - Namorados?
- Quem? - Swan a indagou, olhando para Emmet logo em seguida e revirou os olhos. - Nós dois? Claro que não!
- Nos conhecemos há pouco tempo. - ele respondeu numa voz bem clara.


Música (The Howling): http://www.youtube.com/watch?v=0bqRn0rLq1c


Eles andaram por horas calados, cada um com seus pensamentos. A noite já tinha caído quando enfim, eles pararam diante do que viam.

- Wow. - Alice exclamou olhando para cima.
- Ok, o que estamos fazendo aqui? - Jasper perguntou, passando a mão no pescoço.

Na frente deles, um muro gigante e impenetrável se estendia, com o símbolo do exército americano no portão principal. Victoria e Jasper os olharam confusos e Emmet limpou a garganta.

- Bem, essa é nossa primeira parada.
- Para que? - a ruiva franziu a testa, olhando ainda para o muro imponente.
- Para buscar mais uma pessoa. - Swan conclui seca e se adiantou alguns passos à frente. Ela virou para olhar Emmet. - Tem idéia de como podemos entrar?
- Bem... - ele apolpou os bolsos da calça e Victoria o comeu com os olhos. - Eu espero que meu cartão de acesso ainda esteja funcionando.

Ele então retirou um cartão magnético e passou num vidro que ficava colado ao portão. Logo em seguida, ele colou seu polegar no vidro e esperou. Uma luz verde piscou acima do portão e o som de várias travas ecoou no ar.

- Ok, ainda sou um militar então. - ele falou e sorriu para Swan, esperando o portão abrir. - Primeiro as damas, por favor.


Música (Avril Lavigne-Nobody's Home): http://www.youtube.com/watch?v=Hbm4G_7rGzQ


Isabella deu o primeiro passo e entrou portão adentro, ficando abismada com a dimensão do lugar. Os outros vieram logo atrás dela e então Emmet tomou a frente novamente, sabendo os locais exatos onde ir.

- Antes, nós vamos ao arsenal.
- Não, por favor. - Swan segurou seu braço. - Eu não aguento esperar...
- Eu não vou quase desarmado até ele.
- Ele quem? - Victoria perguntou, interessada na palavra no masculino.

Eles pararam de frente para a entrada do prédio que ficava no meio do terreno imenso. Ali, Emmet passou novamente o cartão.

- Ele quem? - Victoria perguntou novamente, irritada.
- Um amigo dela. - Alice repondeu sorrindo e abraçando Isabella.

Eles entraram no prédio, totalmente apagado, dando idéia de que não havia ninguém mais ali e Swan sentiu uma dor no coração ao pensar na hipótese de Edward não estar lá.

- Pegamos... o caminho... errado... - ela falou sem forças, as lágrimas saindo de seus olhos.
- Não querida, não pegamos. - Alice a consolou e olhou raivosa para Emmet. - Nós iremos agora conferir isso, ok? O arsenal fica para depois. Emmet?

A baixinha fez um sinal com a cabeça e ele revirou os olhos, não resistindo a elas duas.

- Se ele estiver aqui nesse prédio, eu sei onde estará. Venham.

Eles se direcionaram a um elevador, sempre com Emmet iluminando o caminho com sua lanterna. O elevador ao invés de subir, desceu. Eles saltaram dois andares depois e se depararam com um corredor frio parecido ao da ONPAS.

- Ele está aqui. Eu sei que está.

Swan saiu correndo, olhando para os lados, procurando pela primeira entrada que achasse. Lá no final, ela escancarou uma porta de aço que estava entreaberta. Um quadrado de vidro e um vampiro quase morto de fome estavam agora à sua frente, enquanto ela caía de joelhos chorando.



Música (Guns N' Roses--Don't Cry): http://www.youtube.com/watch?v=_Ns59Bmqpms


Emmet parou na frente da cela, encarando o vampiro jogado ali dentro. Victoria e Jasper recuaram, dando alguns passos para trás.

- Vocês... vocês... - Victoria gaguejava. - nos trouxeram até um vampiro?
- Calem-se. - Swan falou ríspida, se levantando devagar e caminhando até a cela. - Edward...

Ele a olhou, sem ânimo de levantar, mais pálido do que nunca, com olheiras extremamente fundas e roxas.

- O que fizeram com você? Há quanto tempo... - ela soluçou. - Há quanto tempo está aqui sozinho?
- Bella... - ele fechou os olhos e balbuciou o nome dela, com uma voz fraca.
- Edward... - ela chorou colocando a mão no vidro e o viu se arrastar para fazer o mesmo.
- Você... está bem... - ele falou fraco, tentando sorrir. - Bonita...

Ela não o respondeu, pois suas lágrimas não deixavam. Swan levantou rápido e olhou em volta, procurando pela mesa de controles, que ficava no canto da sala. Ela correu a té a mesa e começou a olhar os botões.

- O que está fazendo? - Emmet a segurou pelos braços. - Não vai abrir isso! Ele está faminto!
- Eu sei. Eu vou entrar lá, ok? Eu disse que não deixaria nada acontecer a vocês!

Swan girou uma chave de comando e correu para a cela, que fazia o barulho de destrancamento. Edward a olhou apavorado e grudou o corpo na parede.

- Não! - ele falou buscando forças para gritar. - Segurem-a. Não deixem...
- Edward, eu confio em você...
- Não! Bella... não... - ele tinha uma expressão de dor agora. - Eu vou... te matar...

Ela ignorou o pedido dele e entrou.


Música (Guns N' Roses--Don't Cry): (N/A: continuação da música...)

Para ver este conteúdo, atualize para a versão mais recente de plug-in Flash emhttp://www.macromedia.com/go/getflashplayer. http://www.youtube.com/watch?v=_Ns59Bmqpms



Isabella estava mais perto da morte do que ela jamais imaginou. Edward se agarrou à parede de vidro, evitando contato com ela, mas ela foi até ele, enquanto Emmet fechava a porta da cela pela mesa de comando.

- Não...
- Edward... por favor... - seus olhos lacrimejavam em excesso enquanto ela tentava se aproximar cautelosamente dele, que tinha pânico no olhar.

O vampiro 6 fechou os olhos e virou o rosto na direção contrária dela. Ele não queria respirar, nem sentí-la, nem olhá-la. Ele sabia que ele podia matá-la a qualquer momento, tamanha fome que sentia.

- Beba...
- Eu vou... te matar, Bella... saia...

Ela o via se esforçar para não se mexer, seu rosto expressando dor ao extremo. Mas Swan chegou nele e tocou seu rosto, fazendo-o abrir os olhos negros e o vermelho reluzir forte depois. A mão do vampiro foi automaticamente para o pescoço dela, que perdeu o ar no exato momento do toque.

- Você não... devia...

Ele suplicou uma última vez, antes de puxá-la pela cintura e cravar os dentes em seu pescoço. Os que estavam do lado de fora deram um passo para trás, e Emmet abriu fogo contra a cela, que era inabalável.

- Ele vai matá-la!

Silêncio. Era o que se houvia naquela sala. Os que assistiam, estavam perplexos demais para se mexerem ou fazerem alguma coisa. Eles viam, que a cada gota de sangue sugado do pescoço de Isabella, o vampiro parecia tornar-se mais saudável. Do lado de dentro, enquanto Edward ganhava força novamente e sentia o sangue quente de Swan escorrer por sua garganta, Isabella perdia as forças, sentia seu corpo desanimar a cada segundo e seus olhos pesarem em seu rosto.

- Eu... te... amo...

Ela falou baixo demais para os outros ouvirem, mas alto o suficiente para um vampiro captar. No local mais fundo do seu subconsciente, Edward entendeu aquelas palavras e se esforçou para afastar os dentes da sua veia, por mais difícil que fosse. Ele levantou a cabeça e a olhou nos olhos por míseros dois segundos e se jogou contra o vidro, afastando-se urgente dela.

- Não!

O grito dele tirou os outros do transe enquanto o corpo fraco de Bella caía devagar no chão, fazendo um barulho abafado ecoar na cela. Ao ver o que tinha feito, ele correu ao seu encontro e levantou sua cabeça lentamente.

- Bella?
- Edw...

Ela encostou uma mão no rosto dele, que parecia querer chorar. O vampiro a pegou no colo e olhou fulminante para Emmet.

- Abra!
- Emmet, não. - Jasper falou grosso.
- Eu... - Emmet balbuciou sem saber o que fazer.
- ABRA! - o grito dele fez o vidro tremer e ele viu a figura pequena de Alice correr até a mesa e girar a chave.

Música (Evanescence - "Lithium"): http://www.youtube.com/watch?v=V4aiH0AiXBE

A porta da cela se abriu e o vampiro saiu carregando Isabella nos braços. Ele liberou uma mesa no centro da sala, jogando as coisas no chão e a deitou ali. Edward ignorou as armas de Emmet e Jasper apontadas para ele.

- Bella? Fique comigo...
- Edward...

Ele rosnou e levantou o pulso, com a intenção de abrí-lo para poder alimentá-la. Ao perceber o que ele iria fazer, Swan o parou, segurando seu braço com seus dedos fracos.

- Não.
- O que? Não acha que eu vou deixá-la morrer, né?
- Edw...

O vampiro 6 abaixou a cabeça para beijá-la e encostou o rosto no dela, seu nariz tocando a pele fina do seu pescoço, no mesmo local em que a mordera.

- Eu não... não vou... morrer...
- Você está fraca, Bella... tão fraca...

Uma mão fria passou sobre sua testa, afastando seus cabelos. Ele o odiava por ter feito isso a ela, e então, ouviu-se o som de uma arma engatilhando. Edward virou-se rapidamente e voou em Jasper, grudando-o na parede com a unha na sua garganta.

- Não ousem se mexer, ou ele morre. - ele rosnou cheio de ódio dentro de si, enquanto encarava Jasper. O loiro pediu com os olhos para os outros se afastarem. - Me deixem a sós com ela! E eu não estou pedindo.

Quando ele lançou olhares para cada um deles, seus olhos negros exalando raiva, todos recuaram e saíram da sala. Edward voltou para a mesa beijando a mão de Isabella.

- Como você se sente? Se você estiver perto de morrer, Bella... eu juro...
- Não... não me... transforme. Em nenhuma... hipótese.

Ela suspirou, seu corpo tremendo com o esforço e fechou os olhos, apertando seus dedos em volta do braço dele. Edward ouvia seu coração batendo constante e sabia que não era a hora dela agora. Ele subiu na mesa e sentou, puxando a cabeça de Swan para seu colo.

- Descanse o tempo que precisar... Eu não vou sair daqui.

Nem Isabella, nem Edward, saberiam dizer exatamente por quanto tempo ela estava ali, dormindo. Ele não saiu um segundo sequer do lado dela.



<<< Capitulo 1                                                                                Capitulo 3 >>>

0 comentários :

Postar um comentário